Vous êtes sur la page 1sur 2

O Corpo Ressuscitado de Jesus Cristo

Jesus Cristo, depois de ressuscitado e por quarenta dias, deu prova cabal que estava
vivo aparecendo aos seus discípulos e a muitos seguidores.

Apareceu no mesmo corpo físico de carne e ossos em que foi crucificado. Portanto,
para que tal fato seja real e verdadeiro, o seu corpo tem que ser constituído de átomos
pertencendo a este universo. Átomos que existem desde o primórdio da criação e que também
estão sendo criados, pois o universo cresce e se expande. E são os mesmos átomos da nossa
conhecida tabela periódica criada por Deus.

Conseqüentemente, o corpo de Cristo é constituído de células, as mesmas células do


seu corpo crucificado. Porém, com uma característica que ficou evidente após a Sua
ressurreição. O material genético de suas células carrega, desde então, um dispositivo para
permitir que essas células se multipliquem indefinidamente, isto é, sem elaborar enzimas e
proteínas causadoras do envelhecimento. Este corpo e seus órgãos se mantêm até hoje na
idade aparente em que foi ressuscitado.

O aspecto do seu corpo é de um homem, eu creio que jovem, pois de início seus
discípulos não o reconheceram, embora Lucas atribuísse outra intervenção (Lc 24.16). E
possui completa faculdade mental e vigor físico. Seu corpo possui os órgãos sexuais que lhe
conferem o caráter masculino, pois a testosterona secretada pelos testículos também é
responsável pela diferenciação do gênero humano. Mas, sem produção de espermatozóides, e
somente de esperma, pois se trata de secreção testicular. Portanto, há possibilidade de
ejacular, mas não de se reproduzir, como Ele mesmo explicou (Mt 24.38).

As células do Seu corpo ressurreto em tudo carregam a gênese de Adão e Eva, ou seja,
da Humanidade, por meio dos genes de sua mãe judia, que cedeu o óvulo para que o Espírito
Santo pudesse adicionar o elemento genético masculino de constituição divina. Assim, Jesus
possui em Si mesmo a herança humana e divina no corpo de sua carne. Portanto, o seu corpo
ressuscitado também carrega a descendência de Abraão, Isaque e Jacó, bem como toda a
ascendência através da linhagem materna, que Ele sempre teve em conta e respeitou segundo
a Lei (Êx 20.12).

Tendes aqui alguma coisa que comer? Perguntou Jesus Cristo para os seus discípulos,
agora alegres, ali reunidos (Lc 24.41). Pediu comida, comeu, bebeu e conversou. Portanto, os
seus sistemas, nervoso, digestivo e respiratório, funcionavam perfeitamente, como em seu
antigo “corpo animal” (1Co 15.44). Conseqüentemente, ao seu corpo ressuscitado também
foram agregados os elementos minerais e orgânicos, aminoácidos e vitaminas, que são
comumente ingeridos em uma refeição. Átomos e moléculas pertencentes a este universo e
incorporado fisiologicamente ao seu corpo, da mesma forma que em qualquer ser vivente,
animal ou vegetal. E o que não for aproveitado é igualmente eliminado.

Carne e ossos. Sua carne constitui-se de pele, músculos e órgãos internos para
perpetuação do corpo eterno, ou seja, corpo espiritual e não mais corpo mortal. Pois, sem
órgãos não existe o corpo e, portanto, não existe a própria pessoa, da qual o corpo também faz
parte. Seus ossos, de mesma estrutura e constituição que a do seu corpo crucificado, aquele
antigo corpo mortal, também possui a capacidade de produzir as células do sistema
circulatório e linfático. Portanto, faz-se necessário da existência do sangue, pois é quem leva
oxigênio e nutrientes às células e elimina o gás carbônico do metabolismo celular.
Além das cerca de 100 trilhões de células que compõem em média o corpo humano, o
corpo também carrega uma flora bacteriana simbiótica, que corresponde a 10 vezes mais o
número de células, ou seja, cerca de um quatrilhão de microrganismos. Essa flora não é
supérflua e estabelece a integração desse corpo com o habitat do planeta terra e do próprio
universo. Pois, neste momento Jesus vive da mesma maneira em que foi ressuscitado.

Não vive aqui na terra, pois Ele foi visto por seus discípulos ascendendo ao alto e
sendo encoberto por uma nuvem, e desaparecendo (At 1.9). Portanto, Jesus Cristo neste exato
momento ainda está vivo e é Deus! Ele vive num local semelhante a esta terra e pertencendo a
um sistema solar, neste mesmo universo criado por Deus, que também faz parte do mesmo
céu. Isto é verdadeiro, porque Jesus disse: vou preparar-vos lugar (Jo 14.2). Este lugar é o que
por símbolo o livro do Apocalipse no capítulo 21 designa como Jerusalém. Um local físico
com a dimensão de tempo (v 1) e espaço (v 16; comprimento, largura e altura).

Jesus não está sozinho. Enoque, Elias e Moisés (Gn 5.24; 2Rs 2.11; Jd 1.9) também
estão com ele, pois foram arrebatados e/ou transformados. Também estão os santos judeus que
foram ressuscitados junto com Ele (Mt 17.3; 27.52,53), pois foram vistos e depois
desapareceram. E o ladrão que morreu na cruz, pois também foi ressuscitado e está no paraíso
(Lc 23.43). Portanto, a matéria da qual o paraíso é constituído em nada difere da matéria que
preenche o nosso universo, exceto que no local onde Jesus Cristo e os santos estão o Mal não
habita, pois ele foi expulso de lá (Ap 17.7).

Em tempo:
A propriedade que o corpo de Jesus tem de aparecer e desaparecer (Jo 20.19) pode ser
explicado por semelhante episódio registrado no livro de Atos dos Apóstolos. No capítulo 8
lemos que Felipe foi desmaterializado aos olhos do eunuco após saírem do local do seu
batismo e tornou a ser materializado em outra localidade, a uma distância considerável desse
lugar, na cidade de Azoto (At 8.25-40). Esta propriedade é devido à ação do Espírito Santo,
como em todo o milagre.

Ruy Porto Fernandes


Niterói, 28/05/2009