Vous êtes sur la page 1sur 2

Publicado no O. O. E.

Em, )5.' U ')J . '0 Cj


TRIBUNALDECONTASDO ESTAtHr--:--#+~~~-":'~

PROCESSOTC N° 01968/07 FI. 1/2

Administração Direta Municipal. Prefeitura Municipal de Alagoa


Grande. Prestação de Contas do Prefeito Híldon Régis Navarro
Filho, relativa ao exercício de 2006. Emissão, em separado, de
parecer contrário à aprovação das contas. Declaração de
atendimento aos preceitos da LRF. Imputação de débito. Aplicação
de multa. Representação junto à Secretaria da Receita Federal do
Brasil. Determinação de análise da despesa efetuada com a
empresa COPIAL, durante o exercício 2008.

ACÓRDÃO APL TC Ú.J{12009

Vistos, relatados e discutidos os autos do Processo TC nO01968/07, que trata da prestação de contas
da Prefeitura Municipal de Alagoa Grande, relativa ao exercício financeiro de 2006, de responsabilidade do
Prefeito Híldon Régis Navarro Filho, e

CONSIDERANDO que a Auditoria, em relatório preliminar às fls. 1652/1668, anotou irregularidades


relacionadas ao (1) excesso na despesa com pessoal, sem indicação das medidas corretivas; (2) falta de
previsão orçamentária dos gastos com INSS patronal, resultando na necessária abertura de créditos especiais
para cobertura da despesa; (3) demonstrativos incorretamente elaborados, em virtude da não consolidação dos
balanços do Fundo Municipal de Saúde; (4) não contabilização da dívida fundada resultante do parcelamento
junto ao INSS; (5) contabilização equivocada da receita de capital como receita corrente, distorcendo o valor da
receita corrente líquida; (6) realização de despesas sem a obrigatória antecedência de licitação; (7) despesa não
comprovada com combustíveis, totalizando R$ 21.884,15; (8) grande parte da frota municipal se encontra com
licenciamento em atraso; (9) despesa não comprovada com INSS, na importância de R$ 229.653,83, sendo R$
211.319,86 extra-orçamentária e R$ 18.333,97 orçamentária; (10) apropriação indébita de valores consignados
em folha de pagamento, referentes ao INSS, totalizando R$ 139.475,32; (11) pagamento de juros, totalizando R$
4.882,52, decorrente de recolhimento intempestivo do INSS; (12) não empenhamento da despesa com INSS, no
valor de R$ 926.800,94, contrariando o comando do art. 35 da Lei nO4320/64; (13) os valores informados ao
INSS, através da GFIP, parcela do segurado, não correspondem àqueles apresentados na folha de pagamento;
(14) descaso na conservação da frota municipal; e (15) aplicação de 14,95% da receita de impostos em ações e
serviços públicos de saúde.

CONSIDERANDO que, regularmente notificado, o gestor apresentou as justificativas e documentos de


fls. 1677/5085;

CONSIDERANDO que a Auditoria, no relatório de análise de defesa às fls. 5124/5135, entendeu


elididas as falhas relacionadas à contabilização equivocada da receita de capital como receita corrente, não
empenhamento do INSS patronal e descaso na conservação da frota municipal. Reduziu os valores da despesa
sem licitação de R$ 506.584,97 para R$ 84.491,35, das despesas não comprovadas com combustíveis de R$
21.884,15 para R$ 8.688,00, das despesas não comprovadas com INSS de R$ 229.653,83 para R$ 216.114,21
e da apropriação indébita das consignações previdenciárias de R$ 139.475,32 para R$ 25.139,39. Quanto aos
demais itens, manteve o entendimento inicial;

CONSIDERANDO que o Ministério Público junto ao TCE/PB, através do Parecer nO 1321/08/08, após
comentários e citações, pugnou pela (a) emissão de parecer contrário à aprovação das contas; (b) declaração de
atendimento integral às disposições da Lei de Responsabilidade Fiscal; (c) imputação de débito ao Sr. Híldon
Régis Navarro Filho, no valor de R$ 216.114,21, referente a despesas com INSS sem comprovação; (d)
aplicação de multa nos termos do art. 56 da LOTCE/PB; e (e) recomendação à Administração Municipal de
Alagoa Grande, no sentido de evitar toda e qualquer ação administrativa que venham a macular as contas de
gestão municipal;

CONSIDERANDO que o Relator, após se posicionar contrariamente à aprovação da prestação de


contas, em razão da falta de recolhimento ao INSS de consignações previdenciárias efetuadas em folha ~.

JGC /'
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

PROCESSO Te N° 01968/07 FI. 2/2

pagamento, no valor de R$ 25.139,39, e da evidente falta de comprovação de despesas com obrigações


previdenciárias devidas ao INSS, contabilizadas como pagas no SAGRES, no valor de R$ 184.419,66, propôs
aos Conselheiros do TCEIPB que (1) imputassem ao Prefeito, Sr. Híldon Régis Navarro Filho, a importância de
R$ 184.419,66 (cento e oitenta e quatro mil, quatrocentos e dezenove reais e sessenta e seis centavos),
referente às despesas com INSS sem comprovação, indicadas como pagas no SAGRES; (2) aplicassem a multa
de R$ 2.805,10 ao gestor, com fulcro no art. 56, inciso 11, da Lei Orgânica do TCEIPB, em razão das restrições
nestes autos levantadas; (3) declarassem integralmente atendidos os preceitos da Lei de Responsabilidade
Fiscal; e (4) representassem junto à Delegacia da Receita Federal do Brasil, acerca das irregularidades
relacionadas ao recolhimento previdenciário ao INSS, para as providências a seu cargo; e (5) recomendassem
ao gestor maior observância dos mandamentos legais norteadores da Administração Pública, contidos na
Constituição Federal e nas Leis nO 101/00, 4320/64 e 8666/93, bem como dos normativos emanados do
Conselho Federal de Contabilidade;

CONSIDERANDO que o Conselheiro Antônio Nominando Diniz Filho, em seu voto, acrescentou a
necessária verificação pela Auditoria da legalidade dos pagamentos efetuados à empresa COPIAL;

ACORDAM os Membros integrantes do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba, na sessão plenária


hoje realizada, por maioria, acatando a proposta de decisão do Relator, em:

I. IMPUTAR DÉBITO ao Ex-prefeito, Sr. Híldon Régis Navarro Filho, na importância de R$184.419,66
(cento e oitenta e quatro mil, quatrocentos e dezenove reais e sessenta e seis centavos), referente
às despesas com INSS sem comprovação, indicadas como pagas no SAGRES, assinando-lhe o
prazo de 60 (sessenta) dias, a contar da publicação deste ato no DOE, para recolhimento voluntário
aos cofres municipais, cabendo ao Prefeito eleito no último pleito de outubro próximo passado, no
interstício máximo de 30 (trinta) dias após o término daquele prazo, velar pelo seu integral
cumprimento, sob pena de responsabilidade e intervenção do Ministério Público Estadual, na
hipótese de omissão, conforme dispõe o art. 71, § 4°, da Constituição do Estado da Paraíba;

11. APLICAR MULTA ao Ex-prefeito, Sr. Híldon Régis Navarro Filho, na importância de R$ 2.805,10
(dois mil, oitocentos e cinco erais e dez centavos), em virtude das irregularidades anotadas no
presente processo, com fulcro no art. 56, inciso 11, da Lei Orgânica do TCEIPB, assinando-lhe o
prazo de 60 (sessenta) dias, a contar da publicação deste ato no DOE, para recolhimento voluntário
à conta do Fundo de Fiscalização Financeira e orçamentária municipal, sob pena de cobrança
executiva, desde logo recomendada, nos termos do art. 71, § 4°, da Constituição do Estado da
Paraíba;

111. DECLARAR INTEGRALMENTE ATENDIDOS os preceitos da Lei de Responsabilidade Fiscal;

IV. REPRESENTAR junto à Delegacia da Receita Federal do Brasil, acerca das irregularidades
relacionadas ao recolhimento previdenciário ao INSS, para as providências a seu cargo; e

V. DETERMINAR à Auditoria que examine, na prestação de contas de 2008, a legalidade dos


pagamentos efetuados à empresa COPIAL.
Publique-se, intime-se cumpra-se,
TC - Plenário Min. João Agripin , m OLhgemarço de 2009.
\

~
,
'I1t>1'hm~~ Diniz Filho
Conselheiro Ant:91"

,4 ~_7"
Presidem
!).~~J~
Cl

1
Aud' r tonio Cláudio Silva S,rnos ( '~rêsa Nóbrega
Relator Procuradora Geral do
Ministério Público junto ao TCEIPB

JGC