Vous êtes sur la page 1sur 3
CARREIRAS NÍVEL MÉDIO/PRF Disciplina: Administrativo Prof.: Fabrício Bolzan Data: 09/10/2008

CARREIRAS NÍVEL MÉDIO/PRF Disciplina: Administrativo Prof.: Fabrício Bolzan Data: 09/10/2008

Lei 11.784 de 22 de setembro de 2008 manteve o prazo de 24 meses do estágio probatório da Lei 8112/90.

ATOS ADMINISTRATIVOS

1) Atos da Administração X Atos administrativos:

Todo ato praticado pela Administração, no exercício da função administrativa, seja regido pelas regras

de direito público ou pelas regras de direito privado, são considerados atos da Administração.

I – Atos privados da Administração;

II – Atos materiais;

III – Atos administrativos: “é toda manifestação unilateral de vontade da Administração Pública que,

agindo nessa qualidade, tenha por fim imediato adquirir, resguardar, transferir, modificar, extinguir e declarar direitos, ou impor obrigações aos administrados ou a si própria.” (Hely Lopes Meirelles).

Os atos administrativos são regidos pelo regime de direito público.

2) Elementos do ato administrativo:

São elementos ou requisitos do ato administrativo o famoso “COMFF” (competência, objeto, motivo, forma e finalidade).

2.1) Competência: conjunto de atribuições conferidas pela lei aos órgãos e agentes públicos para o desempenho das funções administrativas.

O vício no elemento competência caracteriza o “excesso de poder”.

2.2) Finalidade: a finalidade pode ser:

I – em sentido amplo: consiste na tutela do interesse público;

II – em sentido estrito: é a finalidade pública prevista em uma lei específica.

2.3) Forma: é o meio pelo qual a vontade da Administração Pública se exterioriza.

2.4) Motivo: é a situação de fato e de direito que autoriza a prática do ato administrativo.

Teoria dos Motivos Determinantes: a Administração ao declarar o motivo que autorizou a prática do

ato administrativo, ficará vinculada à existência e à veracidade da alegação, e, em caso de inexistência

ou falsidade do motivo, o ato será declarado nulo.

2.5) Objeto: é o conteúdo do ato, ou seja, seu resultado prático. EX: no ato administrativo que aplica uma multa, o objeto do ato consiste na imposição de uma penalidade.

Mérito do ato administrativo: consiste no juízo de valor (oportunidade e conveniência) efetivado em face de dois elementos do ato administrativo, quais sejam: motivo e objeto.

3) Atributos do ato administrativo: os atributos são qualidades do ato administrativo.

- 1 –

CARREIRAS NÍVEL MÉDIO/PRF Disciplina: Administrativo Prof.: Fabrício Bolzan Data: 09/10/2008

CARREIRAS NÍVEL MÉDIO/PRF Disciplina: Administrativo Prof.: Fabrício Bolzan Data: 09/10/2008

3.1) Presunção de Legitimidade: por esse atributo presume-se que o ato administrativo foi elaborado de acordo com a lei, com as regras morais e com a verdade.

3.2) Auto-executoriedade: trata-se de atributo que autoriza a Administração a praticar diretamente seus atos, sem a necessidade de obter previamente a autorização do Poder Judiciário.

A auto-executoriedade subdivide-se em:

a) Exigibilidade: meios indiretos de coerção. EX: imposição de uma multa pelo descumprimento de uma determinação administrativa;

b) Executoriedade: meios diretos de coerção. EX: fechamento de um estabelecimento comercial.

3.3) Imperatividade: este atributo legitima a Administração a impor diretamente seus atos independentemente de concordância do administrado atingido.

4) Classificação dos atos administrativos:

4.1) Quanto aos efeitos: na classificação quanto aos efeitos, o ato administrativo pode ser:

a) Constitutivo: é aquele que cria (constitui) uma nova situação jurídica.

b) Desconstitutivo: é aquele que extingue (desconstitui) situação jurídica preexistente.

c) Declaratório: é aquele que declara a existência de uma determinada situação jurídica.

4.2) Quanto aos destinatários: na classificação quanto aos destinatários, o ato administrativo pode ser:

a) Geral: é aquele que atinge a coletividade como um todo;

b) Individual: é aquele que atinge destinatário certo e determinado. Pode ser:

singular, quando atingir um só destinatário.

plúrimo ou múltiplo: quando atinge mais de um destinatário, mas todos certos e determinados.

4.3) Quanto ao grau de liberdade: na classificação quanto ao grau de liberdade o ato administrativo pode ser:

a) Vinculado: é aquele em que a lei não confere nenhuma liberdade de atuação ao administrador

que deverá praticar o único comportamento previsto na legislação correspondente. Discricionário: é aquele em que a lei confere certa liberdade de atuação ao administrador para que, mediante um juízo de oportunidade e conveniência, tome a decisão mais favorável ao interesse público, dentre aquelas previstas na legislação correspondente.

4.4) Quanto a formação da vontade administrativa: na classificação quanto a formação da vontade o ato administrativo pode ser:

a) Simples: é aquele que decorre de uma manifestação de vontade dentro de um só órgão da

Administração.

b) Composto: é aquele que decorre de mais de uma manifestação de vontade dentro de um

mesmo órgão.

c) Complexo: é aquele que decorre de mais de uma manifestação de vontade, oriundas de mais de

um órgão.

5) Modalidades de atos administrativos:

5.1) Atos Normativos: são aqueles que possuem um comando geral e abstrato, com a finalidade de dar fiel cumprimento à lei.

- 2 –

CARREIRAS NÍVEL MÉDIO/PRF Disciplina: Administrativo Prof.: Fabrício Bolzan Data: 09/10/2008

CARREIRAS NÍVEL MÉDIO/PRF Disciplina: Administrativo Prof.: Fabrício Bolzan Data: 09/10/2008

São exemplos de atos normativos: regulamentos, decretos, instruções normativas, regimentos, resoluções e deliberações.

5.2) Atos Ordinatórios: são aqueles que têm objetivo de ordenar o funcionamento da Administração e a atuação dos agentes públicos.

São exemplos de atos ordinatórios as portarias, instruções, avisos, circulares, ordens de serviço, ofícios e despachos.

5.3) Atos Negociais: são aqueles traduzidos numa pretensão do particular coincidente com uma declaração de vontade da Administração Pública.

São exemplos de atos negociais: alvará, licença, concessão, permissão, autorização e admissão.

5.4) Atos Enunciativos: são aqueles em que a Administração declara uma situação jurídica preexistente, seja certificando ou atestando um determinado fato, seja emitindo um parecer.

São exemplos de atos enunciativos: certidão (certidão negativa de débitos de IPTU), atestado (atestado de freqüência escolar elaborado por uma escola pública) e parecer (parecer jurídico emitindo uma opinião sobre a legalidade ou não de um procedimento licitatório).

6) Extinção dos atos administrativos:

6.1) Formas de Extinção: sobre esse tema, cumpre destacar que trabalharemos com as duas formas mais importantes de extinção do ato administrativo: a anulação e a revogação.

6.1.1) Anulação do ato administrativo: a anulação do ato administrativo ocorre nos casos de ilegalidade e pode ser declarada pela própria Administração Pública ou pelo Poder Judiciário.

A anulação opera efeitos “ex tunc” (retroativos).

6.1.2) Revogação do ato administrativo: a revogação do ato administrativo ocorre nos casos de atos válidos (de acordo com a lei), mas que deixaram de ser convenientes ou oportunos ao interesse público.

Os efeitos da revogação são “ex nunc”, i.e., não retroagem.

6.1.3) Cassação: ocorre quando o beneficiário do ato deixa de cumprir um requisito que mantinha a sua validade.

6.1.4) Caducidade: ocorre quando lei posterior torna insubsistente a manutenção de ato administrativo que, no momento da expedição, era válido.

7) Convalidação: a convalidação consiste na correção do ato administrativo detentor de vício sanável, quando não gerar lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros.

Nesse sentido, prevê o art. 55 da Lei n. 9.784/99:

Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração.

- 3 –