Vous êtes sur la page 1sur 1
VII SEMINÁRIO PIBID/UNASP Desa os do Ensino Música e Signi cado como Proposta de Educação

VII SEMINÁRIO PIBID/UNASP Desa os do Ensino

Música e Signi cado como Proposta de Educação Musical Leonardo da Silva Moralles, Rafael Beling Rocha Ailen Rose de Balog Lima, Haller Schunemann

Beling Rocha Ailen Rose de Balog Lima, Haller Schunemann 1 RESUMO O presente trabalho foi realizado

1 RESUMO O presente trabalho foi realizado dentro do Programa de Incentivo à Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), promovido pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo. Através de aulas realizadas em uma escola pública de Artur Nogueira, pudemos observar e aplicar questões relativas ao signi cado que a música possui para os alunos, uma vez que pertencem a contextos socioculturais tão distintos.

2 INTRODUÇÃO Desde que a música se tornou um componente curricular obrigatório no ensino das Artes, vários propostas de educação musical tem surgido por todo nosso país. Alguns educadores como, por exemplo, Fonterrada (2005), alegam que a exploração da audição deve ser uma constante em termos de musicalização na educação regular. Outros ainda, como Penna (2012) e Schroeder (2005), defendem a importância da diversidade e da vivência prática da música, além de ressaltarem a importância de uma educação para todos independentes de quaisquer fatores supostamente inatos.

3 OBJETIVOS Nosso objetivo é mostrar que a interdisciplinaridade entre música, ciências sociais, e as outras expressões artísticas são ferramentas e cazes no processo de agregação de signi cado à música.

4 METODOLOGIA

As atividades traçaram uma linha nesse contexto, seguindo assim em diversas atividades realizadas ao longo do semestre. O foco do trabalho se deu, por exemplo, no ensino de canções agregadas com o conto de histórias e contextualização delas. Também associamos o som de instrumentos musicais a diferentes ideias, se apropriando dos conceitos do conto Pedro e o Lobo , de Sergei Proko ev, onde cada personagem é representado por um instrumento. Usamos também dinâmicas de grupo, onde os alunos puderam agregar ou mesmo compreender valores intrínsecos à música, além, é claro, de outras atividades ligadas a este conteúdo.

5 RESULTADOS OBTIDOS Nota-se, contudo, que uma das maiores necessidades de nossa sociedade em relação à música não está em aspectos performáticos e tecnicistas, mas sim no desenvolvimento de uma postura re exiva com essa arte.

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Acreditamos que se faz necessário compreender a música como uma expressão artística construída que está, a todo instante, agregada de signi cado e que esse signi cado pode ser

completamente modi cado por fatores socioculturais (BARBOSA, no prelo). O trabalho de conscientização da música signi cativa para os alunos é árduo e deve ser um trabalho contínuo nas escolas. O momento atual da educação permite que esse processo avance, fazendo que os alunos desenvolvam uma postura crítica em relação à música, algo de tanta importância nesse cenário que as crianças se encontram.

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARBOSA, Maria Flávia S. Concepções de desenvolvimento humano e práticas em educação musical. In: CAPELLINI, V. L. M. F. et al. Formação de professores: compromissos e desa os da Educação Pública. No prelo. FONTERRADA, Marisa T. O. De tramas e os: um ensaio sobre música e educação. São Paulo: UNESP, 2005. PENNA, Maura. Música(s) e seu ensino. 2ª ed. Porto Alegre:

Sulina, 2012. SCHROEDER, Silvia. C. N. Re exões sobre o conceito de musicalidade: em busca de novas perspectivas teóricas para educação musical. Tese de doutoramento. Campinas:

FE/UNICAMP, 2005.

em busca de novas perspectivas teóricas para educação musical. Tese de doutoramento. Campinas: FE/UNICAMP, 2005.
em busca de novas perspectivas teóricas para educação musical. Tese de doutoramento. Campinas: FE/UNICAMP, 2005.
em busca de novas perspectivas teóricas para educação musical. Tese de doutoramento. Campinas: FE/UNICAMP, 2005.