Vous êtes sur la page 1sur 32

APOSTILA ÊXITO:

MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS

PROFESSOR PAULO GONÇALO

CONJUNTOS NUMÉRICOS

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

Números decimais finitos:

CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS

 

Ex 1: 0,2 =

Chama-se conjunto dos números naturais (

),

o

conjunto numérico formado pelos números 0, 1, 2,

Ex 2 : 0,79 =

3,

 

Ex 3 : 0,123 =

 

={0,1,2,3,

}

Exemplo de subconjunto dos naturais:

Ex:

* = {1,2,3,

}

(Naturais não-nulos)

CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS

Denomina-se conjunto dos números inteiros ( ), o conjunto formado por:

= {

,

-3, -2, -1, 0, 1, 2, 3,

}

Exemplo de subconjuntos dos inteiros:

Ex 1 :

nulos)

Ex

2 :

Ex

3 :

Ex

4 :

Ex 5 :

* ={

,-4,-3,-2,

-1,1,2,3,4,

}

(Inteiros não

+ = {0,1,2,3

}

=

(Inteiros não negativos)

- ={

,-4,-3,-2,-1,0}

(Inteiros não-positivos)

* + = {1,2,3,

}=

* - ={

,-4,-3,-2,

* (Inteiros positivos)

-1} (Inteiros negativos)

CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS

Seja a e b números inteiros, onde a conjunto dos números racionais ( todos os elementos na forma x =

.

* , o

) é formado por

e b

= { x

x=

, com a

e b

* }

A

um número racional ou simplesmente fração. Na fração, a é chamado numerador e b denominador.

EXEMPLOS DE NÚMEROS RACIONAIS

expressão é denominada forma fracionária de

O

conjunto dos números Naturais (

) e Inteiros

(

)

Note que qualquer número natural ou inteiro é uma fração de denominador 1.

Dízimas periódicas:

Ex 1: 0,222

Ex 2 : 0,4545

Ex 3 : 0,5333

=

=

=

TRANSFORMAÇÃO

DE

NÚMEROS

NA

FORMA

FRACIONÁRIA

PARA

FORMA

DECIMAL

Efetua-se a divisão

Ex 1 :

Ex 2 :

= 43: 10 = 4,3

= 5: 9 = 0,555

TRANSFORMAÇÃO DE NÚMEROS NA FORMA DECIMAL PARA FORMA FRACIONÁRIA

Decimais finitos

Numerador: será o próprio número excluindo-se a vírgula.

Denominador: Conta-se a quantidade de números

a

direita

da

vírgula

e para cada número

acrescenta-se

uma

potência

de

10

no

denominador.

 

Ex: 0,6

 

Numerador: 06= 6

Denominador: Note que existe apenas um número a direita da vírgula, logo o denominador será 10.

Portanto, 0,6 =

Observação: Caso houvesse dois números a direita

 

da

vírgula, o denominador seria 100, três números

Ex

1 : 5=

o denominador seria 1000, e assim sucessivamente.

Ex

2 : -3 =

Dízimas periódicas

Ex: 0,666

1) Toma-se x= 0,666

(I)

2) Multiplica-se em ambos os lados de (I) por 10.

x= 0,666

10x = 6,666

(II)

3) Subtrai-se (I) de (II)

_

10x=6,666

x=0,666

9x= 6

x =

=

CONJUNTO DOS NÚMEROS IRRACIONAIS )

(

São todos os números que não podem ser representados na forma de fração. Isto é,

* }

= { x

x

, com a

e b

EXEMPLOS DE NÚMEROS IRRACIONAIS

Números decimais infinitos e não periódicos

Ex 1 :

= 3,1415926

Ex 2 :

= 1,4142136

Todos os números da forma , onde p é um número primo e positivo.

Ex:

Seja x um número racional não nulo qualquer e y

x +

y, x . y, e são todos irracionais.

um número irracional qualquer, temos que:

,

,

,

Ex: Tomando 2 e , temos que: 2 +

e

são todos números irracionais.

CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS (

, 2 .

)

,

É a união entre o conjunto dos números racionais e o conjunto dos números irracionais. Ou seja:

=

Em suma, podemos representar os conjuntos numéricos estudados a partir da seguinte ilustração:

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO EXERCÍCIOS 1) Considere as afirmativas abaixo em relação

EXERCÍCIOS

1) Considere as afirmativas abaixo em relação ao

conjunto dos números racionais:

I) Entre dois números racionais quaisquer, p e q,

com p q, existe sempre um outro número racional.

II)

número racional positivo.

Não

se

pode

determinar

qual

é

o

menor

III) O conjunto + reúne todos os números racionais não nulos.

IV) A soma e o produto de dois números racionais

é sempre um número racional.

O número de afirmativas corretas é:

a) 0

b) 1

c) 2

)

1/2 é:

d) 3

e) 4

racionais

tais

que

2) O número (0,444

a) Natural

b) Inteiro positivo

c)

Inteiro não negativo

d) Irracional

e)

3)

0<x<y<1. O produto x.y é necessariamente:

a) maior que um.

Decimal periódico

Sejam

x

e

y

números

b) um número entre y e um.

c) um número entre x e y.

d) um número entre zero e x.

e)

menor que zero.

4)

Considere as afirmativas relativas aos números

naturais:

I) Todo número natural tem um sucessor.

II) Todo número natural tem um antecessor.

III) Todo número na forma 2n (com n

número par.

* ) é um

IV) Todo número na forma 2n + 1 (com n

um número ímpar.

) é

Assinale a alternativa correta:

a)

Somente I e III estão corretas.

b)

Somente IV é incorreta.

c)

Somente II é incorreta.

d)

Todas as afirmativas estão corretas.

e)

Todas as afirmativas estão incorretas.

5)

Um caixa automático de banco está operando

somente com notas de 5 e 10 reais. Um usuário fez um saque de R$ 100,00. Marque a alternativa

incorreta:

a) O número de notas de R$ 10,00 pode ser par.

b) O número de notas de R$ 5,00 pode ser par.

c) O número de notas de R$ 10,00 e de R$ 5,00

podem ser ímpares.

d) O número de notas de R$ 10,00 pode ser par e

o número de notas de R$ 5,00 pode ser ímpar.

e) O número de notas de R$ 10,00 e de R$ 5,00

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

7) Dados dois números distintos quaisquer, x e y,

tais que x,y , considere as afirmativas abaixo.

1. O produto x.y e o quociente x: y são irracionais.

2. A soma x+y e a diferença xy são irracionais.

3. Os quadrados x 2 e y 2 são irracionais.

4. As raízes quadradas

e

são irracionais.

Pode-se afirmar sobre as alternativas:

a)

Todas estão corretas.

b)

Todas estão erradas.

c)

Somente 1 e 4 estão corretas.

d)

Somente 3 está correta

e)

Somente 4 está correta.

8)

Assinale a opção falsa:

a)

A soma de dois números racionais não nulos

pode ser um número irracional.

b) A soma de dois números irracionais não nulos

pode ser um número inteiro.

c) O produto de dois números irracionais positivos

pode ser um número inteiro.

d) O quociente entre dois números racionais não

nulos pode ser um número racional.

e) o produto de dois números irracionais positivos

pode ser um número racional.

GABARITO

podem ser pares.

1.d

2.e

3.d

4.c

5.d

6.b

7.e

8.a

6) Sendo a um número racional não nulo e b um

número irracional. Marque a alternativa

incorreta:

a) A soma a+b é sempre um irracional.

b) a 2 e b 2 são sempre irracionais.

c) O produto a .b é sempre um irracional

d) O quociente

é sempre irracional.

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

ADIÇÃO

Operação

que tem por

fim reunir

em

um só

5 x 3 = 15

número,

todas

as

unidades

de

dois,

ou

mais

números dados.

O

resultado da operação chama-se soma ou total,

e

os números que se somam são chamados de

parcelas.

+ nª PARCELA

= SOMA OU TOTAL

Ex: Um automóvel segue de João Pessoa com destino a Maceió. Seu condutor deseja passar por Recife, sabendo-se que a distância de João Pessoa até Recife é de 120 km e que Recife está a 285 km de Maceió, quantos quilômetros o automóvel irá percorrer até chegar em Maceió?

1ª PARCELA + 2ª PARCELA +

Solução:

Basta somar as distâncias: 285 + 120 = 405 km.

SUBTRAÇÃO

Denomina-se subtração a diferença entre dois números, dados numa certa ordem, um terceiro número que, somado ao segundo, reproduz o primeiro. A subtração é uma operação inversa da adição.

De modo geral, temos:

a + a + a + + a = b
a + a + a +
+ a = b

n vezes

a x n = b

A parcela que se repete (a) é denominada

multiplicando e o número de vezes que o multiplicamos (n) é chamado multiplicador e o

resultado é chamado de produto.

MULTIPLICANDO

x

MULTIPLICADOR =

PRODUTO

 

DIVISÃO

É

a

operação

que

tem

por

fim,

dados

dois

números, numa certa ordem, determinar um terceiro que, multiplicado pelo segundo, reproduza o primeiro.

D (dividendo): d (divisor) = q (quociente)

q = D

d x

Ex: 15 : 3 = 5, pois 5 x 3 = 1

O

primeiro número recebe o nome de minuendo e

Dependendo do conjunto numérico em que se dá a operação de divisão, pode não existir um número

o

segundo de subtraendo, e são chamados termos

D

que dividido em d partes iguais resulte em um

da subtração. O resultado é chamado de resto ou diferença.

q. Nesse caso, podemos fazer uma divisão aproximada, onde encontramos um q de modo que

q

x d seja o mais próximo possível e menor que D.

MINUENDO SUBTRAENDO = RESTO OU

O

valor que sobrar nesta operação é denominado

DIFERENÇA

resto (r).

Ex: Fabiano fez um depósito de R$ 1 200,00 na sua conta bancária. Quando retirou um extrato,

observou que seu novo saldo era de R$ 2 137,00. Quanto Fabiano tinha em sua conta antes do

depósito?

Para saber, efetuamos uma subtração:

2137 1200 = 937

MULTIPLICAÇÃO: Multiplicar é somar parcelas iguais.

Exemplo: 5 + 5 + 5 = 15

Note que no exemplo têm-se três parcelas iguais que se somam. Neste caso podemos reescrever a soma acima da seguinte forma:

D : d = q + r

Ex: Efetue a divisão 53: 6 = q, para q

d x q

+ r = D

.

Observe que não se encontra um número inteiro

que, multiplicado por 6, reproduza 53, pois 8 x 6

=

48 é menor que 53 e 9 x 6 = 54 é maior que 53.

O

número

8,

que

é

o

maior

número

que

multiplicado por 6 não ultrapassa o dividendo 53.

Desse modo, na divisão aproximada temos:

maior número que multiplicado por 6 não ultrapassa o dividendo 53. Desse modo, na divisão aproximada

4

Em suma, a operação de divisão será:

Em suma, a operação de divisão será: EXERCÍCIOS 1) Numa adição com três parcelas, o total

EXERCÍCIOS

1) Numa adição com três parcelas, o total era 58.

Somando-se 13 à primeira parcela, 21 à segunda parcela e subtraindo-se 10 da terceira, o novo

resultado será:

a) 24 b) 34 c) 44 d) 82

2) Numa subtração a soma do minuendo com o subtraendo e o resto resultou 412. Qual o valor do minuendo?

3) O produto de dois números é 620. Se adicionássemos 5 unidades a um de seus fatores, o produto ficaria aumentado de 155 unidades. Quais são os dois fatores?

4) Numa divisão inteira, o divisor é 12, o quociente é uma unidade maior que o divisor e o resto, uma unidade menor que o divisor. Qual é o valor do dividendo?

5) Certo prêmio será distribuído entre três vendedores de modo que o primeiro receberá R$ 325,00; o segundo receberá R$ 60,00 menos que o primeiro; o terceiro receberá R$ 250,00 menos que o primeiro e o segundo juntos. Qual o valor total do prêmio repartido entre os três vendedores?

a)

R$ 930,00

b) R$ 840,00

c)

R$ 635,00

d) R$ 385,00

6)

Um dicionário tem 950 páginas; cada página é

dividida em 2 colunas; cada coluna tem 64 linhas; cada linha tem, em média, 35 letras. Quantas letras há nesse dicionário?

7) Uma pessoa ganha R$ 40,00 por dia de trabalho

e gasta R$ 800,00 por mês. Quanto ela economizará em um ano se ela trabalhar, em

média, 23 dias por mês?

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

8) Um negociante comprou 8 barricas de vinho,

todas com a mesma capacidade. Tendo pago R$ 7,00 o litro e vendido a R$ 9,00, ele ganhou, ao

todo, R$ 1.760,00. Qual era a capacidade de cada barrica?

a)

110

b) 220

c) 440 d) 880

9)

Em um saco havia 432 bolinhas. Dividindo-as

em três montes iguais, um deles foi repartido entre

4 meninos e os dois montes restantes foram

repartidos entre 6 meninas. Quantas bolinhas receberam cada menino e cada menina, respectivamente?

10) Marta, Marisa e Yara têm juntas, R$ 275,00. Marisa tem R$ 15,00 mais do que Yara e Marta possui R$ 20,00 mais do que Marisa. Quanto reais tem Marisa?

a)

R$ 240,00

b) R$ 110,00

c)

R$90,00

d) R$ 75,00

11) Do salário de R$ 3.302,00, Sr. José transferiu uma parte para uma conta de poupança. Já a caminho de casa, Sr. José considerou que se tivesse transferido o dobro daquele valor, ainda lhe restariam R$ 2.058,00 do seu salário em conta corrente. De quanto foi o depósito feito?

a)

R$ 622,00

b) R$ 1244,00

c)

R$ 1651,00

d) R$ 2680,00

12) Renato e Flávia ganharam, ao todo, 23 bombons. Se Renato comesse 3 bombons e desse

2 para a Flávia, eles ficariam com o mesmo

número de bombons. Quantos bombons ganhou

cada um deles?

GABARITO

1. d

2. 206

3. 20 e 31

4. 167

5.a

6. 4.256.000

7. 1440

8. a

9. meninos: 36 e meninas 48

10. c 11. a 12. Renato: 15 e Flávia: 8

POTENCIAÇÃO

Definição: Sendo a um número real e n um número inteiro, tem-se:

a n = a . a . a . a . a. a

(se n > 1)

a é chamado base e n expoente

PROPRIEDADES DE POTÊNCIAS

1)

2) a 0 = 1

a 1 = a

3)

PROPRIEDADES DE POTÊNCIAS 1) 2) a 0 = 1 a 1 = a 3) a -

a -n =

, com a

0

4) a n . a m = a n + m

5) a n : a m = a n m

6) (a n ) m = a n . m

m = a n – m 6) (a n ) m = a n . m

7)

POTÊNCIA DE EXPOENTE RACIONAL

Seja a um número real positivo e os números inteiros n, m (com n > 1), é válida a propriedade:

inteiros n, m (com n > 1), é válida a propriedade: RADICIAÇÃO Definição 1: Seja a

RADICIAÇÃO

Definição 1: Seja a um número real não-negativo

e n um número inteiro positivo, temos que:

= b

b n = a e b

0, com b

Definição 2: Seja a um número real positivo e n um número inteiro positivo, temos que:

= b

b n = - a com b

a é chamado radicando, b raiz e n índice.

OBSERVAÇÃO: A necessidade de se definir a

operação de radiciação para valores não negativos

e negativos (note que na definição 2 a é positivo, logo a será negativo!) se dá para que não haja erros do tipo:

= 3, pois 3 2 = 9

Entretanto, (-3) 2 = 9, mais -3 não é solução, pois pela definição 1, b (=3) 0.

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

PROPRIEDADES DA RADICIAÇÃO

1)

.

=

DA RADICIAÇÃO 1) √ . √ = √ 2) ( √ ) m = 3) 4)

2)

( √ ) m =
( √
) m =

3)

4)

5)

EXERCÍCIOS

=

1) Calcule o valor da expressão:

A= (0,25) 0,5 + 81 0,25 + 16 -0,5

2) Determine o valor da expressão:

B = 8 1/3 + (

) 1/2 + 16 1/4

3) Qual é a metade de 2 20 ?

a) 2 19

b) 2 10

c) 2 2

d) 2

4) Simplifique a expressão E=

3 n +2 . 3 n

3 . 3 n+1

5) Sendo n>1, a expressão

a:

é equivalente2 . 3 n 3 . 3 n + 1 5) Sendo n>1, a expressão a:

a)

5

b)

c)

n>1, a expressão a: é equivalente a) √ 5 b) √ c) d) 5 √ 6)

d) 5

6) Simplifique as expressões utilizando as propriedades de radiciação e potenciação:

a) √ . √ b) √ √ √ √
a) √
. √
b) √ √ √

:

GABARITO

1.

2.

3. a

4. 3 n 5. b

6. a)

b)

NÚMEROS

PROPORCIONAIS

Razão de dois números, dados numa certa ordem

e sendo o segundo diferente de zero, ao quociente

do primeiro pelo segundo. A “razão de a para b”

pode ser representada por:

GRANDEZAS

E

ou

a : b

Onde a é chamado antecedente e b consequente da razão dada.

Proporção é a expressão que indica uma igualdade entre duas ou mais razões.

pode ser como “ a está para b

assim como c está para d”. Nesta proporção, a e d são os extremos e os números b e c os meios.

A proporção

=

Em toda proporção o produto dos meios é igual ao produto dos extremos.

=

ad = cb

Quarta proporcional de três números dados a, b e

c nesta ordem, é o número x que completa com os outros três uma proporção de modo que:

=

Ex: Determine a quarta proporcional dos números

3, 4 e 6 nesta ordem.

Solução:

=

3x = 6. 4

x =

=8

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1) Numa prova de 40 questões, acertei 25, deixei 5 em branco e errei as demais. Qual é a razão do número de questões certas para o número de

erradas?

Solução:

Das 40 questões, 25 estavam corretas e 5 foram deixadas em branco, logo o número de questões erradas será:

40 25 5 =10

Portanto, a razão entre o número de questões certas (25) e o número de questões erradas (10)

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

será de

=

.

Ou seja,

para

cada

5 questões

corretas tiveram-se 2 erradas.

2) A razão entre dois números é igual a 4/5. Determine-os sabendo que eles somam 72.

Solução:

Tomemos a e b como os dois números que desejamos encontrar. Assim, pelo enunciado da questão, temos que:

a + b = 72

=

= p

=

= p

a = 4p e b= 5p

Sendo a + b = 72

9p

=72

p =

4p + 5p = 72

= 8

Logo, a = 4p= 4.8= 32 e b= 5p= 5.8= 40

Resp. a = 32 e b = 40

DIRETAMENTE

PROPORCIONAIS

Entendemos por grandeza tudo aquilo que pode ser medido, contado. Comprimento, velocidade, tempo, são alguns exemplos de grandezas.

GRANDEZAS

Dada a sucessão de valores (a1,a2,a3,

que estes valores são diretamente proporcionais aos correspondentes da sucessão (b1,b2,b3, ) quando forem iguais as razões entre cada valor de uma sucessão e o valor correspondente da outra.

) dizemos

= =

=

= k

O resultado das razões obtidas de duas ou mais

sucessões de números diretamente proporcionais é chamado de fator de proporcionalidade.

Ex 1 : Os números 6, 7, 10 e 15, nesta ordem, são

diretamente proporcionais aos valores 12, 14, 20,

30 respectivamente, pois as razões , , e são todos iguais, com fator de proporcionalidade igual a .

Ex 2 : Em um determinado mês do ano o litro de gasolina custava R$ 0,50. Tomando como base esse dado podemos formar a seguinte tabela.

como base esse dado podemos formar a seguinte tabela. Observe: Se a quantidade de gasolina dobra

Observe:

Se a quantidade de gasolina dobra o preço a ser pago também dobra. Se a quantidade de gasolina triplica o preço a ser pago também triplica. Neste caso as duas grandezas envolvidas, quantia a ser paga e quantidade de gasolina, são chamadas grandezas diretamente proporcionais. Duas grandezas são chamadas, diretamente proporcionais quando, dobrando uma delas a outra também dobra; triplicando uma delas a outra também triplica, e assim por diante. Observe que as razões são iguais.

=

=

=

GRANDEZAS

PROPORCIONAIS

INVERSAMENTE

todos

diferente de zero, dizemos que estes valores são

inversamente proporcionais aos correspondentes

também

diferentes de zero, quando forem iguais os produtos entre cada valor de uma sucessão e o valor correspondente da outra.

da sucessão (b1,b2,b3,

Dada a sucessão de valores (a1,a2,a3,

)

),

todos

Ex 1 : Os valores 2, 3, 5 e 12 são inversamente proporcionais aos valores 30, 20, 12 e 5, nesta ordem, pois os produtos: 2.30, 3.20, 5.12 e 12.5 são todos iguais.

Ex 2 : Um professor de matemática tem 24 livros para distribuir entre os seus melhores alunos. Se ele escolher apenas 2 alunos, cada um deles receberá 6 livros. Se ele escolher 4 alunos, cada um deles receberá 6 livros. Se ele escolher 6 alunos, cada um deles receberá 4 livros.

Observe a tabela:

alunos, cada um deles receberá 4 livros. Observe a tabela: APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF.

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

Observe:

Se o número de aluno dobra, a quantidade de livros cai pela metade. Se o número de alunos triplica, a quantidade de livros cai para a terça parte. Duas grandezas são inversamente proporcionais quando, dobrando uma delas, a outra se reduz para a metade; triplicando uma delas, a outra se reduz para a terça parte e assim por diante.

2.12 = 4.6 = 6.4 = 24

REGRA DE TRÊS SIMPLES

Regra de três simples é um processo prático para resolver problemas que envolvam quatro valores dos quais conhecemos três deles. Devemos, portanto, determinar um valor a partir dos três já conhecidos.

Passos utilizados numa regra de três simples

· Construir uma tabela, agrupando as grandezas da mesma espécie em colunas e mantendo na mesma linha as grandezas de espécies diferentes em correspondência.

· Identificar se as grandezas são diretamente ou inversamente proporcionais.

· Montar a proporção e resolver a equação.

Ex 1 : Se 8m de tecido custam 156 reais, qual o preço de 12 m do mesmo tecido?

Solução:

Tecido

Preço

8m

R$156,00

12m

R$ x

Observe que as grandezas são diretamente proporcionais, pois aumentando o metro do tecido aumenta na mesma proporção o preço a ser pago.

=

8x = 12. 156

x =

x= R$ 234,00

Ex 2 : Um carro, à velocidade de 60km/h, faz certo percurso em 4 horas. Se a velocidade do carro fosse de 80km/h, em quantas horas seria feito o mesmo percurso?

Velocidade (km/h)

Tempo (h)

60

4

80

x

Observe que as grandezas são inversamente proporcionais, aumentando a velocidade o tempo diminui na razão inversa. Neste caso, faremos a inversão de uma das razões.

Solução:

=

80x = 240

x=

x = 3h

REGRA DE TRÊS COMPOSTA

A regra de três composta é utilizada em problemas com mais de duas grandezas, direta ou inversamente proporcionais.

Ex 1 : Em 8 horas, 20 caminhões descarregam 160m 3 de areia. Em 5 horas, quantos caminhões serão necessários para descarregar 125m 3 ?

Horas Caminhões Volume

8

5

20

x

160

125

Aumentando o número de horas de trabalho, podemos diminuir o número de caminhões.

Portanto a relação é inversamente proporcional (seta para cima na 1ª coluna).

Aumentando o volume de areia, devemos aumentar o número de caminhões. Portanto a

relação é diretamente proporcional (seta para baixo na 3ª coluna). Devemos igualar a razão

que contém o termo x com o produto das outras razões de acordo com o sentido das setas.

=

.

8x = 200

=

x =

EXERCÍCIOS

=

x = 25 caminhões

1) Um automóvel gasta 10 litros de gasolina para percorrer 65km. Quantos litros gastará num percurso de 910 km?

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

2) Qual o tempo gasto por 12 homens para executar um trabalho que 8 homens nas mesmas condições executam em 9 dias?

3) Um fonte dá 38 litros de água em 5 minutos; quantos litros dará em uma hora e meia?

4) Para tecer 19m de um tecido com 50cm de largura são gastos 38kg de lã. Quantos metros serão tecidos com 93kg da mesma lã, sendo a largura de 60cm?

5) Numa transmissão de correia, a polia maior tem 30cm de diâmetro e a menor 18cm. Qual o número de rotações por minuto da menor polia, se

a maior dá 45 no mesmo tempo?

6) Com 9 há de gasto podem ser mantidas 20 cabeças de gado. Quantos há serão necessários para manter 360 cabeças?

7) Uma máquina, que funciona 4 horas por dia durante 6 dias produz 2000 unidades. Quantas horas deverá funcionar por dia para produzir 20.000 unidades em 30 dias?

8) Um automóvel, com a velocidade de 80km por hora, percorreu certa distância em 6 horas. Que tempo gastará para percorrer a mesma distância se reduzir a velocidade para 50km por hora?

9) Um automóvel percorreu certa distância em 4h, com a velocidade de 60km por hora. Qual o tempo que gastará para percorrer a mesma distância com

a velocidade de 90 km por hora?

10) Se três homens podem arar um campo de 8 há em 5 dias, trabalhando 8 horas diárias, em quantos dias 8 homens poderão arar 192 há trabalhando 12 horas diárias?

11) Com 16 máquinas de costura aprontaram-se 720 uniformes em 8 dias de trabalho. Quantas máquinas serão necessárias para confeccionarem 2160 uniformes em 24 dias?

12) Se 54 operários trabalhando 5 horas por dia levaram 45 dias para construir uma praça de forma retangular de 225m de comprimento por 150m de largura, quantos operários serão necessários para construir em 18 dias, trabalhando 12 horas por dia, outra praça retangular de 195m de comprimento por 120m de largura?

13) Para construir um canal de 104m de comprimento por 5m de profundidade e 7m de largura, 100 operários, trabalhando 7 horas por dia, levaram 2 meses e meio. Aumentando de 40 o número de operários e fazendo-os trabalhar 10 horas por dia, pergunta-se: em quanto tempo os operários construíram um segundo canal, com o mesmo comprimento do primeiro, porém de profundidade e largura duplas da do primeiro?

14) Se com 1000 litros de água se rega um campo de 450 há durante 20 dias, qual é a quantidade de água necessária para se regar outro campo de 200 há durante 30 dias?

15) Para o piso de uma sala empregam-se 750 tacos de madeira de 5cm de comprimento por 3cm de largura. Quantos tacos de 40cm de comprimento por 7,5cm de largura são necessários para um piso cuja superfície é dupla da anterior?

16) Se 10 operários, trabalhando 8 horas diárias, levantam em 5 1/2 dias uma parede de 22m de comprimento por 0,45 de espessura em quanto tempo 16 operários, trabalhando também 8 horas por dia, levantam outra parede de 18m de comprimento, 0,30 de espessura e de altura duas vezes maior que a primeira?

17) Um bloco de mármore de 3m de comprimento, 1,50m de largura e 0,60 de altura pesa 4350kg. Quanto pesará um bloco do mesmo mármore cujas dimensões são: comprimento 2,20 largura 0,75m e altura 1,20?

18) Um navio tem viveres para 20 dias de viagem. Porém um imprevisto deixou-o ancorado em alto mar durante 10 dias, onde o comandante do navio foi avisado da previsão do atraso. Em quanto se deve reduzir a ração diária da tripulação, para que não faltasse comida até o fim da viagem?

19) Uma pessoa calculou que o dinheiro que dispunha seria suficiente para passar 20 dias na Europa. Ao chegar, resolveu prolongar sua viagem por mais 4 dias. A quanto teve de reduzir o sue gasto diário médio?

20) Alguns operários devem terminar certo serviço em 36 dias, trabalhando 8 horas por dia. O encarregado, após 20 dias, verifica que só 0,4 da obra estava pronta. Para entregar o serviço na data fixada; quantas horas por dia devem os operários trabalhar nos dias restantes?

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

GABARITO

1) 140 litros

2) 6 dias

3) 684 litros

4) 38,75 metros

5) 75 rotações

6) 162 há

7) 8 h/por dia

8) 9 horas e 36min

9) 2 h e 45min

10) 30 dias

11) 12 máquinas

12) 39 operários

13) 5 meses

14) 666,666 litros

15) 75 tacos

16) 3,15 dias

17) 3190 kg

18)

19)

20) 15 horas

PORCENTAGEM

RAZÃO CENTESIMAL: é a razão cujo denominador é igual a 100.

Ex:

,

,

.

Existe outra forma de representar essas razões centesimais:

= 5% (cinco por cento)

= 52% (cinquenta e dois por cento)

= 33,5% (trinta e três e meio por cento)

Tais razões estão expressas em taxas percentuais.

Toda porcentagem está associada a um número decimal.

Ex: 48%= 0,48; 0,7%= 0,007; 500%= 5

OBSERVAÇÃO: A porcentagem, quando escrita na forma 15 % (por exemplo), é chamada de forma percentual, enquanto que seu equivalente 0,15 é dito forma unitária ou decimal.

TRANSFORMAR

TAXAS PERCENTUAIS

RAZÕES

COMUNS

EM

Multiplicando-se a razão por 100 %, obtém-se a taxa percentual.

Ex:

=

. 100% = 3. 25% = 75%

PORCENTAGEM SOBRE VALORES

Calcular uma porcentagem de uma quantidade qualquer, significa multiplica-la, pelo número decimal associado àquela porcentagem.

Ex: 74% de 3.000 = 0,74 . 3.000= 2220 ou

3000 = 74 . 30 = 2220

.

Ex2: Numa escola de 1200 alunos, 60% são meninos. Quantas são as meninas?

Temos que 40% do total de alunos são meninas.

Daí, o número de meninas é 40% de 1200= 0,4 .

1200 = 480

ACRÉSCIMOS

E

DECRÉSIMOS

PERCENTUAIS

Se um número N sofre aumento percentual i, seu novo valor passa a ser:

(1+ i) .N. Da mesma forma, se o número N sofre um decréscimo percentual i, passa a valer (1- i) .

N.

Ex1: Um produto que custava R$ 40,00 e sofreu um aumento de 15%, passou a custar:

(1 + 0,15) . 40 = 1,15. 40= R$ 46,00

Ex2: Se você quiser reduzir o número 120 em 30%, ele passará a valer:

(1 0,30) . 120 = 0,70 . 120 = 84.

Ex3: O preço de uma bicicleta é de R$ 400,00. Qual o novo preço após aumentos sucessivos de 30%, 10% e 20%?

O novo preço da mercadoria será dado por:

400

. (1+0,30) . ( 1 +0,10) . (1 + 0,20) =

400

. 1,716 = 686,40

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

a)

R$ 2.423,00

b) R$ 2.492,50

c)

R$ 2.422,50

d) R$ 2.499,25

3) Um tanque de combustíveis contém 240l de gasolina com 3% de álcool. Quantos litros de álcool puro devem ser adicionados à mistura para que ela tenha 4% de álcool?

4) Um automóvel adquirido por R$ 20.000,00 foi

vendido com 15% de lucro sobre o preço de

compra. Qual foi o lucro em reais?

5) No fim de uma temporada, uma equipe de basquete havia ganho 26 jogos de 40 disputados. Qual foi a porcentagem de partidas ganhas pela equipe no fim da temporada?

6) Em um exame de vestibular, 30% dos

candidatos foram reprovados na 1ª fase. Na 2ª fase foram eliminados 20% desses candidatos. Assim,

ao

todo, foram eliminados:

a)

50% b) 60% c) 44% d) 56% e) 66%

7)

Vendeu-se uma bicicleta por R$ 270,00 devido

a

10% de desvalorização sobre o seu preço de

compra. Portanto, o valor de compra, imediatamente anterior a essa venda, foi, em reais:

a)

300,00 b) 297,00 c) 292,00

d)

340,00 e) 280,00

8) Em um concurso haviam 15.000 homens e 10.000 mulheres. Sabe-se que 60% dos homens e 55% das mulheres foram aprovados. Do total de candidatos, quantos por cento foram reprovados?

GABARITO

Resp. O novo preço da bicicleta é de R$ 686,40.

1.

e

2. b

3. 2,4l

4. 3.000

EXERCÍCIOS

 

5.

65%

6. C

7. a

8. 42%

1) Em uma certa eleição, numa urnas para 415 votantes, havia apenas 332 votos. Qual é o percentual de eleitores que deixaram de votar?

a) 83%

b) 80% c) 50% d) 25% e) 20%

2) Um cheque no valor de R$ 2.500,00, após descontado o percentual de 0,3% vale:

JUROS SIMPLES

Quando um capital (C) é emprestado durante algum tempo a alguém, o dono do capital tem direito, como pagamento pelo empréstimo, além de quantia emprestada a um acréscimo denominado juro (J). O valor recebido pelo credor (quantia emprestada + juro) é denominado montante (M) e o período de tempo (dia, mês, etc) em que o dinheiro foi emprestado será aqui representado por n. Podemos ilustrar a operação de juros utilizando o seguinte esquema:

a operação de juros utilizando o seguinte esquema: A partir do desenho acima podemos compreender os

A partir do desenho acima podemos compreender os juros como:

JUROS= MOTANTE CAPITAL

Além dos elementos já citados (capital, montante e juro e período de tempo) temos um quinto, a taxa (i). A taxa consiste em um valor percentual seguido de uma taxa de tempo. Por exemplo:

5% ao mês (ou 5% a.m.); 15% ao trimestre (ou 15% a.t.); 30% ao semestre (ou 30% a.s.); 60% ao ano (ou 60% a.a.).

Em suma: operação de juros é aquela em que projetamos um valor monetário qualquer para uma data futura.

OBSERVAÇÃO:

1) Antes de resolver a questão de Juros, precisaremos nos certificar a operação de juros está ocorrendo no Regime Simples ou no Regime Composto.

Há duas maneiras de se descobrir que tipo de regime está sendo empregado:

1ª) O enunciado fala expressamente a palavra

uma taxa de juros

simples! (Ex.:

considerando

simples de

”);

2ª) O enunciado não fala nada, ou seja, não aparecem na leitura da questão nem a palavra simples e nem a palavra composto.

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

Vamos aprender agora, finalmente, como se resolve uma questão de Juros Simples. Não vamos decorar fórmulas. O que você vai ter que memorizar é apenas um esquema ilustrativo. Este esquema começa da seguinte forma:

esquema ilustrativo. Este esquema começa da seguinte forma: Só para efeitos didáticos, colocamos os Juros (J)

Só para efeitos didáticos, colocamos os Juros (J) no meio do desenho. Depois disso, complementaremos o esquema com números representativos para cada um dos três elementos do desenho. Teremos que o Capital será representado por 100 (cem); os Juros serão representados pelo produto Taxa vezes Tempo (i.n); e o Montante, finalmente, será representado por (100+i.n). E o esquema agora é o seguinte:

por (100+i.n) . E o esquema agora é o seguinte: Finalmente, para terminar o desenho, passaremos

Finalmente, para terminar o desenho, passaremos três traços divisores, criando três frações. Teremos:

três traços divisores, criando três frações. Teremos: Assim, chegamos às equivalências: = = De posse destas

Assim, chegamos às equivalências:

=

=

De posse destas frações, somos capazes de criar qualquer equação de Juros Simples! Basta saber que estaremos sempre trabalhando com dois elementos:

ou Capital e Juros; ou Capital e Montante; ou Juros e Montante.

OBSERVAÇÃO:

Antes de aplicarmos qualquer uma das equações teremos que observar se a taxa e tempo estejam na mesma unidade. Ou seja, se estivermos

trabalhando com o tempo em meses, temos que ter uma taxa mensal; se o tempo estiver em bimestres e assim por diante.

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1) Um capital de R$1.000,00 é aplicado a juros simples, durante um período de 3 meses, a uma taxa de 10% ao mês. Qual o valor a ser resgatado?

Em primeiro lugar, teremos a preocupação de identificar o assunto da questão! Ora, o enunciado falou em elementos como: capital, taxa e, tempo de aplicação. São todos elementos de uma operação de juros! E ainda disse, expressamente, que o capital foi aplicado a juros simples! Então não resta mais dúvida alguma: estamos diante de uma questão de juros! A segunda grande preocupação, após identificar o assunto da questão, será identificar o regime. Aqui essa informação já foi dada de maneira expressa, como vimos. O regime que estamos trabalhando é o simples! Logo, questão de juros simples!

O

enunciado nos forneceu o capital (R$1.000,00)

e

está pedindo o valor a ser resgatado, ou seja,

está pedindo o montante! Poderemos, neste caso, trabalhar com esses dois elementos, Capital e Montante! A equação que usaremos será a

seguinte:

=

E para aplicar esta equação, já sabemos, temos

que cumprir uma exigência: que taxa e tempo estejam na mesma unidade! Aqui foi dado que a taxa é mensal (10% a.m.) e o tempo de aplicação

do capital está também em meses (3 meses). Daí,

já podemos aplicar os dados na equação. Teremos:

=

=

10 =

M =R$1.300,00

2) Um capital de R$1.000,00 foi aplicado a uma taxa de 5% a.m. (ao mês), durante um período de

um ano. Qual o valor a ser resgatado ao final da

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

somaremos juros com capital e chegaremos ao montante! Desse modo, trabalharemos com a seguinte equação:

=

Note que precisamos ter a taxa e o tempo na mesma unidade Daí, teremos duas alternativas: a primeira será modificar o tempo, alterando-o para a mesma unidade da taxa; e a segunda é o inverso, deixar a tempo como está, e modificar a taxa, passando-a para a mesma unidade do tempo. Faremos das duas maneiras! Primeiro, se quisermos colocar o tempo na mesma unidade da taxa, bastaria apenas dizer que um ano é o mesmo que doze meses! Daí, teríamos taxa ao mês (i=5% a.m) e tempo em meses (n=12 meses). Substituindo na equação, teremos:

=

=

J =600

Como a questão quer o Montante, façamos:

M = C + J

1.600

EXERCÍCIOS

M = 1000 + 600

M= R$

1) (Contador de Recife 2003/ESAF) Indique a taxa de juros simples mensal que é equivalente à taxa de 9% ao trimestre.

a) 2% b) 3% c) 4% d) 4,5% e) 6%

2) (AFTN-91/ESAF) Um capital no valor de 50, aplicado a juro simples a uma taxa de 3,6% ao mês, atinge, em 20 dias, um montante de:

a)

51 b) 51,2 c) 52 d) 53,6 e) 68

3)

(BRDES-RS 2001) Uma pessoa aplicou o valor

de

R$ 3.000,00 no mercado financeiro e, após 12

dias, recebeu juros de R$ 72,00. A taxa de juros simples dessa aplicação foi de:

operação?

a)

0,06% ao mês. b) 0,06% ao dia.

c)

0,6% ao mês. d) 0,6% ao dia

Verificando inicialmente se a questão trata-se de juros simples. Observe que o enunciado nos

e)

6% ao mês

forneceu Capital e quer saber o Montante (o valor

4)

(Contador de Recife 2003/ESAF) Um capital é

do resgate)!

Trabalharemos aqui com capital e juros, e acharemos o valor dos juros. Feito isso,

aplicado a juros simples a uma taxa de 3% ao mês. Em quanto tempo este capital aumentaria 14% em relação ao seu valor inicial?

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

a)

3 meses e meio b) 4 meses

meses após, no valor de R$880,00. Qual a taxa mensal de juros simples utilizada?

c)

4 meses e 10 dias d) 4 meses e meio

a) 6% b) 5% c) 4% d) 3% e) 2%

e)

4 meses e 20 dias

 

GABARITO

5)

(T.R.F.) João tem uma dívida de R$ 350,00 que

vence em cinco meses. Para dispor da quantia no prazo estipulado, ele deve aplicar hoje, a juros simples comerciais de 96% a.a., o capital de R$:

a) 200 b) 225 c) 250 d) 275 e) 280

6) (CVM 2003 FCC) Em determinada data, uma pessoa aplica R$ 10.000,00 à taxa de juros simples de 2% ao mês. Decorridos 2 meses, outra pessoa aplica R$ 8.000,00 à taxa de juros simples de 4% ao mês. No momento em que o montante referente ao valor aplicado pela primeira pessoa for igual ao montante referente ao valor aplicado pela Segunda pessoa, o total dos juros correspondente à aplicação da primeira pessoa será de:

a) R$ 4.400,00 b) R$ 4.000,00 c) R$ 3.600,00 d)

R$ 3.200,00 e) R$ 2.800,00

7) (CEF FCC) Um certo capital, aplicado a juros

simples durante 15 meses, rendeu um determinado juro. Se aplicarmos o triplo desse capital à mesma taxa, em que prazo o juro obtido será igual ao

dobro do obtido na primeira aplicação?

a)

5 meses b) 7 meses e meio

c)

10 meses d) 12 meses

e)

18 meses

8)

(FCC) Um capital de R$15.000,00 foi aplicado

a juro simples à taxa bimestral de 3%. Para que seja obtido um montante de R$19.050,00, o prazo dessa aplicação deverá ser de:

1.b 2.b 3.e 4.e 5.c 6.a 7.c 8.d 9.c 10.b

NOÇÕES DE LÓGICA

Sentença ou proposição é um conjunto de palavras ou símbolos que podem ser classificados de verdadeiros ou falsos. Por exemplo:

• A lua é quadrada.

• A neve é branca.

• Matemática é uma ciência.

OS

CÁLCULO PROPOSICIONAL

SÍMBOLOS

DA

LINGUAGEM

DO

Variáveis proposicionais: são letras latinas p, q, r,

s,

;

utilizadas para indicar as proposições.

Exemplos:

• A lua é quadrada: p

• A neve é branca: q CONECTIVOS

LÓGICOS

São palavras usadas para formar uma proposição a

outra.

partir

de

“e” representado por:

"ou"

representado

por:

"Se

Então"

representado

por:

"Se e somente se" representado por:

"Não" representado por: ~

Exemplos:

a)

1 ano e 10 meses b) 1 ano e 9 meses

 

c)

1 ano e 8 meses

d) 1 ano e 6 meses

A

lua é quadrada e a neve é branca. : p

q

e)

1 ano e 4 meses

(p

q é chamada conjunção)

9)

(FCC) Um capital foi aplicado a juro simples e,

A

lua é quadrada ou a neve é branca. : p

q

ao completar um período de 1 ano e 4 meses, produziu um montante equivalente a 7/5 do seu valor. A taxa mensal dessa aplicação foi de:

a) 2% b) 2,2% c) 2,5% d) 2,6% e) 2,8%

10) (FCC) Uma geladeira é vendida à vista por R$1.000,00 ou em duas parcelas, sendo a primeira como uma entrada de R$200,00 e a segunda, dois

( p

q é chamada disjunção)

Se a lua é quadrada então a neve é branca. : p (p é o antecedente e q o consequente)

q

A lua é quadrada se e somente se a neve é branca.

q (“p é condição necessária e suficiente para

: p

q” e “q é condição necessária e suficiente para p”)

A lua não é quadrada. : ~ p

Para determinar o valor (verdade ou falsidade) das proposições compostas (proposições construídas a partir de proposições dadas mediante o emprego

dos conectivos lógicos ), conhecidos os valores

das proposições simples que as compõem,

usaremos tabelas-verdade:

Tabela verdade da conjunção:

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

A bi-implicação é verdadeira se, e somente se,

seus componentes são ou ambos verdadeiros ou ambos falsos.

NEGAÇÃO DE UMA PROPOSIÇÃO SIMPLES

A partir de uma proposição qualquer p sempre

podemos construir outra, denominada negação de p e indicada com o símbolo ~p.

Exemplo:

p

q

p

q

 

V

V

V

• p: A lua é quadrada.

V

F

F

• ~p: A lua não é quadrada.

F

V

F

F

F

F

Se

uma proposição é verdadeira, sua negação será

A conjunção p

p e q forem verdadeiros.

q será verdadeira apenas quando

Tabela verdade da disjunção

 

p

q

p

q

 

V

V

V

V

F

V

F

V

V

F

F

F

A disjunção é

falsa

se,

e

somente, p e

q

são

falsos.

 

Tabela verdade da implicação

 
 

p

 

q

p

q

 

V

 

V

V

V

 

F

F

F

 

V

V

F

 

F

V

A

implicação

é

falsa

se,

e

somente

se,

o

antecedente é verdadeiro e o conseqüente é falso.

Tabela verdade da bi-implicação

p

q

p

q

V

V

V

V

F

F

F

V

F

F

F

V

falsa. E se uma proposição é falsa, sua negação

será verdadeira.

Este critério será resumido na tabela abaixo, denominada tabela-verdade da proposição ~p.

OBS: ~(~p) = p

p ~p V F F V
p
~p
V
F
F V

NEGATIVA DE ALGUMAS EXPRESSÕES

1ª) p: Todo A é B ~p: Algum A não é B

2ª) p: Algum A é B

~p: Nenhum A é B

NEGAÇÃO

DE

UMA

PROPOSIÇÃO

COMPOSTA

Negação de uma Conjunção: A negativa de uma conjunção se faz assim:

1º) Nega-se a primeira parte; 2º) Nega-se a segunda parte; 3º) Troca-se o E por um OU.

Ou seja: ~(p

q) = ~p

~q

Por exemplo, a negativa da proposição: te darei

uma bola e te darei uma bicicleta será, não te darei uma bola ou não te darei uma bicicleta.

Negação de uma Disjunção: A negativa de uma disjunção se faz assim:

1º) Nega-se a primeira parte; 2º) Nega-se a segunda parte; 3º) Troca-se o OU por um E.

Ou seja: ~(p

q) = ~p

~q

Por exemplo, a negativa da proposição Assim, para negar a seguinte sentença: te darei uma bola ou te darei uma bicicleta será: não te darei uma bola e não te darei uma bicicleta.

Negação de uma Condicional: A negativa de uma condicional se faz assim:

1º) Mantém-se a primeira parte; E 2º) Nega-se a segunda parte;

Ou seja: ~(p q) = p

~q

Por exemplo, a negativa da sentença: Se a baleia é um mamífero, então o papa é alemão será a baleia é uma mamífero e o papa não é alemão.

EQUIVALÊNCIAS BÁSICAS:

1ª) p e p = p

Ex:

inocente

André

é

inocente

e

inocente

=

André

é

2ª) p ou p = p Ex: Ana foi ao cinema ou ao cinema = Ana foi ao cinema

3ª) p e q = q e p Ex: O cavalo é forte e veloz = o cavalo é veloz e forte.

4ª) p ou q = q ou p Ex: O carro é branco ou azul = o carro é azul ou branco

5ª) p q = q p Ex: Amo se e somente se vivo = Vivo se e somente se amo.

6ª) p q = (p q) e (q p) Ex: Amo se e somente se vivo = Se amo então vivo, e se vivo então amo.

EQUIVALÊNCIAS DA CONDICIONAL:

1ª) Se p, então q = Se não q, então não p. Ex: Se chove então me molho = Se não me molho então não chove.

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

2ª) Se p, então q = Não p ou q. Ex: Se estudo então passo no concurso = Não estudo ou passo no concurso.

EQUIVALÊNCIA ENTRE “NENHUM” E “TODO”: São equivalências Aqui temos entre dois termos muito frequentes em questões de prova.

1ª) Nenhum A é B = Todo A é não B Ex: Nenhum médico é louco = Todo médico é não louco (=Todo médico não é louco)

2ª) Todo A é B = Nenhum A é não B Ex: Toda arte é bela = Nenhuma arte é não bela (= Nenhuma arte não é bela)

TABELA-VERDADE

Número de linha de uma tabela-verdade

Nº de linhas da tabela-verdade =2 Nº de proposições

Ou seja: se estivermos trabalhando com duas proposições p e q, então a tabela-verdade terá 4 linhas, já que 2 2 =4. E se estivermos trabalhando com uma proposição composta que tenha três componentes p, q e r? Quantas linhas terá essa tabela-verdade? Terá 8 linhas, uma vez que 2 3 =8. E assim por diante.

CONSTRUÇÃO DE TABELAS-VERDADES

Antes de começarmos a construir a tabela- verdade de uma proposição composta qualquer, teremos que seguir uma ordem de precedência dos conectivos. Ou seja, os nossos passos terão que obedecer a uma sequência. Começaremos sempre trabalhando com o que houver dentro dos parênteses. Só depois, passaremos ao que houver fora deles. Em ambos os casos, sempre obedecendo à seguinte ordem:

1º) Negações (~); 2º) Conjunções (E) ou Disjunções (OU), na ordem em que aparecerem;

3º) Condicional (SE 4º) Bi-condicional (

Ex: Construir a tabela-verdade da proposição

composta: ~ (p ~q).

ENTÃO

SE

);

E SOMENTE SE

).

Solução:

Façamos inicialmente p

q

p

q

p

q

V

V

V

V

F

V

F

V

V

F

F

F

O próximo passo é construir a coluna da negação de q.

p

q

p

q

~q

V

V

V

F

V

F

V

V

F

V

V

F

F

F

F

V

Seguindo adiante, construiremos agora a coluna referente ao parêntese (p v ~q).

p

q

p

q

~q

(p v ~q)

V

V

V

F

V

V

F

V

V

V

F

V

V

F

F

F

F

F

V

V

Por fim, concluindo a análise desta proposição composta, resta-nos construir a coluna que é a própria proposição: ~(p v ~q). Ou seja, faremos a negação da conjunção acima.

p

q

p

q

~q

(p v ~q)

~(p v ~q)

V

V

V

F

V

F

V

F

V

V

V

F

F

V

V

F

F

V

F

F

F

V

V

F

É este, portanto, o resultado final da tabela- verdade para a proposição ~ (p v ~q).

EXERCÍCIOS

1) Três irmãos - João, Eduardo e Ricardo - jogavam futebol quando, em dado momento, quebraram a vidraça da sala de sua mãe. Furiosa a mãe perguntou quem foi o responsável. - Foi Ricardo, disse João

- Fui eu, disse Eduardo

- Foi Eduardo disse Ricardo

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

Somente um dos três garotos dizia a verdade, e a mãe sabia que Eduardo estava mentindo. Então:

a) Ricardo, além de mentir quebrou a vidraça.

b) João mentiu, mas não quebrou a vidraça.

c) Ricardo disse a verdade.

d) Não Foi Ricardo que quebrou a vidraça.

e) Quem quebrou a vidraça foi Eduardo ou João.

2) (SEDUC/2009) a negação da proposição „„A

prova será aplicada no local previsto ou o seu horário de aplicação será alterado”. Pode ser escrita como:

a)

A prova não será aplicada no local previsto ou

o

seu horário de aplicação não será alterado.

b)

A prova não será aplicada no local previsto ou

o

seu horário de aplicação será alterado.

c)

A prova será aplicada no local previsto mas o

seu horário de aplicação não será alterado.

d) A prova não será aplicada no local previsto e o

seu horário de aplicação não será alterado.

3) (AFC-STN/2005) Se Marcos não estuda, João

não passeia. Logo:

a) Marcos estudar é condição necessária para João

não passear.

b) Marcos estudar é condição suficiente para João

passear.

c) Marcos não estudar é condição necessária para

João não passear.

d) Marcos não estudar é condição suficiente para

João passear.

e) Marcos estudar é condição necessária para João

passear.

4) (Fiscal Recife/2003) Pedro, após visitar uma

aldeia distante, afirmou: “Não é

verdade que todos os aldeões daquela aldeia não

dormem a sesta”. A condição necessária e

suficiente para que a afirmação de Pedro seja

verdadeira é que seja verdadeira a seguinte

proposição:

a) No máximo um aldeão daquela aldeia não

dorme a sesta.

b) Todos os aldeões daquela aldeia dormem a

sesta.

c) Pelo menos um aldeão daquela aldeia dorme a

sesta.

d) Nenhum aldeão daquela aldeia não dorme a

sesta.

e) Nenhum aldeão daquela aldeia dorme a sesta.

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

5)

(AFC/2002) Dizer que não é verdade que Pedro

10)

Construa

a

tabela-verdade

da

seguinte

é

pobre e Alberto é alto, é logicamente

proposição composta: (p ^ ~q) v (q ^ ~p).

equivalente a dizer que é verdade que:

a) Pedro não é pobre ou Alberto não é alto.

b) Pedro não é pobre e Alberto não é alto.

c) Pedro é pobre ou Alberto não é alto.

d) se Pedro não é pobre, então Alberto é alto.

e) se Pedro não é pobre, então Alberto não é alto.

6) (CVM/2000) Dizer que a afirmação “todos os economistas são médicos” é falsa, do ponto de vista lógico, equivale a dizer que a seguinte afirmação é verdadeira:

GABARITO

1.A 2.D 3.E 4. C 5.A 6.A 7.A 8.E 9.E

10.

GABARITO 1.A 2.D 3.E 4. C 5.A 6.A 7.A 8.E 9.E 10. SISTEMA DE MEDIDAS a)

SISTEMA DE MEDIDAS

a)

pelo menos um economista não é médico

Desde a Antiguidade os povos foram criando suas

Revolução francesa, um grupo de representantes

b)

nenhum economista é médico

unidades de medida. Cada um deles possuía suas

c)

nenhum médico é economista

próprias unidades padrão. Com o

d)

pelo menos um médico não é economista

desenvolvimento do comércio ficavam cada vez

e)

todos os não médicos são não economistas

mais difíceis a troca de informações e as negociações com tantas medidas diferentes. Era

7)

(Fiscal Trabalho/98) Dizer que "Pedro não é

necessário que se adotasse um padrão de medida

pedreiro ou Paulo é paulista" é, do ponto de vista lógico, o mesmo que dizer que:

único para cada grandeza. Em 1791, época da

de vários países reuniu-se para discutir a adoção

a) se Pedro é pedreiro, então Paulo é paulista

b) se Paulo é paulista, então Pedro é pedreiro

c) se Pedro não é pedreiro, então Paulo é paulista

d) se Pedro é pedreiro, então Paulo não é paulista

e) se Pedro não é pedreiro, então Paulo não é

paulista

8) (Fiscal Trabalho/98) A negação da afirmação

o

guarda-chuva" é:

a) se não estiver chovendo, eu levo o guarda-

chuva

b) não está chovendo e eu levo o guarda-chuva

c) não está chovendo e eu não levo o guarda-

chuva

d) se estiver chovendo, eu não levo o guarda-

chuva

e) está chovendo e eu não levo o guarda-chuva

condicional

"se

estiver

chovendo,

eu

levo

9) (SERPRO/96) Uma sentença logicamente equivalente a “Pedro é economista, então Luísa é solteira” é:

a) Pedro é economista ou Luísa é solteira.

b) Pedro é economista ou Luísa não é solteira.

c) Se Luísa é solteira,Pedro é economista;

d) Se Pedro não é economista, então Luísa não é

solteira;

e) Se Luísa não é solteira, então Pedro não é

economista.

de um sistema único de medidas. Surgia o sistema

métrico decimal.

Medir uma grandeza significa compará-la com outra grandeza de mesma natureza, tomada como unidade de medida padrão.

UNIDADE DE MEDIDA DE COMPRIMENTO

A unidade padrão de medida de comprimento é o

metro (m).

Os múltiplos do metro (m) são:

Nome

Símbolo

Relação com o metro

Quilômetro

km

1.000m

Hectômetro

hm

100m

Decâmetro

dam

10m

Os submúltiplos do metro são:

 

Nome

Símbolo

Relação com o metro

Decímetro

dm

0,1m

Centímetro

cm

0,01 m

Milímetro

mm

0,001 m

CONVERSÃO

COMPRIMENTO

ENTRE

UNIDADES

DE

A relação entre os múltiplos e submúltiplos do

metro são da seguinte forma:

múltiplos e submúltiplos do metro são da seguinte forma: Onde cada mudança de “casa” representa uma

Onde cada mudança de “casa” representa uma multiplicação (caso a mudança seja da esquerda para a direita) ou uma divisão (caso a mudança seja da direita para a esquerda) por 10.

Como regra prática, utilizaremos os seguintes passos para conversão:

1º passo: Observar a direção (esquerda para direita

ou direita para esquerda) Contar quantas casas

serão “puladas”.

Ex: Conversão de km para m = 3 casas da esquerda para direita.

“pulada”

correspondem

de

passo:

A

direção

à

e

cada

casa

mesma

quantidade

movimentos que a vírgula faz no número.

Ex 1 : Transforme 5,18 dm em dam.

Solução:

A transformação é de dm para dam, logo a direção e o número de casas “puladas” serão de:

dam m
dam
m

dm

e o número de casas “puladas” serão de: dam m dm duas casas da direita para

duas casas da direita para a esquerda

De posse disso, a transformação será:

005,18 = 0,0518 dam

De posse disso, a transformação será: 005,18 = 0,0518 dam UNIDADE DE MEDIDA DE MASSA A

UNIDADE DE MEDIDA DE MASSA

A unidade de medida padrão de massa é o grama (g).

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

Os múltiplos do grama (g) são:

Nome

Símbolo

Relação com o metro

Quilograma

Kg

1.000g

Hectograma

hg

100g

Decagrama

dag

10g

Os submúltiplos do grama (g) são:

Nome

Símbolo

Relação com o metro

 

Decigrama

dg

0,1g

Centigrama

cg

0,01 g

Miligrama

mg

0,001 g

CONVERSÃO

ENTRE

UNIDADES

DE

COMPRIMENTO

A relação entre os múltiplos e submúltiplos do

metro é da seguinte forma:

os múltiplos e submúltiplos do metro é da seguinte forma: Onde cada mudança de “casa” representa

Onde cada mudança de “casa” representa uma multiplicação (caso a mudança seja da esquerda para a direita) ou uma divisão (caso a mudança seja da direita para a esquerda) por 10.

A regra prática utilizada na conversão entre os

múltiplos e submúltiplos do grama (m) se dá de

maneira análoga a do metro.

Ex: Transforme 20 kg em dg.

Solução:

Como a transformação é de kg para dg, analisando

o quadro acima podemos concluir que será

necessário se movimentar duas casas da esquerda para a direita.

Assim, sabendo que o número de movimentos da vírgula é igual ao número de movimentos nas casas, temos:

20,00 = 2.000 dg

sabendo que o número de movimentos da vírgula é igual ao número de movimentos nas casas,

UNIDADE DE MEDIDA DE SUPERFÍCIE: A unidade de medida padrão de área é o metro quadrado (m 2 ).

Os múltiplos e submúltiplos do metro quadrado são os mesmo do metro, com o acréscimo da palavra quadrado.

Múltiplos

 

Nome

Símbolo

Relação com o metro quadrado

Quilômetro

km

2

1.000.000m 2

quadrado

 

Hectômetro

hm

2

10.000m 2

quadrado

 

Decâmetro

dam

2

100m 2

quadrado

 

Submúltiplos

 

Nome

Símbolo

Relação com o metro quadrado

Decímetro

dm

2

0,01m 2

quadrado

 

Centímetro

cm

2

0,0001 m 2

quadrado

 

Milímetro

mm

2

0,000001 m 2

quadrado

 

CONVERSÃO

ENTRE

UNIDADES

SUPERFÍCIE

DE

A relação entre os múltiplos e submúltiplos do metro quadrado se dá, conforme exposto no quadro abaixo:

do metro quadrado se dá, conforme exposto no quadro abaixo: Onde cada mudança de “casa” representa

Onde cada mudança de “casa” representa uma multiplicação (caso a mudança seja da esquerda para a direita) ou uma divisão (caso a mudança seja da direita para a esquerda) por 10 2 .

Como regra prática, utilizaremos os seguintes passos para conversão:

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

1º passo: Observar a direção (esquerda para direita ou direita para esquerda) Contar quantas casas serão “puladas”.

Ex: Conversão de dam 2 para km 2 = 2 casas da direita para esquerda.

2º passo: A direção e cada casa “pulada” correspondem ao dobro de movimentos que a vírgula faz no número.

Ex: Transforme 0,1 km 2 em m 2 .

A direção e o número de casa “puladas” será:

2 km 2 hm 2 dam 2 m
2
km 2
hm 2
dam 2
m

Logo, são 3 casas “puladas” da esquerda para a direita.

Como o número de movimentos da vírgula é o dobro da quantidade de casas “puladas”, temos: 3 . 2 = 6 movimentos.

Então,

0,100000 = 100.000 m 2

3 . 2 = 6 movimentos. Então, 0,100000 = 100.000 m 2 UNIDADE DE MEDIDA DE

UNIDADE DE MEDIDA DE VOLUME

A unidade padrão de medida de volume é o metro cúbico (m 3 ).

Os múltiplos e submúltiplos do metro cúbico

(m

3 )são:

Nome

Símbolo

 

Relação

com

o

metro cúbico

Quilômetro

km

3

 

1.000.000.000m 3

cúbico

   

Hectômetro

hm

3

 

1.000.000m 3

 

cúbico

   

Decâmetro

dam

3

 

1.000m 3

cúbico

   

Metro cúbico (m 3 )

 

Decímetro

dm

3

 

0,001m 3

cúbico

   

Centímetro

cm

3

 

0,000001 m 3

 

cúbico

   

Milímetro

mm

3

 

0,000000001 m 3

cubo

   

CONVERSÃO

 

ENTRE

UNIDADES

VOLUME

DE

A relação entre os múltiplos e submúltiplos se dá

da seguinte forma:

os múltiplos e submúltiplos se dá da seguinte forma: Onde cada mudança de “casa” representa uma

Onde cada mudança de “casa” representa uma multiplicação (caso a mudança seja da esquerda para a direita) ou uma divisão (caso a mudança seja da direita para a esquerda) por 10 3 .

Como regra prática, utilizaremos os seguintes passos para conversão:

1º passo: Observar a direção (esquerda para direita

ou direita para esquerda) Contar quantas casas serão “puladas”.

2º passo: A direção e cada casa “pulada” correspondem ao triplo de movimentos que a vírgula faz no número.

Ex: Converta 2,3 m 3 para cm 3 .

Como a conversão é de m 3 para cm 3 observando o quadro acima, segue que são necessários dois movimentos da esquerda para a direita.

Como o número de movimentos da vírgula é o triplo de movimentos pelas casas, logo o número de movimentos da vírgula será: 2.3= 6 movimentos da esquerda para direita.

Desse modo, teremos:

2, 300000= 23.000.000 cm 3

direita. Desse modo, teremos: 2, 300000= 23.000.000 cm 3 UNIDADE DE MEDIDA DE CAPACIDADE Capacidade é

UNIDADE DE MEDIDA DE CAPACIDADE

Capacidade é o volume de líquido que um sólido pode conter em seu interior. Assim, quando dizemos que no interior de uma garrafa de água mineral cabe meio litro, estamos medindo a quantidade de líquido que a garrafa pode conter. Como a capacidade é um volume, podemos utilizar as unidades de volume para medir os líquidos. Mas para este fim, mais é mais comum utilizarmos uma outra unidade de medida chamada litros (l).

MÚLTIPLOS E SUBMÚLTIPLOS DO LITRO

(l)

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

Nome

Símbolo

Relação

com

o

litro

Quilolitro

kl

1.000l

Hectolitro

hl

100l

Decalitro

dl

10l

Litro (l)

Decilitro

dl

0,1l

Centilitro

cl

0,01l

Mililitro

ml

0,001l

Como os múltiplos e submúltiplos do litro variam de 10 em 10, pode-se concluir que as mudanças de unidades são feitas como nas medidas de comprimento, ou seja, deslocando-se a vírgula de uma em uma casa decimal para a esquerda ou para a direita.

uma em uma casa decimal para a esquerda ou para a direita. RELAÇÃO ENTRE AS UNIDADES

RELAÇÃO ENTRE AS UNIDADES DE VOLUME E DE CAPACIDADE

O litro corresponde à capacidade de um cubo com 1dm de aresta, ou seja, corresponde ao volume de um decímetro cúbico.

ou seja, corresponde ao volume de um decímetro cúbico. Essa relação é a chave para equivalência

Essa relação é a chave para equivalência entre os dois tipos de unidade!

Ex: O hidrômetro de uma casa registrou em um determinado mês o consumo de 26m 3 de água. Quantos litros de água foram consumidos nesta casa?

Transformemos 26 m 3 em dm 3

Para essa transformação é necessário 1 movimento da esquerda para direita. Como a quantidade de casas que a vírgula vai percorrer corresponde ao triplo de movimentos das casas. Assim, 1.3= 3 movimentos da esquerda para a direita

Desse modo, temos:

26,000= 26.000 dm 3

Desse modo, temos: 26,000= 26.000 dm 3 Sabendo que 1dm 3 =1 l , temos, portanto:

Sabendo que 1dm 3 =1l, temos, portanto:

26.000 dm 3 = 26.000 l

UNIDADE DE MEDIDA DE TEMPO

A unidade padrão de tempo é o segundo (s).

No quadro abaixo apresentamos alguns múltiplos:

Nome

Símbolo

Relação

com

o

segundo (s)

Dia

d

86.400s

Hora

h

3.600s

Minuto

min.

60s

Outras unidades, usadas na prática, são:

Semana (se): 7 dias Mês (me): 28, 29, 30 ou 31 dias Ano (a): 360, 365 ou 366 dias

O ano compõe-se de 12 meses. O ano comercial

tem 360 dias, o ano civil tem 365 dias e ano

bissexto 366 dias.

Os meses de janeiro, março, maio, julho, agosto, outubro e dezembro têm 31 dias; os meses de abril, junho, setembro e novembro têm

30 dias. O mês de fevereiro tem28 dias nos anos

comuns (civil) e 29 dias nos anos bissextos. Todo ano que for divisível por 4, são bissextos. Assim,

por exemplo:

1940, 1952, 1964 são bissextos 1910, 1953, 1965 não são bissextos

Ex 1 :

Verificar

13min?

quantos

minutos

em3d

8h

Como 1 dia tem24 horas: 24 h x 3 = 72 h Temos + 8 h. Desse modo temos agora:

72 h + 8 h dá 80 h.

Como uma hora equivale a 60 min, temos: 80 h x

60 min = 4800 min.

Somando-se ainda mais 13 min, teremos portanto:

4800min. + 13 min. = 4813 min.

Ex 2 : Quantas horas há em

de um dia?

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

Inicialmente transformemos o número fracionário em número decimal, então teremos agora: = 1,5d 1,5h = 1 d + 0,5d Nesse caso, nosso problema agora será em transformar 0,5d em horas. Sabemos que 1d = 24h, façamos uma regra de três simples:

1d

0,5d

24h

x

x= 12h

Desse modo, temos que:

1,5d = 1d + 0,5d = 24h + 12h = 36 h

EXERCÍCIOS

1) Um terreno retangular com 50m de frente por 0,4 hm de fundos deve ser cercado com 3 voltas de fio. Quantos metros de fio são necessários?

2) No ar seco, o som percorre 340m por segundo. Nestas condições, quantos quilômetros o som percorreria em 1 hora?

3) Se um litro de óleo pesa 920g, qual o volume ocupado por 1.840g deste óleo em litros?

4) Com uma certa quantidade de papel, foram feitos 25.000 blocos, todos como mesmo número de páginas. Se cada bloco tem 0,75 kg, quantos quilogramas de papel foram usados para fazer esses blocos? (18.750 kg) 5) Um comprimido contém 3,5 mg de vitamina x. Uma pessoa toma três desses comprimidos por dia. Quantos decigramas de vitamina x essa pessoa vai ingerir após 1 mês de 30 dias?

6) Uma caixa d‟água tem o volume de 2,5 m 3 . Quantos litros de água são necessários para encher metade da capacidade desta caixa d‟água?

7) Um quadrado tem 2.400cm de perímetro. Qual é a área desse quadrado, em metros quadrados? (Área do quadrado = l 2 ; onde l é o valor do lado do quadrado)

8) Uma fazenda tem 6 hectares (ha) de área. Sabendo que 1 ha = 1hm 2 . Qual a área desta fazenda, em m 2 .

9)Exprimir quantos meses e dias contém a fração 5/8 do ano comercial. (225 dias)

10) Uma emissora de televisão põe 2 min. De intervalo comercial para cada 20 min do filme, precisamente. Sabendo que um filme com duração original de 2horas será apresentado por esta emissora a partir das 19 horas de certo dia, a que horas o filme deverá terminar?

GABARITO

1.

3.

3,15 dg

7.

9.

5.

540m

2l

36m

2

225 dias

2. 1.224km 4. 18.750 kg 6. 1250l 8. 60.000 m 2 10. 21h10min.

NOÇÕES DE ESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA: Ciência que estuda o conjunto de técnicas e métodos de pesquisa que, entre outros tópicos, envolve o planejamento do experimento a ser realizado, a coleta qualificada dos dados, a inferência e o processamento e análise das informações.

Para iniciarmos o estudo da estatística, precisamos conhecer alguns conceitos.

População A estatística parte da observação de grupos, geralmente numerosos, aos quais damos o nome população.

Unidade

estatística:

população

Cada

elemento

de

uma

Amostra: Subconjunto (uma parte) da população

Variável A observação de uma população (ou amostragem dela) é dirigida ao estudo de uma propriedade ou característica dos elementos dessa população. Essa característica pode ser:

Qualitativa: se os valores tomados não são numéricos. Por exemplo: raça, área de estudos, meio de transporte. Quantitativo: se os valores tomados são numéricos. Por exemplo: altura, preço de um produto.

APOSTILA MATEMÁTICA BÁSICA PARA CONCURSOS PROF. PAULO GONÇALO

FREQUÊNCIA ABSOLUTA (F i )

Número de vezes que a variável estatística assume

um determinado valor.

Ex: Consideremos o quadro seguinte que mostra

as

notas de Matemática de uma turma de 1º ano

do

ensino médio de uma determinada escola.