Vous êtes sur la page 1sur 9

Concursos

Prof.: Luismar Leão Souto

e-mail: leaosouto@yahoo.com.br – homepage: br.geocities.com/leaosouto

Raciocínio Lógico

Introdução

Como qualquer linguagem, a Matemática utiliza os seus termos – palavras ou símbolos – e as suas proposições – combinação de termos, de acordo com determinadas regras que constituem o que chamamos de sintaxe matemática.

Vejamos agora as regras fundamentais da lógica matemática. Princípio da não contradição Uma proposição não pode ser verdadeira e falsa ao mesmo tempo.

Princípio do terceiro excluído Toda a proposição ou é verdadeira ou é falso, nunca um terceiro caso.

As regras que determinam quais as proposições que devem ser consideradas verdadeiras constituem

a lógica matemática.

É importante salientar nesta introdução que quando falamos em matemática, quase tudo é

demonstrável, porém a conceitos que tomamos com “conceitos primitivos” o quais aceitamos sem demonstração, estes recebem o nome de postulados ou axiomas.

A partir dos conceitos primitivos, e utilizando as regras de lógica surgem novas proposições

verdadeiras, que são chamadas de teoremas.

Valor Lógico de uma Proposição

Chamamos de valor lógico de uma preposição a verdadeira se a proposição é verdadeira e a falsidade se a proposição for falsa. Notação: Usaremos aqui V para verdade e F para falsidade. Lembre-se que valem sempre os princípios da não contradição e terceiro excluído.

.

p: “2,971 é um número inteiro”

.

q: “ 2 < 12”

.

r: “O número inteiro 64 é um cubo perfeita”

Note que o valor lógico das proposições q e r é verdade (V) e o valor lógico da proposição p é a falsidade (F).

Conectivos Lógicos

Definição Chamamos de conectivos lógicos as palavras ou símbolos que são usadas para formas novas proposições a partir de outras proposições dadas. Os conectivos usuais da lógica matemática são os seguintes.

Palavras

Símbolos

ou

e

 

não

~ ou

Se

então

 

se e somente se

 

Exemplos

.

p: “4 é um número composto ou 4032 é divisível por 4”

.

q: “27 é um cubo perfeito e 2 é um número primo”

.

r: “Não existe número primo par”’

.

s: “Se um polígono é convexo e regular então é inscritível”

.

t: “6=2.3 se e somente se 2= 3 6

Os valores lógicos das proposições p, q, r, s, t são respectivamente V, V, F, V, F.

Concursos

Prof.: Luismar Leão Souto

e-mail: leaosouto@yahoo.com.br – homepage: br.geocities.com/leaosouto

Proposição Simples ou Composta

Definição de Proposição simples Diz-se que uma proposição é uma proposição simples (ou atômica) se esta não possui nenhuma proposição como parte integrante de si mesma.

Exemplos:

. p: “8 é a raiz quadrada positiva de 64”

. q: “2 10 = 1024”

Os valores lógicos das proposições p e q são ambos V.

Definição de Proposição Composta Diz-se que uma proposição é uma proposição composta (ou molecular) se esta é uma combinação de

duas ou mais proposições simples, para estas combinações são utilizados os conectivos lógicos (veja a tabela pág. 1). Um proposição composta P que é obtida por meio de combinação das proposições simples p, q, r,

será denotada por: P(p, q, r,

).

Exemplos: 2 .” 7 ≥ 2 a = a , onde a 3 . “
Exemplos:
2
.” 7
2
a
=
a
, onde a
3
.
5 32
=
2
cos30º
=
2

R

Os valores lógicos das proposições acima são todos verdadeiros

Função Proposicional

Qualquer expressão que possua uma ou mais variáveis e que se transforma em uma proposição quando suas variáveis são substituídas por constantes é chamada de Função proposicional.

Por exemplo.

. “Qualquer que seja x real, tem-se (x+1)(x-1)=x 2 -1”

Introdução ao Cálculo Proposicional

Negação de uma proposição A negação de uma proposição p, indicada por ~p ou p, lê-se “não p”.

Exemplos:

P ~p V F F V
P
~p
V
F
F
V

a) p: O cachorro é um animal.

.

V

.

~p: O cachorro não é um animal.

F

b) 9 não é um número primo

.

q:

F

.

~q:

9 é um número primo

9 é um número primo

V

Note que ~(~p)=p

Tabela Verdade Conjunção Disjunção ⁄ Condicional Bicondicional p q p q p q p q
Tabela Verdade
Conjunção
Disjunção ⁄
Condicional
Bicondicional
p
q
p
q
p
q
p
q
V
V
V
V
V
V
V
V
V
V
V
V
V
F
F
V
F
V
V
F
F
V
F
F
F
V
F
F
V
V
F
V
V
F
V
F
F
F
F
F
F
F
F
F
V
F
F
V

Concursos

Prof.: Luismar Leão Souto

e-mail: leaosouto@yahoo.com.br – homepage: br.geocities.com/leaosouto

Quantificadores – Universal e Existencial

As expressões “qualquer que seja” ou “para todo” e “existe” são chamados de quantificadores, são eles:

Para todo

 

Existe

 

Existe um único

!

Tautologia e Contradição

Tautologia Uma proposição composta é uma tautologia se tem todos os valores lógicos V como resultado.

Exemplo:

a) p~p

 

p

~p

p~p

 

V

F

V

F

V

V

b) (qp)

(p ~p)

 

p

q

~p

p ~p

qp

(p ~p)

(qp)

V

V

F

F

V

 

V

V

F

F

F

V

 

V

F

V

V

F

V

 

V

F

F

V

F

 

F

 

V

Contradição Uma proposição composta é uma tautologia se tem todos os valores lógicos F como resultado.

Exemplo:

a) p ~p

 

p

~p

p ~p

 

V

F

F

F

V

F

b) (p ~q)

(~pq)

 

p

q

~p

~q

p ~p

~p q

(p ~q)

(~pq)

V

V

F

F

 

F

V

F

V

F

F

V

 

V

F

F

F

V

V

F

 

F

V

F

F

F

V

V

 

F

V

F

Equivalência Lógica

Definição Diz-se que as proposições p e q são logicamente equivalentes, e escreve-se p q , quando p e q têm a mesma tabela-verdade.

Exemplos

.

~ (p

q)

~ p

~ q

.

~ (p

q) ~ p

~ q

Concursos

Prof.: Luismar Leão Souto

e-mail: leaosouto@yahoo.com.br – homepage: br.geocities.com/leaosouto

Antes de continuarmos vamos rever reforçar umas coisas

1.Tabela verdade da "negação" : ~p é verdadeira (falsa) se e somente se p é falsa (verdadeira).

P ~p V F F V
P
~p
V
F
F
V

2. Tabela verdade da "conjunção": a conjunção é verdadeira se e somente os conjuntos são verdadeiros.

Conjunção

p

q

V

V

V

V

F

F

F

V

F

F

F

F

3. Tabela verdade da "disjunção" : a disjunção é falsa se, e somente, os disjuntos são falsos.

Disjunção

p

q

V

V

V

V

F

V

F

V

V

F

F

F

4. Tabela verdade da condicional: a implicação é falsa se, e somente se, o antecedente é verdadeiro

e o conseqüente é falso.

Condicional

p

q

V

V

V

V

F

F

F

V

V

F

F

V

5. Tabela verdade da bicondicional: a bicondicional é verdadeira se, e somente se seus componentes

são ou ambos verdadeiros ou ambos falsos

Bicondicional

P

q

V

V

V

V

F

F

F

V

F

F

F

V

Concursos

Prof.: Luismar Leão Souto

e-mail: leaosouto@yahoo.com.br – homepage: br.geocities.com/leaosouto

Operadores de Comparação (Relações)

Diferença:

π

Igualdade:

=

Maior:

>

Menor:

<

Maior Igual:

Menor Igual:

 

Sentenças matemáticas abertas

São expressões que não podemos identificar como verdadeiras ou falsas. Por exemplo: x+2=9 Essa expressão pode ser verdadeira ou falsa, dependendo do valor de x. Se x=7, a sentença é verdadeira, pois 7+2=9 Se xπ7, a sentença é falsa.

Pode-se colocar qualquer letra, mas as mais usadas são x, y, z.

Exemplo:

X+3π9 (Desigualdade) 2y-1<-7 (inequação)

Conjuntos

Um conjunto é uma “coleção” de elementos que possuem uma ou mais características em comum, é essa características em comum.

Exemplo:

Conjunto dos Número primos:

A={x | x é um número primo}

Conjunto das vogais:

B={a, e, i, o, u}

Diagrama de Venn: B a i o u e
Diagrama de Venn:
B
a
i
o
u
e

Observações Gerais:

Os elementos de um conjunto devem aparecer uma única vez.

Exemplo: {a, e, i, o, u, a, e}={a, e, i, o, u)

A ordem dos elementos é irrelevante

Exemplo: {a, i, u}={i, a, u}

Classificação de um conjunto

Os conjuntos podem ser classificados de acordo com o número de elementos:

Conjunto Finito: Possui um número finito de elementos.

Exemplo: V=[a, e, i, o, u]

Conjunto Infinito: Possui um número infinito de elementos.

Exemplo: Conjuntos dos número reais.

Conjunto Unitário: Possui apenas um elemento.

Concursos

Prof.: Luismar Leão Souto

e-mail: leaosouto@yahoo.com.br – homepage: br.geocities.com/leaosouto

Exemplo: P={2}

Conjunto Vazio: Não possui elementos.

Pode ser representado por:

V={ } ou V=

Conjunto Universo: É o conjunto que possui todos os elementos de uma especifica situação.

Exemplo: Em um problema que envolva os meses dos ano, o conjunto universo será formado pelos 12 meses dos anos.

Relação de Pertinência

É a relação entre o conjunto e elemento, e são utilizados os símbolos:

Exemplo:

O conjunto I, dos números ímpares:

125

3

I

2

I

8

I

9

I

I

Pertence

Não Pertence

Relação de Inclusão: Subconjunto

A B
A
B

Logo A

Um conjunto B é subconjunto de A se todos os elementos de B também pertencerem

ao conjunto A.

Exemplo: Dados os conjuntos:

A={1,2,3,4,5,6,7,8,9] e B={1,2,3} B, Lê-se A está contido em B.

Está contido

 

Não Está contido

 

Contém

Não Contém

Números de Elementos – n(A)

A={Caçapava do Sul, Bagé, Pelotas} e B{a, e, i, o, u}

Note que A possui 3 elementos portando n(A)=3 e B possui 5 elementos, logo n(B)=5.

Número de subconjuntos existentes

O número de subconjuntos existentes em um conjunto é dado por n[P (A)] e pode ser obtido pela

fórmula:

N[P(A)]=2 n(A)

Observações:

Todo conjunto é subconjunto dele mesmo.

O conjunto Vazio é subconjunto de todos os conjuntos.

Exemplo:

Determine o número de subconjuntos que possui o conjunto A, definido por: A={a,e,i}.

Resolução:

N[P(A)]=2 n(A) =2 3 =8 ou seja:

{{a, e, i}; {a}; {e}; {i}; {a, e}; {a,i}, {e;i}; { }}

Operações entre Conjunto

Existem três operações possíveis que podem ser feitas com conjuntos: União, Intersecção e Diferença.

União (

)

União entre os conjuntos A e B consiste em um novo conjunto (A B) formado por todos os elementos de A e de B.

Definição A B=(x | x

A ou x

B}

Concursos

Prof.: Luismar Leão Souto

e-mail: leaosouto@yahoo.com.br – homepage: br.geocities.com/leaosouto

Exemplo: Se A={1, 2, 3, 4, 5} e B={2, 5, 6, 7} então:

A B={1,2,3,4,5,6,7} Na forma de Diagrama

A B 4 3 7 1 2 5 6
A
B
4
3
7
1
2
5
6

Observação: A união é uma operação comutativa, ou seja:

A

B= B

A

Interseção ( )

A interseção entre conjuntos A e B consiste em um novo conjunto formado pelos elementos em comum entre os dois conjuntos.

Definição A B=(x | x A e x B}

Exemplos: Se A={1, 2, 3, 4, 5} e B={3, 5, 6, 7}, então:

A

B = {3, 5}.

Na forma de Diagrama

A B 4 3 7 1 2 5 6
A
B
4
3
7
1
2
5
6

Diferença

A diferença entre os conjuntos A e B consiste em montar um novo conjunto (A – B) formado pelos

elementos que pertencem a A e não a B.

A definição A – B {x | x

A e x

B}

Exemplo: Se A={1, 2, 3, 4, 5} e B={3, 5, 6, 7}, então:

A-B={1, 2, 4}

Na forma de Diagrama

A B 4 3 7 1 2 5 6
A
B
4
3
7
1
2
5
6

Observação: A interseção não é uma operação comutativa, eu seja:

A – B π B – A

Formulas:

A soma de elementos é dada por: n(A B)=n(A)+n(B)-n(A B)

A diferença de elementos é dada por: n(A-B)=n(A)-n(A B)

Concursos

Prof.: Luismar Leão Souto

e-mail: leaosouto@yahoo.com.br – homepage: br.geocities.com/leaosouto

Contagem

Introdução São técnicas matemáticas que possibilitam determinar o número de soluções para certa situação, ou seja, podemos saber quantos resultados são possíveis, porém não podemos saber o resultado em si.

Principio Fundamental “Se existem n maneiras de executar a tarefa 1 de m maneiras de executar a tarefa 2, então o número de maneiras de executar as duas tarefas é m.n.

Exemplo:

De quantas maneiras pode-se fazer uma viagem da Cidade A para a cidade C, passando obrigatoriamente pela cidade B, sabendo-se que existem 2 estradas que ligam as cidade A e B, e três que conectam B e C?

BR-AB1

as cidade A e B , e três que conectam B e C ? BR-AB1 A

A

cidade A e B , e três que conectam B e C ? BR-AB1 A BR-BC1

BR-BC1

BR-BC2
BR-BC2

C

B
B

BR-BC3

BR AB2

Note que temos n=AB, m=BC.

Tarefa 1: A - B

Tarefa 2: B – C

1 BR-AB1

BR-BC1

2 BR-AB1

BR-BC2

3 BR-AB1

BR-BC3

4 BR-AB2

BR-BC1

5 BR-AB2

BR-BC2

6 BR-AB2

BR-BC3

Na Forma de Diagrama

A B (BR-AB1) B (BR-AB2) C(BR-AC1) C(BR-AC2) C(BR-AC3) C(BR-AC1) C(BR-AC2) C(BR-AC3) Exercícios: 26 26 26
A
B (BR-AB1)
B (BR-AB2)
C(BR-AC1)
C(BR-AC2)
C(BR-AC3)
C(BR-AC1)
C(BR-AC2)
C(BR-AC3)
Exercícios:
26
26
26
10
10
10
10
Nº de Letras
Nº de Valores
4- Quantos números de 3 algarismos distintos podemos formar em um sistema decimal?
Dica: Lembre-se que o sistema decimal é usado 0123456789, e que 053=53.

3- Determine o número de maneiras de responder aleatoriamente 10 testes com verdadeiro e falso. Dica: Lembrar “Tabelas verdades”

1- Duas das 50 cadeiras, de uma sala serão ocupados por dois alunos. Determine o número de cadeiras distintas possíveis que esses alunos terão para escolher duas das 50 cadeiras.

2- Quantos automóveis podem ser licenciados no Brasil, se cada placa contém três letras e quatro números? Dica:

Concursos

Prof.: Luismar Leão Souto

e-mail: leaosouto@yahoo.com.br – homepage: br.geocities.com/leaosouto

C

D

U

e

n

n

e

i

t

z

d

e

e

a

n

n d

a

a e

5- Uma escola se prepara para as eleições grêmio estudantil, há 6 candidatos a presidência e 7 a vice presidência. Quantas chapas distintas podem formar?

Princípio Ativo:

Vimos que no principio da contagem que multiplicamos as possibilidades, agora veremos que o principio ativo, é mais simples, observe a frase a seguir:

“Se existem n maneiras de executar a tarefa 1 e m maneiras de executar a tarefa 2, então o número de maneiras de executar a tarefa 1 ou a tarefa 2 é m+n.”

Logo podemos ver que no principio ativo, não é necessário realizar as duas tarefas, mas somente uma delas.

Retomando um pouco os conectivos lógicos perceba que quando usamos a conjunção e, usamos o principio multiplicativo m.n. Quando usamos a disjunção ou, usamos o principio ativo m+n.

Exemplo: Rodrigo decidiu passar suas férias na praia. Sabemos que ele irá para Santos ou Guarujá. Sabe-se também, que existem 4 empresas de ônibus que fazem o trajeto até santos e outras 3 que fazem para Guarujá. De quantas maneiras ele pode ir até a praia?

Empresa S1 Empresa S2 Empresa S3 Empresa S4 Rodrigo Empresa G1 Empresa G2 Empresa G3
Empresa S1
Empresa S2
Empresa S3
Empresa S4
Rodrigo
Empresa G1
Empresa G2
Empresa G3
(segue em sala de aula)

Note que temos 7 empresas, 4 Para santos e 3 para Guarujá, logo 4+3=7, 7 maneiras diferentes.

Santos

Guarujá

Exercícios.