Vous êtes sur la page 1sur 4
Psicologia Comportamental
Psicologia Comportamental

Msc. Luciana Verneque

lucianaverneque@gmail.com

Doutoranda UnB Professora UNIP Brasília Psicóloga Clínica Professora e Supervisora IBAC

Aula 2 Baum (2003) capítulo 4
Aula 2
Baum (2003) capítulo 4
e Supervisora IBAC Aula 2 Baum (2003) capítulo 4 Teoria da Evolução e Reforço • Origens
e Supervisora IBAC Aula 2 Baum (2003) capítulo 4 Teoria da Evolução e Reforço • Origens
e Supervisora IBAC Aula 2 Baum (2003) capítulo 4 Teoria da Evolução e Reforço • Origens

Teoria da Evolução e Reforço

Origens genéticas do comportamento [filogênese]; reflexo e padrões fixos de ação; capacidade de aprendizagem operante; Os fatores contingenciais de tempo e contexto; o paradigma de explicações históricas.

Sugestão para discussão: Evolucionismo versus criacionismo. A noção de “continuidade da espécie”.

O que nos diferencia das outras espécies?

Printed with FinePrint - purchase at www.fineprint.com

Printed with FinePrint - purchase at www.fineprint.com Interesse pela Teoria da Evolução 1. Genes que o

Interesse pela Teoria da Evolução

1. Genes que o indivíduo herda é fruto de uma longa seleção, muitas gerações promovem comportamentos que contribuem para o sucesso na interação com o ambiente e na reprodução

2. Tipo de explicação atípico entre as ciências

▫ Explicação Histórica

atípico entre as ciências ▫ Explicação Histórica História Evolutiva • Por que temos pêlos? • Por

História Evolutiva

Por que temos pêlos?

Por que salivamos?

Por que as girafas têm pescoços compridos?

salivamos? • Por que as girafas têm pescoços compridos? • Explicação não está no aqui e

Explicação não está no aqui e agora

Explicação está em um número incontável de ancestrais no decorrer de muitos milhões de anos

de ancestrais no decorrer de muitos milhões de anos Programas de TV sobre Seleção Natural •

Programas de TV sobre Seleção Natural

“As aranhas têm uma enorme capacidade de se ”

adaptar, construindo teias com fios fortes

▫ Implícito

O leão, indivíduo, encontra um ambiente hostil e se adapta (altera alguma característica para aquele fim) Intencionalidade? Mudança agora ou mudança ao longo Indivíduo ou espécie

agora ou mudança ao longo Indivíduo ou espécie Qual é o equívoco nesse exemplo? Indivíduo x

Qual é o equívoco nesse exemplo?

Indivíduo ou espécie Qual é o equívoco nesse exemplo? Indivíduo x Espécie • A adaptação é

Indivíduo x Espécie

A adaptação é no nível da espécie, não do indivíduo

Algum membro deve ter uma característica especial que então é favorecida ou não pelo meio

O indivíduo já nasceu, ele não tem como mudar os seus genes

São outros membros que terão mais ou menos proprensão a sobrevivência e reprodução

Lamarquismo?

Seleção Natural • Variação dos indivíduos ▫ Tamanho, cor, tipo do sangue, quantidade de substâncias

Seleção Natural

Variação dos indivíduos

▫ Tamanho, cor, tipo do sangue, quantidade de substâncias (média)

Comentário: no que seria diferente dizer que alguém tem uma personalidade inata agressiva ou a pessoa tem uma “responsividade a estímulos de ataque”

Dom é diferente de condições biológicas medidas Como medir um dom. Dom é usado como explicação? Parece com mentalismo? Dom é inferido após o crescimento? Existe a separação do que foi aprendido do que foi “inato”? Mérito x culpa?

que foi aprendido do que foi “inato”? Mérito x culpa? Seleção Natural (cont) • Variação nos

Seleção Natural (cont)

Variação nos genes: diferentes comprimentos de pescoço

Alteração ambiental: clima

Vegetação mais alta

Comiam em média mais

▫ Um pouco mais saudáveis

▫ Um pouco mais resistentes a doenças, mais ágeis para fugir

Um pouco mais resistentes a doenças, mais ágeis para fugir Aptidão ção por Seleção NaEvolu tural
Aptidão ção por Seleção NaEvolu tural
Aptidão
ção por Seleção NaEvolu
tural

Figurareproduzida de Baum (2003)

Seleção NaEvolu tural Figurareproduzida de Baum (2003) Condições para a Seleção 1. Fator ambiental deve ser

Condições para a Seleção

1. Fator ambiental deve ser relativamente constante (estar presente)

2. Variação nos genes

3. Deve haver vantagem na característica

4. Competição

Printed with FinePrint - purchase at www.fineprint.com

Printed with FinePrint - purchase at www.fineprint.com Reflexos • Traços comportamentais são característicos

Reflexos

Traços comportamentais são característicos como traços anatômicos

▫ Coceira no nariz espirar

▫ Sopro no olho picar

Manutenção da saúde e reprodução

no olho picar • Manutenção da saúde e reprodução Padrões Fixos de Ação • Complexidade maior

Padrões Fixos de Ação

Complexidade maior que reflexos

▫ Gaivota no ninho, filhotes abrem a boca

Não dependem da experiência (assim como reflexos)

Humanos

▫ Dificuldade de diferenciar de padrões aprendidos

▫ Sorriso (ocorrência com crianças cegas)

▫ Movimento da sombrancelha

com crianças cegas) ▫ Movimento da sombrancelha Condicionamento Respondente • Susceptibilidade da

Condicionamento Respondente

Susceptibilidade da espécie ao condicionamento respondente

▫ Sensibilidade a eventos (estímulos) que sistematicamente acompanham Uss

▫ Vantagem evolutiva:

Salivar ao ver a carne é mais interessante do que salivar com a carne na boca apenas “Correr”* ao ouvir o som do predador é mais eficiente do que “correr” ao ser mordido pelo predador

▫ * Correr é operante. A alteração respondente são as modificações fisiológicas que preparam para correr ou lutar

fisiológicas que preparam para correr ou lutar Ontem e hoje • O que foi importante ontem

Ontem e hoje

O que foi importante ontem (selecionado) pode não ser hoje, a partir de uma mudança no ambiente

▫ Quando respostas fisiológicas foram selecionadas em contextos de fuga\luta haviam tacapes, agora existem revólveres e armas nucleares

▫ Quando respostas fisiológicas foram selecionadas diante de comidas (ex. doces), não havia tanta disponibilidade, tínhamos que gastar energia para conseguir frutas

Reforçadores e Punidores • Por que nos submetemos a tratamentos dolorosos (ex. injeção)? ▫ Conseqüências

Reforçadores e Punidores

Por que nos submetemos a tratamentos dolorosos (ex. injeção)?

▫ Conseqüências das ações

Eventos filogenéticos (história de seleção natural, inatos) que influenciam a freqüência do comportamento são conseqüências

▫ Reforçadores Incondicionados: alimento, abrigo, sexo

▫ Punidores Incondicionados: frio, dor

abrigo, sexo ▫ Punidores Incondicionados: frio, dor Aprendizagem Operante Relação Ação- CONSEQUÊNCIA

Aprendizagem Operante

Relação Ação-

CONSEQUÊNCIA

Conseqüência

 

Reforçador

Punidor (S aversivo)

Positiva

Reforço Positivo

Punição Positiva

Negativa

Punição Negativa

Reforço Negativo

Negativa Punição Negativa Reforço Negativo ≠ Reforçadores e Punidores • Condicionados: História de

Reforçadores e Punidores

Condicionados: História de vida individual, ontogenética

▫ Reforçadores condicionados: dinheiro, mansões

▫ Punidores condicionados: humilhação social, hospital

▫ Punidores condicionados: humilhação social, hospital Reforçadores e Punidores • Saciação e Privação •

Reforçadores e Punidores

Saciação e Privação

Existem estímulos que se tornam reforçadores e punidores condicionados mais facilmente

▫ É mais fácil que um cheiro do alimento se torne punidor (aversivo) após alguém passar mal comendo esse alimento do que a visão da pessoa que deu o alimento se torne o punidor (aversivo)

▫ Tendência a aprender sons da língua:

conseqüências e predisposição a balbuciar

Printed with FinePrint - purchase at www.fineprint.com

Printed with FinePrint - purchase at www.fineprint.com Seleção pelas Conseqüências • Processo análogo à
Printed with FinePrint - purchase at www.fineprint.com Seleção pelas Conseqüências • Processo análogo à
Printed with FinePrint - purchase at www.fineprint.com Seleção pelas Conseqüências • Processo análogo à

Seleção pelas Conseqüências

Processo análogo à Seleção Natural

Comportamentos

▫ Bem sucedidos Reforçados

▫ Mal sucedidos Punidos, menos reforçado ou extinção

ATENÇÃO

Algo selecionado não é necessariamente algo melhor

• Algo selecionado não é necessariamente algo melhor Algo selecionado não é algo melhor • Pescoço

Algo selecionado não é algo melhor

Pescoço comprido não é inerentemente algo bom, é algo bom em um contexto histórico que existe vegetação alta

▫ Se o contexto muda, pescoço comprido pode deixar de ser algo bom ou virar algo inadequado

Fazer birra é algo que é selecionado (reforçado) e não necessariamente, inerentemente, é algo bom ou ruim. É algo que foi selecionado no contexto daquele indivíduo específico

foi selecionado no contexto daquele indivíduo específico Algo bom ou algo ruim • Consiste em um

Algo bom ou algo ruim

Consiste em um julgamento moral\social

Reforço não é sinônimo de selecionar coisas boas e punição não é sinônimo de enfraquecer coisas ruins

Seleção Natural e Modelagem • Diferença no sucesso reprodutivo: sobrevivência e reprodução • População de

Seleção Natural e Modelagem

Diferença no sucesso reprodutivo: sobrevivência e reprodução

População de genótipo

Diferença na produção de conseqüências : Reforçamento, punição, extinção

Classes de respostas

punição, extinção • Classes de respostas Processo é semelhante, não o que é selecionado • Não

Processo é semelhante, não o que é selecionado

Não significa que uma classe de resposta reforçada (selecionada) irá para meus descendentes (genes)

reforçada (selecionada) irá para meus descendentes (genes) Classe de respostas: Dirigir para o trabalho • Dirigir

Classe de respostas: Dirigir para o trabalho

Dirigir = comportamento

Todos os comportamentos de dirigir = população de girafas

Algumas girafas são mais bem suceditas (tamanho do pescoço) = alguns dos meus comportamentos são mais bem sucedidos (levar ao trabalho)

Ao longo do tempo as ações de dirigir que produzirem reforçadores serão mais frequentes que outras ações

reforçadores serão mais frequentes que outras ações Aptidão Seleção d o Comportamento Modelagem de Dirigir
Aptidão Seleção d o Comportamento Modelagem de Dirigir
Aptidão
Seleção d o Comportamento
Modelagem
de Dirigir

Figurareproduzida de Baum (2003)

Printed with FinePrint - purchase at www.fineprint.com

Printed with FinePrint - purchase at www.fineprint.com Modelagem • Variação ▫ Sempre fazemos de maneiras

Modelagem

Variação

▫ Sempre fazemos de maneiras diferentes ações

Reprodução

▫ Ocorrências das ações

Sucesso diferencial

▫ Reforço e punição diferencial

Exemplo: tom de voz

▫ Reforço e punição diferencial Exemplo: tom de voz Explicação • Características genéticas não são

Explicação

Características genéticas não são planejadas

Comportamentos não são comandados pela mente

• Comportamentos não são comandados pela mente Ambas • Mudanças graduais ao longo do tempo •

Ambas

Mudanças graduais ao longo do tempo

Explicações históricas

Variação

Se repetem (genes e ações)

Sucesso diferencial

Substituem: O criador e a Mente

Não utilizam causas imediatas

O criador e a Mente • Não utilizam causas imediatas Causas próximas e últimas • O

Causas próximas e últimas

O desenvolvimento da biologia pode um dia me dizer exatamente como estava a configuração biológica do meu corpo no momento que dirigi para o trabalho do dia x, no momento y.

Mas ainda sim, essa configuração pode ser explicada pela história de dirigir

As pessoas tendem a preferir causas próximas, imediatas

▫ As pessoas tendem a ser mecanicistas