Vous êtes sur la page 1sur 19
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Corrosão-Erosão

Professor:

Nelson Medeiros de Lima Filho

Laboratório de Processos Catalíticos

Corrosão-Erosão A corrosão-erosão é o aumento da velocidade de ataque de um metal devido ao
Corrosão-Erosão
A corrosão-erosão é o aumento da velocidade de
ataque de um metal devido ao movimento relativo na
interface metal/meio. Em geral, a velocidade relativa
do meio em relação ao metal é muito alta, ocorrendo,
no processo corrosivo, ação mecânica de desgaste.
 A diferença entre a erosão mecânica e a erosão-corrosão é que no primeiro caso,

A diferença entre a erosão mecânica e a erosão-corrosão é que no primeiro caso, o movimento relativo metal/meio determina o

arrancamento de partículas metálicas e no segundo, o metal é

removido na forma de íon metálico ou produto de corrosão sólido.

de partículas metálicas e no segundo, o metal é removido na forma de íon metálico ou
A corrosão-erosão pode ser consequência de:
A corrosão-erosão pode ser consequência de:

Forças

devido

movimento;

a

própria

turbulência

do

líquido

em

Presença de partículas no líquido em movimento;

Existência de gases no líquido em movimento.

Obs.: No caso da corrosão-erosão ser consequência do colapso de bolhas de gás presentes no líquido, recebe a denominação Corrosão-cavitação

CARACTERÍSTICAS  áreas corroídas lisas sem produto de corrosão e com bordas bem definidas;
CARACTERÍSTICAS
 áreas corroídas lisas sem produto de corrosão e com bordas bem
definidas;
 em geral, há formação de pites alongados na direção da velocidade de líquido;
 em geral, há formação de pites alongados na direção da velocidade
de líquido;
e com bordas bem definidas;  em geral, há formação de pites alongados na direção da
Metais e Ligas mais Suscetíveis - Em geral, os metais mais moles como cobre e
Metais e Ligas mais Suscetíveis
- Em geral, os metais mais moles como cobre e chumbo são bastantes
suscetíveis a corrosão-erosão;
- Com relação aos produtos de corrosão, quanto mais aderente maior
será sua resistência a esse tipo de ataque;
Equipamentos sujeitos a corrosão-erosão:
Tubulações
de
condução
de
fluidos,
hélices,
rotores,
carcaças,
agitadores, etc.
Fatores Influenciadores: Natureza dos Produtos  Dureza, continuidade e aderência: quanto mais aderente, contínua e

Fatores Influenciadores:

Natureza dos Produtos
Natureza dos Produtos

Dureza, continuidade e aderência: quanto mais aderente,

contínua e dura for a camada de produtos de corrosão, maior será

a resistência a corrosão-erosão;

Facilidade e velocidade de formação: quanto mais fácil e rápido se formar a camada de produtos de corrosão, maior será a resistência a corrosão-erosão;

Obs.: A natureza dos produtos de corrosão, formados sobre um

metal ou liga metálica depende do meio de exposição. Assim, se

o cobre recentemente polido for exposto a um meio, como água

do rio ou ar atmosférico não poluído, haverá a formação de uma

camada de cuprita compacta e aderente, resistente a corrosão-

erosão mesmo se depois for exposto a um meio mais agressivo.

A presença de inibidores tem a função de melhorar as características da camada de produtos
A presença de inibidores tem a função de melhorar as características
da camada de produtos como melhorar a sua formação
de inibidores tem a função de melhorar as características da camada de produtos como melhorar a
Turbulência e impingimento
Turbulência e impingimento

Muitos casos de corrosão-erosão acontecem devido a condições de escoamento turbulento localizado devido a mudança de direção,

devido a curvas, redução de diâmetro ou onde existem depósitos na

superfície metálica.

Velocidade
Velocidade

Quanto maior for a velocidade do meio, maior será o efeito mecânico de lixiviação de produtos de corrosão.

Natureza do metal ou liga metálica
Natureza do metal ou liga metálica

Para elementos ativos, como ferro, zinco e cromo, a resistência à

corrosão é devida principalmente a formação e manutenção de uma camada protetora.

Para elementos mais nobres como níquel já apresentam uma

resistência maior à corrosão quando comparados aos menos nobres,

na ausência da camada protetora

MÉTODOS DE PREVENÇÃO
MÉTODOS DE PREVENÇÃO

-seleção de materiais;

- desenho adequado do sistema p/ minimizar regiões de turbulências, sucção e vibração do líquido;

- condicionamento do meio, principalmente em sistemas

fechados. A adição de inibidores pode suavizar este tipo de ataque. Em líquido contendo sólidos em suspensão, recomenda- se a sua filtração;

- revestimentos metálicos, orgânicos;

- proteção catódica

CORROSÃO-CAVITAÇÃO
CORROSÃO-CAVITAÇÃO

A corrosão-cavitação é um tipo especial de corrosão-erosão e ocorre em consequência da formação e colapso de bolhas de gás no líquido em

contato com o metal.

Mecanismo
Mecanismo

-nas regiões do líquido onde se tem pressão muito baixa causada por

turbulência, sucção ou vibração do líquido, formando bolhas ou

cavidades;

-estas bolhas tem uma vida muito curta sofrendo colapso;

-a implosão das bolhas produz ondas de choque de alta pressão. Em um segundo pode sofrer colapso aproximadamente 2.000.000 bolhas;

- estas ondas de choque envolvem pressões da ordem de 15t/cm 2 e danificam as superfícies metálica ( cavitação), como produtos de corrosão

(corrosão-cavitação).

Efeito da Cavitação e colapso de bolha de gás
Efeito da Cavitação e colapso de bolha de gás
Efeito da Cavitação e colapso de bolha de gás
FATORES INFLUENCIADORES Teor do Ar A rigor não é o ar dissolvido, mas sim o

FATORES INFLUENCIADORES

Teor do Ar

A rigor não é o ar dissolvido, mas sim o ar disperso, que tem efeito sobre a

cavitação. Trata-se de pequenas bolhas cerca de 50mm de diâmetro.

Pressão do Líquido

O aumento da pressão do líquido diminui a tendência a cavitação.

Bolhas de ar injetadas

A injeção no líquido de bolhas de ar, que são maiores do que as bolhas de ar disperso, previne a cavitação. Isto se deve ao fato de que essas bolhas, que são compressíveis, absorvem a energia das ondas de choque de cavitação.

Temperatura

Em água, a danificação por cavitação aumenta com a temperatura na faixa de 0°C a 50°C, devido a um decréscimo no teor de ar. Acima de 50°C, a danificação decresce devido ao aumento da pressão de vapor do fluido.

Inibidores
Inibidores

O emprego de inibidores de corrosão em sistemas fechados (como

circuitos de refrigeração de motores a diesel) reduz as danificações por

cavitação. Nesse sentido tem sido usados óleos solúveis, cromato ou nitrito de sódio e fosfato de trietanolamina.

Métodos de Prevenção
Métodos de Prevenção

-concepção de equipamentos levando em consideração a minimização de diferenças de pressões hidrodinâmicas;

-injeção de gás no líquido, pois as bolhas de gás dispersas absorvem as

energias das ondas de choque;

- proteção catódica que previne a danificação evitando a corrosão nos

períodos em que a camada protetora foi removida, como gerando bolhas

de hidrogênio na superfície metálica que absorvem as energias de choque.

Alguns casos práticos: CASO 1 Sistema: tubulação Material: aço inoxidável AISI 304 Condições operacionais:
Alguns casos
práticos:
CASO 1
Sistema: tubulação
Material: aço inoxidável AISI 304
Condições operacionais: tubo com diâmetro de 6 polegadas e brusca
redução para tubos de 3 polegadas.
Observações: deterioração com formação de pites ou alvéolos
localizados pouco adiante da área da redução brusca do diâmetro.
Causa: cavitação devida a redução brusca de diâmetro da tubulação
causando aumento da velocidade do fluido e queda de pressão, houve
formação de bolhas de vapor d’água e, com elevação de pressão,
essas bolhas sofreram implosão, causando ação mecânica sobre as
paredes do trecho da tubulação de menor diâmetro.
Solução: evitar redução de diâmetro e, na impossibilidade, não fazer
redução gradativa de diâmetro.
Aspecto do material inspecionado
Aspecto do material inspecionado
Aspecto do material inspecionado
Alguns casos práticos: CASO 2 Sistema: parafuso Material: aço carbono, 10cm; diâmetro, 2cm. Condições
Alguns casos
práticos:
CASO 2
Sistema: parafuso
Material: aço carbono, 10cm; diâmetro, 2cm.
Condições operacionais: contato durante cinco horas com água em alta
velocidade, devido vazamento em tubulação.
Observações: desgaste acentuado do parafuso na área atingida pela
água.
Causa: erosão por impingimento causada pela ação mecânica da água
em alta velocidade e por sólidos em suspensão nessa água.
Solução: correção do vazamento e substituição do parafuso.
Aspecto do material inspecionado
Aspecto do material inspecionado
Aspecto do material inspecionado