Vous êtes sur la page 1sur 2

FISCOSoft

Impresso

Publicado em nosso site em 05/07/2011

ICMS/SP - Venda para entrega futura - Roteiro de Procedimentos Roteiro - Estadual - 2011/4850

Sumário

Introdução I - Simples faturamento I.1 - Escrituração I.2 - Considerações sobre o IPI II - Remessa da mercadoria II.1 - Escrituração II.2 - Considerações sobre o IPI

Introdução

Muitos contribuintes realizam vendas e faturam antecipadamente à entrega da mercadoria. Regra geral, o momento da cobrança do valor relativo à mercadoria não é significante para fins de incidência do ICMS e para a emissão de documentos fiscais. Todavia, diante da reiterada prática do faturamento antecipado e da necessidade de se obter um documento que acoberte esse procedimento a legislação do ICMS prevê procedimentos que o contribuinte poderá adotar nesses casos. No presente Roteiro trataremos da venda para entrega futura prevista no art. 129 do RICMS/SP - Decretonº 45.490/2000.

I - Simples faturamento

De acordo com o art. 204 do RICMS/SP é vedada a emissão de documento fiscal que não corresponda a uma efetiva saída ou entrada de mercadoria ou a uma efetiva prestação de serviço, exceto nas hipóteses expressamente previstas na legislação do IPI ou do ICMS. Dessa forma, para que haja a emissão de um documento fiscal apenas para fins de faturamento é necessário que haja uma disposição expressa na legislação para essa emissão. Diante disso, a legislação dispõe que na venda para entrega futura poderá ser emitida nota fiscal com indicação de que se destina a simples faturamento, sendo, entretanto, vedado o destaque do valor do imposto.

Impressão gerada em 10/12/2013

Ressalte-se que a emissão da Nota Fiscal de simples faturamento não é obrigatória. O contribuinte pode ou não

emiti-la, de acordo com sua necessidade ou conveniência. Assim, se o contribuinte optar por emitir a nota fiscal de simples faturamento, esta deverá ser emitida com as seguintes indicações, além dos demais requisitos exigidos:

a) natureza da operação: "Simples Faturamento";

b) CFOP: 5.922/6.922;

c) valor total: o valor referente à operação.

Fundamentação: arts. 129 e 204 do RICMS/SP.

I.1 - Escrituração

A Nota Fiscal de simples faturamento deverá ser escriturada

pelo emitente no livro Registro de Saídas, e pelo destinatário

no livro Registro de Entradas nas colunas:

a) "Documento Fiscal";

b) "Observações", com a expressão: "Simples Faturamento".

Fundamentação: art. 129, § 3º, I do RICMS/SP.

I.2 - Considerações sobre o IPI

Relativamente ao IPI, a legislação federal prevê que é falcultado ao estabelecimento industrial ou equiparado à

industrial emitir nota fiscal nas vendas para entrega futura, salvo se houver destaque do IPI, o que tornará obrigatória a sua emissão. Sendo assim, existe previsão ainda que havendo

a cobrança do imposto no momento do faturamento da

mercadoria, é obrigatória a emissão da nota fiscal de simples faturamento.

O art. 187 do RIPI/2010 prevê ainda que é facultado ao

contribuinte antecipar os atos de sua iniciativa, para o momento da venda, quando esta for para entrega futura do

produto. Nesse sentido, uma vez cobrado no momento do faturamento antecipado, o IPI deverá ser destacado na nota fiscal de simples faturamento. Fundamentação: arts. 187, 407, VII e 410 do RIPI/2010.

II - Remessa da mercadoria

A adoção do procedimento previsto no tópico I

condiciona-se à emissão, por ocasião da saída global ou parcial da mercadoria, de nota fiscal que, além dos demais requisitos, deverá conter:

FISCOSoft Impresso

a) o CFOP: 5.116/6.116, quando se tratar de produção do

estabelecimento, ou 5.117/6.117, quando se tratar de mercadoria adquirida ou recebida de terceiros;

b) o valor da operação ou, se tiver ocorrido reajuste contratual do preço da mercadoria, este preço, se lhe for superior;

c) o destaque do valor do ICMS;

d) como natureza da operação, a expressão "Remessa -

Entrega Futura";

e) o número de ordem, a série e a data da emissão da Nota

Fiscal relativa ao simples faturamento. Fundamentação: art. 129, § 1º do RICMS/SP.

II.1 - Escrituração

A Nota Fiscal referente à saída física da mercadoria deverá ser escriturada normalmente tanto pelo emitente nas colunas próprias do livro Registro de Saídas, quanto pelo destinatário nas colunas próprias do livro Registro de Entrada. Na coluna "Observações" dos respectivos livros deverão ser discriminados os dados identificativos do documento fiscal emitido para efeito de faturamento. Fundamentação: art. 129, § 3º do RICMS/SP.

II.2 - Considerações sobre o IPI

Tendo em vista a cobrança do IPI quando do faturamento, na nota fiscal relativa à entrega dos produtos não deverá haver destaque desse imposto. Assim, o art. 407, § 3º do RIPI/2010 determina que o remetente deverá emitir, por ocasião da efetiva saída do produto, nota fiscal:

a) sem destaque do IPI, ou com destaque complementar se

ocorrer majoração da respectiva alíquota;

b) com indicação da diferença do imposto resultante de

eventual redução da alíquota, ocorrida entre a emissão da nota fiscal original e da nota referente à saída do produto; e

c) com declaração do número, série, se houver, e data da nota

fiscal originária, assim como o imposto destacado nessa nota fiscal. Portanto, se o remetente for estabelecimento industrial ou equiparado à industrial deverá emitir nota fiscal com destaque do ICMS e sem destaque do IPI. Em que pese o destaque do imposto ser efetivado n nota fiscal de simples faturamento, o destinatário, caso seja industrial ou equiparado e esteja adquirindo um produto que lhe dê direito ao crédito do IPI, somente poderá se apropriar quando do recebimento da mercadoria, a vista do documento que acompanhar o produto. Fundamentação: art. 251, II e § 2º e art. 407, § 3º do

RIPI/2010.