Vous êtes sur la page 1sur 38
1 0303 GeometriaGeometria dodo Avião,Avião, ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Prof. Diego Pablo
1
0303
GeometriaGeometria dodo Avião,Avião, ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Prof. Diego Pablo
2 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião - Asa - Hélice - Spinner - Carenagem da Roda -
2
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
- Asa
- Hélice
- Spinner
- Carenagem da Roda
- Roda
- Trem de Pouso do Nariz
/ Bequilha
- Trem de Pouso Principal
- Trem de pouso
- Fuselagem
- Estabilizador Vertical ou
Deriva
- Estabilizador Horizontal
- Profundor
- Leme de Direção
- Empenagem
- Flape
- Aileron
3 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião - Asa - Hélice - Spinner - Carenagem da Roda -
3
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
- Asa
- Hélice
- Spinner
- Carenagem da Roda
- Roda
- Trem de Pouso do Nariz
/ Bequilha
- Trem de Pouso Principal
- Trem de pouso
- Fuselagem
- Estabilizador Vertical ou
Deriva
- Estabilizador Horizontal
- Profundor
- Leme de Direção
- Empenagem
- Flape
- Aileron
4 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Freios Aerodinâmicos
4
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Freios Aerodinâmicos
5 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Superfícies Aerodinâmicas: Produzem pequena resistência ao avanço, mas não
5
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Superfícies Aerodinâmicas: Produzem pequena resistência
ao avanço, mas não produzem força útil ao voo
Spinner
Carenagem da Roda
6 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Aerofólios: Produzem forças úteis ao voo Hélice, Asa, Estabilizador
6
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Aerofólios: Produzem forças úteis ao voo
Hélice, Asa, Estabilizador
7 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Elementos de uma Asa BordoBordo dede fugafuga CordaCorda BordoBordo dede
7
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Elementos de uma Asa
BordoBordo dede fugafuga
CordaCorda
BordoBordo dede
ataqueataque
RaizRaiz dada asaasa
PontaPonta dada asaasa
8 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Área da Asa
8
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Área da Asa
9 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Alongamento Envergadura b b² ou CMG S Corda Média Área da
9
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Alongamento
Envergadura
b
ou
CMG
S
Corda Média
Área da Asa
Geométrica
10 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Perfil Perfil assimétrico Perfil simétrico
10
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Perfil
Perfil assimétrico
Perfil simétrico
11 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Elementos de um Perfil Extradorso Linha de Curvatura Média Bordo de
11
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Elementos de um Perfil
Extradorso
Linha de Curvatura Média
Bordo de
Bordo de
Ataque
Corda
Fuga
Intradorso
12 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Ângulo de Incidência Corda Ângulo de Incidência Eixo Longitudinal
12
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Ângulo de Incidência
Corda
Ângulo de
Incidência
Eixo Longitudinal
13 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Diedro: Ângulo formado entre o plano da asa e o plano
13
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Diedro: Ângulo formado entre o plano da asa e o plano horizontal
Diedro
Positivo
Diedro
Diedro
Negativo
14 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Enflechamento: Ângulo formado entre o eixo lateral e o bordo de
14
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Enflechamento: Ângulo formado entre o eixo lateral e o bordo
de ataque das asas
Enflechamento Positivo
Enflechamento Negativo
15 GeometriaGeometria dodo AviãoAvião Ângulo de Atitude: Ângulo entre o eixo longitudinal e a linha
15
GeometriaGeometria dodo AviãoAvião
Ângulo de Atitude: Ângulo entre o eixo longitudinal e a linha
do horizonte
Ângulo de Atitude
Horizonte
Indicador de Atitude
ou
Horizonte Artificial
16 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Resultante Aerodinâmica Maior velocidade Maior Pressão Dinâmica
16
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Resultante Aerodinâmica
Maior velocidade
Maior Pressão Dinâmica
Menor Pressão Estática
Resultante
Aerodinâmica
Centro de
Pressão
Menor velocidade
Menor Pressão Dinâmica
Maior Pressão Estática
Vento Relativo
17 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Ângulo de Ataque Corda α Vento Relativo Ângulo de Ataque
17
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Ângulo de Ataque
Corda
α
Vento Relativo
Ângulo de Ataque
18 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Ângulo de Ataque Perfil Assimétrico RA RA Avanço do Centro de
18
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Ângulo de Ataque
Perfil Assimétrico
RA
RA
Avanço do
Centro de Pressão
CP
CP
Vento Relativo
19 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Ângulo de Ataque Perfil Simétrico RA RA CP CP Vento Relativo
19
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Ângulo de Ataque
Perfil Simétrico
RA
RA
CP
CP
Vento Relativo
20 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Sustentação e Arrasto RA L Vento Relativo D L = Lift =
20
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Sustentação e Arrasto
RA
L
Vento
Relativo
D
L
= Lift
= Sustentação
D = Drag = Arrasto
21 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Sustentação e Ângulo de Ataque L L L L = 0 Vento
21
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Sustentação e Ângulo de Ataque
L
L
L
L = 0
Vento
Relativo
α > 0
α = 0
L = 0
L = 0
Vento
Relativo
α < 0
α = 0
L α < 0
L α < 0
Ângulo de Ataque de Sustentação Nula
α < Ângulo de Ataque de Sustentação Nula
22 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Ângulo de Ataque Crítico Ultrapassado o Ângulo de Ataque Crítico
22
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Ângulo de Ataque Crítico
Ultrapassado o Ângulo de Ataque Crítico
Vento
Vento
L máx
Turbilhonamento
Relativo
Relativo
L
D
D
Ângulo de Ataque Crítico
Ângulo de Estol
Ângulo de Sustentação Máxima
Ângulo de Perda
α > Ângulo de Ataque Crítico
23 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Fórmula da Sustentação Densidade do Ar Velocidade L = 1 2 ρV²S
23
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Fórmula da Sustentação
Densidade do Ar
Velocidade
L =
1 2 ρV²S
C L
Coeficiente de
Sustentação
Sustentação
Área da Asa
C L depende de:
Sustentação
depende de:
Sustentação
é proporcional a:
- Formato do Aerofólio
(espessura, curvatura, etc)
- Densidade do Ar
- Densidade do Ar
- Velocidade
- Quadrado da Velocidade
- Área da Asa
- Área da Asa
- Ângulo de Ataque
- Coeficiente de Sustentação
- Coeficiente de Sustentação
24 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Arrasto Vento Relativo D Vento Vento Relativo Relativo D D
24
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Arrasto
Vento
Relativo
D
Vento
Vento
Relativo
Relativo
D
D
25 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Fórmula do Arrasto Densidade do Ar Velocidade D = 1 2 ρV²S
25
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Fórmula do Arrasto
Densidade do Ar
Velocidade
D =
1 2 ρV²S
C D
Coeficiente de
Arrasto
Arrasto
Área da Asa
C D depende de:
Arrasto
depende de:
Arrasto
é proporcional a:
- Formato do Aerofólio
(espessura, curvatura, etc)
- Densidade do Ar
- Densidade do Ar
- Velocidade
- Quadrado da Velocidade
- Área da Asa
- Área da Asa
- Ângulo de Ataque
- Coeficiente de Arrasto
- Coeficiente de Arrasto
26 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Arrasto Induzido BaixaBaixa BaixaBaixa PressãoPressão
26
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Arrasto Induzido
BaixaBaixa
BaixaBaixa
PressãoPressão
PressãoPressão
AltaAlta
AltaAlta
PressãoPressão
PressãoPressão
27 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Arrasto Induzido Reduzindo os efeitos do Arrasto Induzido Alongamento
27
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Arrasto Induzido
Reduzindo os efeitos do Arrasto Induzido
Alongamento
Tanque de Ponta de Asa
Winglets
Quanto menor a velocidade,
maior o arrasto induzido
28 ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas Arrasto Parasita: Arrasto do avião quando a sustentação é nula Dp =
28
ForçasForças AerodinâmicasAerodinâmicas
Arrasto Parasita: Arrasto do avião quando a sustentação é
nula
Dp = Arrasto Parasita
Ângulo de Ataque de
Sustentação Nula
Área Plana
Equivalente
Vento
Relativo
Vento
Relativo
29 ExercíciosExercícios
29
ExercíciosExercícios
30 ExercíciosExercícios A superfície aerodinâmica é aquela que sempre produz: a) Pequena resistência ao avanço
30
ExercíciosExercícios
A superfície aerodinâmica é aquela que sempre produz:
a) Pequena resistência ao avanço
b) Grande resistência ao avanço
c) Pequena resistência ao avanço e sustentação
d) Pequena resistência ao avanço e reações úteis
31 ExercíciosExercícios A força de sustentação deve-se a: a) Diferença de pressão entre o extradorso
31
ExercíciosExercícios
A força de sustentação deve-se a:
a) Diferença de pressão entre o extradorso e o intradorso
da asa
b) Movimento do ar na asa, tornando o avião mais leve
que o ar
c) Diferença entre a pressão dinâmica e a estática em
torno da asa
d) Impacto do ar contra a asa
32 ExercíciosExercícios O ângulo formado entre a corda e a trajetória chama-se: a) Ângulo de
32
ExercíciosExercícios
O ângulo formado entre a corda e a trajetória chama-se:
a) Ângulo de ataque
b) Ângulo de incidência
c) Ângulo de trajetória
d) Ângulo de atitude
33 ExercíciosExercícios Assinalar a resposta errada: a) Centro de Pressão é o ponto de aplicação
33
ExercíciosExercícios
Assinalar a resposta errada:
a) Centro de Pressão é o ponto de aplicação da resultante
aerodinâmica
b) Resultante aerodinâmica é a força resultante de todas
as forças aerodinâmicas que agem numa asa
c) Numa asa atuam a resultante aerodinâmica, a
sustentação e o arrasto
d) Sustentação é a componente da resultante
aerodinâmica perpendicular à direção do vento relativo
34 ExercíciosExercícios A resultante aerodinâmica é imaginariamente dividida em duas forças chamadas sustentação
34
ExercíciosExercícios
A resultante aerodinâmica é imaginariamente dividida em duas
forças chamadas sustentação e arrasto. É correto afirmar que:
a) A sustentação é a componente vertical da resultante
aerodinâmica
b) O arrasto é a componente paralela à direção do vento
relativo
c) A sustentação não pode ter valores negativos
d) O arrasto pode ser positivo, negativo ou nulo
35 ExercíciosExercícios O coeficiente de sustentação torna-se máximo no: a) Ângulo de sustentação nula b)
35
ExercíciosExercícios
O coeficiente de sustentação torna-se máximo no:
a) Ângulo de sustentação nula
b) Ângulo de ataque positivo
c) Ângulo de estol
d) Ângulo de ataque negativo
36 ExercíciosExercícios O estol ocorre quando: a) A pressão deixa de aumentar no intradorso da
36
ExercíciosExercícios
O estol ocorre quando:
a) A pressão deixa de aumentar no intradorso da asa
b) O turbilhonamento no extradorso faz com que a
sustentação diminua rapidamente
c) A pressão no extradorso torna-se igual à do intradorso
d) A velocidade do vento relativo cai a zero, anulando a
sustentação
37 ExercíciosExercícios Quando um aerofólio atinge o ângulo de ataque crítico, temos as seguintes condições:
37
ExercíciosExercícios
Quando um aerofólio atinge o ângulo de ataque crítico, temos as
seguintes condições:
a) CL máximo e o CD mínimo
b) CL mínimo e o CD máximo
c) CL máximo e o CD máximo
d) CL mínimo e o CD mínimo
38 ExercíciosExercícios A resistência ao avanço induzido é produzida pelo: a) Avanço do perfil b)
38
ExercíciosExercícios
A resistência ao avanço induzido é produzida pelo:
a) Avanço do perfil
b) Formato do perfil
c) Atrito com o ar
d) Turbilhonamento na ponta da asa