Vous êtes sur la page 1sur 72
Evangelhos Sinóticos Pr. Moisés Sampaio de Paula IBBC - Aula 1
Evangelhos Sinóticos
Pr. Moisés Sampaio de Paula
IBBC - Aula 1
Definição Definição: A origem do termo “sinótico” é grega oriunda de duas palavras: syn (“junto”) e
Definição
Definição: A origem do termo
“sinótico” é grega oriunda de duas
palavras: syn (“junto”) e opsis (“ver”).
Origem do termo: Em 1776, um pesquisador alemão
chamado J.J. Griesbach publicou, em Halle, a obra Synopsis
evangeliorum (Sinopse dos evangelhos).
Foi a primeira vez que se utilizou o termo “sinótico” aos
escritos dos três primeiros evangelhos. A ideia de
Griesbach era a de elaborar uma edição de Mateus,
Marcos e Lucas, que permitisse abranger “os três num
único olhar.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
2
Quais são os evangelhos sinóticos? Os evangelhos de Marcos, Mateus e Lucas são conhecidos como Sinóticos
Quais são os evangelhos sinóticos?
Os evangelhos de Marcos, Mateus e
Lucas são conhecidos como Sinóticos
do grego synopsis = visão de conjunto,
pois são semelhantes em sua
organização, sendo possível e fácil
compara-los entre si.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
3
Evangelhos sinóticos - estatísticas Passagens Mt Mc Lc Comuns aos três Comuns a Mt-Mc Comuns a
Evangelhos sinóticos - estatísticas
Passagens
Mt
Mc
Lc
Comuns aos três
Comuns a Mt-Mc
Comuns a Mc-Lc
Comuns a Mt-Lc
Próprios a cada um
330
330
330
178
178
100
100
230
230
330
53 500
Pr. Moisés Sampaio de Paula
4
Período Interbíblico O que vem a ser o período interbíblico? Pr. Moisés Sampaio de Paula 5
Período Interbíblico
O que vem a ser o
período
interbíblico?
Pr. Moisés Sampaio de Paula
5
Período Interbíblico  É um perído de cerca de 400 anos, entre o antigo e o
Período Interbíblico
É um perído de cerca de 400 anos,
entre o antigo e o novo testamento.
Abrangendo desde Malaquias até o
surgimento de Cristo
400 anos
Malaquias
Jesus
Pr. Moisés Sampaio de Paula
6
O PERÍODO INTERBÍBLICO, POR QUE ESTUDÁ-LO?  Os livros do NT foram escritos para falar com
O PERÍODO INTERBÍBLICO, POR QUE ESTUDÁ-LO?
Os livros do NT foram escritos para falar com pessoas que
pertenciam à época em que foram escritos.
Trata dos eventos que ocorreram entre o fim do AT. e o
início do NT. , o fato de ainda terem mensagem para nós é
um sinal de sua inspiração divina.
Muitos temas, nomes, seitas, literatura, doutrinas, etc. são
deste período (de Neemias 424 a.C. até 5 a.C.)
1.
Explica o fundo histórico do N.T.
2.
Explica a origem e desenvolvimento dos costumes ,
instituições e vida espiritual do povo judaico do período
do N. T.
3.
Demonstra como Deus preparou o mundo para a vinda
de Jesus.
7
Período Interbíblico - contextos O período interbíblico é estudado sobre 3 contextos: 1. Contexto Histórico 2.
Período Interbíblico - contextos
O período interbíblico é estudado
sobre 3 contextos:
1.
Contexto Histórico
2.
Contexto Religioso
3.
Contexto Cultural
Pr. Moisés Sampaio de Paula
8
Para Recordar Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
Para Recordar
Pr. Moisés Sampaio de Paula
9
Para Recordar  a- Os cativeiros  1- Depois de um longo período de apostasia ,
Para Recordar
a- Os cativeiros
1- Depois de um longo período de apostasia
, o Reino do Norte foi conquistado e levado
para o cativeiro pelos assírios em 721 a . C.
2- O Reino do Sul recebeu tratamento
semelhante ás mãos dos babilônios sob
Nabucodonozor em 586 a . C.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
10
Para Recordar b- As restaurações : 1- Cerca de 50.000 exílios cerca do ano 536 foram
Para Recordar
b- As restaurações :
1- Cerca de 50.000 exílios cerca do ano 536 foram permitidos por
Ciro voltar a Palestina com Zorobabel ( Esdras 1:6 )
2- Os eventos do livro de Ester passaram na Pérsia cerca do ano
483 a.C.
3- Esdras , um escriba , chegou em Jerusalém cerca do ano 457,
promoveu várias reformas civis e religiosas ( Esdras 7: 10 ) .
4- Neemias e seus companheiros chegaram na Palestina cerca de
445a. C.
5- Malaquias dirigiu seus ministério num período de decadência
espiritual cerca de 432-424 a.C. , ele marcou o fim do A . T.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
11
Contexto Histórico  A história de Israel nesse momento se divide em 6 períodos: 1. Período
Contexto Histórico
A história de Israel nesse momento se
divide em 6 períodos:
1.
Período persa (536 a.C. - 333 a.C.)
2.
Período grego (331 a.C. - 323a.C.)
3.
Período grego egípcio (323 a.C. - 204 a.C.)
4.
Período grego sírio (204 a.C. – 165 a.C.)
5.
Período macabeu (165 a.C. - 63 a.C.)
6.
Período romano (a pastir de 63a.C. )
Pr. Moisés Sampaio de Paula
12
Contexto Histórico Período persa (536 a.C. - 333 a.C.) Pr. Moisés Sampaio de Paula 13
Contexto Histórico
Período persa
(536 a.C. - 333 a.C.)
Pr. Moisés Sampaio de Paula
13
Contexto Histórico - Período persa (536 a.C. - 333 a.C.)  Ao encerrar-se o A.T. lá
Contexto Histórico - Período persa (536 a.C. - 333 a.C.)
Ao encerrar-se o A.T. lá pelo ano 430 a . C. , a
Judéia era uma província da Pérsia . Esta havia
sido potência mundial por uns 100 anos.
Continuou a sê-la por outros 100 anos, durante
os quais não se conhece muito acerca da
história judaica. O domínio pérsico , na sua
maior parte , foi brando e tolerante, gozando
os judeus de considerável liberdade.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
14
A profecia de Daniel acerca da Pérsia Daniel 7: 5 Urso levanta uma pata Ciro, o
A profecia de Daniel acerca da Pérsia
Daniel 7: 5
Urso levanta
uma pata
Ciro, o Persa
“aquele carneiro que
viste são os reis da
Média e da Pérsia”:
v.20

Dario, o Medo

A profecia de Daniel acerca da Pérsia Daniel 7: 5 Urso levanta uma pata Ciro, o
Contexto Histórico - Período Persa (536 a.C. - 333 a.C.) Pr. Moisés Sampaio de Paula 16
Contexto Histórico - Período Persa (536 a.C. - 333 a.C.)
Pr. Moisés Sampaio de Paula
16
Contexto Histórico - Período Persa (536 a.C. - 333 a.C.)  Os reis persas desse período
Contexto Histórico - Período Persa (536 a.C. - 333 a.C.)
Os reis persas desse período foram:
1.
Artaxerxes I, 464 – 423. Sob seu governo ,
Neemias reconstruiu Jerusalém.
2.
Xerxes II , 423 a . C.
3.
Dario II, 423- 404 a . C.
4.
Artaxerxes II ( Mnemom ), 404 – 359 a.
5.
C. Dario III ( Codomano ), 335-331 a . C.
Sob o governo deste o império pérsico
caiu.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
17
Contexto Histórico - Período Persa (536 a.C. - 333 a.C.)  CARACTERÍSTICAS DO PERÍODO PERSA 1-
Contexto Histórico - Período Persa (536 a.C. - 333 a.C.)
CARACTERÍSTICAS DO PERÍODO PERSA
1- Decadência espiritual vista em Ageu e Malaquias.
2- Desenvolvimento do poder do sumo sacerdote
Após Neemias , Judéia foi incluída na província da
Síria . Assim o Sumo
Sacerdote se tornou governador da Judéia e
autoridade da Síria.
3- Os inícios do escribismo com um interesse
exagerado na Letra da Lei.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
18
Contexto Histórico Período grego (331 a.C. - 323a.C.) Pr. Moisés Sampaio de Paula 19
Contexto Histórico
Período grego
(331 a.C. - 323a.C.)
Pr. Moisés Sampaio de Paula
19
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.) A origem de Alexandre 1- Felipe de
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.)
A origem de Alexandre
1- Felipe de Macedonia uniu os estados gregos para
expulsar os persas da Ásia Menor. Morreu
assassinado durante uma festa. ( 337 a . C.)
2- Alexandre seu filho, de grande capacidade de
liderança, educado sob o famoso Aristóteles , era
devotado a cultura grega. Tirou sua inspiração da
ilíada de Homero.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
20
A profecia de Daniel acerca da Grécia “mas o bode peludo é o rei Alexandre, o
A profecia de Daniel acerca da Grécia
“mas o bode
peludo é o rei
Alexandre, o Grande
da Grécia; o
chifre grande
entre os olhos
Alexandre derrota o
Imperio Medo-Persa
é o primeiro
rei: v.21
A profecia de Daniel acerca da Grécia “ o ter sido quebrado, levantando-se quatro em lugar
A profecia de Daniel acerca da Grécia
“ o ter sido quebrado, levantando-se
quatro em lugar dele, significa que
quatro reinos se levantarão deste
povo, mas não com força igual à
que ele tinha”: v.22
Daniel 7:6
Leopardo com
4 cabeças e
asas
Lisímaco
Cassandro Selêuco Ptolomeu
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.) Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.)
Pr. Moisés Sampaio de Paula
23
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.) As conquistas de Alexandre 1- Após o
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.)
As conquistas de Alexandre
1- Após o domínio da Grécia penetrou a Pérsia , império 50
vezes maior , com população 20 vezes a da Grécia.
2- Em 334, penetrou na Ásia Menor vencendo o exército
persa no Rio Grânico, perto de Troade.
3- Em pouco tempo com apenas a idade de 22 anos,
conquistou a Sardo, Mileto,Éfeso e Halicarnaso,
estabelecendo em cada cidade a democracia grega.
4- Em 333 a .C. foi ao encontro de Dario na Batalha de Isso, a
qual ganhou.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
24
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.) As conquistas de Alexandre 5- Daí foi
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.)
As conquistas de Alexandre
5- Daí foi sem grande resistência até o Egito que também o
dominou.
6- Em 332 cercou a Tiro, que tomou antes de descer ao Egito.
7- Venceu Dario decisivamente na batalha de Arbela em 331
a .C. dando fim ao grande império Persa.
8- Continuou suas conquistas até o rio Indo.
9- Morreu com apenas 33 anos com suas forças dissipadas
pelo álcool e malária. No ano 323 morreu com a bebida (
vinho ) Fundou 70 cidades, moldando-as conforme o estilo
grego.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
25
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.) A influência de Alexandre : 1- Sua
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.)
A influência de Alexandre :
1- Sua influência foi muito grande por causa de sua extensão
e permanência.
2- Estabeleceu centro de comércio e cultura em toda a
extensão do seu império.
3- Com a penetração da cultura grega, a superstição oriental
cedeu a liberdade do pensamento grego na filosofia,
arquitetura , deuses , e religião e atletismo (primeira
olímpiada , 776 a .C.) Surgiram bibliotecas e universidades
em Alexandria e Tarso como em outros lugares. Preparou-
se assim o campo para religião universal.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
26
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.) A influência de Alexandre : 4- De
Contexto Histórico - Período Grego (331 a.C. - 323a.C.)
A influência de Alexandre :
4- De grande importância foi a disseminação
da língua grega, criando a possibilidade de
pregação do evangelho duma língua
universal e a criação duma Bíblia legível em
toda a extensão da bacia do Mediterrâneo.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
27
Pr. Moisés Sampaio de Paula 28
Pr. Moisés Sampaio de Paula
28
Contexto Histórico Período grego egípcio (323 a.C. - 204 a.C.) Pr. Moisés Sampaio de Paula 29
Contexto Histórico
Período grego egípcio
(323 a.C. - 204 a.C.)
Pr. Moisés Sampaio de Paula
29
Contexto Histórico - Período grego egípcio (323 a.C. - 204 a.C.)  Depois da morte de
Contexto Histórico - Período grego egípcio (323 a.C. -
204 a.C.)
Depois da morte de Alexandre (323 AC), a Judéia,
ficou sujeita a Ptolomeu I (que havia então
dominado o Egito), cognominado Soter, o
Libertador, o qual capturou Jerusalém num dia de
sábado em 320 AC. Ptolomeu foi bondoso para
com os judeus. Muitos deles se radicaram em
Alexandria, que continuou a ser um importante
centro da cultura e pensamento judaicos por
vários séculos.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
30
Contexto Histórico - Período grego egípcio (323 a.C. - 204 a.C.)  No governo de Ptolomeu
Contexto Histórico - Período grego egípcio (323 a.C. -
204 a.C.)
No governo de Ptolomeu II (Filadelfo) os judeus de
Alexandria começaram a traduzir a sua Lei, o
Pentateuco, para o grego. Esta tradução seria
posteriormente conhecida como a Septuaginta, a
partir da lenda de que seus setenta (mais
exatamente 72 - seis de cada tribo) tradutores
foram sobrenaturalmente inspirados para produzir
uma tradução infalível. Nos anos subsequentes
todo o Antigo Testamento foi incluído na
Septuaginta.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
31
O GOVERNO DOS PTOLOMEUS  A Palestina ficou sob o domínio do Egito. Os descendentes de
O GOVERNO DOS PTOLOMEUS
A Palestina ficou sob o domínio do Egito. Os descendentes
de Ptolomeu foram chamados Ptolomeus. Eis os nomes
que se sucederam enquanto a Palestina esteve sob o seu
governo (323 a 204 a.C.):
Ptolomeu I (Sóter) - 323 a 285 a.C.
Ptolomeu II (Filadelfo) - 285 a 246 a.C. – Durante o seu
governo foi elaborada, em Alexandria, a Septuaginta,
tradução do Antigo Testamento para o grego. Filadelfo foi
amável com os judeus.
Ptolomeu III (Evergetes) – 246 a 221 a.C.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
32
O GOVERNO DOS PTOLOMEUS  Ptolomeu IV (Filópater) - 221 a 203 a.C. - Ao voltar
O GOVERNO DOS PTOLOMEUS
Ptolomeu IV (Filópater) - 221 a 203 a.C. - Ao voltar de uma
batalha contra a Síria, Filópater visitou Jerusalém e tentou
entrar no Santo dos Santos. Contudo, foi acometido de um
pavor repentino que o fez desistir do seu propósito. Foi um
grande perseguidor dos judeus.
Ptolomeu Epifânio – 203 a 181 a.C. – Tinha 5 anos de
idade quando seu pai, Filópater morreu. Aproveitando a
situação, Antíoco - o Grande, rei da Síria, toma o poder
sobre a Palestina no ano 204.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
33
Contexto Histórico Período grego sírio (204 a.C. – 165 a.C.) Pr. Moisés Sampaio de Paula 34
Contexto Histórico
Período grego sírio
(204 a.C. – 165 a.C.)
Pr. Moisés Sampaio de Paula
34
Contexto Histórico - Período grego sírio (204 a.C. – 165 a.C.)  Seleuco - Domínio Selêucida
Contexto Histórico - Período grego sírio (204 a.C. – 165
a.C.)
Seleuco - Domínio Selêucida
Antíoco (Síria), o Grande, venceu Ptolomeu em 198 e
estabeleceu a capital de seu império em Antioquia;
Ajudado pelos judeus durante a guerra, os recompensou
com isenção de impostos e maior autonomia;
Seleuco sucedeu-o e manteve o mesmo relacionamento
amigável de seu pai com os judeus;
Com a morte de Seleuco assume seu filho Antíoco Epifânio
(nome que deu a si mesmo) significa “deus manifesto” e
impôs a helenização na Judéia.
Houve perseguição religiosa implacável e a profanação do
templo
Pr. Moisés Sampaio de Paula
35
OS ATOS DE ANTÍOCO EPIFÂNIO (175 – 164)  O sumo sacerdote era Onias III. Jasom,
OS ATOS DE ANTÍOCO EPIFÂNIO (175 – 164)
O sumo sacerdote era Onias III. Jasom, irmão de Onias,
ofereceu grande soma de dinheiro a Antíoco e se
comprometeu em helenizar Jerusalém, para ser apontado
sumo sacerdote no lugar do seu irmão.
Erigiu um ginásio grego abaixo do templo e jovens judeus
participavam dos jogos olímpicos da antiguidade (no
santuário de Olímpia em honra de Zeus).
Criou um altar e enviou ofertas às festas de Hércules em
Tiro.
Ao ouvirem-se rumores da morte de Antíoco numa
expedição ao Egito, os judeus se alegraram. Ao ouvir isso,
Antíoco indignou-se com os judeus.
36
Campanha anti-semita de Antíoco Epifânio  No Sábado matou 40.000 judeus  Escravizou outros.  Destruiu
Campanha anti-semita de Antíoco Epifânio
No Sábado matou 40.000 judeus
Escravizou outros.
Destruiu parte da cidade.
Mandou erradicar a religião judaica.
Destruiu cópias da Lei e quem possuía uma cópia ou
tivesse circuncidado a criança seria morto.
Converteu o templo em templo de Zeus, profanou-o ao
oferecer uma porca em sacrifício.
Vendeu milhares de judias para o cativeiro, e recorreu a
toda espécie de tortura para forçá-los a renunciar sua
religião.
37
Contexto Histórico Período Macabeu (165 a.C. - 63 a.C.) Pr. Moisés Sampaio de Paula 38
Contexto Histórico
Período Macabeu
(165 a.C. - 63 a.C.)
Pr. Moisés Sampaio de Paula
38
Contexto Histórico - Período macabeu (165 a.C. - 63 a.C.) Revolta dos Macabeus  A revolta
Contexto Histórico - Período macabeu (165 a.C. - 63
a.C.)
Revolta dos Macabeus
A revolta começou com Matatias, sacerdote em Modim (
165 ) . Período de Independência, também chamado de
Hasmoneano. Matatias, era sacerdote patriota e de imensa
coragem, furioso com a tentativa de Antioco Epifânio de
destruir os judeus e sua religião, reuniu um bando de leais
compatriotas e defraudou a bandeira da revolta.
Tinha cinco filhos:Judas, Jônatas, Simão , João e Eleazar.
Essa familia era chamada de Hasmoneanos, por causa de
Hasmom , bisavô de Matatias, ou de Macabeus, devido ao
apelido Macabeu ( Martelo ) conferido a Judas, um dos
filhos de Matatias.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
39
Contexto Histórico - Período macabeu (165 a.C. - 63 a.C.)  Judas Macabeu encabeçou uma campanha
Contexto Histórico - Período macabeu (165 a.C. - 63
a.C.)
Judas Macabeu encabeçou uma campanha de
guerrilhas de extraordinário sucesso,até que os
judeus se viram capazes de derrotar os sírios em
campo de batalha regular.
A revolta dos Macabeus, entretanto , foi também
uma guerra civil deflagrada entre os judeus pró-
helenistas e anti – helenistas .
Judas entrou em Jerusalém e reedificou o templo ,
os judeus recuperaram a liberdade religiosa, foi
esta a origem da Festa da Dedicação ( João 10:22)
entre 165 e 164 a. C.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
40
Significância da opressão síria e revolta dos macabeus:  Restaurou a nação da decadência política e
Significância da opressão síria e revolta dos
macabeus:
Restaurou a nação da decadência política e religiosa.
Criou um espiríto nacionalista, uniu a nação e suscitou
virilidade.
Deu um novo impulso ao judaismo, novo zelo pela lei
e esperança messiânica.
Intensificou o desenvolvimentos dos dois movimentos
que se tornaram os Fariseus e os Saduceus.
a- Os Fariseus surgiram do grupo purista e nacionalista.
b- Os Saduceus surgiram do grupo que se aliou com os
helenistas.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
41
Judéia independente • Os irmãos de Judas: Jônatas e Simão sucessivamente, lideraram o povo após sua
Judéia independente
• Os irmãos de Judas: Jônatas e Simão
sucessivamente, lideraram o povo após sua morte.
• Os macabeus continuaram no poder até o ano 63
a.C. quando foram dominados pelo romano
Pompeu.
42
Contexto Histórico Período romano (a pastir de 63a.C. ) Pr. Moisés Sampaio de Paula 43
Contexto Histórico
Período romano
(a pastir de 63a.C. )
Pr. Moisés Sampaio de Paula
43
550 500 450 400 350 300 250 200 150 100 50 0 50 Contexto Histórico-Período Romano
550
500
450
400
350
300
250
200
150
100
50
0
50
Contexto Histórico-Período Romano (a pastir de 63a.C. )
Império Romano
• Em 64 a.C. Pompeu torna a Síria em província
romana e finda o império selêucida .
• Herodes,o grande, sucede o pai como governador
da Judéia.(37aC a 4 aC)
• Os últimos 9 anos se caracterizaram pela
crueldade e amargura: assassinou 2 de suas
esposas e 3 filhos.
• Foi este Herodes que governava Judá quando
Jesus nasceu, e que trucidou os meninos de
Belém.
44
Contexto Histórico-Período Romano (a pastir de 63a.C. ) Pr. Moisés Sampaio de Paula 45
Contexto Histórico-Período Romano (a pastir de 63a.C. )
Pr. Moisés Sampaio de Paula
45
Herodes, O grande Antecedentes na vida de Herodes. a- Antipater , um idumeu ( descendente de
Herodes, O grande
Antecedentes na vida de Herodes.
a- Antipater , um idumeu ( descendente de Edom, ou Esaú,
conseguiu lugar de destaque com os romanos.
b- Como procurador judeu , colocou seu filho Herodes como
tetrarca de Galiléia.
c- Herodes mostrou grande zelo no seu governo, erradicando
os bandidos que tinham infiltrado a Galiléia.
d- Com a morte de Antipater ( 40 a . C.) conseguiu de Cesar
ser apontado rei de Judeia.
e- Com a invasão de Jerusalém e a morte de Antigono, ultimo
descendente dos macabeus, Herodes começou a reinar no
ano 37 a . C.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
46
Três períodos no reinado de Herodes a- Os primeiros 12 anos ( 37-25 ) foram gastos
Três períodos no reinado de Herodes
a- Os primeiros 12 anos ( 37-25 ) foram gastos na luta
pelo poder .
b- Os segundos 12 anos ( 25 –13 ) foram seus melhores
anos.
c- Os últimos 9 anos ( 13 –4 ) se caracterizaram pela
crueldade e amargura ( assassinou a duas de suas
esposas e pelo menos a três de seus próprios filhos.
Foi este Herodes que governava Judá quando Jesus
nasceu, e que trucidou os meninos de Belém.)
Herodes morreu de hidropsia e câncer nos intestinos,
em 4 a.C.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
47
Os sucessos de Herodes a- Uso de muito tato na sua tentativa de helenizar os judeus.
Os sucessos de Herodes
a- Uso de muito tato na sua tentativa de helenizar os judeus.
b- Com espetáculos, jogos, etc, ganhou a lealdade dos jovens
judeus que se tornaram os herodianos.
c- Aumentou a fortaleza de Jerusalém denominada “Antonia”
d- Edificou a Cesaréia
e- Entre seus muitos projetos de edificação , sua maior
contribuição para os judeus, foi o embelezamento do
templo de Jerusalém, Isso não expressava sua participação
na fé judaica ( ele não acreditava nela ) mas foi uma
tentativa de conciliar seus súditos.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
48
Governantes locais: •Herodes o Grande, rei da Galilea, Samaria, Judeia e Idumeia (37 - 4 a.C.)
Governantes locais:
•Herodes o Grande, rei da Galilea,
Samaria, Judeia e Idumeia (37 - 4 a.C.)
•Herodes Antipas, rei da Galilea e da
Pereia (4 a.C.-39 d.C.)
•Arquelau, Tetrarca da Judeia, Idumeia
e Samaria (4 a.C - 6 d.C.)
•Pilatos, Governador romano,
da Judeia, de origem Siria (26-36 d.C.)
•Caifás, Sumo Sacerdote (18-37 d.C.)
Jesus nasce entre os anos 5 e 6 a.C.
49
Dinastia Herodiana Pr. Moisés Sampaio de Paula 50
Dinastia Herodiana
Pr. Moisés Sampaio de Paula
50
CONTEXTO HISTÓRICO e OS GOVERNANTES GOVERNADORES DA JUDÉIA EVENTO TEXTO Herodes, o Grande Nascimento de Jesus
CONTEXTO HISTÓRICO e OS GOVERNANTES
GOVERNADORES
DA JUDÉIA
EVENTO
TEXTO
Herodes, o Grande
Nascimento de Jesus Mt. 2:1
Herodes Arquelau Infância de Jesus
Mt. 2:22
Herodes Antipas
Mandou matar
Batista
João
Mc. 6:14-29
Pôncio Pilatos
Ordenou a
crucificação de Jesus
Mc. 15:1-15
Herodes Agripa I
Grande perseguição
aos cristãos
At. 12:1-23
Herodes Agripa II
Quase se converte à
pregação de Paulo
At. 26:28
Pr. Moisés Sampaio de Paula
51
51
IMPERADORES ROMANOS NO PERÍODO DO NOVO TESTAMENTO 1. Cesár Augusto Otaviano - ano 27 a.C. a
IMPERADORES ROMANOS NO PERÍODO DO
NOVO TESTAMENTO
1.
Cesár Augusto Otaviano - ano 27 a.C. a 14 d.C. - Nascimento de
Jesus - Início do culto ao Imperador. (Lc.2.1)
2.
Tibério Júlio César Augusto - 14 a 27 - Ministério e Morte de
Jesus. (Lc.3.1).
3.
Gaio Júlio César Germânico Calígula - 37 a 41 - Quis sua estátua
no templo em Jerusalém. Morreu antes que sua ordem fosse
cumprida.
4.
Tibério Cláudio César Augusto Germânico - 41 a 54 - Expulsou
os judeus de Roma. (At.18.2).
5.
Nero Cláudio César Augusto Germânico - 54 a 68 - Começa
perseguição de Roma contra os cristãos. Paulo e Pedro morrem (At.
25.10; 28.19).
6.
Sérvio Galba César Augusto 68 - Cerco a Jerusalém.
52
Pr. Moisés Sampaio de Paula
IMPERADORES ROMANOS NO PERÍODO DO NOVO TESTAMENTO 1. Marcos Oto César Augusto - 69 – mantém
IMPERADORES ROMANOS NO PERÍODO DO
NOVO TESTAMENTO
1. Marcos Oto César Augusto - 69 – mantém o cerco a Jerusalém.
2.
Aulus Vitélio Germânico Augusto - 69 - mantém o cerco a
Jerusalém.
3.
César Vespasiano Augusto - 69 a 79 – Tinha sido general de Nero.
Coloca seu filho Tito como general. No ano 70, determina a
destruição de Jerusalém.
4.
Tito César Vespasiano Augusto - 79-81.
5.
César Domiciano Augusto Germânico - 81 a 96 - Exigia ser
chamado Senhor e Deus. Grande perseguição. O apóstolo João
ainda vivia durante o governo de Domiciano.
53
Pr. Moisés Sampaio de Paula
INSTITUIÇÕES DO JUDAÍSMO Antes dos Selêucidas reinarem sobre a Palestina, não há indicação de alguma instituição
INSTITUIÇÕES DO JUDAÍSMO
Antes dos Selêucidas reinarem sobre a Palestina, não há
indicação de alguma instituição religiosa além do Templo.
O Judaísmo: sistema religioso praticado pelos judeus (Gl
1.13,14), começou no período do cativeiro Babilônico e se
desenvolveu por completo no período intertestamentário.
O Sinédrio: organização religiosa formado por 71 anciãos,
presidida pelo sumo-sacerdote, tratava do sistema judiciário.
A Sinagoga: surgiu no período do exílio na Babilônia como uma
forma de incentivo ao estudo da Lei e para que as pessoas
mantivessem a comunhão entre si - lugar de adoração e estudo:
propiciar a educação básica para as crianças e substituir o culto
do Templo (para as pessoas que estavam impedidas, quer pela
distância, quer pela pobreza).
54
Contexto Religioso Pr. Moisés Sampaio de Paula 55
Contexto Religioso
Pr. Moisés Sampaio de Paula
55
Contexto Religioso 1. Fariseus 2. Saduceus 3. Escribas 4. Essênios 5. Zelotes 6. Herodianos 7. Zadoqueus
Contexto Religioso
1.
Fariseus
2.
Saduceus
3.
Escribas
4.
Essênios
5.
Zelotes
6.
Herodianos
7.
Zadoqueus
Pr. Moisés Sampaio de Paula
56
FARISEUS Contexto Religioso - Fariseus  Ensinavam que a alma era imortal, que haveria um arrebatamento,
FARISEUS
Contexto Religioso - Fariseus
Ensinavam que a alma era imortal, que haveria um
arrebatamento, uma ressurreição corporal e julgamento
futuro com galardão ou castigo.
Acreditavam na existência de seres celestiais e
aguardavam o Messias (At 23.8).
Tinham duas escolas doutrinárias: Hillel (liberal) e Shamai
(conservadora).
Seguiam rigorosamente a Lei de Moisés, as tradições e
costumes (Mt 23.25-28).
Foi o único partido que sobreviveu à destruição do templo
em 70 d.C., são os genitores espirituais do judaísmo.
Jesus não criticou sua doutrina e sim a sua prática
hipócrita (Mt 23:1-7);
57
SADUCEUS Contexto Religioso - Saduceus  Eram a elite sacerdotal, política e social.  Negavam a
SADUCEUS
Contexto Religioso - Saduceus
Eram a elite sacerdotal, política e social.
Negavam a ressurreição, o juízo final, a existência de anjos e
espíritos e a vinda do Messias.
Não se davam com os Fariseus (At 23.6-8).
Enfatizavam a liberdade da vontade humana, rejeitando o
determinismo e o azar.
Tinham a Torah como única fonte de fé e prática.
Diziam-se descendentes do Sumo-Sacerdote Zadoque (1Rs
2:35, 2 Sm.15:24); o nome Saduceu vem do hebraico
tzadokim = “descendentes de Zadoque”.
Enquanto os fariseus eram nacionalistas os saduceus iam na
direção da filosofia e cultura gregas.
Com a destruição do Templo, em 70 d.C., o partido se
extinguiu.
58
Pr. Moisés Sampaio de Paula
58
Uma comparação entre Fariseus e Saduceus : Fariseus: Saduceus a- Constituíram o núcleo da aristocracia religiosa
Uma comparação entre Fariseus e
Saduceus :
Fariseus:
Saduceus
a- Constituíram o núcleo da
aristocracia religiosa e acadêmica.
a- Constituíram o núcleo da
aristocracia sacerdotal, política
b- Ensinavam que a alma era imortal,
e social.
que havia uma ressurreição corporal e
julgamento futuro com galardão ou
castigo.
c- Acreditavam na existência de anjos
e espíritos bons e maus.
d- Predestinatários, mas aceitaram
que o homem tinha livre arbítrio e
responsável
moralmente.
e- Coordenaram a tradição e a Lei
escrita numa massa de regras de fé e
a prática evoluindo com os tempos.
b- Ensinaram que não há nem
galardão nem castigo.
c- Negaram a existência de
espíritos e anjos.
d- Enfatizaram a liberdade da
vontade humana, rejeitando o
determinismo e o azar.
e- Mantinham que a Torah era
única fonte infalível de fé e
prática.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
59
Contexto Religioso - Essênios  Tinham rigorosa observância da lei, mas consideravam o sacerdócio do templo
Contexto Religioso - Essênios
Tinham rigorosa observância da lei, mas consideravam o
sacerdócio do templo corrupto, rejeitavam boa parte do rito e
do sistema sacrificial.
Acrescentaram ritos ( por ex, cabala, castas de anjos,
...
).
O termo vem do aramaico essenoi e do latim esseni, ambos
com o significado de “médico”;
No período hasmoneu, foram perseguidos e passaram a viver
no deserto da Judéia;
Muitos aceitam que a comunidade de Qumran, onde foram
encontrados os rolos do mar Morto, era de essênios.
Vestiam-se de branco, não se casavam e aboliram a
propriedade privada.
60
Pr. Moisés Sampaio de Paula
60
Contexto Religioso - Zelotes  O nome do hebraico qanna: “zeloso” ou “devoto”;  Finéias foi
Contexto Religioso - Zelotes
O nome do hebraico qanna: “zeloso” ou “devoto”;
Finéias foi o modelo dos zelotes (Nm 25:10 a 13);
Partido extremista com origem no final do sec. I a.C, eram
conhecidos como “sicários”, pois usavam uma adaga (sicca)
contra os seus adversários;
Legalistas e intolerantes contra o jugo de Israel pelos
romanos, não aceitavam o pagamento de impostos;
Um dos discípulos de Jesus, cognominado Simão, o Zelote,
pertencia a esse partido (Lc 6:15);
Lideraram a revolta contra Roma, em 66 d.C., que levou à
destruição de Jerusalém e do Templo;
Sua última fortaleza, Massada, caiu em 73 d.C. e o partido
se extinguiu.
61
Pr. Moisés Sampaio de Paula
61
Contexto Religioso - Herodianos  Os Herodianos  a- Eram partido político não religioso . 
Contexto Religioso - Herodianos
Os Herodianos
a- Eram partido político não religioso .
b- Esperaram que Herodes cumprisse a realização da
esperança da nação.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
62
SUMO SACERDOTE SACERDOTES SADUCEUS FARISEUS ESCRIBAS ZELOTES POVO MULHERES, ESSÊNIOS ENFERMOS, PECADORES… Pr. Moisés Sampaio de
SUMO SACERDOTE
SACERDOTES
SADUCEUS
FARISEUS
ESCRIBAS
ZELOTES
POVO
MULHERES,
ESSÊNIOS
ENFERMOS,
PECADORES…
Pr. Moisés Sampaio de Paula
63
Elementos na preparação para a vinda de Cristo: Judaicos, Helenos e Romanos Pr. Moisés Sampaio de
Elementos na preparação para a vinda de
Cristo:
Judaicos, Helenos e Romanos
Pr. Moisés Sampaio de Paula
64
Elementos na preparação para a vinda de Cristo: Judaicos a- Um povo divinamente preparado b- Um
Elementos na preparação para a vinda de
Cristo: Judaicos
a- Um povo divinamente preparado
b- Um povo escolhido para ser testemunha entre as
nações
c- Escrituras proféticas predizendo a vinda do
Messias
d- A dispersão dos judeus em todo o mundo
conhecido
e- Sinagoga onde se estudava as Escrituras que
forneceriam local para a pregação do evangelho
f- Proselitismo que trouxe muitos gentios para o
judaísmo
Pr. Moisés
Sampaio de Paula
65
Elementos na preparação para a vinda de 2- Elementos na preparação para a Cristo: Judaicos vinda
Elementos na preparação para a vinda de
2- Elementos na preparação para a
Cristo: Judaicos
vinda de Cristo: Judaicos
g- Era o povo do Livro, Interessado na prática da religião e na
busca da salvação
h- Uma esperança da vinda do Messias foi oferecida pelos
judeus a um mundo de religiões pagãs. Também o
judaísmo ofereceu , pela parte moral da Lei Judaica, o
sistema de ética mais puro do mundo. Mas o mais
importante é que os judeus prepararam o caminho para
vinda de Cristo pelo fornecimento de um Livro Sagrado, o
Velho Testamento.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
66
Elementos na preparação para a vinda de Cristo: Helena  a- A filosofia grega que se
Elementos na preparação para a vinda de
Cristo: Helena
a- A filosofia grega que se aproximava do
monoteísmo, tendência para a
imortalidade, ênfase sobre a consciência e
dignidade humana e liberalismo de
pensamento.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
67
Elementos na preparação para a vinda de Cristo: Helena  b- A língua grega, tradução do
Elementos na preparação para a vinda de
Cristo: Helena
b- A língua grega, tradução do A . Testamento, para a
pregação do evangelho e a escrita do N.T. junto com
os termos adotados por Paulo e outro pregadores do
Novo Testamento para explicar o evangelho. No
primeiro século os romanos cultos conheciam grego e
também latim. O dialeto grego usado no quinto século
a. C. , na época da glória de Atenas, tornou-se o
dialeto “Koiné” ( comum ) do primeiro século . O
dialeto da literatura clássica de Atenas foi modificado
e enriquecido pelas mudanças que sofreu nas
conquistas de Alexandre Magno no período entre 338
e 146 a
.C. .
O NT. Foi escrito nesse dialeto vulgar (
Pr. Moisés Sampaio de Paula
68
comum ).
Elementos na preparação para a vinda de Cristo: Helena  c- A cultura helenística em geral
Elementos na preparação para a vinda de
Cristo: Helena
c- A cultura helenística em geral com seu espírito
cosmopolita, transcendendo as barreiras, o judeu
helenizado que serviria como ponte entre o judeu
e gentio e a busca da salvação do mundo romano.
d- Por um lado a filosofia grega deu uma
contribuição positiva, mostrando o melhor que o
homem pode fazer na busca de Deus pelo
intelecto, por outro contribuiu negativamente,
pois, nunca
Pr. Moisés Sampaio de Paula
69
Elementos na preparação para a vinda de Cristo: Romana  a- Cristo veio ao mundo época
Elementos na preparação para a vinda de
Cristo: Romana
a- Cristo veio ao mundo época do Império
Romano. Todo o mundo ficou sob um governo
único, uma lei universal, era possível obter
cidadania romana, ainda que a pessoa não fosse
romana. O império Romano mostrou as tendência
de unificar os povos de raças diferentes numa
organização política.
b- Havia paz na terra quando Cristo nasceu . Os
soldados romanos asseguravam a paz nas estradas
da Ásia, África e Europa.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
70
Elementos na preparação para a vinda de Cristo: Romana  c- Construíram excelentes estradas ligando Roma
Elementos na preparação para a vinda de
Cristo: Romana
c- Construíram excelentes estradas ligando
Roma a todas as partes do Império. As
estradas principais foram construídas de
concreto. As estradas romanas e as cidades
estratégicas localizadas nos caminhos eram
indispensáveis a evangelização do mundo
no primeiro século.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
71
72
72

Pr. Moisés Sampaio de Paula