Vous êtes sur la page 1sur 23
Fotossíntese
Fotossíntese
Como é que os seres vivos obtém a energia necessária? -Heterotrófico - Autotrófico Page 2
Como é que os seres vivos obtém a energia necessária?
-Heterotrófico
- Autotrófico
Page 2
A Fotossíntese é a estratégia mais comum para o carregamento de energia química orgânica e
A Fotossíntese é a estratégia mais comum para o carregamento de
energia química orgânica e para a produção pelos seres autotróficos
Os seres autotróficos
podem ser fotossintéticos
ou quimiossintéticos
Page 3
ATP (Adenosina Trifosfato) é a molécula orgânica que armazena e permite a transferência de energia
ATP (Adenosina Trifosfato)
é a molécula orgânica que armazena e permite a transferência de
energia química nas células. Forma-se à custa de energia libertada
de reações exoenergéticas e liberta energia que permite a
ocorrência de reações endoenergéticas – Metabolismo celular
Page 4
Como resultado de cromatografia, é possível identificar a existência de vários pigmentos: Page 5
Como resultado de cromatografia, é possível identificar a
existência de vários pigmentos:
Page 5
Experiências de Engelman, em 1880, com Espirogira e com Cladophora Page 6
Experiências de Engelman, em 1880, com
Espirogira e com Cladophora
Page 6
Page 7
Page 7
Page 8
Page 8
Page 9
Page 9
Page 10
Page 10
Page 11
Page 11
Page 12
Page 12
Experiências de Calvin - 1940 Page 13
Experiências de Calvin - 1940
Page 13
Experiências de Calvin - 1940 Page 14
Experiências de Calvin - 1940
Page 14
II Experiências de Calvin - 1940 Page 15
II Experiências de Calvin - 1940
Page 15
Experiências de Gaffron - 1951 Page 16
Experiências de Gaffron - 1951
Page 16
Page 17
Page 17
Page 18
Page 18
A - Fotofosforilação cíclica No chamado fotossistema I, predomina a clorofila a. Essa, ao ser
A - Fotofosforilação cíclica
No chamado fotossistema I, predomina a clorofila a. Essa, ao ser iluminada, perde um par de eletrões excitados (ricos em energia).
Estabelece-se, na molécula da clorofila, um "vazio" de eletrões. O par de eletrões é recolhido por uma série de citocromos,
substâncias que aceitam eletrões adicionais, tornando-se instáveis e transferindo esses eletrões para outras moléculas.
À medida que passam pela cadeia de citocromos, os eletrões vão gradativamente perdendo energia, que é empregue na
fosforilação (produção de ATP pela união de mais um grupo de fosfato a uma molécula de ADP). Como essa fosforilação é possível
graças à energia luminosa, captada pelos eletrões da clorofila, é chamada fotofosforilação.
Após a passagem pela cadeia de citocromos, os eletrões retornam à molécula da clorofila, ocupando o "vazio" que haviam deixado.
Como os eletrões retornam para a clorofila, o processo é cíclico.
B - Fotofosforilação acíclica
Esse mecanismo emprega dois sistemas fotossintetizantes: o fotossistema I e o fotossistema II. No fotossistema I, predomina a
clorofila a, enquanto no fotossistema II, predomina a clorofila b.
A clorofila a, iluminada, perde um par de eletrões ativados, recolhidos por um aceptor especial, a ferridoxina. Ao mesmo tempo, a
clorofila b, excitada pela luz, perde um par de eletrões que, depois de atravessarem uma cadeia de citrocromos, ocupa o "vazio"
deixado na molécula da clorofila a. Durante a passagem desses eletrões pela cadeia de citocromos, há liberação de energia e
produção de ATP (fosforilação). Como o "vazio de eletrões " da clorofila a não é preenchido pelos mesmos
elétrons que saíram dessa molécula, o mecanismo é chamado fotofosforilação acíclica.
No interior dos cloroplastos, a água é decomposta na presença da luz. Essa reação é a fotólise da água. (ou reação de Hill).
Dos produtos da fotólise da água, os eletrões vão ocupar os "vazios" deixados pela perda de eletrões pela clorofila b. Os
protões H+, juntamente com os eletrões perdidos pela clorofila a, irão transformar o NADP (nicotinamida-adenina-dinucleotídeo
fosfato) em NADPH. Ao mesmo tempo, oxignio é liberado. Esse é um aspecto importante da fotossíntese: todo o oxigênio gerado
no processo provém da fotólise da água.
Os seres fotossintetizantes utilizam a água como fonte de átomos de hidrogénio para a redução do NADP. Esses átomos
de hidrogénio são posteriormente empregues na redução do CO2 até carboidrato. A equação geral do processo é a
seguinte:
Page 19
Page 20
Page 20
Page 21
Page 21
Page 22
Page 22
Page 23
Page 23