Vous êtes sur la page 1sur 18

COMUNICAÇÃO WIRELESS-GIGABIT ATRAVÉS DE TERMINAIS MÓVEIS

Wi Gig The Wireless Gigabit Technology

Renato Loque Amorim Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG Francis Eduardo Amadi Cesar

RESUMO

A crescente demanda por maior maiores taxas de transmissão wireless nunca diminuem. Basicamente os padrões das redes wi-fi são os mesmos desde que as conexões sem fio se popularizaram. Entretanto durante este tempo, os dispositivos que utilizam este serviço, evoluíram e criaram uma demanda por uma banda mais eficiente. Visando mitigar estes problemas, a Wireless Gigabit Alliance (também conhecida como WiGig) desenvolveu uma tecnologia capaz de atingir até 7 Gbps.

PALAVRAS-CHAVE: Wi Gig; IEEE 802.11ad; 60GHz wifi

1 INTRODUÇÃO

Na última década, a proliferação de tecnologias eletrônicas e de fibra óptica tem permitido aos serviços de rede uma evolução sem fronteiras.

A ampla disponibilidade e utilização de conteúdos de mídia digital criam uma necessidade cada vez maior de conectividade sem fio de alta velocidade, que os atuais padrões IEEE 802.11a/b/g/n, desenvolvidos pela Wi-Fi Alliance, não tem mostrado capacidade de suportar a quantia de informação solicitada.

WiGig foi desenvolvido como um sistema de aplicação em última milha, com o intuito de interconectar os mais diversos dispositivos, possibilitando transferência de arquivos, exibição instantânea sem fio, streaming de vídeo em alta definição, entre outras aplicações com altíssimas taxas de transferências e uma latência muito baixa, podendo chegar até 7 Gbps utilizando uma portadora de 60GHz.

Visando tais melhorias, WiGig Alliance juntamente com a Wi-Fi Alliance, estão compartilhando e definindo novas especificações para desenvolver a próxima geração do WiFi. Este acordo incentiva o desenvolvimento de produtos com suporte para a nova tecnologia, expandindo as capacidade do atual WiFi.

In 2013, the WiGig Alliance, the organization which developed the WiGig MAC and PHY Specification, unified with Wi-Fi Alliance, consolidating all technology and certification development within Wi-Fi Alliance to deliver closely-harmonized connectivity and application-layer solutions. Members of Wi-Fi Alliance are developing the WiGig CERTIFIED™ program to deliver product interoperability validation (WIGIG® AND THE FUTURE OF SEAMLESS CONNECTIVITY; WIFI ALLIANCE, 2013)

2 WIRELESS GIGABIT ALLIANCE

Também conhecida como WiGig Alliance, a Wireless Gigabit Alliance foi criada com o objetivo de estabelecer um sistema global de alta velocidade interligando dispositivos portáteis à uma rede versátil, trazendo conforto aos usuários devido à sua velocidade, aplicação e interoperabilidade com outros sistemas.

O sistema WiGig, reúne o que há de melhor no mercado. É constituído por mais de 30 mpresas pioneiras em diversas áreas, que desenvolvem a tecnologia em conjunto. Entre elas a AMD, Nvidia, Broadcom Corporation, Cisco Systems Inc., a Dell Inc., Huawei, Intel Corporation, Marvell International LTD., MediaTek Inc., Microsoft Corporation, a NEC Corporation ,Nokia Systems, Panasonic Corporation, Qualcomm Atheros, Samsung Electronics Co., Toshiba Corporation, Wilocity, entre outros. A lista completa dos membros pode ser encontrada em www.wigig.org.

3 ESTRUTURA DO SISTEMA

A tecnologia é baseada no IEEE.11 802ad, o padrão para comunicação na faixa

de 60GHz. Apesar de também ser uma faixa de frequência livre, a faixa de 60 GHz possuiu um espectro muito menos utilizado do que outras faixas de frequências, 2.4 GHz e 5 GHz, não licenciadas e também utilizam o padrão IEEE 802.11. Por este motivo, utiliza-se canais com maior largura de banda, possibilitando um tráfego de até 7Gbps. Suas células trabalham com um raio médio de 10m e com uma modulação de baixíssima potência, poupando energia de seus ativos.

3.1 Arquitetura WiGig

A especificação WiGig IEEE 802.11ad é uma emenda no padrão IEEE 802.11. Ela

define uma camada física (Physical layer PHY) e uma camada de controle de acesso (Medium Access Control MAC). Esta estrutura permite uma comunicação IP sobre 60 GHz facilitando a produção de elementos capazes de se comunicar tanto em 60 GHz quanto no já existente WIFI, utilizando rádio que operam em ambas frequências 2.4, 5 e 60 GHz.

FIGURA 1 Arquitetura WiGig

operam em ambas frequências 2.4, 5 e 60 GHz. FIGURA 1 Arquitetura WiGig © 2013 Wi-Fi

© 2013 Wi-Fi Alliance. All rights reserved.

Existem várias subcamadas dentro da camada de protocolo de adaptação (Protocol Adaptation Layers - PALs), que foram criadas para suportar as diferentes interfaces de dados e imagens em 60 GHz. A camada PALs permite a implementação sem fio de várias interfaces padrões rodando diretamente na camada MAC e PHY, como vemos na FIGURA 2.

FIGURA 2 Camada de Protocolo de Adaptação (PALs)

FIGURA 2. FIGURA 2 Camada de Protocolo de Adaptação (PALs) © 2013 Wi-Fi Alliance. All rights

© 2013 Wi-Fi Alliance. All rights reserved.

A subcamada inicial se refere ao de áudio e vídeo, que define os suportes para

HDMI (High Definition Multimedia Interface) e DP (Display Port), e também as entradas de dados I/O (input/output), que definem suporte para SD, USB e PCIe.

3.2 CAMADA FÍSICA (PHY)

Semelhante às bandas 2.5 GHz e 5 GHz utilizadas no WiFi, a faixa de frequência entorno de 60 GHz também não é licenciada e possui uma alta disponibilidade.

A FIGURA 3 nos mostra várias lacunas dentro da faixa de frequência entorno de

60 GHz. Essa disponibilidade no espectro é facilmente entendida quando observamos a

FIGURA 4. Assim, como o WiGig estará trabalhando com micro células, aproximadamente 10 metros, a atenuação por chuva não impactará seu funcionamento.

FIGURA 3 Disponibilidade de Espectro no Mundo

FIGURA 3 Disponibilidade de Espectro no Mundo http://www.vlsiegypt.com/ FIGURA 4 Atenuação Atmosférica Zanateli,

http://www.vlsiegypt.com/

FIGURA 4 Atenuação Atmosférica

http://www.vlsiegypt.com/ FIGURA 4 Atenuação Atmosférica Zanateli, Engenharia De Sistemas Radiovisibilidade,2013 5

Zanateli, Engenharia De Sistemas Radiovisibilidade,2013

A faixa de frequência que cerca os 60 GHz possuiu uma alta atenuação atmosférica, por chuva, um dos motivos também de não se ter enlaces distantes nesta frequência.

Em contra partida possuiu muito mais disponibilidade que as demais faixas do WiFi, 2.4 GHz e 5 GHz. São quase 7 GHz de largura, comparado com os 83,5 MHz dentro da faixa de 2,4 GHz e os 125 MHz disponíveis em 5 GHz, entretanto, por se tratar de um comprimento de onda muito pequeno, necessita-se de linha de visada para que a comunicação venha a ocorrer com a máxima eficiência. A especificação IEEE 802.11ad divide a faixa em quatro canais de 2,16 GHz cada, 50 vezes maior do que os canais disponíveis no IEEE 802.11n.

Canais com grandes larguras de banda, são os principais responsáveis pelo WiGig conseguir uma comunicação extremamente rápida com um baixo consumo energético, possibilitando novas conexões sem fio e uma transmissão de vídeo sem compressão.

3.2.1 MODULAÇÃO E CODIFIAÇÃO MCS

A

especificação

permite

também

dois

tipos

de

modulação

e

codificação

(Modulation & Coding Scheme MCS) que fornecem diferentes benefícios:

OFDM (Orthogonal Frequency-Division Multiplexing) oferece suporte para comunicações de longas distâncias com baixos delays na propagação, provendo maior flexibilidade em operações com obstáculos e sinais refletidos. Além disso, OFDM permite uma melhor transmissão com velocidades de até 7 Gbps.

SC (Single Carrier) Normalmente sua aplicação resulta em um baixo consumo energético, assim pode-se fazer um melhor ajuste para dispositivos portáteis de baixa potência. Utilizando modulação SC, a taxa máxima de transferência pode chegar até 4,6 Gbps.

Ambas as modulações compartilham elementos comuns como preâmbulo e codificação do canal, reduzindo a complexidade de implementação para fabricantes de

dispositivos com WiGig. Todos os dispositivos com certificação WiGig trabalharam com modulação SC e alguns poderão operar também em OFDM. As capacidades de troca e negociação na seção de iniciação do MCS ajudarão a garantir que os dispositivos certificados, sejam capazes de conectar-se uns aos outros.

3.3 CAMADA DE CONTROLE DE ACESSO - MAC

A camada MAC da especificação WiGig/802.11ad conta com novas ferramentas

que suportarão o modelo de uso avançado, facilitando a integração (interoperabilidade)

com as redes WiFi, reduzindo o consumo energético e fornecendo uma alta segurança.

3.3.1 ARQUITETURA DE REDE

A especificação da nova arquitetura de rede permitirá a conexão de dois aparelhos

um com o outro, possibilitando uma rápida sincronização dos dois dispositivos transmitindo por exemplo mídia áudio visual a um projetor ou televisão. Além disso, também suportará as já existentes arquiteturas de redes 802.11, incluindo o uso de access points compartilhados como nas atuais redes WiFi.

3.3.2 OPERAÇÃO MULTI-BANDA

A comunicação pode ser transferida entre os canais de 60 GHz e as baixas

frequências de Wifi (canais das faixas de 2.4 GHz e 5 GHz) rapidamente e sem problemas. A inovação possibilita o retorno para faixas de frequências do WiFi caso as de 60 GHz não estejam mais disponíveis.

A operação em multi-banda, fornecerá ao usuário uma experiência muito mais

confortável. Usuários de dispositivos com capacidade de trabalhar com o WiFi/WiGig integrado, caso venham a sofrer uma troca de canal de 60 GHz para as baixas frequências

do WiFi, permanecerão conectados sem interrupção. O usuário experimentará o alto desempenho tendo a vantagem de elevadas velocidades em 60 GHz, quando estas estiverem disponíveis.

3.3.3

GERENCIAMENTO DE ENERGIA

Os dispositivos certificados possuem também um modo de controle de acesso para reduzir o consumo energético. Dois dispositivos que se comunicam um com o outro em um enlace direcional, podem programar o período em que vão se comunicar e, entre esses períodos, o dispositivo poderá entrar em sleep-mode para poupar energia. Essa capacidade avançada permite que terminais possam gerenciar e se adequar com mais precisão a sua carga de trabalho e tráfego real. Esta eficiência energética é indispensável para celulares e outros dispositivos móveis alimentados por baterias.

3.3.4 SEGURANÇA

O padrão IEEE 802.11ad se baseia nos fortes mecanismos de segurança definidos no IEEE 802.11. Os dispositivos com certificação WiGig utilizarão o Galois/Counter Mode (GCM), um método de criptografia altamente eficiente e desenvolvido especialmente para comunicações de altas velocidades. A criptografia é baseada no padrão Advanced Encryption Standad (AES) e pode ser implementado em hardware para melhor performance e eficiência.

3.4 CAMADA DE PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO - PALs

PALs, permitem a implementação de comunicação sem fio em computadores e dispositivos eletrodomésticos através das redes em 60 GHz, tornando fácil a produção de dispositivos com tecnologia embutida, para aplicações específicas, assim como as conexões sem fio com displays.

Este protocolo foi definido diretamente no IEEE 802.11ad MAC e PHY ao invés de camada sobre outros protocolos, e pode ser construído também em hardware. Isso maximiza o desempenho e reduz o consumo energético. Alguns PALs definidos até o momento são os de audiovisual e os de dados.

3.4.1

Audiovisual WiGig Display Extension (WDE)

WDE permite uma transmissão sem fio de dados de mídia audiovisual. Um

exemplo pode ser a transmissão de filmes através do computador ou câmera digital,

para um projetor ou uma televisão.

Este PAL possibilita a implementação de interfaces sem fio como High-Definition

Multimedia Interface (HDMI) e DisplayPort (DP), assim como do High-bandwidth Digital

Content Protection (HDCP), utilizado para proteger conteúdo digital transmitido sobre

essas interfaces. Além disso essas interfaces possibilitam transmissões com ou sem

compressão.

3.4.2 Entrada / Saída de dados Input/Output (I/O) PALs

Este PAL, define o alto desempenho das interfaces de computador utilizadas sobre

60 GHz. Atualmente existem três tipos de PALs I/O: extensão de barramento, extensão

de SD e extensão serial.

3.4.2.1 EXTENSÃO DE BARRAMENTO - WIGIG BUS EXTENSION (PCIe)

PCIexpress, é geralmente utilizado para interligar a memória, CPU de um

computador com interfaces I/O, placas de rede e outras interfaces. É também utilizada

para aumentar a qualidade na imagem de vídeos, programas e jogos, aliviando o

processamento da CPU. A implementação deste PAL, possibilita sincronização multi-

gigabit entre os dispositivos e conexões para armazenamento.

FIGURA 5 Wilocity criou junto com a Qualcomm Atheros, uma mini placa PCIe para utilização em ultrabooks

criou junto com a Qualcomm Atheros, uma mini placa PCIe para utilização em ultrabooks http://www.wilocity.com 9

http://www.wilocity.com

3.4.2.2

EXTENSÃO DE SD - WIGIG SD EXTENSION

O cartão de memória SD é amplamente utilizado em dispositivos móveis com a finalidade de armazenar vários arquivos como músicas, fotos e documentos. A extensão SD foi criada para direcionar o acesso a uma memória SD situada em um equipamento remoto do dispositivo do usuário, como por exemplo um smartphone de um notebook.

É adequado para dispositivos com recursos limitados e alimentados com bateria, pois sua simples implementação otimiza o acesso à memória e sua capacidade de transferir arquivos em velocidades milti-gigabit, trazem economias significativas de energia.

3.4.2.3 EXTENSÃO SERIAL - WIGIG SERIAL EXTENSION (USB)

As conexões USB são geralmente utilizadas para conectar periféricos externos e outros dispositivos aos usuários. Este PAL possibilita conexões multi-gigabit entre dispositivos USB, e incentiva o desenvolvimento de produtos, tais como estações de acoplamento USB (USB Docking Station).

4 TÉCNICAS PALIATIVAS

A utilização da faixa de 60 GHz permite a comunicação mais rápida, mas também apresenta um maior desafio na perda por propagação do que as frequências de 2,5 GHz e 5GHz, pois a operação em frequências mais elevadas, dificulta o contorno de obstáculos.

Afim de sanar tal inconveniente, o IEEE 802.11ad especifica a transmissão com beamforming (geralmente abreviada como TxBF).

Muitas das tecnologias disponíveis que ajudam a aumentar o desempenho de RF fazem parte de uma categoria abrangente conhecida como "antenas inteligentes". Existem muitas variações sobre o tema, porém a ideia comum de todas elas é usar mais

de uma antena ou uma ou ambas as pontas do enlace para enviar e receber sinais de rádio de uma maneira mais controlada, e assim aumentar a qualidade do sinal e a transferência. Hoje, existe uma família inteira de técnicas multi-antena que pode ser empregada para aumentar o desempenho de RF em redes Wi-Fi. Em um sistema Wi-Fi corretamente projetado, todas essas ferramentas podem ser usadas em conjunto para maximizar os resultados

Este tipo de técnica permite que comunicações robustas multi-gigabit atinjam distancias superiores a 10 metros. Beamforming usa antenas direcionais para reduzir interferências e focar um sinal entre dois dispositivos em um concentrado feixe, permitindo a transmissão de dados mais rápida com um maior alcance.

A transmissão com beamforming permite que um ponto de acesso concentre energia na direção de um dispositivo específico por meio de técnicas de processamento de sinal (fases ou sincronização diferentes) em um chipset banda de base. Os access points (APs) precisam do feedback explícito do cliente para determinar a fase correta para cada cliente (LOMBARDI, Transmissão com Beamforming; 2012).

Segundo o presidente da WiGig Alliance e diretor de WPAN (Wireless personal área network) da Intel Corporation, com a implementação do beamforming será possível utilizar várias antenas ou até mesmo antenas com conjunto de 64 elementos aumentando significativamente o ganho. Desta maneira, por se ter o comprimento de onda muito pequeno na frequências de 60 GHz, uma antena com conjunto de 64 elementos deverá ter um tamanho médio de 30 a 35cm.

Outro benefício importante que o beamforming traz, é que caso um obstáculo bloqueie a linha de visada entre dois dispositivos, ou alguém entre na frente do feixe de onda, os dispositivos são capazes de reestabeleces rapidamente a conexão.

Como vemos na FIGURA 6, os dispositivos utilizam feixes refletidos nas paredes para manter a conexão.

FIGURA 6

Beamforming

FIGURA 6 Beamforming © 2013 Wi-Fi Alliance. All rights reserved. 5 APLICAÇÕES O WiGig pode ser

© 2013 Wi-Fi Alliance. All rights reserved.

5 APLICAÇÕES

O WiGig pode ser aplicado em uma infinidade de situações. Um exemplo de fácil

visualização seria uma sala de estar com dvd blu ray, uma aparelhagem de som,

televisão, home theater e um vídeo game. Nesta situação, cada aparelho necessitaria de

apenas um cabo para se energizar e os demais cabos, HDMI, VGA, RCA, RGB/DVI, P2,

seriam todos substituídos pelo sistema WiGig. Se torna muito mais fácil o seu manuseio

quando se tem uma menor quantia de fios e cabos.

FIGURA 7

Diversas aplicações para o WiGig

menor quantia de fios e cabos. FIGURA 7 Diversas aplicações para o WiGig © 2013 WiGig

© 2013 WiGig Alliance. All rights reserved.

Observando a FUGURA 7, podemos visualizar outras aplicações para o WiGig.

Podemos também aplicar WiGig em salas de aula ou até mesmo escritórios e ir

muito além disso. Nada impede uma implementação em coffee shop, praças e shoppings.

Seria necessário apenas a instalação estratégica de alguns hotspots para garantir uma

cobertura de pouca sombra.

A FIGURA 8 e nos mostra uma sala de aula com ap’s instalados no teto e na

FUGURA 9 visualizamos um escritório que, além de permitir a mobilidade dos

colaboradores da empresa, garante a transferência de dados para todos os dispositivo.

FIGURA 8 Sala de Aula com sistema WiGig

os dispositivo. FIGURA 8 Sala de Aula com sistema WiGig http://www.oberonwireless.com/ FIGURA 9 Escritório com

http://www.oberonwireless.com/

FIGURA 9 Escritório com sistema WiGig

com sistema WiGig http://www.oberonwireless.com/ FIGURA 9 Escritório com sistema WiGig http://www.oberonwireless.com/ 13

http://www.oberonwireless.com/

FIGURA 10

Roteador Cisco® Tri-band. Operam em 2,4 GHz, 5 GHz e 60 GHz

Cisco® T ri-band . Operam em 2,4 GHz, 5 GHz e 60 GHz http://www.linksys.com/ FIGURA 11

http://www.linksys.com/

FIGURA 11 WiGig Dell Wireless Docking Station D5000

FIGURA 11 WiGig Dell Wireless Docking Station D5000 http://technologybeans.com/ FIGURA 12 Exemplo do

http://technologybeans.com/

FIGURA 12 Exemplo do funcionamento de um sistema com roteador Tri-band.

do funcionamento de um sistema com roteador Tri-band . Michael Brown; Router Roundup: We Review 7

Michael Brown; Router Roundup: We Review 7 Top-Tier Routers; 2010

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Brasil é um país ainda muito carente de infraestrutura em telecomunicações. O acesso à internet móvel e WiFi, está muito abaixo das qualidades alcançadas por países de primeiro mundo. A Proteste Associação de Consumidores, percorreu 5 mil Km em 12 estados do País, e constatou que só havia sinal regular de internet móvel nas capitais e regiões metropolitanas. De acordo com Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da

Proteste, além da má cobertura, as operadoras também não entregam a velocidade prometida com os planos 3G.

Um levantamento feito pela Anatel corrobora as falhas das operadoras. O levantamento inclui medições da banda larga móvel em 16 Estados, onde alguns quesitos são avaliados, entre eles a velocidade instantânea e velocidade média.

TABELA 1 Quantidade de Estados em que a operadora não atendeu a meta em Dez/13

Indicador

Taxa de Transmissão Instantânea

Taxa de Transmissão Média

Meta

>95,00%

>60,00%

CLARO

3

1

OI

7

5

TIM

12

2

VIVO

8

1

http://www.teleco.com.br/

Uma possível saída encontrada pelas empresas privadas, é a instalação de hot- spots em regiões onde há uma maior concentração de pessoas.

As

teles

privadas

têm

usado

o

wi-fi

para

desafogar

o

tráfego

do

3G

Segundo uma pesquisa feita em 2012 pela Cisco, apontou que mais de 50% dos

usuários de smartphones no brasil, preferem se conectar à redes WiFi do que nas redes

3G, devido à baixa velocidade de tráfego e alto custo dos pacotes de dados.

Eduardo Tude, colaborador do site Teleco, afirma que os hot-spots públicos de Wifi

ainda são poucos e que as operadoras não costumam fornecer o acesso WiFi gratuito

juntamente com seus pacotes de dados para celular.

O WiGig se mostra como possível alternativa para as operadoras de tele,

desafogarem seus tráfegos 3G e 4G.

Para a sustentabilidade do sistema WiGig em tais aplicações, é indispensável chegada de dados por FO (Fribra Ótica) devido ao grande fluxo de dados.

FIGURA 13

Hot-spot WIGig. Pode ser instalado em qualquer lugar

13 Hot-spot WIGig. Pode ser instalado em qualquer lugar http://www.oberonwireless.com/ A instalação pode ser feita

http://www.oberonwireless.com/

A instalação pode ser feita dentro de estádios, shoppings e estações de metrô, de

modo a não resolver os atuais problemas enfrentados pelas operadoras, mas ao menos

atenuá-los.

Atualmente o sistema WiGig opera em multi banda, trabalhando com as 3

frequências do WiFi, 2,4 GHz, 5GHz e 60 GHz. Nada impede de que seja criada uma

revisão do IEEE 802.11ad (assim como já foi feito com os atuais padrões WiFi) onde a

troca de banda e fluxo de dados seja feita entre canais das respectivas tecnologias: WiFi, 3G e 4G.

FIGURA 14 Símbolo do WiGig

tecnologias: WiFi, 3G e 4G. FIGURA 14 Símbolo do WiGig REFERÊNCIAS Livros www.wigig.org ZANATELI, Marcelo Ribeiro.

REFERÊNCIAS

Livros

www.wigig.org

ZANATELI, Marcelo Ribeiro. Engenharia de Sistemas Radiovisibilidade. 2. ed. São Bernardo do Campo, São Paulo:

Clube de Autores, 2013

BROWN, Michael; Router Roundup: We Review 7 Top-Tier Routers, 1 ed Chicago, Estado Unidos Maximumpc, 2010

SITES

wigig.org

ieee.org

pcmag.com/article2/0,2817,2356980,00.asp

engadget.com/2010/05/10/wi-fi-alliance-and-wigig-sync-up-for-60ghz-wifi/

teleco.com.br

beamnetworks.com/news/wigigwirelessspecadopterprog.cfm

e-thesis.inf.br/index.php?option=com_content&task=view&id=7902&Itemid=53

en.wikipedia.org/wiki/Wireless_Gigabit_Alliance

info.abril.com.br/noticias/tecnologia-pessoal/entrevista-de-domingo-padrao-sem-fio-

wigig-alcancara-7-gbps-09092012-0.shl

trustedreviews.com/news/WiGig-Deals-Bring-Multi-Gigabit-WiFi-Ever-Closer

linksys.com/

wilocity.com