Vous êtes sur la page 1sur 5

A posição corporal nas técnicas alternadas em natação pura desportiva

A posição corporal nas técnicas alternadas em natação pura desportivanas técnicas alternadas em natação pura desportiva Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física

A posição corporal nas técnicas alternadas em natação pura desportiva

Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto (Portugal)

Daniel Marinho Ricardo Fernandes

http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Año 9 - N° 63 - Agosto de http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Año 9 - N° 63 - Agosto de 2003

http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Año 9 - N° 63 - Agosto de 2003

Introdução

1 / 1

Do conjunto dos factores influenciadores do rendimento em Natação Pura Desportiva (NPD), a Técnica (de partir, nadar e virar) parece ser unanimemente considerada como um dos parâmetros mais importantes, assim como se apresenta como uma preocupação central do processo de treino desta modalidade (Costill et al., 1992; Alves, 1998; Vilas-Boas, 1998a). No entanto, quando nos reportamos à literatura relativa a estudos efectuados em nadadores de bom nível, é frequente encontrarmos referências à existência de erros técnicos em aspectos básicos das técnicas de nado (cf. Soares et al., 2000; Fernandes, 2001; Arellano et al., 2003). Na nossa opinião, estes erros técnicos já não deveriam existir nas fases avançadas do processo de treino, devendo ter sido corrigidos e eliminados na fase do Treino de Base (Vilas-Boas, 1998b). Fernandes (2001) reportou valores superiores a 40% de erros técnicos nos itens relacionados com o Equilíbrio na técnica de costas (e.g. desvios laterais da anca, bacia muito baixa e rotação longitudinal do tronco incompleta), em nadadores pertencentes a selecções regionais pré-juniores. Pelo seu lado Arellano et al. (2003) verificaram que os itens "rotação sobre o eixo longitudinal assimétrica" e "rotação dos ombros e da cabeça antecipada antes da respiração" obtiveram valores superiores a 33% de erros técnicos em selecções pré- juniores e juniores espanholas. Note-se que os nadadores de ambas amostras dos estudos referidos já se encontravam na fase de Especialização da sua carreira desportiva.

Este trabalho incidirá justamente sobre a descrição e análise de um dos aspectos básicos mais importantes das técnicas alternadas em NPD: a Posição Corporal (PC). Na descrição deste parâmetro, iremo-nos reportar aos principais aspectos a considerar aquando da adopção de uma correcta PC em crol e costas: (i) o Alinhamento Horizontal (AH); (ii) o Alinhamento Lateral (AL) e (iii) a Rotação sobre o Eixo Longitudinal (REL).

A opção por analisar conjuntamente as técnicas de crol e de costas encontra justificação no facto de ambas serem técnicas alternadas, durante as quais as acções motoras dos membros superiores (MS) e membros inferiores (MI) tendem a assegurar uma propulsão contínua. Assim, a PC adoptada durante o ciclo gestual nestas duas técnicas de nado deverá ser muito semelhante, divergindo apenas no facto do crol ser uma técnica ventral e o costas uma técnica dorsal. Esta perspectiva de análise conjunta vai, inclusivamente, de encontro à proposta de ensino simultâneo das técnicas de crol e de costas preconizado por Soares (2000). Esperamos que esta revisão da literatura sobre a PC nas técnicas alternadas em NPD possa contribuir, de alguma forma, para uma maior consciencialização da importância da técnica nesta modalidade desportiva, nomeadamente nas fases de ensino-aprendizagem, de aperfeiçoamento e de pré-competição.

Posição corporal adoptada e possíveis alterações posturais

Nas técnicas de nado torna-se difícil definir qual a melhor posição geral do corpo a adoptar. Souto (2000) justifica esta dificuldade com o facto do nadador assumir diferentes posições corporais durante as diferentes fases do ciclo gestual dos MS. Contudo, esta ambiguidade é mais visível nas técnicas simultâneas e descontínuas (mariposa e bruços), do que propriamente nas técnicas alternadas e contínuas (crol e costas) porque, nestas, as diferentes PC adoptadas são mais semelhantes entre si. Genericamente, poderá afirmar-se que, ao longo da técnica global, a PC deverá manter-se o mais próxima possível da posição hidrodinâmica fundamental (Nistri, 1982), o que permitirá minimizar a força de arrasto hidrodinâmico a que o nadador se sujeita, assim como favorecer a produção de força propulsiva pela acção dos segmentos motores (Hay, 1985). Assim, em crol e em costas, o corpo deve estar o mais horizontal possível, com a cabeça em posição natural no prolongamento do tronco (Dubois e Robin, s.d.).

Por outro lado, quanto maior for o comprimento total do corpo menor será o arrasto hidrodinâmico, pelo que se deverá privilegiar as posições alongadas na água, não só no deslize após partidas e viragens, como durante o nado propriamente dito (Vilas-Boas, 1997). Sanders (2001) sublinha este aspecto, referindo que os nadadores mais longilíneos têm vantagens hidrodinâmicas, o que lhes permite reduzir o arrasto e aumentar a propulsão. Conjuntamente com as características antropométricas, o nível de flexibilidade dos nadadores também poderá afectar a capacidade do nadador em adoptar a posição mais hidrodinâmica. A este propósito, Chatard et al. (1990) referem que os indivíduos hiperflexíveis conseguem, ao colocar o corpo numa posição mais alongada, minimizar o arrasto devido à

http://www.efdeportes.com/efd63/natacao.htm[04-07-2009 14:28:04]

A posição corporal nas técnicas alternadas em natação pura desportiva

diminuição da turbulência gerada perto dos pontos de pressão (e.g. ombros, bacia, joelhos e tornozelos).

Alinhamento Horizontal

Durante o nado, o corpo deve manter-se o mais horizontal possível, de forma a que apresente uma pequena superfície frontal de contacto com a água, reduzindo assim o arrasto hidrodinâmico (Colwin, 1992). Maglischo (1993) refere que a melhor forma de observar e avaliar o AH deverá ser sobre o plano sagital, isto é, visualizando o nadador de lado, onde a profundidade e inclinação do corpo é perfeitamente perceptível.

Especificamente na técnica de crol, o olhar deverá estar dirigido para o fundo da piscina, para uma zona localizada ligeiramente à frente do nadador (Colwin, 1999). Este facto significa que é importante ter uma posição alta na água mas sem elevar exageradamente a cabeça pois, se se efectuar uma hiper-extensão cervical o arrasto hidrodinâmico aumentará entre 20 a 35% (Clarys, 1979) devido ao afundamento dos MI e ao arqueamento da região dorsal provocados pela tensão dos músculos da região dorsal e da nuca (Alves, 1997). Por outro lado, uma posição baixa da cabeça parece ser contraproducente por permitir maiores oscilações laterais, dificultando a REL e a fase de inspiração. Desta forma, para realizar a inspiração, os nadadores não devem efectuar uma extensão cervical pronunciada mas sim efectuar uma rotação, mantendo um lado da face em imersão (Chollet, 1990), como se pode observar na Figura 1. Acrescente-se a estes factos que a existência de uma ligeira extensão cervical poderá facilitar a entrada e o início do trajecto motor subaquático dos MS, na medida em que permitirá a melhor visualização da realização dessa fase.

a melhor visualização da realização dessa fase. Figura 1. Fase da inspiração e da recuperação do

Figura 1. Fase da inspiração e da recuperação do MS na técnica de crol.

Na técnica de costas para que o nadador mantenha um correcto AH deverá colocar a cabeça numa posição natural, manter o dorso horizontal e realizar uma acção dos MI não muito ampla (Maglischo, 1993). Nesta técnica de nado é frequente observar a tendência de alguns nadadores para afundar a bacia, o que provoca uma perturbação do seu AH (Fernandes, 1999). Esta incorrecção é facilmente corrigida pedindo ao nadador para "olhar para o tecto", o que imediatamente provoca uma elevação da anca (Vilas-Boas e Soares, 2003). Assim, na técnica de costas, e como se pode observar na Figura 2, a zona posterior da cabeça deve apoiar-se na água, ficando a cabeça parcialmente em imersão (Maglischo, 1993).

a cabeça parcialmente em imersão (Maglischo, 1993). Figura 2. Colocação da cabeça parcialmente em imersão

Figura 2. Colocação da cabeça parcialmente em imersão na técnica de costas.

Para Dubois e Robin (s.d.) e Castro et al. (2003), a PC depende da distância de nado a realizar: num sprint deverá existir uma ligeira elevação e extensão do tronco (parecendo a um observador externo que o nadador está a deslocar- se sobre a água), enquanto numa prova mais longa o corpo estará numa posição mais horizontal. Assim, quanto maior for a velocidade de nado mais elevada em relação à água deverá ser a PC, tendo a acção dos MI especial importância na manutenção de um correcto AH (Maglischo, 1993).

Por outro lado, outro factor que contribui para a manutenção do AH nas técnicas de crol e de costas, é a diminuição das componentes verticais do trajecto motor dos MS (Vilas-Boas, 1991). Também neste aspecto a acção dos MI é

http://www.efdeportes.com/efd63/natacao.htm[04-07-2009 14:28:04]

A posição corporal nas técnicas alternadas em natação pura desportiva

fundamental para compensar os eventuais trajectos verticais dos MS durante o trajecto motor (Alves, 1997). Porém, uma acção demasiado profunda dos MI faz aumentar o arrasto hidrodinâmico, sem contribuir para a propulsão, pelo que se recomenda que a acção dos MI não nunca ultrapasse uma linha imaginária que passe pelo ponto mais fundo do trajecto subaquático dos MS.

Alinhamento Lateral

Sendo o crol e o costas técnicas alternadas, os principais desvios na PC ocorrem no AL (Maglischo, 1993). Durante

o nado, qualquer movimento segmentar que crie forças com linhas de acção laterais em relação ao sentido de

deslocamento do corpo provocará uma reacção aplicada noutro segmento corporal, que o desviará do alinhamento corporal (Alves, 1997). Assim, podem verificar-se movimentos de "ziguezaguear", com a anca e os MI oscilando lateralmente. Estas oscilações no AL levarão ao aumento da resistência ao avanço, devido ao aumento da superfície frontal de contacto, conduzindo a um superior custo energético e à redução da velocidade de nado (Rama, 2000).

Para permitir que o nadador preserve um correcto AL é necessário aproximar as acções propulsivas do eixo longitudinal de deslocamento, o que é facilmente conseguido através da REL (Maglischo, 1993). Para Chollet (1990), é possível compensar a tendência lateralizante dos trajectos propulsivos através do papel equilibrador dos MI que exercem pressão sobre a água em direcções laterais, acompanhando a REL e a acção dos MS. No entanto, cabeça não deve acompanhar a REL do bloco tronco/MI , devendo manter-se sempre fixa (Costill et al., 1992).

Outro factor essencial para um correcto AL é "não cruzar os apoios", isto é, não ultrapassar a linha média do corpo durante a trajectória dos MS. Este facto é importante durante toda a acção dos MS mas tem especial relevo no momento da entrada e na fase da recuperação onde é de especial importância que o nadador não a realize lateralmente. A melhor maneira para avaliar o AL é observar o nadador de frente (sobre o plano frontal), de maneira que se possa visualizar o eixo longitudinal de deslocamento (Maglischo, 1993).

Rotação do Corpo Sobre o Eixo Longitudinal

Para realizar as técnicas de crol e de costas de forma eficiente é essencial efectuar uma correcta REL (Whitten, 1994). De facto, se o nadador realizar correctamente as técnicas de nado (cf. Figura 3) vai seguramente despender mais tempo numa posição lateral do que numa posição horizontal (Maglischo, 1993 e Whitten, 1994). Colwin (1992) salienta, inclusivamente, que a REL do tronco e MI é uma causa natural da utilização alternada dos MS. Assim, o corpo do nadador deverá acompanhar o movimento dos MS, efectuando a rotação dos ombros, tronco e MI como um todo, senão a bacia e os MI oscilarão lateralmente (Maglischo, 1993).

Várias são as vantagens da correcta realização da REL (segundo Costill et al, 1992; Maglischo, 1993; Whitten, 1994;

Richards, 1996; Alves, 1997; Santos Silva, 1997; Colwin, 1998; Cappaert, 1999; Castro et al., 2003): (i) permite manter

o AL; (ii) permite aplicar mais força durante a acção dos MS e, em simultâneo, manter o corpo na posição

hidrodinâmica; (iii) permite aumentar significativamente a distância por ciclo de MS, pois permite realizar trajectos subaquáticos melhor orientados, criando resultantes propulsivas com direcção e sentido muito próximos do eixo

longitudinal de deslocamento; (iv) facilita a acção equilibradora dos MI, permitindo a acção diagonal destes; (v) facilita

a recuperação dos MS; (vi) facilita a realização da inspiração, em crol, sem ser necessário efectuar uma rotação

exagerada da cabeça; (vii) permite reduzir o arrasto hidrodinâmico, através da diminuição da área de secção frontal oposta ao deslocamento.

Não existem muitos estudos que tenham calculado o arrasto hidrodinâmico associado às várias PC, particularmente em relação à pronação completa do corpo e à posição lateral (Alves, 1997). No entanto, Clarys e Jiskoot (1975) encontraram valores inferiores de arrasto total activo para a posição lateral (45º) em comparação com a posição ventral durante o nado de crol. Porém, estes valores inferiores de arrasto só foram considerados significativos para velocidades de nado entre 1.5 e 1.6 m/s, parecendo a posição lateral não influenciar a propulsão do nadador para velocidades superiores a 1.7 m/s.

Em relação à REL encontramos na literatura alguns valores de referência para a sua execução, nomeadamente entre 30 a 40º (Maglischo, 1993) e aproximadamente 45º (Costill et al., 1992; Whitten, 1994; Richards, 1996; Santos Silva, 1997; Vasconcelos e Santos Silva, 2000). Porém, uma nova teoria refere que os nadadores deverão rodar o tronco mais que os aconselhados 45º, verificando que os melhores nadadores efectuam essa rotação até aos 60/70º (Whitten, 1994; Paiton et al., 1999; Castro et al., 2003). Este facto parece ser relevante no que se reporta à tentativa de maximização da rotação da bacia e da força adicional que se gera por esse movimento. Segundo Bailey (1999), através da rotação do tronco, à semelhança do lançamento da bola no basebol, poderá ser transferida energia do movimento rotacional do tronco e da bacia para os MS, implicando um aumento da força propulsiva gerada pelos MS.

Outra razão para a REL do tronco ser superior ao usualmente preconizado na literatura, isto é, ser realizada até 90º, prende-se com o facto de se conseguir aproximar mais as acções motoras ao eixo longitudinal de deslocamento

e, como tal, se conseguir aumentar a distância de nado por ciclo de MS. No entanto, não encontramos muitos autores

http://www.efdeportes.com/efd63/natacao.htm[04-07-2009 14:28:04]

A posição corporal nas técnicas alternadas em natação pura desportiva

que corroborem esta opinião, o que se poderá justificar pelo facto de uma REL até aos 90º se poderá relacionar com uma diminuição acentuada da frequência gestual, a qual poderá comprometer o rendimento desportiva.

gestual, a qual poderá comprometer o rendimento desportiva. Figura 3. Rotação sobre o eixo longitudinal na

Figura 3. Rotação sobre o eixo longitudinal na técnica de crol (adaptado de Dalbey, 1998).

Conclusão

A PC é um dos aspectos fulcrais da execução técnica correcta do crol e do costas. Inclusivamente, a incorrecção num dos aspectos que a compõem (AH, AL e REL) poderá levar a alterações profundas no trajecto motor dos MS, modificando significativamente a produção da força propulsiva, e podendo provocar o aumento o arrasto hidrodinâmico. Desta forma, julgamos ter sido pertinente a realização deste estudo, o qual procura sobretudo alertar a comunidade técnica ligada à NPD para a procura do desenvolvimento do rendimento do nadador procurando a eficiência do nado. Pensamos que são contributos deste género que poderão levantar novas pistas sobre o processo de treino em NPD, procurando obstar ao treino baseado única e exclusivamente na carga e sobrecarga física.

Referencias bibliográficas

Alves, F. (1997). Técnica de crol - Análise descritiva. In: R. Fernandes, J.V. Santos Silva e J.P. Vilas-Boas (eds.),na carga e sobrecarga física. Referencias bibliográficas Natação: vivências específicas e conhecimentos teóricos

Natação: vivências específicas e conhecimentos teóricos básicos. Colectânea de textos, pp. 453-499. AE-FCDEF-

UP. Porto.

Alves, F. (1998). O treino da técnica em Natação. Braçada, 1 (4): 12. Secção de Natação do Leixões O treino da técnica em Natação. Braçada, 1 (4): 12. Secção de Natação do Leixões S.C.

Arellano, R.; López-Contreras, G.; Sánchez-Molina J.-A. (2003). Qualitative evaluation of technique in international Spanish junior and pre-junior swimmers: an analysis of error frequencies. In: J.-C. Chatard (edt.), Biomechanics and Medicine in Swimming IX, pp. 87-92. Université de Saint-Étienne. Ste Etienne. Biomechanics and Medicine in Swimming IX, pp. 87-92. Université de Saint-Étienne. Ste Etienne.

Bailey, M. (1999). A Platform for Fast Swimming. Swimming Technique, 36 (2): 26-29. A Platform for Fast Swimming. Swimming Technique, 36 (2): 26-29.

Cappaert, J. (1999). Biomechanics of Swimming Analysed by Three-Dimensional Techniques. In: K. Keskinen; P. Komi e P. Hollander (eds.), Biomechanics and Medicine in Swimming VIII, pp. 141-145. University of Jyvaskyla. Jyvaskyla. Biomechanics and Medicine in Swimming VIII, pp. 141-145. University of Jyvaskyla. Jyvaskyla.

Castro, F.; Minghelli, F.; Floss, J.; Guimarães, A. (2003). Body roll angles in front crawl swimming at different velocities. In: J.-C. Chatard (edt.), Biomechanics and Medicine in Swimming IX , pp. 111-114. Université de Saint-Étienne. Ste Etienne. Biomechanics and Medicine in Swimming IX, pp. 111-114. Université de Saint-Étienne. Ste Etienne.

Chatard, J. C.; Bourgoin, B. e Lacour, J. R. (1990). Passive drag is still a good evaluator of swimming aptitude., pp. 111-114. Université de Saint-Étienne. Ste Etienne. European Journal of Applied Physiology , 59: 399-404.

European Journal of Applied Physiology, 59: 399-404.

Chollet, D. (1990). Approche scientifique de la natation sportive . Éditions Vigot, Paris. Approche scientifique de la natation sportive. Éditions Vigot, Paris.

Clarys, J. P. (1979). Human morphology and hydrodynamics. In: J. Terauds e E. W. Bedingfield (eds.), Swimming III , pp. 3-41. University Park Press, Baltimore. Swimming III, pp. 3-41. University Park Press, Baltimore.

Clarys, J. P. e Jiskoot, J. (1975). Total resistance of selected body positions in the front crawl. In: L. Lewillie e J. P. Clarys (eds.), Swimming II , pp. 110-117. University Park Press, Baltimore. Swimming II, pp. 110-117. University Park Press, Baltimore.

Colwin, C. M. (1992). Swimming into the 21st Century. Leisure Press. Champaign, Illinois. Swimming into the 21st Century. Leisure Press. Champaign, Illinois.

Colwin, C. M. (1998). The Crawl Stroke. Swimming Technique, 35 (1): 10-13. The Crawl Stroke. Swimming Technique, 35 (1): 10-13.

Colwin, C. M. (1999). Swimming Dynamics . Winning Techniques and Strategies. Masters Press. Lincolnwood, Illinois. Swimming Dynamics. Winning Techniques and Strategies. Masters Press. Lincolnwood, Illinois.

Costill, D.L.; Maglischo, B.W. e Richardson, A.B. (1992). Swimming. Blackwell Scientific Publications, London. Swimming. Blackwell Scientific Publications, London.

http://www.efdeportes.com/efd63/natacao.htm[04-07-2009 14:28:04]

A posição corporal nas técnicas alternadas em natação pura desportiva

Dalbey, T. (1998). Swimming World's Perfect Technique. Feel for the Water. Swimming World and Junior S w i m m e r , 39 (8): 24-25. Swimming World and Junior Swimmer, 39 (8): 24-25.

Dubois, C. e Robin, J.P. (s.d.). Natation. "De L'École… aux associations" . Éditions Revue E.P.S., Paris. "De L'École… aux associations". Éditions Revue E.P.S., Paris.

Fernandes, R. (1999). Perfil cineantropométrico, fisiológico, técnico e psicológico do nadador pré-júnior. Perfil cineantropométrico, fisiológico, técnico e psicológico do nadador pré-júnior.

Dissertação de mestrado no âmbito do 3º Mestrado em Ciências do Desporto. FCDEF-UP. Porto.

Fernandes, R. (2001). Avaliação qualitativa da técnica de nadadores pré-júniores. Revista Natação: 11, Caderno Técnico. Revista Natação: 11, Caderno Técnico.

Hay, J. G. (1985). Swimming. In: The Biomechanics of Sports Techniques. Prentice-Hall, Inc. Englewood Cliffs, NJ. The Biomechanics of Sports Techniques. Prentice-Hall, Inc. Englewood Cliffs, NJ.

Maglischo, E. W. (1993). Swimming even faster. Mayfield Publishing Company. Moutain View, California. Swimming even faster. Mayfield Publishing Company. Moutain View, California.

Nistri, M. (1982). Resistenza frontale e forma del corpo . La Tecnica del Nuoto: 4-7. Resistenza frontale e forma del corpo. La Tecnica del Nuoto: 4-7.

Payton, C.; Bartlett, R.; Baltzoupoulos, V; Coombs, R. (1999). Upper extremity kinematics and body roll during preferred-side breathing and breathing-holding in front crawl swimming. Journal of Sport Sciences, 17: 689- Journal of Sport Sciences, 17: 689-

696.

Rama, L. (2000). O Crol. Braçada, 3 (8): 7-10. Secção de Natação do Leixões S.C. O Crol. Braçada, 3 (8): 7-10. Secção de Natação do Leixões S.C.

Richards, R. J. (1996). Coaching Swimming . An Introductory Manual. Australian Swimming Inc., Dickson. Coaching Swimming. An Introductory Manual. Australian Swimming Inc., Dickson.

. An Introductory Manual. Australian Swimming Inc., Dickson. Sanders, http://www.education.ed.ac.uk/swim/papers4/rs5.html

Sanders,

R.

(2001).

Start

technique

-

Recent

findings

[On-line]:

Santos Silva, J.V. (1995). Estudo da técnica de costas - Descrição e falhas técnicas mais comuns. Comunicações do XVIII Congresso da APTN. Póvoa de Varzim.. R. (2001). Start technique - Recent findings [On-line]: Soares, S. (2000). Natação. In: Educação Física

Soares, S. (2000). Natação. In: Educação Física no Primeiro Ciclo , pp. 154-173. Câmara Municipal do Porto e FCDEF-UP. Porto. Educação Física no Primeiro Ciclo, pp. 154-173. Câmara Municipal do Porto e FCDEF-UP. Porto.

Soares, S.; Carmo, C.; Fernandes, R.; Santos Silva, J.; Vilas-Boas, J. P. (2000). Estudo comparativo da, pp. 154-173. Câmara Municipal do Porto e FCDEF-UP. Porto. i n c i d ê

incidência de erros nas técnicas de crol e costas. Comunicações do XXIII Congresso Técnico-Científico da Associação Portuguesa de Técnicos de Natação. Vila Real.

Souto, S. M. (2000). Análise Cinemática Tridimensional da Técnica de Crol. Caracterização do padrão dePortuguesa de Técnicos de Natação . Vila Real. execução motora em momentos distintos de fadiga.

execução motora em momentos distintos de fadiga. Monografia de Licenciatura na área de Desporto de

Rendimento - Natação. FCDEF-UP. Porto.

Vasconcelos, A. P. e Santos Silva, J. V. (2000). A Técnica de Crawl - Modelos de Referência e Progressões na Aprendizagem. Documento de Formação N.º 7 - 99/2000. Felgueiras. Documento de Formação N.º 7 - 99/2000. Felgueiras.

Vilas-Boas, J. P. (1991). A técnica em natação pura desportiva. Documento de apoio à disciplina de Documento de apoio à disciplina de

Metodologia I - Natação. FCDEF-UP. Porto.

Vilas-Boas, J. P. (1997). Bases mecânicas da natação. In: R. Fernandes, J. V. Santos Silva e J. P. Vilas-Boasdisciplina de Metodologia I - Natação. FCDEF-UP. Porto. ( e d s . ) , Natação:

(eds.), Natação: vivências específicas e conhecimentos teóricos básicos. Colectânea de textos, pp. 281-352. AE

FCDEF-UP. Porto.

Vilas-Boas, J. P. (1998a). A avaliação objectiva dos factores de rendimento em nadadores: contributo para o desenvolvimento da natação em Portugal. Documento de apoio à disciplina Metodologia I - Natação. FCDEF-UP, Porto. Documento de apoio à disciplina Metodologia I - Natação. FCDEF-UP, Porto.

Vilas-Boas, J.P. (1998b). Concepção, planeamento e operacionalização de um macrociclo de treino em natação.à disciplina Metodologia I - Natação. FCDEF-UP, Porto. Comunicações do XXI Congresso Técnico-Científico da

Comunicações do XXI Congresso Técnico-Científico da Associação Portuguesa de Técnicos de Natação. Porto.

Vilas-Boas, J.P.; Soares, S. (2003). O ensino-aprendizagem das técnicas de nado. Mariposa, Costas, Bruços e Crol. Textos de apoio da II Acção de Formação do Viana Natação Clube - "O Ensino da Natação no Sistema E d u c a t i v o O Ensino da Natação no Sistema Educativo". VianaNC, Viana do Castelo.

Whitten, P. (1994). The complete book of swimming. Random House. New York. The complete book of swimming. Random House. New York.

http://www.efdeportes.com/efd63/natacao.htm[04-07-2009 14:28:04]