Vous êtes sur la page 1sur 4

Autores:

Andréa Lacerda Bachettini Mestre em História Especialista em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis Especialista em Patrimônio Cultural - Conservação de Artefatos Bacharel em Pintura e Gravura Conservadora e Restauradora de Bens Culturais Móveis da Restauratus

Naida Maria Vieira Corrêa Especialista em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis Licenciada em Desenho e Plástica Conservadora e Restauradora do Museu de Arte do Rio Grande do Sul Presidente da ACOR-RS Conservadora e Restauradora de Bens Culturais Móveis da Restauratus

Patricia Schossler Mestre em Química -Orgânica – Química de Bens Culturais Bacharel em Química

Atelier: Restauratus Conservação e Restauração de Bens Móveis Ltda.

Endereço Eletrônico: bachetta@terra.com.br

Título do Trabalho: A restauração de “The Rejalma” - Obra pertencente à Pinacoteca Rubem Berta, considerada a pintura mais antiga do Acervo Artístico da Secretária Municipal de Cultura da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

Palavras Chaves: Pintura de Cavaleti, Restauração, Reentelamento, Acervo Público

Equipe Técnica Restauratus:

Andréa Lacerda Bachettini – Restauradora. Naida Maria Vieira Corrêa – Restauradora. Patrícia Schossler – Química de Bens Culturais Keli Cristina Scolari – Estagiária CECOR

Este trabalho tem como objetivo apresentar o processo de restauração da pintura “The Rejalma”, considerada a pintura de cavalete mais antiga do acervo artístico da Prefeitura de Porto Alegre. A obra é uma marinha, executada na técnica de óleo s/ tela, medindo 117x167 cm e tem autoria atribuída ao pintor Holandês Jeronimus Van Diest.

autoria atribuída ao pintor Holandês Jeronimus Van Diest. Fig. 01 - The Rejalma Fig. 02 -

Fig. 01 - The Rejalma

pintor Holandês Jeronimus Van Diest. Fig. 01 - The Rejalma Fig. 02 - De talhe do

Fig. 02 - Detalhe do céu, perdas da camada pictórica.

A obra chegou ao atelier apresentando várias intervenções anteriores.

A pintura já havia passado por um processo de reentelamento e apresentava

suas bordas originais recortadas. A camada pictórica apresentava várias áreas com repinturas e o verniz oxidado dificultava a visualização de elementos figurativos da pintura. Este reentelamento anterior apresentava desprendimento em vários pontos, ocasionando ondulações e bolhas. O tecido do reentelamento além de estar fragilizado apresentava costura horizontal na parte superior que ia de uma extremidade à outra da obra. Havia grande presença de fungos, áreas com craquelês e perfurações. No exame com lâmpada UV verificou-se a florescência do verniz e a grande quantidade de repinturas principalmente nas áreas do céu e mar.

de r epinturas principalmente nas áreas do céu e mar. Fig. 03 - Remoção do reentelamento.

Fig. 03 - Remoção do reentelamento.

áreas do céu e mar. Fig. 03 - Remoção do reentelamento. Fi g. 04 - Detalhe

Fig. 04 - Detalhe da remoção do reentelamento.

Para o novo reentelamento foi confeccionado um bastidor auxiliar com dimensões maiores que a da mesa térmica, pois a obra apresentava dimensão maior que a mesa térmica existente no atelier. Nesta etapa foi estirado no bastidor auxiliar o linho que já havia sido lavado diversas vezes. Para encolagem do tecido foram aplicadas duas de mão de Primal B72 (1:1) e posteriormente o adesivo Beva 371. O bastidor auxiliar foi muito importante para o processo de reentelamento, porque a obra tinha as dimensões maiores que a mesa térmica, então com auxílio do bastidor foi possível fazer com que a pintura deslizasse sobre a mesa, fixando e planificando a tela em duas etapas, primeiramente a parte inferior da pintura que apresentava mais ondulações e em seguida a parte superior. Ao lado da mesa térmica foram colocadas duas mesas auxiliares com a mesma altura para facilitar o deslizamento do bastidor. Foram utilizados rolos de borracha para ajudar na fixação do tecido original ao novo tecido.

Fig.05 - Novo reentelamento. Fi g.06 - Colocação de pesos sobre a obra. Após o

Fig.05 - Novo reentelamento.

Fig.05 - Novo reentelamento. Fi g.06 - Colocação de pesos sobre a obra. Após o processo

Fig.06 - Colocação de pesos sobre a obra.

Após o processo de ativação e fixação da Beva foram colocados sobre a pintura uma placa de madeira e fórmica com diversos pesos, até o esfriamento completo da obra. O resultado do processo do reentelamento foi excelente, a obra ficou fixada e planifica em sua totalidade. A próxima etapa foi o estiramento da tela no bastidor original. Antes de iniciarmos o processo de nivelamento e preenchimento das lacunas da camada pictórica, aplicou-se uma camada de verniz Damar como forma de preservar a pintura original e também para saturar as cores, assim facilitando a reintegração pictórica. Levando em consideração a importância desta pintura no acervo a qual pertence, foram realizados exames científicos para identificação de alguns materiais constitutivos que contribuirão muito para formação histórica da obra. São poucas as informações existentes sobre a pintura. Sabe-se que o acervo que ela pertence veio para as dependências dos Diários e Emissoras Associados em Porto Alegre em 1967, como parte do projeto de Assis Chateaubriand para criar Museus Regionais, de alto valor artístico em vários pontos do país. Para aquisição do acervo Chateaubriand contou com ajuda de Pietro Maria Bardi. Este acervo foi doado para Prefeitura de P.A. em 10 de novembro de 1971 pela Direção dos Diários Associados, sua composição original não foi alterada.(BRITES, B.)

sua composição original não foi alterada.(BRITES, B.) Fig 0 Remoção de amostra A caracterização dos materiais

Fig 0 Remoção de amostra

A caracterização dos materiais pictóricos constitutivos da obra “The Rejalma” envolveu a identificação de um pigmento azul e um pigmento branco. As micro- amostras foram coletadas em áreas de perda da tela, e como técnica físico-química de análise foi utilizada a Microscopia de Luz Polarizada para identificação dos pigmentos. Para confirmação dos resultados foram realizados testes microquímicos. O processo de restauro juntamente com as análises científicas contribuirá para complementação das informações históricas sobre a pintura, podendo confirmar ou não, os poucos dados existentes sobre a obra “The Rejalma”.

Bibliografia

BALDINI, Umberto. Teoria del restauro e unitá di metodologia. Firenze: Nardini, 1982. Vol. 1 e 2. BRITES, Blanca. Dois acervos especiais. Catálogo geral Pinacotecas Rubem Berta/ Pinacoteca Aldo Locatelli. Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre. 1991. CENNINO, Cennini. Tratado de la pintura – el libro de arte. Barcelona: Edit. Meseguer, 1979. GETTENS, R. J.; STOUT, G.L. Painting material: a short enciclopaedia. New York:D. V Nostrand, 1942 GOMES, Paulo. Em torno de uma obra da Pinacoteca Rubem Berta, Porto Alegre, RS. S/d. HAARTAMAN, Etrella Arcos Von, GORDILLO, Jose Rodríguez e NAVAS, Antonio Sánchez. Metodologia y tecnologia en la restauración de obras pictóricas del siglo de oro español de la catedral de Almeria. Granada: Servicio de Puplicaciones de la Universidad de Granada, 1992. KLEINER, L. Masschelein. Los solvants; Cour de conservation. Bruxelles: Institut Royal du Patrimoine Artitique, 1994. NICOLAUS, Knut. Manual de restauração de cuadros. Köln: Könemann, 1999.