Vous êtes sur la page 1sur 27

Aula 21 - Quadros Resumos

Curso: Contabilidade Pública p/ CAGE/SEFAZ/RS
Professor: Giovanni Pacelli
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 1 de 69
AULA 21: Principais Quadros e Figuras.

Figura: Campo de aplicação Preliminar da Contabilidade Pública



Quadro: Escopo do campo de atuação da CASP
Integralmente
Entidades governamentais (integrantes do OF e do OSS).
Serviços sociais.
Conselhos profissionais.
Parcialmente
“demais
entidades do
setor público”
Personalidade jurídica de direito privado (inclusive
integrantes do OI) que recebam, guardem, movimentem,
gerenciem ou apliquem recursos públicos, na execução de
suas atividades.
Pessoas físicas que recebam subvenção, benefício, ou
incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público.















40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 2 de 69
Quadro: Classificação quanto à natureza da despesa (1º e 2º níveis)
Categoria econômica Grupos de natureza da despesa
3.Despesas Correntes
3.1 Pessoal e encargos sociais
3.2 Juros e encargos da dívida
3.3 Outras despesas correntes
4.Despesas de Capital
4.4 Investimentos
4.5 Inversões Financeiras
4.6 Amortização da dívida
Fonte: MCASP – Parte I (2012).

Quadro: Classificação quanto à natureza da receita (1º e 2º níveis)
Categoria Econômica Origem
1 - Receitas Correntes

1.1-Tributária
1.2-Contribuições
1.3-Patrimoniais
1.4-Agropecuárias
1.5-Industriais
1.6-Serviços
1.7-Transferências correntes
1.9-Outras receitas correntes
2 - Receitas de Capital
2.1-Operações de Crédito
2.2-Alienação de bens
2.3-Amortização de empréstimos
2.4- Transferências de capital
2.5- Outras receitas de capital
Fonte: MTO 2014













40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 3 de 69
Quadro: diferenças e características dessas entidades.
Item Sociedade de Economia Mista Empresa Pública
Diferença 1
As sociedades de economia mista devem ter a forma
de Sociedade Anônima (S/A), sendo reguladas,
basicamente, pela Lei das Sociedades por Ações (Lei
n° 6.404/1976).
As empresas públicas podem revestir-se de qualquer das formas
admitidas em direito (sociedades civis, sociedades comerciais,
Ltda., S/A etc.).
Diferença 2
O capital das sociedades de economia mista é formado
pela conjugação de recursos públicos e de recursos
privados. As ações, representativas do capital, são
divididas entre a entidade governamental e a iniciativa
privada. Exige a lei, porém, que nas sociedades de
economia mista federais a maioria das ações com
direito a voto pertençam à União ou a entidade de
Administração Indireta Federal (Decreto Lei 200/67,
art. 5°, III), ou seja, o controle acionário dessas
companhias é do Estado.
O capital das empresas públicas é integralmente público, isto é,
oriundo de pessoas integrantes da Administração Pública. Não há
possibilidade de participação de recursos particulares na formação
do capital das empresas públicas. A lei permite, porém, desde que
a maioria do capital votante de uma empresa pública federal
permaneça de propriedade da União, a participação no capital de
outras pessoas jurídicas de direito público interno, bem como de
entidades da Administração Indireta da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios (Decreto-lei 200, art. 5°, II). O
mesmo raciocínio aplicável às empresas públicas de outras esferas
da Federação.
Diferença 3
As sociedades de economia mista federais não foram
contempladas com o foro processual da Justiça
Federal, sendo suas causas processadas e julgadas na
Justiça Estadual.
As sociedades de economia mista estaduais e
municipais terão, da mesma forma, suas causas
processadas e julgadas na Justiça Estadual.
As causas em que as empresas públicas federais forem
interessadas nas condições de autoras, rés, assistentes ou
opoentes, exceto as de falência, as de acidente do trabalho e as
sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho, serão
processadas e julgadas pela Justiça Federal (CF, art. 109, I). As
empresas públicas estaduais e municipais terão suas causas
processadas e julgadas na Justiça Estadual.
40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 4 de 69
Característica
comum 1
Subordinam-se a lei 8666/1993 (lei de licitações). Apesar disso, os percentuais dos limites de dispensa são 20% (vinte por
cento)
1
.
Característica
comum 2
Sempre aplicam contabilidade societária (lei 6404/1976 atualiza). Porém, se vierem a se tornar empresa estatal
dependente, passam a utilizar também a contabilidade pública (lei 4320/1964).

1
Art. 24. É dispensável a licitação: I - para obras e serviços de engenharia de valor até 10% (dez por cento) do limite previsto na alínea "a", do inciso I do
artigo anterior, desde que não se refiram a parcelas de uma mesma obra ou serviço ou ainda para obras e serviços da mesma natureza e no mesmo local
que possam ser realizadas conjunta e concomitantemente;
II - para outros serviços e compras de valor até 10% (dez por cento) do limite previsto na alínea "a", do inciso II do artigo anterior e para alienações, nos
casos previstos nesta Lei, desde que não se refiram a parcelas de um mesmo serviço, compra ou alienação de maior vulto que possa ser realizada de uma
só vez.

40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 20


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 5 de 55
Quadro: Estrutura do Patrimônio Público conforme o Plano de Contas
novo (este é que será cobrado doravante)
1.Ativo 2.Passivo
1.1. Ativo Circulante 2.1. Passivo Circulante
1.2. Ativo não circulante 2.2. Passivo Não Circulante
2.3. Patrimônio Líquido
Observação: A contabilidade pública além do patrimônio público
contabiliza o registro dos contratos.


Quadro: Diferenças na contabilização dos bens públicos
Tipo de
bens
Contabilização Sistema
utilizado no
caso da União
Podem ser
alienados?
Plano de contas
tradicional
Plano de contas
novo
Especiais Ativo permanente Ativo não circulante SPIU net Não
Dominiais Ativo permanente Ativo não circulante SIAPA Sim
Uso
comum
Não eram
contabilizados
Ativo não circulante - Não

Quadro: Etapas e subníveis da receita e da despesa
Etapa Receita Despesa
Planejamento
Metodologia de projeção das
receitas orçamentárias
Fixação
Descentralizações de créditos
orçamentários
Programação orçamentária e
financeira
Processo de licitação e
contratação
Execução
Lançamento Empenho
Arrecadação Liquidação
Recolhimento Pagamento
Controle e
Avaliação
Controle e Avaliação Controle e Avaliação
Fonte: MCASP – Parte I (2013); MTO (2013).






40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 20


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 6 de 55
Quadro: Exemplos de eventos
Momento da “Apropriação da
Receita” (em que ocorre o
aumento do PL) Fato Gerador
Momento da “Apropriação da
Despesa” (em que ocorre a
redução do PL) Fato Gerador
Antes da
Arrecadação
Registro do IPTU a
receber, aplicação de
multa, inscrição da
dívida ativa.
Antes do
empenho
Provisão do 13º salário
em janeiro a ser
liquidado e pago em
dezembro.
Na arrecadação Receita de serviços. Na Liquidação
Despesas com serviços
de limpeza.
Após a
arrecadação
Venda a termo
(similar a receitas a
vencer da
Contabilidade Geral;
FG: entrega do
produto).
Após o
pagamento
Despesas com material
de consumo (FG: baixa
do material); despesas
com aquisição de
periódicos (FG: perda
do direito); despesas
com suprimento de
fundo (FG: prestação
de conta).
















40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 20


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 7 de 55
Figura 1: Cronologia de 2008 a 2014 dos Sistemas/Subsistemas de contas
2008
NBCT 16
(publicação)
Sistemas
existentes
2009 2010 a 2012
Sistemas
existentes
01.01.2009
Patrimonial
Financeiro
Orçamentário
Compensação
Patrimonial
Financeiro
Orçamentário
Compensação
01.01.2010
Subsistemas
existentes
Patrimonial
Financeiro
Orçamentário
Compensação
Custos
Sistemas
existentes (caso o
ente queira deixar
para adotar ao
final do processo)
Patrimonial
Financeiro
Orçamentário
Compensação
NBCT 16
(alteração)
Patrimonial
Orçamentário
Compensação
Custos
Subsistemas
existentes
2013 a 2014
Patrimonial
Orçamentário
Compensação
Custos
Subsistemas
existentes
01.01.2013
Prazo inicial para a
adoção do novo Plano
de Contas pela União,
Estados e DF e
Municípios
31.12.2014
Prazo final para a
adoção do novo Plano
de Contas pela União,
Estados e DF e
Municípios
Patrimonial
Financeiro
Orçamentário
Compensação



Quadro: Sistemas e subsistemas
Sistemas/ Subsistemas
Utilizados
efetivamente pelos
operadores da CASP?
Podem ser cobrados
para fins teóricos em
concursos?
Sistemas: patrimonial,
financeiro, orçamentário,
compensação.
Sim, até 31/12/2014.
Estamos na fase de
transição.
Apenas nos editais que
citem o plano antigo ou
sistema financeiro
Subsistemas: patrimonial,
orçamentário,
compensação e de custos.
Sim



40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 20


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 8 de 55
Quadro: Receitas efetivas e não efetivas
Classificação Conceito
Exemplo de
receita corrente
Exemplo de
receita de
capital
Receita
Orçamentária
Efetiva
Aquela que, no momento
do reconhecimento do
crédito, aumenta a
situação líquida
patrimonial da
entidade. Constitui fato
contábil modificativo
aumentativo.
Receitas tributárias,
de contribuições,
patrimoniais,
agropecuárias,
industriais, de
serviços, de
transferências
correntes.
Transferências de
capital.
Receita
Orçamentária
não Efetiva (por
mutação
patrimonial)
Aquela que não altera a
situação líquida
patrimonial no
momento do
reconhecimento do
crédito e, por isso,
constitui fato contábil
permutativo.
Receita da dívida
ativa.
Operações de
crédito, alienação
de bens,
amortização de
empréstimos.















40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 20


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 9 de 55
Quadro: Despesas efetivas e não efetivas
Classificação Conceito
Exemplo
de receita
corrente
Exemplo de
receita de
capital
Despesa
Orçamentária
Efetiva

Aquela que, no momento de sua
realização, reduz a situação
líquida patrimonial da
entidade. Constitui fato
contábil modificativo
diminutivo.
Despesas
de pessoal e
encargos
sociais;
juros de
encargos da
dívida.
Despesas com
transferências de
capital (despesas
com auxílios).
Despesa
Orçamentária
não Efetiva (por
mutação
patrimonial)

Aquela que, no momento da sua
realização, não reduz a
situação líquida patrimonial
da entidade e constitui fato
contábil permutativo. Neste
caso, além da despesa
orçamentária, registra-se
concomitantemente conta de
variação aumentativa para
anular o efeito dessa despesa
sobre o patrimônio líquido da
entidade.
Despesa
como
aquisição de
material de
consumo.
Despesas com
investimentos,
inversões
financeiras e
amortização da
dívida.











40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 20


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 10 de 55
Quadro: Subsistemas de informações contábeis
Sistema Conceito
Subsidia a
Administração Pública
com informações sobre
Orçamentário
Registra, processa e evidencia os
ATOS E OS FATOS relacionados ao
planejamento e à execução
orçamentária.
-Orçamento;
-Programação e execução
orçamentária;
-Alterações orçamentárias;
-Resultado orçamentário.
Patrimonial
Registra, processa e evidencia os
FATOS financeiros e não
financeiros relacionados com as
variações qualitativas e
quantitativas do patrimônio público.
- Alterações nos elementos
patrimoniais;
- Resultado econômico;
- Resultado nominal.
Compensação
Registra, processa e evidencia os
ATOS de gestão cujos efeitos
possam produzir modificações no
patrimônio da entidade do setor
público, bem como aqueles com
funções específicas de controle.
-Alterações potenciais nos
elementos patrimoniais;
-Acordos, garantias e
responsabilidades.
Custos
Registra, processa e evidencia
os custos dos bens e serviços,
produzidos e ofertados à sociedade
pela entidade pública.
- Custos dos programas,
dos projetos e das
atividades desenvolvidas;
- Bom uso dos recursos
públicos;
-Custos das unidades
contábeis







40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 20


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 11 de 55
Quadro: Subsistemas Contábeis e atos e fatos relacionados
Subsistema Exemplos
Patrimonial
Trata das movimentações das contas caixa, banco conta
movimento, aplicações financeiras.
Fatos financeiros relacionados a: arrecadação de
receitas; recebimento de recursos por cota, repasse
ou sub-repasse (interferências ativas); concessão de
recursos por cota, repasse ou sub-repasse
(interferências passivas); pagamento de fornecedores;
pagamento de restos a pagar; pagamento de pessoal
a pagar; recebimento de depósito de terceiros; devolução
de depósitos de terceiros etc.
Fatos não financeiros relacionados a movimentações das
contas: bens móveis e bens imóveis (alienações,
compras, doações e transferências), estoques, operações
de crédito, inscrição e baixa da dívida ativa, direitos
(não financeiros), obrigações, acréscimos e decréscimos
patrimoniais, transferências de bens e valores.
Liquidação efetiva dos restos a pagar não processados;
Pagamento dos Restos a Pagar Processados e não
Processados (neste caso se já tiverem sido liquidados
efetivamente).
Compensação
Trata das movimentações das contas contratos,
convênios, avais, fianças, garantias, responsabilidade
por suprimento de fundos.
Controle da Disponibilidade de Recursos cujos registros
contábeis ocorrem: na arrecadação da receitas; no
empenho, na liquidação e no pagamento da despesa.
Custos Não há registros disponíveis.
Orçamentário
Trata da Previsão da Receita, Fixação da Despesa, Abertura
de Créditos Adicionais, Movimentação de Crédito (Interna =
Provisão; Externa = Destaque) e respectivas anulações,
Empenho da Despesa, Liquidação e Pagamento da Despesa
e respectivas anulações, Arrecadação da Receita.
Controle da inscrição e execução dos restos a pagar.

Por fim, apresento a vocês agora a dica suprema voltada para os
SUBSISTEMAS.
40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 20


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 12 de 55
Figura: Dica suprema para os SUBSISTEMAS DE CONTAS
É um ATO ou
um FATO?
É um ATO.
É um FATO.
Orçamentário
Extra-orçamentário
Orçamentário
Extra-orçamentário
Aprovação do Orçamento (previsão da receita e fixação da despesa).
Movimentação de crédito (provisão/destaque).
Inscrição de restos a pagar (processados e não processados).
Subsistema Orçamentário
apenas.
Assinatura/Baixa de Contrato.
Assintatura/Baixa de Convênio.
Assinatura/Baixa de Garantia.
Subsistema de Compensação
apenas.
-Pagamento da despesa orçamentária.
-Arrecadação de receita orçamentária.
Contratação/Pagamento de ARO
Recebimento/Devolução de Depósitos
Recebimento/Concessão de bens em doação.
Depreciação/Reavaliação.
Envolve receitas e despesas
efetivas ou não efetivas?
Efetivas
Não efetivas
Subsistemas Patrimonial e
de Compensação
Subsistemas Orçamentário,
Patrimonial e Compensação.
Subsistema Patrimonial
apenas.

Legenda: Sabe-se que os restos a pagar constam na programação orçamentária e financeira e seriam em tese acompanhados
extra-orçamento. Porém, o novo plano de contas insere os restos a pagar dentro do subsistema orçamentário.
40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 13 de 26
Quadro: Principais eventos versus subsistemas
Evento Subsistemas envolvidos
Previsão da Receita Subsistema Orçamentário.

Arrecadação da Receita efetiva
e não efetiva.
Subsistemas: Orçamentário, Patrimonial
e de Compensação.
Fixação da Despesa (na LOA
ou nos créditos adicionais)
Subsistema Orçamentário.

Empenho e sua anulação de
despesas efetiva e não efetiva
Subsistemas: Orçamentário e
Compensação (por conta do controle da
disponibilidade de recursos).
Em alguns casos Subsistema
Patrimonial.
Liquidação de despesas efetiva
e não efetiva.
Subsistema Orçamentário e
Compensação (por conta do controle da
disponibilidade de recursos).
Em alguns casos Subsistema
Patrimonial.
Pagamento da Despesa de
despesas efetiva e não efetiva.
Subsistemas:Orçamentário, Patrimonial e
de Compensação.
Movimentação de Crédito
(provisão/destaque)
Subsistema Orçamentário.
Movimentação Financeira
Subsistemas: Patrimonial e de
Compensação.
Doação de bens Subsistema Patrimonial.
Prescrição de dívidas Subsistema Patrimonial.
Assinatura de Contrato,
Convênio.
Subsistema de Compensação.
Recebimento/Devolução de
Depósitos
Subsistemas: Patrimonial e de
Compensação.
Contratação/Pagamento de
ARO
Subsistemas: Patrimonial e de
Compensação.





40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 14 de 26
Quadro: Natureza das transações no setor público
Natureza Descrição
Econômico-
financeira
Corresponde às transações ORIGINADAS DE FATOS
que afetam o patrimônio público, em decorrência, ou
não, da execução de orçamento, podendo provocar
alterações qualitativas ou quantitativas, efetivas
ou potenciais.
Administrativa
Corresponde às transações que não afetam o
patrimônio público, ORIGINADAS DE ATOS
ADMINISTRATIVOS, com o objetivo de dar
cumprimento às metas programadas e manter em
funcionamento as atividades da entidade do setor
público.

Figura: Subdivisão das variações patrimoniais








40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 15 de 26
Figura: Dica Suprema das Transações no Setor Público
Variações
Patrimoniais
F
Quantitativas
Qualitativas
Orçamentárias
Extra-orçamentárias
Orçamentárias
Extra-orçamentárias
Receitas efetivas e despesas efetivas
Superveniências e Insubsistências (acréscimos e decréscimos patrimoniais)
Receitas e despesas não efetivas
Receitas extra-orçamentárias e depesas extra-orçamentárias
Regra geral: Subsistema Patrimonial.
Em alguns casos: Subsistema
Patrimonial e de Compensação.
Subsistema Patrimonial apenas.
Subsistema Orçamentário, Patrimonial
e Compensação.
Subsistema Orçamentário, Patrimonial
e Compensação.
Cotas, repasses e subrepasses decorrentes de provisões do mesmo exercício
Cotas, repasses e subrepasses decorrentes de provisões do exercício anterior
Subsistema de Compensação e
Patrimonial apenas.
Movimentação de bens entre órgãos da mesma gestão Subsistema Patrimonial apenas.
Subsistema de Compensação e
Patrimonial apenas.
Transações no
Setor Público
Transações
Econômico-
Financeiras
Transações
Administrativas
Atos  Por ensejarem registros
compensatórios são transações
qualitativas.
Orçamentários
Extra-Orçamentários
Previsão da Receita, Fixação da Despesa, Provisão, Destaque Subsistema Orçamentário apenas.
Assinatura de Contratos, Convênios Subsistema de Compensação apenas.

40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 16 de 26
Quadro: Dica suprema II para FATOS administrativos
Que tipo de fato
ocorreu?
Identificação
inicial
Houve
arrecadação
da receita ou
liquidação da
despesa no
processo?
Dedução Exemplos mais comuns
Modificativo
aumentativo
(Variações
Quantitativas)
Houve aumento
do Ativo e do
PL
Sim
Variação Quantitativa
Aumentativa
Orçamentária  Receita
efetiva

Receitas tributárias, de
contribuições, patrimoniais, serviços,
industriais.
Não
Variação Quantitativa
Aumentativa Extra-
Orçamentária 
Superveniência do Ativo
Inscrição da dívida ativa, nascimento
de semoventes, recebimento de bens
em doação.
Modificativo
diminutivo
(Variações
Quantitativas)
Houve
diminuição do
Ativo e do PL
Sim
Variação Quantitativa
Diminutiva  Despesa
efetiva
Despesa com pessoal, com juros,
com serviços de terceiros, com
diárias e passagens, despesas de
transferências correntes
(subvenções) transferências de
capital (auxílios) [quando ocorre
simultaneamente a liquidação e o
pagamento].
Não
Variação Quantitativa
Diminutiva Extra-
Orçamentária 
Insubsistência do Ativo
Saída de material de consumo do
almoxarifado, furto de veículo, morte
de semovente, baixa da dívida ativa,
doação de bens a terceiros,
depreciação/amortização.
40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 17 de 26
Modificativo
diminutivo
(Variações
Quantitativas)
Houve aumento
do Passivo e
diminuição do PL
Sim
Variação Quantitativa
Diminutiva Orçamentária
 despesa efetiva
Despesa com pessoal, com juros etc
(quando ocorre apenas a
liquidação).
Não
Variação Quantitativa
Diminutiva Extra-
Orçamentária 
Superveniência do
Passivo
Encampação de dívidas de terceiros,
correção monetária/cambial da dívida
fundada.
Modificativo
aumentativo
(Variações
Quantitativas)
Houve
diminuição do
Passivo e
aumento do PL
Sim
Variação Quantitativa
Aumentativa
Orçamentária
Essa situação não ocorre na CASP vide
figura 4.
Não
Variação Quantitativa
Aumentativa Extra-
Orçamentária 
Insubsistência do Passivo

Perdão/Prescrição de dívidas passivas,
cancelamento de restos a pagar.
Permutativo
(Variações
Qualitativas)
Aumento do
Ativo e Aumento
do Passivo
Sim Receita não efetiva Receita de operação de crédito
Não
Receita
extraorçamentária
Depósito de cauções, contratação de
ARO.
Diminuição do
Ativo e do
Passivo
Sim Despesa não efetiva
Despesa de amortização da dívida,
despesa corrente com aquisição de
material de consumo, despesa
corrente com suprimento de fundo no
momento da concessão.
Não
Despesa
extraorçamentária
Devolução de cauções, pagamento de
ARO, pagamento de restos a pagar.
Aumento e
Diminuição
simultânea do
Ativo
Sim
Receita não efetiva
Receita de alienação de bens, receita
de amortização de empréstimos.
Despesa não efetiva
Despesa com aquisição de veículos,
imóveis, máquinas, equipamentos;
aquisição de participações acionárias;
concessão de empréstimos.

40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 18 de 26
Quadro: Evolução das alterações das demonstrações contábeis no setor público
Demonstração
Contábil
Existia
originalmente
na lei
4320/1964
Foi inserida no rol dos
Demonstrativos
Contábeis do Setor
Público pela NBCT 16
em 2008?
Foi introduzida no
anexo da lei
4320/1964
alterado pela
Portaria
665/2010?
Continua na lei
4320/1964 após
a publicação da
Portaria
438/2012?
Consta na
versão
atualizada da
NBC 16.6?
Balanço Patrimonial SIM SIM SIM SIM SIM
Balanço
Orçamentário
SIM SIM SIM SIM SIM
Balanço Financeiro SIM SIM SIM SIM SIM
Demonstração das
Variações
Patrimoniais
SIM SIM SIM SIM SIM
Demonstração dos
Fluxos de Caixa
NÃO SIM SIM SIM SIM
Demonstração do
Resultado
Econômico
NÃO SIM SIM NÃO
NÃO, apenas
como
informação
gerencial.
Demonstração das
Mutações do
Patrimônio Líquido
NÃO NÃO
Apenas para as Empresas Estatais
Dependentes e para os entes que as
incorporarem no processo de consolidação
das contas.
SIM
Notas Explicativas NÃO NÃO Não, como demonstração contábil. SIM
Legenda: A Portaria 438/2012 revogou a portaria 665/2010. Porém, ambas alteraram os anexos da lei 4320/1964.
40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 19 de 26
Quadro: Índices da execução orçamentária
Fórmula Análise
Receita Executada –
Despesa Executada
Resultado Orçamentário > 0 
superávit orçamentário;
Resultado Orçamentário < 0 Déficit
 déficit orçamentário.
Receita Corrente Executada –
Despesa Corrente Executada
Se > 0  superávit corrente;
Se < 0  déficit corrente
Receita de Capital Executada –
Despesa de Capital Executada
Se > 0  superávit de capital;
Se < 0  déficit de capital
Receita Executada -
Receita Prevista

Se < 0  insuficiência de
arrecadação
Se > 0  excesso de
arrecadação
Despesa Executada –
Despesa Fixada
Se <0  economia de despesa
Se > 0  excesso de gastos

Quadro: Índices contábeis MCASP
Índice/Informação Fórmula
Restos a Pagar Processados
inscritos no exercício
Despesas Liquidadas – Despesas Pagas
Restos a Pagar não Processados
inscritos no exercício
Despesas Empenhadas – Despesas Liquidadas
Quociente do Equilíbrio
Orçamentário
Previsão Inicial da Receita ÷
Dotação Inicial da Despesa
Quociente de Execução da
Receita
Receita Realizada ÷
Previsão Atualizada da Receita
Quociente de Desempenho da
Arrecadação
Receita Realizada ÷
Previsão Inicial da Receita
Quociente de Utilização do
Excesso de Arrecadação
Créditos Adicionais abertos por meio de
excesso de arrecadação ÷
Total do excesso de arrecadação
Quociente de Utilização do
Superávit Financeiro
Créditos Adicionais Abertos por meio de
superávit financeiro ÷ Total do superávit
financeiro apurado no exercício anterior
Quociente de Execução da
Despesa
Despesa Executada ÷ Dotação Atualizada
Quociente do Resultado
Orçamentário
Receita Realizada ÷ Despesa Empenhada
Quociente da Execução
Orçamentária Corrente
Receita Realizada Corrente ÷ Despesa
Empenhada Corrente
Quociente Financeiro Real da
Execução Orçamentária
Receita Realizada ÷ Despesa paga
40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 20 de 26
Quadro: Principais produtos do Balanço Financeiro para fins de análise
Produto Fórmula
Resultado
Financeiro do
Exercício
Disponibilidades para o exercício seguinte
– disponibilidades exercício anterior
Ingressos - Dispêndios
Valores
efetivamente pagos
no exercício
(Dispêndios orçamentários +
dispêndios extraorçamentários) –
(valores inscritos em restos a pagar e em
serviço da dívida a pagar)
Valores
orçamentários
efetivamente pagos
no exercício
(Dispêndios orçamentários) –
(valores inscritos em restos a pagar e
em serviço da dívida a pagar)
Valores que
realmente
ingressaram no
exercício
(Ingressos) – (valores inscritos em
restos a pagar e em serviço da dívida
a pagar)
Valores extra-
orçamentários que
realmente
ingressaram no
exercício
(Ingressos ExtraOrçamentários) –
(valores inscritos em restos a pagar e
em serviço da dívida a pagar)
Valor do aumento
ou da diminuição
do saldo da conta
restos a pagar
a
Valores que entraram –
Valores que saíram
Legenda: a) O mesmo raciocínio vale para: serviço da dívida a pagar e
depósitos.

Quadro: Índices contábeis MCASP
Índice Fórmula
Quociente Orçamentário
do Resultado Financeiro
(Receita Orçamentária –
Despesa Orçamentária) ÷
(Saldo para o exercício seguinte –
Saldo do exercício anterior)
Quociente do Resultado
dos Saldos Financeiros
Saldo para o exercício seguinte ÷
Saldo do exercício anterior








40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 21 de 26
Quadro: Principais índices do Balanço Patrimonial
Fórmula Produto
Ativo Financeiro – Passivo Financeiro Se > 0 Superávit Financeiro;
Se < 0 Déficit Financeiro
Ativo real – Passivo real
(Saldo Patrimonial)
Se > 0 Ativo Real líquido;
Se < 0  Passivo Real a descoberto
Passivo Real – Ativo Real
(Saldo Patrimonial)
Se > 0 Passivo Real a descoberto;
Se < 0  Ativo Real líquido
Saldo Patrimonial de (A+1) – Saldo
Patrimonial de (A)
Resultado Patrimonial (DVP)
Ativo Real Líquido de (A+1) – Ativo
Real Líquido de (A)
Resultado Patrimonial (DVP)



Quadro: Índices do Balanço Patrimonial no Setor Público conforme o
MCASP – Parte V
Índice Fórmula O que indica?
Liquidez
Imediata
Disponível/Passivo
Circulante
Indica a capacidade financeira da
entidade em honrar
imediatamente seus
compromissos de curto prazo
contando apenas com suas
disponibilidades, ou seja, os
recursos disponíveis em caixa ou
bancos.
Liquidez
Corrente
Ativo Circulante/Passivo
Circulante
Demonstra quanto a entidade
poderá dispor em recursos a curto
prazo (caixa, bancos, clientes,
estoques, etc.) para pagar suas
dívidas circulantes (fornecedores,
empréstimos e financiamentos a
curto prazo, contas a pagar, etc.).
Liquidez Seca
(Ativo Circulante – Itens
Não Monetários)/Passivo
Circulante
Demonstra quanto a entidade
poderá dispor de recursos
circulantes, sem levar em
consideração seus itens não
monetários como os estoques,
almoxarifados e as despesas
antecipadas, para fazer face às
suas obrigações de curto prazo
Liquidez Geral
Ativo Circulante + Ativo
Realizável a Longo Prazo /
Passivo Circulante +
Passivo Exigível a Longo
Prazo
É uma medida de capacidade da
entidade em honrar todas as suas
exigibilidades, contando, para
isso, com os seus recursos
realizáveis a curto e longo prazos.
40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 22 de 26
Índice de
Solvência
(Ativo Circulante + Ativo
Não-Circulante) / (Passivo
Circulante + Passivo Não-
Circulante)
Uma entidade é solvente quando
está em condições de fazer frente
a suas obrigações e ainda
apresenta uma situação
patrimonial que garanta sua
sobrevivência no futuro.
Endividamento
Geral
(Passivo Circulante +
Passivo Não-Circulante) /
Ativo Total
Esse índice demonstra o grau de
endividamento da entidade.
Reflete também a sua estrutura
de capital.
Composição do
Endividamento
Passivo Circulante /
(Passivo Circulante +
Passivo Não-Circulante).

Representa a parcela de curto
prazo sobre a composição do
endividamento total. Geralmente
é melhor para a entidade que
suas dívidas sejam de longo prazo


Quadro: Índices contábeis MCASP Parte V - DVP
Índice Fórmula
Quociente do Resultado das
Variações Patrimoniais
Total das Variações Patrimoniais Aumentativas ÷
Total das Variações Patrimoniais Diminutivas

Quadro: Dica
Balanço Patrimonial
Ativo
Circulante
Caixa e equivalente caixa
Passivo Circulante (FO)
Demais componentes (FO)
Ativo Não Circulante (FI)
Passivo Não Circulante (FF)
Saldo Patrimonial
Legenda: FO  Fluxo Operacional; FI  Fluxo de Investimento; FF 
Fluxo de Financiamento.








40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 23 de 26
Quadro 6: Índices da DFC
Índice Fórmula Interpretação
Quociente do fluxo de
caixa líquido das
atividades operacionais
em relação ao resultado
patrimonial
= caixa líquido das
atividades
operacionais /
Resultado Patrimonial
da DVP.
A interpretação desse
quociente indica a dispersão
entre o fluxo de caixa
operacional gerado e o
resultado patrimonial do
exercício.
Quociente da
Capacidade de
Amortização de Dívida
=Caixa Líquido
Gerado nas
Operações e o Total
do Passivo do
Balanço Patrimonial.
A interpretação desse
quociente indica a parcela dos
recursos gerados pela
entidade para pagamento da
dívida.
Quociente da Atividade
Operacional
= Caixa Líquido
Gerado das
Operações e o Total
da Geração Líquida
de Caixa.
A interpretação desse
quociente indica a parcela da
geração líquida de caixa pela
entidade atribuída as
atividades operacionais.















40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 24 de 26
TABELA-RESUMO DAS AVALIAÇÕES E MENSURAÇÕES DE ATIVOS E PASSIVOS: NBC T 16
Para melhor localização dos elementos patrimoniais e leitura da Tabela-resumo utilize a Figura 1 como
instrumento comparativo.
Classificação no
Balanço
Patrimonial
Elementos
Patrimoniais
Método de Avaliação
Ativo
Circulante
Disponibilidades
Valor original. Se em moeda estrangeira convertidas na
data do BP.
Aplicações financeiras de
liquidez imediata
Valor original. Atualizadas até a data do BP.
Direitos e Títulos de créditos Valor original. Se em moeda estrangeira convertidos na
data do BP.
Se forem Pré-Fixados: Ajuste a Valor Presente.
Se forem Pós-Fixados: Ajuste até a data do BP.
Passivo
Circulante
Obrigações
Ativo
Circulante
Estoques: na entrada
-Valor aquisição; ou
-Valor de produção ou
construção.
Ou valor de mercado. Das duas
opções a menor.
Estoques: na saída Custo médio ponderado.
Estoques: caso de deterioração Valor de mercado.
Estoques: resíduos e refugos Valor Realizável Líquido.
Estoques: animais e produtos
agrícolas.
Em regra pelo valor justo menos a despesa de venda no
momento do reconhecimento inicial e no final de cada
período de competência.

40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 25 de 26
Bens forem distribuídos
gratuitamente ou a taxas não de
mercado.
Valorados a custo ou valor de reposição, o menor dos dois.
Ativo não
Circulante
Investimentos
MEP (se possuir influência significativa) ou Custo de
Aquisição (caso não possua influência significativa).
Imobilizado
Valor de aquisição, custo de produção ou construção. Se
possuir vida econômica limitada é depreciado.
Imobilizado: Gastos posteriores.
Geram benefícios futuros?
-Sim. Incorporados ao ativo
-Não. Incorridos como despesa.
Imobilizado adquirido a título
gratuito
Foi possível avaliá-lo ou mensurá-lo no procedimento nos
termos da doação?
-Sim. Valor da avaliação no ANC.
-Não. Apenas registra em notas explicativas.
Imobilizado: Bens de uso
comum
-Valor aquisição; ou
-Valor de produção ou construção.
Intangível Valor de aquisição ou produção.
Intangível: Gastos posteriores.
Geram benefícios futuros?
-Sim. Incorporados ao ativo
-Não. Incorridos como despesa.
Intangível adquirido a título
gratuito.
Foi possível avaliá-lo ou mensurá-lo no procedimento nos
termos da doação?
-Sim. Valor aquisição ou produção.
-Não. Apenas registra em notas explicativas.

40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto
Contabilidade Pública
Auditor do Estado CAGE/RS
Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 21


Prof. Giovanni Pacelli www.estrategiaconcursos.com.br 26 de 26
Observação importante: este curso é protegido por direitos
autorais (copyright), nos termos da Lei 9.610/98, que altera, atualiza e
consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências.

Grupos de rateio e pirataria são clandestinos, violam a lei e prejudicam os
professores que elaboram os cursos. Valorize o trabalho de nossa equipe
adquirindo os cursos honestamente através do site Estratégia Concursos
;-)
40099021918
819.120.990-04 - filipe brum netto