Vous êtes sur la page 1sur 86
LEGISLAÇÃO DA ABIN
LEGISLAÇÃO DA ABIN
LEI 9883-99 - Que cria a ABIN
LEI 9883-99 - Que cria a ABIN
 O que é a ABIN: Órgão central do Sistema Brasileiro de Inteligência que integra as
O que é a ABIN: Órgão central do
Sistema Brasileiro de Inteligência que
integra as ações e execução da atividade
de inteligência no País.
O que é inteligência: Atividade que
objetiva a obtenção, análise e
disseminação de conhecimento dentro e
fora do território nacional.
O que é contra-inteligência:
atividade que objetiva neutralizar a
inteligência adversa.
 Quem exerce o controle externo da atividade de inteligência: Poder Legislativo. Quem exerce o controle
Quem exerce o controle externo
da atividade de inteligência: Poder
Legislativo.
Quem exerce o controle interno
da ABIN: É feita pela secretaria de
controle interno da Presidência da
República, inclusive o controle de
contabilidade analítica.
 Como se dá a comunicação externa da ABIN: A ABIN só pode comunicar-se com os
Como se dá a comunicação
externa da ABIN: A ABIN só pode
comunicar-se com os demais órgãos da
Adm. Pública com o conhecimento prévio
da autoridade competente de maior
hierarquia do respectivo órgão ou um seu
delegado.
Quem escolhe os diretores da
ABIN: é privativo do Presidente da
República a escolha e nomeação do
Diretor Geral da ABIN, após aprovação de
seu nome pelo Senado Federal.
Exercícios
Exercícios
(1) A Lei 9883 institui o Sistema Brasileiro de Inteligência, cria a Agência Brasileira de Inteligência
(1) A Lei 9883 institui o Sistema Brasileiro de
Inteligência, cria a Agência Brasileira de
Inteligência - ABIN, e dá outras providências.
(2) No serviço de inteligência o intuito
fundamental é a obtenção da informação,
independente do meio utilizado.
(3) O servidor da ABIN deve ser leal ao seu chefe
sempre obedecendo a suas ordens.
(4) O Sistema Brasileiro de Inteligência tem como fundamentos a preservação da soberania nacional, a defesa
(4) O Sistema Brasileiro de Inteligência tem como
fundamentos a preservação da soberania
nacional, a defesa do Estado Democrático de
Direito e a dignidade da pessoa humana,
devendo ainda cumprir e preservar os direitos e
garantias individuais e demais dispositivos da
Constituição Federal, os tratados, convenções,
acordos e ajustes internacionais em que a
República Federativa do Brasil seja parte ou
signatário, e a legislação ordinária.
(5) A ABIN exerce o poder de autotuleta de seu
controle externo.
(6) Agência Brasileira de Inteligência – ABIN é órgão da Presidência da República, que tem a
(6) Agência Brasileira de Inteligência – ABIN
é órgão da Presidência da República, que
tem a posição de órgão central do Sistema
Brasileiro de Inteligência
(7) As atividades de inteligência serão
desenvolvidas, no que se refere aos
limites de sua extensão e ao uso de
técnicas e meios sigilosos, com irrestrita
observância dos direitos e garantias
individuais, fidelidade às instituições e aos
princípios éticos que regem os interesses e
a segurança do Estado.
(8) Não compete a ABIN avaliar as ameaças, internas e externas, à ordem constitucional, sendo destinada
(8) Não compete a ABIN avaliar as ameaças, internas e
externas, à ordem constitucional, sendo destinada tal
avaliação somente ao Ministério das Relações Exteriores.
(9) O controle e fiscalização externos da atividade de
inteligência serão exercidos pelo Poder Legislativo na
forma a ser estabelecida em ato do Congresso Nacional.
(10) As atividades de controle interno da ABIN, inclusive as
de contabilidade analítica, serão exercidas pela
Secretaria de Controle Interno da Presidência da
República.
(11) Contra-inteligência é a inteligência que objetiva neutralizar os atos de terrorismo. (12) Não cabe ao
(11) Contra-inteligência é a inteligência que
objetiva neutralizar os atos de terrorismo.
(12) Não cabe ao Poder Judiciário tutelar os
atos da ABIN que sejam eivados de vício.
(13) O Poder hierárquico não possui
restrições.
(14) A ABIN é órgão central do Sistema
Brasileiro de Inteligência (Sisbin).
(15) A ABIN é um ÓRGÃO DE ESTADO, não é um ÓRGÃO DE GOVERNO. (16) Em
(15) A ABIN é um ÓRGÃO DE ESTADO, não
é um ÓRGÃO DE GOVERNO.
(16) Em linhas gerais, a ética na atividade
de Inteligência preconiza que os
profissionais não podem utilizar o
conhecimento em beneficio próprio. O
conhecimento só deve efetivar-se como
poder por intermédio da autoridade
destinatária e em proveito da sociedade e
do Estado brasileiros.
Gabarito 1- C 7- C 13- E 2- E 8- E 14- C 3- E 9-
Gabarito
1- C
7- C
13- E
2- E
8- E
14- C
3- E
9- C
15- C
4- C
10- C
16- C
5- E
11- E
6- C
12- E
Sistema Brasileiro de Inteligência O Sistema Brasileiro de Inteligência tem por objetivo integrar as ações de
Sistema Brasileiro de
Inteligência
O Sistema Brasileiro de Inteligência tem
por objetivo integrar as ações de
planejamento e execução da atividade de
inteligência do País, com a finalidade de
fornecer subsídios ao Presidente da
República nos assuntos de interesse
nacional.
Cabe aos órgãos que compõem o  sistema brasileiro de inteligência, produzir conhecimentos, obter dados e
Cabe aos órgãos que compõem o
sistema brasileiro de inteligência, produzir
conhecimentos, obter dados e
informações, intercambiar informações.
Constituem o Sistema Brasileiro de Inteligência I - Casa Civil da Presidência da República, II -
Constituem o Sistema Brasileiro
de Inteligência
I - Casa Civil da Presidência da República,
II - Gabinete de Segurança Institucional da
Presidência da República, órgão de coordenação
das atividades de inteligência
federal;
III - Agência Brasileira de Inteligência - ABIN, do
Gabinete de Segurança Institucional da
Presidência da República, como órgão central
do Sistema;
IV - Ministério da Justiça, V - Ministério da Defesa, VI - Ministério das Relações Exteriores,
IV - Ministério da Justiça,
V - Ministério da Defesa,
VI - Ministério das Relações Exteriores,
VII - Ministério da Fazenda,
VIII - Ministério do Trabalho e Emprego,
IX - Ministério da Saúde, X - Ministério da Previdência Social, XI - Ministério da Ciência
IX - Ministério da Saúde,
X - Ministério da Previdência Social,
XI - Ministério da Ciência e Tecnologia,
XII - Ministério do Meio Ambiente
XIII - Ministério da Integração Nacional,
XIV - Controladoria-Geral da União,
As unidades da Federação poderão compor o Sistema Brasileiro de Inteligência? Sim. Mediante ajustes específicos e
As unidades da Federação poderão compor
o Sistema Brasileiro de Inteligência?
Sim. Mediante ajustes específicos e
convênios, ouvido o órgão de controle
externo da atividade de inteligência.
 O que é o Conselho Consultivo do Sistema Brasileiro de Inteligência? É um conselho vinculado
O que é o Conselho Consultivo do
Sistema Brasileiro de Inteligência?
É um conselho vinculado ao Gabinete de
Segurança Institucional que tem como
finalidade emitir pareceres sobre a PNI,
propor normas pra intercâmbio
de
informações, contribuir para o
aperfeiçoamento da doutrina de
inteligência, propor a criação de grupos
específicos de trabalho, propor a seu
presidente o regimento interno.
O conselho se reunirá até 3 vezes por ano, na sede da ABIN em Brasília, e
O conselho se reunirá até 3 vezes por
ano, na sede da ABIN em Brasília, e
extraordinariamente, sempre que
convocado pelo seu presidente ou a
requerimento de um de seus
membros.
Pode pessoas não vinculadas ao
conselho participar das reuniões?

Estrutura organizacional da ABIN

Estrutura organizacional da ABIN Órgãos de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral Gabinete a) Competência Prestar
Órgãos de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral Gabinete a) Competência Prestar apoio administrativo e técnico
Órgãos de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral
Gabinete
a)
Competência
Prestar apoio administrativo e técnico ao Diretor-Geral, organizando agenda,
providenciando atendimento às consultas formuladas pelo Congresso Nacional,
coordenando as atividades de protocolo em geral.
b) Assessoria de comunicação social
Competência
Planejar, supervisionar e controlar as atividades de comunicação social, de
cerimonial, assim como campanhas publicitárias e educativas.
c) Assessoria jurídica
Competência
Zelar pelo cumprimento das orientações normativas emanadas da AGU, prestar
assessoria direta ao Diretor Geral, aprovar as minutas de editais de licitação,
como também análise de leis e atos normativos em geral.
d) Ouvidoria Competência Atuar como canal adicional de comunicação entre o servidor e o Diretor Geral,
d) Ouvidoria
Competência
Atuar como canal adicional de comunicação entre o
servidor e o Diretor Geral, ouvindo reclamações e
identificando oportunidades de melhoria.
e) Corregedoria Geral
Competência
Apurar irregularidades em geral, assim como orientar as
unidades da ABIN e zelar pelo cumprimento do código
de ética.
f) Secretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Competência Planejamento e coordenação de atividades relativas a processo
f) Secretaria de Planejamento, Orçamento e Administração
Competência
Planejamento e coordenação de atividades relativas a processo
orçamentário, elaboração de projetos, como também estudos de
aperfeiçoamento da agência, recursos destinados a programas e
normalização de processos de trabalho.
g) Departamento de Gestão de Pessoal
Competência
Executar e coordenar as atividades relativas ao sistema de pessoal,
bem como promover o recrutamento e a seleção dos candidatos
para o ingresso na ABIN.
h) Escola de inteligência Competência Promover a capacitação e desenvolvimento de pessoal, estabelecer intercâmbios com escolas
h) Escola de inteligência
Competência
Promover a capacitação e desenvolvimento de pessoal, estabelecer
intercâmbios com escolas e planos e estudos de pesquisa para o
exercício da atividade de inteligência.
i) Departamento de pesquisa e desenvolvimento tecnológico
Competência
Promover, orientar, coordenar, supervisionar e avaliar as pesquisas
científicas e tecnológicas.
Dos órgãos específicos singulares Departamento de Inteligência Estratégica a) Competência Obter informações e produzir, assim como
Dos órgãos específicos
singulares
Departamento de Inteligência Estratégica
a)
Competência
Obter informações e produzir, assim como planejar e coordenar as informações
de inteligência.
b)
Departamento de Contra-Inteligência
Competência
Exercer os serviços de Contra-Inteligência
c)
Departamento de Contraterrorismo
Competência
Planejamento e execução de atividades de prevenção às ações terroristas no
território nacional.
d)
Departamento de Integração do Sistema Brasileiro de Inteligência
Competência
Intercambiar informações entre os membros dos Sistema Brasileiro de
Informações.
Do Diretor-Geral
Do Diretor-Geral
Competência: a)Tratar com o Ministro de Estado Chefe do Gabinete de Segurança Institucional da PR. b)
Competência:
a)Tratar com o Ministro de Estado Chefe do
Gabinete de Segurança Institucional da PR.
b) coordenar as atividades de inteligência no
âmbito do Sistema Brasileiro de Inteligência.

CARREIRAS E CARGOS DA ABIN

Nível superior:  Carreira de Oficial de Inteligência (antigo a) Analista de Informações) Carreira de Oficial
Nível superior:
Carreira de Oficial de Inteligência (antigo
a)
Analista de Informações)
Carreira de Oficial Técnico de Inteligência
b)
Nível Intermediário
a)
Carreira de Agente de Inteligência
(antigo Assistente de Informação)
Carreira de Agente Técnico de
b)
Inteligência
CARREIRAS E CARGOS DA ABIN Nível superior:  Carreira de Oficial de Inteligência (antigo a) Analista
Oficial de Inteligência
Oficial de Inteligência
Atribuições: planejar, executar, coordenar, supervisionar e controlar a produção de conhecimentos de inteligência; as ações de
Atribuições:
planejar,
executar,
coordenar,
supervisionar
e
controlar
a
produção de conhecimentos de inteligência; as ações de
salvaguarda de assuntos sensíveis; as operações de
inteligência; as atividades de pesquisa e desenvolvimento
científico ou tecnológico direcionadas à obtenção e análise de
dados e à segurança da informação; o desenvolvimento de
recursos humanos para a atividade de inteligência; além de
desenvolver e operar máquinas, veículos, aparelhos, dispositivos,
instrumentos, equipamentos e sistemas necessários à atividade de
inteligência.
Obs: O Agente de Inteligência oferecerá suporte especializado às
atividades decorrentes das atribuições do Oficial de Inteligência.
Oficial Técnico de Inteligência
Oficial Técnico de Inteligência
planejar, executar, coordenar, supervisionar e controlar a  produção de conhecimentos de inteligência; as ações de
planejar, executar, coordenar, supervisionar e controlar
a
produção de conhecimentos de inteligência; as ações de
salvaguarda de assuntos sensíveis; as operações de
inteligência; as atividades de pesquisa e desenvolvimento
científico
ou
tecnológico direcionadas à obtenção e análise de
dados e à segurança da informação; atividades de construção e
manutenção de prédios e outras instalações, desenvolver recursos
humanos para a atividade de inteligência; além de
desenvolver e operar máquinas, veículos, aparelhos, dispositivos,
instrumentos, equipamentos e sistemas necessários à atividade de
inteligência.
Obs 1: essas atribuições são relacionadas à gestão técnico-
administrativa e apoio logístico.
Obs 2: O Agente Técnico de Inteligência oferecerá suporte
especializado às atividades decorrentes das atribuições do Oficial
Técnico de Inteligência.

Requisitos para ingresso na

classe inicial dos cargos da ABIN  Provimento: é o ato de designação de uma pessoa
classe inicial dos cargos da
ABIN
Provimento: é o ato de designação de uma
pessoa para preenchimento de um cargo
público.
Cargo efetivo: o que se destina a ser
preenchido em caráter efetivo.
Comissionado: é o que se destina a ser
preenchido por um ocupante transitório da
estrita confiança da autoridade que o nomeou.
Requisitos para ingresso na classe inicial dos cargos da ABIN  Provimento: é o ato de
Requisitos básicos para investidura em cargos públicos (art. 5º-8112):
Requisitos básicos para investidura
em cargos públicos (art. 5º-8112):
Nacionalidade brasileira  Gozo dos direitos políticos  Quitação com as obrigações militares e eleitorais 
Nacionalidade brasileira
Gozo dos direitos políticos
Quitação com as obrigações militares e eleitorais
Nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo
Idade mínima de 18 anos
Aptidão física e mental
Outros (idade máxima, sexo, altura mínima, etc.).
OOObs: Estrangeiros podem ser contratados para
cargos de pesquisadores, cientistas e professores
universitários.
Dica
Dica
Investidura ocorre com a posse Provimento ocorre com a nomeação
Investidura ocorre com a posse
Provimento ocorre com a nomeação
1- (Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região – TRT) Não é exigível o seguinte requisito
1- (Tribunal Regional do Trabalho da Primeira
Região – TRT) Não é exigível o seguinte
requisito básico para a investidura de cargo nas
instituições de pesquisa científica:
A) aptidão física
B) nacionalidade brasileira
C) idade mínima de 18 anos
D) submissão a prova específica
E) comprovação de graduação compatível
2- A lei pode estabelecer diferença de critério para admissão em cargo público por motivo de
2- A lei pode estabelecer diferença de
critério para admissão em cargo público
por motivo de
idade, em quaisquer circunstância.
a)
Sexo, em quaisquer circunstância.
b)
Cor.
c)
Escolaridade.
d)
Estado civil, em quaisquer circunstância.
e)
3 - A entidade da Administração Pública que abrir um concurso público para digitadores do sexo
3 - A entidade da Administração Pública que abrir um concurso público
para digitadores do sexo feminino, para preencher cargo vago em
uma penitenciária de mulheres, pratica ato:
ilegal, por vulnerar o princípio da isonomia.
a)
nulo, visto que a jurisprudência dominante em nossos tribunais
b)
não admite quaisquer restrições à livre acessibilidade aos cargos
públicos.
c)
anulável, dependendo da argüição de interessado que possa
provar a procedência da distinção.
legal, uma vez que o princípio da razoabilidade admite certas
d)
restrições, tem em vista as atribuições e condições de exercício
do cargo.
e)
legal, visto que o Poder Público tem a faculdade discricionária de
fixar, no edital, condições respeitantes à desigualdade física,
moral e intelectual dos candidatos à função pública.
4 - A pessoa legalmente investida em cargo público denomina-se: Empregado público. a) Servidor. b) Agente
4 - A pessoa legalmente investida em cargo
público denomina-se:
Empregado público.
a)
Servidor.
b)
Agente político.
c)
Empregado estatal.
d)
Funcionário público.
e)
5 - O conjunto de atribuições e responsabilidades que devem ser cometidas a um servidor denomina-se:
5 - O conjunto de atribuições e
responsabilidades que devem ser
cometidas a um servidor denomina-se:
cargo.
a)
Órgão público.
b)
Atribuição pública.
c)
Cargo público.
d)
Função pública.
e)
Gabarito 1- B 4- B 2- D 5- D 3- D
Gabarito
1- B
4- B
2- D
5- D
3- D
Formas de provimento (arts. 5 a 32)
Formas de provimento (arts. 5 a 32)
Originária a)
Originária
a)
- Nomeação
- Nomeação
Formas de provimento (arts. 5 a 32) Originária a) - Nomeação
b) Derivados
b) Derivados
b.1) Horizontal: não houve elevação funcional. - Readaptação: passagem de um servidor de um cargo para
b.1) Horizontal: não houve elevação
funcional.
- Readaptação: passagem de um servidor
de um cargo para outro devido ter sofrido
limitações em sua capacidade física ou
mental.
b.3) Reingresso: retorno ao serviço ativo de servidor que dele estava desligado.
b.3) Reingresso: retorno ao serviço ativo de servidor que
dele estava desligado.
- Reintegração: reinvestidura de servidor estável quando sua demissão for invalidada. - Recondução: retorno de servidor
-
Reintegração: reinvestidura de servidor estável quando
sua demissão for invalidada.
-
Recondução: retorno de servidor estável ao ser cargo
anterior em decorrência de inabilitação em estágio
probatório relativo a outro cargo ou da reintegração do
anterior ocupante.
-
Aproveitamento: é a investidura de servidor em
disponibilidade em cargo de atribuições e vencimentos
compatíveis com o anteriormente ocupado.
-
Reversão: retorno do servidor aposentado por invalidez
quando for declarado insubsistente o motivo da
aposentadoria.
Em suma: reintegração e do demitido; recondução é do inabilitado em estágio probatório de outro cargo
Em suma: reintegração e do demitido;
recondução é do inabilitado em estágio
probatório de outro cargo ou da
reintegração do anterior ocupante;
aproveitamento é do disponível; e a
reversão do aposentado.
1 – A forma de provimento no cargo público anteriormente ocupado pelo servidor estável, como decorrência
1 – A forma de provimento no cargo público
anteriormente ocupado pelo servidor estável,
como decorrência de não haver ele satisfeito
as condições do estágio probatório que seria
necessário à sua efetivação no outro cargo
para o qual fora nomeado, é o (a):
Aproveitamento.
a)
Readmissão.
b)
Recondução.
c)
Reintegração.
d)
Reversão.
e)
2 – Não constitui forma de provimento de cargo público: Readaptação. a) Aproveitamento. b) Reversão. c)
2 – Não constitui forma de provimento de
cargo público:
Readaptação.
a)
Aproveitamento.
b)
Reversão.
c)
Reintegração.
d)
Remoção.
e)
3 – A investidura em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que o
3 – A investidura em cargo de atribuições e
responsabilidades compatíveis com a limitação
que o servidor tenha sofrido em sua
capacidade física ou mental, denomina-se:
Reversão.
a)
Reintegração.
b)
Recondução.
c)
Readaptação.
d)
Reenquadramento.
e)
4 – (MINISTÉRIO PÚBLICO/SP/1999) O retorno do servidor público ao cargo de que se vira demitido,
4
– (MINISTÉRIO PÚBLICO/SP/1999) O retorno do
servidor público ao cargo de que se vira demitido, com a
plena restauração do direitos violados, inclusive o
pagamento integral dos vencimentos e vantagens
correspondentes ao tempo em que esteve afastado, por
força de decisão judicial que reconhece a ilegalidade da
demissão, recebe o nome de:
a)
revisão;
b)
reversão;
c)
reintegração;
d)
recontratação;
e)
recondução.
5 - Dois ex-servidores (estáveis) do INSS, Violêncio e Vitimildo, requereram, administrativamente, por motivos diferentes, o
5 - Dois ex-servidores (estáveis) do INSS, Violêncio e Vitimildo, requereram,
administrativamente, por motivos diferentes, o retorno aos seus
respectivos cargos de Agente Administrativo. O primeiro – Violêncio – não
foi considerado habilitado no estágio probatório relativo ao cargo de
Técnico Judiciário do Tribunal Superior do Trabalho. O segundo – Vitimildo
– foi demitido do Serviço Público por abandono de cargo (Lei nº 8.112/90,
art. 132, Após o cumprimento das formalidades legais, a autoridade
competente deferiu os pleitos administrativos formulados.Analise a
situação descrita e julgue os itens seguintes colocando C (Certo) ou E
(Errado).
a)
Vitimildo retornou ao quadro funcional do INSS por meio do instituto jurídico da
reintegração. A invalidade de sua demissão poderia ocorrer também pela via judicial.
b)
Violêncio retornou ao quadro funcional do INSS por meio do instituto jurídico da
recondução.
c)
Tício, que ocupava o cargo de Agente Administrativo, na vaga deixada por Violêncio,
deverá ficar em disponibilidade.
d)
Caso o cargo de Agente Administrativo decorrente da demissão do Sr. Vitimildo tenha
sido provido, o seu eventual ocupante será reconduzido ao cargo de origem, sem
direito a indenização, ou aproveitado em outro cargo, ou, ainda, posto em
disponibilidade.
e)
Vitimildo terá direito ao ressarcimento de todas as vantagens do cargo de Agente
Administrativo, com efeito retroativo à data de sua demissão.
Gabarito 1- C 2- E 4- C 5- C C E C C 3- D
Gabarito
1- C
2- E
4- C
5- C C E C C
3- D
Progressão e Promoções
Progressão e Promoções
O desenvolvimento do servidor nas carreiras e cargos que integram o Plano de Carreiras e Cargos
O desenvolvimento do servidor nas carreiras e
cargos que integram o Plano de Carreiras e
Cargos da ABIN obedecerá às seguintes regras:
I - interstício mínimo de dezoito meses entre cada
progressão;
II - habilitação em avaliação de desempenho
individual correspondente a, no mínimo, setenta
por cento do limite máximo da pontuação das
avaliações realizadas no interstício considerado
para a progressão; e
III - competência e qualificação profissional.
Progressões
Progressões
Regras: Interstício mínimo de 18 meses entre a) cada progressão. b) Habilitação em avaliação de desempenho
Regras:
Interstício mínimo de 18 meses entre
a)
cada progressão.
b)
Habilitação em avaliação de desempenho
individual, como pelo menos 70% de
aproveitamento.
Promoções
Promoções
Nível superior 2 Classe 160h (mínimo) 7 anos e meio (capacitação) (experiência no cargo) 1 Classe
Nível superior
2
Classe
160h (mínimo)
7 anos e meio
(capacitação)
(experiência no cargo)
1
Classe
240h (mínimo)
(capacitação)
360h (mínimo)
(capacitação)
16
anos e meio
(experiência no cargo)
Especial
25
anos e meio
(experiência no cargo)
Nível intermediário
2
Classe
120h (mínimo ou
7 anos e meio
curso superior)
(experiência no cargo)
1
Classe
200h (mínimo ou
16
anos e meio
curso superior)
280h (mínimo ou
curso superior)
(experiência no cargo)
Especial
25
anos e meio
(experiência no cargo)
Obs 1:Cabe a ABIN implementar programa permanente de capacitação para seus
servidores.
Obs 2: Para fins de promoção, cada evento de capacitação deverá ser computado uma
única vez.
Exercícios
Exercícios
(1) A estrutura de cargos de nível superior da ABIN é composta pelas carreiras de Oficial
(1)
A estrutura de cargos de nível superior da ABIN é composta
pelas carreiras de Oficial de Inteligência e Agente de
Inteligência.
(2)
São atribuições do cargo de Oficial de Inteligência a
coordenação de atividades de construção e manutenção de
prédios e outras instalações.
(3)
É atribuição do Oficial técnico de inteligência o planejamento
e execução de atividades de gestão técnico-administrativa e
apoio logístico.
(4)
O antigo cargo de Analista de Inteligência virou Oficial de
Inteligência.
(5)
O Agente Técnico de Inteligência oferecerá suporte
especializado às atividades decorrentes das atribuições do
Oficial Técnico de Inteligência.
(6) É requisito para investidura no cargo de agente de inteligência a carteira de habilitação B,
(6) É requisito para investidura no cargo de agente de
inteligência a carteira de habilitação B, não podendo ser
provisória.
(7) É requisito para desenvolvimento do servidor nas
carreiras que integram o Plano de carreiras e cargos da
ABIN o interstício de 18 meses entre cada progressão.
(8) Pode ser requisito para passar a 2 classe no cargo de
Oficial de Inteligência a conclusão de ensino superior.
(9) Para fins de promoção, cada evento de capacitação
deverá ser computado uma única vez.
(10) Os oficiais e agentes da ABIN recebem subsidio.
Gabarito 1- E 6- E 2- E 7- C 3- C 8- E 4- E 9-
Gabarito
1- E
6- E
2- E
7- C
3- C
8- E
4- E
9- C
5- C
10- C
Arquivos e Documentos
Arquivos e Documentos
1) O que são arquivos ? (L 8159) Consideram-se arquivos os conjuntos de documentos produzidos e
1) O que são arquivos ? (L 8159)
Consideram-se arquivos os conjuntos de
documentos produzidos e recebidos por órgãos
públicos, instituições de caráter público e
entidades privadas, em decorrência do
exercício de atividades específicas, bem como
por pessoa física, qualquer que seja o suporte
da informação ou a natureza dos documentos.
2) Como são identificados os documentos públicos ? (L 8159) Correntes: aqueles em curso ou que,
2) Como são identificados os documentos
públicos ? (L 8159)
Correntes: aqueles em curso ou que, mesmo sem
movimentação, constituam de consultas freqüentes.
Intermediários: aqueles que, não sendo de uso corrente nos
órgãos produtores, por razões de interesse administrativo,
aguardam a sua eliminação ou recolhimento para guarda
permanente.
Permanentes: os conjuntos de documentos de valor histórico,
probatório e informativo que devem ser definitivamente
preservados.
Obs: Os documentos de valor permanente são inalienáveis e
imprescritíveis.
3) O que são arquivos privados? (L 8159) Consideram-se arquivos privados os conjuntos de documentos produzidos
3) O que são arquivos privados? (L 8159)
Consideram-se arquivos privados os conjuntos de
documentos produzidos ou recebidos por
pessoas físicas ou jurídicas, em decorrência de
suas atividades.
Os arquivos privados podem ser identificados pelo
Poder Público como de interesse público e social,
desde que sejam considerados como conjuntos
de fontes relevantes para a história e
desenvolvimento científico nacional.
4) Como são organizados os arquivos públicos? (L 8159) A administração da documentação pública ou de
4) Como são organizados os arquivos
públicos? (L 8159)
A administração da documentação pública ou de
caráter público compete às instituições
arquivísticas federais, estaduais, do Distrito
Federal e municipais.
5) O que são documentos sigilosos e qual sua classificação ? (D 4553) São considerados originariamente
5) O que são documentos sigilosos e qual
sua classificação ? (D 4553)
São considerados originariamente sigilosos, e
serão como tal classificados, dados ou
informações cujo conhecimento irrestrito ou
divulgação possa acarretar qualquer risco à
segurança da sociedade e do Estado, bem como
aqueles necessários ao resguardo da
inviolabilidade da intimidade da vida privada, da
honra e da imagem das pessoas.
Classificação: - Ultra-secretos: relativos a soberania nacional, planos militares, relações internacionais, dentre outros. - Secretos :
Classificação:
-
Ultra-secretos: relativos a soberania nacional, planos
militares, relações internacionais, dentre outros.
-
Secretos : referentes a sistema, instalações, planos ou
operações de interesse nacional, assuntos diplomáticos,
dentre outros.
-
Confidenciais: aqueles que no interesse da
administração pública devam ser de conhecimento
restrito.
-
Reservados: são aqueles cuja a revelação não
autorizada possa comprometer seus objetivos ou
acarretar dano a segurança do Estado.
Competência para classificar documentos: a) Ultra-secreto: Presidente da República e Vice, Ministros de Estado, Comandantes da
Competência para classificar documentos:
a)
Ultra-secreto: Presidente da República e Vice,
Ministros de Estado, Comandantes da Marinha,
Exército e Aeronáutica, Chefes de Missões
diplomáticas e consulares permanentes no
exterior.
Obs: excepcionalmente, a competência pode ser
delegada pela autoridade responsável a agente
público em missão no exterior.
b) Secreto: as autoridades que exerçam funções de direção, comando, chefia ou assessoramento. c) confidencial e
b) Secreto: as autoridades que exerçam
funções de direção, comando, chefia ou
assessoramento.
c) confidencial e reservado: os
servidores civis e militares, de acordo com
regulamentação específica de cada órgão
ou entidade da Administração Pública
Federal.
Prazos de duração de classificação: I - ultra-secreto: máximo de 30 anos; II - secreto: máximo
Prazos de duração de classificação:
I - ultra-secreto: máximo de 30 anos;
II - secreto: máximo de 20 anos;
III - confidencial: máximo de 10 anos;
IV - reservado: máximo de 5 anos.
Como se dá a reclassificação e
desclassificação ?
6) O que é Documento Sigiloso Controlado (DSC) ? (D 4553) Documento Sigiloso Controlado (DSC) é
6) O que é Documento Sigiloso Controlado
(DSC) ? (D 4553)
Documento Sigiloso Controlado (DSC) é aquele que, por sua
importância, requer medidas adicionais de controle, incluindo:
I - identificação dos destinatários em protocolo e recibo próprios,
quando da difusão;
II - lavratura de termo de custódia e registro em protocolo específico;
III - lavratura anual de termo de inventário, pelo órgão ou entidade
expedidores e pelo órgão ou entidade receptores; e
IV - lavratura de termo de transferência, sempre que se proceder à
transferência de sua custódia ou guarda.
Obs: O documento ultra-secreto é, por sua natureza, considerado DSC,
desde sua classificação ou reclassificação.
7) Como são expedidos os documentos sigilosos ? (D 4553) Os documentos sigilosos em suas expedição
7) Como são expedidos os documentos
sigilosos ? (D 4553)
Os documentos sigilosos em suas expedição e tramitação
obedecerão às seguintes prescrições:
I - serão acondicionados em envelopes duplos;
II - no envelope externo não constará qualquer indicação
do grau de sigilo ou do teor do documento;
III - no envelope interno serão apostos o destinatário e o
grau de sigilo do documento, de modo a serem
identificados logo que removido o envelope externo;
IV - o envelope interno será fechado, lacrado e expedido mediante recibo, que indicará, necessariamente, remetente,
IV - o envelope interno será fechado, lacrado e expedido
mediante recibo, que indicará, necessariamente,
remetente, destinatário e número ou outro indicativo
que identifique o documento; e
V - sempre que o assunto for considerado de interesse
exclusivo do destinatário, será inscrita a palavra pessoal
no envelope contendo o documento sigiloso.
8) Quem é a comissão Permanente de Avaliação de Documentos Sigilosos e quais suas atribuições? (D
8) Quem é a comissão Permanente de
Avaliação de Documentos Sigilosos e quais
suas atribuições? (D 4553)
As entidades e órgãos públicos constituirão Comissão
Permanente de Avaliação de Documentos Sigilosos (CPADS),
com as seguintes atribuições:
- analisar e avaliar periodicamente a documentação sigilosa
produzida e acumulada no âmbito de sua atuação, autorizar o
acesso a documentos sigilosos, propor, à autoridade
responsável pela classificação ou autoridade hierarquicamente
superior competente para dispor sobre o assunto.
9) Quem é a Comissão de Averiguação e Análise de Informações ? (D 5301) Fica instituída,
9) Quem é a Comissão de Averiguação e
Análise de Informações ? (D 5301)
Fica instituída, no âmbito da Casa Civil da Presidência
da República, a Comissão de Averiguação e Análise
de Informações Sigilosas, com a finalidade de
decidir pela aplicação da ressalva prevista na parte
final do inciso XXXIII do art. 5 o da Constituição.
A Comissão de Averiguação e Análise de Informações Sigilosas é composta pelos seguintes membros: a) Ministro
A Comissão de Averiguação e Análise de Informações
Sigilosas é composta pelos seguintes membros:
a)
Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência
da República, que a coordenará;
b)
Ministro de Estado Chefe do Gabinete de Segurança
Institucional da Presidência da República;
Ministro de Estado da Justiça;
c)
Ministro de Estado da Defesa;
d)
e)
Ministro de Estado das Relações Exteriores;Advogado-
Geral da União;
f)
Secretário Especial dos Direitos Humanos da
Presidência da República.
10) Como se dá o acesso aos documentos sigilosos ? (D 4553 e D 5301) A
10) Como se dá o acesso aos documentos
sigilosos ? (D 4553 e D 5301)
A decisão de ressalva de acesso a documento público
classificado no mais alto grau de sigilo poderá ser revista, a
qualquer tempo, pela Comissão de Averiguação e Análise de
Informações Sigilosas, após provocação de pessoa que
demonstre possuir efetivo interesse no acesso à informação
nele contida.
 O interessado deverá especificar, de modo claro e objetivo, que informação pretende conhecer e qual
O interessado deverá especificar, de modo claro e objetivo,
que informação pretende conhecer e qual forma de acesso
requer, dentre as seguintes:
I - vista de documentos;
II - reprodução de documentos por qualquer meio para
tanto adequado; ou
III - pedido de certidão, a ser expedida pelo órgão
consultado.
§ 3 o O interessado não é obrigado a aduzir razões no
requerimento de informações, salvo a comprovação de seu
efetivo interesse na obtenção da informação.
Provocada a Comissão de Averiguação e Análise de Informações Sigilosas decidirá pela: I - autorização de
Provocada a Comissão de Averiguação e
Análise de Informações Sigilosas decidirá
pela:
I - autorização de acesso livre ou
condicionado ao documento; ou
II - permanência da ressalva ao seu acesso,
enquanto for imprescindível à segurança
da sociedade e do Estado.
Como se dá a responsabilidade Civil, Penal e Administrativa ?
Como se dá a responsabilidade
Civil, Penal e Administrativa ?
Exercícios
Exercícios
1)(Cespe/TST/2008)Na expedição e tramitação de documentos sigilosos,a unidade de arquivo e protocolo deve observar o acondicionamento
1)(Cespe/TST/2008)Na expedição e tramitação de
documentos sigilosos,a unidade de arquivo e protocolo
deve observar o acondicionamento desses documentos
em envelopes duplos e indicar o grau de sigilo no
envelope externo.
2)(Cespe/TJPA/2006)Entre as regras para tramitação de
documentos sigilosos,está o seu acondicionamento em
envelope duplo.
3)(Cespe/MPE-TO/2006)Quanto à natureza do assunto, os documentos são classificados em ostensivos ou sigilosos.Segundo o grau de
3)(Cespe/MPE-TO/2006)Quanto à natureza do assunto, os
documentos são classificados em ostensivos ou
sigilosos.Segundo o grau de sigilo requerido para sua
guarda e circulação, os documentos sigilosos são
classificados em reservados, confidenciais, secretos ou
ultra secretos.
4)(Cespe/Ancine/2006) Se uma das partes de um
documento tiver sido atribuído determinado grau de
sigilo, neste caso, todas as demais partes deverão
receber a mesma classificação.
5)(Cespe/ANA/2006) Um significado para o termo classificação, muito utilizado na prática arquivística, diz respeito à atribuição
5)(Cespe/ANA/2006) Um significado para o termo
classificação, muito utilizado na prática arquivística, diz
respeito à atribuição de graus de sigilo a documentos e
(ou) informações.
6)(Cespe/Funag/2005) Os documentos classificados como
ultra- secretos possuem o prazo máximo de guarda de
50 anos, que pode ser renovado uma única vez.
7)(Cespe/Funag/2005)Os documentos classificados nas
categorias de secretos e confidenciais podem ter essa
classificação prorrogada um vez,pelo mesmo período.
8)(Cespe/Funag/2005) Os documentos classificados como reservados são automaticamente desclassificados após o período de cinco anos. 9)(Cespe/Funag/2005)
8)(Cespe/Funag/2005) Os documentos classificados como
reservados são automaticamente desclassificados após o
período de cinco anos.
9)(Cespe/Funag/2005) É facultado aos servidores civis e
militares, com base nas normas dos órgãos ou
entidades da administração pública federal, atribuir a
documentos os graus de sigilo como confidencial ou
reservado.
10)(Cespe/Funag/2006)A legislação estabelece alguns conceitos e definições relativos à atribuição de graus de sigilo a documentos
10)(Cespe/Funag/2006)A legislação estabelece alguns
conceitos e definições relativos à atribuição de graus de
sigilo a documentos e informações, a começar pelo
próprio conceito de sigilo, que é definido como proteção
contra revelação não-autorizada. Alguns outros conceitos
são classificados, que é a atribuição de grau de sigilo
pela autoridade competente; grau de sigilo corresponde
à gradação atribuída em decorrência da natureza ou
conteúdo de documento ou
informações;desclassificação, que é o cancelamento de
classificação, seja por determinação da autoridade
competente,seja pelo fim do prazo estabelecido pra
manutenção do sigilo.
11)(Cespe/MEC/2005) A legislação arquivística brasileira em vigor determina que, no estabelecimento do prazo de sigilo dos

11)(Cespe/MEC/2005) A legislação arquivística brasileira em vigor determina que, no estabelecimento do prazo

de sigilo dos documentos classificados como sigilosos, toma-se por base a data de produção do documento.
de sigilo dos documentos classificados como sigilosos,
toma-se por base a data de produção do documento.
duração da
classificação atribuída aos documentos da categoria de
ultra-secretos são de, no máximo, cinqüenta anos,
podendo ser renovados uma única vez.
11)(Cespe/MEC/2005) A legislação arquivística brasileira em vigor determina que, no estabelecimento do prazo de sigilo dos
12)(Cespe/MEC/2005)Conforme a legislação arquivística brasileira em vigor, os documentos classificados como ultra –secretos assim serão tratados
12)(Cespe/MEC/2005)Conforme a legislação arquivística
brasileira em vigor, os documentos classificados como
ultra –secretos assim serão tratados no prazo mínimo de
30 anos, o qual pode ser renovado indefinidamente.
13)(Cespe/Polícia Federal/2004) Os prazos de
13)(Cespe/Polícia Federal/2004) Os prazos de
14)(Cespe/Policia Federal/2004) Em obediência aos dispositivos no referido decreto, os prazos de duração da classificação vigoram
14)(Cespe/Policia Federal/2004) Em obediência aos
dispositivos no referido decreto, os prazos de duração da
classificação vigoram a partir da data de
encaminhamento do documento.
15)(Cespe/Polícia federal/2004) O prazo de duração para
os documentos reclassificados reiniciar-se a partir da
data da formalização da nova classificação.
16)(Cespe/Polícia Federal/2004) O decreto é omisso quanto
à classificação de grau de sigilo para os documentos
eletrônicos.
17)(Cespe/Polícia Federal/2004) Os documentos secretos,por sua natureza, são considerados, desde a sua classificação e reclassificação, como
17)(Cespe/Polícia Federal/2004) Os documentos
secretos,por sua natureza, são considerados, desde a
sua classificação e reclassificação, como Documento
Sigiloso Controlado (DSC).
18)(Cespe/SGA-AC/2006) A lei determina que se pode
atribuir graus de sigilo, isto é, restringir o acesso,a
documentos e informações considerados capazes de
afetar a segurança da sociedade e do Estado, ou que
possam violar a intimidade,a vida privada, a honra ou a
imagem da pessoa.
19)(Cespe/SGA-AC/2006) A atribuição de grau de sigilo a
documentos ou informações pela autoridade competente
é chamada classificação.
20)(Cespe/SGA-AC/2006) Não é permitido o acesso a documentos ou informações sigilos em nenhuma circunstância, mesmo que
20)(Cespe/SGA-AC/2006) Não é permitido o acesso a
documentos ou informações sigilos em nenhuma
circunstância, mesmo que tais informações sejam
solicitadas por instâncias do poder judiciário.
21)(Cespe/SGA-AC/2006) Os setores responsáveis pela
custódia de documentos e informações de natureza
sigilosa, nos órgãos públicos, embora não obedeçam
normatização específica quanto ao sigilo, estarão
sujeitos a sanções penais em caso de vazamento de
informações.
22)(Cespe-STJ/2004) Estão inseridos, na categoria de secretos,os dados ou informações referentes a assuntos diplomáticos e de
22)(Cespe-STJ/2004) Estão inseridos, na categoria de
secretos,os dados ou informações referentes a assuntos
diplomáticos e de inteligência.
23)(Cespe/STJ/2004) Estão inseridos, na categoria de
secretos os dados ou informações referentes a planos ou
operações de interesse da defesa nacional.
24)(Cespe/STJ/2004) Estão inseridos na categoria de
secretos, os dados ou informações referentes a
soberania e integridade do território nacional.
25)(Cespe/STJ/2004) Estão inseridos, na categoria de secretos, os dados ou informações referentes a projetos de pesquisas
25)(Cespe/STJ/2004) Estão inseridos, na categoria de
secretos, os dados ou informações referentes a projetos
de pesquisas e desenvolvimento científico e tecnológico
de interesse da defesa nacional.
26)(Cespe/STJ/2004) Estão inseridos na categoria de
secretos, os dados ou informações referentes a
sistemas, instalações, programas, projetos,planos ou
operações de interesse da defesa nacional.
27)(Cespe/TST/2008) Documentos públicos que contenham informações imprescindíveis à segurança da sociedade e do estado podem ser
27)(Cespe/TST/2008) Documentos públicos que
contenham informações imprescindíveis à segurança da
sociedade e do estado podem ser corretamente
classificados em ultra-secreto, confidencial e reservado.
Os prazos de classificação podem ser prorrogados uma
vez, por igual período, pela autoridade responsável pela
classificação ou pela autoridade hierarquicamente
superior competente para dispor a matéria.
28)(Cespe/TST/2008) O prazo de duração da classificação
de documentos secretos, que vigora a partir da data de
produção do dado ou da informação, é de, no máximo,
trinta anos.
29)(Cespe/TJDFT/2008) O prazo de duração da classificação ultra-secreto é de, no máximo trinta anos. 30(Cespe/TJDFT/2008) Os
29)(Cespe/TJDFT/2008) O prazo de duração da
classificação ultra-secreto é de, no máximo trinta anos.
30(Cespe/TJDFT/2008) Os servidores civis e militares, de
acordo com regulamentação específica de cada órgão ou
entidade da administração pública federal,podem,
também, atribuir o grau de sigilo secreto a um
documento.
31)(Cespe/TJDFT/2008) Os prazos de classificação poderão
ser prorrogados uma vez, por igual período, pela
autoridade responsável pela classificação ou autoridade
hierarquicamente superior competente para dispor sobre
a matéria.
Gabarito 1- E 2- C 3- C 4- E 5- C 6- E 7- C 8-
Gabarito
1- E
2- C
3- C
4- E
5- C
6- E
7- C
8- E
9- E
10- C
11- C
12- E
13- E
14- E
15- C
16- E
17- C
18- C
19- C
20- E
21- E
22- E
23- C
24- E
25- E
26- C
27- C
28- E
29- C
30- E
31- C