Vous êtes sur la page 1sur 36

OPERADOR DE RETROESCAVADEIRA

Sumário

Código de trânsito brasileiro

2

Identificação das partes da máquina

3

Identificação dos componentes da plataforma de operação

5

Controles da retroescavadeira

8

Operações com a retroescavadeira

9

Movimentações do trator

12

Escavações

14

Operação do carregador frontal

19

Normas de Segurança

30

Legislação NR 11- Portaria 3214/78 do Mtbe

33

Responsabilidade Civil e Criminal

35

Bibliografia

36

Código de Trânsito Brasileiro

CTB – Art. 143

I – Categoria A – Condutor de veículo motorizado de duas ou três rodas, com ou sem carro lateral;

II – Categoria B – Condutor de veículo motorizado, não abrangido pela categoria A, cujo peso brutal total não exceda a três mil e quinhentos quilogramas e cuja lotação não exceda oito lugares, excluído o do motorista;

III – Categoria C – Condutor de veículo motorizado utilizado em transporte de cargas, cujo peso brutal total não exceda a três mil e quinhentos quilogramas;

IV – Categoria D – Condutor de veículo motorizado no transporte de passageiros, cuja lotação exceda a oito lugares, excluído o do motorista;

V – Categoria E – Condutor de combinação de veículos em que a unidade tratora se enquadre nas categorias B,C ou D e cuja unidade acoplada,reboque,semi-reboque ou articulada, tenha seis mil quilogramas ou mais de peso bruto total ou cuja lotação exceda a oito lugares ou ainda seja enquadrado na categoria trailer.

Para operar o equipamento o operador deverá receber um treinamento específico que o qualificará e portar um cartão de identificação, com o nome e fotografia em lugar visível.

Norma regulamentadora nº. 11 – NR 11 Norma regulamentadora nº. 18 – NR 18 Portaria Mtb nº. 3214/78

Identificação das partes da máquina

  • 1 – Caçamba do carregador frontal

  • 2 – Braços do carregador frontal

  • 3 – Caçamba da retroescavadeira

  • 4 – Lança de profundidade

  • 5 – Lança de levante ou coluna

  • 6 – Estabilizadores laterais

  • 7 – Toldo refletivo

  • 8 – Espelhos retrovisores

  • 9 – Plataforma de operação

    • 10 – Faróis dianteiros de serviço

    • 11 – Faróis dianteiros de tráfego (ou transporte)

    • 12 – Faróis traseiros de serviço

    • 13 – Sinaleiras, pisca-pisca e luz de freio

    • 14 – Cilindro de basculamento da caçamba dianteira

    • 15 – Cilindro de levante da caçamba dianteiro

    • 16 – Cilindro de levante da caçamba traseira

    • 17 – Cilindro da lança de profundidade

    • 18 – Cilindro de basculamento da caçamba traseira

Identificação das partes da máquina 1 – Caçamba do carregador frontal 2 – Braços do carregador

Componentes da Retroescavadeira

A retroescavadeira é constituída pelos seguintes componentes:

Componentes da Retroescavadeira A retroescavadeira é constituída pelos seguintes componentes: 1 – Suporte fixo, apoiado na
  • 1 – Suporte fixo, apoiado na parte traseira e inferior do chassis e fixado por meio de dois tensores horizontais e verticais.

  • 2 – Conjunto de sapatas e estabilizadores, de ação individual, alojados no suporte fixo. Mantém a retroescavadeira em posição de operação.

  • 3 – Suporte móvel, montado no suporte fixo. Permite a rotação da torre de giro.

  • 4 – Torre de giro. Fixada no pino inferior do suporte móvel, formando um cotovelo com o braço de escavação.

  • 5 – Braço de escavação, que liga a basculagem com a concha.

  • 6 – Concha da retroescavadeira.

  • 7 – Torre de comando montada no suporte fixo, controla o funcionamento da retroescavadeira.

ESTABILIDADE

A estabilidade é importante para o funcionamento da retroescavadeira. Deve-se estudar cuidadosamente as seguintes informações e ilustrações relacionadas com a estabilidade antes de operar a retroescavadeira.

Para aumentar a estabilidade em um trabalho de escavação, coloque a concha do carregador na posição nivelada. Aplique pressão de descida sobre a concha para transferir o peso do trator, á concha do carregador.

Identificação dos Componentes da Plataforma de Operação

  • 1 – Painel de instrumentos frontal

  • 2 – Painel de instrumentos lateral

  • 3 – Alavancas de comando da retroescavadeira

  • 4 – Alavancas de comando dos estabilizadores laterais

  • 5 – Alavanca de comando do carregador frontal

  • 6 – Assento do operador e cinto de segurança

  • 7 – Alavanca do bloqueio do diferencial

  • 8 – Alavanca do câmbio

  • 9 – Alavanca do freio de estacionamento

    • 10 – Pedais dianteiros de inversão de marcha (frente – Ré) e aceleração

    • 11 – Volante de direção

    • 12 – Pedal traseiro de inversão de marcha (Frente – Ré)

    • 13 – Pedais do freio

Identificação dos Componentes da Plataforma de Operação 1 – Painel de instrumentos frontal 2 – Painel

*** IMPORTANTE

A concha do carregador deve estar nivelada sobre o solo. Se empurramos a concha para frente para que os cilindros fiquem estendidos, pode causar danos aos cilindros ou ás hastes.

*** IMPORTANTE A concha do carregador deve estar nivelada sobre o solo. Se empurramos a concha

Estabilizadores corretamente Colocados

Estabilizadores incorretamente Colocados

Abaixe as sapatas estabilizadoras para aliviar o peso das rodas traseiras. As rodas devem ficar tocando o solo, já que isto fornece a máxima distância entre as sapatas estabilizadoras e um centro de gravidade bem baixo. Se as rodas não tocarem no solo, não só reduz a estabilidade e a profundidade de escavação, como também afeterá o rendimento e impõem esforços desnecessários ao motor.

Durante a escavação normal, quando a concha penetra no solo e é enchida, existe uma tendência

Durante a escavação normal, quando a concha penetra no solo e é enchida, existe uma tendência da parte traseira do equipamento se levante do solo e se mova em direção a concha. Se as sapatas estabilizadoras estiverem devidamente fixadas, servem para ancorar o equipamento e evitar que seja puxado em direção á concha da retroescavadeira. A estabilidade tem uma importância particular quando se opera a retroescavadeira em posições de giro máximo, devido à tendência de levantar uma sapata de transferir todo o peso do equipamento a outra sapata estabilizadora.

Durante a escavação normal, quando a concha penetra no solo e é enchida, existe uma tendência

A estabilidade tem uma importância particular quando se opera a retroescavadeira em posições de giro máximo, devido a tendência de levantar uma sapata de transferir todo o peso do equipamento a outra sapata estabilizadora.

Controles da Retroescavadeira

Os controles da retroescavadeira consistem de seis alavancas de comando situadas no suporte fixo e torre d comando.

A forma mais fácil de gravar o movimento dos componentes, é relacionar os movimentos da alavanca com os do operador quando se encontrar no assento de operação, olhando para a retroescavadeira.

Ao movimentar as alavancas em sua direção, os componentes se movimentarão na mesma direção. Ao afastar as alavancas em sua direção, os componentes também se afastarão.

Quanto maior o curso das alavancas desde a posição de neutro, os componentes se movimentarão com mais rapidez. Par um controle mais preciso, todas as alavancas podem ser movidas com um ligeiro toque para fazer mais lento o movimento.

Operações com a Retroescavadeira

As técnicas de escavação são geralmente aprendidas através da experiência. Entretanto, é importante para o operador saber que a máxima eficiência e durabilidade da máquina é obtida trabalhando-se com o motor na rotação recomendada de 1800-RPM.

ENCHIMENTO DA CONCHA

*** Acione duas ou mais alavancas de cada vez em todo o ciclo de enchimento, para obter ação mais suave e máximo rendimento.

Operações com a Retroescavadeira As técnicas de escavação são geralmente aprendidas através da experiência. Entretanto, é

*** Controle a posição da concha em todo o ciclo de escavação, a fim de manter os dentes no ângulo correto para uma menor penetração, o que evitará arrastar ou raspar a concha contra a terra.

Operações com a Retroescavadeira As técnicas de escavação são geralmente aprendidas através da experiência. Entretanto, é

Quando escavar em terra dura ou socada, se pode aumentar a penetração da concha aplicando pressão descendente com a torre ao mesmo tempo em que retorna e retrai a concha. Se houver sobrecarga durante o avanço, pode ser necessário aplicar ocasionalmente a elevação durante o ciclo de escavação, para corrigir a profundidade da concha. Se houver sobrecarga durante o avanço, pode ser necessário aplicar ocasionalmente a elevação durante o ciclo de escavação, para corrigir a profundidade da concha.

Quando escavar em terra dura ou socada, se pode aumentar a penetração da concha aplicando pressão

Para obter uma vala mais limpa e evitar o acúmulo de material diretamente a frente da retroescavadeira, avance e retraia por completo a concha, a seguir levante-a da escavação. Desta forma, o excesso de material tornará a cair na escavação.

Quando escavar em terra dura ou socada, se pode aumentar a penetração da concha aplicando pressão

10

DESARGA DA CONCHA

Para descarregar a concha no final do eixo de escavação, eleve a concha para que fique livre da vala. Ser for necessário estender a concha faça fora da área e gire até a pilha de escombros.

Quando se aproximar da pilha, mova a concha para descarregá-la. Quando a concha está vazia, o braço e a concha deverão estar na posição para recomeçar a escavação na vala.

DESARGA DA CONCHA Para descarregar a concha no final do eixo de escavação, eleve a concha

** IMPORTANTE:

Evite o contato constante do tipo martelagem em pilha de escombros e a concha carregada, já que isto pode ocasionar desgastes prematuros dos pinos e bucho da retroescavadeira.

11

Movimentações do Trator

MOVIMENTAÇÃO DO TRATOR PARA FRENTE

Levante as sapatas estabilizadora e a concha do carregador até separá-los do solo. Com a concha da retroescavadeira na posição vertical juntamente com o braço da escavação, abaixe a torre forçando os dentes contra o fundo da vala. Empurre lentamente para frente às alavancas do braço e da concha, para mudar de lugar o trator. Volte a estabilizar a retroescavadeira antes de iniciar o trabalho. (Vide figura abaixo).

MOVIMENTAÇÃO DO TRATOR PARA FRENTE Levante as sapatas estabilizadora e a concha do carregador até separá-los

12

MOVIMENTAÇÃO DO TRATOR PARA O LADO

Levante as sapatas estabilizadoras ao separá-las do solo, retraia a concha mais ou menos até a metade do curso. Leve o braço para a posição d linha vertical conforme mostra a figura a seguir, abaixe a concha até encostar no solo.

Levante as sapatas estabilizadoras ao separá-las do solo, retraia a concha mais ou menos até a

A seguir aplique suficiente pressão de descida no cilindro da torre para que as rodas traseiras se separem do solo.

Acione lentamente a alavanca de controle de giro, para mover-se para direita ou para a esquerda.

13

Escavações
Escavações

ESCAVAÇÃO DE VALAS

A escavação de valas é a operação básica com a retroescavadeira. Outras operações de escavação são simples variantes desta função básica (isto é, encher a concha, esvaziar a concha e mover o trator para frente e para trás).

Entretanto na escavação de valas, é importante manter nivelado o fundo da vala, isto se consegue graduando a concha ao ângulo correto d corte. Quando a concha está avançando para dentro, empurre continuamente a alavanca da concha para manter o ângulo correto de corte. Ao mesmo tempo, alivie a alavanca da torre para reduzir a pressão para baixo e manter a concha no mesmo plano.

ESCAVAÇÃO DE VALAS A escavação de valas é a operação básica com a retroescavadeira. Outras operações

Continue a escavação da vala movimentando-se para frente. Se enchermos em demasia, será necessário uma pressão descendente excessiva para escavar.

Alem disso será necessário nivelar manualmente o fundo da vala. É preferível manter uma distancia menor, que avançar demasiadamente.

14

ESCAVAÇÃO CONTINUA DE VALAS COM CAIXA DE ACESSO

Comece a escavar a trincheira ao nível desejado. Avance ao longo da vala até chegar ao lugar da caixa de acesso e escave o buraco para a caixa o máximo possível sem mover a retroescavadeira d posição da linha de escavação da vala.

Comece a escavar a trincheira ao nível desejado. Avance ao longo da vala até chegar ao

Mova o trator para um lado como foi descrito anteriormente e acabe de escavar o buraco para a caixa. Volta a alinhar a retroescavadeira com a vala e prossiga com a escavação até o próximo buraco da caixa de acesso.

Comece a escavar a trincheira ao nível desejado. Avance ao longo da vala até chegar ao

15

ESCAVAÇÃO DE VALAS ENTRE UM EDIFÍCIO E ESCAVAÇÕES ABERTAS

* Comece a vala junto ao edifício. Escava a vala na metade da distância ato a

* Comece a vala junto ao edifício. Escava a vala na metade da distância ato a escavação. Após, comece a escavar desde a escavação abaixo até a primeira vala. Escave em seguida primeira vala até que apenas tenha lugar para retroceder o trator entre as duas valas. (veja figura

ao lado).

* Coloque o trator de modo que o giro de retroescavadeira fique próximo a linha de

* Coloque o trator de modo que o giro de retroescavadeira fique próximo a linha de centro da conexão entre as duas valas. Escave com a retroescavadeira girando suas posições ao extremo e o mais próximo possível das sapatas estabilizadoras. Empilhe todo material escavado do lado oposto das valas.

* Coloque o equipamento para a frente com as alavancas de avanço e posição, de modo

* Coloque o equipamento para a frente com as alavancas de avanço e posição, de modo a possibilitar a conexão de duas valas. Empilhe o material escavado ao lado oposto da vala. Os materiais retirados escavação devem ser depositados a uma distância superior á metade da profundidade, medida a partir da borda do talude – NR 18.6.8.

16

ESCAVAÇÃO DE VALAS SEM SENTIDO LATERAL EM DECLINES

Escave com a retroescavadeira toda encosta acima, sempre que seja possível.

Escave com a retroescavadeira toda encosta acima, sempre que seja possível. Nivela a retroescavadeira em declines

Nivela a retroescavadeira em declines com as sapatas estabilizadoras para escavar niveladas ou, utilize a retroescavadeira ou o carregador para escavar um entalhe plano para a roda e o estabilizador que estão na parte alta. Empurre a terra deste entalhe no lado de baixo.

Escave com a retroescavadeira toda encosta acima, sempre que seja possível. Nivela a retroescavadeira em declines

Quando estiver em uma lado de aclive forte, corte uma superfície nivelada na parte alta da vala com o carregador. Empilhe a terra deste corte na parte de baixo do declive. Quando estiver escavando, empilhe a terra da vala para cima.

Escave com a retroescavadeira toda encosta acima, sempre que seja possível. Nivela a retroescavadeira em declines

17

DISTÂNCIAS ATÉ AS VALAS DE FUNDÇÃO

Força introduzida no solo pelos apoios transmite-se segundo um cone de

45º (ver figura abaixo).

Força introduzida no solo pelos apoios transmite-se segundo um cone de 45º (ver figura abaixo). A

A máquina deve ser montada de tal forma que esse cone não toque em ponto algum da parede da vala (talude, etc.).

Vale como valor de orientação:

Profundidade da vala = distância entre a borda de apoio e a borda da vala.

Força introduzida no solo pelos apoios transmite-se segundo um cone de 45º (ver figura abaixo). A

18

Operação do Carregador Frontal

CONTROLES DO CARREGADOR

O carregador é controlado hidraulicamente, através de duas alavancas de comando. Uma opera os cilindros do braço, e a outra, os cilindros da concha.

O carregador é controlado hidraulicamente, através de duas alavancas de comando. Uma opera os cilindros do

LEVANTMENTO E ABAIXAMENTO DO BRAÇO DO CARREGADOR

O braço do carregador é abaixado ou levantado movimentando-se a alavanca de comando para cima ou para baixo. Puxando-se a alavanca para cima, abaixa-se o braço, e pressionando-se para baixo, levanta-se o mesmo. A velocidade de levantamento ou abaixamento do braço pode ser controlada pelo acionamento progressivo da alavanca de comando. Se o operador soltar a alavanca de comando em qualquer ocasião, durante a operação de levantamento ou abaixamento do braço, ela retornará automaticamente á posição neutra. O braça permanecerá na posição em que se encontrava quando a alavanca foi solta.

O carregador é controlado hidraulicamente, através de duas alavancas de comando. Uma opera os cilindros do

INCLINAÇÃO DA CONCHA

19

A inclinação da concha é obtida através do acionamento da respectiva alavanca de controle.

Puxando-se a alavanca para cima, coloca-se a concha na posição de descarga, e pressionando-a para baixo, inclina-se a concha para trás.

Quando solta, a alavanca de comando retoma á posição neutro, e a concha permanece na posição em que estava quando a alavanca foi solta.

A velocidade de descarga da concha pode ser controlada, como no braço, também pelo acionamento progressivo da alavanca.

A inclinação da concha é obtida através do acionamento da respectiva alavanca de controle. Puxando-se a

Para haver um rendimento máximo no trabalho com o carregador, os movimentos do braço e da concha deverão ser coordenados entre si, tanto na carga como na descarga.

ACELERAÇÃO DO MOTOR

20

O trator está provido de um acelerador de pé, que permite o operador controlar o regime de aceleração mais adequado aos diversos tipos de trabalho.

*** IMPORTANTE

Quando efetuar trabalhos com o carregador (como fechar valetas, remover terra, etc.) efetuar o ataque com a concha sempre com o trator em primeira ou segunda marcha, dependendo do material e quantidade a ser removida.

ENCHIMENTO DA CONCHA

Ponha a concha na posição nivelada, segundo, indicar o ponteiro no indicador de nível da concha. Aproxime-se e entre na pilha de material.

O trator está provido de um acelerador de pé, que permite o operador controlar o regime

Acione alternadamente as alavancas de comando da concha e braça para obter rendimento na operação de coroamento da concha. Esse movimento alternado é necessário para vencer a resistência do material.

O trator está provido de um acelerador de pé, que permite o operador controlar o regime

*** NOTA

Não se preocupe caso a concha não encher por completo na primeira vez. A máxima produtividade é medida pelo volume de material carregado em determinado tempo.

TRANSPORTE DE CARGA

21

Para maior estabilidade e visibilidade, nivele a concha com a capota do trator.

Para maior estabilidade e visibilidade, nivele a concha com a capota do trator. Quando trabalhar em

Quando trabalhar em uma colina ou lareira, mantenha a concha o mais baixo possível, para dar a máxima estabilidade.

Para maior estabilidade e visibilidade, nivele a concha com a capota do trator. Quando trabalhar em

ELEVAÇÃO DE CARGA

Para elevar e conduzir a carga sem derrame de material, retraia por completo a concha depois de enchê-la, antes de iniciar a marcha. Durante a elevação, a válvula compensadora mantém a concha nivelada evitando assim o derrame de material.

Para maior estabilidade e visibilidade, nivele a concha com a capota do trator. Quando trabalhar em

*** NOTA

Não levante cargas que excedam a capacidade normal do carregador. A capacidade de carga é de 1.800 Kg.

DESCARGA DA CONCHA

22

Levante a concha a uma altura suficiente para passar sobre a borda da caixa ou carroceria. A seguir, bascule a concha até que os seus batentes encostem na parte inferior dos braços. Depois de descarregar o material, retraia a concha e afaste o veículo, a seguir abaixe e nivele a concha.

Levante a concha a uma altura suficiente para passar sobre a borda da caixa ou carroceria.

OPERAÇÃO COM O CONTROLE DE FLUTUAÇÃO

Durante a operação sobre superfícies duras, ponha a alavanca de controle do braço na posição de “flutuação” totalmente para a frente e mantenha nivelada a concha. Isto permitirá que a concha “flutue” sobre o contorno da superfície de trabalho.

Levante a concha a uma altura suficiente para passar sobre a borda da caixa ou carroceria.

A posição de “flutuação” evitará que o material da superfície se misture com o material da pilha. Também reduzirá a possibilidade de estragar a superfície ao remover outro material.

CARREGAMENTO DESDE UM TALUDE

Para uma carga mais rápida, mantenha um anglo de giro de 45º e trabalhe o mais perto possível do caminhão.

Levante a concha a uma altura suficiente para passar sobre a borda da caixa ou carroceria.

Ocasionalmente, afaste com a concha abaixada para nivelar o piso aproxime-se do talude com a concha nivelada. Uma ligeira pressão de descida, com a concha nivelada, ajuda a analisar a área. No retorno use a parte inferior traseira para fechar buracos, etc.

Ocasionalmente, afaste com a concha abaixada para nivelar o piso aproxime-se do talude com a concha

Mantenha sempre o caminhão perto do local de trabalho. Para maior rendimento, mantenha a profundidade horizontal de corte igual a metade do comprimento da carroceria do caminhão.

Ocasionalmente, afaste com a concha abaixada para nivelar o piso aproxime-se do talude com a concha

Tenha cuidado ao escavar na parte baixa de taludes elevados. Um desmoronamento de terra pode ser perigoso. Retire o material do talude na posição mais baixa possível, para máxima eficiência.

Lembre que a capacidade para elevação e penetração do carregador diminuem a medida que aumenta a altura de ataque da concha.

Ocasionalmente, afaste com a concha abaixada para nivelar o piso aproxime-se do talude com a concha

24

CARREGAMENTO DESDE DE UMA PILHA DE MATERIAL

Em caso de pilhas, inicie a operação atacando com a concha na altura de aproximadamente 60cm do solo. Após ter reduzido a altura da pilha, trabalhe com a concha ao nível do solo para que a mesma possa romper e retirar com facilidade (figura 1). Mantenha a área limpa de modo que o caminhão possa movimentar-se perto da área de trabalho. Isto diminuirá a distância percorrida desde a pilha até o caminhão. Trabalhe ao redor da pilha (figura 2).

Em caso de pilhas, inicie a operação atacando com a concha na altura de aproximadamente 60cm

ENCHIMENTOS DE VALAS

Aproxime-se da pilha com a concha nivelada. Ajuste a largura de corte do material que possa ser manejado para que não ocorra sobre carga. Acione a alavanca de comando para elevação do braço simultaneamente com a concha, para mantê-la nivelada.

Em caso de pilhas, inicie a operação atacando com a concha na altura de aproximadamente 60cm

Deixe a terra contida na concha, já que descarrega-la em cada passagem é uma perda de tempo. Eleve e nivele a concha para seguinte passada.

Deixe a terra contida na concha, já que descarrega-la em cada passagem é uma perda de

Trabalhe em ângulo reto com a concha.

Deixe a terra contida na concha, já que descarrega-la em cada passagem é uma perda de

Deixe a terra que escapar pelos lados da concha, para quando fizer uma limpeza final. De maneira geral, uma passada longitudinal para a limpeza, deixa o enchimento a um nível aceitável.

Deixe a terra contida na concha, já que descarrega-la em cada passagem é uma perda de

Quando estiver trabalhando em ladeira, tenha a terra acumulada na parte de cima da vala, para facilitar o enchimento.

Quando estiver trabalhando em ladeira, tenha a terra acumulada na parte de cima da vala, para

Se chegar a cair ou atolar na vala, descarregue a concha e aplique pressão de descida para elevar as rodas dianteiras. Acione a concha quando aplicar a potência do motor, a fim de mover o trator para trás.

Quando estiver trabalhando em ladeira, tenha a terra acumulada na parte de cima da vala, para

Quando o trabalho de enchimento iniciar com uma pilha grande, empurre a parte mais alta da pilha em direção a escavação. Arraste um pouco de terra para trás, para formar uma rampa de trabalho.

Quando estiver trabalhando em ladeira, tenha a terra acumulada na parte de cima da vala, para

ALTURA E ESPALHAMENTO DE PILHAS GRANDES

O corte lateral é uma boa técnica para remover uma pilha grande de material.

ALTURA E ESPALHAMENTO DE PILHAS GRANDES O corte lateral é uma boa técnica para remover uma

Se os lados da pilha estão muito altos e há possibilidade de deslizamento, use o carregador para derrubá-los.

ALTURA E ESPALHAMENTO DE PILHAS GRANDES O corte lateral é uma boa técnica para remover uma

Após, construa uma rampa baixando o material, desde a parte superior, até que tenha cortado uma área de trabalho sobre a pilha.

ALTURA E ESPALHAMENTO DE PILHAS GRANDES O corte lateral é uma boa técnica para remover uma

CONCHA NORMAL E OPCIONAL

O carregador industrial normalmente vem equipado com uma concha sem dentes. Entretanto, poderá ser solicitada uma concha opcional com os dentes. Os dentes existentes na concha opcional são auto- afiantes, e não requerem cuidados especiais. Se alguns deles quebrar, poderá ser removido “a frio” do porta-dentes, utilizando-se um punção para levantar a borda rebaixada. Todavia, se houver condições (um maçarico), é aconselhável aquecer a área rebaixada para depois endireitar a borda do dente. Para colocar dentes novos, encaixe no porta-dentes e rebaixe as bordas nas depressões.

CONCHA NORMAL E OPCIONAL O carregador industrial normalmente vem equipado com uma concha sem dentes. Entretanto,

TABELA PARA USO DE CONCHAS

CONCHA NORMAL E OPCIONAL O carregador industrial normalmente vem equipado com uma concha sem dentes. Entretanto,

NORMAS DE SEGURANÇA

Visando enriquecer os conhecimentos dos operadores de retroescavadeira e aumentar cada vez mais a prevenção de acidentes, seguem as normas de

segurança da publicação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

NB – 153 e Normas Regulamentadoras NR -11 e NR 18 - portaria nº 3214/787

NORMAS DE SEGURANÇA Visando enriquecer os conhecimentos dos operadores de retroescavadeira e aumentar cada vez mais
31
32

LEGISLAÇÃO NR- 11 / PORTARIA 3214/78

NR 11- TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENANEGEM,manuseio de MATERIAIS.

11.1. Normas de segurança para operações de elevadores, guindaste, transportes industriais máquinas transportadoras.

  • 11.1.3. Os equipamentos utilizados na movimentação d materiais, tais

como, ascensores, elevadores de carga, guindaste, monta-carga,pontes rolantes, talhas, empilhadeiras, guinchos, esteiras-rolantes, transportadores de diferentes tipo, serão calculados e construídos de maneira que ofereçam as necessárias garantias de resistência e segurança e conservados em perfeita condições do trabalho.

11.1.3.1 Especial atenção será dada aos cabos de aço,cordas,correntes,roldanas e ganchos que deverão ser inspecionados,permanentemente,substituindo-se as suas partes defeituosas.

11.1.3.2Em todo o equipamento será indicado, em lugar visível, a carga máxima de trabalho permitido.

11.1.3.3Para os equipamentos destinados para movimentação do pessoal serão exigidas condições especiais de segurança.

  • 11.1.4. Os carros manuais para transporte devem possuir protetores das

mãos.

  • 11.1.5. Nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o

operador deverá receber treinamento específico, dado pela empresa, que o habilitará nessa função.

  • 11.1.6. Os operadores de equipamentos de transporte motorizado deverão

ser habilitados e só poderão dirigir se durante o horário de trabalho portarem um cartão de identificação, com o nome e fotografia em lugar visível.

11.1.6.1. O cartão terá validade de 1(um) ano, salvo imprevisto, e, para reavaliação, o empregado deverá passar por exames de saúde completo, por conta do empregador.

  • 11.1.7. Os equipamentos de transporte motorizados deverão possuir um

sinal de advertência sonora (buzina).

11.1.8.

Todos transportadores industriais serão permanentemente

inspecionados e as peças defeituosas, ou que apresentarem deficiência,

deverão ser imediatamente substituídas.

  • 11.1.9. Nos locais fechados ou pouco ventilados, a emissão de gases

tóxicos, por maquinas transportadoras, deverá ser controlada para evitar concentrações, no ambiente de trabalho, acima dos limites permissíveis.

11.1.10. Em locais fechados e sem ventilação, é proibido a utilização de máquinas transportadoras, movidas a motores de combustão interna, salvo se providas de dispositivos neutralizadores adequados.

  • 11.2.5. As pilhas de sacos,os armazéns, terão a altura máxima

correspondente a 30(trinta) fiadas de sacos quando for usado processo

mecanizado de empilhadeira.

  • 11.2.7. No processo mecanizado de empilhamento, aconselha-se o uso de

esteiras—rolantes, dalas ou empilhadeiras.

11.3. Armazenamento de materiais.

  • 11.3.1. O peso do material armazenado não poderá exceder a capacidade de

carga calculada para o piso.

  • 11.3.2. O material armazenado deverá ser disposto de forma a evitar a

obstrução de portas, equipamentos contra incêndio, saídas de emergência,

etc.

  • 11.3.3. Material empilhado deverá ficar afastado das estruturas laterais do

prédio a uma distância de pelo menos 0,50cm (cinqüenta centímetros).

  • 11.3.4. A disposição não deverá dificultar o trânsito, a iluminação, e o

acesso ás saídas de emergência.

11.3.5 O armazenamento deverá obedecer aos requisitos de segurança especiais a cada tipo de material.

Responsabilidade Criminal e Civil

Artigo 132 do Código Penal Brasileiro

¨Perigo para vida ou saúde de outrem¨

Artigo 132 – Expor a vida ou saúde de outrem a perigo direto ou iminente:

Pena de detenção de três meses a um ano, se caso o fato não constitui crime mais grave¨ (A aplicação deste artigo constitui verdadeira medida prática visando prevenir a ocorrência de acidentes de trabalho).

Oportuno comentar que o Artigo 132 do Código Penal pune a simples exposição a titulo de perigo para a vida ou saúde do trabalhador.

Quando se fale em responsabilidade criminal, faz-se necessário a distinção entre ocorrência dubitável de risco ou natural do serviço (risco objetivo), e a resultante de dolo ou culpa.

Para caracterização de crime, torna-se necessária a existência do elemento subjetivo- dolo ou culpa, e além disso que o fato praticado seja típico,antijurídico e culpável. É imprescindível provar-se que o acidente ocorreu em virtude de manifesta negligência em observar as normas mínimas de segurança do trabalho. Assim, o empregador que distribui serviços sem as mínimas condições de segurança responderá pelo acidente que venha a ocorrer.

A responsabilidade será sempre: do superior que tinha poderes para alterar a situação, daquele que tinha o dever de informar as irregularidades existentes, bem como fornecer equipamento de proteção, de fiscalizar e dar treinamento.

Bibliografia

Manual do Operador de Retroescavadeira

NR 11 – Portaria Mtb 3214/78

Código Civil

Código Penal

Código de trânsito

FONTE / SENAI - SP