Vous êtes sur la page 1sur 6

Gestão da Informação recolhida: relatório de auto-avaliação, passo a passo!

Ge
stã
o
da
inf
or
m

ão
re
col
hid
a
Relat
ório
da
Ana Maria Cabral
Página 2 de 6
Gestão da Informação recolhida: relatório de auto-avaliação, passo a passo!

Gestão da informação
A formulação da questão a
recolhida.
investigar é o principal pilar do
Relatório de auto-avaliação,
processo baseado em
passo a passo! evidências: a precisão, clareza e
âmbito devem promover a
Documento que tem como objectivo credibilidade das evidências
orientar na concepção do relatório. Serão encontradas. As etapas
aconselhadas são cinco:
dadas algumas orientações que servem de
identificar a questão; encontrar
base à reflexão. Não dispensa a leitura a melhor evidência para
atenta do Modelo de Auto-Avaliação – responder à questão; avaliar
criticamente as evidências;
Orientações para aplicação pag. 59 a 76. aplicar os resultados a um caso
específico; e avaliar os
Secção A

[Relatar os resultados da auto‐avaliação do domínio que, no âmbito da aplicação do Modelo de Auto‐Avaliação, foi
escolhido na escola no presente ano lectivo]

Domínio ….[mencionar o domínio escolhido]

Indicadores Evidências recolhidas Pontos fortes Pontos fracos


identificados
identificados

- Instrumentos/técnicas (identificadas - Em função das evidências


em cada indicador) que ajudaram na detectadas, identificar o que
recolha da informação; consideram serem os pontos fortes e
- Para que sejam evidências fracos na acção/projecto da BE;
efectivas é necessário que deles se
Inserir os - Os pontos fortes e fracos deverão
extraia o sentido da informação, se
indicadores de espelhar as evidências recolhidas (se
estabeleçam ligações entre dados.
acordo com o assim não for haverá incongruência
- Para cada indicador fazer uso da
apresentado no processo de avaliação) e
informação (evidências)
no modelo; perspectivar possíveis acções de
disponibilizada por diversos
melhoria a implementar ou
instrumentos (sempre que seja
manutenção/aperfeiçoamento de
operacional;
acções já iniciadas [consideradas
As evidências podem resultar do
sempre acções para a melhoria];
cruzamento de dados obtidos através

Ana Maria Cabral


Página 3 de 6
Gestão da Informação recolhida: relatório de auto-avaliação, passo a passo!

do uso de instrumentos (um ou vários - Na identificação desses pontos


instrumentos de recolha); devem ser efectuadas comparações
- questionário, entrevista, actividade com factores críticos de sucesso
de observação, análise e/outros standards que a literatura
documental… ‐ pode fornecer identifica
dados que se relacionem com O envolvimento de todos na
diferentes subdomínios ou recolha de evidências pode
indicadores; também ajudar a assumir o papel
fundamental da Biblioteca na
- De acordo com as evidências inserir
escola, não devendo ser encarada
os resultados alcançados tendo em como uma ilha. “In essence,
conta os factores críticos de sucesso evidence-based practice is about
identificados. having the rich, diverse and
convincing evidence that
demonstrates that the library is a
vital part of the learning fabric of
the school – that it is integral,
Preenchimento do quadro síntese: rather than peripheral” (Ross
Todd, 2002)

Domínio/ Nível obtido Acções para melhoria Observações

subdomíni
o

Identificar Face à avaliação descrita O Campo das


objectivamente o nível na 1º tabela onde foram Observações (mais
obtido no Perfil de identificados os pontos específicas ou
Desempenho – consultar fortes e fracos, mas tendo globalizantes) servirá
a respectiva Tabela de em conta o contexto para que se
Perfis de Desempenho, global da escola (também identifiquem
as oportunidades e constrangimentos e/ou
ameaças), perspectivar aspectos considerados
acções que permitam relevantes/justificativo
continuar a melhorar a s para o cômputo do
qualidade da acção da subdomínio do
BE, domínio globalmente,
ou se fundamentem
acções.

Ana Maria Cabral


Página 4 de 6
Gestão da Informação recolhida: relatório de auto-avaliação, passo a passo!

Secção B:

- Destina‐se a apresentar informação acerca do perfil de desempenho da BE nos domínios que,


não sendo objecto de avaliação nesse ano lectivo, testemunham o seu desempenho nas
diferentes áreas de funcionamento da BE:

- Para que o relatório contenha uma visão global do funcionamento da BE na escola e com a
escola é imprescindível que, apesar de em cada ano ser apenas auto‐avaliado um Domínio, se
tenha em conta que a acção da BE se orienta para outros domínios de intervenção;

Subdomínio Relatório de avaliação Evidências que Acções para melhoria


fundamentam o relatório

Inserir uma análise Não tendo esses domínios Perspectivar acções


concisa tenda em conta sido objecto do mesmo de melhoria
Consoante o
os pontos fracos e grau na avaliação, pelo
modelo
fortes detectados que não haverá evidências
nesses domínios tão consolidadas, há com
certeza informações
relevantes que devem ser
consideradas, pois
provam que foram
domínios também
trabalhados pela BE –
colocar essas evidências
na coluna correspondente.

Secção C

Visa um resumo que forneça uma visão global, recorrendo a um quadro síntese dos resultados
obtidos e das acções a implementar.

Quadro Síntese dos Resultados da avaliação

Domínio Subdomínio Nível Resultados das Ano de incidência Data de apresentação ao


obtido acções de melhoria

Ana Maria Cabral


Página 5 de 6
Gestão da Informação recolhida: relatório de auto-avaliação, passo a passo!

implementadas, após da Conselho Pedagógico.


avaliação, para este
auto-avaliação Recomendações do
subdomínio. para cada
Conselho Pedagógico
domínio.

- Quadro que sistematiza o processo de avaliação da BE de forma globalizante e clarifica o


processo de articulação com a escola, sobretudo quando se apresentam em Conselho
Pedagógico os resultados, mas também as propostas de acções de melhoria, integrada
(perspectiva para) na política e estratégia global conduzida pela escola ao longo do ano;

Ana Maria Cabral


Página 6 de 6

Centres d'intérêt liés