Vous êtes sur la page 1sur 8

Línguas e Educação: construir e partilhar a formação (PTDC/CED/68813/2006 / FCOMP-01-0124-FEDER-007106) 2007 > 2010

Da minha língua vê-se o mar. E das outras?

2007 > 2010 Da minha língua vê-se o mar. E das outras? Autoras Ana Margarida Botelho

Autoras Ana Margarida Botelho Ana Paula Ramos Ana Raquel Simões Helena Aleluia Helena Araújo e Sá Susana Pinto Susana Senos

Quadro-síntese de apresentação

Título:

Da minha língua vê-se o mar. E das outras? Representações de alunos de diferentes anos escolares face à LM e ao ILE

Público: Alunos do 3º CEB e do Secundário

Línguas abordadas: Português (Língua Materna) e Inglês (Língua Estrangeira)

Objectivo Principal:

Promover a consciencialização dos alunos relativamente às representações (suas e dos outros) das línguas e culturas, bem como processos de reflexão que conduzam ao desenvolvimento dessas representações no sentido de uma maior sensibilização à Diversidade Linguística e Cultural.

Materiais: Fichas de trabalho

1. Textos namoradeiros

2. Documento de reflexão sobre a Sessão I

3. Apresentando a Língua Portuguesa

4. Apresentando a Língua Inglesa

2. Documento de reflexão sobre a Sessão I 3. Apresentando a Língua Portuguesa 4. Apresentando a

Oficina de Formação Colaborar em práticas de sensibilização e educação plurilingue e intercultural: que possibilidades

de desenvolvimento profissional? (Grupo de Trabalho A - GTA)

CCPFC/ACC 54448/08

Formadoras Ana Isabel Andrade Ana Sofia Pinho Ângela Espinha Filomena Martins Susana Sá Ana Raquel Simões Mónica Bastos Helena Araújo e Sá Sílvia Gomes Susana Pinto

Ano Lectivo 2008/2009

Aula de Língua Portuguesa (Língua Materna)

Unidade didáctica: Arroz do Céu Conteúdo: Relação Sujeito/Língua/Cultura

Planificação global

Da minha língua vê-se o mar. E das outras?

 

Objectivo(s)

 

Desenvolvimento

 

Material(is)

 
 

- Reflectir sobre a importância do conhecimento da Língua como modo de integração na sociedade.

Diálogo professor(a)-alunos:

 

(José

Rodrigues

Factores da não integração do personagem limpa-vias na sociedade, nomeadamente o desconhecimento da Língua.

Conto

Miguéis).

Arroz

do

Céu

Reflectir globalmente sobre a importância da Língua na vida do Ser Humano.

-

Reflexão inicial: para que serve a língua?

Brainstorming: levar os alunos a inferir que através da língua se transmite cultura

-

Quadro e giz.

 

Fase I

-

Registo esquemático no quadro.

 
 

Diálogo professor/alunos:

 

“Textos namoradeiros” – Diversos excertos de textos relacionados com a Língua Portuguesa de vários autores (Ficha 1). Documento de reflexão sobre a Sessão (Ficha 2).

 

Reflectir sobre a importância da língua e cultura portuguesas.

-

Análise e interpretação de vários textos que evidenciam as relações

-

sujeito-língua-cultura.

 

-

Registo esquemático no quadro das ideias essenciais de cada excerto.

   

Diálogo professor(a)-alunos:

Conto

Arroz

do

Céu

(José

Rodrigues

-

Seleccionar e relacionar informações.

Articulação com a aula anterior, recapitulação das ideias principais e relação com o conto em estudo.

Miguéis).

 
 

Trabalho individual escrito:

 

Reflectir sobre as representações acerca da língua e cultura portuguesas.

-

Pequenas frases em que os alunos transmitam, através de palavras e imagens, o que é a Língua Portuguesa para eles.

Papel e caneta/lápis

 

Fase II

 

-

Troca de textos individuais na turma e comentário crítico acerca dos

 

Comentar e reflectir sobre os textos dos colegas.

-

vários

textos

que

evidenciam as relações sujeito-língua-cultura dos

Textos produzidos individualmente pelos alunos

colegas.

   

-

Diálogo professor(a)-alunos e alunos/alunos.

 
 

Trabalho em grupo escrito:

“Apresentando a Língua Portuguesa” (Ficha 3) Material diverso à escolha dos alunos.

Reflectir sobre representações colectivas acerca da língua e cultura portuguesas.

-

Construção de textos/materiais sedutores de apresentação das suas línguas e culturas: pequenas frases / textos / imagens em que os alunos transmitam o que é a Língua Portuguesa para eles.

Ana Margarida Botelho Ana Paula Ramos Ana Raquel Simões Helena Aleluia Helena Araújo e Sá Susana Pinto Susana Senos

Aula de Inglês (Língua Estrangeira)

Unidade didáctica: The Multicultural World Conteúdo: Relação Sujeito/Língua/Cultura

Da minha língua vê-se o mar. E das outras?

 

Objectivo(s)

 

Desenvolvimento

 

Material(is)

 
 

- Reflectir sobre a importância do conhecimento da Língua como modo de integração na sociedade.

Diálogo professor(a)-alunos:

 

Introdução à unidade temática com exploração de uma imagem para reflectir acerca da sociedade multicultural actual / encontros de culturas.

Imagem

-

Reflectir globalmente sobre a

Reflexão inicial: para que serve a língua?

 

Fase I

importância da Língua na vida do Ser Humano.

Brainstorming: levar os alunos a inferir que através da língua se transmite cultura;

-

Quadro e giz

 

-

Registo esquemático no quadro.

 
 

Diálogo professor(a)-alunos:

“Textos namoradeiros” – Diversos excertos de textos relacionados com a Língua Portuguesa de vários autores. (Ficha 1). Documento de reflexão sobre a Sessão (Ficha 2).

 

Reflectir sobre a importância da língua e cultura portuguesas.

-

- Análise e interpretação de vários textos que evidenciam as relações sujeito-língua-cultura;

-

Registo esquemático no quadro das ideias essenciais de cada excerto.

 

-

Seleccionar e relacionar informações.

Diálogo professor(a)-alunos:

 

Articulação com a aula anterior, recapitulação das ideias principais.

 

Trabalho individual escrito:

 

- Reflectir sobre as representações acerca da língua e cultura inglesas.

Pequenas frases em que os alunos transmitam, através de palavras e imagens, o que é a Língua Inglesa para eles.

Papel e caneta/lápis

 

Fase II

Comentar e reflectir sobre os textos dos colegas.

-

- Troca de textos individuais na turma e comentário crítico acerca dos vários textos que evidenciam as relações sujeito-língua-cultura dos colegas.

Textos

produzidos

individualmente

pelos

alunos

   

-

Diálogo professor(a)-alunos e alunos/alunos.

 

-

colectivas acerca da língua e cultura

Reflectir sobre representações

Trabalho em grupo escrito:

 

Construção de textos/materiais sedutores de apresentação da Língua e Cultura Inglesa: pequenas frases/textos em que os alunos transmitam, através de palavras e imagens, o que é a Língua Inglesa para eles.

“Apresentando a Língua Inglesa” (Ficha 4) Material diverso à escolha dos alunos.

inglesas.

Ana Margarida Botelho Ana Paula Ramos Ana Raquel Simões Helena Aleluia Helena Araújo e Sá Susana Pinto Susana Senos

Da minha língua vê-se o mar. E das outras?

Ficha 1

Textos namoradeiros

vê-se o mar. E das outras? Ficha 1 Textos namoradeiros “As palavras são boas. As palavras

“As palavras são boas. As palavras são más. As palavras ofendem. As palavras pedem desculpa. As palavras queimam. As palavras acariciam. As palavras são dadas, trocadas, oferecidas, vendidas e inventadas. As palavras estão ausentes. Algumas palavras sugam-nos, não nos largam: são como carraças, vêm nos livros, nos jornais, nos slogans publicitários, nas legendas dos filmes, nas cartas e nos cartazes. As palavras aconselham, sugerem, insinuam, ordenam, impõem, segregam, eliminam. São melífluas ou azedas.” (José Saramago, “As palavras”, in Deste mundo e do outro, 1999)

“Uma língua é o lugar donde se vê o mundo e de ser nela pensamento e sensibilidade.” (Vergílio Ferreira, À voz do mar, 1998)

“A língua que falas e escreves

É

Que tem nos ramos as letras, Nas folhas os acentos

E nos frutos o sentido de cada coisa que dizes. (…)

A língua cresceu com o país,

que se alongou até ao sul

e depois chegou às ilhas,

vencendo os tormentos do mar.

O país ganhou a forma

de uma língua de terra

capaz de usar palavras como ‘lonjura’ e ‘saudade’. (…)

É uma língua que se veste

de baiana no Brasil,

ganhando feitiços de som em Angola e Moçambique

uma árvore de sons

e

novos significados

para as bandas de Timor.”

1. De que língua se fala aqui? 2. Quais as particularidades da Língua Portuguesa apresentadas
1. De que língua se fala aqui?
2. Quais as particularidades da Língua
Portuguesa apresentadas neste poema?
3. Porquê a metáfora com a árvore?

(…) (José Jorge Letria, Esta Língua Portuguesa, 2007)

“Uma língua em que as vogais não têm todas a mesma cor (…). Para já não entrar nas consoantes que, em Portugal, como se sabe, assobiam, na África cantam e no Brasil dançam. Temos uma língua com vogais multicolores e consoantes sibilantes, ondeantes e serpenteantes.” (Excerto da conferência Língua Portuguesa, Língua de Culturas proferida por Manuel Alegre durante a Expolíngua)

“Gosto de ouvir o português do Brasil Onde as palavras recuperam a sua substância total Concretas como frutos nítidos como pássaros Gosto de ouvir a palavra com as suas sílabas todas Sem perder sequer um quinto de vogal

Da minha língua vê-se o mar. E das outras? Quando Helena Lanari dizia ‘coqueiro’ O

Da minha língua vê-se o mar. E das outras?

Quando Helena Lanari dizia ‘coqueiro’ O coqueiro ficava muito mais vegetal.

(Sophia de Mello Breyner Andresen, Poema de Helena Lanari, Geografia in Antologia, 1975).

“A língua é a mesma. Mas não é a mesma. É una. Mas é diversa. Tanto mais ela quanto mais diferente. Tanto mais pura quanto mais impura. Tanto mais rica quanto mais mestiça (…)” (Excerto da conferência Língua Portuguesa, Língua de Culturas proferida por Manuel Alegre durante a Expolíngua)

1. O que há de comum nos três textos?

2. De acordo com os textos quais as diferenças entre as variedades da Língua Portuguesa?

3. Sophia diz que gosta muito de ouvir o Português do Brasil. E tu? Porquê?

4. Concordas que uma língua é tanto mais rica quanto mais mestiça?

que uma língua é tanto mais rica quanto mais mestiça? “Na língua do nosso lugar não

“Na língua do nosso lugar não há palavra exacta para dizer pescar. Diz-se ‘matar o peixe’. Não há palavra própria para dizer barco. E oceano se diz assim: ‘o lugar grande’. Somos gente da terra, o mar é recente.”

(Mia Couto, Mar me quer, 2000)

“Diz-se que numa das línguas faladas pelos indígenas da América do Sul, talvez na Amazónia, existem mais de vinte expressões, umas vinte e sete, creio recordar, para designar a cor verde. Comparando com a pobreza do nosso vocabulário quanto a esta matéria, parecera que devia ser fácil para eles descrever as florestas em que vivem, no meio de todos aqueles verdes minuciosos

e diferenciados, apenas separados por subtis e quase inapreensíveis matizes.” (José Saramago, A viagem do elefante, 2008)

“Da minha língua vê-se o mar. Na minha língua ouve-se o seu rumor como na de outros se ouvirá

o da floresta ou o silêncio do deserto.”

(Vergílio Ferreira, À voz do mar, 1998)

do deserto.” (Vergílio Ferreira, À voz do mar , 1998) 1. De que falam os três

1. De que falam os três textos?

2. Por que é que achas que não há palavra para dizer barco, pescar e mar?

3. Por que é que achas que há, na Amazónia, 27 expressões para dizer verde?

Da minha língua vê-se o mar. E das outras?

Ficha 2

Da minha língua vê-se o mar. E das outras? Ficha 2 Documento de reflexão sobre a

Documento de reflexão sobre a Sessão I

3. O que aprendeste na aula de hoje?

sobre a Sessão I 3. O que aprendeste na aula de hoje? 2. A aula foi

2. A aula foi importante para ti? Porquê?

na aula de hoje? 2. A aula foi importante para ti? Porquê? 3. Dos textos analisados,

3. Dos textos analisados, de qual gostaste mais? Porquê?

na aula de hoje? 2. A aula foi importante para ti? Porquê? 3. Dos textos analisados,

Da minha língua vê-se o mar. E das outras?

Ficha 3

Da minha língua vê-se o mar. E das outras? Ficha 3 Apresentando a Língua Portuguesa Imagina

Apresentando a Língua Portuguesa

Imagina que tinhas de apresentar a língua portuguesa a alguém que nunca tivesse contactado com ela. O que lhe dirias e porquê?

que tinhas de apresentar a língua portuguesa a alguém que nunca tivesse contactado com ela. O

Da minha língua vê-se o mar. E das outras?

Ficha 4

Da minha língua vê-se o mar. E das outras? Ficha 4 Apresentando a Língua Inglesa Imagina

Apresentando a Língua Inglesa

Imagina que tinhas de apresentar a língua inglesa a alguém que nunca tivesse contactado com ela. O que lhe dirias e porquê?

Imagine you had to present the English Language to someone who had never been in touch with it. What would you say and why?

you had to present the English Language to someone who had never been in touch with