Vous êtes sur la page 1sur 1

TERÇA-FEIRA, 12 DE JANEIRO DE 2010

O ESTADO DE S. PAULO
NOTAS
NOTAS E
E INFORMAÇÕES A3
INFORMAÇÕES A3

Fundado em 1875 Conselho de Administração Opinião Informação Administração e Negócios


Julio Mesquita (1891-1927) Presidente Diretor de Opinião: Ruy Mesquita Diretor de Conteúdo: Ricardo Gandour Diretor Presidente: Silvio Genesini
Julio de Mesquita Filho (1927-1969) Aurélio de Almeida Prado Cidade Editor Responsável: Antonio Carlos Pereira Editor-Chefe Responsável: Roberto Gazzi Diretor de Operações: Rubens Prata Jr.
Francisco Mesquita (1927-1969)
Luiz Carlos Mesquita (1952-1970)
Diretor Financeiro: Ricardo do Valle Dellape
Membros Diretora Jurídica: Mariana Uemura Sampaio
José Vieira de Carvalho Mesquita (1959-1988) Fernão Lara Mesquita
Julio de Mesquita Neto (1969-1996)
Luiz Vieira de Carvalho Mesquita (1959-1997) Francisco Mesquita Neto
Américo de Campos (1875-1884) Júlio César Mesquita
Nestor Rangel Pestana (1927-1933) Patricia Maria Mesquita
Plínio Barreto (1927-1958) Roberto C. Mesquita

NOTAS & INFORMAÇÕES

Lula e os estragos do decreto

O
presidente Lula voltou a Brasí- vel, porque o decreto tem 92 páginas e o presi- feira, o ministro da Agricultura, Reinhold Ste- planeta”. Pura injustiça. O decreto já nasceu
lia, depois das férias, com o ob- dente, como se sabe, é avesso à leitura. Mas phanes, criticou o texto assinado por Lula. O um monstrengo e seu autor é ele mesmo. Mas
jetivo imediato de acabar com isso não o isentaria de responsabilidade. documento, segundo ele, é preconceituoso em não é “único no planeta”. Pertence a uma velha
a briga entre ministros, pôr or- O fato é que ele escorregou mais de uma relação à agricultura de mercado, principal su- e grande família. Entre seus antepassados in-
dem na casa e cuidar dos estra- vez. Um de seus enganos foi confiar na aten- porte do superávit comercial e da estabilidade cluem-se as leis criadas pelos governos mais
gos causados pelo infeliz decre- ção e na qualidade do julgamento da ministra- de preços. totalitários e mais brutais do século 20.
to sobre o Programa Nacional de Direitos Hu- chefe da Casa Civil, sua candidata à Presidên- Na sua opinião, as mudanças legais propos- Entre os parentes contemporâneos é fácil
manos, assinado por ele mesmo em 21 de de- cia. Se eleita, ela talvez tenha mais sorte que tas pelo decreto deverão aumentar “a insegu- apontar, por exemplo, as aberrações do regi-
zembro. Pelo menos um erro o presidente re- Lula na escolha da figura mais im- rança jurídica no campo”. Quanto a me instaurado pelo venezuelano Hugo Chávez
conheceu: não se deveria ter incluído no texto portante do gabinete – alguém ca- isso, não podem pairar dúvidas. O e outras produzidas ou meramente ensaiadas
a proposta de revogação da Lei da Anistia, de paz de ler e de avaliar os documen- decreto defende, entre outras aber- por vários chefes populistas latino-america-
1979. Melhor deixar o assunto para o Judiciá- tos entregues para o chefe assinar. rações, um exercício de mediação nos. As ameaças à liberdade de expressão e de
rio, porque a lei já foi contestada pela Ordem Mas o presidente ainda pode evi- entre invasores e vítimas de invasão informação, em nome de direitos humanos,
dos Advogados do Brasil e o Supremo Tribu- tar maiores danos. Se eliminar o re- de propriedades, antes da decreta- são típicas dessa família de concepções políti-
nal Federal deverá julgar a ação neste ano. vanchismo embutido no decreto, po- ção, pelo juiz, da reintegração de cas, assim como a intenção de converter o ensi-
Mas o erro foi cometido em várias etapas. derá acomodar a situação com os co- posse. Invasão ainda é crime e inva- no da História em ferramenta de controle ideo-
A primeira contribuição foi do secretário mandantes militares e livrar o minis- sores não podem ter o mesmo sta- lógico. Portanto, monstrengo, sim, mas não
Nacional de Direitos Humanos, Paulo Vannu- tro da Defesa, Nelson Jobim, de tus legal de suas vítimas, mas o au- único em sua espécie.
chi, responsável pelo texto original do decre- uma situação muito desconfortável. tor do texto parece desconhecer ou Para cuidar dos danos causados pelo decre-
to. A segunda foi da chefe da Casa Civil, Dilma Com isso, talvez tenha de aceitar a demissão desprezar esse e outros detalhes. O mesmo de- to, o presidente Lula terá de entender a exten-
Rousseff. Era sua obrigação desarmar a bom- de seu secretário nacional de Direitos Huma- creto propõe subordinar ao assembleísmo de são do problema. Não basta cuidar da polêmi-
ba e prevenir o presidente. A terceira, e con- nos, Paulo Vannuchi, mas isso será um bônus, organizações “populares” as decisões de au- ca entre os chefes militares e o secretário Pau-
clusiva, foi do próprio Lula, ao assinar o papel. não um custo. mento de plantio de várias culturas de grande lo Vannuchi, nem atenuar aqui e ali as amea-
Atribuem-lhe a declaração de que assinou Sobrariam, no entanto, outros problemas. importância comercial para o País. ças ao agronegócio. O decreto é totalmente
sem ler. Pode ser verdade. Mas pode ser tam- O revanchismo e a tentativa de revogação da O secretário nacional de Direitos Humanos ruim, porque é de natureza ditatorial. É esse o
bém que o tenha lido sem pensar nas conse- Lei da Anistia são apenas uma das várias fon- acusou seus críticos de desejarem transfor- problema real, e o presidente sabe disso mes-
quências. A segunda hipótese parece imprová- tes de conflito reunidas no decreto. Na sexta- mar o plano em “monstrengo político único no mo que não o tenha lido.