Vous êtes sur la page 1sur 31

A

GRAVIDEZ
EO
ÁLCOOL
PLANO DA SESSÃO
• TEMA: A Gravidez e o Álcool

• POPULAÇÃO ALVO: Alunos do 4º CLE e Dra. Celeste Duque;

• OBJECTIVOS GERAIS: Dar a conhecer essencialmente os distúrbios


que a problemática do álcool pode causar numa gravidez

• OJECTIVOS ESPECÍFICOS: Enumerar os efeitos orgânicos,


psicológicos e sociais do álcool, desenvolver os aspectos
psicológicos da gravidez especialmente quando exacerbados pelo
alcoolismo e mencionar algumas das consequências para o feto
quando se verifica o consumo de álcool durante a gravidez.

• DATA: 20/04/2004
• HORA:14h
• LOCAL: Sala 4 da ESSaF.
• GRUPO: Andreia Ramos
Gabriela Borges
Martinho Costa
Vera Barbosa
METODOLOGIA
CONTEÚDOS MÉTODO TÉCNICA M.A.E. DURAÇÃO

INTRODUÇÃO
APRESENTAÇÃO DO GRUPO COMPUTADOR 2’
AFIRMATIVO EXPOSIÇÃO
E DO TRABALHO PROJECTOR

DESENVOLVIMENTO
1 – Aspectos gerais do álcool 3’
1.1 –Efeitos orgânicos 3’
1.2 – Efeitos psicológicos 3`
1.3 – Efeito sociais 4’
2 – Aspectos gerais da
gravidez COMPUTADOR
2.1 – Aspectos psicológicos AFIRMATIVO EXPOSIÇÃO 3’
PROJECTOR
da gravidez 3’
3 - Efeitos do álcool durante a
gravidez

CONCLUSÃO/ REFLEXÃO AFIRMATIVO EXPOSIÇÃO COMPUTADOR 5’


PROJECTOR

BIBLIOGRAFIA AFIRMATIVO EXPOSIÇÃO COMPUTADOR


PROJECTOR 1’

AVALIAÇÃO AFIRMATIVO EXPOSIÇÃO ORAL 3’


INTRODUÇÃO
• Sendo o alcoolismo uma doença crónica,
distinguindo-se do consumo ocasional e social que
muitos indivíduos, nomeadamente mulheres
possam apresentar, podendo ocorrer mesmo
durante a gravidez;

• A SAF é a anormalidade produzida no feto,


provavelmente mais observada, manifestando-se
por deficiências de crescimento e no
desenvolvimento, bem como por todo um conjunto
de muitas outras anomalias;

• O consumo de álcool na mulher grávida, trará


também implicações psicológicas dificilmente
quebráveis, mas que são entendidas se virmos o
álcool como transmissor a curto prazo de um
paraíso de sensações imediatas, fortes e
deslumbrantes.
ASPECTOS GERAIS DO
ÁLCOOL
• O álcool “é a droga mais consumida em
todos os estratos etários, em ambos os
sexos e em quase todos os grupos
sociais.” (Peréz, A., 1997, p.51)

• Segundo a mesma autora, afecta cada


vez mais os adolescentes sendo a droga
que se consome muito mais do que
qualquer outra droga ilegal, o que
provoca nestas idades muitas das
dependências alcoólicas graves.
ASPECTOS GERAIS DO
ÁLCOOL
• Segundo www.lardemaria.org.br as causas do
alcoolismo são:

– Hereditariedade: um filho de uma alcóolatra tem à


partida mais probabilidade de adquirir hábitos alcoólicos;

– Factores psicológicos: os conflitos emocionais, baixa


auto-estima, problemas financeiros, depressão poderão
estar ligados ao consumo de álcool;

– Factores sociais: a facilidade de acesso à bebida, o estilo


de vida stressante, a aceitação social do vício, o incentivo
de grupos de amigos contribuem para o alcoolismo.
ASPECTOS GERAIS DO
ÁLCOOL
Segundo as www.lardemaria.org.br consequências gerais de
uma ingestão abusiva de álcool, são:

• Instabilidade emocional
• Perda da capacidade de auto-controle
• Descoordenação motora
• Amnésia
• Confusão mental
• Impotência sexual e interrupções dos ciclos menstruais
• Alterações cerebrais, neurológicas e cardíacas
• Diarreia
• Pancreatite
• Cirrose hepática
EFEITOS ORGÂNICOS
Pérez (1997) refere que apenas é preciso pouco tempo
para que qualquer quantidade de álcool ingerida seja
absorvida para a corrente sanguínea;

Uma vez na corrente sanguínea são múltiplos os órgãos


afectados, sendo o mais lesado o fígado, uma vez que é o
que tem a função de transformar o álcool noutras
substâncias, podendo metabolizar vinte a trinta gramas de
álcool por hora;

A actuação do álcool não é como estimulante, mas sim como


depressor do SNC, neste sentido, vai provocar uma
sensação de euforia e desinibição mas que rapidamente é
transformada em sintomas de “sonolência com visão turva,
descoordenação muscular, aumento do tempo de resposta,
diminuição da capacidade de escutar e compreender, fadiga
muscular, etc.” (Peréz, A., 1997,)
EFEITOS ORGÂNICOS
Pérez (1997) diferencia dois tipos de consumo de álcool

• O consumo excessivo pode desencadear:


– Acidez no estômago;
– Diminuição da temperatura corporal;
– Polidipsía;
– Cefaleias;
– Vómitos e diarreia;
No caso de doses muito elevadas pode desencadear:
– Intoxicação etílica aguda;
– Depressão respiratória;
– Coma;
– Morte.
EFEITOS ORGÂNICOS
O consumo crónico cujas alterações provocadas podem
ser muitas e de vária ordem nomeadamente:

• Sangue: anemia, diminuição das defesas, entre outras;


• Coração: alterações cardíacas (miocardite);
• Fígado: o alcoolismo é uma das principais causas de
hepatopatia que pode manifestar-se sob a forma de
hepatite ou cirrose;
• Intestino: perturbações na absorção de vitaminas,
hidratos e gorduras que provocam quadros carenciais;
• O consumo habitual por parte da mulher grávida pode dar
lugar ao chamado síndrome alcoólico-fetal caracterizado
por malformações, baixo coeficiente intelectual, entre
outros;
• Trata-se de uma droga capaz de originar tolerância e
dependência, tanto física como psicológica.” (Peréz, A.,
1997, p.52)
EFEITOS
• SegundoPSICOLÓGICOS
Pérez (1997) o álcool tem enorme
influência a nível dos centros superiores do
encéfalo, afectando:
– Os sentimentos;
– As emoções;
– A memória;
– A capacidade de atenção e reflexão
(interferindo também a nível do controle
social);
– Depressor do SNC;

• Os estados de irritação, insónias e delírios,


são alterações que os indivíduos consumidores
sofrem frequentemente.
EFEITOS SOCIAIS
• Como referem Mello, Barrias e Breda (2001),
no meio familiar, a elevada ingestão de álcool
condiciona uma perda da responsabilidade,
dificuldades económicas, crises na função e
estruturação da família, provocando uma
deterioração progressiva do lar e perturbações
relacionais, maus tratos e muitas outras
consequências;

• O contacto frequente dos filhos com o álcool,


condiciona a um “alcoolismo infantil” cada vez
mais precoce;

• Quando a figura paterna é o consumidor de


álcool, existe uma ausência de imagem paterna
e autoridade, no entanto se for a mãe existe
uma carência de afecto, carinho e abandono.
ASPECTOS PSICOLÓGICOS DA
GRAVIDEZ
• De acordo com Mendes (1993), “a forma
como decorre uma gravidez é a mais
poderosa motivação, positiva ou
negativa, para uma gravidez seguinte”.
(p. 82)

• De acordo com Mendes (1993), a não


aceitação do feto manifesta-se por
reacções psicológicas originadas no sub-
consciente da mulher e que passam a ser
notórias, tais como:
– Alterações de humor;
– Alterações do paladar e do olfacto
(gerando apetites não usuais);
– Alterações nos laços familiares;
ASPECTOS PSICOLÓGICOS DA

GRAVIDEZ
As alterações anteriormente mencionadas estão
relacionadas com o facto da :
– Alteração a curto ou a longo prazo da vida
profissional;
– Mudança do aspecto físico e estético
relacionados com a própria gravidez;
– Rapidez com que sucedem as alterações
corporais dificultando a assimilação por parte
da mulher;
– Oscilação na líbido o que afecta a sexualidade.

• Deste modo, Segundo Arlene Burroughs (s.d.), é


fundamental acarinhá-las e compreende-las
durante a gravidez de modo a que não se sintam
inferiores às outras mulheres, relativamente ao
aspecto físico.
ASPECTOS PSICOLÓGICOS DA
GRAVIDEZ
• Mendes (1993), menciona que a acrescer a
todos os sentimentos vividos durante a
gravidez, estão os mais diversos medos
que a mesma pode acarretar como:
– Medo do desconhecido por se tratar de
uma experiência nova e diferente;
– O medo de ter um filho imperfeito;
– Receio das dores do parto;

• Deste modo, devido ao facto de a


sensibilidade da mulher estar bastante
apurada é importante que seja apoiada
pela família e amigos, exceptuando
situações em que a sua presença seja
contraproducente.
EFEITOS DO ÁLCOOL DURANTE A
GRAVIDEZ
• Segundo Maria Mello, José Barrias, João Breda
(2001), a difusão do álcool através da barreira
placentária estará directamente correlacionada
com fluxo sanguíneo placentar, segundo o
gradiente de concentração, uma vez que o etanol
atravessa sem dificuldades a barreira
placentária;

• O bebé está dependente da rapidez metabólica


da mãe para eliminar o álcool;

• De acordo com Mello, Barrias e Breda (2001), os


efeitos do álcool fazem-se sentir logo desde o
período de gestação e ao longo do decorrer da
vida.
EFEITOS DO ÁLCOOL
DURANTE A GRAVIDEZ
Segundo Mello, Barrias e Breda (2001):

“a SAF ou embriofetopatia alcoólica é uma entidade clínica


do recém-nascido submetido a uma alcoolização pré-natal,
cuja patologia se caracteriza por perturbações do recém-
nascido (prematuridade e hipotrofia, dismorfia craneo-
facial, malformações associadas e perturbações de
adaptação neo-natal) e por alterações do desenvolvimento
pós-natal.” (p.65)
EFEITOS DO ÁLCOOL
DURANTE A GRAVIDEZ
Segundo Marc Schuckit (1998) e Mello, Barrias e Breda (2001) a SAF
corresponde a um conjunto de características como:

• Os abortos espontâneos múltiplos;


• O recém-nascido com peso inferior ao esperado;
• Malformações da estrutura facial;
- Fissuras palpebrais mais pequenas;
- Cana do nariz achatada;
- Lábio superior fino;
- Maxilar superior alargado;
- Assimetria facial;
- Testa curta e abaulada.
• Malformações das mãos e pés;
• Defeito do septo ventricular cardíaco.
EFEITOS DO ÁLCOOL DURANTE
A GRAVIDEZ
Mello, Barrias e Breda (2001) acrescentam:

• Malformações a nível renal (rim em forma de


ferradura);
• Anomalias uretrais;
• Hemongiomas;
• Anomalias morfológicas (como microcefaleia);
• Alterações das articulações.
EFEITOS DO ÁLCOOL
DURANTE A GRAVIDEZ
EFEITOS DO ÁLCOOL
DURANTE A GRAVIDEZ
Na opinião de Aragão e Sacadura (2002), crianças
com SAF apresentam:

• Distracção;
• Excitabilidade;
• Problemas de disciplina;
• Autismo;
• Dificuldade de aprendizagem;
• Atraso motor, mental e social.
EFEITOS DO ÁLCOOL
DURANTE A GRAVIDEZ
Mello, Barrias e Breda (2001) citando Lemoine
(s.d.), descreve perturbações associadas à
descendência de mulheres que abusaram de álcool
durante a gravidez como:

• Atrasos da linguagem;
• Dificuldades de aprendizagem escolar;
• Apatia;
• Desinteresse pelas actividades;
• Instabilidade com dificuldade da atenção.
EFEITOS DO ÁLCOOL
DURANTE A GRAVIDEZ
Para além do período neo-natal, os filhos
de mães consumidoras manifestam vários
sintomas como:

• Distúrbios de sono;
• Acréscimo da actividade corporal;
• Menor habituação a estímulos adversos;
• Menor grau de obediência e atenção.
ASPECTOS PSICOLÓGICOS DA
GRÁVIDA ALCOÓLICA
• Segundo J. Palminha (1993) “os
comportamentos dos toxicodependentes
são manifestações exteriores de conflitos
intrapsíquicos (…) e de interacção
relacional (…) em que as drogas
representam o compromisso possível para
estar na vida.” (p. 35).

• As drogas ajudam a ocultar toda a raiva e


frustração que a mulher possui,
restabelecendo e harmonizando um “Eu”
debilitado.
ASPECTOS PSICOLÓGICOS
DA GRÁVIDA ALCOÓLICA
• Como refere Eduardo Sá e J. Pitorra citado por
José Ribeiro (1997), a gravidez em mulheres
alcoólicas tem um potencial de alto risco.
• Este está interligado com factores de vária
ordem, como:
– Factores sociais;
– Factores psicológicos;
– Factores infecciosos.
• Normalmente trata-se de um grupo de mulheres
que dificilmente cumprem os esquemas básicas
de vigilância na gravidez.
ASPECTOS PSICOLÓGICOS
DA GRÁVIDA ALCOÓLICA
Manuel Coelho (1993) refere que a
personalidade de um toxicodependente,
nomeadamente alcoólico apresenta
características comuns à maioria destes
indivíduos, como:

– Avultadas dificuldades psicológicas;


– Problemas na inserção, quer familiar
quer profissional, bem como uma não
aceitação dos valores sociais
estabelecidos.
ASPECTOS PSICOLÓGICOS
DA GRÁVIDA ALCOÓLICA
• Apresentam dificuldades em estabelecer-se
profissionalmente, acabando por enveredar por
caminhos ilegais e condenáveis moral e
socialmente;

• Estas mulheres pouco esperam do futuro e


consequentemente da sua gravidez, revestem os
planos futuros de angústia e pouca emotividade;

• É uma pessoa passiva, geralmente com poucas


amizades e com uma ideia negativa de si própria.
CONCLUSÃO
• Aquando do contacto permanente com familiares
alcoólicos e com todo o seu meio envolvente, a criança
apresenta mais predisponência tanto para o alcoolismo
infantil assim como para a idade adulta;

• Verifica-se que a mulher grávida pode estar


psicologicamente perturbada e apresentar medos e
angústias, nomeadamente medo do desconhecido, de
ter um filho imperfeito ou ainda das dores de parto;

• São múltiplos os efeitos orgânicos e fisiológicos


produzidos pelo álcool, tanto no feto como na mãe. Por
tudo isto é condição obrigatória a não ingestão de
álcool durante a gravidez, assim como o
acompanhamento de uma equipe multidisciplinar ao
longo de toda a gravidez.
BIBLIOGRAFIA
• Neto, D., Silva, A. (1999). O que deve saber sobre bebidas alcoólicas. Lisboa: Centro
Regional de Alcoologia de Lisboa.

• Ramos, S., Bertolote, J. (1990). Alcoolismo hoje. Porto Alegre: Artes Médicas.

• Schuckit, M. (1998). Abuso de álcool e drogas. Lisboa: Climepsi editores.

• Aragão, M., Sacadura, R. (2002). Guia geral das drogas. Lisboa: Terramar.

• Pérez, A. (1997). Informação geral para prevenção das toxicodepências. Madrid: Direcção
Regional do Algarve do SPTT.

• Coelho, M. (1993). Toxicodependência – a liberdade começa no corpo. Lisboa: Fim de


Século edições, Lda.

• Palminha, J. (1992). Os filhos dos toxicodependentes. – novo grupo de risco bio-


psico-social. : Grande Prémio de Medicina. Prémio de Medicina clínica nº 11.

• Ribeiro, J. (1997). 2º Congresso nacional de psicologia da saúde.- sociedade portuguesa


de psicologia da saúde. Braga: Instituo Superior de Psicologia Aplicada.

• Mello, M., et al. (1998). Manual de alcoologia para o clínico geral. Coimbra: Delagrange.

Papienik, E. (1990). Guia prático gravidez – dia após dia participe na formação do seu
filho. Terramar.
BIBLIOGRAFIA
• Mendes, M. (1993). Curso de obstetrícia. Coimbra: Livraria Almedina.

• Kelly, R., et al. (2003). A detecção e o tratamento de perturbações psiquiátricas e do


consumo de drogas em mulheres grávidas cuidadas em obstetrícia. Revista de obstetrícia e
ginecologia, nº 5, pp. 233, 234.

• Chasnoff, I., et al. (1993). A utilização de cocaína e de outras drogas durante a gravidez; um
seguimento feito durante dois anos. Revista de obstetrícia e ginecologia, nº 4, pp. 128-130.

• Cordeiro, J. (2002). Manual de psiquiatria clínica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

• Rosa, A. (1993). Os filhos de alcoólico e o insucesso escolar. Revista da sociedade


portuguesa de alcoologia, nº 2, pp. 77-94.

• Roussaux, J., Kreit, B., Hers, D. (2002). O alcoólico em família – dimensões familiares
dos alcoolismos e suas implicações terapêuticas. Colecção- o alcoolismo e
toxicomanias modernas 7. Climeps editores.

• Fonseca, A. (1997). Psiquiatria e Psicopatologia. Lisboa: serviço de educação – Fundação


Calouste Gulbenkian.

• Ernest, M. (1991). Tomando um trago já no ventres materno. http://www.alcoolismo.com.br/


BIBLIOGRAFIA
• Kohatsu, M. (s.d.). Seminário sobre alcoolismo e DST/AIDS entre os povos índigenas –
artigo 11. http://www.aids.gov.br/

• Castelões, L. (s.d.). Com ciência – drogas. http://www.comciencia.br/.

• Roquette, J. (s.d.). Grande oriente do Brasil. http://www.gob.org.br/.

• FAQ obstetra – drogas e a gravidez – pergunte ao doutor – Guia do bebé.


http://www.guiadobebe.com.br/.

• Álcool uma mal na gravidez. http://www.lardemaria.org.br/.

• Urso, M. (s.d.) Alcoolismo – o caminho de volta é muito mais difícil.


http://www.pastoraldacriança.org.br/.

• BVS Adolec – notícias. http://www.adolec.br/.

• Alcoolismo: vício ou doença?. http://www.lincx.com.br/