Vous êtes sur la page 1sur 19

PASSATEMPOS DE

HISTÓRIA DE
PORTUGAL
6º ANO
O SÉ CULO XVIII
SebastiãoJosé de e Melo, mais conhecidocomo
Marquês de Pombal,nasceu a 1 3 de Maio de e morreu a 8
de Maio de .
F oi ministro do rei D. I entre 1750 e 1 7 7 7 .F o i o mais
notável estadista de toda a Europa do seu tempo, tendo
estudado em Françae em Inglaterra.
E ra um déspota esclarecido. porque adopta as
ideias , iluministas,das luzes; déspota porque tem uma
influência : governa para o povo mas sem o povo.
O seu governo é marcado por profundas e por
medidas muito pouco populares, especialmenteno que toca à
feroz que faz aos nobres e ao .
Rompeuas relações que o Estadotinha com a Companhia de
Jesus(os ), expulsando-a do Reino.Pombal afirmava
que a Igreja não poderia continuar a ser um Estadodentro do
próprio Estado.No seguimento desta medida, torna laico o ensino,
isto é, a deixa de ser a responsávelpor essa actividade.
Vai abolir a em Portugal Continental,cria novas
companhias de e estabeleceesta actividade como
profissão .
Será o maior responsávelpor toda a reconstruçãoda cidade de
Lisboa após o terramoto de 1 de Novembro de .
Todas as medidas implementadaspretendiam acabar com a
dependência de Portugalface a e aumentar as
reservas de do país.
Após a morte do Rei D. José I, e através
de uma intriga palaciana por parte daqueles
que foram perseguidos durante o seu
governo, a Rainha D. I demite-o e retira-
lhe muitos dos privilégios que possuía.

SebastiãoJosé de Carvalho e Melo (1699-1782)

Igreja comércio Carvalho ouro 1699 liberais clero


nobre Maria 1782 absolutista Jesuítas 1755 José
reformas escravatura Inglaterra esclarecido perseguição

4
História e G e ografia de Portugal

1820 E O LIBERALISM O
1 . No final do século X V III, a E uropa vai sofrer grandes
mudanças políticas,económicase sociais.
1 .1 .Completa o esquema seguinte com as palavras do quadro abaixo.

Revoluçã o Francesa

Local Data Acontecimentoque


inicia o movimento

de Julho de Ataque à

Gruposem confronto

• Burguesia •
• • Clero

queriam: queriam:
• acabar com a Monarquia ; • continuar com a
• acabar com os e as Absoluta;
obrigações exigidas pela Nobreza e • manter os seus
pelo Clero. .

Tinham novasideias:
• ;
• ;
• fraternidade.

Má xima:
“Todos são iguais perante a Lei!”

Consequê ncias:
• morte dos ;
• vários países europeus declaram à França.

Guerra Bastilha Absoluta privilégios Paris 1 4


impostos liberdade R eis igualdade 1789 Povo
Monarquia Nobreza

5
2. No início do século XIX Portugal sofre ameaças externas
e vê a família real e a corte fugirem para o Brasil.
2.1. Completa o esquema, com as palavras do quadro abaixo.

Napoleã o Bonaparte
decreta:

Ano:

Portugal não adere


Napoleão Bonaparte

Consequê ncia imediata:


• Invasão do país pelas tropas .

1807 francesas Bloqueio Continental

A partida da família real para o Brasil

6
História e G e ografia de Portugal

2.2. Completa o texto com as palavras do quadro.

O Continental,decretado no início do século XIX,


constituiuuma dada por Napoleão Bonaparte com vista
a que todos os europeus fechassemos seus
aos barcos .
Mas Portugal,por ser um velho dos ingleses,não
aceitou essa ordem. E m resultado dessa recusa, o governante
francês mandou invadir Portugal.
A invasão,iniciada em Novembro de ,
foi comandada pelo General . E sta invasão provocou o
êxodo da família real e da corte para o . E m 1808,os
portugueses,auxiliados por um exército inglês chefiado por
, expulsaram os franceses.
Mas Napoleão não desistiu e em , iniciou-se a segunda
invasão francesa, comandada pelo Marechal . Esta
invasão durou pouco tempo, graças à resistência da população.
Porém,Portugalviu-se de novo invadido em Julho de ,
(inícioda invasão francesa)pelas tropas francesas,
desta vez comandadas pelo General .

primeira Massena terceira Bloqueio portos aliado


Wellesley 1809 ordem 1807 Brasil Soult 1810
Junot países ingleses

Retiradadas tropas francesasna 3.ª invasão

7
2.3. Procura,na sopa de letras, o nome das grandes batalhas
travadas entre os portuguesese os francesesdurante as três
invasõesfrancesas.

Q E T O B J
A D G R U M
R O L I Ç A
Z C B E A I
W R Y M C K
S F H I O O
X V N V U L

3. No primeiro quartel do século X IX, é derrubada, em


Portugal,a Monarquia Absoluta.
3.1. Completa o texto, com as palavras do quadro abaixo.

Brasil igualdade Porto ingleses


24 Absoluta burguesia 1820

A RevoluçãoLiberalocorreu,em Portugal,no primeiro quartel do


séc. XIX, mais concretamentea de Agosto de ,
na cidade do .
À frente deste movimento estiveram a e o povo, que
desejavam o fim da Monarquia
, a expulsão dos
do país, fazer com
que o R e i regressassedo
e a liberdade e a
para todos os
cidadãos portugueses.

A revoluçãoliberal no Porto

8
História e G e ografia de Portugal

3.2. Completa o esquema, com base nos teus conhecimentos.

Causas:

1 ) O R ei e a FamíliaReal continuavamno
;

2) O país estava pobre e


devido às invasõesfrancesas;

3) Os governavam Portugal.

Revoluçã o
Liberal
de 1820

Consequê ncias:

1 ) Fim da Monarquia Absoluta;

2) Instauraçãoda Monarquia ;

3) Regressodo do Brasil;

4) Expulsãodos ;

5) Preparar ;

6) Elaboraruma .
William Beresford

9
3.3. Procura,na sopa de letras, o nome de alguns liberais
responsáveispelos acontecimentospolíticosdo primeiro quartel
do século XIX.
G W O U G D W T H V Q Y T E Q I H T D A R E
O S L J B C S G N T A H G D A K N G C Z F D
M X P M Y R X B U G Z N B C Z O U B E W V C
E E Ç I H F R Y J B W U Y R W L J Y R S T R
S A M O T V S E D N A N R E F P L E U N A M
Q D Q K N T F A M Y R M H V S Ç M H F E G F
F C A O U G V Z I S I I N T X Q I N V D B V
R R Z L J B T W K H E K U G E A K U T C Y T
E F W P M Y G S O N R P J B D Z O J G R H G
I V S Ç I H B X L U B O U Y C W L M B F N B
R T X Q K N Y E P J A L M L R S P I Y V U Y
E G E A O U H D Ç M C P I H V X Ç K H T J H
A B D Z L J N C Q I S Ç K Ç F E Q O N G M N
D Y C W P M U R A K X Q O N V E D L U B I U
E H R S Ç I J F Z O E J L U T D A A J Y K J
Z N F X Q K M V W L D A P J G C Z P M H O M
A U V E A O I T S P C Z Ç M B R W Ç I N L I
N J T D Z L K G X Ç R W Q I Y F S Q K U P K
D M G C W P O B E Q F S A K H V X A O J Ç O
R U B R S Ç L Y D A V X Z O N T E Z L M Q L
A J Y F X Q P H C Z T E W L U G D W P I A P
D M H V E A Ç N R W G C S P J B C S Ç K Z Ç
E I N T D Z Q U F S B R X Ç M Y R X Q O W Q

Gomes Freirede Andrade Manuel FernandesTomás


Cabreira Sepúlveda

10
História e G e ografia de Portugal

3.4. Resolveo crucigrama.

C
O
N
1 S
2 T
3 I
4 T
5 U
6 I
Ç
Ã
O

Manuel FernandesTomás
falando nas CortesConstituintes

1 . As Cortes... tiveram a função de elaborar uma Constituição.


2. Poder de fazer as leis.
3. Princípioem que a Constituiçãode 1822 se baseava.
4. Poder de fazer cumprir as leis.
5. Membro das CortesConstituintes.
6. Poder de julgar quem não cumpre as leis.
11
3.5. No mesmo ano em que D. João V I jurou a Constituiçãode 1822,
seu filho D. Pedro proclama a independênciado Brasil.
3.5.1. Completa o esquema, com base nos teus conhecimentos.

Com o regresso do R ei D. João V I, as Cortes Constituintes decretaram:

1 – O Brasil voltaria a ser ;


2 – O comércio deveria voltar a passar por Portugal;
3 – O herdeiro do trono, o príncipe D. , deveria
regressar do Brasil.

O príncipe herdeiro e a burguesia brasileira não aceitam estas


decisões.

A do Brasil é declarada a 7 de de 1822.

O Grito do Ipiranga

4. Nem todos os grupos sociais estavam satisfeitos com a


Monarquia Lib e ra ,l desejando regressar à
situação anterior a 1820.
4.1. Completa o esquema.

D. João V I D.
D. D.

12
História e G e ografia de Portugal

4.2. Completa as palavras cruzadas.


3
1 2
6
1
Vista de Angra
do Heroísmo
2
3

5 5
4
4

H o rizo n ta l Lutas entre liberais e absolutistas

1 Grupo de pessoas que 1 Conspiraçãoabsolutista


defendiam a Monarquia de 1823.
Liberal. 2 Conspiraçãoabsolutista
2 Grupo de pessoas de 1824.
que defendiam 3 Arquipélago português
Monarquia Absoluta. onde se refugiaram os
3 Outro nome dado ao Liberais,depois de 1824.
grupo de pessoas que 4 País que ajudou
defendiam a Monarquia económica e
Absoluta. militarmenteos liberais
4 Filho de D. João V I, apoiante portuguesesexilados.
da Monarquia Absoluta. 5 Guerra entre cidadãos
5 Filha de D. Pedro IV, que do mesmo país.
se torna Rainha de Portugal 6 Localonde D. Miguel é
com sete anos de idade. obrigado a assinar a
6 Cargo que D. Miguel ocupou paz.
entre 1826 e 1828.
13
5. Estabelecea ligação correcta.

a) b) c) d) e) f)
1817 1824 1834 1789 1820 1823

g) h) i) j) k) l)
1806 1828 1807 1818 1822 1826

Primeira ConstituiçãoPortuguesa Formaçãodo Sinédrio


Abrilada Carta Constitucional
Convençãode Évoramonte Vilafrancada
RevoluçãoFrancesa Bloqueio Continental
Primeira Invasão Francesa RevoltaLiberalno Porto
Conspiraçãode Gomes Freire
D. Miguel torna-se R e i Absoluto
de Andrade

a)
b)
c)
d)
e)
f)

A execuçãode Gomes Freirede Andrade


A Vilafrancada

14
História e G e ografia de Portugal

PORTUGALNA SEGUNDA
M ETA D E DO SÉ CULO XIX
1 . Na segunda metade do século XIX,
Portugal iniciou várias medidas no
sentido de se desenvolver e de se modernizar em todos os
sectores da vida económica do país.
1 .1 .Assinala,com uma cruz (X ),a frase mais correcta.

a) Os primeiros governos liberais quiseram incentivar, especialmente:


• os agricultoresa desenvolvera agricultura.
• os comerciantesa desenvolvero comércio.
• os artesãos a desenvolvero artesanato.
b) Os primeiros governos liberais acabaram com o Direito de
Morgadio, isto é:
• o direito do filho mais velho herdar todos os bens dos pais.
• o direito do filho mais novo herdar todos os bens dos pais.
• o direito de todos os filhos herdarem os bens dos pais.
c ) Uma das primeiras medidas tomadas para desenvolver a
agricultura foi a divisão dos terrenos baldios em parcelas e a sua
respectiva entrega a quem as queria trabalhar. Baldios eram:
• terras cultivadasque pertenciam à comunidade.
• terras não cultivadasque pertenciam à comunidade.
• terras cultivadasque pertenciam à nobreza.
d) Portugal possuía uma grande quantidade de terrenos
incultos. Paraaumentar a percentagem do solo cultivado, os
governos liberais:
• tiraram terras ao povo e aos nobres, vendendo-asde
seguida ao R ei.
• tiraram terras ao Clero e à Burguesia,vendendo-asde
seguida à Nobreza.
• tiraram terras ao Clero e à Nobreza, vendendo-asde
seguida à Burguesia.
15
S o l u ç õ e s

Pág .4 Pág .5

SebastiãoJosé de C a rvalho e Melo, mais R evoluçãoFrances a


conhecido como Marquês de Pombal, na sceu
a 13 de Maio de 1699 e morreu a 8 de Maio
Local D ata Acontecimento que
de 1782.
Foi ministro do rei D. Jo sé I entre 1750 e inicia o movimento
1777. Foi o mais notável estadista de toda a
E uropa do seu tempo, tendo estudado em
França e em Inglaterra. Paris 14 de Julho Ataque à
Era um déspota esclarecido. E sclarecido de 1789 Bastilha
porque adopta as ideias liberais, iluministas,
das luzes; déspota porque tem uma influência G rupo sem confronto:
absolutista: governa para o povo mas sem o
povo.
O se u governo é marcado por profundas • Burguesia • N obreza
reform ase por medida s muito pouco • Povo • C lero
populares, especialmente no que toca à
persegu içãoferoz que fa z a o s nobre s e ao
clero. queriam: queriam:
R om peua s relaçõesque o E stado tinha com • acabar com a • continuar com
a C om panh ia de Je su s(os Jesuítas), Monarquia Absoluta; a M onarquia
expulsando-a do R eino. Pombal afirmava que • acabar com os Absoluta;
a Igreja não poderia continuar a ser um impostos e as • manter os seus
E stado dentro do próprio E stado. No obrigações exigidas privilégios.
seguimento desta medida, torna laico o pela Nobreza e pelo
ensino, isto é, a Igreja deixa de ser a C lero.
responsávelpor e ssaactividade.
Vai abolir a es cravatura em Portugal
C ontinental, cria novas companhia s de Tinhamnovas ideias:
com ércio e estabeleceesta actividade como • liberdade;
profissão nobre. • igualdade ;
S e ráo maior responsávelpor toda a • fraternidade.
reconstruçãoda cidade de Lisboaapós o
terramoto de 1 de Novembro de 1755.
Toda s a s medida s implementada s pretendiam
acabarcom a dependência de Portugal face a M áxima:
Inglaterra e aumentar a s re se rvasde ouro do “Todos sã o iguais perante a Lei!”
país.
Após a morte do R ei D . Jo sé I, e atra vé sde
uma intriga palaciana por parte daquelesque C onsequências:
foram perseguidos durante o se u governo, a • morte dos R eis;
RainhaD . Maria I demite-o e retira-lhe • vários paíseseuropeusdeclaram guerra à
muitos dos privilégios que possuía. França.

46
S o l u ç õ e s

Pág .6 Pág .8

2.1. NapoleãoBonaparte 2.3. V E T O B J


decreta: A D G R U M
R O L I Ç A
Z C B E A I
BloqueioContinental W R Y M C K
S F H I O O
X V N V U L
Ano: 1807
3.1.
Portugal não adere A RevoluçãoLiberal ocorreu, em Portugal, no
primeiro quartel do séc. X IX , mais
concretamente a 24 de Agosto de 1820, na
C onsequência imediata: cidade do Porto.
• Invasãodo país pelas tropas fra nc e sa.s À frente deste movimento estiveram a
burguesiae o povo, que desejavamo fim da
Monarquia Absoluta, a expulsãodos
Pág .7 inglesesdo país, fazer com que o R ei
regre s sa s s edo Brasil e a liberdade e a
2.2. igualdadepara todos os cidadãos
portuguese s.
O BloqueioC ontinental, decretado no início
do séculoXIX , constituiu uma ordem dada
por NapoleãoBonaparte com vista a que
todos os paíseseuropeusfechassemos se us Pág. 9
portosa os barcos ingleses.
Ma s Portugal, por ser um velho aliado dos 3.2. C a u s a s :
ingleses, não aceita e ssaordem . E m 1) O R ei e a Família R e alcontinuavam
resultado dessa srecusa,o governante no Brasil;
francê s manda invadir Portugal. 2) O país estavapobre e d esorganizado
A primeira invasão, iniciada em Novembro de devido à s invasõesfrance sa s;
1807, foi comandada pelo G eneral Junot. E sta 3) O s inglesesgovernavam Portugal.
invasão provoca o êxodo da família real e da
corte para o Brasil. Em 1808, os portugueses,
Revolução
auxiliados por um exército inglês chefiado por
Liberal de
Wellesley, expulsaram os france ses.
1820
Ma s Napoleãonão desistiu e em 1809,
iniciou-se a segunda invasãofrancesa,
comandada pelo Marechal Soult. E sta C onsequências:
invasãodurou pouco tempo, gra ça sà 1) Fim da Monarquia Absoluta;
resistência da população. 2) Instauração da Monarquia Liberal;
Porém, Portugal viu-se de novo invadido em 3) R egre ss odo Rei do Brasil;
Julho de 1810, (início da terceira invasão 4) Expulsãodos ingleses;
francesa)pelas tropas gaulesas, desta vez 5) Preparar eleições;
comandada s pelo G eneral M assen.a 6) Elaborar uma C onstituição .

47
S o l u ç õ e s

Pág .10

3.3.
G W O U G D W T H V Q Y T E Q I H T D A R E
O S L J B C S G N T A H G D A K N G C Z F D
M X P M Y R X B U G Z N B C Z O U B E W V C
E E Ç I H F R Y J B W U Y R W L J Y R S T R
S A M O T V S E D N A N R E F P L E U N A M
Q D Q K N T F A M Y R M H V S Ç M H F E G F
F C A O U G V Z I S I I N T X Q I N V D B V
R R Z L J B T W K H E K U G E A K U T C Y T
E F W P M Y G S O N R P J B D Z O J G R H G
I V S Ç I H B X L U B O U Y C W L M B F N B
R T X Q K N Y E P J A L M L R S P I Y V U Y
E G E A O U H D Ç M C P I H V X Ç K H T J H
A B D Z L J N C Q I S Ç K Ç F E Q O N G M N
D Y C W P M U R A K X Q O N V E D L U B I U
E H R S Ç I J F Z O E J L U T D A A J Y K J
Z N F X Q K M V W L D A P J G C Z P M H O M
A U V E A O I T S P C Z Ç M B R W Ç I N L I
N J T D Z L K G X Ç R W Q I Y F S Q K U P K
D M G C W P O B E Q F S A K H V X A O J Ç O
R U B R S Ç L Y D A V X Z O N T E Z L M Q L
A J Y F X Q P H C Z T E W L U G D W P I A P
D M H V E A Ç N R W G C S P J B C S Ç K Z Ç
E I N T D Z Q U F S B R X Ç M Y R X Q O W Q

Pág .11 Pág.12

3.4. 3.5.1.
C C o m o regres sodo R ei D . João VI, a s C ortes
O
N C onstituintes decretaram:
1 C O N S T I T U I N T E
S
2 L E G I S L A T I V O
3 L I B E R D A D E 1 – O Brasil voltaria a ser colónia;
4 E X E C U T I V O 2 – O com ércio externo deveria voltar a
5 D E P U T A D O
6 J U D I C I A L pa ssarpor Portugal;
Ç 3 – O herdeiro do trono, o príncipe D . Pedro,
à deveria regres sa rdo Brasil.
O

O príncipe herdeiro e a burguesia brasileira


não aceitam estas decisões.

A independênciado Brasil é declarada a 7


de Setem bro de 1822.
48
S o l u ç õ e s

Pág .12 Pág.15

4.1. 1.1.
a) O s primeiros governos liberais quiseram
incentivar, especialmente:
• os agricultore s a desenvolvera
agricultura. X
D . João VI D . C arlotaJoaquina • os comerciantes a desenvolvero
D . Pedro D . Miguel com ércio.
• os artesãosa desenvolvero artesanato.
b) O s primeiros governos liberais acabaram
com o Direito de Morgadio, isto é:
• o direito do filho mais velho herdar
todos os bens dos pais. X
Pág .13 • o direito do filho mais novo herdar
todos os bens dos pais.
4.2. 3
• o direito de todos os filhos herdarem os
1 2 A
V A Ç 6 bens dos pais.
1 L I B E R A I S O É
B c) Uma da s primeira s medidas tomada s para
L R R V
2 A B S O L U T I S T A S E O desenvolvera agricultura foi a divisão dos
F 3 M I G U E L I S T A S terrenos baldios em parcelase a sua
R
R A A
5 M A R I A D 5
respectivaentrega a quem a s queria
N 4 A C M trabalhar. Baldios eram:
C 4 M I G U E L I O • terra s cultivada s que pertenciam à
A N V N
D 6 R E G E N T E I T comunidade.
A L L E • terra s não cultivada s que pertenciam
A X
T
à comunidade.
E • terra s cultivada s que pertenciam à
R nobreza.
R
A d) Portugal possuíauma grande quantidade
de terrenos incultos. Para aumentar a
Pág .14 percentagem do solo cultivado, os
governos liberais:
5. • tiraram terra s ao povo e a o s nobres,
a) C onspiração de G omes Freire de Andrade C P T _ H G P 6_ 0 4
b) Abrilada
c) C onvençãode É voramonte
d) R evoluçãoFrancesa
e) RevoltaLiberal no Porto
f) Vilafrancada
g) Bloqueio C ontinental
h) D . Miguel torna-se R ei Absoluto
i) Primeira InvasãoFranc esa
j) F ormação do S inédrio
k) Primeira C onstituição Portuguesa
l) C artaC onstitucional
vendendo-as de seguida ao Rei.
• tiraram terra s ao C lero e à
Burguesia, vendendo-as de
seguida à Nobreza.
• tiraram terra s ao C lero e à Nobreza,
vendendo-as de seguida à Burguesia.
X

4
9