Vous êtes sur la page 1sur 2

Escola Secundária c/ CEB,2,3 de Anadia

Feira de Artesanato
Urbano
17-12-2009
na Escola Secundária de
Anadia

Bijuteria

Se quiseres mostrar as actividades que


desenvolves nos teus tempos livres, inscreve-te na
1.ª Feira de Artesanato Urbano a realizar na nossa
Escola.

Inscrição: Na Biblioteca até dia 10-12-2009

Destinatários: Alunos, Professores, Pessoal não


docente e Encarregados de Educação.
Sociologia Urbana e Artesanato Urbano

A Sociologia Urbana é uma espécie de “ecologia social das cidades”.(1)tendo por


objectivo estudar as relações que se estabelecem entre o homem e o meio urbano. Esta
sociologia especializada surge para dar resposta aos problemas colocados pelo crescimento
das cidades. O meio urbano é, por natureza, um palco de permanentes conflitos sociais
específicos, para os quais urge encontrar soluções. A própria antropologia cultural através
das monografias de Lyndt sobre as cidades americanas se debruçou sobre os problemas
sociais das sociedades urbanas. Estamos perante colectividades secundárias que pautam as
suas relações de modo impessoal e, por esse facto, mais permeável a tensões e conflitos
sociais que as colectividades primárias não vivem. A industrialização e a urbanização
transformam os valores tradicionais e as relações sociais. A Sociologia Urbana aparece como
um novo esquema conceptual para interpretar estas transformações. É necessário um
“controlo social da ordem urbana” (Ledrut) realizado pelo poder político-jurídico com o auxilio
de equipas especializadas em áreas problemáticas do meio urbano. Problemas sociológicos
tipicamente urbanos como o alojamento, emprego, lazer e tempos livres, acesso aos
equipamentos sociais, transportes, criminalidade, marginalização social, desumanização do
indivíduo nas grandes cidades, movimentos sociais que põem em causa a ordem urbana e a
requalificação social, fazem parte desta “ecologia social das cidades.”

Há muitas investigações sociológicas referentes às cidades, mas estas diferem de país


para país e até dentro do mesmo país, atendendo aos diferentes meios urbanos, diferentes
características socio-económicas dos seus habitantes e aos diferentes problemas que
provocam. Por exemplo existem poucas semelhanças entre os aglomerados urbanos
europeus e americanos e entre estes e os asiáticos, com dissemelhanças também nos
problemas que têm que enfrentar. Se os problemas de Paris e Tóquio não são os mesmos,
os estudos sociológicos sobre elas não são comparáveis. As preocupações dominantes em
cada contexto urbano é que determinam o interesse em estudar um determinado problema
social como a ocupação dos tempos livres dos seus habitantes. Desta diversidade de
investigações, variáveis de país para país, parece resultar a não existência de uma
“sociologia urbana amadurecida”. Entre nós, até aos anos oitenta, a Sociologia Urbana não
foi uma área muito desenvolvida muito por culpa da marginazação a que foi sujeito o ensino
da Sociologia durante o Estado Novo.

É no contexto urbano que emergem novas formas de ocupação dos tempos livres
entre as quais se destaca o artesanato urbano. É vista como uma forma de ocupação
dos tempos livres, mas em muitas circunstâncias, também um suplemento económico
para fazer face às despesas crecentes das pessoas que vivem nas cidades. Com o
agudizar da crise económica, nos tempos que correm há cada vez mais pessoas de
diferentes camadas etárias e de diferentes condições económicas a depender desta
ocupação como único sustento familiar. O artesanato urbano surge também como
“terapia” ou como “fuga” ao stress urbano.

(1)Mckenzie afirmou que “a ecologia social é o estudo das relações temporais e espaciais dos seres
humanos… adaptados ao meio fisíco”