Vous êtes sur la page 1sur 25

N.

o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4647

Portaria n.o 758/96 23 de Junho, e alterado pela Portaria n.o 727/92, de


de 26 de Dezembro 12 de Agosto, seja de novo alterado pelo quadro anexo
à presente portaria, da qual faz parte integrante.
O quadro de pessoal do Hospital de Santa Marta
carece de ser objecto de reajustamentos na carreira Presidência do Conselho de Ministros e Ministérios
médica hospitalar, de modo a permitir dotar o Hospital das Finanças e da Saúde.
com os recursos necessários para assegurar o melhor
funcionamento dos serviços e a qualidade dos cuidados Assinada em 6 de Dezembro de 1996.
prestados aos doentes.
Assim: Pelo Ministro das Finanças, Maria Manuela de Brito
Ao abrigo do disposto no n.o 2 do artigo 1.o do Decre- Arcanjo Marques da Costa, Secretária de Estado do
to-Lei n.o 59/76, de 23 de Janeiro: Orçamento. — Pela Ministra da Saúde, José Eduardo
Manda o Governo, pelos Ministros das Finanças, da Arcos Gomes dos Reis, Secretário de Estado da
Saúde e Adjunto, que o quadro de pessoal do Hospital Saúde. — Pelo Ministro Adjunto, Fausto de Sousa Cor-
de Santa Marta, aprovado pela Portaria n.o 598/93, de reia, Secretário de Estado da Administração Pública.

Quadro de pessoal do Hospital de Santa Marta

Número
Grupo de pessoal Nível Área funcional Carreira Categoria de
lugares

................... ... ...................... ...................... .................................... ...

Pessoal técnico superior ... ...................... Médica hospitalar . . . . . . .................................... ...

... Cirurgia cardiotorácica . . . Chefe de serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4


Assistente graduado/assistente . . . . . . . . . . 9

Cirurgia geral . . . . . . . . . . Chefe de serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1


Assistente graduado/assistente . . . . . . . . . . 3

...................... .................................... ...

... ...................... ...................... .................................... ...

................... ... ...................... ...................... .................................... ...

MINISTÉRIOS DO EQUIPAMENTO, DO PLANEA- os critérios de pureza específicos dos corantes que


MENTO E DA ADMINISTRAÇÃO DO TERRITÓRIO, podem ser utilizados nos géneros alimentícios.
Assim, ao abrigo do disposto no n.o 1 do artigo 4.o
DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RU- do Decreto-Lei n.o 192/89, de 8 de Junho, manda o
RAL E DAS PESCAS, DA SAÚDE E DO AMBIENTE. Governo, pelos Ministros do Equipamento, do Planea-
mento e da Administração do Território, da Agricultura,
do Desenvolvimento Rural e das Pescas, da Saúde e
Portaria n.o 759/96 do Ambiente, o seguinte:
de 26 de Dezembro 1.o — 1 — A presente portaria aplica-se aos aditivos
alimentares a seguir denominados «corantes», substân-
O Decreto-Lei n.o 192/89, de 8 de Junho, estabeleceu cias utilizadas para conferir ou restituir cor a um género
os princípios orientadores da utilização dos aditivos ali- alimentício e que são constituídos por componentes
mentares nos géneros alimentícios e definiu as regras naturais de géneros alimentícios ou outras substâncias
a que deve obedecer a sua utilização, deixando para naturais que não são normalmente consumidas como
portaria a fixação dos aditivos admissíveis nos géneros alimentos nem como ingredientes característicos de
alimentícios, assim como as condições da sua utilização alimentos.
e respectivos critérios de pureza. 2 — Na acepção da presente portaria, são conside-
No que respeita aos aditivos alimentares denomina- rados corantes as preparações obtidas a partir de géne-
dos «corantes», é necessário fixar as condições a que ros alimentícios ou de materiais de base naturais obtidos
deve obedecer a sua utilização nos géneros alimentícios, por extracção física e ou química que provoque a extrac-
bem como definir os respectivos critérios de pureza, ção selectiva dos pigmentos correspondentes aos com-
pretendendo-se com esta regulamentação proceder à ponentes nutritivos ou aromáticos.
transposição das Directivas n.os 94/36/CE, do Parla- 2.o O presente diploma não se aplica aos géneros
mento Europeu e do Conselho, de 30 de Junho, relativa alimentícios secos ou concentrados e aromatizantes
aos corantes para utilização nos géneros alimentícios, incorporados durante o fabrico de géneros alimentícios
e 95/45/CE, da Comissão, de 26 de Julho, que estabelece compostos, devido às suas propriedades aromáticas,
4648 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

sápidas ou nutritivas, bem como a um efeito corante Num género alimentício composto que não conste
secundário, como o pimentão, a curcuma e o açafrão, do referido anexo II, mas que seja autorizada
nem aos corantes utilizados para coloração de partes a utilização do corante num dos ingredientes do
externas não comestíveis de géneros alimentícios, como género alimentício composto.
cascas de queijos e tripas artificiais.
3.o Apenas as substâncias enumeradas no anexo I ao 14.o Aos corantes utilizados nos géneros alimentícios
presente diploma podem ser utilizadas como corantes constantes do referido anexo I são aplicáveis os critérios
nos géneros alimentícios e nas condições especificadas de pureza constantes do anexo VI ao presente diploma.
nos anexos III, IV e V à presente portaria. Os corantes 15.o O presente diploma entra imediatamente em
podem ser utilizados nos mesmos géneros alimentícios vigor, sem prejuízo da comercialização dos produtos que
quando se destinem a utilizações específicas nos termos tenham sido lançados no mercado até seis meses após
do Decreto-Lei n.o 227/91, de 19 de Junho, com as alte- esta data e que tenham sido produzidos e rotulados
rações introduzidas pelo Decreto-Lei n.o 230/92, de 21 de acordo com a legislação anterior.
de Outubro. 16.o São revogadas as condições de utilização dos
4.o É proibida a utilização de corantes nos géneros corantes nos géneros alimentícios constantes do anexo
alimentícios que figuram no anexo II à presente portaria, à Portaria n.o 646/93, de 6 de Julho, e o anexo I da
excepto nos casos especificamente previstos nos refe- Portaria n.o 27/90, de 12 de Janeiro.
ridos anexos III, IV ou V.
5.o Os corantes cuja autorização se restringe apenas Ministérios do Equipamento, do Planeamento e da
a determinadas utilizações constam do referido anexo IV. Administração do Território, da Agricultura, do Desen-
6.o Os corantes cuja utilização geral em géneros ali- volvimento Rural e das Pescas, da Saúde e do Ambiente.
mentícios é autorizada, bem como as respectivas con-
dições de utilização, constam do referido anexo V. Assinada em 25 de Novembro de 1996.
7.o As doses máximas utilizáveis indicadas nos anexos
à presente portaria referem-se aos produtos prontos O Ministro do Equipamento, do Planeamento e da
para consumo, preparados de acordo com as respectivas Administração do Território, João Cardona Gomes Cra-
instruções de utilização, e reportam-se às quantidades vinho. — Pelo Ministro da Agricultura, do Desenvolvi-
de princípio corante contidas no preparado corante. mento Rural e das Pescas, Manuel Maria Cardoso Leal,
8.o A expressão quantum satis referida nos anexos Secretário de Estado da Produção Agro-Alimentar. —
deste diploma significa que não se especifica a quan- A Ministra da Saúde, Maria de Belém Roseira Martins
tidade máxima. Todavia, os corantes deverão ser uti- Coelho Henriques de Pina. — A Ministra do Ambiente,
lizados segundo uma boa prática de fabrico, a um nível Elisa Maria da Costa Guimarães Ferreira.
não superior ao necessário para se obter a finalidade
pretendida e desde que não induzam o consumidor em ANEXO I
erro.
9.o Para efeitos da marcação de salubridade, nos ter- Lista dos corantes alimentares autorizados
mos do Decreto-Lei n.o 178/93, de 12 de Maio, e da Nota. — São autorizadas as lacas de alumínio preparadas a partir
Portaria n.o 971/94, de 29 de Outubro, e de outras mar- dos corantes mencionados no presente anexo.
cações requeridas para os produtos à base de carne,
será autorizada somente a utilização dos corantes Número
de índice (1)
E 155 — Castanho HT, E 133 — Azul-brilhante FCF, N.o CE Designação vulgar
ou descrição
do corante
E 129 — Vermelho-allura AC ou ainda uma mistura
apropriada de E 133 — Azul-brilhante FCF e de
E 129 — Vermelho-allura AC. E 100 Curcumina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 300
10.o Para efeitos de coloração decorativa das cascas E 101 i) Riboflavina.
de ovos ou para carimbar os ovos, tal como previsto ii) Riboflavina-5’-fosfato.
no Regulamento (CEE) n.o 1274/91, da Comissão, de E 102 Tartarazina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 140
15 de Maio, só poderão ser usados os corantes enu- E 104 Amarelo-de-quinoleína . . . . . . . . . . . 47 005
merados no referido anexo I. E 110 Amarelo-sol FCF . . . . . . . . . . . . . . . . 15 985
11.o Só poderão ser vendidos directamente ao con- Amarelo-alaranjado S.
E 120 Cochonilha, ácido carmínico, carmi-
sumidor final os corantes que figuram no referido nas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 470
anexo I, com excepção do E 123, E 127, E 128, E 154, E 122 Azorubina, carmosina . . . . . . . . . . . . . 14 720
E 160b, E 161g, E 173 e E 180. E 123 Amarante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 185
12.o Para efeitos da presente portaria a expressão E 124 Ponceau 4R, vermelho-cochonilha A 16 255
«géneros alimentícios não transformados» significa que E 127 Eritrosina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 430
E 128 Vermelho 2G . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 050
não foram submetidos a tratamento de que resulte uma E 129 Vermelho-allura AC . . . . . . . . . . . . . . 16 035
alteração substancial do estado original. Podem, no E 131 Azul-patenteado V . . . . . . . . . . . . . . . 42 051
entanto, ter sido, por exemplo, divididos, separados, cor- E 132 Indigotina, carmim-de-indigo . . . . . . 73 015
tados em fatias, desossados, picados, pelados, aparados, E 133 Azul-brilhante FCF . . . . . . . . . . . . . . . 42 090
E 140 Clorofilas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 810
ralados, seccionados, limpos, talhados, ultracongelados, Clorofilinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 815
congelados, submetidos a baixas temperaturas, tritura-
i) Clorofilas.
dos ou descascados, embalados ou não. ii) Clorofilinas.
13.o Salvo disposições em contrário, a presença de
um corante num género alimentício é autorizada: E 141 Complexos de cobre das clorofilas e
clorofilinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 815
Se o género alimentício se destinar unicamente a
i) Complexos de cobre das clo-
ser utilizado na preparação de um género ali- rofilas.
mentício composto conforme o disposto no pre- ii) Complexos de cobre das clo-
sente diploma; ou rofilinas.
N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4649

nham como ingredientes substâncias corantes devidamente auto-


Número
de índice (1) rizadas.]
N.o CE Designação vulgar 1 — Géneros alimentícios não transformados.
ou descrição
do corante 2 — Todas as águas engarrafadas ou embaladas.
3 — Leite, leite meio gordo e magro, pasteurizado ou esterilizado
E 142 Verde S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 090 (incluindo o processo UHT), não aromatizados.
E 150a Caramelo simples (2). 4 — Leite achocolatado.
E 150b Caramelo de sulfito cáustico. 5 — Leite fermentado não aromatizado.
E 150c Caramelo amoniacal. 6 — Leites conservados não aromatizados mencionados no Decre-
E 150d Caramelo de sulfito de amónio. to-Lei n.o 261/86.
E 151 Negro-brilhante BN, negro PN . . . . . 28 440 7 — Leitelho não aromatizado.
E 153 Carvão vegetal. 8 — Natas e natas em pó não aromatizadas.
E 154 Castanho FK. 9 — Óleos e gorduras de origem animal ou vegetal.
E 155 Castanho HT . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 285 10 — Ovos e ovoprodutos, definidos no Decreto-Lei n.o 234/92,
E 160a Carotenos: de 22 de Outubro.
i) Carotenos mistos . . . . . . . . . . 75 130 11 — Farinha e outros produtos moídos, amidos e féculas.
ii) Beta caroteno . . . . . . . . . . . . 40 800 12 — Pão e produtos afins do pão.
13 — Massas alimentícias e gnocchi.
E 160b Anato, bixina, norbixina . . . . . . . . . . . 75 120 14 — Açúcares, incluindo todos os monossacarídeos e dissaca-
E 160c Extracto de pimentão, capsantina, rídeos.
capsorubina. 15 — Pasta e conservas de tomate.
E 160d Licopeno. 16 — Molhos à base de tomate.
E 160e Beta-apo-8’-carotenal (C30) . . . . . . . 40 820 17 — Sumo e néctar de frutos, mencionados na Portaria n.o 189/91,
E 160f Éster etílico do ácido beta-apo-8’- e sumos de produtos hortícolas.
-caroténico (C30) . . . . . . . . . . . . . . 40 825 18 — Frutos e produtos hortícolas (incluindo batatas) e cogumelos
E 161b Luteína. em conserva ou desidratados, frutos e produtos hortícolas transfor-
E 161g Cantaxantina. mados, incluindo batatas e cogumelos.
E 162 Vermelho-de-beterraba, betanina. 19 — Compota extra, geleia e puré de castanhas mencionados no
E 163 Antocianinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Preparadas por Decreto-Lei n.o 81/82, de 7 de Maio, e na Portaria n.o 497/92, de
processos fí- 17 de Junho; creme de pruneaux.
sicos a partir 20 — Peixe, moluscos e crustáceos, carne, aves de capoeira e carne
de frutos e de caça, bem como as suas preparações, mas não incluindo refeições
produtos hor- preparadas que contenham esses ingredientes.
tícolas. 21 — Produtos à base de cacau e componentes de chocolate nos
produtos à base de chocolate, mencionados no Decreto-Lei n.o 227/93,
E 170 Carbonato de cálcio . . . . . . . . . . . . . . 77 220 de 22 de Julho, e na Portaria n.o 671/93, de 17 de Julho.
E 171 Dióxido de titânio . . . . . . . . . . . . . . . . 77 891 22 — Café torrado, chá, chicória, extractos de chá e de chicória,
E 172 Óxidos e hidróxidos de ferro . . . . . . . 77 491 preparações de chá de plantas, de frutos ou de cereais para infusões,
77 492 bem como as respectivas misturas, incluindo as instantâneas.
77 499 23 — Sal, sucedâneos de sal, especiarias e respectivas misturas.
24 — Vinho e outros produtos definidos no Regulamento (CEE)
E 173 Alumínio. o
n. 822/87.
E 174 Prata. 25 — Korn, Kornbrand, bebidas espirituosas de frutos, aguardente
E 175 Ouro. de frutos, ouzo, grappa, tsikoudia de Creta, tsipouro da Macedónia,
E 180 Litolrubina BK. tsipouro de Tessália, tsipouro de Tyrnavos, eau de vie de marc marque
nationale luxembourgeoise, eau de vie de seigle marque nationale luxem-
(1) Os números de índice dos corantes foram extraídos do Colour Index, 3.a ed., 1982, bourgeoise, London gin, definidos no Regulamento (CEE) n.o 1576/89.
vols. 1-7, 1315, bem como das alterações 37-40 (125), 41-44 (127-50), 45-48 (130), 49-52
(132-50) e 53-56 (135). 26 — Sambuca, maraschino e mistra definidos no Regulamento
(2) O termo «caramelo» diz respeito aos produtos com cor castanha mais ou menos (CEE) n.o 1180/91.
intensa utilizados como corantes. Não correspondem ao produto açucarado e aromatizado
obtido por aquecimento de açúcares e utilizado como aromatizante alimentar (por exemplo,
27 — Sangria, clarea e zurra mencionadas no Regulamento (CEE)
em confeitaria, pastelaria, bebidas alcoólicas). n.o 1601/91.
28 — Vinagre de vinho.
29 — Alimentos para bebés e crianças mencionados no Decreto-Lei
ANEXO II n.o 227/91, de 19 de Junho, incluindo alimentos para bebés e crianças
doentes.
Géneros alimentícios que não podem conter corantes, excepto
nos casos especificamente previstos nos anexos III, IV ou V 30 — Mel.
31 — Malte e produtos de malte.
[As designações usadas no anexo II não afectam o princípio da 32 — Queijos curados e não curados não aromatizados.
«transferência» (carry over principle), desde que os produtos conte- 33 — Manteiga de leite de ovelha e de cabra.

ANEXO III
Géneros alimentícios que apenas podem conter determinados corantes

Género alimentício Corante autorizado Quantidade máxima

Malt bread . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 150a — Caramelo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
E 150c — Caramelo amoniacal.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.

Cerveja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 150a — Caramelo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


Cidre houché . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
E 150c — Caramelo amoniacal.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.

Manteiga (incluindo manteiga com teor reduzido E 160a — Carotenos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
de gordura e manteiga concentrada).
4650 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

Género alimentício Corante autorizado Quantidade máxima

Margarina, minarina e outras emulsões gordas E 160a — Carotenos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


e matérias gordas não emulsionadas. E 100 — Curcumina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
E 160b — Anato, bixina, norbixina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 mg/kg.

Queijo Sage Derby . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 140 — Clorofilas e clorofilinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


E 141 — Complexos de cobre de clorofilas e clorofilinas.

Queijo curado laranja, amarelo e esbranquiçado; E 160a — Carotenos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


queijo fundido não aromatizado. E 160c — Extracto de pimentão.

E 160b — Anato, bixina e norbixina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 mg/kg.

Queijo Red Leicester . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 160b — Anato, bixina e norbixina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 mg/kg.

Queijo Mimolette . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 160b — Anato, bixina e norbixina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 mg/kg.

Queijo Morbier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 153 — Carvão vegetal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.

Queijo de pasta vermelha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas . . . . . . . . . . . . . . . . 125 mg/kg.

E 163 — Antocianinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.

Vinagre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 150a — Caramelo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
E 150c — Caramelo amoniacal.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.

Whisky, whiskey, bebida espirituosa de cereais E 150a — Caramelo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
que não Korn ou Kornbrand, ou eau de vie E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
de seigle marque nationale luxembourgeoise, E 150c — Caramelo amoniacal.
aguardente de vinho, rum, brandy, Weinbrand, E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.
bagaço, aguardente (que não seja tsikoudia
e tsipouro e eau de vie de marc marque natio-
nale luxembourgeoise), grappa invecchiata,
bagaceira velha, mencionados no Regula-
mento (CEE) n.o 1576/89.

Bebidas aromatizadas à base de vinho (excepto E 150a — Caramelo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
bitter soda) e vinhos aromatizados, menciona- E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
dos no Regulamento (CEE) n.o 1601/91. E 150c — Caramelo amoniacal.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.

Americano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 150a — Caramelo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
E 150c — Caramelo amoniacal.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.
E 163 — Antocianinas.

E 100 — Curcumina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/kg (estremes ou


E 101: em mistura).
i) Riboflavina.
ii) Riboflavina-5’-fosfato.

E 102 — Tartarazina.
E 104 — Amarelo de quinoleína.
E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas.
E 122 — Azorubina, carmosina.
E 123 — Amarante.
E 124 — Ponceau 4R.

Bitter soda, Bitter vino, mencionados no Regu- E 150a — Caramelo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
lamento (CEE) n.o 1601/91. E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
E 150c — Caramelo amoniacal.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.

E 100 — Curcumina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/l (estremes ou


E 101: em mistura).
i) Riboflavina.
ii) Riboflavina-5’-fosfato.
N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4651

Género alimentício Corante autorizado Quantidade máxima

Bitter soda, Bitter vino, mencionados no Regu- E 102 — Tartarazina.


lamento (CEE) n.o 1601/91.
E 104 — Amarelo de quinoleína.
E 110:
Amarelo-sol FCF.
Amarelo-alaranjado S.

E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas.


E 122 — Azorubina, carmosina.
E 123 — Amarante.
E 124 — Ponceau 4R, vermelho-cochonilha A.
E 129 — Vermelho-allura AC.

Vinhos licorosos e vinhos licorosos de qualidade E 150a — Caramelo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
produzidos em regiões determinadas. E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
E 150c — Caramelo amoniacal.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.

Produtos hortícolas em vinagre, em salmoura ou E 101:


em óleo (excepto azeitonas).
i) Riboflavina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
ii) Riboflavina-5’-fosfato.

E 140 — Clorofilas e clorofilinas.


E 141 — Complexos de cobre de clorofilas e clorofilinas.
E 150a — Caramelo simples.
E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
E 150c — Caramelo amoniacal.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.
E 160a — Carotenos:
i) Carotenos mistos.
ii) Beta-caroteno.

E 162 — Vermelho-de-beterraba, betanina.


E 163 — Antocianinas.

Cereais de pequeno-almoço extrudidos, expan- E 150c — Caramelo amoniacal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


didos e ou aromatizados com frutos. E 160a — Carotenos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
E 160b — Anato, bixina, norbixina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 mg/kg.
E 160c — Extracto de pimentão, capsantina, capsorubina . . . . . . . . Quantum satis.

Cereais de pequeno-almoço aromatizados com E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas . . . . . . . . . . . . . . . . 200 mg/kg (estremes ou
frutos. E 162 — Vermelho-de-beterraba, betanina. em mistura).
E 163 — Antocianinas.

Compota, geleias e citrinadas mencionadas no E 100 — Curcumina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


Decreto-Lei n.o 81/92 e na Portaria n.o 497/92 E 140 — Clorofilas e clorofilinas.
e outras preparações semelhantes à base de fru- E 141 — Complexos de cobre de clorofilas e clorofilinas.
tos, incluindo produtos de baixo teor calórico. E 150a — Caramelo simples.
E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
E 150c — Caramelo amoniacal.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.
E 160a — Carotenos:
i) Carotenos mistos.
ii) Beta-caroteno.

E 160c — Extracto de pimentão, capsantina, capsorubina.


E 162 — Vermelho-de-beterraba, betanina.
E 163 — Antocianinas.

E 104 — Amarelo de quinoleína . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/kg (estremes ou


E 110 — Amarelo-sol. em mistura).
E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas.
E 124 — Ponceau 4R, vermelho-de-cochonilha A.
E 142 — Verde S.
E 160d — Licopeno.
E 161b — Luteína.

Salsichas, salames e patés . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 100 — Curcumina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 mg/kg.


E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/kg.
E 150a — Caramelo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
E 150b — Caramelo de sulfito cáustico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
E 150c — Caramelo amoniacal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
4652 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

Género alimentício Corante autorizado Quantidade máxima

Salsichas, salames e patés . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 160a — Carotenos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 mg/kg.


E 160c — Extracto de pimentão, capsantina, capsorubina . . . . . . . . 10 mg/kg.
E 162 — Vermelho-de-beterraba, betanina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.

Luncheon meat . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 129 — Vermelho-allura AC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 mg/kg.

Breakfast sausages com um teor mínimo de E 129 — Vermelho-allura AC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 mg/kg.


cereais de 6 %. E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/kg.

Burger meat com um teor mínimo de vegetais E 150a — Caramelo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
e ou cereais de 4 %. E 150b — Caramelo de sulfito cáustico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
E 150c — Caramelo amoniacal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.

Chorizo; salchichon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas . . . . . . . . . . . . . . . . 200 mg/kg.


E 124 — Ponceau 4R, vermelho-de-cochonilha A . . . . . . . . . . . . . . . 250 mg/kg.

Sobrasada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . E 110 — Amarelo-sol FCF . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 mg/kg.


E 124 — Ponceau 4R, vermelho-de-cochonilha A . . . . . . . . . . . . . . . 200 mg/kg.

Pasturmas (revestimento exterior comestível) . . . E 100 — Curcumina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


E 101:
i) Riboflavina.
ii) Riboflavina-5’-fosfato.

E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas.

Grânulos e flocos de batata desidratados . . . . . . E 100 — Curcumina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.

Processed mushy and garden peas (enlatadas) . . . E 102 — Tartarazina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/kg.
E 133 — Azul-brilhante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 mg/kg.
E 142 — Verde S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 mg/kg.

ANEXO IV
Corantes autorizados apenas para certos usos

Corante autorizado Género alimentício Quantidade máxima

E 123 — Amarante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Vinhos aperitivos, bebidas espirituosas, incluindo produtos com teor 30 mg/l.
alcoólico inferior a 15 % em volume.
Ovas de peixe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 mg/kg.

E 127 — Eritrosina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cerejas de cocktail e cerejas cristalizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200 mg/kg.


Cerejas Bigarreaux em xarope e em cocktail . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150 mg/kg.

E 128 — Vermelho 2G . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Breakfast sausages com um teor mínimo de cereais de 6 % . . . . . . . . 20 mg/kg.


Burger meat com um teor mínimo de vegetais e ou cereais de 4 %

E 154 — Castanho FK . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Kippers . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 mg/kg.

E 161g — Cantaxantina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Saucises de Strasbourg . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 mg/kg.

E 173 — Alumínio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Revestimento exterior de produtos de confeitaria à base de açúcar Quantum satis.
para a decoração de bolos e produtos de pastelaria.

E 174 — Prata . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Revestimento exterior de produtos de confeitaria . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


Decoração de chocolates.
Licores.

E 175 — Ouro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Revestimento exterior de produtos de confeitaria . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


Decoração de chocolates.
Licores.

E 180 — Litolrubina BK . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Revestimento comestível de queijos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis.


N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4653

Corante autorizado Género alimentício Quantidade máxima

E 160b — Anato, bixina, norbixina . . . . . . . . . . . . Margarina, minarina e outras emulsões gordas e matérias gordas 10 mg/kg.
não emulsionadas.
Decorações e revestimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 mg/kg.
Produtos de pastelaria e padaria fina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 mg/kg.
Gelados alimentares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 mg/kg.
Licores incluindo bebidas fortificadas com um teor alcoólico em 10 mg/l.
volume inferior a 15 %.
Queijo fundido aromatizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 mg/kg.
Queijo curado laranja, amarelo e esbranquiçado; queijo fundido 15 mg/kg.
não aromatizado.
Sobremesas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 mg/kg.
Aperitivos: salgados e secos à base de batata, cereais, amido ou
féculas:
Aperitivos salgados extrudidos ou expandidos . . . . . . . . . . . . . 20 mg/kg.
Outros aperitivos salgados e frutos secos salgados . . . . . . . . . . 10 mg/kg.
Peixe fumado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 mg/kg.
Cascas comestíveis de queijos e tripas comestíveis . . . . . . . . . . 20 mg/kg.
Queijo Red Leicester . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 mg/kg.
Queijo Mimolette . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 mg/kg.
Cereais de pequeno-almoço, extrudidos, expandidos e ou aro- 25 mg/kg.
matizados com frutos

ANEXO V E 151 — Negro-brilhante BN, negro PN.


E 155 — Castanho HT.
Corantes autorizados nos géneros alimentícios para além
E 160d — Licopeno.
dos enumerados nos anexos II e III
E 160e — Beta-apo-8’-carotenal (C30).
PARTE 1 E 160f — Éster etílico de ácido beta-apo-8’-caroténico (C30).
Os seguintes corantes podem ser utilizados quantum satis em géne- E 161b — Luteína.
ros alimentícios mencionados na parte 2 do presente anexo e em
todos os outros géneros alimentícios que não são enumerados nos
anexos II e III: Géneros alimentícios
Quantidade
máxima
E 101:
i) Riboflavina; Bebidas aromatizadas não alcoólicas . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/l
ii) Riboflavina-5’-fosfato.

E 140 — Clorofilas e clorofilinas. Frutos e produtos hortícolas cristalizados, mostarda


E 141 — Complexos de cobre de clorofilas e clorofilinas. di fruta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200 mg/kg
E 150a — Caramelo simples.
E 150b — Caramelo de sulfito cáustico.
E 150c — Caramelo amoniacal. Conservas de frutos vermelhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200 mg/kg
E 150d — Caramelo de sulfito de amónio.
E 153 — Carvão vegetal.
E 160a — Carotenos. Produtos de confeitaria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300 mg/kg
E 160c — Extracto de pimentão, capsantina, capsorubina.
E 162 — Vermelho-de-beterraba, betanina. Decorações e revestimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 500 mg/kg
E 163 — Antocianinas.
E 170 — Carbonato de cálcio.
E 171 — Dióxido de titânio. Produtos de pastelaria e padaria fina e (por exemplo,
E 172 — Óxidos e hidróxidos de ferro. viennoiserie, biscoitos, bolos e wafers) . . . . . . . . . . . 200 mg/kg

PARTE 2
Gelados alimentares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150 mg/kg
Os seguintes corantes podem ser utilizados estremes ou em mistura
nos seguintes géneros alimentícios, até aos limites máximos especi-
ficados na tabela. Todavia, no caso de bebidas não alcóolicas aro- Queijo fundido aromatizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/kg
matizadas, gelados alimentares, sobremesas e produtos de pastelaria
e padaria fina e de confeitaria, podem ser utilizados corantes até
ao limite indicado no respectivo quadro, mas as quantidades de cada Sobremesas, incluindo produtos lácteos aromatizados 150 mg/kg
um dos corantes E 110, E 122, E 124 e E 155 não podem ser superiores
a 50 mg/kg ou mg/l.
Molhos, temperos (por exemplo, caril em pó, tan-
E 100 — Curcumina. doori), pickles, condimentos, chutney e picalilli . . . . 500 mg/kg
E 102 — Tartarazina.
E 104 — Amarelo-de-quinoleína.
E 110: Mostarda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300 mg/kg
Amarelo-sol FCF.
Amarelo-alaranjado S. Pastas de peixe e de crustáceos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/kg

E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas.


E 122 — Azorubina, carmosina. Crustáceos pré-cozidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250 mg/kg
E 124 — Ponceau 4R, vermelho-de-cochonilha A.
E 129 — Vermelho-allura AC.
Sucedâneos de salmão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 500 mg/kg
E 131 — Azul-patenteado V.
E 132 — Indigotina, carmim-de-indigo.
E 133 — Azul-brilhante FCF. Surimi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 500 mg/kg
E 142 — Verde S.
4654 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 % (a pH neutro).


Géneros alimentícios
Quantidade éter. São aplicáveis os critérios de pureza
máxima
específicos relativos aos corantes em
causa.
Ovas de peixe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300 mg/kg
B — Critérios de pureza específicos

Peixe fumado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/kg E 100 — Curcumina:


Sinónimos Amarelo natural Cl 3; amarelo-açafrão;
diferoilmetano.
Aperitivos: salgados e secos, à base de batata, cereais, Definição A curcumina é obtida por extracção com
amido ou féculas: solventes de açafrão, isto é, de rizo-
Aperitivos salgados extrudidos ou expandidos . . . 200 mg/kg mas moídos de variedades naturais de
Outros aperitivos salgados e frutos secos sal- Curcuma longa L. Para obter um pro-
gados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/kg duto pulverulento com elevado teor
de curcumina, purifica-se o extracto
por cristalização. O produto é cons-
Cascas comestíveis de queijos e tripas comestíveis tituído essencialmente por cur-
de colagénio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quantum satis cumina, i. e., pelo princípio corante
[1,7-bis (4-hidroxi 3-metoxifenil) hep-
ta-1,6-dieno-3,5-diona] e os seus dois
Preparados completos de regime para controlo de derivados não metoxilados, em por-
peso, destinados a substituir o consumo alimentar porções diversas. Podem também
diário ou uma refeição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 mg/kg encontrar-se na curcumina pequenas
quantidades de óleos e resinas de
ocorrência natural na matéria-prima.
Preparados completos e suplementos nutricionais Apenas podem ser utilizados na extrac-
para utilização sob vigilância médica . . . . . . . . . . . . 50 mg/kg ção os seguintes solventes: acetato de
etilo, acetona, dióxido de carbono,
diclorometano, n-butanol, metanol,
Suplementos alimentares líquidos/integradores die- etanol e hexano.
téticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/l Classe Dicinamoilmetano.
Número do Colour Index 75300.
Suplementos alimentares sólidos/integradores die- Einecs. 207-280-5.
téticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300 mg/kg Denominação química I — 1,7-bis (4-hidroxi-3-metoxifenil)-
-hepta-1,6-dieno-3,5-diona.
II — 1-(4-hidroxifenil)-7-(4-hidroxi-3-me-
Sopas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 mg/kg toxifenil)-hepta-1,6-dieno-3,5-diona.
III — 1,7-bis(4-hidroxifenil)hepta-1,6-
-dieno-3,5-diona.
Sucedâneos de carne e peixe à base de proteínas Fórmula química I — C21 H20O6.
vegetais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 mg/kg II — C20 H18O5.
III — C19 H16O4.
Massa molecular I — 368,39.
Bebidas espirituosas, incluindo produtos com teor II — 338,39.
alcoólico volúmico inferior a 15 %, com excepção III — 308,39.
das mencionadas nos anexos II e III . . . . . . . . . . . . . 200 mg/l Composição Teor de matérias corantes totais não
inferior a 90 %.
1%
E1cm — 1607 a cerca de 426 nm, em eta-
Vinhos aromatizados, bebidas aromatizadas à base nol.
de vinho e cocktails aromatizados de produtos viti-
vinícolas, mencionados no Regulamento (CEE) Descrição Produto pulverulento cristalino de cor
n.o 1601/91, com excepção dos referidos nos ane- amarelo-alaranjada.
xos II ou III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200 mg/l Identificação
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 426 nm,
em etanol.
Vinhos de frutos (com ou sem gás) . . . . . . . . . . . . . . .
B — Intervalo de fusão 179-182oC.
Sidra (com excepção da cidre bouché) e perada . . . . . 200 mg/l
Pureza
Vinhos de frutos aromatizados, sidra e perada . . . . . . Resíduos de solventes Acetato de etilo

ANEXO VI
A — Especificações gerais para lacas de alumínio preparadas
a partir de corantes
Acetona
Metanol
Etanol
Hexano
n-Butanol
} Não superior a
50 mg/kg, estremes
ou misturados.

Diclorometano — Teor não superior a


10 mg/kg.
Definição As lacas de alumínio são obtidas por Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
reacção de corantes conformes aos Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
critérios de pureza estabelecidos na Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
monografia específica adequada com Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
alumina, em meio aquoso. Utiliza-se Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
em geral alumina não seca, recente- em Pb).
mente preparada por reacção de sul-
fato ou cloreto de alumínio com car-
E 101 (i) — Riboflavina:
bonato ou bicarbonato de sódio ou
cálcio ou com amónia. Após a for- Sinónimos Lactoflavina.
mação da laca, o produto é filtrado, Classe Isoaloxazina.
lavado com água e seco. O produto Einecs 201-507-1.
acabado pode conter alumina que não Denominação química 7,8-dimetil-10-(D-ribo-2,3,4,5-tetraidro-
reagiu. xipentil) benzo (g) pteridina-2,4 (3H,
Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,5 %. 10H)-diona; 7,8-dimetil-10-(1’-D-ribi-
HCI. til) isoaloxazina.
N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4655

Fórmula química C17 H20 N4 O6. Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 70 mg/kg (expresso
Massa molecular 376,37. rias. em anilina).
Composição Teor não inferior a 98 %, calculado em Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
relação à forma anidra. Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
1%
E1cm — 328 a cerca de 444 nm, em solu- Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
ção aquosa. Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
Descrição Produto pulverulento cristalino de cor em Pb).
amarela ou amarelo-alaranjada, com
um ligeiro odor. E 102 Tartarazina:
Identificação Sinónimos Amarelo alimentar Cl 4.
A — Espectrometria Razão A375/A267 com- Definição A tartarazina é constituída essencial-
preendida entre 0,31
e 0,33.
Razão A444/A267 com-
preendida entre 0,36
e 0,39.
} Em solução
aquosa.

Absorvência máxima a cerca de 444 nm,


mente por 5-hidroxi-1-(4-sulfonatofe-
nil)-4-(4-sulfonatofenilazo)-H-pira-
zol-3-carboxilato trissódico e outras
matérias corantes contendo cloreto
de sódio e ou sulfato de sódio como
principais componentes não corados.
A tartarazina é descrita na forma de sal
em água. de sódio. São também autorizados os
20
B — Poder rotatório espe- [a]D — compreendido entre – 115o e sais de potássio e de cálcio.
cífico. – 140o, numa solução de hidróxido Classe Corante monoazóico.
de sódio 0,05 N. Número do Colour Index 19140.
Pureza Einecs 217-699-5.
Perda por secagem Não superior a 1,5 % após secagem a Denominação química 5-hidroxi-1-(4-sulfonatofenil)-4-(4-sul-
105o C durante quatro horas. fonatofenilazo)-H-pirazol-3-carboxi-
Cinza sulfatada Teor não superior a 0,1 %. lato trissódico.
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 100 mg/kg (expresso Fórmula química C16 H9 N4Na3O9S2.
rias. em anilina). Massa molecular 534,37.
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. Composição Teor de matérias corantes totais,
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. expresso em sal de sódio, não inferior
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. a 85 %.
1%
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. E1cm — 530 a cerca de 426 nm, em so-
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. lução aquosa.
em Pb). Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
alaranjado-clara.
E 101 (ii) — Riboflavina-5’-fosfato: Identificação
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 426 nm,
Sinónimos Riboflavina-5’-fosfato de sódio. em água.
Definição As presentes especificações aplicam-se B — Solução aquosa de
à riboflavina-5’-fosfato contendo cor amarela.
pequenas quantidades de riboflavina Pureza
livre e de difosfato de riboflavina. Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %.
Classe Isoaloxazina. água.
Einecs 204-988-6. Outras matérias corantes Teor não superior a 1,0 %.
Denominação química Fosfato monossódico de (2R, 3R, 4S)- Outros compostos orgâni-
-5-(3’) 10’-diidro-7’,8’-dimetil-2’, 4’-di- cos além das matérias
oxo-10’-benzo (c) pteridinil)-2,3,4- corantes:
-triidroxipentil sal monossódico do Ácido 4-hidrazino-

}
éster 5’-monofosfato de riboflavina. benzenossulfónico.
Fórmula química Forma di-hidratada: C17 H20 N4 NaO9P Ácido 4-aminoben-
2H2O. zeno-1-sulfónico.
Forma anidra: C17 H20 N4 NaO9P. Ácido 5-oxo-1-(4-sul-
Massa molecular 541,36. fofenil)-2-pirozo-
Composição Teor de matérias corantes totais, Teor total superior a 0,5 %.
lina-3-carboxílico.
expresso em C17 H20 N4 NaO9P 2H2O,
Ácido 4,4’-diazoami-
não inferior a 95 %.
1% nodibenzenossul-
E1cm — 250 a cerca de 375 nm, em solução
fónico.
aquosa.
Descrição Produto pulverulento cristalino higros- Ácido tetra-hidroxi-
cópico de cor amarela a alaranjada, succínico.
com um odor ligeiro e sabor amargo.
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso
Identificação
A — Espectrometria Razão A375/A267 com- rias não sulfonadas. em anilina).

}
Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, a pH neutro.
preendida entre 0,30 éter.
e 0,34. Em solução Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
Razão A444/A267 com- aquosa. Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
preendida entre 0,35 Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
e 0,40. Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
Absorvência máxima a cerca de 375 nm, Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
em água. em Pb).
20
B — Poder rotatório espe- [a]D — compreendido entre +38o e
cífico. + 42o, numa solução de ácido clorí- E 104 — Amarelo de quinoleína:
drico 5M. Sinónimos Amarelo alimentar Cl 13.
Pureza Definição O amarelo de quinoleína é obtido por
Perda por secagem Não superior a 8,0 % após secagem da sulfonação da 2-(2-quinolil)indano-
forma diidratada com P2O5, sob -1,3-diona, sendo constituído essen-
vácuo, a 100o C durante cinco horas. cialmente por sais de sódio de uma
Cinza sulfatada Teor não superior a 25 %. mistura em que predominam os dis-
Fosfatos inorgânicos Teor não superior a 1,0 % (expresso em sulfonatos e que contém também os
PO4 na base anidra). monossulfonatos e trissulfonatos do
Outras matérias corantes Riboflavina (livre) — Teor não superior composto supra, além de outras maté-
a 6 %. rias corantes contendo cloreto de
Difosfato de riboflavina — Teor não sódio e ou sulfato de sódio como prin-
superior a 6 %. cipais componentes não corados.
4656 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

O amarelo de quinoleína é descrito na O amarelo-sol FCF é descrito na forma


forma de sal de sódio. São também de sal de sódio. São também auto-
permitidos os sais de cálcio e de rizados os sais de potássio e de cálcio.
potássio. Classe Corante monoazóico.
Classe Quinoftalona. Número do Colour Index 15985.
Número do Colour Index 47005.
Einecs 305-897-5. Einecs 220-491-7.
Denominação química Sais dissódicos dos dissulfonatos de Denominação química 2-hidroxi-1-(4-sulfonatofenilazo)nafta-
2-(2-quinolil)indano-1,3-diona (com- leno-6-sulfonato dissódico.
ponente principal). Fórmula química C16 H10 N2Na2O7S2.
Fórmula química C18 H9 N Na2 O8 S2 (componente Massa molecular 452,37.
principal). Composição Teor de matérias corantes totais,
Massa molecular 477,38 (componente principal). expresso em sal de sódio, não inferior
Composição Teor de matérias corantes totais, a 85 %.
expresso em sal de sódio, não inferior 1%
E1cm — 555 a cerca de 485 nm, em so-
a 70 %.
O amarelo de quinoleína deve ter a lução aquosa a pH 7.
seguinte composição: Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
laranja-avermelhada.
Das matérias corantes totais pre- Identificação
sentes: A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 485 nm,
O teor de dissulfonatos dissó- em água a pH 7.
dicos de 2-(2-quinolil)in- B — Solução aquosa de
dano-1,3-diona não deve cor alaranjada.
ser inferior a 80 %; Pureza
O teor de monossulfonatos Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %
sódicos de 2-(2-quinolil)- água.
indano-1,3-diona não deve Outras matérias corantes Teor não superior a 5,0 %.
exceder 15 %; Outros compostos orgâni-
O teor de trissulfonatos tris- cos além das matérias
sódicos de 2-(2-quinolil)- corantes:
indano-1,3-diona não deve
exceder 7,0 %. Ácido 4-aminoben-

}
zeno-1-sulfónico.
1%
E1cm — 865 (componente principal) a Ácido 3-hidroxinafta-
cerca de 411 nm, em solução aquosa leno-2,7-dissulfó-
de ácido acético. nico.
Ácido 6-hidroxinafta-
Descrição Produto pulverulento ou granular de cor leno-2-sulfónico.
amarela. Ácido 7-hidroxinafta- Teor total não superior a 0,5 %.
Identificação leno-1,3-dissulfó-
A — Espectrometria Absorvência máxima a 411 nm, em solu- nico.
ção de ácido acético a pH 5. 4,4’-diazoamino di-
B — Cor amarela em solu- -(ácido benzeno-
ção aquosa. -sulfónico).
Pureza 6,6’-oxi-di (ácido
Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %. naftaleno-2-sul-
água. fónico).
Outras matérias corantes Teor não superior a 4,0 %.
Outros compostos orgâni- Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso
cos além das matérias rias não sulfonadas. em anilina).
corantes: Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, a pH neutro.
2-metilquinoleína éter.

}
Ácido 2-metilquino- Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
leinossulfónico. Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
Ácido ftálico Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
2,6-dimetilquino- Teor total não superior a 0,5 %. Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
leína.
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
Ácido 2,6-dimetil-
em Pb).
quinoleinossul-
fónico.
2-(2-quinolil)inda- Teor não superior a 4 mg/kg. E 120 — Cochonilha, ácido carmínico, carminas:
no-1,3-diona. Definição As carminas e o ácido carmínico são
obtidos a partir de extractos aquosos,
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso aquoso-alcoólicos ou alcoólicos de
rias não sulfonadas. em anilina). cochonilha, que consiste em corpos
Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, a pH neutro. secos de insectos fêmeas Dactylopius
éter. coccus Costa.
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. O princípio corante é o ácido carmínico.
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. É possível obter lacas de alumínio de
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. ácido carmínico (carminas) em que
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. o alumínio e o ácido carmínico se
em Pb). encontram presentes na proporção
molar de 1:2.
E 110 — Amarelo-sol FCF: Nos produtos comerciais, o princípio
Sinónimos Amarelo alimentar Cl 3, amarelo-ala- corante encontra-se associado a
ranjado S. catiões amónio, cálcio, potássio ou
Definição O amarelo-sol FCF é constituído essen- sódio, livres ou combinados, que
cialmente por 2-hidroxi-1-(4-sulfona- podem estar presentes em excesso.
tofenilazo)naftaleno-6-sulfonato dis- Os produtos comerciais podem também
sódico e outras matérias corantes, conter matérias proteicas provenien-
contendo cloreto de sódio e ou sulfato tes dos insectos, bem como carmina-
de sódio como principais componen- tos livres e pequenas quantidades de
tes não corados. catiões alumínio não ligados.
N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4657

Classe Antraquinona. Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.


Número do Colour Index 75470. Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
Einecs Cochonilha: 215-680-6. Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
Ácido carmínico: 215-023-3. Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
Carminas: 215-724-4. Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
Denominação química Ácido 7-b-D-glucopiranosil-3,5,6,8-te- em Pb).
traidroxi-1-metil-9,10-dioxoantrace-
no-2-carboxílico (ácido carmínico); a E 123 — Amarante:
carmina é o quelato de alumínio
Sinónimos Vermelho alimentar Cl 9.
hidratado deste ácido.
Definição O amarante é constituído essencial-
Fórmula química C22 H20 O13 (ácido carmínico).
Massa molecular 492,39 (ácido carmínico). mente por 2-hidroxi-1-(4-sulfonato-1-
Composição Teor de ácido carmínico não inferior a -naftilazo)naftaleno-3,6-dissulfonato
2,0 % em extractos que contenham trissódico e outras matérias corantes
esta substância; teor de ácido carmí- contendo cloreto de sódio e ou sulfato
nico não inferior a 50 % em quelatos. de sódio como principais componen-
Descrição Produto sólido, quebradiço ou pulveru- tes não corados.
lento, de cor vermelha a vermelho- O amarante é descrito na forma de sal
-escura. O extracto de cochonilha de sódio. São também autorizados os
apresenta-se, em geral, na forma de sais de potássio e de cálcio.
líquido vermelho-escuro, embora Classe Corante monoazóico.
possa também apresentar-se na forma Número do Colour Index 16185.
pulverulenta, após ser seco. Einecs 213-022-2.
Identificação Denominação química 2-hidroxi-1-(4-sulfonato-1-naftilazo)-
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 518 nm, -naftaleno-3,6-dissulfonato trissó-
em amónia. dico.
Ácido carmínico: absorvência máxima a Fórmula química C20 H11 N2Na3O10S3.
cerca de 494 nm, numa solução di- Massa molecular 604,48.
luída de ácido clorídrico. Composição Teor de matérias corantes totais,
Pureza expresso em sal de sódio, não inferior
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. a 85 %.
1%
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. E1cm — 440 a cerca de 520 nm, em so-
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. lução aquosa.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. castanho-avermelhada.
em Pb). Identificação
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 520 nm,
E 122 — Azorubina, carmosina: em água.
B — Solução aquosa de
Sinónimos Vermelho alimentar Cl 3. cor vermelha.
Definição A azorubina é constituída essencial- Pureza
mente por 4-hidroxi-3-(4-sulfonato-1- Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %
-naftilazo)naftaleno-1-sulfonato dis- água.
sódico e outras matérias corantes, Outras matérias corantes Teor não superior a 3,0 %.
contendo cloreto de sódio e ou sulfato Outros compostos orgâni-
de sódio como principais componen- cos além das matérias
tes não corados. corantes:
A azorubina é descrita na forma de sal
de sódio. São também autorizados os Ácido 4-aminonafta-

}
sais de potássio e de cálcio. leno-1-sulfónico.
Classe Corante monoazóico. Ácido 3-hidroxinafta-
Número do Colour Index 14720. l e n o - 2 , 7 - d is s u l -
Einecs 222-657-4. fónico.
Denominação química 4-hidroxi-3-(4-sulfonato-1-naftila- Ácido 6-hidroxinafta-
zo)naftaleno-1-sulfonato dissódico. leno-2-sulfónico. Teor total não superior a 0,5 %.
Fórmula química C20 H12 N2Na2O7S2. Ácido 7-hidroxinafta-
Massa molecular 502,44. leno-1,3-dissulfó-
Composição Teor de matérias corantes totais, nico.
expresso em sal de sódio, não inferior Ácido 7-hidroxinafta-
a 85 %. leno-1,3-6-trissul-
1% fónico.
E1cm— 510 a cerca de 516 nm, em so-
lução aquosa.
Descrição Produto pulverulento ou granular de cor Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso
vermelha a castanha. rias não sulfonadas. em anilina).
Identificação Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, a pH neutro.
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 516 nm, éter.
em água. Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
B — Solução aquosa de Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
cor vermelha. Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
Pureza Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 % Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
água. em Pb).
Outras matérias corantes Teor não superior a 2,0 %.
Outros compostos orgâni- E 124 — Ponceau 4R, vermelho-de-cochonilha A:
cos além das matérias Sinónimos Vermelho alimentar Cl 7, nova Coccina.
corantes: Definição O ponceau 4R é constituído essencial-
Ácido 4-aminonafta- mente por 2-hidroxi-1-(4-sulfonato-1-
leno-1-sulfónico.
Ácido 4-hidroxinafta-
leno-1-sulfónico.
} Teor total não superior a 0,5 %.
-naftilazo)naftaleno-6,8-dissulfonato
trissódico e outras matérias corantes,
contendo cloreto de sódio e ou sulfato
de sódio como principais componen-
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso tes não corados.
rias não sulfonadas. em anilina). O ponceau 4R é descrito na forma de
Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, a pH neutro. sal de sódio. São também autorizados
éter. os sais de potássio e de cálcio.
4658 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

Classe Corante monoazóico. B — Solução aquosa de


Número do Colour Index 16255. cor vermelha.
Einecs 220-036-2. Pureza
Denominação química 2-hidroxi-1-(4-sulfonato-1-naftilazo)- Iodetos inorgânicos, Teor não superior a 0,1 %.
-naftaleno-6,8-dissulfonato trissó- expressos em iodeto de
dico. sódio.
Fórmula química C20 H14 N2Na3O10S3. Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %
Massa molecular 604,48. água.
Composição Teor de matérias corantes totais, Outras matérias corantes Teor não superior a 4,0 %.
expresso em sal de sódio, não inferior (à excepção da fluores-
a 80 %. ceína).
1%
E1cm — 430 a cerca de 505 nm, em so- Fluoresceína Teor não superior a 20 mg/kg.
lução aquosa. Outros compostos orgâni-
Descrição Produto pulverulento ou granular de cor cos além das matérias
avermelhada. corantes:
Identificação Triiodoresorcinol Teor não superior a 0,2 %.
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 505 nm, Ácido 2-(2,4-diidro- Teor não superior a 0,2 %.
em água. xi-3,5-diiodoben-
B — Solução aquosa de zoil) benzóico.
cor vermelha. Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, numa solução
Pureza éter. de pH compreendido entre 7 e 8.
Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %. Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
água. Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
Outras matérias corantes Teor não superior a 1,0 %. Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
Outros compostos orgâni- Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
cos além das matérias Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
corantes: em Pb).
Lacas de alumínio O método das matérias insolúveis em
Ácido 4-aminonafta- ácido clorídrico não é aplicável, sendo

}
leno-1-sulfónico. substituído pelo método das matérias
Ácido 7-hidroxinafta- insolúveis em hidróxido de sódio com
l e n o -1,3-di ssul - um teor não superior a 0,5 %, apenas
fónico. no caso do presente corante.
Ácido 3-hidroxinafta-
leno-2,7-dissulfó- Teor total não superior a 0,5 % E 128 — Vermelho 2G:
nico. Sinónimos Vermelho alimentar Cl 10, azogeranina.
Ácido 6-hidroxinafta- Definição O vermelho 2G é constituído essencial-
leno-2-sulfónico. mente por 8-acetamido-1-hidroxi-
Ácido 7-hidroxinafta- -2-fenilazonaftaleno-3,6-dissulfonato
leno-1,3,6-trissul- dissódico e outras matérias corantes
fónico. contendo cloreto de sódio e ou sulfato
de sódio como principais componen-
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso tes não corados.
rias não sulfonadas. em anilina). O vermelho 2G é descrito na forma de
Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, a pH neutro. sal de sódio. São também autorizados
éter. os sais de potássio e de cálcio.
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. Classe Corante monoazóico.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. Número do Colour Index 18050.
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. Einecs 223-098-9.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. Denominação química 8-acetamido-1-hidroxi-2-fenilazonafta-
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. leno-3,6-dissulfonato dissódico.
em Pb). Fórmula química C18 H13 N3Na2O8S2.
Massa molecular 509,43.
E 127 — Eritrosina: Composição Teor de matérias corantes totais,
expresso em sal de sódio, não inferior
Sinónimos Vermelho alimentar Cl 14. a 80 %.
Definição A eritrosina é constituída essencial- 1%
E1cm— 620 a cerca de 532 nm, em solu-
mente por 2-(2,4,5,7-tetraiodo-3-óxi- ção aquosa.
do-6-oxoxanteno-9-il)benzoato dissó- Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
dico monoidratado e outras matérias vermelha.
corantes contendo água, cloreto de Identificação
sódio e ou sulfato de sódio como prin- A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 532 nm,
cipais componentes não corados. em água.
A eritrosina é descrita na forma de sal B — Solução aquosa de
de sódio. São também autorizados os cor vermelha.
sais de potássio e de cálcio. Pureza
Classe Xanteno. Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %.
Número do Colour Index 45430 água.
Einecs 240-474-8. Outras matérias corantes Teor não superior a 2,0 %.
Denominação química 2-(2,4,5,7-Tetraiodo-3-óxido-6-oxoxan- Outros compostos orgâni-
teno-9-il)benzoato dissódico monoi- cos além das matérias
dratado. corantes:
Fórmula química C20 H6 I4 Na2 O5 H2 O. Ácido 5-acetamido-

}
Massa molecular 897,88. -4-hidroxinafta-
Composição Teor de matérias corantes totais, leno-2,7-dissulfó-
expresso em sal de sódio anidro, não nico. Teor total não superior a 0,5 %.
inferior a 87 %. Ácido 5-amino-4-hi-
1%
E1cm — 1100 a cerca de 526 nm, em so- droxinaftaleno-
lução aquosa a pH 7. -2,7-dissulfónico.
Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
vermelha. Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso
Identificação rias não sulfonadas. em anilina).
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 526 nm, Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, a pH neutro.
em água a pH 7. éter.
N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4659

Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. Classe Triarilmetano.


Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. Número do Colour Index 42051.
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. Einecs 222-573-8.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. Denominação química Sal de cálcio ou de sódio do hidróxido
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. de {4-[a-(4-dietilaminofenil)-5-hi-
em Pb). droxi-2,4-dissulfofenil-metilideno]-
-2,5-ciclo-hexadieno-1-ilideno} dieti-
E 129 — Vermelho-allura AC: lamónio na forma de sal interno.
Sinónimos Vermelho alimentar Cl 17. Fórmula química Sal de cálcio: C27H31N2O2S2Ca½.
Definição O vermelho-allura AC é constituído Sal de sódio: C27 H31 N2 O7S2Na.
essencialmente por 2-hidroxi-1- Massa molecular Sal de cálcio: 579,72.
-(2-metoxi-5-metil-4-sulfonatofeni- Sal de sódio: 582,67.
lazo)naftaleno-6-sulfonato dissódico Composição Teor de matérias corantes totais,
e outras matérias corantes contendo expresso em sal de sódio, não inferior
cloreto de sódio e ou sulfato de sódio a 85 %.
1%
como principais componentes não E1cm— 2000 a cerca de 638 nm, em
corados. solução aquosa de pH 5.
O vermelho-allura AC é descrito na Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
forma de sal de sódio. São também azul-escura.
autorizados os sais de potássio e de Identificação
cálcio. A — Espectrometria Absorvência máxima a 638 nm, em água
Classe Corante monoazóico. a pH 5.
Número do Colour Index 16035. B — Solução aquosa de
Einecs 247-368-0. cor azul.
Denominação química 2-hidroxi-1-(2-metoxi-5-metil-4-sulfona- Pureza
tofenilazo)naftaleno-6-sulfonato dis- Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %.
sódico. água.
Fórmula química C18 H14 N2Na2O8S2. Outras matérias corantes Teor não superior a 2,0 %.
Massa molecular 496,42.
Composição Teor de matérias corantes totais, Outros compostos orgâni-
expresso em sal de sódio, não inferior cos além das matérias
a 85 %. corantes:
1%
E1cm — 540 a cerca de 504 nm, em so-

}
3-hidroxibenzaldeído
lução aquosa de pH 7. Ácido 3-hidroxiben-
Descrição Produto pulverulento ou granular de cor zóico.
vermelho-escura. Ácido 3-hidroxi-4-
Identificação Teor total não superior a 0,5 %.
-sulfobenzóico.
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 504 nm, Ácido N,N-dietilami-
em água. nobenzenossulfó-
B — Solução aquosa de nico.
cor vermelha.
Pureza Leucobase Teor não superior a 4,0 %.
Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 % Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso
água. rias não sulfonadas. em anilina).
Outras matérias corantes Teor não superior a 3,0 %. Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, numa solu-
Outros compostos orgâni- éter. ção a pH 5.
cos além das matérias
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
corantes:
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
Sal de sódio do ácido Teor não superior a 0,3 %. Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
6-hidroxi-2-nafta- Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
leno sulfónico. Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
Ácido 4-amino-5- Teor não superior a 0,2 %. em Pb).
-metoxi-2-metil-
benzeno sulfónico. E 132 — Indigotina, carmim-de-indigo:
Sal dissódico do Teor não superior a 1,0 %.
6,6-oxi-bis (áci- Sinónimos Azul alimentar Cl 1.
do-2-naftalenos- Definição A indigotina é constituída essencial-
sulfónico). mente por uma mistura de 3,3’-dioxo-
-2,2’-bi-indolilideno-5,5’-dissulfonato
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso dissódico e 3,3’-dioxo-2,2’-bi-indolili-
rias não sulfonadas. em anilina). deno-5,7’-dissulfonato dissódico
Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, a pH 7. acompanhados de outros corantes,
éter. contendo cloreto de sódio e ou sulfato
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. de sódio como principais componen-
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. tes não corados.
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. A indigotina é descrita na forma de sal
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. de sódio. São também autorizados os
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. sais de cálcio e de potássio.
em Pb). Classe Indigóide.
Número do Colour Index 73015.
E 131 — Azul-patenteado V: Einecs 212-728-8.
Sinónimos Azul alimentar Cl 5. Denominação química 3,3’-dioxo-2,2’-bi-indolilideno-5,5’-dis-
Definição O azul-patenteado V é constituído sulfonato dissódico.
essencialmente pelo sal de cálcio ou Fórmula química C16 H8 N2 Na2 O8S2.
de sódio do hidróxido de {4-[a-(4-die- Massa molecular 466,36.
tilaminofenil)-5-hidroxi-2,4-dissulfo- Composição Teor de matérias corantes totais,
fenil-metilideno]-2,5-ciclo-hexa- expresso em sal de sódio, não inferior
dieno-1-ilideno} dietilamónio na a 85 %. Teor de 3,3’-dioxo-2,2’-bi-in-
forma de sal interno e outras matérias dolilideno-5,7’-dissulfonato dissódico
corantes contendo cloreto de sódio e não superior a 18 %
1%
ou sulfato de sódio e ou sulfato de E1cm — 480 a cerca de 610 nm, em so-
cálcio como principais componentes lução aquosa.
não corados. Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
O sal de potássio é também autorizado. azul-escura.
4660 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

Identificação Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 % a pH 7.


A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 610 nm, éter.
em água. Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
B — Solução aquosa de Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
cor azul. Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
Pureza Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %. Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
água. em Pb).
Outras matérias corantes Teor não superior a 1,0 % (excluindo E 140 (i) — Clorofilas:
o 3,3’-dioxo-2,2-bi-indolilideno-
-5,7’-dissulfonato dissódico). Sinónimos Verde natural Cl 3, clorofila de mag-
Outros compostos orgâni- nésio, feofitina de magnésio.
cos além das matérias Definição As clorofilas são obtidas pela extracção
corantes: com solventes de variedades naturais
de plantas comestíveis, gramíneas,
Ácido isatino-5-sul-

}
luzerna e urticáceas. Durante a remo-
fónico. ção do solvente, o magnésio de coor-
Ácido 5-sulfoantra- Teor total não superior a 0,5 %. denação pode ser arrastado ou par-
nílico. cialmente removido das clorofilas,
Ácido antranílico originando as feofitinas correspon-
dentes. As principais matérias coran-
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso tes são as feofitinas e as clorofilas de
rias não sulfonadas. em anilina). magnésio. O extracto obtido por
Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 % a pH neutro. remoção do solvente contém outros
éter. pigmentos, nomeadamente carote-
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. nóides, bem como óleos, gorduras e
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. ceras provenientes das plantas de ori-
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
gem. Apenas podem ser usados na
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
extracção os seguintes solventes: ace-
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
tona, metiletilcetona, diclorometano,
em Pb).
dióxido de carbono, metanol, etanol,
E 133 — Azul-brilhante FCF: 2-propanol e hexano.
Sinónimos Azul alimentar Cl 2. Classe Porfirina.
Definição O zul-brilhante FCF é constituído essen- Número do Colour Index 75810.
Einecs Clorofilas: 215-800-7.
cialmente por a-[4-(N-etil-3-sulfonato-
Clorofila a: 207-536-6.
-benzilamino)fenil]-a-(4-N-etil-3-sulfo-
Clorofila b: 208-272-4.
natobenzilamino ciclo-hexa-2,5-dieni-
Denominação química Os principais princípios corantes são:
lideno) tolueno-2-sulfonato dissó-
dico, seus isómeros e outras matérias Propionato de fitil (132R, 17S, 18S)-3-
corantes contendo cloreto de sódio e -(8-etil-132-metoxicarbonil-2,7,12,
ou sulfato de sódio como principais 18-tetrametil-13’-oxo-3-vinil-
componentes não corados. -131 -132 -17,18-tetraidrociclo-
O azul-brilhante FCF é descrito na penta[at]-porfirina-17-il-(feotinina
forma de sal de sódio. São também a), ou o respectivo complexo de
autorizados os sais de cálcio e de magnésio (clorofila a);
potássio. Propionato de fitil (132R, 17S,
Classe Triarilmetano. 18S)-3-(8-etil-7-formil-132-metoxi-
Número do Colour Index 42090. carbonil-2,12,18-trimetil-13’-
Einecs 223-339-8. -oxo-3-vinil-131-132-17,18-tetrai-
Denominação química a-[4-(N-etil-3-sulfonatobenzilamino) drociclopenta[at]-porfirina-
fenil]-a-(4-N-etil-3-sulfonatobenzila- -17-il(feofitina b), ou o respec-
mino ciclo-hexa-2,5-dienilideno) tivo complexo de magnésio (clo-
tolueno-2-sulfonato dissódico. rofila b).
Fórmula química C37 H34 N2 Na2 O9 S3.
Massa molecular 792,84. Fórmula química Clorofila a (complexo de magnésio):
Composição Teor de matérias corantes totais, C55 H72 Mg N4 O5.
expresso em sal de sódio, não inferior Clorofila a: C55 H74 N4 O5.
a 85 %. Clorofila b (complexo de magnésio):
1%
E1cm— 1630 a cerca de 630 nm, em C55 H70 Mg N4 O6.
solução aquosa. Clorofila b: C55 H70 N4 O6.
Descrição Produto pulverulento ou granular de cor Massa molecular Clorofila a (complexo de magné-
azul-avermelhada. sio): 893,51.
Identificação Clorofila a: 871,22.
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 630 nm, Clorofila b (complexo de magné-
em água. sio): 907,49.
B — Solução aquosa de Clorofila b: 885,20.
cor azul. Composição Teor de clorofilas totais e respectivos
Pureza complexos de magnésio não inferior
Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %. a 10 %.
água. 1%
E1cm — 700 a cerca de 409 nm, em cloro-
Outras matérias corantes Teor não superior a 6,0 %. fórmio.
Outros compostos orgâni- Descrição Sólido ceroso de cor verde-azeitona a
cos além das matérias verde-escura, em função do teor de
corantes: magnésio coordenado.
Ácidos 2, 3 e 4-formil- Teor não superior a 1,5 %. Identificação
benzenossulfónicos A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 409 nm,
no seu conjunto. em clorofórmio.
Ácido 3-[etil (4-sulfo- Teor não superior a 0,3 %. Pureza
fenil)amino]-metil- Solventes residuais Acetona

}
benzenossulfónico. Metiletilcetona
Teor não superior a
Metanol
50 mg/kg, estremes
Leucobase Teor não superior a 5,0 %. Etanol
ou misturados.
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso 2-propanol
rias não sulfonadas. em anilina). Hexano
N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4661

Diclorometano — Teor não superior a E 141 (i) — Complexos de cobre de clorofilas:


10 mg/kg. Sinónimos Verde natural Cl 3, clorofila de cobre,
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. feofitina de cobre.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. Definição As clorofilas cúpricas são obtidas por
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. adição de um sal de cobre ao produto
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. de extracção com solventes de varie-
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
dades naturais de plantas comestíveis,
em Pb).
gramíneas, luzerna e urticáceas. O
E 140 (ii) — Clorofilinas: produto obtido após a remoção do
solvente contém outros pigmentos,
Sinónimos Verde natural Cl 5, clorofilina de sódio, nomeadamente carotenóides, bem
clorofilina de potássio. como óleos, gorduras e ceras prove-
Definição Os sais alcalinos das clorofilinas são nientes das plantas de origem. As
obtidos por saponificação do produto principais matérias corantes são as
de extracção com solventes de varie- feofitinas cúpricas. Apenas podem ser
dades naturais de plantas comestíveis, usados na extracção os seguintes sol-
gramíneas, luzerna e urticáceas. A ventes: acetona, metiletilcetona,
saponificação remove os grupos éste- diclorometano, dióxido de carbono,
res de metil e de fitol, podendo causar metanol, etanol, 2-propanol e hexano.
a clivagem parcial do anel ciclopen- Classe Porfirina.
tenil. Os grupos ácidos são neutra- Número do Colour Index 75815.
lizados, originando os sais de potássio Einecs Clorofila cúprica a: 239-830-5.
e ou sódio. Apenas podem ser usados Clorofila cúprica b: 246-020-5.
na extracção os seguintes solventes: Denominação química {Propionato de fitil (132-R, 17S, 18S)-
acetona, metiletilcetona, diclorome- - 3 - ( 8 - e t i l - 1 32 - m e t o x i c a r b o n i l -
tano, dióxido de carbono, metanol, -2,7,12,18-tetrametil-13’-oxo-3-vi-
etanol, 2-propanol e hexano. nil-131-132-17,18-tetraidrociclopenta
Classe Porfirina. [at]-porfirina-17-il} cobre (ii) (cloro-
Número do Colour Index 75815. fila cúprica a).
Einecs 287-483-3. {Propionato de fitil (132-R, 17S, 18S)-
Denominação química Os principais princípios corantes, na -3-(8-etil-7-formil-132 -metoxicar-
forma ácida, são: bonil-2,12,18-trimetil-13’-oxo-3-vi-
nil-131-132-17,18-tetraidrociclopenta
Propionato de 3-(10-carboxi- [at]-porfirina-17-il} cobre (ii) (cloro-
lato-4-etil-1 ,3,5,8-tetrame - fila cúprica b).
til-9-oxo-2-vinilforbina-7-il) Fórmula química Clorofila cúprica a: C55 H72 Cu N4 O5.
(clorofilina a); Clorofila cúprica b: C55 H70 Cu N4 O6.
Propionato de 3-(10-carboxi- Massa molecular Clorofila cúprica a: 932,75.
lato-4-etil-3-formil-1,5,8-trime- Clorofila cúprica b: 946,73.
til-9-oxo-2-vinilforbina-7-il) Composição Teor de clorofilas cúpricas totais não
(clorofilina b). inferior a 10 %.
1%
E1cm — 540 a cerca de 422 nm, em clo-
De acordo com o grau de hidrólise, o rofórmio.
1%
anel ciclopentenil pode sofrer cliva- E1cm— 300 a cerca de 652 nm, em clo-
gem, determinando a formação de um rofórmio.
terceiro grupo carboxilo. Descrição Sólido ceroso de cor verde-azulada a
Podem também encontrar-se presentes verde-escura, em função da maté-
complexos de magnésio. ria-prima.
Identificação
Fórmula química Clorofilina a (forma ácida): C34 H34 N4 O5. A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 422 nm
Clorofilina b (forma ácida): C34 H32 N4 O6. e a cerca de 652 nm, em clorofórmio.
Massa molecular Clorofilina a: 578,68. Pureza
Solventes residuais Acetona

}
Clorofilina b: 592,66.
Em caso de clivagem do anel ciclopen- Metiletilcetona
Teor não superior a
tenil, estas massas registam um Metanol
50 mg/kg, estremes
aumento de 18 daltons. Etanol
ou misturados.
Composição Teor de clorofilinas totais não inferior 2-propanol
a 95 %, numa amostra seca a cerca Hexano
de 100oC durante uma hora.
1%
E1cm— 700 a cerca de 405 nm, em so- Diclorometano — Teor não superior a
lução aquosa a pH 9. 10 mg/kg.
1%
E1cm — 140 a cerca de 653 nm, em so- Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
lução aquosa a pH 9. Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
Descrição Produto pulverulento de cor verde-es- Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
cura a azul ou negra. Cobre iónico Teor não superior a 200 mg/kg.
Identificação Cobre total Teor não superior a 8,0 % das feofitinas
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 405 nm cúpricas totais.
e a cerca de 653 nm, em tampão
aquoso de fosfatos a pH 9. E 141 (ii) — Complexos de cobre das clorofilinas:
Pureza Sinónimos Clorofilina de cobre e sódio, clorofilina
Solventes residuais Acetona de cobre e potássio, verde natural

}
Metiletilcetona Cl 5.
Teor não superior a Definição Os sais alcalinos das clorofilinas cúpricas
Metanol
50 mg/kg, estremes são obidos por adição de cobre ao
Etanol
ou misturados. produto de saponificação de um
2-propanol
Hexano extracto com solventes de variedades
naturais de plantas comestíveis, gra-
Diclorometano — Teor não superior a míneas, luzerna e urticáceas. A sapo-
10 mg/kg. nificação remove os grupos ésteres de
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. metil e de fitol, podendo causar a cli-
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. vagem parcial do anel ciclopentenil.
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. Após a adição de cobre às clorofilinas
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. purificadas, os grupos ácidos são neu-
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. tralizados, originando os sais de
em Pb). potássio e ou sódio.
4662 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

Apenas podem ser usados na extracção Denominação química Sal de sódio do ácido N-{4-[(4-dimeti-
os seguintes solventes: acetona, meti- lamino) fenil] [(2-hidroxi-3,6-dissulfo-1-
letilcetona, diclorometano, dióxido de -naftalenil) metileno]-2,5-ciclo-hexa-
carbono, metanol, etanol, 2-propanol dieno-1-ilideno}-N-metilmeta-
e hexano. namínio.
Classe Porfirina. 5-[4-dimetilamina-a-(4-dimetili-
Número do Colour Index 75815. mino-ciclo-hexa-2,5-dienilideno)
Einecs benzil]-6-hidroxi-7-sulfonatonafta-
leno-2-sulfonato de sódio (denomina-
Denominação química Os principais princípios corantes, na ção alternativa).
forma ácida, são:
Propionato de 3-(10-carboxi- Fórmula química C27 H25 N2 Na O7 S2.
lato-4-etil-1 ,3,5,8-tetrame - Massa molecular 576,63.
til-9-oxo-2-vinilforbina-7-il) Composição Teor de matérias corantes totais,
complexo de cobre (clorofilina expresso em sal de sódio, não inferior
cúprica a); e a 80 %.
1%
Propionato de 3-(10-carboxi- E1cm— 1720 a cerca de 632 nm, em so-
lato-4-etil-3-formil-1,5,8-trime- lução aquosa.
Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
til-9-oxo-2-vinilforbina-7-il)
azul-escura ou verde-escura.
complexo de cobre (clorofilina Identificação
cúprica b). A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 632 nm,
em água.
Fórmula química Clorofilina cúprica a (forma ácida): B — Solução aquosa de
C34 H32 Cu N4 O5. cor azul ou verde.
Clorofilina cúprica b (forma ácida): Pureza
C34 H30 Cu N4 O6. Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %.
Massa molecular Clorofilina cúprica a: 640,20. água.
Clorofilina cúprica b: 654,18. Outras matérias corantes Teor não superior a 1,0 %.
A clivagem do anel ciclopentenil pode Outros compostos orgâni-
aumentar as massas moleculares em cos além das matérias
18 daltons. corantes:
Composição Teor de clorofilinas cúpricas totais não Álcool 4,4’-bis (dime- Teor não superior a 0,1 %.
inferior a 95 %, numa amostra seca tilamino) benzidrí-
a 100oC durante uma hora. lico.
1%
E1cm — 565 a cerca de 405 nm, em tam- 4,4’-bis (dimetilamino) Teor não superior a 0,1 %.
pão aquoso de fosfatos a pH 7,5. benzofenona.
1%
E1cm — 145 a cerca de 630 nm, em tam- Ácido 3-hidroxinafta- Teor não superior a 0,2 %.
pão aquoso de fosfatos a pH 7,5. l e n o - 2 , 7 - d is s u l -
Descrição Produto pulverulento de cor verde-es- fónico.
cura a azul ou negra.
Identificação Leucobase Teor não superior a 5,0 %.
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 405 nm
rias não sulfonadas. em anilina).
e de 630 nm, em tampão aquoso de Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 % a pH neutro.
fosfatos a pH 7,5. éter.
Pureza Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
Solventes residuais Acetona Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.

}
Metiletilcetona Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
Teor não superior a
Metanol Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
50 mg/kg, estremes
Etanol Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
ou misturados.
2-propanol em Pb).
Hexano E 150a — Caramelo simples:
Definição O caramelo simples é preparado por tra-
Diclorometano — Teor não superior a
tamento térmico controlado de car-
10 mg/kg.
bo-hidratos (edulcorantes alimenta-
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. res nutritivos disponíveis no mercado,
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. que consistem em glucose e frutose
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. e ou seus polímeros, nomeadamente
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. xaropes de glucose, sacarose e ou
Cobre iónico Teor não superior a 200 mg/kg. xaropes invertidos e dextrose). Como
Cobre total Teor não superior a 8,0 % das clorofi- agentes caramelizantes, podem utili-
linas cúpricas totais. zar-se ácidos, álcalis e sais, à excepção
dos compostos de amónio e dos
E 142 — Verde S: sulfitos.
Einecs 232-435-9.
Sinónimos Verde alimentar Cl 4, verde-brilhante Descrição Produto líquido ou sólido de cor cas-
BS. tanho-escura a negra.
Definição O verde S é constituído essencialmente Pureza
pelo sal de sódio do ácido Corantes fixados pela die- Teor não superior a 50 %.
N-{4-[(4-dimetilamino) fenil] tilaminoetilcelulose.
(2-hidroxi-3,6-dissulfo-1-naftalenil) Corantes fixados pela fos-
metileno]-2,5-ciclo-hexadieno-1- forilcelulose. Teor não superior a 50 %.
-ilideno}-N-metilmetanamínio e Intensidade cromática (1) 0,01-0,12.
outras matérias corantes contendo Azoto total Teor não superior a 0,1 %.
cloreto de sódio e ou sulfato de sódio Enxofre total Teor não superior a 0,2 %.
como principais componentes não Arsénio Teor não superior a 1 mg/kg.
corados. Chumbo Teor não superior a 2 mg/kg.
O verde S é descrito na forma de sal Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
de sódio. São também autorizados os Metais pesados (expressos Teor não superior a 25 mg/kg.
sais de potássio e de cálcio. em Pb).
Classe Triarilmetano.
(1) A intensidade cromática é definida como a absorvência de uma solução aquosa a
Número do Colour Index 44090. 0,1 % (m/v) de corantes sólidos à base de caramelo determinada numa célula de 1 cm
Einecs 221-409-2. de espessura, a 610 nm.
N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4663

E 150b — Caramelo de sulfito cáustico: E 150d — Caramelo de sulfito de amónio:


Definição O caramelo de sulfito cáustico é pre- Definição O caramelo de sulfito de amónio é pre-
parado por tratamento térmico con- parado por tratamento térmico con-
trolado de glúcidos (edulcorantes ali- trolado de glúcidos (edulcorantes ali-
mentares nutritivos disponíveis no mentares nutritivos disponíveis no
mercado, que consistem em glucose mercado, que consistem em glucose
e frutose e ou seus polímeros, nomea- e frutose e ou seus polímeros, nomea-
damente xaropes de glucose, sacarose damente xaropes de glucose, sacarose
e ou xaropes invertidos e dextrose) e ou xaropes invertidos e dextrose)
com ou sem ácidos ou álcalis, na pre- com ou sem ácidos e álcalis, na pre-
sença de compostos de sulfitos (ácido sença de ambos os compostos de sul-
sulfuroso, sulfito de potássio, bissul- fito e de amónio (ácido sulfuroso, sul-
fito de potássio, sulfito de sódio e bis- fito de potássio, bissulfito de potássio,
sulfito de sódio). Os compostos de sulfito de sódio, bissulfito de sódio,
amónio não são utilizados. hidróxido de amónio, carbonato de
Einecs 232-435-9. amónio, hidrogenocarbonato de amó-
Descrição Produto líquido ou sólido de cor cas- nio, fosfato de amónio, sulfato de
tanho-escura a negra. amónio, sulfito de amónio e hidro-
Pureza genossulfito de amónio).
Corantes fixados pela die- Teor superior a 50 %.
tilaminoetilcelulose. Einecs 232-435-9.
Intensidade cromática (1) 0,05-0,13. Descrição Produto líquido ou sólido de cor cas-
Azoto total Teor não superior a 0,3 % (2). tanho-escura a negra.
Dióxido de enxofre Teor não superior a 0,2 % (2). Pureza
Enxofre total 0,3-3,5 % (2). Corantes fixados pela die- Teor superior a 50 %.
Enxofre fixado pela die- Teor superior a 40 %. tilaminoetilcelulose.
tilaminoetilcelulose. Intensidade cromática (1) 0,10-0,60.
Relação de absorção dos 19-34. Azoto amoniacal Teor não superior a 0,6 % (2).
corantes fixados pela
Dióxido de enxofre Teor não superior a 0,2 % (2).
dietilaminoetilcelulose.
Relação de absorvância Superior a 50. 4-metilimidazol Teor não superior a 250 mg/kg (2).
(A280/A560). Azoto total 0,3-1,7 % (2).
Arsénio Teor não superior a 1 mg/kg. Enxofre total 0,8-2,5 % (2).
Chumbo Teor não superior a 2 mg/kg. Relação azoto/enxofre no 0,7-2,7.
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. precipitado alcoólico.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. Relação de absorvência do 8-14.
Metais pesados (expressos Teor não superior a 25 mg/kg. precipitado alcoólico (3).
em Pb). Relação de absorvência Não superior a 50.
(1) A intensidade cromática é definida como a absorvência de uma solução aquosa a (A280/A560).
0,1 % (m/v) de corantes sólidos à base de caramelo determinada numa célula de 1 cm Arsénio Teor não superior a 1 mg/kg.
de espessura, a 610 nm.
(2) Expresso em relação ao princípio corante, isto é, o produto que apresenta uma inten- Chumbo Teor não superior a 2 mg/kg.
sidade cromática de 0,1 unidades de absorvência. Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
E 150c — Caramelo amoniacal: Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
Metais pesados (expressos Teor não superior a 25 mg/kg.
Definição O caramelo amoniacal é preparado por em Pb).
tratamento térmico controlado de
(1) A intensidade cromática é definida como a absorvência de uma solução aquosa a
glúcidos (edulcorantes alimentares 0,1 % (m/v) de corantes sólidos à base de caramelo determinada numa célula de 1 cm
nutritivos, disponíveis no mercado, de espessura, a 610 nm.
que consistem em glucose e frutose (2) Expresso em relação ao princípio corante, isto é, o produto que apresenta uma inten-
sidade cromática de 0,1 unidades de absorvência.
e ou seus polímeros, nomeadamente (3) A relação de absorvência do precipitado alcoólico é definida como o quociente entre
xaropes de glucose, sacarose e ou a sua absorvência a 280 nm e a sua absorvência a 560 nm (medidas numa célula de 1 cm
xaropes invertidos e dextrose) com ou de espessura).
sem ácidos ou álcalis, na presença de
compostos de amónio (hidróxido de E 151 — Negro-brilhante BN, negro PN:
amónio, carbonato de amónio, hidro- Sinónimos Negro alimentar Cl 1.
genocarbonato de amónio e fosfato Definição O negro-brilhante BN é constituído
de amónio). Os compostos de sulfitos essencialmente por 4-acetamido-5-hi-
não são utilizados. droxi-6-[7-sulfonato-4-(4-sulfonato-
Einecs 232-435-9. fenilazo)-1-naftilazo] nafta-
Descrição Produto líquido ou sólido de cor cas- leno-1,7-dissulfonato tetrassódico e
tanho-escura a negra. outras matérias corantes, contendo
Pureza
Corantes fixados pela die- Teor não superior a 50 %. cloreto de sódio e ou sulfato de sódio
tilaminoetilcelulose. como principais componentes não
Corantes fixados pela fos- Teor superior a 50 %. corados.
forilcelulose. O negro-brilhante BN é descrito na
Intensidade cromática (1) 0,08-0,36. forma de sal de sódio. São também
Azoto amoniacal Teor não superior a 0,3 % (2). autorizados os sais de potássio e de
4-metilimidazol Teor não superior a 250 mg/kg (2). cálcio.
2-acetil-4-tetraidroxibuti- Teor não superior a 10 mg/kg (2). Classe Corante diazónico.
limidazol. Número do Colour Index 28440.
2
Enxofre total Teor não superior a 0,2 % ( ). Einecs 219-746-5.
Azoto total 0,7-3,3 % (2).
Relação de absorvência 13-35. Denominação química 4-acetamido-5-hidroxi-6-[7-sulfona-
dos corantes fixados to-4-(sulfonatofenilazo)-1-naftilazo]
pela fosforilcelulose. naftaleno-1,7-dissulfonato tetrassó-
Arsénio Teor não superior a 1 mg/kg. dico.
Chumbo Teor não superior a 2 mg/kg. Fórmula química C28 H17 N5 Na4 O14 S4.
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. Massa molecular 867,69.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. Composição Teor de matérias corantes totais,
Metais pesados (expressos Teor não superior a 25 mg/kg. expresso em sal de sódio, não inferior
em Pb). a 80 %.
1%
(1) A intensidade cromática é definida como a absorvência de uma solução aquosa a E1cm— 530 a cerca de 570 nm, em so-
0,1 % (m/v) de corantes sólidos à base de caramelo determinada numa célula de 1 cm lução aquosa.
de espessura, a 610 nm.
(2) Expresso em relação ao princípio corante, isto é, o produto que apresenta uma inten- Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
sidade cromática de 0,1 unidades de absorvência. negra.
4664 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

Identificação Perda por secagem Não superior a 12 % após secagem a


A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 570 nm, 120oC durante quatro horas.
em água. Matérias solúveis em meio O filtrado obtido após a ebulição de 2 g
B — Solução aquosa de alcalino. de amostra em 20 ml de solução de
cor preto-azulada. hidróxido de sódio 1 N deve ser
Pureza incolor.
Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %.
água. E 154 — Castanho FK:
Outras matérias corantes Teor não superior a 10 % (em relação Sinónimos Castanho alimentar Cl 1.
aos corantes totais). Definição O castanho alimentar é constituído
Outros compostos orgâ- essencialmente por uma mistura de:
nicos além das maté-
rias corantes: I) 4-(2,4-diaminofenilazo)benzenos-
sulfonato de sódio;
Ácido-4-acetami- II) 4-(4,6-diamino-m-tolilazo)benze-

}
do-5-hidroxinafta- nossulfonato de sódio;
l e n o -1,7-di ssul - III) 4,4’-(4,6-diamino-1,3-fenilenobi-
fónico. sazo) di(benzenossulfonato)
Ácido-4-amino-5-hi- dissódico;
d r o x i n a f t a l e n o- IV) 4,4’-(2,4-diamino-1,3-fenilenobi-
Teor total não superior a 0,8 %.
-1,7-dissulfónico. sazo) di(benzenossulfonato)
Ácido 8-aminonafta- dissódico;
leno-2-sulfónico V) 4,4’-(2,4-diamino-5-metil-1,3-fe-
4,4’-diazoami- nilenobisazo) di(benzenossul-
nodi-(ácido benze- fonato) dissódico;
nossulfónico). VI) 4,4’,4’’-(2,4-diaminobenzeno-
-1,3,5-trisazo) tri(benzenossul-
fonato) trissódico e outras
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso matérias corantes, contendo
rias não sulfonadas. em anilina). água, cloreto de sódio e ou sul-
Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 % a pH neutro. fato de sódio como principais
éter. componentes não corados.
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. O castanho FK é descrito na forma de
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. sal de sódio. São também autorizados
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. os sais de potássio e de cálcio.
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. Classe Corante azóico (mistura de corantes
em Pb). monoazóicos, diazóicos e triazóicos).
E 153 — Carvão vegetal: Einecs
Denominação química Mistura de:
Sinónimos Negro vegetal.
Definição O carvão vegetal é produzido pela car- I) 4-(2,4-diaminofenilazo)benzenos-
bonização, a altas temperaturas, de sulfonato de sódio;
matérias vegetais, nomeadamente II) 4-(4,6-diamino-m-tolilazo)ben-
madeira, resíduos de celulose, turfa, zenossulfonato de sódio;
cascas de coco e outras cascas. O car- III) 4,4’-(4,6-diamino-1,3-fenilenobi-
vão vegetal é constituído essencial- sazo) di(benzenossulfonato)
mente por carbono finamente divi- dissódico;
dido, podendo conter pequenas quan- IV) 4,4’-(2,4-diamino-1,3-fenilenobi-
tidades de azoto, hidrogénio e oxigé- sazo) di(benzenossulfonato)
nio. Após a produção, o produto pode dissódico;
absorver humidade. V) 4,4’-(2,4-diamino-5-metil-1,3-fe-
Número do Colour Index 77266. nilenobisazo) di(benzenossul-
Einecs 215-609-9. fonato) dissódico;
Denominação química Carvão. VI) 4,4’,4’’-(2,4-diaminobenzeno-
Fórmula química C. -1,3,5-trisazo) tri(benzenossul-
Massa molecular 12,01. fonato) trissódico.
Composição Teor de carbono não inferior a 95 %,
calculado em relação ao produto ani- Fórmula química I) C12 H11 N4 Na O3 S.
dro isento de cinza. II) C13 H13 N4 Na O3 S.
Descrição Produto pulverulento de cor negra, ino- III) C18 H14 N6 Na2 O6 S2.
doro e insípido. IV) C18 H14 N6 Na2 O6 S2.
Identificação V) C19 H16 N6 Na2 O6 S2.
A — Solubilidade Insolúvel em água e em solventes orgâ- VI) C24 H17 N8 Na3 O9 S3.
nicos. Massa molecular I) 314,30.
B — Combustão Combustão lenta sem chama, quando II) 328,33.
aquecido ao rubro. III) 520,46.
Pureza IV) 520,46.
Cinza total Teor não superior a 4,0 % (temperatura V) 534,47.
de incineração: 625oC). VI) 726,59.
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. Composição Teor de matérias corantes totais não
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. inferior a 70 %.
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. Em relação às matérias corantes totais,
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. a proporção dos diversos componen-
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. tes não deve exceder:
em Pb).
Hidrocarbonetos poliaro- I) 26 %;
máticos. O extracto obtido por extracção de 1 g II) 17 %;
de produto com 10 g de ciclo-hexano III) 17 %;
puro num dispositivo de extracção IV) 16 %;
contínua deve ser incolor e a sua fluo- V) 20 %;
rescência no ultravioleta não deve ser VI) 16 %.
superior à de uma solução de
0,100 mg de sulfato de quinina em Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
1000 ml de ácido sulfúrico 0,01 M. vermelho-acastanhada.
N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4665

Identificação E 160a (i) — Carotenos mistos:


A — Solução de cor ala-
Sinónimos Alaranjado alimentar Cl 5.
ranjada a vermelha.
Pureza Definição Os carotenos mistos são obtidos por
Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %. extracção com solventes de varieda-
água. des naturais de plantas comestíveis,
Outras matérias corantes Teor não superior a 3,5 %. cenouras e óleos alimentares, bem
Outros compostos orgâni- como de gramíneas, luzerna e urti-
cos além das matérias cáceas. O princípio corante é cons-
corantes: tituído, em especial, por carotenóides,
sendo o b-caroteno o mais abundante.
Ácido 4-aminoben- Teor não superior a 0,7 %. Podem também estar presentes o a
zeno-1-sulfónico. caroteno e o c-caroteno, bem como
m-fenilenodiamina e Teor não superior a 0,35 %. outros pigmentos. Além dos pigmen-
4-metil-m-feni- tos, o produto pode conter óleos, gor-
lenodiamina. duras e ceras provenientes da maté-
ria-prima.
Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,007 % (expresso Apenas podem ser usados na extracção
rias não sulfonadas em anilina). os seguintes solventes: acetona, meti-
além da m-fenilenodia- letilcetona, metanol, etanol, 2-pro-
mina e da 4-metil-m- panol, hexano, diclorometano e dió-
fenilenodiamina. xido de carbono.
Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 % numa solução Classe Carotenóide.
éter. a pH 7. Número do Colour Index 75130.
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. Einecs 230-636-6.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. Denominação química
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. Fórmula química b-caroteno: C40 H56.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. Massa molecular b-caroteno: 536,88.
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. Composição Teor de carotenos (expresso em b-ca-
em Pb). roteno) não inferior a 5 %. No caso
E 155 — Castanho HT: de produtos obtidos por extracção de
óleos vegetais, teor de carotenos não
Sinónimos Castanho alimentar Cl 3. inferior a 0,2 % nas gorduras comes-
Definição O castanho HT é constituído, em espe- tíveis.
cial, por 4,4’-(2,4-diidroxi-5-hidro- 1%
E1cm — 2500 a cerca de 440-457 nm, em
ximetil-1,3-fenileno-bisazo)di(nafta- ciclo-hexano.
leno-1-sulfonato) dissódico e outras
Identificação
matérias corantes contendo cloreto
A — Espectrometria Absorvência máxima a 440-457 nm e a
de sódio e ou sulfato de sódio como
470-486 nm, em ciclo-hexano.
principais componentes não corados.
Pureza
O castanho HT é descrito na forma de
Solventes residuais Acetona

}
sal de sódio. São também autorizados
Metiletilcetona
os sais de potássio e de cálcio. Teor não superior a
Metanol
Classe Corante diazóico. 50 mg/kg, estremes
Número do Colour Index 20285. Etanol
ou misturados.
Einecs 224-924-0. 2-propanol
Denominação química 4,4’-(2,4-diidroxi-5-hidroxime- Hexano
til-1,3-fenilenobisazo)di(nafta -
leno-1-sulfonato) dissódico. Diclorometano — Teor não superior a
Fórmula química C27 H18 N4 Na2 O9 S2. 10 mg/kg.
Massa molecular 652,57. Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
Composição Teor de matérias corantes totais, Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
expresso em sal de sódio, não inferior Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
a 70 %. Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
1%
E1cm — 403 a cerca de 460 nm, em so- Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
lução aquosa a pH 7. em Pb).
Descrição Produto pulverulento ou granular de cor
E 160a (ii) — Beta-caroteno:
castanho-avermelhada.
Identificação Sinónimos Alaranjado alimentar Cl 5.
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 460 nm, Definição As presentes especificações são aplicá-
em solução aquosa a pH 7. veis, em especial, a todos os isómeros
B — Solução aquosa de trans do b-caroteno, com pequenas
cor castanha. quantidades de outros carotenóides.
Pureza Os preparados diluídos e estabiliza-
Matérias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %. dos podem conter diferentes propor-
água. ções de isómeros cis/trans.
Outras matérias corantes Teor não superior a 10 % (determinado Classe Carotenóide.
por cromatografia em camada fina). Número do Colour Index 40800.
Outros compostos orgâni- Einecs 230-636-6.
cos além das matérias Denominação química b-caroteno; b.b-caroteno.
corantes: Fórmula química C40 H56.
Ácido 4-aminonafta- Teor não superior a 0,7 %. Massa molecular 536,88.
leno-1-sulfónico. Composição Teor de matérias corantes totais (ex-
Aminas aromáticas Teor não superior a 0,01 % (expresso presso em b-caroteno) não inferior a
primárias não sul- em anilina). 96 %.
1%
fonadas. E1cm — 2500 a cerca de 453-456 nm, em
Matérias extractáveis Teor não superior a 0,2 %, numa solução ciclo-hexano.
com éter. a pH 7. Descrição Cristais ou produto pulverulento crista-
lino de cor vermelha a vermelho-
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. -acastanhada.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. Identificação
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. 453-456 nm, em ciclo-hexano.
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. Pureza
em Pb). Cinza sulfatada Teor não superior a 0,2 %.
4666 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

Outras matérias corantes Carotenóides além do b-caroteno: teor Pureza


não superior a 3,0 % relativamente às Solventes residuais Acetona Teor não superior a

Arsénio
Chumbo
matérias corantes totais.
Teor não superior a 3 mg/kg.
Teor não superior a 10 mg/kg.
Metanol
Hexano } 50 mg/kg, estremes ou mis-
turados.

Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. Diclorometano — Teor não superior a


Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. 10 mg/kg.
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
em Pb). Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
E 160b — Anato, bixina, norbixina: Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
Sinónimos Alaranjado natural Cl 4. Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
Definição em Pb).
Classe Carotenóide. ii) Extracto alcalino de
Número do Colour Index 75120. anato
Einecs Anato: 215-735-4. Definição O anato hidrossolúvel é obtido por
Extracto de sementes de anato: extracção da membrana externa das
289-561-2. sementes de anato (Bixa orellana L.)
Bixina: 230-248-7. com uma solução aquosa alcalina
Denominação química Bixina: (hidróxido de sódio ou hidróxido de
potássio).
6’-metil-hidrogeno-9’-cis-6,6’-dia-
O principal componente corado do
pocaroteno-6,6’-dioato;
anato hidrossolúvel contém a norbi-
6’-metil-hidrogeno-9’-trans-6,6’-
xina, produto da hidrólise da bixina,
-diapocaroteno-6,6’-dioato.
na forma de sal de sódio ou potássio
como maior princípio activo corante.
Norbixina: Podem encontrar-se presentes os isó-
Ácido 9’-cis-6,6’-diapocaroteno- meros cis e trans.
-6,6’-dióico; Composição Teor de carotenóides totais, expresso
Ácido 9’-trans-6,6’-diapocaroteno- em norbixina, não inferior a 0,1 %.
1%
-6,6’-dióico. Norbixina: E1cm — 2870 a cerca de 482 nm,
Fórmula química Bixina: C25 H30 O4. em solução de hidróxido de potássio.
Norbixina: C24 H28 O4. Pureza
Massa molecular Bixina: 394,51. Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
Norbixina: 380,48. Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
Descrição Produto pulverulento, suspensão ou Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
solução de cor castanho-averme- Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
lhada. Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
Identificação em Pb).
A — Espectrometria (Bixina) absorvência máxima a cerca de iii) Extracto oleoso de
502 nm, em clorofórmio. anato
(Norbixina) absorvência máxima a cerca Definição Os extractos oleosos de anato, em solu-
de 482 nm, numa solução diluída de ção ou suspensão, são obtidos por
hidróxido de potássio. extracção da membrana externa das
i) Bixina e norbixina ex- sementes de anato (Bixa orellana L.)
traídas por solventes com óleo vegetal comestível. O
Definição A bixina é obtida por extracção da mem- extracto oleoso de anato contém
brana externa das sementes de anato diversos componentes, corados, em
(Bixa orellana L.) com um ou mais especial os isómeros cis e trans da
dos seguintes solventes: acetona, bixina. Podem também encontrar-se
metanol, hexano, diclorometano, dió- presentes produtos de degradação
xido de carbono seguida de remoção térmica da bixina.
do solvente. Composição Teor de carotenóides totais, expresso
A norbixina é obtida por hidrólise de em bixina, não inferior a 0,1 %.
1%
um extracto de bixina com uma solu- Bixina: E1cm — 2870 a cerca de 502 nm,
ção aquosa alcalina. em clorofórmio.
A bixina e a norbixina podem conter Pureza
outras matérias provenientes de Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
sementes de origem. Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
Na forma pulverulenta, a bixina contém Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
diversos componentes corados, dos Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
quais os respectivos isómeros cis e Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
trans constituem os mais abundantes. em Pb).
Podem também encontrar-se presen-
tes produtos de degradação térmica E 160c — Extracto de pimentão, capsantina, capsorubina:
da bixina. Sinónimos Oleoresina de pimentão.
Na forma pulverulenta, a norbixina con- Definição O extracto de pimentão é obtido por
tém produtos de hidrólise da bixina, extracção com solventes de frutos
na forma de sais de sódio ou potássio, moídos, com ou sem sementes, de
como principais componentes cora- variedades naturais de Capsicum
dos. Podem encontrar-se presentes os annuum L., contendo os principais
isómeros cis e trans. componentes corados desta especia-
Composição Teor de bixina do produto pulverulento ria, nomeadamente a capsantina e a
não inferior a 75 % dos carotenóides capsorubina, além de muitos outros
totais, calculados como bixina. compostos corados.
Teor de norbixina do produto pulveru- Apenas podem ser utilizados na extrac-
lento não inferior a 25 % dos caro- ção os seguintes solventes: metanol,
tenóides totais, calculados como nor- etanol, acetona, hexano, diclorome-
bixina. tano, acetato de etilo e dióxido de
1%
Bixina: E1cm — 2870 a cerca de 502 nm, carbono.
em clorofórmio. Classe Carotenóide.
1%
Norbixina: E1cm — 2870 a cerca de 482 nm, Einecs Capsantina: 207-364-1.
em solução de hidróxido de potássio. Capsorubina: 207-425-2.
N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4667

Denominação química Capsantina: (3R,3’S,5’R)-3,3’-dii- E 160f — Éster etílico do ácido beta-apo-8’-caroténico


droxi-b,k-caroteno-6-ona. (C 30):
Capsorubina: (3S,3’S,5R,5’R)-3,3’dii-
Sinónimos Alaranjado alimentar Cl 7, éster
droxi-k,k-caroteno-6,6’-diona.
ß-apo-8’carotenóico.
Fórmula química Capsantina: C40 H56 O3.
Definição As presentes especificações aplicam-
Capsorubina: C40 H56 O4.
-se, em especial, a todos os isómeros
Massa molecular Capsantina: 584,85.
trans do éster etílico do ácido
Capsorubina: 600,85.
ß-apo-8’-caroténico contendo peque-
Composição Extracto de pimentão: teor de carote-
nas quantidades de outros carotenói-
nóides não inferior a 7,0 %.
des. As formas diluídas e estabilizadas
Capsantina/capsorubina: não inferior a são obtidas a partir de éster etílico
30 % dos carotenóides totais. ß-apo-8’-caroténico conforme as
1%
E1cm — 2100 a cerca de 662 nm, em acetona. especificações e incluem soluções ou
Descrição Líquido viscoso de cor vermelho-escura. suspensões de éster etílico do ácido
Identificação ß-apo-8’-caroténico em óleos e gor-
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 462 nm, duras alimentares, emulsões e produ-
em acetona. tos pulverulentos dispersáveis em
B — Reacção corada A adição de uma gota de ácido sulfúrico água. Os preparados em causa podem
a uma gota de amostra, em 2-3 gotas conter diferentes proporções de isó-
de clorofórmio, produz uma colora- meros cis/trans.
ção azul-escura. Classe Carotenóide.
Pureza Número do Colour Index 40825.
Solventes residuais Acetato de etilo Einecs 214-173-7.
Metanol
Etanol
Acetona
Hexano } Teor não superior a
50 mg/kg, estremes
ou misturados.

Diclorometano — Teor não superior a


Denominação química

Fórmula química
Massa molecular
Composição
Éster etílico do ácido ß-apo-8’-caro-
ténico, etil-8’-apo-ß-caroteno-8’ato.
C32 H44 O2.
460,70.
Teor de matérias corantes totais não
inferior a 96 %.
10 mg/kg. 1%
E1cm — 550 a cerca de 449 nm, em ci-
Capsaicina Teor não superior a 250 mg/kg. clo-hexano.
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. Descrição Cristais ou produto pulverulento crista-
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. lino de cor vermelha a violeta-aver-
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. melhada.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. Identificação
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 449 nm,
em Pb). em ciclo-hexano.
E 160e — Beta-apo-8’-carotenal (C30): Pureza
Cinza sulfatada Teor não superior a 0,1 %.
Sinónimos Alaranjado alimentar Cl 6. Outras matérias corantes Carotenóides além do éster etílico do
Definição As presentes especificações aplicam-se, ácido ß-apo-8’-caroténico: teor não
em especial, a todos os isómeros trans superior a 3,0 % das matérias corantes
do ß-apo-8’-carotenal contendo totais.
pequenas quantidades de outros caro- Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
tenóides. As formas diluídas e esta- Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
bilizadas são obtidas a partir de Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
ß-apo-8’-carotenal conforme as espe- Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
cificações e incluem as soluções ou Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
suspensões de ß-apo-8’-carotenal em em Pb).
óleos e gorduras alimentares, emul-
sões e produtos pulverulentos disper- E 161b — Luteína:
sáveis em água. Os preparados em Sinónimos Mistura de carotenóides, xantófilas.
causa podem conter diferentes pro- Definição A luteína é obtida por extracção com
porções de isómeros cis/trans. solventes de variedades naturais de
Classe Carotenóide. frutos e plantas comestíveis, gramí-
Número do Colour Index 40820. neas, luzerna (alfalfa) e Tagetes erecta.
Einecs 214-171-6. Os principais componentes corados
Denominação química ß-apo-8’-carotenal, trans-ß-apo-8’-caro- são carotenóides, nomeadamente a
tenaldeído. luteína e os ésteres dos seus ácidos
Fórmula química C30 H40 O. gordos. Podem encontrar-se presen-
Massa molecular 416,65. tes quantidades variáveis de outros
Composição Teor de matérias corantes totais não carotenos. A luteína pode também
inferior a 96 %. conter gorduras, óleos e ceras pro-
1%
E1cm — aproximadamente 2640 a 460- venientes das plantas de origem.
-462 nm, em ciclo-hexano. Apenas podem ser utilizados na extrac-
Descrição Cristais de cor violeta-escura com brilho ção os seguintes solventes: metanol,
metálico ou produto pulverulento etanol, 2-propanol, hexano, acetona,
cristalino. metiletilcetona, diclorometano e dió-
Identificação xido de carbono.
A — Espectrometria Absorvência máxima a 460-462 nm, em Classe Carotenóide.
ciclo-hexano. Número do Colour Index
Pureza Einecs 204-840-0.
Cinza sulfatada Teor não superior a 0,1 %. Denominação química 3,3’-diidroxi-d-caroteno.
Outras matérias corantes Carotenóides além do ß-apo-8’-caro- Fórmula química C40 H56 O2.
tenal. Massa molecular 568,88.
Teor não superior a 3,0 % das matérias Composição Teor de matérias corantes totais,
corantes totais. expresso em luteína, não inferior a
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. 4,0 %.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. 1%
E1cm— 2550 a cerca de 445 nm, numa
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. mistura clorofórmio/etanol (10+90) ou
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. hexano/etanol/acetona (80+10+10).
Metais pesados (expressos Teor não superior a 10 mg/kg. Descrição Líquido escuro de cor castanho-ama-
em Pb). relada.
4668 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

Identificação Podem também encontrar-se presentes


A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 445 nm, pequenas quantidades de betaxantina
numa mistura clorofórmio/etanol (amarela) e produtos de degradação
(10+90). das betalaínas (castanho-claras).
Pureza Além dos pigmentos, o suco ou extracto
Solventes residuais Acetona é constituído por açúcares, sais e ou

}
Metiletilcetona proteínas de ocorrência natural na
Teor não superior a
Metanol beterraba. A solução pode ser con-
50 mg/kg, estremes
Etanol centrada, podendo alguns produtos
ou misturados.
2-propanol ser refinados com vista a remover a
Hexano maioria dos açúcares, sais e proteínas.
Classe Betalaína.
Diclorometano — Teor não superior a Einecs 231-628-5.
10 mg/kg. Denominação química Ácido {S-(R’,R’)-4-[2-[2-carboxi-5(b-D-
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. -glucopiranosiloxi)-2,3-diidro-6-hi-
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. droxi-1-H-indol-1-il) etenil}-2,3-dii-
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. dro-2,6-piridina-dicarboxílico;
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. 1-[2-(2,6-dicarboxi-1,2,3,4-tetraidro-
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. -4-piridilideno) etilideno]-5-b-D-glu-
em Pb). copiranosiloxi)-6-hidroxi-indol-2-car-
E 161g — Cantaxantina: boxilato.
Fórmula química Betanina: C24 H26 N2 O13.
Sinónimos Alaranjado alimentar Cl 8. Massa molecular 550,48.
Definição As presentes especificações aplicam-se, Composição Teor de corante vermelho, expresso em
em especial, a todos os isómeros trans betanina, não inferior a 0,46 %.
1%
da cantaxantina contendo pequenas E1cm — 1120 a cerca de 535 nm, em solu-
quantidades de outros carotenóides. ção aquosa a pH 5.
As formas diluídas e estabilizadas são Descrição Produto líquido, pastoso, pulverulento
obtidas a partir de cantaxantina con- ou sódio de cor vermelha ou ver-
forme as especificações e incluem melho-escura.
soluções ou suspensões de cantaxan- Identificação
tina em óleos e gorduras alimentares, A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 535 nm,
emulsões e produtos pulverulentos em água a pH 5.
dispersáveis em água. Os preparados Pureza
em causa podem conter diferentes Nitratos Teor de anião nitrato não superior a
proporções de isómeros cis/trans. 2 g/g de corante vermelho (calculado
Classe Carotenóide. em função da composição).
Número do Colour Index 40850. Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
Einecs 208-187-2. Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
Denominação química b-caroteno-4,4’-diona, cantaxantina, Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
4,4’-dioxo-b-caroteno. Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
Fórmula química C40 H52 O2. Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
Massa molecular 564,86. em Pb).
Composição Teor de matérias corantes totais, ex- E 163 — Antocianinas:
presso em cantaxantina, não inferior Definição As antocianinas são obtidas por extrac-
a 96 %. ção com água sulfitada, água acidi-
1%
E1cm— 2200 a cerca de 485 nm, em ficada, dióxido de carbono, metanol
clorofórmio; a 468-472 nm, em ciclo- ou etanol de variedades naturais de
nexano; a 464-467 nm, em éter de plantas e frutos comestíveis contendo
petróleo. constituintes comuns das mesmas,
Descrição Cristais ou produto pulverulento crista- nomeadamente antocianina, ácidos
lino de cor violeta-escura. orgânicos, taninos, açúcares, mine-
Identificação rais, etc., embora não necessaria-
A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 485 nm, mente na mesma proporção das plan-
em clorofórmio. tas de origem.
Absorvência máxima a 468-472 nm, em Classe Antocianina.
ciclo-hexano. Einecs Cianidina: 208-438-6.
Absorvência máxima a 464-467 nm, em Peonidina: 205-125-6.
éter de petróleo. Delfinidina: 208-437-0.
Pureza Malvidina: 211-403-8.
Cinza sulfatada Teor não superior a 0,1 %. Pelargonidina: 205-127-7.
Outras matérias corantes Carotenóides além da cantaxantina: teor Denominação química Cianidina: cloreto de 3,3’,4’,5,7-pentai-
não superior a 5,0 % das matérias droxiflavilo.
corantes totais. Peonidina: cloreto de 3,4’,5,7-tetrai-
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. droxi-3’-metoxiflavilo.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. Malvidina: cloreto de 3,4’,5,7-tetrai-
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. droxi-3’,5’-dimetoxiflavilo.
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. Delfinidina: cloreto de 3,5,7-triidroxi-
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. -2-(3,4,5-triidroxifenil)-1-benzopirilo.
em Pb). Petunidina: cloreto de 3,3’,4’,5,7-pen-
E 162 — Vermelho-de-beterraba, betanina: taidroxi-5’-metoxiflavilo.
Pelargonidina: cloreto de 3,5,7-triidroxi-
Sinónimos Vermelho-de-beterraba. -2-(4-hidroxifenil)-1-benzopirilo.
Definição O vermelho-de-beterraba é obtido a Fórmula química Cianidina: C15 H11 O6 Cl.
partir da concentração do princípio Peonidina: C16 H13 O6 Cl.
activo do suco resultante da compres- Malvidina: C17 H15 O7 Cl.
são de raízes de variedades naturais Delfinidina: C15 H11 O7 Cl.
de Beta vulgaris L., var. rubra, ou da Petunidina: C16 H13 O7 Cl.
extracção aquosa de pedaços das mes- Pelargonidina: C15 H11 O7 Cl.
mas. O princípio corante é constituído Massa molecular Cianidina: 322,6.
por diversos pigmentos pertencentes Peonidina: 336,7.
à classe das betalaínas. As betacia- Malvidina: 366,7.
ninas (vermelhas), das quais a beta- Delfinidina: 340,6.
nina representa 75-95 %, são os prin- Petunidina: 352,7.
cipais componentes corados. Pelargonidina: 306,7.
N.o 298 — 26-12-1996 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 4669
1%
Composição Pigmento puro: E1cm — 300 a 515-535 nm, Denominação química Dióxido de titânio.
a pH 3. Fórmula química Ti O2.
Descrição Produto líquido, pastoso ou pulveru- Massa molecular 79,88.
lento de cor vermelho-púrpura, com Composição Teor de dióxido de titânio não inferior
um ligeiro odor característico. a 99 % expresso em produto isento
Identificação de alumina e de sílica.
A — Espectrometria Absorvências máximas em metanol con- Descrição Produto pulverulento amorfo de cor
tendo 0,01 % de ácido clorídrico con- branca.
centrado: Identificação
Cianidina: 535 nm. A — Solubilidade Insolúvel em água e em solventes orgâ-
Peonidina: 532 nm. nicos. Lentamente solúvel em ácido
Malvidina: 542 nm. fluorídrico e em ácido sulfúrico con-
Delfinidina: 546 nm. centrado a quente.
Petunidina: 543 nm. Pureza
Pelargonidina: 530 nm. Perda por secagem Não superior a 0,5 % (a 105oC, durante
três horas).
Pureza Perda por incineração Não superior a 1,0 % relativamente ao
Solventes residuais Metanol Teor não superior a 50 mg/kg, produto isento de matérias voláteis
Etanol } estremes ou misturados. (800oC).
Óxido de alumínio e ou Teor não superior a 2,0 %.
Dióxido de enxofre Teor não superior a 1000 mg/kg, por dióxido de silício.
percentil de pigmentos. Matérias solúveis em H CI Teor não superior a 0,5 % para produtos
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. 0,5 N. isentos de alumina e de sílica; no caso
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. de produtos que contenham alumina
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. e ou sílica, teor não superior a 1,5 %
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. relativamente à forma comerciali-
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. zada.
em Pb). Matérias solúveis em água Teor não superior a 0,5 %.
E 170 — Carbonato de cálcio: Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
Antimónio Teor não superior a 50 mg/kg, após dis-
Sinónimos Pigmento branco Cl 8, giz. solução total.
Definição O carbonato de cálcio é obtido a partir
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg, após dis-
de calcário moído ou pela precipita-
solução total.
ção de iões cálcio com iões carbonato.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg, após dis-
Classe Corante inorgânico.
solução total.
Número do Colour Index 77220.
Einecs Carbonato de cálcio: 207-439-9. Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg, após dis-
Calcário: 215-279-6. solução total.
Denominação química Carbonato de cálcio. Zinco Teor não superior a 50 mg/kg, após dis-
Fórmula química Ca CO3. solução total.
Massa molecular 100,1.
Composição Teor de carbonato de cálcio não inferior E 172 — Óxidos de ferro e hidróxidos de ferro:
a 98 % expresso em produto anidro. Sinónimos Óxido de ferro amarelo: pigmento ama-
Descrição Produto pulverulento cristalino ou relo Cl 42 e 43.
amorfo de cor branca, inodoro e Óxido de ferro vermelho: pigmento ver-
insípido. melho Cl 101 e 102.
Identificação Óxido de ferro negro: pigmento negro
A — Solubilidade Praticamente insolúvel em água e em Cl 11.
álcool. Solúvel com efervescência em Definição Os óxidos de ferro e os hidróxidos de
ácido acético diluído, em ácido clo- ferro são produzidos por via sintética
rídrico diluído e em ácido nítrico e são constituídos essencialmente de
diluído; as soluções resultantes da óxidos de ferro anidros e ou hidra-
ebulição dão ensaios positivos para o tados. A gama de cores abrange tona-
cálcio. lidades amarelas, vermelhas, casta-
Pureza nhas e negras. Os óxidos de ferro de
Perda por secagem Não superior a 0,2 % (a 200oC, durante qualidade alimentar distinguem-se
quatro horas). dos óxidos técnicos pelo teor relati-
Substâncias insolúveis em Teor não superior a 0,2 %. vamente reduzido de outros metais
ácido. contaminantes, em virtude da selec-
Sais de magnésio e de Teor não superior a 1,5 %. ção e do controlo da origem do ferro,
metais alcalinos. bem como da extensão das operações
Fluoretos Teor não superior a 50 mg/kg. de purificação química durante o pro-
Antimónio (expresso em cesso de fabrico.

}
Sb.) Classe Corante inorgânico.
Cobre (expresso em Cu) Teor não superior a 100 mg/kg, estremes Número do Colour Index Óxido de ferro amarelo: 77492.
Crómio (expresso em Cr) ou misturados. Óxido de ferro vermelho: 77491.
Zinco (expresso em Zn) Óxido de ferro negro: 77499.
Bário (expresso em Ba) Einecs Óxido de ferro amarelo: 257-098-5.
Óxido de ferro vermelho: 215-168-2.
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. Óxido de ferro negro: 235-442-5.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg. Denominação química Óxido de ferro amarelo: óxido férrico
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. hidratado, óxido de ferro (III) hidra-
tado.
E 171 — Dióxido de titânio: Óxido de ferro vermelho: óxido férrico
Sinónimos Pigmento branco Cl 6. anidro; óxido de ferro (III) anidro.
Definição O dióxido de titânio é constituído essen- Óxido de ferro negro: óxido ferroso e
cialmente por dióxido de titânio, ana- férrico, óxido de ferro (II) e (III).
tase pura, podendo ser revestido com Fórmula molecular Óxido de ferro amarelo: Fe O (OH) ×
pequenas quantidades de alumina e × H2 O.
ou sílica com vista a melhorar as suas Óxido de ferro vermelho: Fe2 O3.
propriedades tecnológicas. Óxido de ferro negro: Fe O Fe2 O3.
Classe Corante inorgânico. Massa molecular Fe O (OH): 88,85.
Número do Colour Index 77891. Fe2 O3: 159,70.
Einecs 236-675-5. Fe O Fe2 O3: 231,55.
4670 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 298 — 26-12-1996

Composição Teor de ferro total, expresso em ferro: Einecs 231-131-3.


não inferior a 60 % (óxido de ferro Denominação química Prata.
amarelo); não inferior a 68 % (óxidos Fórmula química Ag.
de ferro vermelho e negro). Massa atómica 107,87.
Descrição Produto pulverulento de cor amarela, Composição Teor de prata não inferior a 99,5 %.
vermelha, castanha ou negra. Descrição Produto pulverulento ou palhetas de cor
Identificação prateada.
A — Solubilidade Insolúvel em água e em solventes orgâ-
nicos. Solúvel em ácidos inorgânicos E 175 — Ouro:
concentrados. Sinónimos Pigmento metálico 3, Aurum, Au.
Pureza Classe Corante inorgânico.
Matérias solúveis em água Teor não superior Número do Colour Index 77480.
Einecs 231-165-9.

}
a 1,0 %.
Arsénio Teor não superior Denominação química Ouro.
a 5 mg/kg. Fórmula química Au.
Bário Teor não superior Massa atómica 197,0.
a 50 mg/kg. Composição Teor de ouro não inferior a 90 %.
Cádmio Teor não superior Descrição Produto pulverulento ou palhetas de cor
a 5 mg/kg. dourada.
Crómio Teor não superior Pureza
Após dissolução
a 100 mg/kg. Prata Teor não superior

}
total.
Cobre Teor não superior a 7 %. Após dissolução
a 50 mg/kg. Cobre Teor não superior completa.
Chumbo Teor não superior a 4 %.
a 20 mg/kg.
Mercúrio Teor não superior E 180 — Litolrubina BK:
a 1 mg/kg.
Níquel Teor não superior Sinónimos Pigmento vermelho Cl 57, pigmento de
a 200 mg/kg. rubina, carmina 6B.
Zinco Teor não superior Definição A litolrubina BK é constituída essencial-
a 100 mg/kg. mente por 3-hidroxi-4-(4-metil-2-sul-
fonafenilazo)-2-naftalenocarboxilato
E 173 — Alumínio: de cálcio e outras matérias corantes,
contendo água, cloreto de cálcio e ou
Sinónimos Pigmento metálico Cl Al. sulfato de cálcio como principais com-
Definição O pó de alumínio é constituído por par- ponentes não corados.
tículas de alumínio finamente divi- Classe Corante monoazóico.
dido. A pulverização pode ou não ser Número do Colour Index 15850:1.
efectuada na presença de óleos vege- Einecs 226-109-5.
tais alimentares e ou ácidos gordos Denominação química 3-hidroxi-4-(4-metil-2-sulfonatofeni-
utilizados como aditivios de quali- lazo)-2-naftalenocarboxilato de cál-
dade alimentar, não devendo o pro- cio.
duto conter outras substâncias além Fórmula química C18 H12 Ca N2 O6 S.
destas. Massa molecular 424,45.
Número do Colour Index 77000. Composição Teor de matérias corantes totais, não
Einecs 231-072-3. inferior a 90 %.
1%
Denominação química Alumínio. E1cm — 200 a cerca de 442 nm, em dime-
Fórmula química Al. tilformamida.
Massa atómica 26,98. Descrição Produto pulverulento de cor vermelha.
Composição Teor de alumínio não inferior a 99 % Identificação
em relação ao produto isento de A — Espectrometria Absorvência máxima a cerca de 442 nm,
óleos. em dimetilformamida.
Descrição Produto pulverulento ou palhetas de cor Pureza
cinzento-prateada. Outras matérias corantes Teor não superior a 0,5 %.
Identificação Outros compostos orgâni-
Solubilidade Insolúvel em água e em solventes orgâ- cos além das matérias
nicos. Solúvel em ácido clorídrico corantes:
diluído. A solução resultante dá reac- Sal de cálcio do ácido Teor não superior a 0,2 %.
ção positiva para a pesquisa do alu- 2-amino-5-metil-
mínio. benzenossulfó-
Pureza nico.
Perda por secagem Não superior a 0,5 % (a 105oC, até peso Sal de cálcio do ácido Teor não superior a 0,4 %.
constante). 3-hidroxi-2-nafta-
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg. lenocarboxílico.
Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg. Aminas aromáticas primá- Teor não superior a 0,01 % (expresso
Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg. rias não sulfonadas. em anilina).
Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg. Matérias extractáveis com Teor não superior a 0,2 %, numa solução
em Pb). éter. a pH 7.
Arsénio Teor não superior a 3 mg/kg.
E 174 — Prata: Chumbo Teor não superior a 10 mg/kg.
Mercúrio Teor não superior a 1 mg/kg.
Sinónimos Argentum, Ag. Cádmio Teor não superior a 1 mg/kg.
Classe Corante inorgânico. Metais pesados (expressos Teor não superior a 40 mg/kg.
Número do Colour Index 77820. em Pb).