Vous êtes sur la page 1sur 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS
DISCIPLINA: PSICOLOGIA
Professora: Juliana Ferreira
Aluno: Robson da Silva Alencar
ADMINISTRAÇÂO 1º PERÌODO
AS FACES DA VIOLÊNCIA ( p. 437- 458). Capítulo 22.
BOCK, Ana Mercês Bahia. Psicologias: Uma introdução ao estudo da Psicologia. 2001.
AGRESSIVIDADE E VIOLÊNCIA: O ENFOQUE PSICOLÒGICO
O ser humano é naturalmente agressivo.
Tal afirmação estabelece que não necessariamente, o indivíduo manifesta agressividade no
mundo exterior, como verbalmente ou fisicamente. A agressividade pode se apresentar também de
maneira sutil em certos casos, como o comportamento irônico ou a omissão de ajuda.
Um outro dado importante, é que mecanismos sociais e culturais buscam controlar ou
canalizar a manifestação da agressividade. Desde criança o indivíduo aprende culturalmente que é
maléfico demonstrar tal impulso de modo destrutivo, e desvia essa tensão para outras atividades que
a sociedade impõe, como a prática de esportes, atividades artísticas, e a produção intelectual.
Dessa forma, conforme o indivíduo passa pelo processo de socialização, ele internaliza
normas de conduta para controle dos impulsos destrutivos.
Já o conceito de violência, refere-se ao uso desejado da agressividade com fins destrutivos.
Cotidianamente somos informados pela mídia,da rotina a que somos submetidos a diversas
modalidades de violência, seja ela na rua, no interior da família ou no ambiente escolar.
Contudo, é importante salientar que quando grupos humanos são submetidos à precariedade
extrema de serviços públicos de saúde ou educação, por exemplo, isso também se configura
violência.
VIOLÊNCIA NA FAMÍLIA
Apesar das grandes transformações na estrutura da família que têm ocorrido nas últimas
décadas, hoje ainda prevalece o modelo de família patriarcal, onde a autoridade do pai, que
simbolicamente possui o significado de proteção, nem sempre é constatado como desejável e
saudável, pois é comum a prática de abusos e uso de violência pela figura revestida de autoridade
sobre os demais membros do grupo familiar.
Cabe salientar também, que não necessariamente a violência familiar é externada de modo
físico ou sexual. A negligência, o abandono e outras formas de violência psicológica também
agridem e comprometem o desenvolvimento da criança e do adolescente.

deve ser entendido como um processo de autodestrução do indivíduo: A droga vem para preencher um vazio. O INFRATOR O infrator é aquele que transgrediu alguma norma ou alguma lei tipificada no código penal ou no sistema de leis de uma determinada sociedade. O DELINQUENTE A delinqüência é uma identidade atribuída e internalizada pelo indivíduo a partir da prática de . e medidas legais e judiciais de punição mais eficazes. Abordar esses aspectos significa trazer ou partir de questões mais próximas de todos nós e de nosso cotidiano. Outra vertente da violência escolar é a desvalorização e marginalização dos alunos das camadas mais populares. O TRANSGRESSOR È considerado transgressor aquele que desrespeita normas sociais impostas. e. que. Inicialmente. como a maconha e a cocaína. é praticamente a institucionalização e o doutrinamento de jovens na internalização da violência em seu sentido amplo. deixar de cumprir uma tarefa. como o trabalho precoce. Suas dificuldades sociais. o meio social não preenche. obediência. que exige maior proteção e repressão policial. carregados de conteúdos preconceituosos e segregadores. Por fim. e pode ser constatada em diversas perspectivas. de outra forma. conformismo. terá uma pena também prevista em lei e aplicada pelo juiz ou seu representante. sendo assim considerados como meros reprodutores de conhecimento. sendo assim. A VIOLÊNCIA NAS RUAS E AS DROGAS A violência urbana é uma realidade inegável em nossas cidades. é importante distinguir três aspectos ou conceitos ligados a esta questão: transgressão. sujeitando os educandos à submissão. tanto as permitidas. O clima de tensão e insegurança perpassa por toda a sociedade. O uso das drogas. O infrator é aquele que cometeu um ato — a infração — e será punido por isso. como o álcool. isto é. Por exemplo. infração e delinqüência. e os impedindo de pensar. o baixo rendimento escolar é muitas vezes interpretado erroneamente como incapacidade. VIOLÊNCIA E CRIMINALIDADE Inicialmente. como as não permitidas. podemos citar as práticas autoritárias nas relações entre professores e alunos. o uso em sala de aula de livros e cartilhas didáticas. não aceitar determinada ordem ou orientação de conduta.VIOLÊNCIA NA ESCOLA A violência na escola é uma realidade. chegar depois do horário. não são considerados no processo de aprendizagem.

lazer. às condições básicas que garantem a sobrevivência física e um desenvolvimento psicológico saudável e. passam a ser vistos não como crianças ou jovens. à poluição dos rios por produtos químicos. Contudo. O PROJETO DE MORTE E O PROJETO DE VIDA Entre as várias faces que a violência demonstra. isto é. enfim. conseqüentemente. saúde. à poluição do ar. Essa representação social das crianças e jovens das camadas populares fundamenta-se numa visão falseada da realidade e é alimentada pelos meios de comunicação de massa. acaba por atribuir-lhe esta identidade. em que a pobreza é associada à criminalidade. irresponsável da Natureza. mas como perigosos ou potencialmente perigosos. alimentação. à devastação das grandes florestas. . de não-garantia de seus direitos à educação. contraditoriamente. O segundo aspecto refere-se à ausência de cuidados que a nossa sociedade demonstra em relação a milhões de crianças e jovens que vivem condições de não-cidadania. milhões de crianças e jovens. Uma marca que irá carregar posteriormente à sua saída do cárcere e que irá dificultar sua integração social. rótulo. O primeiro refere-se à destruição planejada. A instituição na qual o indivíduo é isolado do convívio social e que tem a função social de regeneração e recuperação é aquela que. a formação de cidadãos com participação social. existem ainda dois aspectos importantes a serem destacados. que passa a “funcionar” como marca. cuja condição fundamental de vida é a pobreza.um ou vários delitos (crimes).