Vous êtes sur la page 1sur 5

Introdução:

Contexto:

• Efésios: livro sobre a igreja, a identidade do indivíduo em Cristo

Cap 1. O que Deus nos deu em Cristo: Paulo descreve as bênçãos espirituais que

pertencem àqueles que estão em Cristo e os encoraja a crescer no entendimento

dessas coisas.

Cap 2. Como Deus nos deu essas bênçãos em Cristo: i.c. vocês são salvos pela

graça, por meio da fé.

• 1-3. Nosso estado antes de receber a Cristo: mortos em nossos pecados

• 4-7. Nossa posição exaltada por causa da vitória de Jesus sobre o pecado

• 8-9. O meio pelo qual recebemos tudo isso: o dom de Deus recebido pela fé

10.

Deus nos salvou com o propósito de realizar obras únicas através

das nossas vidas, que fazem parte de Seu plano.

• Tema: A estória de cada filho de Deus revela a obra que Ele deseja realizar e

assim, devemos buscar discerní-la.

• Texto: Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas

obras, as quais Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos.

• Se Deus tem um plano para minha vida, porque ela parece tão ordinária?

Sabemos

que a Palavra de Deus é verdadeira, então deve haver um problema de percepção da

nossa parte. Será que há um grande tesouro enterrado em nossas vidas e não temos

idéia?

• No ano passado um casal na Califórnia descobriu moedas de ouro no quintal deles

enquanto estavam adestrando o seu cachorro. As moedas estavam guardadas em 8

latas, o número total era de 1.427 equivalendo a 11 milhões de dólares 1 .

• Quando

coisas

passam

despercebidas,

podem

frequentemente

resultar

num

problema: e.x: infiltração no teto de uma casa, um tumor, etc.

• Muitas vezes, sentimos que ninguém nos “percebe”, ninguém repara nos nossos

talentos, desejos ou o valor das nossas experiências.

No fundo, o motivo do que

fazemos, é o desejo por atenção

queremos que alguém realmente nos veja por tudo

que somos e tudo o que temos no coração.

• Psicólogos dizem que muitas doenças mentais são causadas pela carência por

atenção e aceitação, principalmente no começo da vida 2 .

Com o passar do tempo a

pessoa aprende a compensar pela dor da rejeição, procurando a atenção dos outros

por meio de suas realizações, tentando entreter/agradar a um indivíduo, ou até muitas

vezes, se isolando.

• Nesse contexto, nossa cultura contemporânea gera extremo isolamento, alienação e

solidão.

Se você não se sentir assim, considere-se abençoado.

Muitas pessoas em

nossa volta passam a maior parte de seu tempo em lugares onde são anônimos:

trabalho, escola, trânsito, etc.

Até mesmo na igreja as pessoas muitas vezes se

sentem anônimas, invisíveis e desapercebidas.

• Quando refletimos no exemplo da vida de Jesus temos que admitir que uma cultura

de igreja impessoal, é uma distorção.

Jesus percebia as pessoas (conhecer pelos

1 http://mashable.com/2014/09/10/hidden-treasure-weird-places/

2 Randy D. Reese;Robert Loane. Deep Mentoring: Guiding Others on Their Leadership Journey (Kindle Location 366). Kindle Edition.

sentidos, compreender 3 ) através de uma abordagem íntima e particular. Isso é muito

diferente da nossa maneira descarnada de nos relacionar uns com os outros - por

trás de uma tela, por trás do púlpito (o pastor, professor), etc.

Mesmo que Jesus

tivesse muita coisa a realizar, Ele não vivia apressado.

Pelo contrário, a vida de

Jesus era caracterizada por paz interior e compaixão àqueles em Sua volta, por meio

de palavras e ação. Jesus convidava as pessoas à uma contemplação mais profunda

de suas vidas 4 .

• Duas das parábolas de Jesus falam sobre o ato de perceber/notar as pessoas.

Na

parábola da ovelha perdida, o pastor deixa as noventa e nove e vai procurar uma até

achá-la 5 . Na parábola do bom samaritano, o herói da estória é aquele que percebeu

o sofrimento do outro enquanto os outros o ignoravam 6 . Ambas estórias descrevem

uma atitude de focar num indivíduo, de dar atenção a uma pessoa.

Creio que todos nós sentimos o desejo pela atenção dos outros, queremos ser

discipulados, queremos que alguém tenha a paciência para ouvir a nossa estória,

compreendê-la e nos ajudar a endendê-la, nós mesmos. Se você e eu buscarmos ter

essa atitude em relação aos outros, faremos da nossa igreja uma comunidade onde

as pessoas são verdadeiramente percebidas e valorizadas.

Mas para isso teremos que reconhecer e resistir as barreiras em nossa cultura para a

compreensão de indivíduos.

3

4

5

6

Dicionário Houaiss

Ibid., 382

Lc. 15:1-10

Lc. 10.25-37

• A tendência de não ter paciência para prestar atenção nas pessoas 7 :

No Amazon

você pode comprar um livro para crianças onde os contos infantis mais famosos são

resumidos para poder ser lidos em um minuto.

O objetivo desse livro é economizar o

tempo dos pais na hora de por os filhos pequenos para dormir.

Todo pai ou mãe de

filhos pequenos sabe o que é querer economizar tempo, mas até que ponto?

coisas em nossas vidas que não devem ser apressadas, e se você tentar fazer isso, o

que sofrerá será a qualidade de tempo e a frutificação.

É como cozinhar feijão.

uma grande diferença entre o feijão seco jogado diretamente na panela de pressão e

aquele que foi deixado da noite pro dia de molho antes de cozinhar.

Um fica meio

borrachudo com caldo escuro e outro fica molinho e com caldo claro e cremoso.

Se

nos submetermos ao ritmo frenético da cultura contemporânea, também não teremos

discernimento em relação às nossas próprias vidas.

como diminuir a velocidade, tirar o pé do acelerador.

Às vezes, nem sabemos mais

Temos que entender que não

fomos criados para frutificar no ritmo que a nossa cultura anda, ou exige. Ela iguala

atividade com significado, ou seja, quando mais ocupados estamos, mais valor nós

temos como indivíduos. Nossa cultura nos encoraja a viver além da nossa capacidade

física, financiera, mental e emocional.

• A tendência de querer aplicar um padrão para pessoas únicas 8 : É fácil observar a

vida de alguém de fora e formar uma opinião sobre os seus dons e chamado. O fato

que Jesus sabia ouvir as pessoas, é demonstrado pelo seu costume de fazer

perguntas às pessoas.

7 Ibid., 389

8 Ibid., 420

Muitas vezes quando os indivíduos vinham à Jesus com

perguntas, em vez de fazer um discurso, Jesus redirecionava a conversa para o

outro

o que você acha?

o

que você faria?

• A tendência de querer usar pessoas como um meio para um fim 9 :

Uma das

características do posmodernismo é falta de confiança em instituições.

• Então

onde devemos estar prestando atenção nas nossas vidas e nos outros para

discernir o tesouro que Deus depositou referente à obra que Ele quer realizar?

O

lugar da obra de formação de Deus na vida do indivído é a estória dele. Muitas vezes

focamos só no discernimento de dons e habilidades, o que nós entendemos como

espirituais, porque vêm de Deus. Porém, as estórias dos personagens bíblicos revela

um desenho divino na narrativa, trajetória, percurso, peregrinação do indivíduo, que é

essencial para a sua participação na Missão de Deus.

É nas particularidades de

vidas ordinárias que encontramos as pistas daquilo que Deus tem feito por trás das

cenas 10 .

• Devemos nos tornar detetives da obra que Deus já fez e está fazendo na vida

daqueles que estão em nossa volta 11 . Esse trabalho de detetive é lento e detalhista

porque estamos lidando com a complexidade de uma pessoa.

Não podemos fazer

esse processo se encaixar numa agenda/planejamento único, porque lida com

complexidades de um indivíduo

é como quando o eletricista trabalha com a energia

ligada, é imprevisível, perigoso e empolgante 12 .

9 Ibid., 467, 451

10 Ibid.

11 Ibid., 521

12 Ibid.