Vous êtes sur la page 1sur 4
UNISUL – UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA Campus Grande Florianópolis – UNA Tecnológica Disciplina:

UNISUL UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA Campus Grande Florianópolis UNA Tecnológica Disciplina: Comunicações Óticas Prof. Emerson Barbosa Alunos: Dário Valério dos Santos Marcos Roberto Schmitt Maria Gabriela Prim Back Roberto Rui da Cunha

CARACTERÍSTICAS DOS CONECTORES ÓTICOS DO TIPO ST

Conectores óticos, segundo Wikipédia (2014), são “dispositivos que

servem de interface entre a conexão da fibra ótica de um cabo com os dispositivos

ativos instalados em uma rede”. Estes dispositivos normalmente são conectados a

receptáculos que, por sua vez, estão ligados diretamente aos transmissores ou

detetores.

Atualmente, existem disponíveis no mercado uma gama muito grande de

conectores óticos com as mais variadas características. A figura 1, apresenta um

conector do modelo ST Straight Tip, o qual será abordado a partir de agora.

Figura 1 Conector ST

será abordado a partir de agora. Figura 1 – Conector ST Fonte: http://www.hardware.com.br, 2014. Inicialmente

Fonte: http://www.hardware.com.br, 2014.

Inicialmente desenvolvido pela AT&T, o conector ST foi um dos primeiros

conectores utilizados como padrão em sistemas de fibra ótica. Este tipo de conector

foi predominante durante toda a década de 1990, porém aos poucos ele vem perdendo

espaço para conectores como o LC e outros mais recentes.

A figura 2 a seguir, apresenta uma visão dos componentes presentes neste

tipo de conector, bem como o nome dos mesmos.

Figura 2 Componentes utilizados na formação de um conector ST

– Componentes utilizados na formação de um conector ST Fonte: Adaptado de FEUP, 2014. O corpo

Fonte: Adaptado de FEUP, 2014.

O corpo do conector é metálico e redondo, com engate rápido do tipo

baioneta, possui um sistema de travamento anti-torção, mecanismo interno de mola axial e conectividade de fibra única, com ferrolho interno em forma circular de 2,5mm.

O tubo cilíndrico que aparece na ponta do conector não é o fio de fibra

propriamente dito, mas sim um elemento constituído por uma peça de cerâmica, aço ou polímero plástico, chamada de ferrolho (ferrule), que é o componente central de todos os conectores. Este elemento é produzido com uma grande precisão, uma vez

que o núcleo possuí um diâmetro extremamente pequeno, e é responsável por conduzir, proteger e fixar o núcleo de fibra ao conector.

A montagem do conector com a fibra é feita a partir de um processo de

colagem e polimento, onde a ponta do fio de fibra, fixada na ferrule, necessita de ser perfeitamente limpa, já que qualquer impureza pode prejudicar a passagem da luz, atenuando o sinal.

Já no que diz respeito a tampa protetora, a borracha protetora e ao anel de

climpagem, os mesmos tem a função de proteger o ferrule, dar resistência mecânica entre o conector e a fibra e proteger esta junção, respectivamente.

Um outro ponto a ser destacado é que este tipo de conector possuí versões compatíveis com as fibras “Monomodo – SM”, cujo diâmetro do núcleo é de 9 e o diâmetro externo da capa de 125, ou com as fibras “Multimodo – MM”, cujo diâmetro do núcleo pode ser de 50 ou 62,5 e o diâmetro externo da capa de

125.

As principais cores do corpo do conector, encontradas no mercado, para os conectores SM são Amarelo, bege e preto. Já para o modelo MM temos as cores bege e preto.

A figura 3, apresenta um conector do tipo Straight Tip, bem como as dimensões (em milímetros) do mesmo.

Figura 3 Dimensões comumente encontradas em um conector ST

3 – Dimensões comumente encontradas em um conector ST Fonte: http://www.thorlabs.com, 2014. Algumas propriedades

Fonte: http://www.thorlabs.com, 2014.

Algumas propriedades específicas deste modelo de conector podem ser observadas na tabela 1 a seguir:

Tabela 1 Propriedades de um conector ST

1 a seguir: Tabela 1 – Propriedades de um conector ST Fonte: FEUP, 2014. Os conectores

Fonte: FEUP, 2014.

Os conectores óticos são aplicados, antes da utilização nos meios de comunicação, na construção das “Extensões Óticas” ou “Pig-Tail’, onde o conector é aplicado em uma das pontas da fibra e a outra será conectada em uma fibra ótica vinda de um cabo externo ou interno através de uma emenda por fusão ou conector mecânico. Está prática acontece comumente, pois as extensões são construídas diretamente pelos fabricantes com máquinas de alta precisão e, neste caso, para o

instalador a realização da emenda da fibra é mais simples do que a colocação do próprio conector.

Para finalizar, cita-se algumas aplicações finais que utilizam os conectores, com suas respectivas fibras, para prover os mais variados serviços de comunicações, quais são: Telecomunicações, redes de computadores, circuitos fechados de televisão, instrumentação em geral, entre outros.

Referências:

Conectores Ópticos. Disponível em:

< http://pt.wikipedia.org/wiki/Conectores_%C3%B3pticos >.

Acessos entre: 20 e 22 de Ago. 2014.

Conector ST. Disponível em:

< http://www.hardware.com.br >.

Acessos entre: 20 e 22 de Ago. 2014.

Juntas e conectores Ópticos. Disponível em:

< http://paginas.fe.up.pt/~hsalgado/co/como_05_juntas&conectores.pdf >.

Acessos entre: 20 e 22 de Ago. 2014.

Modelos de conectores Ópticos. Disponível em:

< http://www.thorlabs.com >.

Acessos entre: 20 e 22 de Ago. 2014.