Vous êtes sur la page 1sur 2

O Processo Ritual – Victor Turner

O trabalho de Turner é, em muitos aspectos, uma síntese de vários campos. Ele é um


antropólogo, no entanto, seu trabalho também incorpora muitos aspectos do
estruturalismo. Turner depende muito do seu trabalho de campo na África para
apresentar provas da sua argumentação. Livro de Turner é composto por várias
palestras, bem como uma descrição. As secções individuais do livro, embora
relacionadas, são difíceis de considerar como um todo. Encontrar uma tese única para
este livro era uma perspectiva difícil, no entanto, não havia consistência entre as várias
seções individuais, e eu acredito que uma tese de uma espécie pode ser encontrada no
final da esssay final. Sociedade (societas) parece ser um processo e não uma coisa - um
processo dialético com sucessivas fases de estrutura e communitas. Não parece ser - se
se pode usar um termo tão controverso - uma necessidade humana "para participar em
ambas as modalidades. Pessoas de fome de um em seu dia-a-dia procurá-la em
liminaridade ritual. O estruturalmente inferiores aspiram a superioridade estrutural
simbólica no ritual, o estruturalmente superior aspirar a communitas simbólico e sofrer
penitência para alcançá-lo (p. 203).

Esta passagem ilustra vários dos principais pontos de Turner em O Processo Ritual:
Estrutura e Anti-Estrutura. Neste texto, Turner começa por definir a sociedade como ele
o vê, no contexto que ele usou o termo. Segundo Turner, a estrutura e communitas são
vitais para a humanidade. Turner acredita que os indivíduos privados de qualquer
estrutura ou communitas tentará preencher as suas necessidades através de rituais que
fornecê-los com qualquer estrutura, no caso daqueles que são estruturalmente inferior,
ou communitas, no caso daqueles que são estruturalmente superior. Victor Turner é
primariamente um antropólogo. Seus dados concretos sobre ritual vem de seu trabalho
de campo com os Ndembu. Abordagem teórica de Turner está confiante no trabalho de
Arnold van Gennep, que desenvolveu a idéia de liminaridade em seu próprio trabalho.

Turner usa idéias, como liminaridade e communitas para organizar seus pensamentos, e
ajudar na compreensão do comportamento ritual da tribo que estudou. Trabalho de
Turner também é influenciado pelos estruturalistas, como Lévi-Strauss, e pelos
sociólogos da religião, como Emile Durkheim. Dados de Turner é extraída de seu
trabalho de campo com os Ndembu em África. O Ndembu é uma sociedade tribal, e
Turner estava particularmente interessado em seus comportamentos de ritual. Durante
seu tempo entre os Ndembu, Turner foi capaz de atender seus rituais, e esses rituais
formam a base do livro “O Processo Ritual”.

Os rituais discutidos por Turner incluem ritos de fertilidade, os ritos de


circuncisão, rituais dedicados à geminação, e os ritos relacionados com o status
social, como a colocação de um chefe tribal. Interesse particular de Turner com
estes rituais é o papel desempenhado pela liminaridade, estrutura e as
communitas. O ritual serve, para Turner, a função de equilibrar a estrutura e as
communitas. As pessoas que participam nos rituais são, temporariamente, fora da
estrutura social normal e, portanto, estão em um estado liminar.

O método de Turner pode ser aplicado a uma ampla variedade de dados provenientes de
diferentes culturas. Turner admite um número de estados que são particularmente
liminares, como nascimento, puberdade, casamento e morte. Embora todos esses
são os estados liminares dentro de nossa própria sociedade, o processo de gravidez e

1
parto, em particular a primeira gravidez, é particularmente liminar. Nossa sociedade não
tem mais rituais formais do tipo que Turner encontrou entre os Ndembu, mas existem
certos rituais e práticas relacionados com a gravidez e o parto que existem na nossa
sociedade. Gravidez, em uma de suas várias formas, faz com que a mulher deixa de
possuir o seu próprio corpo, tanto nos fatos físicos da gravidez, e também nas reações
da sociedade para a sua gravidez. Quando uma mulher está visivelmente grávida
completos estranhos à vontade para interferir em sua vida, questionando até mesmo suas
escolhas alimentares. Além disso, muitos desses estranhos mesmo sinta-se livre para
tocar realmente em seu estômago, como se seu corpo se tornou, em certo sentido, de
propriedade pública. Este processo é, em alguns aspectos, semelhante aos insultos e
apresentar degradação física no ritual Ndembu.

Um evento mais tradicional ritualística associada com a gravidez na América moderna é


o chuveiro do bebê. Este evento, que pretende ser uma ocasião de comemoração em
grande parte, é, em toda a realidade, uma oportunidade para ensinar e para aterrorizar, a
pobre vítima desse ritual (a gestante). Mais mulheres compartilham suas histórias de
nascimento experiente em detalhe torturante em uma tentativa de preparar a gestante
para a provação chegar. Os medicamentos mágicos da sociedade Ndembu foram
substituídos com a epidural, e rituais destinados a segurar e fornecimento adequado de
leite foram substituídos com os presentes de garrafas e fórmula. O processo de
nascimento em si é o culminar deste processo ritual, e traz a última alteração no status
da mulher. Ela é, depois de suportar estes rituais, deixou de ser apenas uma mulher, mas
agora uma mãe. No modelo típico médico de nascimento na América moderna, a
mulher é, antes degradada, a fim de ser elevada como uma mãe. Ao chegar ao hospital,
ela será obrigada a substituir sua roupa com um vestido padrão questão do hospital, será
picado com agulhas, e examinado por qualquer número de indivíduos, em muitos casos,
quando confinado ao seu leito para o trabalho. Ela deverá obedecer cegamente os
médicos que o nascimento de seu controle, e é dito para ser grato se ela tem a sorte de
partos normais.

Finalmente, o bebê nasce, muitas vezes com a ajuda de fórceps ou uma cesariana, e a
mulher é dito para ser grato para a ajuda dos médicos que levou o bebê ao mundo.
Amigos visitam a família no hospital, trazendo presentes. A mulher é parabenizada por
sua própria mãe, e por todos ao seu redor, que também são mães, como parte de sua
comunidade. Ela já passou pela fase liminar da gravidez e do nascimento, e é agora
parte de uma nova communitas, o das mães.

O trabalho de Turner incorpora idéias estruturais da sociedade, communitas e


liminaridade em um estudo antropológico de ritual religioso. Turner acredita que
os rituais servem para preencher necessidades não preenchidas no cotidiano,
através do equilíbrio entre estrutura e da comunidade.