Vous êtes sur la page 1sur 17
Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a
Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Notação Somatório, Seqüencias, Séries

Notação Somatório Nesta item será introduzida a notação somatório que permite escrever, de maneira compacta, somas com um número grande de parcelas. Utilizamos a letra grega maiúscula sigma representada por .

A soma dos n termos

a a

,

2

,

a

3

,

a

n

,

pode ser escrita como

1

n

i 1

onde i é o índice do somatório,

a

i

a

a a a

1

2

3

a

n

i é o i-ésimo termo da soma e os limites inferior

e superior do somatório são 1 e n , respectivamente. Colocamos alguns exemplos do uso do somatório:

Colocamos alguns exemplos do uso do somatório: Uma soma não tem necessariamente uma única representação

Uma soma não tem necessariamente uma única representação mediante somatórios. Para comprovar isso, observe atentamente as duas primeiras somas dos exemplos anteriores. Usualmente, é costume utilizar as letras i, j, k, m, n, como índices do somatório.

As seguintes propriedades da notação somatório irão ajudar a manipular a soma:

m , n , como índices do somatório. As seguintes propriedades da notação somatório irão ajudar
E algumas fórmulas prontas: Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de

E algumas fórmulas prontas:

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância 1. Exemplos: (a,b,c,d,e) Escrevemos diversas somas na forma

1. Exemplos: (a,b,c,d,e)

Escrevemos diversas somas na forma de somatório:

1

a.

1

1

1

1

5

10

15

65

4

5

6

93

3

7

11

359

2

2

1    1

 

4

3

1

2  

 

4

  2

n

2

1

n 3  

2

n

2

 

n

3

n

2      3  

n

3

  2 1

4

3

n

4 n  

2

1

1

1  

2

 

1

1

1

 

 

5

1

 

5 2

5 3

 

1

3

2

3

4

2

12  

4

2

n

  

3 n    

1

4

n  

2

n

2 1

3

3

n

2

1

n

5

13

3

3

b.

c.

d.

3

12

i 1

 

3 n

2

1    i  

4

 

2

   n

 

n

n  

2

e.

2. Exemplos:

13

1

i

1 5

n

90

3

;

4

90

1

;

2 n

i 2

  i  

n

 

3

n

i 3

2 1

90

n 3

i

1 4

n

1

3

n i  

i

n

 

2 n   

2

3

n

;

.

;

Vamos calcular a soma 1 5 9 13 57 . Primeiro, colocamos na forma de somatório:

1

 

5

9

13

57

15

i 1

(4

i

3)

.

Agora, procedemos ao cálculo do somatório, utilizando as fórmulas dadas no início desta

seção:

15

1

i

(4

i

3)

4

15

15

 

i

3

i

1

i

1

1)

15 (15

4

480

2

45

435

15

3

4

15 16

2

15 3

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

3. Exemplo:

Vamos calcular a soma

somatório:

1

2

5

2

9

2

13

2

1

2

5

2

9

57

2

2

2

13 57

15

i 1

(4

i

3)

2

2

.

. Primeiro, colocamos na forma

Agora procedemos ao cálculo do somatório:

15

1

i

(4

i

3)

2

15

i

1

16

 

16

(16

15

1

i

i

i

2

2

15 (15

24

i

24

1)

9)

15

15

 

i

i

1

(2

i

15

1

9

1)

 

15 16

31

6

15 16

16

24

6

16 1240

24 120

2

135

19840

 

2880

135

17095

24

9

15 (15

1)

2

15

9

15

4. Exemplo:

Usando as fórmulas fornecidas, vamos calcular

desenvolvimento:

(15   1) 2 15  9  15 4. Exemplo: Usando as fórmulas fornecidas,

Observe o

(15   1) 2 15  9  15 4. Exemplo: Usando as fórmulas fornecidas,

de

Sequências Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática

Sequências

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Quando determinados elementos de um conjunto são dispostos em certa ordem seguindo um padrão, dizemos que esses elementos formam uma sequência ou sucessão.

Os elementos de uma sequência podem ser de vários tipos. Veja alguns exemplos.

Nomes das pessoas aprovadas em determinado concurso, escritos em ordem alfabética:

(Adilson, André, Beatriz, Carla,

, Jonas)

Anos em que foram realizados as olimpíadas de 1996 a 2012:

(1996, 2000, 2004, 2008,2012)

Sequência dos números naturais:

(0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9,

)

Cada elemento de uma sequência ou sucessão é chamado termo.

Em geral, representamos os termos da sequência por uma letra e um índice, que indicam a posição ou a ordem do termo. O 1º termo de uma sequência, por exemplo, pode ser

indicado por

Quando queremos indicar um termo qualquer da sequência, utilizamos

chamado n-ésimo termo ou termo de ordem n. Representamos essa sequência por:

, também

a

1

, o 2º termo por

a

2

, o 3º termo por

a

3

, e assim sucessivamente.

a

n

(

a

1

,

a

2

,

a

3

,

,

a

4

,

)

Em matemática, a palavra “sequência” é usada quase da mesma forma em português comum. Dizer que uma coleção de objetos ou eventos está em sequência em geral significa que a coleção está ordenada de forma que ela tem um primeiro elemento, um segundo elemento, um terceiro elemento identificados, e assim por diante.

Matematicamente, uma sequência é definida como uma função cujo domínio é o conjunto dos naturais. Embora uma sequência seja uma função, é comum representá-la pela notação de subscrito em vez da notação padrão de função.

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

1,

a

1,

2,

a

2,

3,

a

3,

4,

a

4

,

,

n

,

a

n

,

Por exemplo, na sequência 1 é levado em

números

da sequência e a sequência toda é denotada por {

a 1 , 2 é levado em

a

2 , e assim por diante. Os

n , é o enésimo termo

a

1

,

a

2

,

a

3

,

,

a

4

,

são termos da sequencia. O número

a

n } .

a

Definição de sequência

De modo geral, uma sequência pode ser finita ou infinita.

Definição 1: Chama-se sequência finita de n termos uma função f cujo domínio é *
Definição 1: Chama-se sequência finita de n termos uma função f cujo domínio é
*
*
N ={1, 2, 3,
,n}.
A cada
i N está associado um
a R
.
i
Em geral, indicamos o conjunto imagem por: { , ,
a
a
a
,
,
a
} .
1
2
3
n

Veja alguns exemplos:

Sequência dos múltiplos de 3, maiores que 1 e menores que 31:

(3, 6, 9, 12,

, 27, 30)

Nesse caso,

a

1

=

3,

a

2

= 6, e assim por diante.

Sequência dos números pares positivos menores que 20:

(2, 4, 6, 8,

,

16, 18)

Nesse caso,

a = 2,

1

a

2

= 4, e assim por diante.

Definição 2: Chama-se sequência infinita uma função f cujo domínio é N * = {1,
Definição 2: Chama-se sequência infinita uma função f cujo domínio é N * = {1, 2,
*
3,
,
n,
}.
A cada
i N está associado um
a R
. Em geral, indicamos o conjunto
i
imagem por: {
a
,
a
,
a
,
,
a
,
}
.
1
2
3
n

Sequência dos múltiplos positivos de 4:

(4, 8, 12, 16,

)

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Nesse caso,

a

1

=

4,

a

2 =8 e assim por diante.

Sequência dos números pares positivos:

Nesse caso,

a

1

=

2,

a

(2, 4, 6, 8,

2 = 4 e assim por diante.

)

NOTAÇÃO: Podemos denotar uma sequência de várias formas:

{

x 1

,

x

2

,

}

, ou {

x

n }

n1

, ou

{

x

}

, ou simplesmente {

n 1

x

n }

.

 

n

Determinação dos elementos de uma sequência

Uma sequência pode ser definida por uma lei de formação que permite determinar seus elementos. Por exemplo:

A sequência definida

por a

n

3

n , com

n N

*

,é dada por:

n=1

n=2

n=3

n=4

Assim a sequência é (3, 6, 9, 12,

a

1

=

3

.

1

= 3

a

a

a

2

3

4

=

=

=

3 . 2 = 6 3 . 3 = 9 3 . 4 = 12

A sequência definida por

dada por:

a

n= 2

n= 3

n= 4

n= 5

a

a

a

a

2

3

4

5

1

= 3 e

=

=

=

=

a

21

a

a

a

31

41

51

).

a

n

+

+

a

4 =

4 =

+ 4 =

+

4 =

n1

4

com

n N

*

e n ≥ 2 é

a

1

a

2

+ 4 = 3 + 4 = 7

+

4 = 7 + 4 = 11

a

3

+

4 = 11 + 4 = 15

a

4

+

4 = 15 + 4 = 19

Assim a sequência é (3, 7, 11, 15, 19

Os termos da sequência definida por {

3

(

 

1)

2,

1

, 3

(

 

1)

4,

2

,

3

(

 

1)

3

2,

, 3

(

 

).

}

a

1)

n

4

4,

,

{3

(

 

1)

n

}

são

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Através dos termos da sequencia podemos determinar seu termo geral.

Veja o exemplo:

),

podemos determinar o termo geral a n :

Dada a sequência

(1,

3,

5,

7,

dos números naturais ímpares,

n= 1

n= 1

n= 1

n= 1

a

a

a

a

1

2

3

4

=

=

=

=

1

1

1

1

a

a

a

a

1

2

3

4

=

=

2

2

.

1

– 1

= 1

. 2 –

1 = 3

= 2 . 3

– 1 = 5

=

2

. 4 –

1 = 7

Nesta sequência, notamos que cada termo é igual ao dobro de n menos

1, ou seja, o termo geral a

n

2n 1

, com

n N

*

.

Veja outros exemplos de sequências e exercícios resolvidos:

Exemplos:

4n 1 é a seqüência 3, 7, 11, 15, cujo termo geral é 4n 1 . O vigésimo termo dessa

seqüência, por exemplo, vale 4 20 1 79 , enquanto o

centésimo vale 399.

1

n



1, 1,

1, 1,

1,

.

8 8, 8, 8, 8, (seqüência constante).

 

3n

2  

1

1

n

1

5

,

4

9

,

,

1

2

7

13

4n

3

2

n

1

1

   

3

3

,

4

,

10

17

3

1

8

,

,

.

3

1

16

,

.

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

1

,

6

1

4

,

1

3

,

x

n

1

   n


6

1

2

n

6

1

16

,

1

5

,

6

1

36

,

 

.

se

n

é

ímpar

 

se

n

é

par

 

O

termo

geral

desta

seqüência

é

Observação (1): Para muitas seqüências é impossível determinar a expressão que caracteriza o seu termo geral. Por exemplo, a seqüência cujo seu n-ésimo termo é o n-

ésimo algarismo na representação decimal de :3, 1, 4, 1, 5, 9, 2, . Outro exemplo é a

seqüência dos números primos: 2, 3, 5, 7, 11, .

Observação (2): Progressões aritméticas e geométricas são exemplos de seqüências, desde que tenham uma infinidade de termos.

Exercícios Resolvidos:

n

 

(

1

)

n

1

n

Considere a seqüência

Escreva os cinco primeiros termos de Escreva os termos de ordem 85 e 120.

x

n , sendo

x

n

x

n

.

n

1

.

Resolução:

Basta atribuir a n os valores 1, 2, 3, 4, 5:

x 1

x 3

1

(

 

1

)

1

1

1

1

(

 

1

)

2

1

2

1 ;

 

1

1

   

2

2

 

2

(

 

1

)

3

2

0

   
 

x

     

0 ;

2

 

2

1

3

6

3

 

0

 

10

5

 

;

 

x

 

0

;

 

x

3

;

4

2

4

5

 

5

 

6

Resposta: Os cinco primeiros termos da seqüência são Basta calcularmos os referidos termos:

1, 0,

3

2

,

0

,

5

3

.

  85 (   1 ) 86  85 170 85   85

85

(

 

1

)

86

85

170

85

 

85

1

86

43

120

(

 

1

)

121

120

 

0

 

120

1

121

 

85

 
 

x 85

43

;

x

120

0;

0

x

85

x

120

Resposta:

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Escreva o termo geral de cada uma das seqüências:

 

1

1

1

1

1

 

4

,

8

,

16

,

32

,

64

,

1

3

5

7

2

,

4

,

6

,

8

,

 
 

.

Resolução:

Observe a tabela abaixo:

.

n

1

2

3

4

5

 

1

1

1

1

1

x

n

2

2

2

3

2

4

2

5

2

6

O numerador é 1 se n é par e 1 se n é impar. Isto é representado por

denominador é sempre uma potência de 2, sendo o expoente uma unidade maior do que

n.

. Já o

(1)

n

Portanto o termo geral é

(

1

)

n

2 n

1

.

x

n

n

(

1

)

n

1

.

2

Resposta:

Observe a tabela a seguir:

Comparando n com

x

n

n

2

1 3

   

4

5

 

3

1 5

   

7

9

x

n

 

4

2 6

8

10

 

2n

1

 

x

n

2n

conclui-se que

, que é o termo geral da seqüência.

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Séries

Neste item você estudará somas com um número infinito de termos. Um exemplo de soma

infinita, ou série, surge com o estudo das dízimas periódicas. Por exemplo, a dízima

periódica 0,11111

é representado pela soma infinita

periódica 0,11111 é representado pela soma infinita e que pode ser interpretada como a soma de

e que pode ser interpretada como a soma de uma progressão geométrica de razão

como a soma de uma progressão geométrica de razão Definição de Série Podemos então perceber que
como a soma de uma progressão geométrica de razão Definição de Série Podemos então perceber que

Definição de Série

Podemos então perceber que em uma soma infinita, cada parcela pode ser considerada

como um termo de uma sequência numérica. Assim, a série é definida como a soma

desses termos, conforme vemos a seguir.

definida como a soma desses termos, conforme vemos a seguir. Exemplos: Escreva os cinco primeiros termos

Exemplos: Escreva os cinco primeiros termos de cada série:

definida como a soma desses termos, conforme vemos a seguir. Exemplos: Escreva os cinco primeiros termos
Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância Algumas séries especiais Ao trabalharmos com séries,
Curso de Licenciatura em Matemática a Distância Algumas séries especiais Ao trabalharmos com séries,

Algumas séries especiais Ao trabalharmos com séries, algumas merecem destaque devido as suas propriedades e aplicações e, portanto, também recebem nomes especiais. Algumas delas são apresentadas a seguir.

suas propriedades e aplicações e, portanto, também recebem nomes especiais. Algumas delas são apresentadas a seguir.
suas propriedades e aplicações e, portanto, também recebem nomes especiais. Algumas delas são apresentadas a seguir.
Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância Convergência de Séries Intuitivamente, dizer que uma
Curso de Licenciatura em Matemática a Distância Convergência de Séries Intuitivamente, dizer que uma
Curso de Licenciatura em Matemática a Distância Convergência de Séries Intuitivamente, dizer que uma

Convergência de Séries Intuitivamente, dizer que uma série infinita converge significa dizer que à medida que vamos somando os seus termos, esses valores vão se aproximando de algum número S, que chamamos de limite da soma. Vamos trabalhar este conceito através de alguns exemplos.

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância Percebemos que essas somas cumulativas estão aumentando e

Percebemos que essas somas cumulativas estão aumentando e depois do n-ésimo termo, obtemos, pela soma dos termos de uma p.a., que

termo, obtemos, pela soma dos termos de uma p.a., que Portanto, essas somas se tornam muito

Portanto, essas somas se tornam muito grandes à medida que n aumenta, nos levando a concluir que seria impossível determinar um número S para o qual a soma infinita se aproxime. Essa série, então, não está convergindo para nenhum valor.

série, então, não está convergindo para nenhum valor. Estamos percebendo que essas somas não estão crescendo

Estamos percebendo que essas somas não estão crescendo muito como no exemplo dado anteriormente. Se tabelarmos essas somas para diferentes valores de n , como mostrado na

tabela a seguir, podemos perceber melhor esse fato.

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância A tabela mostra que, quando adicionamos mais e mais

A tabela mostra que, quando adicionamos mais e mais termos, essas somas se tornam cada vez mais próximas de 1 . Assim, parece razoável dizer que a série está convergindo para S=1.

Você pôde perceber nos dois exemplos anteriores que para termos uma ideia sobre a convergência de uma série começamos observando o comportamento da soma de seus termos iniciais, indo acrescentando um termo de cada vez a essa soma. Essa forma de ir somando os termos de uma série é chamada de soma parcial e a definimos a seguir, pois, servirá de ferramenta para o estudo da convergência da série.

de soma parcial e a definimos a seguir, pois, servirá de ferramenta para o estudo da

Exemplo:

de soma parcial e a definimos a seguir, pois, servirá de ferramenta para o estudo da
Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância Observe que as somas parciais S n formam uma

Observe que as somas parciais S n formam uma sequência numérica. Veremos que se essa sequência convergir, então a série será convergente.

formam uma sequência numérica. Veremos que se essa sequência convergir, então a série será convergente. Exemplo:

Exemplo:

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância Para determinarmos a convergência ou divergência de
Curso de Licenciatura em Matemática a Distância Para determinarmos a convergência ou divergência de

Para determinarmos a convergência ou divergência de séries, que não sejam as séries

geométricas, são utilizados outros critérios e testes. Estes casos serão abordados em

outro momento.

Referências Bibliográficas

Howard, Anton. Cálculo um novo horizonte, volume 2, Bookman, 2000.

Edwards, L. Cálculo, Nona edição. Cengage Learning, 2010.

Suazo, G.R.C.; Simch, M.R.R.; COSTA, Universitária/UFPEL, 2010. 105p .

Introdução à Análise Real. Pelotas: Editora

Smole, K.S., Diniz, M.I. Matemática (Ensino Médio), volume 1, Editora Saraiva, 2005 –

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Curso de Licenciatura em Matemática a

Universidade Federal de Pelotas

Instituto de Física e Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática a Distância

429p.

BARRET0, Edmary. Séries Numéricas: uma introdução, IFBA, Bahia, 2004.

BATISTA, Eliezer e JANESCH, Silvia M. H. Cálculo B. Curso de Licenciatura em Matemática à Distância, Pelotas, 2007.

OLIVEIRA, Filipe. Introdução

http://arquivoescolar.org/bitstream/ arquivo-e/43/1/series.pdf>. Acesso em 20 de junho

de 2013.

às

séries

numéricas.

Disponível

em

<

STEWART, James. Cálculo. Tradução da 7ª ed. norte-americana, v. 2, São Paulo, Cengage Learning, 2013.