Vous êtes sur la page 1sur 4
Início
Início
Áreas Notícias
Áreas
Notícias
Eventos Cepat
Eventos
Cepat
Áreas Notícias Entrevistas Publicações Eventos Cepat   Buscar   Espiritualidade Entreemcontato
  Buscar  
  Buscar  
  Buscar  
  Buscar  
  Buscar  
  Buscar  
 

Buscar

 
  Buscar  
Diminuir / Aumentar aletra Enviarpore­mail Imprimir Compartilhar Segunda,28desetembrode2009
Diminuir / Aumentar aletra Enviarpore­mail Imprimir Compartilhar Segunda,28desetembrode2009
Diminuir / Aumentar aletra Enviarpore­mail Imprimir Compartilhar Segunda,28desetembrode2009

Segunda,28desetembrode2009

Aleiemtemposdeglobalização.

EntrevistacomGuntherTeubner

Ubisocietasibiius,“ondeháumasociedade,aliexisteodireito”,sustentavaHugoGrotius,paidamodernateoriado

direitonatural.Mas,“seasocietashodiernaéumasociedadeglobal,comosemanifesta,então,oseudireito?”,se

perguntaGuntherTeubner,entreosmaisautorizadosestudiososdeteoriaesociologiadodireito.Emtornodesta

interrogaçãoTeubnerelaborouumpercursoteóricooriginal,quesemovedaconsciênciadaarbitrariedadeedoato

fundadordodireitoesimultaneamentedoreconhecimentodesuaspotencialidadescomoinstrumentoderegulação

e,sobretudo,deliberaçãodasenergiasqueatravessamasdiversasesferassociais.Potencialidadesquesão

igualmenteválidasnopanoramaatual,marcadopelarupturadamoldurahierárquicaconstitucionalquerepresentao

resultadohistóricodasínteseentreEstadoedireito:segundoTeubner,aquemsedevemalgunsdosmais

iluminadosestudossobreaglobalizaçãododireito,“opluralismocontraditórioinerenteaosistemajurídico”atualde

fatonãoéconcebido“comoumfenômenodedecadência,mascomoumaoportunidade”paraodireito.

Osconflitosentrediversosprincípiosjurídicos,asincoerênciasdoutrinais,ascontrovérsiasacadêmicas,aspráticas

globaisdejuridicizaçãoprivada,afragmentaçãododireitosegundológicassetoriais,ou,emoutrostermos,“aquilo

queosadvogadosinternacionaisconsideramumapatológicarelatividadenormativa”,sãodefatoocasiõespara

abandonaraidéiadequeavalidadeeavigênciadodireitopossamfundar­sesomentesobreprocessospolítico­

legislativostradicionais,prestandofinalmenteatençãoàproduçãojurídicanãoestatalereconhecendoque“o

pluralismojurídicoglobalnãoésimplesmenteoreflexodeumpluralismopolítico”,oresultadodeuma

descentralizaçãodopoderpolítico,quantoaoinvés“aexpressãodeprofundascontradiçõesentresetoresda

sociedadeglobalquecolidementresi”.EncontramosGuntherTeubneremRoma,parafalarsobreseutrabalho.

AreportagemédeGiulianoBattiston,publicadanojornalIlManifesto,15­09­2009.AtraduçãoédeBennoDischinger.

Eisaentrevista.

NaItáliaseunomeseimpõenodebateacadêmico,emparticularcomatradução,em1996,doDireitocomo

sistemaautopoiético,umtextopublicadooriginariamenteem1989.Querresumirastesesexpostasnaquelelivro

econtar­nosemquedireçãodecidiuorientarsuapesquisadesdeentão?

Umadasconfusõescaracterísticasdoséculovinteresidenaoscilaçãoentreumaconexãopolíticaeumaeconomia

dodireito,e,aomesmotemponafaltadeumareflexãosobreonexoqueligaodireitoàsociedadecivil.Creioqueo

livrosobreaautopoiesedodireitotenhasidoumatentativadesairdaqueladuplaarmadilha,opondoalógicainterna

aodireitoàlógicaeconômicaepolítica.Desdeentãomeconcentreisempremaissobreasquestõesrelativasà

“proveniência”dasenergiasnormativasdodireito,eprecisamentedaquiderivaaatençãoparaoconstitucionalismo

“societário”ecivileparaacombinaçãoentreaautonomiadodireitoeadosdiversoscampossociaiscomoacultura,

amídia,aarte,aciência.

Entreosestudiososcomosquaisdialogoucommaisinsistência,comfrequênciademodopolêmico,alémdeseu

“mestre”NiklasLuhmanestátambémJacquesDerrida.Numdeseusensaios,Osmúltiploscorposdorei,criticao

desconstrucionismoenquanto“nãosuficientementecrítico,nãosuficientementeradical”.Oquepretendiadizer?

Eporquemudoudepoisdeidéia,mostrandoapreciarodirecionamentodeDerridaaumaformadetranscendência

a­teológicacomo“legitimação”dodireito?

Creioqueacríticaaomovimentodesconstrucionistaquemovedeumadiferençaaoutrapermanecendoinseridae

suspensaemseusprópriosparadoxosestejaorientadaao“primeiro”,enãoao“último”Derridaque,noslivros

dedicadosàpolítica,aodireito,àeconomia,parecemover­separaum“desconstrucionismo”positivo.Nointeresse

pelasquestõespolítico­normativasnota­seumafastamentodoâmbitopuramentedestrutivodacríticanadireçãode

umaespéciedeperspectivautópica.Luhmanndissecertavezqueaodesconstruirarealidadeouateoriadeveríamos

serdiligentes,paranãocomprometerapossibilidadedereconstruiralgo.OsúltimostrabalhosdeDerridaseguem

estaindicação.Noqueserefereàidéiadatranscendência,deinícioacritiquei,masdepoisentendiqueeraentendida

nãocomoumaaberturaaofuturooucomoumingressonoâmbitoreligioso,mascomoumaexperiênciaacessívele

presenteemtodososcampossociais.

NoensaioNewSpontaneousLawvocêsustentaqueaglobalizaçãocausou“umasériedeproblemasintrínsecos

aodireito,quemodificamosmecanismostradicionaisdeLaw­making”eque,emtermosmaisgerais,“rompeua

moldurahierárquicadaconstituiçãonacional,querepresentavaaunidadehistóricadeEstadoedireito”.Porque

considerasimplicistaafirmarque“oemergirdosmercadosglobaiscomprometeascapacidadesdecontroleda

políticanacionaleporissotambémapossibilidadederegulaçãojurídica”?

Éinegávelqueaglobalizaçãodosmercadosincidedemodorelevantesobreodireitoequeopoderderegulaçãodo

sistemalegalnacionaldiminuiu.Mas,consideroindispensávelestudarosprocessosautônomosdeglobalização

internosaodireito,evitandoapresentá­loscomoumaconsequênciadainternacionalizaçãodaeconomia.Emtermos

NOTÍCIAS

gerais,oelementomaisrelevantedasnovasleistransnacionaisglobaistemavercomadiferenciaçãointernade

políticaedireito.Atéasegundametadedoséculovinteaqueladiferenciaçãoera,defato,ligadaàordemlegal

nacional,queoperavasegundoumahierarquiainternadenormasjurídicasclaramentedefinidas,segundoaqualas

normasprincipaislegitimavamassecundárias.Nosistematransnacional,aoinvés,adiferenciaçãonãoprocede

segundoumaestruturahierárquica,masdemodohorizontal,setorial,comoodemonstramaLexmercatoriaeaLex

digitalis,ordensligadascomambiçõesglobais,masaomesmotempocomlimiteseconfinstemáticos,nãomais

territoriais.Naeraglobal,portanto,jánãofuncionamaisaestruturahierárquicaglobalcaracterísticadoEstado­nação,

e,sedeumladofaltaumaefetivaglobalizaçãodosistemapolítico,dooutroexistemsistemasque,comrespeitoà

política,sedesenvolveramdemodomuitomaisintensivo;edaquiderivamaquelasnormasquenãoforam

elaboradasatravésdoscostumeirosprocessospolíticos.

Vocêsustentouque,anteafragmentaçãododireitoglobal,“qualqueraspiraçãoàunidadenormativaéexcluídade

início”eque,emseguidaao“colapsodashierarquiasjurídicas,aúnicaopçãorealistaéadedesenvolverformas

jurídicasqueselimitemacriarrelaçõeslaxasentreosfragmentosdodireito”.Antesdoqueàunidadenormativa

dodireitodeveremosagorahabituar­nosàidéiadacompatibilidadeentrefragmentos?

NosEstados­naçãosepodiafalardeunidadenormativaemdoissentidos:deumaparte,entendendo,nosentido maisrestrito,aunidadehierárquicadetodososprocessoslegaisgarantidospelasinstituiçõescentraispormeioda legislaçãoedaestruturahierarquicamenteorganizadadascortes;deoutra,entendendo,aoinvés,aunidadesocial normativa,ligadaàspressõesexercidaspelasinstituiçõesdoEstado­naçãoparaintegrartodasasforçasda sociedadenamolduranacional.Emâmbitoglobal,ambasasacepçõesvêmmenosaocaso:deumaparte,nãohá maisinstituiçõesjurídicascentralizadas,e,emlugardaunidadedodireitosedãofragmentosdedireito,governados pelaslógicasqueorientamosdiferentescampossociaisaosquaissereferem;e,dooutrolado,osEstadosjánão conseguemmaisexerceraquelapressãocentrípeta:torna­sequaseimpossívelobteraunidadenormativasocial numasociedadeglobalprivadecentro,caracterizadapelasfortestendênciascentrífugasdasdiferentes racionalidadesdossistemassociais queprocedemsegundodireçõesdiversasecomfrequênciaconflitantes.Está precisamenteaquiaradicalconflitividadedaglobalização.Eestáaquiapassagemdaunidadeàcompatibilidade.

NoensaioRegimesprivadosglobais,vocêcontestaaidéiaqueafunçãodesenvolvidapelodireitonoprocessode

globalizaçãoconsista“substancialmentenaformalizaçãojurídicadodeslocamentodepoderdosatoresestatais

aoseconômicos”,aidéiaque,emsuma,odireitodevalimitar­sea“protocolar”umamudançadeparadigma.E

sustenta,aoinvés,queaglobalizaçãotornapossívelaodireito“institucionalizarumaconstituiçãodualemmuitas

esferasdasociedadeglobal”.Podeexplicá­lomelhor?

Paraalgumasesferassociais–pensonasaúde,nainstrução,naarte,namídia–aglobalizaçãoofereceaocasião

defortaleceraautonomiadaprópriaatividadeeaoportunidadedereestruturar­senumsetorespontâneoenumoutro

organizado.Etudoissopassapelodireito.Oconstitucionalismoclássicoseconcentrouexclusivamentesobreo

constitucionalismopolítico,enquantotodososoutroscampossociaisforamexcluídosdosprocessosde

constitucionalização,instituindoumaseparaçãoentreEstadoesociedadeereduzindoasociedadeàsaçõesdos

indivíduos.Hojeénecessárioabandonarestavisãoindividualistadossetoresnãopolíticosdasociedadeedodireito

constitucional,reconhecer­lhesocaráterfortemente“político”(emsentidolato),eaproveitaraspotencialidadesdo

processodeconstitucionalizaçãodosdiversoscamposderacionalidadesocial.Eodireitoconstitucionalpode

desempenharumimportantepapelnoesforçodegarantiraautonomiadosdiversoscampossociais,assegurando­

lhesumalongaduraçãoatravésdeumprocessodeinstitucionalização.Deveremos,porconseguinte,edificar

constituiçõesquenãosejampolíticas,masconstituiçõesdosdiversossetoresdasociedade.Odireitoconstitucional

pode,alémdisso,conterastendênciasexpansionistasdossistemassociaisautônomosquetendemacolonizaros

outrossistemas,traduzindodemodoprodutivoeinteligenteosconflitoseaspressõesexternasaumaesferasocial

atravésdeumaformadeautolimitaçãointerna.

Anteaemergênciadeum“direitoglobalsemEstado”algunsestudiososevocamaidéiadeumnovofeudalismo

jurídico­contratual.Você,aoinvés,parecereconheceroselementospositivosdestamudança:“umaexpansãoe

generalizaçãodoconstitucionalismo,dosprocessosconstitucionais,naproduçãonormativaprivada”.Porque

nãooconvenceatesedonovofeudalismo?

Emboraàprimeiravistapareçahaverumasemelhançaentreanovaordem,oudesordemglobal,eafeudal­medieval

(porexemplo,napluralidadedasfontesdelegitimidadejurídica),nãocreionatesedonovomedievalismo,e

consideroatéqueresultemaisprodutivoconfrontarosnossostemposcomoiníciodoconstitucionalismoemcampo

políticonoséculodezoito.Estacomparaçãodeveriainduzir­nosaumaespéciede“sobriedadeprofética”:ahistóriado

constitucionalismopolíticonosfaladasoportunidades,mastambémdasfalências,doslimitesdaquiloque

possamosesperar.Oconstitucionalismonãoéumparaíso:trata­sedecertalimitaçãodogoverno,dacriaçãodecerta

ordempolítica.AdiferençaentreaordempolíticadeClintoneadeBushmensuraoperigonoqualseencontraesta

formadeconstitucionalismo,mas,aomesmotempomostraqualsejaadiferençaentreumsistemapolíticoquenega

econtradizoconstitucionalismoeumque,aoinvés,orespeita.Osparaleloshistóricosdeveriammodelar,mas

tambémmoderarasexpectativassobreoconstitucionalismo.

Aspectosinéditosdaleinotempodaglobalização.

Nascidoem1944emHerrnhut,naAlemanha,GuntherTeubnerestudousociologiadodireitoeleiemGöttingene

Tübingen,paradepoisespecializar­sejuntoaoCenterfortheStudyofLawandSocietydeBerkeley.Ensinouem

numerosasuniversidadeseuropéiaseamericanas,entreasquaisoInstitutoUniversitárioEuropeu.Desde1998é

docentedeDireitoprivadoeSociologiadodireitonaJohannWolfgangGoethe­UniversitydeFrankfurteCentennial VisitingProfessordeDireitocomparadoeTeoriadodireitonaLondonSchoolofEconomicsandPoliticalScience. Entreosseustrabalhostraduzidosaoitaliano:“Justiçaauto­subversiva”,publicadonoanopassadoporLaCittàDel SoleeorganizadoporAnnamariaRufino,quejuntocomTeubnersubscreveu“Odireitopossível”(GuerinieAssociati

2005).Eainda:“Aculturadodireitonaépocadaglobalização”,organizadoporRiccardoPrandini,Armando2005e

“Direitopolicontextural”,LaCittàDelSole1999.

Comentáriosencerrados.

CADASTRE­SE

Nome: *

CADASTRE­SE Nome: *
CADASTRE­SE Nome: *
CADASTRE­SE Nome: *
Comentáriosencerrados. JComments CADASTRE­SE Nome: * REVISTAIHUON­LINE Ediçãon°474
REVISTAIHUON­LINE Ediçãon°474 AnoInternacionaldaLuz.Descobertase incertezas Sitedarevista Versãoparafolhear
REVISTAIHUON­LINE
Ediçãon°474
AnoInternacionaldaLuz.Descobertase
incertezas
Sitedarevista
Versãoparafolhear
VersãoemPDF
ANTERIORES
Ediçãon°473
PolíticasPúblicasemtemposdeajuste
fiscal
Ediçãon°472
Cuidadodesiebiopolítica

Conecte­secomoIHUnoFacebook

IHU 11m NOVOSCOMENTÁRIOS E­mail: * @_ihu "Étristemaiséarealidade!nós Queroreceber: Segundo internautas, o
IHU
11m
NOVOSCOMENTÁRIOS
E­mail: *
@_ihu
"Étristemaiséarealidade!nós
Queroreceber:
Segundo internautas, o Ministério
da Justiça confundiu imigração
com escravidão bit.ly/1NfThtS
tambémestamossendo
confinados,pelosladrõesde
NotíciasDiárias
pic.twitter.com/9hJeSlgfPj
colarinhobran
"Emrespostaa:3
Mostrar foto
RevistaIHUOn­line
tristesfatosqueaindústriada
Informaçõessobreeventosdo
carnetentaesconderdevocê
IHU
IHU
41m
@_ihu
"Parabéns!"Emrespostaa:Emato
A padroeira do Brasil tem uma
história não reduzida a sua imagem
inéditonopaís,sexoneutroé
reconhecidoporJustiçadaFrança
bit.ly/1NfT4qx
Repitaocódigoacima:
Mostrar Resumo
"Souvegetarianaamaisdedez
anos.Comeceipensandona
minhasaúde,masdepoisque
Enviar
IHU
1h
assistiaofi
"Emrespostaa:3
@_ihu
tristesfatosqueaindústriada
Clima pode levar Antártida a perder
85% de sua calota de gelo
carnetentaesconderdevocê
bit.ly/1NfSSaS
pic.twitter.com/hAcs9tNo76
Mostrar foto

Siga­nosnoTwitter

EscrevaparaoIHU

AdicioneoIHUaoseusFavoritosevolte

maisvezes

ConheçaapáginadoObservaSinos

paraoIHU AdicioneoIHUaoseusFavoritosevolte maisvezes ConheçaapáginadoObservaSinos A compan h eo IHU no M e di um

AcompanheoIHUnoMedium

paraoIHU AdicioneoIHUaoseusFavoritosevolte maisvezes ConheçaapáginadoObservaSinos A compan h eo IHU no M e di um
AdicioneoIHUaoseusFavoritosevolte maisvezes ConheçaapáginadoObservaSinos A compan h eo IHU no M e di um
Av.Unisinos,950–SãoLeopoldo–RS CEP93.022­000 Fone:+55(51)3590­8247 humanitas@unisinos.br
Av.Unisinos,950–SãoLeopoldo–RS CEP93.022­000 Fone:+55(51)3590­8247 humanitas@unisinos.br
Av.Unisinos,950–SãoLeopoldo–RS CEP93.022­000 Fone:+55(51)3590­8247 humanitas@unisinos.br
Av.Unisinos,950–SãoLeopoldo–RS CEP93.022­000 Fone:+55(51)3590­8247 humanitas@unisinos.br
Av.Unisinos,950–SãoLeopoldo–RS CEP93.022­000 Fone:+55(51)3590­8247 humanitas@unisinos.br

Av.Unisinos,950–SãoLeopoldo–RS

CEP93.022­000

Fone:+55(51)3590­8247

Copyright©2011–Unisinos–Todososdireitosreservados