Vous êtes sur la page 1sur 26

PIMENTA-DO-

REINO

FICHA PEDAGÓGICA

MPST/ARCAFAR NORTE CRF/PACAJÁ

INDÍCE

INDÍCE ...................................................................................................................................................................... O QUE EU CONHEÇO SOBRE PIMENTA DO REINO : 2 3 3 A NOSSA
INDÍCE ......................................................................................................................................................................
O QUE EU CONHEÇO SOBRE PIMENTA DO REINO
:
2
3
3
A NOSSA REALIDADE A RESPEITO DO CULTIVO DA PIMENTA - DO - REINO:
3
1-INTRODUÇÃO
4
1.1.
IMPORTÂNCIA ECONÔMICA
4
1.2.
A PIMENTA- DO REINO NO ESTADO DO PARÁ
4
1.3.
PESQUISE EM SEU MUNICÍPIO COMO OCORREU A INTRODUÇÃO DA PIMENTA- DO -
REINO NA TRANSAMAZÔNICA:
5
2-
BIOLOGIA DA PLANTA .....................................................................................................................................
6
3- CLIMA E SOLO
6
3.1.
CLIMA
6
3.2.
SOLOS
6
4- CULTIVARES RECOMENDADOS
7
5- PRODUÇÃO DE MUDAS
7
5.1.
O MÉTODO TRADICIONAL
7
5.2.
PREPARO DE MUDAS SADIAS ATRAVÉS DE ESTACAS HERBÁCEAS
8
6-PLANTIO
9
6.1.
ESCOLHA DA ÁREA
9
6.2- PREPARO DA ÁREA
9
6.3.
MARCAÇÃO E PIQUETEAMENTO
10
6.4.FINCAMENTO DAS ESTAÇÕES PREPARO DE COVAS
10
PLANEJAMENTO DE PLANTIO DE PIMENTA DO REINO:
12
7- TRATOS CULTURAIS:
13
8- ADUBAÇÃO DA PIMENTEIRA
14
8.1.
ADUBAÇÃO QUÍMICA
14
Potássio- Sódio- Cálcio- Magnésio - Fósforo
14
8.2.
ALTERNATIVAS DE ADUBAÇÃO
15
9- DOENÇAS DA PIMENTA DO REINO:
15
9.1.
FUSARIOSE
15
9.2.
QUEIMA DO FIO DAS FOLHAS
17
10-
PRAGAS ............................................................................................................................................................
17
11- COLHEITA E BENEFICIAMENTO
18
11.1
BENEFICIAMENTO
18
12- PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES
19
12.1.
CUSTOS
19
12.2.PRODUÇÃO
20
12.3.RENDA DA ATIVIDADE
20
13
–ATIVIDADES
20

O que eu conheço sobre Pimenta do Reino :

A nossa realidade a respeito do cultivo da pimenta - do - reino:

1-INTRODUÇÃO

1.1. Importância Econômica

A pimenta-do-reino (Piper Nigrum ), é encontrada no estado nativo, em ambiente sombreado de floresta de regiões do sudoeste da Índia. Dos locais de origem foi levada para outros países do Sudoeste da Ásia e posteriormente para a África, em período mais recente, para a América Central e do Sul. A primeira introdução no Brasil data no século passada, feita por Portugueses no período colonial. Em 1933, imigrantes japoneses trouxeram a cultivar kuching que recebeu a denominação de Cingapura. Hoje a pimenta-do-reino, representa 22,5 da produção agropecuária da Amazônia e do Brasil, e o Brasil é seu maior produtor e 3 o maior exportador mundial. A produção Brasileira representa 23,18 %, Índia (22,8%) e Malásia (20,84%). Esses países detêm quase 95% da produção mundial e 96% das exportações, sendo os maiores exportadores por ordem; Indonésia, Malásia, Brasil e Índia. Os grandes importadores são os países desenvolvidos: Estados unidos, União Soviética, França, Alemanha Ocidental e Inglaterra. Nenhum dos grandes importadores tem clima propício o que representa uma garantia de

mercado para os países produtores, e o Brasil é o único com possibilidades de expandir a área cultivada. A produtividade no Brasil é muito alta com média de 2 a 3 Kg de pimenta seca por pimenteira a partir do terceiro ano, enquanto que na Índia a produção é de 300 a 400 gramas por pé. A pimenta-do-reino possui alto valor comercial, podendo ser comercializada na forma de pimenta preta, pimenta branca e pimenta verde em conserva. Dos grãos são extraídos subprodutos que alcançam até três vezes mais que o preço da pimenta preta. Essa especiaria se constitui em um importante componente para as indústrias de carne, para o consumo alimentar como condimento e para as indústrias de perfumaria.

  Com base no texto faça preencha a tabela com produção mundial de pimenta-do-reino a partir do maior exportador:

Países

Porcentagem

de

Produção

   
   
   

Total

 

1.2. A Pimenta- do Reino no Estado do Pará

No Brasil, a pimenta do reino chegou por volta do século XVII, mas o incremento da cultura verificou-se após a introdução da cultivar kuching no município de Tomé - Açu no Estado do Pará, por imigrantes japoneses. O material vegetativo originário da Malásia foi trazido através do porto de Cingapura, por isso a cultivar passou a receber esse nome entre os produtores Brasileiros. No estado do Pará, a área cultivada, expandiu-se até fins da década de 50. A incidência de uma doença conhecida como fusariose constatada desde o início de 1960, passou a ser o principal fator limitante para o crescimento econômico da cultura. Em função dos problemas com a fusariose a cultura expandiu para novas áreas do Estado e para outras regiões, mesmo assim o Pará manteve-se na frente, fazendo 90 % da produção Brasileira, continuando até hoje embora com uma queda na produção.

1.3. Pesquise em seu Município como ocorreu a introdução da Pimenta- do -Reino na Transamazônica:

  A cultura da pimenta-do-reino em nosso Município Vamos pesquisar nas entidades e órgão de nosso município que trabalham com agricultura, a produção da Pimenta-do-reino nestes últimos anos:

Anos

N o de ha plantados

Área colhida

Produção

Rend. Médio

 

(ha)

(ton)

(Kg/ha)

         
         
         
         
         

Total

       

Média

       

 

Com base nestes dados comente, a situação da Pimenta- do- Reino em

nosso município:

 

 

2- BIOLOGIA DA PLANTA

A pimenta do reino (Piper nigrum) pertence à família das Piperáceas. É uma planta perene trepadeira.

Apresenta

partes

distintas no vegetativo:

sistema

 

Ramos de crescimento

(ramo

ortotrópico):

são

haste

não

produtivas,

divididas em entrenós de 2

cm

a

10

cm de

comprimento,

com

raízes

de sustentação que aderem

ao tutor.

 

  Ramos de Frutificação (ramo plagiotrópico): são os ramos produtivos, com folhas alternadas verdes escuras.

2- BIOLOGIA DA PLANTA A pimenta do reino (Piper nigrum) pertence à família das Piperáceas. É

 

Inflorescência: é do tipo espiga, o comprimento da

varia de 5cm a 20cm

espiga madura

3- CLIMA E SOLO

3.1. Clima O clima ideal para o desenvolvimento e produção de pimenta-do-reino é o quente úmido, com precipitação pluviométrica em torno de 2.500 mm/ano, podendo ser cultivada em regiões que apresentem precipitação acima de 1.500 mm anuais. A umidade relativa do ar deve situar-se acima de 80% durante 06 meses no mínimo e a temperatura média ideal gira em torno de 23 0 - 28 0.

3.2. Solos

A pimenta do reino pode ser cultivada em vários tipos de solos. Mas

devem ser escolhidos solos com boas condições físicas, com boa drenagem, solos que encharcam com facilidade devem ser rejeitados. A topografia deve ser ligeiramente plana com pequena declividade para facilitar a drenagem do excesso de água. Solos com muito baixa retenção de umidade também devem ser evitados, pois nos períodos mais secos do ano pode haver ressecamento das raízes impedindo a formação de novas brotações. De acordo com pesquisas realizadas pela EMBRAPA, na Amazônia a pimenta-do-reino tem sido mais cultivada em Latossolo amarelo textura média e pesada.

4- CULTIVARES RECOMENDADOS

Atualmente no Pará, a cultivar mais plantada pelos pipericultores é a Cingapura. Apesar disso, pesquisas desenvolvidas pela EMBRAPA-CPATU, permitiram a seleção de duas cultivares (Guajarina e Bragantina), com boa produção. Atualmente a EMBRAPA recomenda a cultivar Guajarina para áreas com período de estiagem mais definida e solo bem drenado e a cultivar Bragantina para áreas com maior precipitação e solos com maior retenção de umidade.

 

Cingapura

É a variedade comum, que apresenta folhas estreitas e pequenas espigas e

frutos médios.

 

Guajarina

É uma variedade recente que apresenta folhas alongadas e de tamanho médio, espigas longas e frutos graúdos, apresenta o broto com cor roxa.

 

Bragantina

É uma variedade recente, que apresenta folhas longas, espigas muito longas e frutos graúdos, o broto apresenta cor branca ou verde clara.

  Em nossa região quais são as cultivares de Pimenta-do-reino que você conhece e qual apresentam maior produção:

_______________________________________________________________

_______________________________________________________________

________

5- PRODUÇÃO DE MUDAS

5.1. O método tradicional

  Retirada das estacas Consiste em utilizar estacas semi-lenhosas com três a cinco nós desprovidos de folhas. Primeiro seleciona-se as matrizes com idade entre dois e quatro anos de idade, sadias, produtivas, com bom desenvolvimento e sem pragas e doenças. Os ramos a serem utilizados são os de crescimento ortotrópicos, localizados junto ao tutor. Os ramos são retirados cortando-se com tesoura de poda aproximadamente um metro do solo, sendo a época ideal para ser retirado é após um período de chuva de preferência antes da floração.

  Tratamento das estacas Em seguida as estacas são preparadas com três a cinco nós tratados com uma solução de Benlate na concentração de 0,1 % (1g do produto/ 1 litro de água), de produto comercial, mergulhadas durante 10 a 20 minutos.

  Enviveiramento das estacas Após o tratamento, as estacas são enviveiradas em leitos de areia ou cascas de arroz carbonizadas, devendo as estacas ser enterradas em posição inclinada, ficando de 1-3 nós, sob solo, dependendo do tamanho da estacas. Depois de 30 a 45 dias as estacas já estarão enraizadas, prontas para serem plantadas no local definitivo.

  Cuidados com o viveiro:

5.2. Preparo de Mudas sadias através de estacas herbáceas

A EMBRAPA-Belém está desenvolvendo um novo método de produção de mudas sadias, para áreas que estão atacadas pela Fusariose. Para

produção de mudas herbáceas, foi desenvolvido o método rápido de propagação de pimenta-do-reino, que consiste nas seguintes etapas:

Instalação

sombreadas.

de

campos

de

produção

de

mudas em espaldeiras

  Retirada das estacas

  • - - Inicialmente escolhe-se no pimental as plantas matrizes, não afetadas por pragas e doenças, retira-se somente a parte apical, o broto acompanhado de 08 nós.

  • - - Após isso, são preparadas da parte apical, muda de 01, 02 ou 03 nós, deixando apenas 01 folha, a que corresponde ao último nó.

  • - -

Obs:

As estacas

de

02 nós

são

as

mais vantajosas, pois economizam

material e facilitam o manejo e plantio nos sacos plásticos.

  Tratamento das estacas

  • - - Antes de as mudas serem plantadas deve ser realizado o tratamento com Benlate na dosagem de 1g/l de água e deixadas mergulhadas por 01 hora.

 

Preparo das mudas

  • - - Para o plantio das pimenteiras, são preparados canteiros de 4 metros de comprimento por 0,5 metros de largura e 0,4 metros de profundidade, adotando-se o espaçamento reduzido de 30cm entre plantas. A adubação deve ser feita de acordo com a análise do solo, mas para o solo de baixa fertilidade como o Latossolo Amarelo, recomenda-se a seguinte adubação: 200 l. de esterco de curral ou 66 l. de esterco de galinha, 10 Kg de calcário dolomítico.

  • - - De 30 em 30 dias deve ser feita uma adubação nas matrizes usando 200g de Termofosfato, 20g de Cloreto de Potássio e 25g de Uréia até os 05 meses.

  • - - Após 06 meses de plantio deve ser iniciada a retirada dos ramos das plantas matrizes, da mesma forma como foi citado faz-se o tratamento preventivo com fungicida conforme a recomendação anterior.

  • - - As estacas são colocadas para enraizar em canteiros com 20cm de altura, 1 metro de largura e comprimento a depender da quantidade de mudas necessárias.

  • - - O substrato utilizado para o enraizamento dessas estacas pode ser areia ou casca de arroz carbonizadas.

  • - - Ao colocar as estacas para enraizar a inserção da folha deve ficar ligeiramente abaixo da superfície.

  • - - O início da emissão das raízes se dá entre 20 a 40 dias, época em que as mudas são transplantadas para os sacos, onde permanecem de 02 a 06 meses até serem levadas para o campo.

- - O substrato utilizado para o enraizamento dessas estacas pode ser areia ou casca de

Faça um resumo das principais etapas para o preparo das mudas herbáceas:

6-PLANTIO

6.1. Escolha da área

Na escolha da área para implantação do pimental, devem ser observados

alguns critérios importantes para o bom desenvolvimento da cultura:

  _______________________________________________

  _______________________________________________   _______________________________________________

6.2- Preparo da área Um bom preparo de área é condição básica para a formação de pimental.   Coloque de que forma poderia ser realizado o preparo da área:

um

6.3. Marcação e piqueteamento

Atualmente o espaçamento mais definido entre os pipericultores é de 2,5m x 2,5 m. Apesar disso, trabalhos realizados pela EMBRPA demonstrados maior economicidade quando se utiliza espaçamentos de 2 x 2 m com tutor de 2,5 m acima do solo.

  Vamos calcular a quantidade de mudas de pimenta necessárias para

plantar 01 hectare, anteriormente:

para

cada um dos

tipos de espaçamento citados

Espaçamentos

Número de plantas por hectare.

2,5 m x 2,5 m

 

2,0 m x 2,0 m

 

  Dos espaçamentos citados, qual você acha utilizado no plantio da pimenta? Explique?

mais adequado para ser

_______________________________________________________________

_______________________________________________________________

________

_______________________________________________________________

____

6.4.Fincamento das estações preparo de covas

 

Estacões

A pimenta por ser uma planta trepadeira, necessita de um tutor que lhe sirva de apoio e fixe as raízes. Para tal recomenda-se à utilização de estacões de 3,00 m a 3,20 m, devendo ser enterrado meio metro.

 

Em nossa

região qual o

estacões? Por que?

tipo de

madeira adequado para fazer os

_______________________________________________________________

_______________________________________________________________

________

Está sendo testado e adaptado pela EMBRAPA um novo médoto de cultivo, para a região Amazônica, sendo utilizado tutores vivos com Gliricídia e Nim. As espécies citadas são de crescimento rápido, tolerante as podas, pouco concorrentes com a pimenteira e já adaptadas às condições climáticas da região. A Gliricídia é facilmente reproduzida por sementes e por estacas, e a Nem através de sementes. Após oito meses de plantio no campo, ambas crescem em média 1,96 m de altura e estão aptas para receberem o plantio lateral das pimenteiras.   Você conhece em nossa região algum tipo de planta que tenha

crescimento rápido e tolerante a poda, tutor vivo?

que

poderia ser utilizada como

 

Abertura de covas

Após o fincamento dos estacões, deve-se proceder à abertura de covas para o plantio. As covas devem ter a dimensão de 40 x 40 m e devem ser abertas fase aos tutores. Na cova pode ser colocados 10 litros de esterco de curral bem curtido, ou composto orgânico. A adubação química das covas deve ser feita conforme o resultado de análise de fertilidade do solo.

- - Qual a importância de se fazer uma cova do tamanho adequado?   Em
  • - -

Qual a importância de se fazer uma cova do tamanho adequado?

 

Em nossa região qual é época do ano mais adequada para o plantio da

das mudas de pimenta. Por que?

A

distância

das

mudas

em

relação

ao

tutor

deverá

ser

de

aproximadamente 10 cm e as mudas devem ser plantadas do lado leste (nascente) do estacão em posição inclinada, tendo sua parte superior voltada para o tutor.

  Cuidados após o plantio:

______________________________

______________________________

______________________________

______________________________

______________________________

__________

PLANEJAMENTO DE PLANTIO DE PIMENTA DO REINO:

1-

1-

Escolha da área

- - Qual a importância de se fazer uma cova do tamanho adequado?   Em

3-Preparo das mudas e cuidados com o viveiro:

3-Preparo das mudas e cuidados com o viveiro: 4 – Cuidados com as mudas 5-Espaçamento utilizado

4 Cuidados com as mudas

5-Espaçamento utilizado e número de plantas por ha.

3-Preparo das mudas e cuidados com o viveiro: 4 – Cuidados com as mudas 5-Espaçamento utilizado

6-Preparo dos tutores e das Covas:

7-Plantio:

7- TRATOS CULTURAIS:

 

Limpeza da área;

A pimenta do reino possui sistema radicular superficial, no momento da limpeza da área deve ser tomados alguns cuidados para não atingir as raízes pois facilita a entrada de doenças;

 

Coloque na sua opinião como deve ser realizada a limpeza da pimenta-

do-reino.

 

Poda de Formação:

Consiste na eliminação do broto terminal, a fim de forçar a brotação dos ramos de frutificação (ramos laterais), para formação da planta. Em sua opinião qual a época para ser feita a primeira poda de formação:

 

Poda de Limpeza:

Devem ser retirados os ramos

ladrões, pois os

mesmos não

frutificam e prejudicam a formação

da planta.

7- TRATOS CULTURAIS:   Limpeza da área; A pimenta do reino possui sistema radicular superficial,
7- TRATOS CULTURAIS:   Limpeza da área; A pimenta do reino possui sistema radicular superficial,

  Cobertura morta:

Estudos realizados sobre a pimenta-do-reino tem demonstrado os resultados positivos da cobertura morta no desenvolvimento da pimenteira. Esse efeito ocorre devido a proteção do solo contra a ação das chuvas, aumento da matéria orgânica, manutenção da umidade e temperatura do solo, redução da erosão do solo.

  Que tipos de materiais poderiam ser utilizados como cobertura morta:

8- ADUBAÇÃO DA PIMENTEIRA

8.1. Adubação química

A pimenteira é uma cultura bastante exigente em nutrientes, quando não é realizado um bom manejo do solo, pode ocorrer problemas com a nutrição

da planta.

Trabalhos desenvolvidos pela EMBRAPA tem demonstrado que a adubação para cada área deve ser feita com base nos dados da análise de solo. Estudando o teor e distribuição de macronutrientes em pimenteira, demonstrou que os elementos estudados obedecem a seguinte ordem quanto a quantidade existente na pimenteira.

Potássio- Sódio- Cálcio- Magnésio - Fósforo

De acordo com esse resultado e testes de adubação com Nitrogênio - Potássio- Fósforo, desenvolvido pela EMBRAPA, recomenda-se a seguinte adubação para pimenteira:

Fertilizante

1

0 Ano

2

0 Ano

3 0 Ano em diante

Superfosfato Triplo(g/por planta)

50

  • 100 200

 
 

40

  • 100 200

 

Cloreto de Potássio (g/por planta) Uréia (g/por planta)

65

  • 130 250

 

 

A adubação nitrogenada e potássica deve ser parcelada três vezes em

cobertura no intervalo de 45 dias em cada ano de cultivo, iniciando-se no início do período chuvoso.   A adubação fosfatada deve ser aplicada de uma só vez em cobertura, juntamente com a primeira aplicação a partir do segundo ano pois no primeiro ano as dosagens são colocadas nas covas de plantio ..

 

No início das chuvas deve-se também proceder a adubação orgânica na

cova todo o ano. Como sugestão fazer a aplicação de 10 litros de esterco de curral curtido.

  • 8.2. Alternativas de Adubação

Existe algumas alternativas para resolver os problemas com nutrição da pimenteira :

  Adubação orgânica Vamos colocar quais os tipos de adubos orgânicos que podem ser colocados na pimenteira, e suas dosagens:

 

  Adubação Verde:

  Vamos colocar quais os tipos de plantas que poderiam ser utilizadas como adubos verdes:

  De que forma seria realizado o plantio e o manejo:

9- DOENÇAS DA PIMENTA DO REINO:

Em função da expansão da cultura, e ao uso da monocultura, surgiram vários problemas com doenças, que prejudicam seriamente o desenvolvimento da cultura em nossa região.

  • 9.1. Fusariose

A fusariose é a doença mais séria da Pimenta do reino, sendo um fator

limitante para o desenvolvimento da cultura a nível nacional, sendo detectada no Município de Tomé-Açu em 1962, causando sérios danos à cultura.

A doença é causada pelo fungo Fusarium solani, podendo ser propagada pelo solo e pela parte aérea da planta através de chuvas e ventos, vamos conhecer um pouco mais sobre as formas de ataque e os sintomas que o fungo causa nas plantas:

 

Podridão das raízes

Quando o ataque inicia pelas raízes a planta apresenta os seguintes

sintomas:

  • - - Murchamento e podridão da raiz principal e raízes secundárias.

  • - - Folhas amarelas caem prematuramente, ocorrendo também queda de frutos.

  • - - Os entrenós ficam amarelos e se desprendem dos nós um após outro, ficando a planta com folhagem esparsa, até secar totalmente.

  Ataque pela folhagem

  • - - Pimenteiras vigorosas, apresentam um ou dois ramos amarelecidos.

  • - - Na base dos ramos de crescimento, ocorre lesão escura que evolui rapidamente para os tecidos mais jovens.

  • - - No estágio final podem aparecer, pode surgir uma exsudação escura nas partes lenhosas do caule.

  Faça um resumo sobre os sintomas da fusariose na Pimenta- do - reino:

_______________________________________________________________

_______________________________________________________________

________

_______________________________________________________________

_______________________________________________________________

________

Vamos conhecer algumas alternativas de controle:

  Práticas Culturais Como medidas de controle recomenda-se certos cuidados no manejo da

cultura visando reduzir os danos causados pela doença:

  • - - Evitar áreas com solos muito úmidos.

  • - -

Implantar a cultura em área distante de pimentais atacados por doenças.

  • - - Para locais que tenha ocorrido a doença, fazer rotação com outras cultura e esperar pelo menos cinco anos para cultivar a pimenta - do- reino.

  • - As mudas devem ser retiradas de pimentais sadios sem doenças.

-

  • - Fazer tratamento das estacas que darão origem a novas mudas,

-

  • - - Evitar ferimentos nas raízes e outras partes da planta

  Quais outros cuidados que poderiam ser realizados:

  Controle Químico Como controle preventivo da doença pode ser feito o controle com fungicida, aplicando Benlate ou thiabendazol na proporção de 1 ml ou 1 grama do produto por litro de água, com aplicação a cada 60 dias.

9.2. Queima do fio das folhas

Causado pelo fungo Pellicularia Koleroga que ocasiona queima das folhas, ramos novos e frutos, apresenta um emaranhado semelhante a uma teia, em que a folha permanece presa ao ramo por uma espécie de fio. O seu controle deve ser feito através de fungicidas cúpricos como o óxido cuproso, na proporção de 3 gramas de produto/ 01 litro de água Existem outras doenças que atacam a pimenta, porém as que causam maiores danos econômicos em nossa região são as citadas anteriormente.

10- PRAGAS

Em nossa região, ocorreu o ataque de um inseto não identificado, como praga da Pimenta-do-Reino, até o momento sua área de ataque parece restrita a região da Transamazônica, e sua forma de ataque foi observada pelos próprios produtores e alguns técnicos que atuam na região.

 

Forma de ataque

O inseto é um besouro da família dos coleopteros que perfuram os caules e os nós dos ramos e colocam seus ovos. Após a eclosão dos ovos, as lavras fazem galerias no caule e nas hastes e as partes atacadas murcham ficam escuras e morrem.

 

Como controlar

Até o momento não existe forma de controle eficiente, porém podem ser usados inseticidas sistêmicos.

 

Vamos pesquisar, quais tipos de inseticidas sistêmicos podem ser

utilizados no controle da broca:

Tipo de inseticida

dosagem

   
   

  Cuidado com o uso dos fungicidas e inseticidas:

11- COLHEITA E BENEFICIAMENTO

A colheita da pimenta-do-reino é manual, colhendo-se espiga por espiga, quando as espigas estão com os grãos bem firmes e a casca começando a amarelar.

11.1 Beneficiamento

 

Pimenta preta

Após colheita é feita a debulha manual ou mecânica, em seguida secar no sol em lona ou terreiro de alvenaria, para um bom rendimento a pimenta deve ser debulhada no mesmo dia, pois pimenta fermentada perde peso e qualidade. Dependendo da intensidade do sol a pimenta seca em três a seis dias, o rendimento da pimenta preta em relação ao peso do fruto colhido é em média de 30% a 35%

  Conclusão:

 

Pimenta Branca

Os frutos maduros são debulhados e ensacados. Em seguida são mergulhados em água corrente por oito a 12 dias após esse período é retirada a

polpa deixando somente os grãos. Após essa operação e realizado a secagem normalmente.

 

Secador solar

Alguns produtores na região de Altamira, buscaram alternativa para o beneficiamento da pimenta e estão usando secador solar, que facilita o trabalho e melhora a qualidade da pimenta, podendo ser usado para secar

café e urucum. O Secador solar pode ser construído nas seguintes dimensões:

  • - - 23 metros de comprimento.

  • - -

2 metros de largura, ficando a 1 metro do chão.

  • - - Com essas dimensões, a armação é construída em madeira e em seu interior são colocadas de 10 linhas de arame liso sendo coberto com tela de janela por cima.

  • - - Com esse modelo o rendimento é de uma tonelada em 2 a 3 dias.

 

Ventilação

Após a secagem da pimenta, quando o produto atinge 14 a 16% de umidade, o produto passa por um processo de ventilação, onde são eliminadas as impurezas.

  Coloquem quais os principais cuidados que se deve Ter no momento do beneficiamento da pimenta-do-reino:

12- PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES

12.1. Custos

Especificação Und. Qtd. Valor unitário Valor Total (R$) (R$) 1- Preparo de área -Broca -derruba -
Especificação
Und.
Qtd.
Valor unitário
Valor Total
(R$)
(R$)
1- Preparo de área
-Broca
-derruba
-
Queima
-
Coivara.
Sub-Total
2- Insumos
Sub-Total
3- Plantio
Sub-total
4- Tratos culturais
Capina
Sub-Total
5-Colheita
e
beneficiamento
6- Transporte.
Sub-total
Total Geral
Total Geral

12.2.Produção

Especificação

Quantidade

Valor

Valor Total.

( Kg)

Unitário.

( R$)

(R$)

Pimenta Comercializada

     
       

12.3.Renda da atividade

Valor comercializado

Custos da produção

Renda das atividades (venda - custos)

     

13 ATIVIDADES

Com base em nossos conhecimentos vamos fazer um planejamento para tentar controlar a infestação de fusariose em um Pimental de 5 anos e aumentar a produtividade:

Faça um planejamento para evitar a infestação de fusariose em um pimental que está sendo implantado:

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA PARA ELABORAÇÃO DA FICHA.

ALBUQUERQUE, F.C. et al. Pimenta-do-reino: Recomendações básicas para Cultivo. Belém, EMBRAPA-UEPAE.1989.

GUIA RURAL ABRIL. São Paulo. Editora Abril. 1989.