Vous êtes sur la page 1sur 5

Didáxis - Escola Cooperativa de Vale de S. Cosme

Filosofia

Didáxis - Escola Cooperativa de Vale de S. Cosme Filosofia Ano 2009/2010    

Ano 2009/2010



O Filósofo da justiça

   O Filósofo da justiça Trabalho realizado por: Ana Rita Freitas Guerreiro João

Trabalho realizado por:

Ana Rita Freitas Guerreiro

João Pedro Oliveira Costa

5268

5315

 O Filósofo da justiça Trabalho realizado por: Ana Rita Freitas Guerreiro João Pedro Oliveira Costa

Didáxis - Escola Cooperativa de Vale de S. Cosme

Ano 2009/2010



John Bordem Rawls nasceu em Baltimore, Maryland a 21 de Fevereiro de 1921. Foi o segundo de cinco filhos de William e Anna Abell Stump. Rawls foi aluno da escola de Baltimore por um curto período de tempo, tendo transferir-se para Kent School em Connecticut. Uma vez graduado, em 1939, Rawls frequentou a Universidade de Princeton, onde despertou o seu interesse por filosofia, e foi eleito para o The Ivy Clube. Em 1943, concluiu seu Bachelor of Arts. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele presenciou as consequências do bombardeio sobre Hiroshima. Devido a essa experiência, Rawls recusou uma oferta para converter-se num oficial, deixando a armada em 1946. A partir de então, vai para Princeton para obter o doutoramento em filosofia moral.

Rawls casou com Margaret Fox, esta tinha-se graduado da Universidade Brown em 1949.

Depois de obter seu doutoramento em Princeton no ano de 1950, Rawls leccionou durante dois anos. Após retornar aos Estados Unidos, trabalhou como assistente e depois como professor associado na Cornell University. Em 1962, converte-se em professor de filosofia de na referida universidade. Em 1964 transferiu-se para a Universidade de Harvard, onde ensinou durante quarenta anos, e onde preparou a muitas das contemporâneas figuras que lideram hoje em dia a filosofia política e moral, Thomas Nagel, David Lyons, Thomas Hill, Joshua Cohen, Christine Korsgaard, Elizabeth S. Anderson, e Barbara Herman.

Rawls sofreu o primeiro de muitos AVCs em 1995, o que lhe impossibilitou de continuar a trabalhar. Mesmo assim, completou um trabalho titulado O Direito das Gentes, que contém a declaração mais completa de suas perspectivas sobre a justiça internacional, antes de sua morte em novembro do 2002.

Didáxis - Escola Cooperativa de Vale de S. Cosme

Ano 2009/2010



A Teoria da Justiça

A justiça é um dos temas que mais reflexão originou na filosofia, como pensamento contemporâneo. Nos nossos tempos, coloca-se os direitos do Homem e do Estado de direito como algo de fundamental para o ser humano e, como tal, a justiça é um ponto fulcral para que os direitos se façam cumprir.

Rawls desenvolveu uma minuciosa teoria da justiça que tem como princípio a liberdade. O objecto da teoria são os princípios de justiça, ou seja, as escolhas que indivíduos racionais fariam acerca dos próprios direitos e deveres, deliberando sob um véu de ignorânciaou sem conhecer a própria posição na sociedade e as próprias dotações naturais e sociais. Segundo o primeiro princípio de justiça, o sistema das liberdades de cada um deve ser o mais amplamente possível de ser adoptado com o sistema das liberdades do outro. Este princípio tem a prioridade sobre o segundo que é o princípio de diferença, que diz respeito à igualdade distributiva. (Pode-se fazer duas distinções relativamente ao termo justiça: a justiça correctiva, que respeita a igualdade de cada um, e a justiça distributiva, que aplica o princípio de proporcionalidade na repartição das vantagens tendo em conta os méritos de cada um.)

John Rawls, fiel a Aristóteles, estabeleceu como os dois princípios básicos da justiça os mesmos que Aristóteles: o princípio da igualdade e o princípio da equidade. Para ele, os indivíduos racionais constroem livremente uma sociedade justa, sem ter conhecimento das posições que cada um terá nessa sociedade, mas somente tendo determinação em relação aos dois princípios, dando um carácter de maior importância à justiça em detrimento da organização ou estabilidade dessa sociedade. O segundo princípio poderia ser visto como o princípio da diferença, onde as desigualdades sociais seriam aceitáveis. Ou seja, a justiça implica igualdade num plano de liberdade possível, mas não exclui as diferenças de estatutos socioeconómicos. Este pensamento de Rawls gerou bastantes polémicas.

Didáxis - Escola Cooperativa de Vale de S. Cosme

Ano 2009/2010

Rawls afirma a prioridade da liberdade relativamente à igualdade, que ele, no entanto, procura tornar compatível com a mesma, referindo ser esta uma igualdade de direitos ou “liberdade igual”. E é esta solução do conflito entre liberdade e igualdade que torna possível a formulação do terceiro princípio, “a fraternidade democrática” O estudo da “justiça como igualdade, formulada por Rawls pode contribuir no desenvolvimento de ideias e programas políticos, capazes de propor uma maior justiça social articulada com a plena afirmação das liberdades de escolha individual.

Nota: Equidade é um sinónimo de Igualdade, justiça ou imparcialidade que consta no dicionário da língua portuguesa

Quadro Resumo:

OS PRINCÍPIOS DA JUSTIÇA

JUSTIÇA COMO EQUIDADE

Primeiro princípio: Cada pessoa deve ter um direito igual ao mais abrangente sistema de liberdades básicas iguais que seja compatível com um sistema semelhante de liberdades para as outras. Segundo princípio: As desigualdades económicas e sociais devem ser ordenadas de tal modo que sejam ao mesmo tempo consideradas como vantajosas para todos dentro dos limites do razoável e vinculadas a posições e cargos acessíveis a todos.

A concepção geral da justiça, a justiça como equidade, que representam estes dois princípios consiste em que todos os bens primários sociais liberdade e oportunidade, renda e riqueza, e as bases do respeito de si devem ser repartidos igualmente, a menos que uma repartição desigual do todo ou de uma parte destes bens favoreça o mais desfavorecidos.

Para concluir podemos afirmar que Rawls procura conciliar a igualdade social, eficácia económica e liberdade política, reafirmando aprioridade da justiça sobre o bem- estar.