Vous êtes sur la page 1sur 2

Nome – Priscila A.

Custódio – NºUSP 8567810 – Período Noturno
Prosa Russa I
Resenha – “Da Insignificância da Literatura Russa”, Alexandr Púchkin
A Rússia não teve em sua formação cultural, nenhuma fase que pudesse se comparar ao
Renascimento, não teve nenhum equivalente às novelas de cavalaria, não teve a experiência benéfica ou não - das cruzadas. Em contrapartida, sua contribuição - segundo Púchkin, foi a
de barrar o avanço do Império Mongol em direção à Europa Ocidental, o que possibilitou,
pelo menos em sua opinião, que todos os avanços relacionados com o Iluminismo tenham
sido possíveis.
Neste jogo de resistência entre jugo e identidade nacional, aristocracia e boiardos, o clero
teve uma parte fundamental ao manter a cultura bizantina protegida nos mosteiros.
Pedro, o Grande lançou as bases para uma aproximação com a Europa Ocidental, tanto
economicamente, quanto culturalmente, porém até aquele momento, pouco havia sido feito
pela literatura. Os primeiros poetas começavam a produzir - os primeiros frutos do contato
renovado com a Europa começavam a surgir.
Todas as literaturas nacionais passam por um estágio de encubação, e para a literatura russa, o
paralelo que mais frequentemente pode se fazer é com se dá com a produção literária
francesa. Neste ponto, Púchkin entrega sua reflexão completamente ao desenvolvimento
desta literatura, informando ao leitor quanto aos processos que tornaram a poesia, prosa e
filosofia francesas, o ponto de referência para o desenvolvimento das literaturas europeias em especial da russa no século XVIII.
A forma elevada da poesia era de grande apreciação na corte russa - e da mesma forma que a
poesia francesa procurava encontrar seu caminho em meio aos modelos clássicos, a
linguagem poética russa procurava se desenvolver. A "pobreza da língua" foi um ponto de
argumentação comum entre as duas literaturas, a forma foi bastante discutida e o seu
desenvolvimento mais refinado foi proporcionado por pontos de sustentação comuns para
ambas as literaturas - o clero, a nobreza e a aristocracia.
As grandes aristocracias só poderiam reclamar seu lugar na história quando este
desenvolvimento cultural estivesse completo - na França, houve o patrocínio do Estado, em
troca de adulações, na Rússia, a facilitação da educação de sua nobreza na Europa.
A satisfação da corte estaria diretamente conectada com a capacidade desses agentes em
cumprir sua atribuição. Foi exatamente da transgressão deste relacionamento - novamente,
em ambos os casos - que surgiu sua literatura mais marcante e refinada.
Púchkin, além de grande patrono da Literatura Russa, profetiza - assim como na antiga
literatura francesa, ainda não havia nada a se dizer, porém foi construída uma grande
literatura, que para os russos efervesceu no século XIX, um século depois dos franceses. Foi
dado um passo a frente, exatamente no momento em que a poesia francesa encontrava seu
momento de baixa, a poesia russa encontra sua linguagem com o próprio Púchkin e a prosa

. passa a carregar o estandarte desta literatura.russa .no exato momento de composição deste ensaio.