Vous êtes sur la page 1sur 15

2° Projeto

Sociocultural Hip-
Hop Torres

1
Por: Guilherme Luan de Lima da Luz (Jay Flow)
Data: 15/05/20010

Sumário

1. Introdução
2. Objetivos
2.1 Objetivo Geral
2.2 Objetivos Específicos
3. Justificativa
4. Parceiros
5. Metodologia
5.1 O Hip-Hop Torres
5.2 Basquete de Rua
5.2 A - Inscrição
5.2 B - Categorias
5.2 C - Alojamento
5.2 D - Os Jogos
5.2 E - Premiação
6. Recursos Utilizados
6.1 Recursos Materiais e Financeiros
7. Resultados Esperados
8 - Avaliação
9 - Anexo
10 - Bibliografia
11 - Agradecimentos

2
1. INTRODUÇÃO
O Hip-Hop é um movimento de cultura juvenil que surgiu nos Estados
Unidos, nos últimos anos da década de 1960, unindo práticas culturais dos
jovens negros e latino-americanos nos guetos e ruas dos grandes centros
urbanos. O movimento é constituído pela linguagem artística da música
(RAP - Rhythm and Poetry, pelos Rappers e DJs), da dança (o Break) e da
arte plástica (o Graffiti).
No Brasil do final dos anos 80, o movimento hip-hop, especialmente o
ritmo musical Rap, tornou-se para os jovens das periferias urbanas um
meio fecundo para mobilização e conscientização. Muitos grupos de
Rappers foram criados, ocupando um espaço de articulação e atuação no
campo social, para reivindicar o direito de ser cidadão, participar do
mercado de trabalho e para lutar contra a violência e a discriminação. Esses
grupos são organizados por Rappers, DJs, Grafiteiros e Breakers de uma
mesma região.
Assim, os grupos de Rap começaram a alcançar visibilidade no início dos
anos 90 no Brasil, sendo caracterizados por ações coletivas bem definidas
de conscientização política e exercício da cidadania. Esses grupos de Rap
mantêm contatos com entidades do movimento negro (do Brasil e do
exterior), participam de eventos, simpósios e congressos promovidos por
essas entidades, e se propõem a trabalhar com a questão racial, a pobreza,
as drogas e a violência da sociedade brasileira; e incentivam e procuram
conhecer as biografias de personalidades negras, elaboram panfletos com o
resumo destas biografias e as distribuem nos pontos de encontro da
juventude pobre e negra.
O movimento Hip-Hop está progressivamente tomando força em muitas
cidades de todas as regiões do Brasil, desenvolvendo-se principalmente nas
comunidades mais carentes, transformado a vida de muitos jovens por meio
do lazer e arte em forma de luta e resistência às dificuldades do dia-a-dia.
Atualmente, o Hip-Hop tem sido trabalhado em diversos Projetos Sociais e
Educativos por todo país, enfocando seus mais variados aspectos: dança,
identidade racial, arte, luta social, lazer, educação, preparação física e
filosofia de vida.
Sabendo disso, propomos que a Prefeitura Municipal, por intermédio da
Secretaria Municipal de Cultura, realize o “Segundo Hip-Hop Torres”
como uma forma de valorizarmos essa prática cultural tão marcante em
nossa cidade.
Destacamos que essa proposta se espelha em inúmeros trabalhos de
destaque realizados por instituições públicas e privadas e por Organizações
Não Governamentais (ONG) de todo país, especialmente do Projeto
Semana Hip-Hop aprovado pelo excelentíssimo deputado estadual Raul
Carrión, em Porto Alegre.

3
2. OBJETIVOS
2.1 OBJETIVO GERAL

- Promover a segunda edição do “Hip-Hop Torres” como um evento


democrático de ampla participação popular que incentive o Rap, a Dança
de Rua, o Graffiti e o Basquete de Rua como expressões artísticas,
contribuindo para a difusão cultural e desenvolvimento regional.
2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

- Mostrar a cultura do Hip-Hop nos seus mais variados aspectos: dança e


arte, lazer, esporte, luta social, educação e filosofia de vida;
- Possibilitar a apresentação dos grupos de Hip-Hop (Rappers, DJ´s,
Grafiteiros e Breakers), existentes no município, região e capital,
promovendo o desenvolvimento de habilidades musicais de crianças e
jovens de nossa cidade;
- Unir o esporte (basquete de rua) ao ritmo do Hip-Hop, e fazer com que os
muitos jogadores de “streetball”, ou basquete de rua, ganhe espaço para se
destacar.
- Difundir valores éticos e morais relacionados ao Hip-Hop, incentivando a
capacidade de auto-expressão, reforçando a auto-estima e promovendo o
exercício da cidadania através do respeito ao patrimônio cultural e
ambiental de nossa região;
- Promover o intercâmbio entre os grupos de Hip-Hop e a renovação dos
movimentos culturais de nosso município;
- Resgatar, através do Hip-Hop, os talentos e o bom gosto pelos eventos
que venham enriquecer a cultura local;
- Proporcionar aos adeptos da cultura Hip-Hop a oportunidade de serem
vistos e reconhecidos por seus talentos;
- Tornar tradicional a execução deste “Hip-Hop Torres” em todos os anos.

3. JUSTIFICATIVA
Acreditamos que a realização do “Segundo Hip-Hop Torres” servirá como
um momento de entretenimento familiar e de promoção cultural, no qual as
famílias de nossa cidade poderão estar presentes para se divertirem de
forma saudável.
Além disso, a participação de crianças e adolescentes em um evento
artístico pode servir como meio de aprendizagem prazerosa, para o
desenvolvimento da consciência cidadã e para a promoção da arte popular.
É sabido que a prática de esportes e das artes é relevante para o
desenvolvimento da criança, pois por meio deles se estabelecem limites
sociais e há a transferência de saberes. Isso viabiliza a possibilidade de
4
estruturação da personalidade e da socialização, por que permite que o
indivíduo se conheça melhor e aceite mais facilmente seu semelhante.
Diversos estudos têm demonstrado os valores positivos da cultura Hip-Hop
no Brasil e em outras partes do mundo. O movimento Hip-Hop, originado
da necessidade de sociabilidade de jovens das periferias de grandes centros
urbanos, oferece ao espaço urbano (bairros, ruas, esquinas, escolas etc.)
elementos de identificação e formação para adolescentes, que se traduzem
na resistência à ideologia dominante, discriminadora e mercadológica, que
constitui a indústria cultural e seus símbolos.
O processo educativo não-formal e informal que acontece no Hip-Hop gira
em torno da criação de novos espaços e modos de existir dos moradores da
periferia na sociedade brasileira. Esses novos espaços criados pelos jovens
que constituem o movimento Hip-Hop brasileiro ajudam a construir uma
outra visão sobre a vida dos adolescentes, permitindo que eles se vejam
como protagonistas de ações propositivas que contribuam para soluções
dos problemas de nossa sociedade ou para transformação da ordem social.
Além disso, acreditamos que um “Hip-Hop Torres”, ao entrar no calendário
cultural local, poderá promover o desenvolvimento regional,
principalmente pela atração de participantes e turistas. A chegada de
pessoas para participarem desse evento movimentará a rede hoteleira da
cidade e o setor de serviços e vendas, conforme mostram algumas
experiências bem sucedidas em outras localidades de nosso país.

4. PARCEIROS
O “Projeto Hip-Hop Torres” será executado pela Prefeitura Municipal e
contará com a parceria de diversas instituições.
Para que boas mudanças aconteçam em nossa sociedade não podemos ficar
esperando ações isoladas do poder público, o que nos leva a acreditar na
união de diversos seguimentos de nossa comunidade para juntos fazermos a
diferença. Assim, essa proposta buscará a união e apoio de todos,
especialmente daqueles abaixo relacionados.
- Secretaria Municipal de Cultura;
- Secretaria Municipal de Educação;
- Secretaria Municipal de Esporte;
- Rádios e Programas de Televisão Locais;
- ONGs e empresas estabelecidas no município.
No próximo capítulo serão apresentadas as ações propostas pelo presente
Projeto, quando serão detalhados quando e onde cada um dos citados
parceiros estará atuando e colaborando

5
5. METODOLOGIA
Nesse tópico apresentamos em duas partes a estruturação metodológica do
“Segundo Hip-Hop Torres” que envolverá o evento de apresentação de
diversos grupos ligados a cultura hip-hop do município e região.
O “Hip-Hop Torres” terá um espaço democrático e motivador da cultura e
cidadania, onde associações, academias, instituições públicas, empresas e
grupos independentes de nossa cidade e região possam mostrar seus
trabalhos a comunidade e familiares.
Esse evento será organizado pela Prefeitura Municipal, por meio da
Secretaria Municipal de Cultura. Assim, a Secretaria Municipal de Cultura
lançará o “Segundo Hip-Hop Torres”, através da publicação de Edital
contendo informações sobre a data de abertura e encerramento das
inscrições, local de realização do evento, as regras de participação, os
valores da premiação, entre outras coisas.

5.1 O HIP-HOP TORRES

O “Segundo Hip-Hop Torres” terá duração de três dias, de sexta-feira a


domingo, e nesse período a equipe responsável organizará paralelamente o
evento direcionados a crianças, adolescentes e a comunidade em geral.
O evento ocorrerá no turno da tarde de sexta-feira e sábado das 14h00min
às 19h30min horas, e domingo das 09h00min as 12h00min e 14h00min as
19h30min, e serão de participação livre, sem cobrança de taxa de
inscrição.
O "Segundo Hip-Hop Torres" será realizado na Praça Pinheiro Machado,
sob supervisão de profissionais das Secretarias Municipais de Cultura, de
Esportes e de Educação, e contarão ainda com a presença de Rappers, DJs,
Grafiteiros, Breakers e Palestrantes experientes de nosso município e
capital.
No “Segundo Hip-Hop Torres” será desenvolvido atividades culturais,
palestras, debates e exibições de documentários sobre o universo Hip-Hop.
Por meio desse trabalho esperamos estimular a aprendizagem, a criação de
letras e músicas da cultura Hip-Hop com temas desenvolvidos pelos alunos
de nosso município, a formação e fortalecimento de grupos de Dança de
Rua e Basquete de rua, e melhor reconhecimento da cultura hip-hop como
uma forma de incentivo a melhoria na qualidade de vida dos jovens por um
todo.
A arte do Graffiti será mostrada como uma maneira de valorização dessa
cultura, em contraposição ao vandalismo das pichações que tanto degradam
o patrimônio público e privado de muitas cidades.

6
Ao final do evento será fornecidos certificados aos participantes.
Recomenda-se que o líder do Grupo de Dança de Rua fique responsável
pela obtenção dos certificados na Secretaria Municipal de Cultura.
5.2 BASQUETE DE RUA.

O Basquete de Rua no "Segundo Hip-Hop Torres" será dividido em 03


etapas: (1) Fase de Inscrição, (2) Classificatória e (3) Fase Final. Essas 03
fases ocorrerão em seqüência, sendo que será pré-requisito o cumprimento
da primeira fase para a participação nas fases seguintes.

Logo a seguir serão apresentadas com detalhes as informações e regras


norteadoras do “Segundo Hip-Hop Torres”, que deverão constar no Edital
de abertura do evento, a ser publicado pela Secretaria Municipal de
Cultura.
A - INSCRIÇÃO
A “Fase de inscrição” está prevista para ocorrer-nos 30 (trinta) dias que
antecederem o evento. O evento propriamente dito terá duração de três
dias, de sexta-feira a sábado das 14h00min as 19h30min horas e domingo
das 09h00min as 12h00min e 14h00min as 19h30min, em data a ser
divulgada no Edital.
O time formado deve ser de 4 (quatro) jogadores, sendo 1 (um) reserva e os
atletas deverão vestir tênis e calção apropriado para o esporte.
A “Classificatória” irá ocorrer no sábado e na manhã de domingo. Já, a
“Fase Final” ocorrerá no domingo no turno da tarde.
Os interessados em participar poderão fazer suas inscrições pelo site ou na
própria sede da Secretaria Municipal de Cultura, através do preenchimento
de uma ficha. Para a inscrição será necessário preencher a ficha de
inscrição, com indicação do RG e CPF. Além disso, cada participante e ou
responsáveis por participantes menores de idade, deverá levar junto com a
inscrição 01 (um) quilo de alimento não perecível.
Vale destacar que o líder de um trio do Basquete de Rua poderá realizar a
inscrição de todos os integrantes de sua equipe.
A Ficha de Inscrição deve ser entregue digitada, sem rasuras e com os
nomes (de batismo) dos participantes em ordem alfabética. Em anexo à
Ficha de Inscrição deverá ser enviado 1 (uma) foto 3x4 com o nome
completo do participante escrito no verso da foto;
Não serão devolvidos os documentos ou fotos solicitados na Inscrição.
B - CATEGORIAS
As inscrições poderão ser feitas em uma das 02 (duas) categorias: (1)
“Júnior”, até 15 (quinze) anos; (2) “Avançado”, a partir de 16 (dezesseis)
anos.
7
Nessas 02 (duas) categorias serão aceitas inscrições dos competidores
apenas com a documentação dos 4 (quatro) participantes, que façam ou não
parte de. Assim, esperamos contar com a participação do maior número de
pessoas, quer sejam profissionais, estudantes ou amadores.
Todos interessados em participarem do “Segundo Hip-Hop Torres” nas
idades abaixo de 18 anos, ou seja, em caso de menores será exigida a
declaração de aceitação em participação de pais ou responsáveis.
As formas de competir e as regras estabelecidas pelo “Segundo Hip-Hop
Torres” estão especificadas a seguir:
C - ALOJAMENTO
Os participantes de outras cidades poderão solicitar reserva de alojamento
no momento da inscrição. Assim, devem trazer colchonete, cobertor,
travesseiro, roupas de cama e banho, material de higiene pessoal e demais
apetrechos individuais, pois como local de hospedagem serão usados os
espaços físicos de Escolas da rede pública local.
Os alojamentos oferecidos deverão ser ocupados unicamente pelos
jogadores e sua equipe técnica (técnico e preparador, caso tenha), não
sendo permitida a ocupação desses locais por acompanhantes e familiares
dos inscritos no evento.
D – OS JOGOS
A ordem dos jogos nas fases “Classificatória” e “Final” ocorrerá nos dias
definidos mediante sorteio.
Os participantes deverão garantir que sua apresentação diante o público
tenham classificação etária livre, sob penas, pois não serão aceitos atos que
propunham ou façam apologia a qualquer tipo de ato delituoso ou explore
negativamente o preconceito, a pornografia e a intolerância, bem como
aqueles que impliquem ou ameaçam ou danifiquem ao patrimônio publico,
privado ou pessoas físicas e jurídicas.
As partidas serão jogadas dentro da Praça Pinheiro Machado, e terá juízes
para que os jogos não desrespeitem regras do Basquete de Rua e o meio em
que estão participando.
Aquele participante ou torcedor que causar qualquer desordem terá sua
participação desclassificada automaticamente.
E - PREMIAÇÃO
A comissão julgadora, formada por 03 (três) jurados, premiará com troféus
e prêmio em dinheiro os 03 (três) melhores trios classificados em cada
categoria (“Júnior”, e “Avançado”. Os critérios de avaliação do evento
serão aqueles especificados para cada categoria.

8
Não haverá empate em nenhuma das categorias e os vencedores serão
divulgados posteriormente na Praça Pinheiro Machado de acordo com
pontuação.
Os prêmios se diferenciarão de acordo com classificação, sendo: R$ X (1º
lugar), R$ X (2º lugar) e R$ X (3º Lugar).
Juntamente com o prêmio em dinheiro, será entregue troféu para o 1º lugar
e medalhas para o 2º e 3º lugar.
Após o evento, a equipe organizadora fará a doação dos alimentos
arrecadados nas creches e instituições beneficentes de nossa cidade. Como
estímulo a participação de todos os munícipes nessa grande comemoração,
a Secretaria Municipal de Cultura ficará responsável pela ampla divulgação
que ocorrerá no site da Prefeitura, nas Escolas, nas rádios, nos jornais
escritos e demais veículos de comunicação.

6. RECURSOS UTILIZADOS
Nesse tópico estão incluídos todos os recursos humanos, materiais e
financeiros previstos para serem utilizados nas ações propostas.
Destacamos que o quantitativo de tais recursos previstos pode sofrer
pequenas variações ao longo da execução das ações, pois acreditamos que à
medida que os resultados das primeiras ações forem chegando,
conseguiremos o envolvimento de mais recursos humanos, o que, caso
ocorra, certamente será favorável para a ampliação também dos recursos
materiais e financeiros.
Informamos ainda que o item recursos humanos se refira apenas às pessoas
que estarão executando as ações propostas, o que não inclui toda a parcela
da comunidade que estará sendo atingida pelo presente Projeto. Dessa
forma, não há previsão para gastos adicionais com os recursos humanos
(como por exemplo, com a contratação de prestadores de serviço), pois a
maioria dos profissionais que estarão sendo envolvidos já são servidores
públicos da Prefeitura ou das entidades e órgãos parceiros.
Assim, os gastos financeiros só serão aplicados na produção e aquisição de
recursos materiais, que estão detalhadamente descritos a seguir.
6.1 RECURSOS HUMANOS

- Representantes da Secretaria Municipal de Cultura;


- Representantes da Secretaria Municipal de Educação;
- Representantes da Secretaria Municipal de Esporte;
- Representantes da Secretaria Municipal de Comunicação;
- Membros do Conselho Municipal de Cultura e Arte;
- Membros da Fundação Cultural do Estado;

9
- Representantes das Rádios locais;
- Membros das ONGs estabelecidas no município.
6.2 RECURSOS MATERIAIS E FINANCEIROS

Grande parte dos recursos materiais empregado faz parte do patrimônio da


Secretaria Municipal de Cultura, o que dispensará gastos na sua aquisição.
Para os demais itens necessários serão especificados valores para sua
aquisição nos quadros a seguir.
- Aparelho de Data Show;
- Equipamentos de som, com caixas e microfone;
- Filmadora e Máquina Fotográfica Digital.

• No QUADRO 1 é apresentado o orçamento das camisas.


• O QUADRO 2 mostra o orçamento do material de divulgação
(cartazes, folders etc.).
• O QUADRO 3 mostra o orçamento da hospedagem e alimentação
dos jurados que serão jurados do “Segundo Hip-Hop Torres”.
• O QUADRO 4 mostra os valores necessários a aquisição de
materiais diversos para o “Segundo Hip-Hop Torres”.
• O QUADRO 5 mostra os valores relacionados ao Basquete de Rua.
QUADRO 1. Orçamento dos uniformes.
Item Quantidade Preço (R$)
Camisa Organização unidades R$
Camisa Esportiva unidades R$
Total R$
QUADRO 2. Despesas com divulgação.
Item Quantidade Preço (R$)
Folder unidades R$
Cartazes unidades R$
Faixas unidades R$
Total R$
QUADRO 3. Despesas com alimentação e hospedagem dos
rappers/djs/breakers/palestrantes/grafiteiros

10
Item Quantidade Preço (R$)
Hospedagem pessoas R$
Alimentação pessoas R$
Transporte Ônibus pessoas R$
Transporte Avião pessoas R$
Total R$
QUADRO 4. Material para o Segundo Hip-Hop Torres.
Item Quantidade Preço (R$)
Spray unidades R$
Compensado unidades R$
Total R$
QUADRO 5. Material e premiação para o Basquete de Rua
Item Quantidade Preço (R$)
Bola unidades R$
Medalha unidades R$
Total R$
Somando-se as despesas parciais chega-se a despesa total do “Segundo
Hip-Hop Torres”, que está resumida no QUADRO 6, logo a seguir.
QUADRO 6. Despesa Total do Segundo Hip-Hop Torres.
Item Preço (R$)
Camisas (Quadro 1) R$
Divulgação (Quadro 2) R$
Hospedagem (Quadro 3) R$
Materiais (Quadro 4) R$
Basquete (Quadro 5) R$
Total Geral R$

11
Será entregue junto com este projeto a identificação das pessoas que virão
de outra cidade até nosso município para se apresentar no evento.

7. RESULTADOS ESPERADOS
Espera-se que o “Segundo Hip-Hop Torres" seja um evento que terá o
envolvimento de os seguimentos da comunidade local, com a participação
de estudantes e moradores de todos os bairros da cidade, sem distinção de
idade, gênero, credo, raça e nível econômico.
Esperamos ainda que esse evento se torne uma atração turística, como é
realidade com outros Festivais, Feiras e Exposições na nossa região,
atraindo muitas pessoas e proporcionando a promoção do desenvolvimento
econômico por meio do crescimento cultural.

8. AVALIAÇÃO
A avaliação do “Segundo Hip-Hop Torres” ocorrerá em todas as suas fases,
desde seu início com os contatos e sensibilização dos parceiros, até a
execução propriamente dita.
Na fase de implantação será verificada a aceitação do Projeto pelo público-
alvo, gestores públicos, estudantes, professores de educação física das
Escolas, professores de Dança das academias etc. Quanto às demais metas,
serão observadas de forma contínua e após a execução, verificando-se
assim o cumprimento dos objetivos propostos.
Após o evento, a equipe organizadora fará um “Relatório de Avaliação”
dos resultados, quando serão apontadas as metas alcançadas, especialmente
no que se refere ao número de inscrições, a quantidade de alimentos
arrecadados, os gastos financeiros, o público presente, e o grau de aceitação
do evento.
Esse trabalho de avaliação será importante para se ter uma opinião clara e
tecnicamente embasada dos resultados obtidos durante o evento, o que
certamente possibilitará um melhor desempenho na realização de outros
trabalhos e eventos posteriormente.

9. ANEXO

Modelo de Camisa do “Segundo Hip-Hop Torres”, que será usada pela


equipe de organizadores e colaboradores.

12
10. BIBLIOGRAFIA
ANDRADE, E.N. 1997. Movimento negro juvenil: do rap a posse hausa.
In: Simpósio de Pesquisa da FEUSP, 3, São Paulo. Anais ... São Paulo.
ANDRADE, E.N. 1999. Hip-Hop: movimento negro juvenil. In:
ANDRADE, E. (Org.). Rap e educação, rap é educação. São Paulo:
Summus, 1999.
GOVERNO ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. 2009. Projeto De
Lei nº 124/2009, 16 de junho de 2009, do Deputado Raul Carrion. Institui a
Política Estadual de Incentivo à Cultura e à Arte Hip-Hop, a ser
desenvolvida no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre
(RS), Diário Oficial da Assembléia Legislativa. Disponível em:
http://proweb.procergs.com.br/Diario/DA20090617-01-
100000/EX20090617-01-100000-PL-124-2009.pdf
CALDEIRA, Teresa P.R. Hip-Hop, periphery, and spatial segregation in
São Paulo. p. 257-267. Disponível em:
http://www.cccb.org/rcs_gene/teresacaldeira.pdf
FOCHI, Marcos Alexandre Bazeia. 2007. Hip-Hop brasileiro Tribo urbana
ou movimento social? FACOM. Número 17, 1º semestre de 2007 p. 61-69.
Disponível em:
http://www.faap.br/revista_faap/revista_facom/facom_17/fochi.pdf
HOLANDA, Heloísa Buarque de. A política do hip-hop nas favelas
brasileiras. Instituto de estudos Socioeconômicos (INESC). 5p. Disponível
em: http://www.inesc.org.br/biblioteca/textos/Le%20monde%20-
%20%20Heloisa%20Buarque.pdf
LOPES, Adriana Carvalho. A transgressão do sujeito racializado no
discurso do hip-hop brasileiro. 19p. Disponível em:
http://lanic.utexas.edu/project/etext/llilas/ilassa/2007/lopes.pdf
MAGRO, Viviane Melo de Mendonça. 2002. Adolescentes como autores
de si próprios: Cotidiano, educação e o Hip-Hop. Cad. Cedes, Campinas,
volume 22, número 57, p. 63-75. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v22n57/12003.pdf
RODRIGUES, Glauco Bruce. Orçamento participativo e movimento Hip-
Hop: duas formas distintas de protagonismo sócio-espacial. Disponível em:
http://www.geografia.ufrj.br/nuped/textos/orcamentoparticipativomoviment
o.pdf
ROSE, T. 1994. Black noise. rap music and the black culture in
contemporary America. Hanover, University Press of New England.
SALERA JÚNIOR, G. 2008. Dança de Rua. Jornal Mesa de Bar News,
edição n. 281, p. 10, de 10/10/2008. Gurupi – Estado do Tocantins.
Disponível em: http://recantodasletras.uol.com.br/ensaios/1082726

13
SALERA JÚNIOR, G. 2008. Projeto Dança de Rua é Cidadania. Gurupi
(TO). Disponível em: http://recantodasletras.uol.com.br/artigos/1214454
SOUZA, Rose Mara Vidal de. 2006. Cultura Hip-Hop. Identidade e
Sociabilidade: Estudo de Caso do Movimento em Palmas. Palmas (TO).
13p. Disponível em: http://www.bocc.uff.br/pag/souza-rose-cultura-hip-
hop.pdf
TAVARES, Breitner Luiz. 2009. Na quebrada, a parceria é mais forte -
Juventude hip-hop: relacionamento e estratégias contra a discriminação na
periferia do Distrito Federal. Tese de Doutorado. UnB: Brasília (DF). 150p.
Disponível em:
http://repositorio.bce.unb.br/bitstream/10482/3833/1/2009_BreitnerLuizTa
vares1.pdf
THEA STEWART. 2005. Exploring the Culture of Hip-Hop. A mini-
course designed by Cornell Institute for Public Affairs (CIPA). Graduate
Student School Outreach Project Public Service Center, Cornell University.
23p. Disponível em:
http://www.psc.cornell.edu/gssop/courses/Exploring_Culture_Hip-
Hop/2005/Exploring_Culture_Hip-Hop.pdf
VENTURA, Tereza. 2009. Hip-Hop e Graffiti: uma abordagem
comparativa entre o Rio de Janeiro e São Paulo. Análise Social, vol. XLIV
(192), 2009, p. 605-634. Disponível em:
http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aso/n192/n192a07.pdf
XAVIER, João. Da Tropicália ao Hip-Hop: Contracultura, repressão e
alguns diálogos Possíveis. História Agora. 36p. Disponível em:
http://www.historiagora.com/dmdocuments/Historia5_da_tropicalia_ao_hi
phop.pdf
WIKIPÉDIA – A Enciclopédia Livre. 2010. Grafite (arte). Disponível em:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Grafite_(arte)
WIKIPÉDIA – A Enciclopédia Livre. 2010. Hip-Hop. Disponível em:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hip_hop

11. AGRADECIMENTOS
Sou profundamente grato a todos os amigos e colegas que apoiaram a
formatação desse “Segundo Hip-Hop Torres”.
Amigos conquistados durante minha incursão profissional e acadêmica no
hip-hop, vários dos quais me ofereceram preciosas informações e
incansável disponibilidade para todas as trocas de conhecimentos e assim,
dedico este projeto ao DJ e MC Jean Blackin e ao rapper carioca Gutierrez.
Em nome do Hip-Hop de Torres, agradeço aos parceiros que nunca
desacreditaram no avanço de nossas conquistas.

14
Att. Guilherme Luan de Lima da Luz (Jay).

15