Vous êtes sur la page 1sur 12
Validação e Gestão de Requisitos Profa. Andréa Mendonça andrea.ifam@gmail.com Disciplina: Engenharia de Requisitos e

Validação e Gestão de Requisitos

Profa. Andréa Mendonça andrea.ifam@gmail.com

Disciplina: Engenharia de Requisitos e Análise de Sistemas

Manaus, 2013.

Validação de Requisitos

2

A validação consiste em examinar se os requisitos definem o sistema que o cliente realmente deseja.



Validação:

“Estamos construindo o produto certo?”

O software deve estar de acordo com o que o usuário deseja.

Verificação:

“Estamos construindo certo o produto?”

O software cumpre com suas especificações

Técnicas de Validação

3

Inspeção ou Revisão do Documento

Os requisitos são sistematicamente analisados por uma equipe de revisores.

Prototipagem

Uma amostra executável do sistema é apresentado aos clientes e estes devem avaliar se o mesmo atende as suas reais necessidades.



Geração de Testes

Requisitos devem ser testáveis.

Validação de Requisitos

4

Algumas Questões:

Os requisitos estão claros?

A fonte dos requisitos está identificada?

Os requisitos foram mostrados para essa fonte?

Os requisitos estão descritos de forma quantitativa?

Os requisitos estão relacionados via referência cruzada?

Os requisitos violam alguma restrição do domínio?

O requisito é testável? Os testes foram especificados?

Os requisitos são rastreáveis para os modelos e o código subseqüente?

Existem requisitos implícitos?

1 Retirado dos slides do Prof. Leonardo Murta.

Validação de Requisitos

5

Exemplos de Requisitos que precisam ser corrigidos:

A janela deve abrir rapidamente

O sistema deve ser flexível

O cálculo deve ser eficiente

A interface com o usuário deve ser melhor que a atual

Não devem ser mostradas muitas mensagens de erro

A exibição do mapa de navegação deve ser amigável

de erro  A exibição do mapa de navegação deve ser amigável 1 Retirado dos slides

1 Retirado dos slides do Prof. Leonardo Murta.

Gestão de Requisitos

6

É o conjunto de atividades que ajuda a equipe de projeto a identificar, controlar e rastrear requisitos e modificações de requisitos em qualquer época, à medida que o projeto prossegue.

Muitas das atividades são similares às empregadas na gestão de configuração de software.

Gestão de Requisitos

7

A gestão de requisitos começa com a identificação.

<tipo de requisitos> <requisito>

Tipo de requisito:

RF = requisitos funcional;

RI = requisito de interface;

RC = requisito de confiabilidade;

Etc.

Tabela de Rastreabilidade

Tipos de Rastreabilidade:

Características do sistema

Fonte do requisito

Dependências entre requisitos

Subsistemas

Interfaces

Gestão de Requisitos

8

Ferramenta

de Requisitos 8  Ferramenta  Rational RequisitePro  Tutorial  Outro slide sobre Gestão de

Princípios de Engenharia de Requisitos 1

9

Primeiro passo para resolver um problema é entender o problema

Não basta comunicar, é necessário entender!



Princípio 1: Escute

Tente prestar a atenção no que o interlocutor fala

Evite interromper a linha de raciocínio do interlocutor

Peça detalhes de algo que não ficou claro

Não desestimule seu interlocutor com gestos ou palavras

1 Slides do Prof. Leonardo Murta.

Princípios de Engenharia de Requisitos 1

10

Princípio 2: Se prepare antes da reunião

Tente entender o problema antes da reunião

Tente compreender qual é o jargão utilizado no domínio

Elabore uma agenda para a reunião

Princípio 3: É importante ter um mediadorno domínio  Elabore uma agenda para a reunião  O mediador é responsável por manter

O mediador é responsável por manter a reunião com foco apropriado

O mediador é responsável por resolver conflitos

Princípio 4: Comunicação face a face é o ideal O mediador é responsável por resolver conflitos  Na comunicação face a face é possível

Na comunicação face a face é possível perceber gestos

A dedicação na comunicação face a face é maior

1 Slides do Prof. Leonardo Murta.

Princípios de Engenharia de Requisitos 1

11

Princípio 5: Tome nota das decisões

Em pouco tempo, não será possível saber por que uma decisão foi tomada

É fundamental documentar as razões de cada decisão

Princípio 6: Estimule colaborações É fundamental documentar as razões de cada decisão  Duas ou mais mentes pensam melhor

Duas ou mais mentes pensam melhor que uma

Colaborações geram cumplicidade na equipe

Princípio 7: Mantenha o focoque uma  Colaborações geram cumplicidade na equipe  Evite que o reunião se desvie muito

Evite que o reunião se desvie muito do seu objetivo

Lembre às pessoas o que ainda precisa ser visto

1 Slides do Prof. Leonardo Murta.

Princípios de Engenharia de Requisitos 1

12

Princípio 8: Se algo estiver obscuro, desenhe!

Representações visuais ajudam a uniformizar idéias

Faça uso de papel e quadro branco em abundância



Princípio 9: Siga em frente!

Se concordarem, sigam em frente

Se discordarem, sigam em frente

Se estiverem em dúvida e não for possível tirar a dúvida no momento, sigam em frente

Princípio 10: Negociação não é um jogo

Busque por soluções boas para ambas as partes

Ceda em aspectos que não são fundamentais

Brigue somente pelas batalhas que valem a pena

1 Slides do Prof. Leonardo Murta.