Vous êtes sur la page 1sur 64

20 20 008 ES RY EC SA TIV 88-2 IVE 988- ECT 200 20 -200 20 8 • VES Y 1 RSP 08 • NI DI NNI IA IVE RSP RS PE NNI DIA

NNI PE AR RSP IVE DI NI IA ER SPE Y 19 VES 008 H A DIA


S 2 I V P R C 9 T 1 P - S 8 S 0 0 I R E 0 N N A D N E E A A A A S E N I N N D I V 2
VE 988- ECT ERSAPERS NIVE SPE RY 1 PEC RY ERS 1988 TIVE 198 IVE 88-2 ECT RSA IA P 88-2 TH A 8 • I 0TH • IN AN IA P NIV INDI TH 8 • IN 0TH NDI VER IA P AN 08 • H A • IN NN PER SAR CTI 988- 20T • IN NIV
1 P V N R A S A P Y C Y T 9 P E D 1 9 0 00 2 0 8 H D N • 2 0 0 2 •I I D H 20 0 T 8 A IA ER PE 1 S 08 N
RY ERS NNI NDIA H A IA PE ERS PER ERS DIA SAR SPE SAR SPEC RY 1 PERS NNIV • IN RY ES 2 88-2 ES 8-20 20T • IN TH A 008 ES 88-20 ES 008 ANN • IN 20T 988- ES 2 -200 20TH IND NIV ERS ARY TIVE 8-20 TH AINDI
P A I 20T D IV IA NIV IN ER ER ER ER SA IA 8 A V 19 TIV 98 ES 008 20 8-2 IV 19 TIV 8-2 TH 008 S 1 8 • N P S C 8 0
IA 0TH 08 •Volume S • INn°.N6N IND AN 8 • IV A P NIV P ER D TH 8-200 ERS CTI ISSN
22,
A
R Y 0970
E C 5074Y 1 IV -2
8 E S 9 8 ECT Y EC 98 20 8-2 IVE RY CTIV 198 VES 2008 H A DIA VER SPE Y 19 ES 2 008 • H AN
2 0 E 8 A 0 N I A V IN 0 8 IV E A P R T 8 V 1 P R P 1 8 T A E Y I - T N I R R V -2 T
S 988-2 CTIV -200 0TH 008 • 0TH 8-20 AN IND H AN INDI NNI 8 • ES 2 Y 19 NN RSP ERS ERS RSA SPEC Y 19 CTI ARY ERS RSA ERS ARY IVES Y 19 PEC ERS RSP RSARPECT 1988 S 20 08 • I ANN A PE RSA CTI 1988 S 20 DIA
8 2 2 2 8 H • 0 A E P E R E P E P S S V E E I E E N
Y 1 RSPE 198 ES 988- ES Y 19 20T 008 20T 008 • TH A 8-20 CTIV SAR 0TH IA P NNIV DIA NIV PER RSA RSP ERS IA NIV DIA VER PECTRSAR PER NNI IA P IVE PERS ARY TIV 88-20 20TH IND NIV RSP ARY TIVE 8 • I TH A
E RY IV 1 IV R ES 8-2 ES -2 20 98 E ER 2 D A IN N IA E PE IV ND AN IN NI S E A D NNDOA20º ANIVERSÁRIO
A EDIÇÃO RS EC 9 1988-20088 • N PE S C 00 20 •
A P RSA ECT ARY ECT ERSA TIV 198 TIV 1988 VES RY 1 ERSP NIV VES 8 • IN 0TH 08 • TH A• IND NIV DIA ANN 8 • I 0TH 08 • AN PER NIV INDI 20TH 8 • IN H A NDI IVE RSP RY 1 IVES -200 TH A DIA IVER RSPE 988-2 ES 2008

índia
P S P C I 0 N 0 0 N T I N E V - T
VE ERS VER ERS NIV SPEC ARY SPE ARY ECT RSA IA P H ANECTI 8-200 ES 2 88-20 S 2 008 H A • IN 20TH 8-20 ES 2 88-2 20TH NDIA H A 08 • VES 8-200 S 20 08 • AN IA P ERSAPECT 1988 S 20 • IN ANN A PE RY 1 CTI 1988 S 20
N S E E 2 T 8 I 0T -20 TI 98 0 E 8 I E
A P NNI IA P H A PER VER PER ERS RSP NIV • IND 20T RSP 198 CTIV Y 19 TIV 988- S 20 -200 ES 8
19 TIV Y 19 VES 08 • 2 88 EC H
1 TIVE 88-2 20T • INDNNIV PERS SARY TIV 8-200 20TH IND ERS RSP ARY TIVE 8-20
A 0
A D T A I I A I V P E N 8 S E Y E R C 1 E 8 8 I V R Y E C R I 0 E S 9 P Y 9 S C • E S C 8
TH • IN S 20 INDI ANN IND NN DIA H A -200 TIVE IA P SAR RSP RSA SPE ARY TIV Y 19 ECT RSA RSP ERSA ECT 88-2 TIV RY 1 ERS SAR SPEC RY 1 IVE -2008 TH A DIA IVER SPE 198 VES 2008 NNIV IA P VER SPE Y 19 ES
8 E • • A 0 T 8 C D R E E E R S C R P E E S P 1 9 C A P R R A T 8 0 I N N E R R Y I - A D I R R I V 0
200 TIV 008 20TH2008 20TH 8 • IN S 2 198 SPE • IN NIVE IA P NNIV IA P IVER RSPE RSA ERS NIV IA P NNIV PER RY SPE ERS DIA NIVE A PE ERS SPEC 198 ES 2 08 • AN IA P RSA PECT 1988 0TH • IN ANN A PE RSA ECT 88-2
C 2 Y R 8 P A R 0 8 I
PE 988- VES 988- ES 8-200 TIVE SAR PE -200 H AN • IND H A IND ANN A PE IVE IA H AN • IND TH A DIA ERS A PE NIV 8 • IN AN INDI NNIV PER SARYCTIV 88-2 20TH IND IVE ERS ARY ES 2 -200 0TH IND NIVE ERSP Y 19 0TH
1 I
S P
1 I
R
V 8 C R I A 8 8 T
8
8 0 T 8 • D I N N N D T 8 20 I N V I A N 0 0
RY PECT ARY ECT Y 19 RSPE IVE • IND Y 19 S 20 -200 ES 2 -200 20TH • IN H A 8 • I S 20 8-200 ES 08 • NNI • IND TH 88-2 S 20 2008 0TH INDI IVE ERSP RY IVE -200 H A NDIA IVE CTI Y 19 IVES 2008 TH A DIA ERS VES 88-2
N 0 0
T H • A A
N
R Perspectivas
E 19 S
T
8 • N N P R
E
S V 8 8
-
2 • N P AR
I
2 0
RS VER ERS RSA PE AN 008 SAR IVE 198 TIV 1988 VES 2008 20T -200 TIVE 198 CTIV 88-2 TH A2008 S 2 Y 19 TIVE 988- ES 2 008 • AN IA P ERSA PEC 1988 20T 8 • I ANN RSP SAR ECT 1988 S 20 8 • IN NIV ECT Y 19 CTIV
I P E IA H -2 R T Y C I 8- S 88 C Y E 9 20 - E R 1 V 2 H D S Y S 00 H E R P E 0 N P R E
NN DIA NIV IND 20T 1988 IVE SPEC SAR RSPESARYPECT 198 TIVEY 19 SPE SAR RSP RY 1 ES 1988 CTIV RSA SPEC ARY CTI 988- 20T • IN NNIV PER SAR TIVE 88-2 20T IA P NIVE PERS ARY TIV 88-20 TH A ERS RSA RSP 988-2
N • S N R R Y C R R E V E R S E 1 S 8 9 D S C 0 P E E
• IN H A 008 IVE ARY AN PE IVE IA PE IVERPERS SAR SPE SAR PE IVE IA P ERSA CTI ARY RSPE NIV PE VER RSP ARY IVE 8-200 TH A NDIA IVERSPEC RY 1 IVES • IN H AN DIA IVER SPE Y 19 ES 2 DIA NIV IA P RY 1 IVE
T 2 H A R A N S N A E T 0 I 8 R R N
S
20 988- PECT ER 20T NDI ANN IND ANN DIA IVER PER IVE NDI AN • IND NIV RSP VER A PE H A NDI NN IA P ERS PEC 198 S 2 08 • ANN PER RSA ECT -200 20T 8 • INANN PE RSA TIV • IN H A • IND RSA PECT Y 19
E I
1 S IV S • I H 8 • H IN N IA N • I TH 08 AN PE NI DI 0T • I A D IV S RY VE 20 H IA VE SP 88 S 00 H IA E EC 08 0T 8 VE S R
RY PER ANN IVE 2008 20T -200 20T 08 • H AN IND H AN2008 20 8-20 0TH IA AN • IN ES 2 2008 20TH 8 • IN ANN PER RSA CTI 988- 20T IND NNI PER Y 19 TIVE 88-2 20T • INDNNIV RSP 88-20 ES 2 8-200 NNI PERERSA RSP
A T - S 8 0 • - S 8 D H - 0 A E 1 S • A R 9 E A A E S
DI 20TH PEC 1988 IVE 198 IVES 88-2 20T 2008 20T1988 TIVE Y 19 ES 2 • IN 20T 2008 CTIV 1988 VES 8-20 0TH INDI NIVE RSP ARY IVE 008 TH A NDI RSA SPEC RY 1 IVES-2008 TH A IA P Y 19 CTIV 198 0TH INDI NIV IA P VER
S T Y 9 S - S 8 - I 8 2 E T 2 0 I T 0 D R Y N D I
ES PER ARY PEC SAR PECT RY 1 IVE 1988 IVE ARY SPEC SAR CTIV -200 IVES 1988 RSPE ARY ECT Y 19 VES 008 • H AN IA P ERS PEC 988- ES 2 08 • NIVE PER RSA PEC 1988 S 2 • IN RSA RSPE SAR ES 2 008 • H A • IN NN PER
A S S R S A T T S R E R E 8 8 T E S P R I 2 T D I V S 1 V 2 0 N I A E S Y E 0 8 E E R V - 2 0 T 8 A IA
DI VER PER IVE PER ERS SPEC ARY SPEC VER PE NIV ERSP Y 19 PEC SARY IA P VER PERS RSA ECT 988- S 20 8 • IN ANN PER ARY CTI 988- H A IND NNIV PER SAR CTIV 8-20 NIV IA P NIVE CTI 1988 ES 2 -200 20TH IND SAR
I A N A V R S R I IA N P R S D I E P 1 E 0 A S E 1 T • A A R E 8 N D E 8 • R
NN INDI H AN NDI NNI PE IVER PE ANN IND H A DIA RSA PER IVER • IN ANN DIA NIV PERS ARY TIV 8-20 20TH INDI VER ERSP ARY S 20 008 0TH INDI IVE RSP Y 19 TH A • IN H AN ERSP ARY CTIV 198 VES 2008 NIVEERSP
I A IA A • T 8 N N S C 8 • I E -2 N E R 0 8 S E Y I -
8 • 20T 08 • 0TH IND ANNINDI 20TH 008 S 20 8 • IN NIVE NDIA ANN -200 20TH08 • I H A DIA VER SPE Y 19 VES 008 ANN IA P ERS TIV 1988 ES 2 008 • AN IA P RSA S 2 -200 20T IA P VER RSP SAR ECT 1988 H AN IA P IVER
S 0 2 • H -2 E 0 I H 8 0 T IN I R R I 2 D I V C V 2 H D E E 8 S D I E R P T D A
VE 988-2 ES 2008 20T 008 • VES 1988 TIV 8-20 H AN008 • 20T 198 IVES 88-2 S 20 08 • ANN IA PE RSA ECT 988- 20TH 8 • IN ANN SPE ARY CTI 988- 20T • IN NIV TIV 198 TIVE 8 • IN ANN IA P NIVE PERS ARYS 20 8 • IN ANN NDI
V - I C 8 T Y 9 E 0 E P 1 R S E 1 S 8 N C Y S I
Y 1 CTI 1988 IVES 988-2 ECT ARY SPE Y 19 20 988-2 VES SAR PECTRY 1 TIV 88-2 20TH • IND NIV ERS ARY VES 8-200 0TH A PE VER RSP RY IVE -200 H A SPE SAR SPEC 8-200 20TH • INDH AN DIA IVER TIVE 8-200 20TH 08 • H AN
P E Y T 1 S P S E R R E S 1 T I E R S A E C 1 9 8 N P S T I 9 8 2 D I I P E A
S C T 8 8 0 T ER ER R 8 S 08 T IN N C 98 S 20 0T N
RS SAR PEC ARY PER IVER IA P RSA TIV ARY PEC NIV PER ERS RSP RY IVES -200 TH A NDIAIVER PEC Y 1 IVES • IN ANN DIA VER SPE Y 19 ES 2 IA P NIV A PE Y 19 IVE 8-20 S 20 08 • AN RSPE RY 1 IVE 988- S 2 08 • I
S E C A 8 R I 0 1 E
ER PER ERS DIA ANN • IND NIV SPE ERS PERS H AN DIA NIV A PE ERS ECT 198 S 20 08 • I ANN ERS RSA ECT 2008 20TH • IN NN PER SAR TIV • IND AN INDI RSARPECT 198 TIVE 88-2 20TH PE RSA PECT RY TIV 8-20 0TH
A IV IN H 8 N R IV T IN A N D I V SP Y E 0 P E SP 8 - 0 8 A IA E R EC 8 T H • E S Y C 9 S I A E S A C 98 2 A
DI NN 08 • 20T -200 TH A A PE NN DIA S 20 08 • TH • IN NNI PER SAR CTIV 988-2 20TH DIA NIV PER 198 IVES 8-20 20TH IND NIV RSP -200 S 20 2008 NIV PER RSAR SPE RY 1 IVE • IND NIV PER ERS RSPE RY 1 IVES INDI
A 0 S 8 0 I A IN E 20 20 8 A A R E 1 IN N Y T 98 • N E 8 E - N A E R A T 8 N A IV E A T • A
TH 88-2 IVE Y 198 ES 2 • IND 20TH 08 • TIV 988- ES -200 0TH NDI NIVE RSP RY IVES 08 • TH A NDIA SAR PEC RY 1 IVES 2008 TH A IA P 198 TIV 1988 TH A INDI NIV A PE ERS SPEC -200 TH A INDI ANN IA P ERS PEC 008 0TH
19 T R V 0 C 1 V 88 2 I E SA T 0 0 I R S T - 0 D Y C Y 0 • N I IV R 8 0 • D V S -2 2 0
Y PEC RSA CTI -2008 VES 988-2 RSPE ARY ECTI Y 19 VES 008 • H AN IA P VER PEC 988-2 ES 2 008 • NIVE PER ERSA PEC 1988 ES 2 8 • IN SAR RSPE SAR S 2 008 H A • IND NN PE 198 ES 2 008 20TH • IN NNI PER 1988 ES 8-20
S E I I T D S S R E 2 T A A Y 2 8 V 8
ER NIVE RSP 1988 ECT RY 1 A PE ERS RSP SAR ECT 988-2 S 20 • IN NNI PER RY 1 CTIV 988-2 H AN NDIA NIV PER ARY CTIV 8-200 IVE A PE IVER TIV 988- S 20 2008 0TH INDI SAR CTIV 988- VES -200 TH ANDIA ARY CTI Y 19 IVES
E P I V E R P 1 8 A A 1 I N S N I C 1 - 2 • E 1 I 8 0 I S E R
AN IA P SARY ERS ERSA IND NNI IA P IVE ERS RY TIVE -200 0TH NDIA ERS RSPE RY 20T 08 • TH A NDIA VER RSPEY 198 AN IND ANN SPE RY TIVE 1988 ES 008 IVER RSP RY ECT 198 ES 2 08 • VER RSP RSA PECT 1988
D P • A D N P A C 8 2 I E A S 0 0 I I H • R A C V 2 N E A P Y V 0 I E
N VER DIA NIV 008 TH • IN AN IA ERS SPE 198Editor
0 D E S 08 • NI A P ERS IVE 88-2 S 2 08 • ANN A P SA 20T 008 20T A P ER SPE ARY CT 988 AN IA P ER ERS SAR CTI 88-2 NN IA P IV ERS ARY S 2
V E R H E S I - S E
I 2 H N I T I 2 A N P S E
N - 2 8
NN 8 • IN H A 1988 ES -200 20T 8 • IN NNIV PER SARAmit C
V
Y TIDasgupta
8 -20 H A IND NIV PEC Y 19 TIVE 88-20 0TH IND IVER VES 988- ES INDI NNIV PER ERS RSPE RY 1 20TH IND NNIV IA P IVER RSPE Y 19 0TH • IND AN DIA VER TIV 198
8 T • N I V • R
T 8
200 20 ARY CTIV 198 IVES 8-200 TH AINDI IVER RSP RY
A 19 20 008 H A ERS SAR PEC Y 19 ES 2 008 • ANN CT RY 1 CTI 08 • H A DIA NNIV A PE RSA ES 008 H A • IND NN PE SA S 2 008 20TH • IN NNI SPEC ARY CT
E Sub-Editor
S E S -2 0T A P ER RS R IV -2 H SPE SA PE -20 20T • IN A DI IVE IV 8-2 20T 8 H A DIA ER IVE 8-2 S 8 A R S E
V E RS SPE RY ECT 198 2 8 • NN A P SANeelu
I VE ER SA SP S
0
0 A I R T I V ERohra
9 88 S 2 DI NIV PE RSA CT 1988 20T ER ER RS 988 ES 08 0TH • IN NN ECT 198 S -200 20T IN NIV CT 198 IVE 8-200 0TH PE IVER RSP RY
RY VE -20 TH IND IVE Editor 1
C Yconsultoria E IN A E E P V E 1 0 2 P E 8 • N E T 8 2 I A E A
I R
NN IA P IVE PER RSA CTI 1988Newsline 2 0 • N S PE Ade R CTIV 08 • H ANINDI NIV ERSP ARY IVES DIA NNI IA P RY CTIV988-2 ES -2008 TH A ERS ARY CTIV 198 VES -2008 H A RSP ARY PEC Y 19 VES IND ANN IA P ERS SPE
D N
8 Publications R Pvt S Ltd,E C-15,0 Sector-6, T N P
•Noida-201301 S T N A D A E 1 V 8 2 0 P S E Y I 8 T E S S R I • H D I V
IN ANNNDIA NIVE RSPE RY IVES -200 TH A A PE VER RSP 988-2 S 20 008 TH A DIA IVER PEC 8 • I 0TH 8 • IN ERS RSP RY CTI 198 ES DIA IVER RSP SAR PECT 198 S 20 IA P IVER PER RSA ECT 2008 20T 8 • IN NN PERRSA
H • I N PE S A T 98 20 D8 I I
N PE 1 2
E 8- 20 IN N R S 0 0 2 00 I V P E S A E
P R Y I V IN N P E E R S RY V E N D N IA VE S P 8 - S 00 H A IA E
20T 008 TH A DIA IVER SPEC Y 1 ES • IN AN DIA ARY CTIV 198 ES 08 • H AN A PE 988-2 IVES 88-2 ANN DIA IVER PERS RSA PECT 008 • H AN DIA NIV PER RSA CTI 08 • I H AN IND NNI PER 198 TIVE 88-2 20T • INDNNIV PERS
-2 0 R IV 08 TH IN RS PE RY IV 20 T DI 1 Citaliano, 9 TH IN N IA VE RS
T 1cingalês, 2 T N A E E 0 T • A A Y C 9 S
88 S 2 8 • IN A ANÍndia P ER RSA Cé Tpublicada
N Perspectivas
- 2 2 0 • em
0 mensalmente E inglês,
R S francês,
A Ealemão,
C - 20 português,
T 88espanhol, I N R Yrusso,E Y 2
N
0 08 • AN D NI PE 988- S 20 8 • I H A INDI NIV ERSP 88-2 S 20 008 0TH INDI SAR SPE RY 1 IVE -2008 TH A DIA ARY
E E
E P persa, 8
0 NI hindi, V S 9 • P R T 2
0 H língua
TIV 8-20 20T IND N
IA IVindonésia, 88 árabe,ES -pashto,
20 Nurdu, E bengalêsR SPe tâmil.1 As ideias ES 0exprimidas
8 RSA nos SartigosApertencem
S 0 H IN N 1 E 00 0 • N P 9 E - 2 • ER R A T 8 20 IN S E
8 N aos E RS Y 19 TeIV
contribuidores não 8 8 A
necessáriamente I A aPÍndia
N I VEPerspectivas.
E R RY Todos T IV os-2artigos
0 Eoriginais P E RS IVE 88-2 20T 08 • TH A NDIA ARY TIV 88-2 ES 2 2008 TH A DIA RY 1 TIV 1988 ES 2008 NIV A PE ERS SPEC 198 ES 08 • IVER ERSP
ERe re-impressões
19 VES 008 • H A IA P SAR PEC Y 1podem 9 TH ND N A P SA EC 88 NIV IA IV CT 19 ES -20 20 • I RS EC 19 IV 88- 20 IN SA EC RY TIV 8- AN DI IV R Y V 20 E
T I -2 0 T ND ER RS AR S 20 08ser• Ilivremente H I ER Scom
A Dreproduzidos 9 N ND NN PE RY IV 88 S
P reconhecimentos.
1 I S 9 E 0 0 8 VE SP RY CT 19
R E S 8 • ER SP A EC 198 H
S • I N NN PE SARECTI 988- ANN IA P NIV
T • IN NeIcartas V R RY H A T I 0 R T A A R D
EC 1988 ES 2 8 • I NIV PE RS IVEAs contribuições -20 S 20 0editoriais
8 N A PEdevem
S A ser 0 Tenviadas
0 8 • para
T HoA PER ERSA PEC RY 1 CTIV 88-2 NN A PE RSA RSPE ARY TIV 8-20 NNIVA PE VER ERSP ARY S 20 2008 0TH INDI IVE RSP RY 1 20TH • IN H AN DIA
0 I A E T 8
8 VPerspectivas, A I R 2 0 0 S A 1 9 A C
IA NIV ER RS SPE Y TH ND NIV PE ER SPE 19 H A ND NN IA ER IVE 988 S 08 ANN A PE RSA ES 2008 20T 8 • IN NN
I E S 8 I I P S - 2 •
RY CTIV 8-20 H AN IND NIV PEEditor C da 1 9ÍndiaI
E -20 H140 ‘A’DWing,EShastri
8 T N V S Bhawan,
8 8-2 ENew
S
2 Delhi-110001.
D R AR 20 • I N 1 VE 20 H DI E IV 8- S 00 H A
E 8 • N S T
Y Telefones: 8 2 0 I
•9471, N I E 9 N
I 5549 N P E IA IV R RY 0T • I A D IV T
SP Y 19 20T 008 TH A PER SAR SPEC 19 +91-11-2338 TIV RY 1 CTIV 08 • TH A DIA NIV A PE ERS ES 2008 H A IND ANN A PE RSA ES 2 008 20TH • IN NN SPEC ARY CTI 988- 20T • IN NNIV ECT 198 TIVE 88-2 20T • IND
2338 8873, Fax: +91-11-2338
Y
E-mail: E S 2008 ANSítio:Chttp://www.meaindia.nic.in
jspd@mea.gov.in,
R S -2 20 IA R ER AR IV 8- TH PE SA PE -20 20 • IN AN DI IV TIV 88- 20T 8 • H I 2 8 A E 1 8 P Y 9
SA TIVE 1988 ES Para D I VEexemplar
P R S ÍndiaC TPerspectivas
9 8 20por Rfavor S E R R S 8 8 S 0 8 H I N N N C 1 9 S 0 0 0T IND NIVE CTIV 988- ES -200 0TH PER ERS RSP RY IVES -200 TH A ERS SAR PEC Y 1 IVES 2008 H A
entre em contacto com a embaixada T indiana no seu E
país. 2
C RY TIV • IN ANN DIA IVE SPE RY 1 ES PE NIV PE Y 19 TIVE 8-20 20 008 • H A RSP RY IVE 988- ES 2 008 • AN SPE RY 1 CTIV 198 ES 2 DIA NNIV A PE RSA ECT 1988 S 20 IA P VER PER SA ECT 988- 20T P
obter um de 8 S R
E IA oAMinistério
P SA C 008 H
E -2 0T 8 • IN AN Este
P ER Rfoi
N número
C TIV NDpara
SApublicado N DIA dos
S ARNegócios
P 98 IVES 8Nova
EC Estrangeiros,
1 8 -2 Deli,
2 0T PE RSA ECT Y 1 TIV 88-2 0TH PER RSA SPE RY TIV • IN H A NDI IVE RSP RY IVE IND NNI IA IVER RSP Y 1 VES DIA N
R P R I N
E RS 988
E S
2 00 TH DIAporIParbati
- 2 0 VE SPSen E Vyas,
8
I
• Secretária
2 0
H N
I ER da Divisão
T 8 • Especial
V E RS ARda E CT Y 19Pública.
Y Diplomacia
V ES NDIANIVE ERSP SAR PEC Y 19 ES 2 DIA IVE PER ERSA PEC -2008 20T 08 • I ANN A PE ERSA ECT 008 • H A • IND NN A PE RSA ECT 8 • I AN D
1 N N R 0 I P R CT • I I R S S
N A P VE ER SAR TIV • IN AN DIA NIV ER 988 ES -20 0TH ND IV RS 88-2 20 008 TH NDI IVE RSP -20 0TH • IN
N I P T A 0
A P RY TIVE 1988 ES 2 8 • I ANDesenho P 0 ES por
E e-2impressão - 2
0 NOffsetA & Packagings
0Ajanta
N I E RS RSPLtd., S ADelhi-110052. 8 A
A 0 H A 8 V 8 A D V E R P E 0 H DI NI P R C 8 N N P 1 IV 88 2 • I NN E 9 S -2 0 I N E 8 2 8 T
RS SPEC ARY CTIV 8-20 20T INDI 198 ECTI 198 0TH 8 • IN NNI IA P IVE ERS 88-20 20T • IN AN DIA IVE RSPE 8-200 20TH08 • I H A DIA ARY ECT Y 19 VES 008 H A IA P RY 1 TIVE 1988 ES 2 008 • AN IA P 198 IVES -200 20
R S E 8 S • R Y P Y 2 0 A D N P 9 S 8 H I N N E 8 0 0 T I N S S P R I - 2 T D A C V - 2 H D Y T 8 8 S E
PE IVER RSP Y 19 IVE 2008 RSA ERS SAR ES 8-20 0TH • IN H AN DIA RY 1 IVE -200 20T 08 • H AN IA P Y 19 IVES 88-2 S 2 08 • IVER PER RSA PECT 1988 S 20 8 • IN ERS SPE ARY ECTI 1988 20T 8 • IN RSAR PEC Y 19 TIVE IA P
E R T - P R V 8 2 8 T 8 S 0 R T 9 E 0 E E 0 V R S S 0 S C D
NN IA P RSA PEC 1988 NIVE DIA IVE CTI Y 19 ES -200 20T 8 • IN RSA PEC 198 IVE 88-2 20T • INDRSA PEC RY 1 TIV 88-2 ANN DIA NIV PERS ARY TIV 8-20 NNI A PE VER ERSP ARY IVE 8-20 NIVE PER SAR SPE • IN TH A
D E S N E R V 8 S 0 E S Y T 9 S C 9 N S C 8 I I T R
IN NIV PER ARY AN 8 • IN AN RSP RSA CTI 198 IVE 8-20 NIV PER SAR PEC RY 1 IVE -2008 NIVE PERS RSA SPE RY 1 20TH 8 • I H AN DIA VER SPE Y 19 TH A IND ANN IA P ERS PEC Y 198 AN DIA IVE PER-2008 S 20 -200
Editorial
Este número comemora vinte anos da Índia Perspectivas. Na altura em
que a revista começa o seu 21º ano de existência pensámos aproveitar da
ocasião para olhar para trás na tela extraordinária que a publicação pintou
em todas as suas edições. Foi uma tarefa muito agradável enquanto líamos
mais uma vez os números antigos e maravilhámo-nos de como cada revista
reflectia a beleza, a diversidade e a rica cultura da Índia para os seus
leitores nacionais e estrangeiros.
A Índia oferece uma tela extraordinária e para qualquer editor a
oportunidade de transmitir o melhor do nosso país é uma grande alegria.
Desde a sua gastronomia até a sua arte folclórica, desde a sua música até
o turismo, desde a moda até a literatura contemporânea, a ciência e a
tecnologia até os seus festivais, a Índia é uma celebração de possibilidades
infinitas. É essa abundância criativa que os números destes passados vinte
anos têm apresentado aos seus leitores, com um sentido de admiração e
reverência.
Até há pouco a revista era publicada em 15 línguas diferentes. Uma
nova língua foi acrescentada há pouco (italiano) e as nossas tiragens já
ultrapassam os 70.000 exemplares. Há muita procura para os números
antigos que foram publicados no passado, especialmente para a edição
especial sobre Mahatma Gandhi. Pela primeira vez a revista também está a
circular na Índia, especialmente nas escolas e nas universidades. Esperamos
poder publicar em breve edições electrónicas em todas as línguas no nosso
sítio na internet.
Este número de “aniversário” traz aos seus leitores uma selecção de quase
trinta artigos tirados das edições antigas da revista. Também incluímos um
artigo nostálgico pelo primeiro editor da publicação e uma secção especial
com alguns comentários recebidos recentemente de leitores sobre a nova
imagem que tentámos conferir à revista a partir deste ano em termos do seu
conteúdo, da sua apresentação e da qualidade das fotografias. A reacção do
nosso público foi muito encorajadora.
Foi uma honra servir como o editor desta maravilhosa revista e sempre
vou me lembrar das experiências ao guiar a publicação durante o 20º ano
da sua existência. Este é também o meu último número como editor, estou
prestes a seguir para o meu próximo cargo como cônsul-geral em Sidnei
e vou passar algum tempo com a minha filha que também acabou de
completar os seus vinte anos!
Feliz Natal e um óptimo Ano Novo a todos!

Amit Dasgupta
Dezembro de 2008
Excertos de cartas ao editor As fotografias são verdadeiramente Parabéns a toda a equipa pela
SEPTEMBER-OCTOBER 2008

maravilhosas e vou guardar qualidade dos números recentes da


esta edição (dedicada ao Índia Perspectivas. India Perspectives
A revista é uma jóia na nossa Índia Perspectivas é fantástica e Mahatma Gandhi) para sempre.
JANUARY-MARCH 2008 Radhika Sabavala
biblioteca.
India
Perspectives
há muita procura pela revista. O
número de Janeiro-Março de 2008
Satendra Nandan
Fiji
Marg Publications, Índia

R.K. Samanta Foi óptimo ver artigos sobre a arte


Vice-Reitor foi um grande êxito. Tivemos
Bidhan Chandra Krishi Viswavidyalaya Universidade que fotocopiar a publicação para Parabéns por terem produzido e a literatura contemporâneas.
Bengala, Índia um número maravilhoso sobre
satisfazer todos os pedidos para ter S.K. Bhutani
um exemplar da revista! Mahatma Gandhi. Que continuem a Antigo embaixador da Índia
Essa linda publicação (o número fazer esse bom trabalho!
especial sobre Mahatma Gandhi) A.K. Ghosh
Tem um alto padrão de produção
Vice Alto-Comissário da Índia, R. Venkata Kesavan
vai oferecer muitas horas de Mombaça que faz com que seja um prazer ler
“ I am a great, fantastic accident of being the right person at the right place
at the right time. That is the description of my success...

Bombaim, Índia
leituras e informação e vai ser uma a revista.
das melhores publicações da minha As minhas felicitações para este
colecção. JUNE-JULY 2008
Sudha Gopalakrishnan
óptimo início. Não tenho muita
Sisir K. Barat experiência nesta área mas este India
Perspectives
Índia

Itália novo formato da revista apresenta Houve uma imensa melhoria no


perfeitamente a diversidade conteúdo e na apresentação gráfica
Esse número especial da revista singular da Índia e fornece uma da revista. Os meus parabéns a
mantém a mensagem de Gandhi visão histórica. Sem dúvida vai criar Fiquei muito contente com o
toda a equipa por um excelente
viva e vale a pena circulá-lo na muito interesse entre os leitores número de Setembro-Outubro
trabalho.
Itália, onde a Índia e o profeta da estrangeiros. de 2008; um conceito brilhante,
não-violência têm tantos amigos. Muitos parabéns pela excelente Mani Shankar Aiyar realizado muito bem!
produção do número de Índia Jagat S. Mehta Ministro do Governo da Índia
Antigo Secretário dos K.P.S. Menon
Embaixador Maurizio Moreno Perspectivas que prestou Negócios Estrangeiros da Índia Antigo Secretário dos
Em nome de
Sua Excelência Dr. Francesco Rutelli homenagem a Mahatma Gandhi. Uma revista muito atraente com Negócios Estrangeiros da Índia
Vice primeiro-ministro da Itália Todos os artigos continham muita Li um número da Índia Perspectivas óptimas fotografias.
informação, dados sobre eventos (Janeiro-Março de 2008) e fiquei Gaj Singh Achei que o número de
Uma óptima edição especial históricos e eram uma inspiração. muito surpreendido ao ver a Índia Setembro-Outubro de 2008 era
da Índia Perspectivas sobre o A inclusão das caricaturas e enorme melhoria em termos da uma obra-prima, com bons artigos
Mahatma Gandhi. fotografias era uma boa ideia. Esta qualidade da revista. O editorial era Cheia de informações úteis. produzidos maravilhosamente.
Sua Excelência Dr. I.K. Gujral revista é uma leitura obrigatória excepcionalmente brilhante. Aline Dobbie Vale a pena guardar a revista e
Antigo primeiro-ministro da Índia para a geração moderna e para as Reino Unido sempre vou apreciá-la.
M.M. Bhanot Uma revista com uma altíssima
pessoas que não tinham nascido Espanha
Parabéns pela excelência da qualidade de produção, variedade D.N. Malhotra
durante a época de Gandhi. Os últimos dois números da Índia Director, Hind Pocket Books
publicação e pela gama de artigos e conteúdos.
Continuem o vosso bom trabalho! Foi mesmo um tratado sobre Perspectivas eram esplêndidos. Nova Deli, Índia
que abrangem o rico património da “Bapu” (Mahatma Gandhi) e é A. Madhavan Guardei ambas essas edições com
Jamal S. Mohammed Antigo embaixador da Índia
Índia nas áreas da educação e da Trinidad e Tobago sem dúvida uma edição para os muito orgulho. Parabéns! Um desenho moderno, óptimas
cultura! coleccionadores. Que óptimo fotografias, muita informação e
Uma revista de muito bom Brigadeiro Trigunesh Mukherjee
A edição especial sobre Mahatma trabalho! Índia
artigos interessantes fazem com
Ganesh Kitoony Nair gosto produzida com grande
Antigo Director da Educação Gandhi é uma obra para os Yogesh Bhandari
que ler a Índia Perspectivas é um
África do Sul sensibilidade. verdadeiro prazer.
coleccionadores e devia ser Zâmbia O seu conteúdo assegura que seja
conservada! G.K. Arora uma revista muito procurada! Martin Kampchen
Gostei muito de ler a Índia O número sobre Mahatma Gandhi Índia
em Frankfurter Allgemeine Zeitung
Perspectivas, especialmente o Ashwani Sharma foi escrito muito bem e demonstra Abid Hussain
29 de Outubro de 2008
EUA Antigo embaixador da Índia
número especial sobre Mahatma os efeitos do “Gandhismo” em O número da Índia Perspectivas que
Gandhi. todo o mundo desde a sua morte realçou à indústria editorial na Índia
Uma publicação muito interessante,
numa maneira que nenhuma outra era sem dúvida muito oportuno e
Shalva Weil com uma linda apresentação!
Israel publicação conseguiu fazer. foi produzido muito bem.
Chandrajit Banerjee
A Confederação da Indústria Indiana Usha Mayani Lakhan Mehrotra
Índia Panamá Antigo embaixador da Índia
Jawaharlal Nehru Kerala Verde para um ambiente
como um filósofo um mosaico encantador melhor
MULK RAJ ANAND 6 VIVECA TALLGREN 32 J.V.S. MURTHY 83
O artesanato indiano
Um mundo livre procurado em todo o mundo O metropolitano de Deli Kapil Dev é o maior
das armas nucleares GARIMA SHARMA 66 N.K. SAREEN 86 BHARAT BHUSHAN 106
RAJIV GANDHI 10

A indústria indiana de
As sílabas das fábulas informática
H.Y. SHARADA PRASAD 14 RAJIV RASTOGI 108

A Caxemira no inverno Os guardas do presidente


ASHOK DILWALI 18 P.K. DE 112

Sikkim
um paraíso budista
P.K. DE 40
A missão indiana não
tripulada à lua
DINKAR SHUKLA 90

Os estilistas indianos O romance da fortaleza Bhimsen Joshi


transformam-se em de Gwalior Os festivais na arte indiana um vocalista por excelência “Tigre! Tigre!”
marcas internacionais USHA JOHN 48 UTPAL K. BANERJEE 70 RASHME SEHGAL 94 BHAGAT SINGH 116
MEENU GUPTA 22

O Taj Mahal Ashok Kumar A cultura gastronómica Há sempre espaço A caminhar pela vida à
O romance da pedra o herói do cinema indiano os sabores da Índia para o humor minha maneira
KHAWAR MALIK 26 B.M. MALHOTRA 52 SANDEEP SILAS 76 R.K. LAXMAN 98 RUSKIN BOND 121

A televisão por satélite


A dança e a um meio de Out of my Mind!
língua do corpo desenvolvimento rural (“COMPLETAMENTE LOUCO!”) A olhar para trás
M.S.N. MENON 58 RADHAKRISHNA RAO 80 SUDHIR DAR 104 TG NALLAMUTHU 125
ele próprio confessou a Mesley, respirar fundo, como um raio
um jornalista americano, de luz a brilhar na escuridão...”
concordou à partição da Índia
Jawaharlal já tinha desistido do
para satisfazer o seu desejo para
vago ‘cinismo’ dos intelectuais
o poder. No contexto de um
‘inteligentes’ que debatiam no
ensaio escrito por Jawaharlal
conforto das suas salas de estar,
Nehru intitulado ‘A minha
que tinha sido ‘parcialmente
filosofia da vida’, um erudito
natural’ na sua juventude e
professor indiano disse a um
‘parcialmente a influência de
público anglófono: “Nehru não
Oscar Wilde e Walter Pater’.
é um filósofo. Não sabe ler
Falava livremente com ‘Bapu’
sânscrito. Denigra as tradições
(“pai”), como chamava Gandhi,
indianas...”
dando voz à sua oposição
Tais observações superficiais quando ele achou que os
apenas são possíveis porque lemas de Gandhi como ‘Ram
muitos membros dos círculos Raj’ podia induzir o povo
intelectuais, e até alguns dos erroneamente a renovar o
seus contemporâneos, não reino feudal patriarcal do
sabem que ele leu Garibaldi na período das grandes epopeias.
escola, Bahunir, Proudhon e Questionava os atrasos ao
Marx na universidade e que ele lançar as campanhas. Não
admirava o socialismo do estilo aprovava da técnica de fazer
Fabian de Sidney e Beatrice “jejuns até à morte”. Jawaharlal
Webb, George Bernard Shaw, continuou a ser um seguidor
H.G. Wells e outros intelectuais. diligente e um crítico criativo
Nem sabem que estudou a que louvou Gandhi quando este
biologia e sabia que a ciência recusou adoptar o honorífico de
pode fornecer novas dimensões “Grande Alma”. A sua dedicação
ao conhecimento humano, à condição humana coincidiu
ou que desistiu da profissão com a de Gandhi, que dizia
de advogado de livre vontade “Deus aparece aos pobres na

Jawaharlal Nehru depois de ver os abusos da


profissão, renunciou à fortuna
forma de pão”, e a sua ambição
era de enxugar cada lágrima de
cada olho. Um entendimento
como um filósofo da sua família e transformou
a sua vida modelada nos misericordioso da miséria humana
costumes dos ingleses numa tornou-se num forte laço entre
MULK RAJ ANAND vida de tradições indianas Gandhi e Jawaharlal Nehru.
graças a sua amizade com Pode-se ver um vislumbre da sua

D ecidi falar da filosofia de Jawaharlal Nehru sobre a vida,


mesmo que ele não era um filósofo académico. Algumas
análises criticaram-no bastante. Um crítico cruel disse
há pouco: “Como um estudante ele não era particularmente
inteligente, era um fracasso como advogado, como líder do
Gandhiji.

Nas suas memórias, Jawaharlal


Nehru escreveu: “E depois
surgiu o Gandhi. Ele era como
empatia com os seres humanos
num pequeno livro seu que se
chama “Onde estamos?”
“Percorri a Índia durante muitos
movimento da independência ele não tinha nenhuma volição um vento de ar fresco que meses e vi milhões de rostos.
própria e subjugou-se completamente à vontade de Gandhi. Como nos obrigou a estender-nos e Vi mil facetas deste meu país e

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 6 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 7
toda a sua rica diversidade, mas Embora admirava o Hino da era, segundo ele, uma prática exploraram e escravizaram
sempre com uma impressão Criação do Rig Veda para as intolerável. Não aceitava a vastas populações.
unificadora da Índia. Procurei suas ousadas ideias sobre as denegrição das mulheres e a Como o chefe de estado da
entender o que havia atrás desses origens do universo não aceitou imagem negativa delas em obras República da Índia Jawaharlal
milhões de olhos – que olhavam literalmente todas as ideias dos como o Manusmriti e quis Nehru enfrentou o desafio
para mim com tantas esperanças vedas. direitos iguais para as mulheres. trágico de uma primeira guerra
e tantos desejos. Que miséria Achava que as filosofias logo depois da declaração da
Do mesmo modo, embora
profunda sem expressão...” dos hindus eram discussões liberdade.
apreciasse algumas das sutras
Voltava muitas vezes à maneira dos Upanishads, não achava impressionantes de problemas
da época medieval mas eram A seguir o seu desejo de
em que o Buda questionava que eram verdades que deviam alcançar cem anos de paz
o bramanismo no contexto ser aceites sem questão, irrelevantes no contexto actual.
Também achava que o islão era evoluiu os cinco princípios de
da rejeição de povos inteiros especialmente porque muitas uma co-existência pacífica e
à condição dos intocáveis. vezes se contradiziam. uma fé largamente relevante à
sua própria época … E quando um respeito mútuo entre os
Não há dúvida que um dos estados e as pessoas. Ao longo
Apreciava muitos pensamentos Tara Singh urgiu um estatuto
princípios que aceitou como de da sua vida Nehru não desistiu
do passado mas não aceitava separatista para os sikhs,
significância primordial na sua na sua luta para melhorar a
todos os pensamentos lembrou-lhe que o livro sagrado Departamento das Fotografias, Governo da Índia
filosofia de vida parecia derivar- condição da humanidade, em
tradicionais. Quis pesquisar dos sikhs, o Guru Granth era
se da sua crença na ética sem ofereceram aos homens e todos os níveis desde a política
os factos sociais das épocas uma síntese de várias fés …
Deus. às mulheres poderes sem de estado até às suas acções
em que uma filosofia ou uma
No contexto das filosofias religião surgiu e ver se era Escreveu: “A perspectiva precedentes para alcançar pessoais, juntamente com outros
tradicionais do nosso país, relevante nos tempos modernos. tradicional chinesa, os seus propósitos da vida e indivíduos que partilharam a
acreditava que apenas as Por exemplo, a maneira em que fundamentalmente ética e realizar algumas metas que sua boa vontade. Não é de
filosofias que são relevantes os brâmanes tinham proibido mesmo assim tingida com um apenas os poderes divinos estranhar que se encontraram as
para a vida humana hoje em dia os intocáveis a recitar os versos cepticismo religioso, é atraente deviam realizar através dos seus seguintes linhas de Robert Frost
deviam ser aceites. sagrados durante muito tempo embora eu talvez não esteja homens de milagres. Jawaharlal no seu caderno:
de acordo com a sua aplicação percebeu os perigos do uso não As florestas são lindas, densas e
à vida. É o ‘tao’, o caminho a ético da ciência e deu voz à sua escuras,
seguir e o modo da vida que preocupação com o uso das Mas ainda tenho muitas
me interessam.” bombas nucleares, suscitando promessas para realizar.
Será que é possível que quando a indignação e a ira do estado
mais poderoso do mundo. Jawaharlal Nehru não negava
ele enfatizou a ideia de Gandhi
a sua crença na capacidade
que os fins são os meios e a sua Na sua obra Vislumbres da da humanidade e no potencial
insistência nos meios correctos História Mundial Jawaharlal de uma frase filosófica – o
para atingir os fins correctos Nehru achou que o indivíduo humanismo.
Nehru estava a reforçar a ética não tinha nenhum direito até
da vida como a única filosofia que os homens começaram a Podemos dizer que ele
possível? Por isso ele achou que se afirmarem como indivíduos acreditava na humanidade, no
a felicidade é possível apenas depois do renascimento europeu. seu potencial de permitir um
num mundo secular … homem livre a transformar o
Ao longo do século XIX, seu próprio destino.
Parecia que os boatos da embora algumas sociedades ◆
morte de Deus anunciada por alcançaram algumas liberdades O autor é um conhecido escritor. Este artigo
Vicco, Darwin, Michlel e Marx básicas, as elites desses mesmos é uma versão editada do artigo original
que foi publicado na Índia Perspectivas de
tinham sido confirmados pelas estados conquistaram a Ásia, Novembro de 1988.
ciências. As novas descobertas a África, a América Latina e

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 8 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 9
Um mundo livre das armas nucleares Não podemos aceitar a lógica
de que algumas nações têm
mais baixo, as Seis Nações – a
Argentina, a Grécia, a Índia, o
o direito de prosseguir com a México, a Suécia e a Tanzânia
sua segurança ao ameaçar a – focaram a atenção do mundo
A dirigir-se à terceira sessão especial da Assembleia Geral
sobrevivência da humanidade. mais uma vez na necessidade
da ONU sobre o desarmamento, em Junho de 1988, o então Nem podemos aceitar que urgente de prosseguir com o
primeiro-ministro, Rajiv Gandhi, apelou à comunidade as nações que têm as armas desarmamento nuclear. O Apelo
internacional a negociar um acordo permanente para nucleares não sofrem de de Maio de 1984, emitido por
assegurar um desarmamento geral e completo. nenhuma forma de controlo Indira Gandhi, Olof Palme e os
enquanto os países que não têm seus colegas teve uma grande
as armas nucleares são proibidos resposta. As negociações que

E stamos quase ao fim do século XX. Foi o século mais sangrento


da história humana. Cinquenta e oito milhões morreram em duas
Guerras Mundiais. Mais quarenta milhões morreram em outros
conflitos. Uma guerra nuclear não vai significar a morte de mais cem
milhões de pessoas. Vai significar o fim da vida no nosso planeta como
de os produzir. As nações que
não pertencem aos blocos
militares preferiam de qualquer
forma estar fora da corrida das
estavam empatadas há anos
recomeçaram. O processo que
começou na Genebra resultou
no caminho a Reiquiavique,
armas. Mas quando se permite Washington e Moscovo.
nós a conhecemos. Estamos aqui hoje nas Nações Unidas para pedir que as considerações tácticas
o vosso apoio. Pedimos o vosso apoio para pôr fim a esta loucura. Todos nós louvámos a ratificação
nas rivalidades entre os grandes
É perigoso acreditar que as armas nucleares nos trouxeram a paz. do tratado INF assinado pelo
poderes tenham precedência
Há pessoas que dizem que uma guerra nuclear não pode acontecer. Secretário-Geral Gorbachev e
sobre o imperativo da não
Nem a lógica nem as experiências podem corroborar uma tamanha pelo Presidente Reagan.
proliferação nuclear, quais são as
complacência perigosa. Os campeões da balança nuclear argumentam nossas alternativas? Apelamos à comunidade
que as armas nucleares já foram inventadas e por isso já não podem internacional a encetar
ser eliminadas. Não concordamos com isso. Até os mais potentes poderes
imediatamente as negociações
militares do mundo percebem
para adoptar um Plano de Acção
que não podem continuar com
com prazos fixos para alcançar
esta actual corrida das armas sem
uma ordem mundial livre das
induzir um desastre económico.
armas nucleares e enraizada na
Quando a Assembleia Geral não-violência.
reuniu-se aqui na última sessão
Já entregámos um Plano de
especial para debater as questões
Acção a esta sessão especial
do desarmamento, o panorama
sobre o desarmamento da
era cinzento. Hoje, há uma nova
Assembleia Geral da ONU. O
esperança para a sobrevivência
nosso plano apela à comunidade
e para a paz. Como é que
internacional a negociar um
essa transformação aconteceu?
acordo firme para alcançar um
Prestamos homenagem à
Departamento das Fotografias, Governo da Índia

desarmamento completo e geral.


sabedoria dos líderes dos EUA e
Tem que ser um compromisso
da União Soviética. Ao mesmo
total. Tem que ser um
tempo, devemos reconhecer
compromisso sem reservas.
o papel desempenhado pela
Iniciativa das Seis Nações e O cerne do nosso Plano de
pelas aspirações de muitos Acção é eliminar todas as armas
milhões de pessoas. Numa época nucleares em três etapas ao longo
quando as relações entre os dos próximos vinte e dois anos,
dois maiores estados com armas começando agora. Entregamos
nucleares chegaram ao seu nível este Plano às Nações Unidas

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 10 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 11
como um programa a encetar 2010 e também assegurar que os frequentemente são violados.
logo. estados que não tenham armas É necessário esforçar-nos
nucleares não ultrapassam o para introduzir as mudanças
As características essenciais do
limiar das armas nucleares. institucionais que possam
Plano de Acção são:
As leis internacionais já proíbem assegurar que sejam observados.
Primeiro, que deve haver um É essencial fortalecer o sistema
o uso das armas biológicas. É
compromisso firme de todas as da ONU para alcançar uma
necessário estabelecer acções
nações para eliminar as armas segurança global e completa.

Departamento das Fotografias, Governo da Índia


semelhantes para proibir as armas
nucleares, em fases, até o ano Devemos ressuscitar a visão
químicas e radiológicas.
2010, ao mais tardar. original das Nações Unidas.
A abordagem do desarmamento Temos que actualizar a ONU
Segundo, que todos os estados deve elaborar maneiras de para que seja em linha com as
com armas nucleares devem controlar a contínua e qualitativa necessidades da nova ordem
participar no processo de actualização das armas nucleares mundial.
desarmamento. Todos os outros e convencionais. Para alcançar
países também devem participar esse fim, é essencial aumentar a A batalha pela paz, pelo
no processo. transparência na investigação e desarmamento e pelo
desenvolvimento nas tecnologias desenvolvimento vai ser travada
Terceiro, para demonstrar a boa
de ponta que podem ter tanto dentro desta Assembleia e
fé e para construir a confiança
potenciais aplicações militares. fora dela pelos povos do mundo.
necessária, deve haver progresso outras bombas contrapostas,
Neste momento, seria oportuno Como o Dhammapada do Buda nos
tangível em cada etapa no exactamente como a violência
lembrar a visão de um mundo ensina:
caminho para o alvo comum. não pode ser eliminada pela
aberto articulado por um dos “A nossa vida é moldada pela
Quarto, é necessário mudar contra-violência. A humanidade
mais extraordinários cientistas da nossa mente;
as doutrinas, as políticas e pode sair da violência apenas
nossa época, Niels Bohr. Na sua Transformamo-nos naquilo que
as instituições para suster através da não-violência.”
Carta Aberta à ONU datada 9 de pensamos.
um mundo livre das armas Junho de 1950, há trinta e oito A bi-polaridade pós-guerra está a O sofrimento segue aos
nucleares. É necessário encetar as anos, ele disse: transformar-se na percepção que pensamentos maléficos
negociações para estabelecer um há uma grande necessidade para
“O próprio facto que o Como as rodas de uma
Sistema Global de Segurança sob
conhecimento seja uma base para a co-existência. A alta retórica carruagem seguem os bois a
a égide das Nações Unidas.
a civilização indica directamente do sistema das alianças militares puxar.
Na primeira etapa, o tratado que a abertura é o caminho para está gradualmente a ser mitigada Um pensamento puro é seguido
INF deve ser seguido por uma superar a actual crise.” pelas perspectivas do movimento pela alegria
redução de 50% nas armas não-alinhado. Como uma sombra que nunca
estratégicas dos EUA e da União A ONU precisa de evoluir um passa.
consenso para elaborar uma nova O movimento do não-
Soviética. Porque o ódio nunca pode pôr fim
doutrina estratégica de defesa alinhamento foi fundado à
ao ódio;
Propomos que as negociações não provocativa. base do desejo das nações
Apenas o amor pode fazer isso.
devem começar na primeira etapa para ter liberdade no contexto
É essencial que a estrutura de tal Essa é a lei inalterável”.
para elaborar um novo Tratado das suas acções. Representa ◆
para substituir o Tratado da Não sistema seja baseada firmemente a independência nacional e a Esta é uma versão condensada de um
Proliferação, que vai caducar em na não-violência. Como Mahatma auto-suficiência. Nas palavras de
discurso proferido pelo falecido primeiro-
ministro Rajiv Gandhi na Assembleia Geral
1995. Este novo Tratado deve Gandhi disse depois do primeiro Jawaharlal Nehru: da ONU sobre o Desarmamento. Foi
estabelecer um quadro legal uso das armas nucleares: publicado na Índia Perspectivas
“A alternativa à co-existência é a de Julho de 1988.
para assegurar o compromisso “O moral que podemos
co-destruição”.
definitivo dos estados que legitimamente derivar da suprema
possuem armas nucleares a tragédia da bomba nuclear é Esses princípios são consagrados
eliminar todas as armas até o ano que não pode ser destruída por na Carta das Nações Unidas mas

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 12 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 13
para o ar. Mas será que sabemos
As sílabas das fábulas qual era o conselho que a
tartaruga dava aos seus netos?
H.Y. SHARADA PRASAD Sempre devem limpar as gengivas,
Sempre devem fazer a

E screver histórias sobre os animais é um antigo passatempo. matemática.


Começou com as avós, quase sempre sem nome, e avôs com Comprem a sua própria casa; não
nomes como Aesop e Vishnu Sharma. Vikram Seth reformulou paguem aluguer.
duas histórias de cada um desses dois narradores e acrescentou mais Poupem o seu dinheiro em fundos
duas histórias da China e duas da Ucrânia. Há mais duas histórias da de 6%.
terra de Gup (fofocas), o país inventado por Rushdie antes que ele foi Estudem a contabilidade,
obrigado a refugiar-se na Terra de Chup (silêncio). Criaturas familiares E cresçam para ser como eu.
têm novos trajes aqui; as histórias foram adaptadas com a mesma Ouçam, Eddy, Neddy e Freddy,
liberdade criativa que os nossos cinematógrafos mostram quando Podem ser lentos mas têm de ser
tratam dos clássicos. Todos nós conhecemos a história da corrida entre estáveis.
a tartaruga e a lebre, onde o resultado deixou as apostas de pernas
A tartaruga atravessou a linha
do fim, caminhando lentamente
e apanhou a fita na sua boca.
Todavia, depois do evento, não
foi o vencedor que ficou no
centro de atenção dos repórteres
mas sim foi a lebre, que tinha
perdido. Porque a lebre tinha
uma vez ganho um concurso
de beleza e sabia que ela era
“simplesmente deslumbrante” e
que ela podia demorar o tempo
que quisesse. Mesmo que tivesse
perdido, a lebre estava visível em
todo o lado.
As histórias das suas citações e
aventuras
Foram as manchetes de todos os
jornais.
E até o BBC
Transmitiu uma reportagem com
as notícias:
“O mundo perdido devido a uma
sesta”.
Pode-se ver as suas fotografias
nas páginas de cor do jornal
Sunday Observer editado por
Pritish Nandy. Vikram Seth sabe
sem dúvida algumas coisas
sobre o mundo dos meios de

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 14 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 15
Mas, como toda a gente sabe, o
macaco era inteligente e evitou a
sua morte com o simples truque
de dizer ao crocodilo que tinha
deixado o seu coração nos ramos
da mangueira onde ele vivia.
A mais longa história do livro é
comunicações e os seus modos a última da colecção, “O elefante
de funcionar. e o faisão”, que é uma espécie
Outra conhecida história é a do
crocodilo e o macaco. Eram
grandes amigos até que a esposa
do crocodilo quis comer o coração
de espelho dos nossos tempos.
do macaco. Ela falou com o seu
Há um vale fluvial que vai ser Citar mais linhas seria estragar
marido com um sotaque do qual
submerso com um projecto para o prazer dos leitores. Mas é
uma actriz se orgulhava:
uma barragem. A floresta vai ser maravilhoso ver a variedade que pequeno crocodilo de Lewis
Traga ele aqui, querido, ou eu cortada para fornecer mais água Vikram Seth consegue alcançar Carroll que lavou a sua
Cheia de amargura, vou morrer. à cidade e todos os animais e com uma linha de sete sílabas (de cauda nas águas do Nilo para
os pássaros do vale e os peixes vez em quando com uma sílaba melhorar o seu brilho. Os livros
do rio procuram resistir o plano, a mais) e como ele ultrapassa de Lewis Carroll sobre a Alice
porque “onde vem a estrada, as limitações das rimas. Pode-se foram realçados pelos desenhos
aí desaparece a floresta” e iam observar a sua habilidade em de John Tenniel. Este livro tem
todos morrer como consequência. versos como: algumas óptimas ilustrações por
As seguintes linhas reflectem
Tocando música juntas Ravi Shankar (que, como Tenniel,
aquilo que os animais pensam
Com plumas e peles... é basicamente um caricaturista
dos seres humanos. O seu porta-
Desde que o zodíaco se desviou político). Mas as ilustrações
voz, o elefante diz:
Tudo mudou. usadas na capa e na contracapa
Falo com vocês como um cujo clã, caricaturam o texto. O casal de
O último poema, que reflecte o
Já serviu e por isso estudou o crocodilos do poema de Vikram Mas não vale a pena disputar as
trabalho de activistas ambientais
homem Seth vivia no rio Ganges com o geografias!
como Sunderlal Bahuguna e Medha
É uma criatura suave e vingativo, seu leito suave de lama. Mas a
Patkar, nas suas encarnações Era duas vezes havia um
Prático e caprichoso, Sra. Crocodilo de Ravi Shankar
na forma dos diversos animais, livro com dois tipos de linhas
Amoroso e brutal, são e louco, é uma dama francesa esperando
consiste em linhas de oito sílabas, adoráveis, linhas para cantar e
O bom é tão estranho como o sozinha com uma garrafa de
como na sua conhecida obra The linhas para olhar, e este é esse
mau. vinho numa mesa num terraço
Golden Gate. livro. Como Dylan Thomas disse
O centro desta grande bagunça, mediterrânico. O sapo do nono
uma vez, se a poesia faz com que
é um egoísmo inquieto. Com The Golden Gate, Vikram poema é evidentemente europeu
os seus pés querem dançar, então
Corta a nossa carne e rasga as Seth tornou-se num sócio do (porque o rouxinol do mesmo
este livro de poesia é uma obra
nossas peles clube de Chaucer, de poetas que poema é admirado pelo Bufo
assim.
Para roupas fora e comido contam histórias e riem-se às de Sandwich, o Pato de Kent, ◆
dentro. asneiras dos homens. Agora, com Mallard e Milady Trent e o Beastly Tales From Here and There por
Vikram Seth; Viking, 1991; pp. 93; Rs. 100
Vê o planeta como o seu reino Beastly Tales, ganhou entrada Galeão de Monte Cristo). Mas
Onde cada cabelo ou gota ou num outro clube exclusivo, que aqui o sapo é um cantor de O autor é um antigo funcionário público
folha inclui autores como Lewis Carroll, que se tornou num conhecido colunista nos
dhrupad (um estilo clássico de jornais depois de se reformar. Este artigo
Ou semente ou grão de areia Edward Lear e Ogden Nash. A música indiana) que sofre de foi publicado na Índia Perspectivas de
É para o seu próprio uso... sua Sra. Kuroop é uma tia do dispepsia. Setembro de 1992.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 16 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 17
A
Caxemira
no inverno
ASHOK DILWALI
Ashok Dilwali é um conhecido fotógrafo
de paisagens. Estas fotografias foram
publicadas na Índia Perspectivas de
Março de 1992

A Caxemira é
considerada um verdadeiro
paraíso na terra.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 18 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 19
Os estilistas indianos transformam-se
em marcas internacionais
MEENU GUPTA

D esde que o homem começou a vestir-se, as roupas transformaram-


se num adorno para o corpo, numa expressão pessoal e numa
característica que reflecte a personalidade do indivíduo, ou seja, a
moda é uma arte. Como consequência, a variedade é a palavra-chave no
contexto da moda. É uma combinação de criatividade misturada com uma
boa dose de estética. Os estilistas já não fazem vestidos mas sim criam-nos.
Na Índia, todavia, a moda é um conceito relativamente novo, visto que
o primeiro desfile só se realizou em 1958. No entretanto, lemos no
“Northanger Abbey” de Jane Austen que as musselinas da Índia britânica
eram muito na moda e, nessa altura, era uma pechincha a nove xelins
por metro. Para além disso, o artesanato indiano e a sua rica tradição de
bordados foram também utilizados por estilistas de outros países desde há
muito. A Índia se orgulha dos seus bordados de zardozi e dabka, os seus
brocados, pashmina, jamawar, bandhni...a lista é interminável. As cores
abrangem tudo desde tons brilhantes a tons mais subtis. O arco-íris indiano
sempre serviu de inspiração para as cores tradicionais dos tecidos da Índia.
Por isso, parece um paradoxo que a moda seja considerada um conceito
novo na Índia. Mesmo assim, já houve muitos avanços e desenvolvimentos
em anos recentes.
Há uma necessidade cada vez maior para ter mais variedade na Índia. Os
gostos também mudaram graças à globalização, um aumento no poder

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 22 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 23
vestidos indianos como para os exemplo, o ambiente, nas suas e Rohit Bal, para citar apenas
vestidos estrangeiros. Ritu Beri, criações de marca. Considerando alguns nomes, frequentemente
uma estilista versátil com uma que os estilistas indianos participam em desfiles de moda
conhecida marca, “Lavanya”, começaram a se desenvolver só no estrangeiro.
trata principalmente de vestidos há relativamente pouco tempo, é
A moda já afirmou a sua presença
indianos. Tanto Ritu Beri como louvável que dentro de um curto
na Índia. Eliminou a demarcação
Rina Dhaka, que também se prazo de cerca de uma década,
entre vários estabelecidos
concentra na moda indiana, já têm clientes no Médio Oriente, códigos de vestidos. Todavia,
procuram recriar o rico passado no Reino Unido e nos EUA. Ravi ainda há muito para fazer. Até
histórico da Índia através dos Bajaj já desenhou várias linhas os estilistas reconhecem esse
seus vestidos. de moda para as empresas de facto. Nas palavras de Ritu Beri,
exportação produzindo para os “O mundo está à nossa espera
Vários estilistas indianos já mercados da Europa e dos EUA. e conseguimos fazer apenas os
lançaram uma gama de vestidos Ritu Beri têm uma loja exclusiva primeiros passos para lá chegar.”
pronto-a-vestir, que é acessível na prestigiosa Regent Street em ◆
à muita mais gente. Às vezes os Londres e em Nova Jérsia nos A autora é uma jornalista independente.
Este artigo foi publicado na
estilistas indianos promovem EUA. Os estilistas indianos, como, Índia Perspectivas de Março de 1999.
assuntos sociais, como por por exemplo, Gitanjali Kashyap

de compra e uma vontade de ocidente. É como se fosse um


sentir-se bem e vestir-se bem. novo movimento para usar as
Um factor importante foi um roupas indígenas. Os melhores
novo cenário social onde a desenhos, motivos, temas e
“nova mulher” afirmou a sua artesãos são disponíveis na Índia
presença – mulheres que têm e os tecidos e estilos indianos são
rendimentos independentes, que os melhores para as condições
têm uma nova confiança e que na Índia, diz Rina Dhaka, uma
têm ideias claras sobre aquilo conhecida estilista. “Graças a
que querem na vida. Essa nova essa tendência, até os homens
mulher pode usar um vestido indianos estão a voltar para os
ocidental com tamanha facilidade estilos indianos dos sherwanis,
que os vestidos indianos segundo bandh gala, os casacos de Nehru,
a ocasião e a altura. Muitos xailes e kurtas’, acrescenta.
institutos como o Instituto
Os meios de comunicação
Nacional da Tecnologia de Moda
também desempenharam
(NIFT), o Instituto Indiano da
um papel importante nessa
Tecnologia de Moda (IIFT) e a
explosão de moda. O mundo de
Pearl Academia de Moda foram
moda recebe muita atenção na
estabelecidos. Aqui, os estudantes
imprensa e até há várias revistas
aprendem a transformar a sua
dedicadas especificamente à
criatividade em vestidos e
moda. Programas baseados na
desenhos para tecidos.
moda também são frequentes
A especialização resultou numa nos meios electrónicos de
explosão de moda, todavia, os comunicação. Apesar da
estilistas indianos se aperceberam concorrência nesse sector devido
muito cedo que a moda não à chegada de marcas estrangeiras,
significa apenas copiar o há uma procura tanto para os

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 24 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 25
O Taj Mahal
O ROMANCE DA PEDRA
KHAWAR MALIK
autocarro, com mais cinco horas que organizava conferências inglês sem gramática, com cada
agendadas para a viagem de de negócios. Ela apresentou segunda frase em hindi, o Sr. Lal
volta. a sua colega (trabalhavam virtualmente corria de um lugar
juntas e partilhavam o mesmo para o outro.
“Então, porque é que está a ir a
Agra?” apartamento em Paris) que se “Essa é uma estátua de um rei
chamava Verónica. Tive uma rajput, subiu as muralhas da
Expliquei que a minha irmã me oportunidade de me redimir nos fortaleza e correu dentro com o
tinha obrigado a ir. Ela disse que olhos da Dra. Berger durante seu cavalo.”
concordava com a minha irmã. a nossa visita à fortaleza de
Agra. Por isso, sarei sempre “É a banheira de Jehangir, ele
“Que o Taj é a coisa mais linda
agradecido ao nosso guia está a tomar um banho nela.”
da face da terra”.
Olhei para dentro da enorme
indiano, Ram Lal.
“Sim! E que você é uma banheira de pedra, esperando
vergonha.” Cansado da sua rotina de expor apanhar um vislumbre do
Foi o suficiente para “as jóias da história” (um risco Imperador Jehangir com a sua
assegurar que eu não dissesse profissional entre guias nos bela Imperatriz, Noorjehan, mas
mais nada durante algum monumentos históricos), o Sr. não estavam à vista. Já tomou
“É apenas um edifício!”, eu disse
tempo. Todavia, logo ela se Lal também estava com muita o seu último banho há muito
à minha irmã. “O facto que foi
apresentou: Inez Berger, uma pressa. Falando rapidamente tempo.
construído em mármore em
vez de betão e argamassa não alemã que vivia em Paris. Ela naquela linguagem curiosa “Este é o Diwaan-e-Aam, esse é
significa que é uma coisa de fora trabalhava para uma agência dos guias – uma mistura de o Diwaan-e-Khas.”
deste mundo. Tens mármore
aqui mesmo na tua sala e não
é a melhor coisa. Acho que
teria sido muito melhor ter uma
alcatifa aqui.”
“És mesmo uma vergonha,”
disse a minha irmã, exasperada.
“Agora sei porque é que nunca
conseguiste impressionar
nenhuma mulher na tua vida.
Não tens nem uma gota de
romance na tua alma.” numa desculpa para começar
uma conversa com elas e apenas
Todavia, eu tive que estender a
tive uma oportunidade quando
minha viagem por acaso e não
a estrangeira ao meu lado pediu
tive mais nada para fazer.
um lume para o seu cigarro.
Foi assim que eu acabei num
“Pergunto-me se a viagem vai
autocarro ar condicionado rumo
valer a pena.” Ela pareceu um
a Agra devido a uma falta de
bocado surpreendida com o
actividades alternativas. O único
comentário. “Claro que vai ser!
prazer da viagem foi um par de
Vamos ver o Taj Mahal.”
estrangeiras sentadas na cadeira
do outro lado do corredor. Eu disse que eu não tinha a
Passei exactamente metade do certeza que qualquer “edifício”
caminho (2½ horas) pensando valia a pena de cinco horas num

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 28 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 29
Também fiquei muito irritado viraram-se para fotografar o Taj
com a maneira em que ele que, embora uma silhueta no
gritava “Impar! Impar!” em todas sol do meio-dia, era magnífico
as oportunidades. mesmo de tão longe. Quando a
Inez virou-se na minha direcção
Tive uma oportunidade de
ela já tinha um novo respeito
brilhar quando, na sua pressa,
nos seus olhos.
o Sr. Lal esqueceu mencionar
a famosa lenda do espelho no “Conhece mais lendas?”
Khas Mahal. Confrontei-o e Eu conhecia muitas porque fui
descobri que ele nem conhecia um público relutante de uma
a lenda. Assim, virei-me para o irmã que já visitou esta parte do
meu público e narrei a lenda de mundo pelo menos três vezes.
como o Imperador Shahjahan, Quando chegámos ao Taj na
aprisionado no Khas Mahal pelo mesma tarde, ainda estava
seu filho Aurangzeb, via o seu quente e o meu cepticismo de
amado Taj. ‘Quase perdeu a sua “meros edifícios” voltou mais Taj vem atrás de si (como as As meninas naturalmente queríamos ver o pôr-do-sol no
visão com a velhice e não podia uma vez. Tive que alimentar heroínas nos filmes indianos). disseram que eu era uma Taj. O espectáculo começou por
ver o Taj do seu pavilhão. Mas o apetite (voraz) de Inez para Pode mudar em dois conjuntos vergonha. Bem, pelo menos volta das seis horas quando o
não conseguia viver sem ver o as lendas: “Se alguém entrar diferentes de cores ao nascer e a Inez disse isso e a Verónica seu mármore branco começou
Taj. Então Aurangzeb ofereceu- pela porta do Taj com os olhos ao pôr-do-sol, com cinco cores concordou. Talvez a Inez pagava a adquirir um toque dourado.
lhe um espelho de bolso que, fechados e os abre em cima do em cada conjunto de cores. o aluguer na França. Com a passagem dos minutos
quando colocado aqui, nesse mausoléu, a estrutura parece E pode ter cinco tons de azul um bocado de pêssego entrou
lugar, reflectia o Taj.” O silêncio Na medida em que nos
como um reflexo na água em numa noite de lua cheia. O Taj também. Depois, mudou
foi quebrado pelo som de aproximámos do mausoléu até
vez de uma estrutura na terra. pode falar com você se você repentinamente para uma
máquinas fotográficas enquanto o meu cepticismo começou esplêndida cor-de-rosa. Quando
O Taj é como uma senhora, falar com o Taj”, etc., etc.
toda a gente tirou fotografias a desaparecer com a sua o sol se pôs atrás do Taj, a
quando você se aproxima dele,
Devo dizer que o impacto actual maravilhosa beleza. estrutura adquiriu um lindo e
do lugar (imaginado) que eu foge das suas mãos. Mas se
tinha indicado. De seguida todos você começa a se afastar, o do Taj surpreendeu-me. Quando Um homem baixinho deu-nos suave toque de azul.
entrámos pela porta do Taj (com uma demonstração do brilho Fez tudo que as lendas
os olhos fechados), através das dessas pedras preciosas, com prometiam. Afastou-se quando
duas filas de ciprestes ao lado uma lanterna na sua mão. me aproximei. Seguiu-me
dos canais de água foi uma vista Quando dirigiu à luz a uma quando virei as minhas costas.
verdadeiramente grandiosa e ao peça embutida com turquesa, as Sentiu as minhas palavras e
mesmo tempo de uma beleza pedras brilharam na escuridão. respondeu baixinho. Quando
muito delicada. Foi como uma Também demonstrou como o Taj saímos eu disse às minhas
jóia brilhante no sol quente da ‘fala’ ao gritar algumas palavras companheiras da viagem, “Não
tarde. As moças, obviamente, reconhecíveis (Allah-o-Akbar) sou romântico, mas este lugar
estavam completamente e alguns sons irreconhecíveis de facto tem um efeito mágico.
emocionadas e embora o Taj (ugh, ugh). Parece que estive a ver o
também me tinha emocionado romance da pedra.”
E o eco do Taj respondeu de ◆
profundamente fingi que não
uma maneira diversa todas as O autor é um jornalista paquistanês que
era nada de especial. Disse-lhes visitou a Índia. Este artigo foi publicado na
vezes.
que não parecia flutuar em cima Índia Perspectivas de Setembro de 1992.
da água quando abri os meus Decidimos saltar o túmulo Fotografias: © Prakash Israni.
olhos. de Itmad-ud-Daula porque

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 30 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 31
Kerala
UM MOSAICO
ENCANTADOR
VIVECA TALLGREN

O estado de Kerala é um dos


mais pequenos estados
da Índia mas também é
um dos seus estados mais ricos.
Essa estreita faixa de terra à beira
da Costa do Mar das Arábias é
a parte mais meridional do país
e abrange os antigos estados
reais de Travancore, Cochim e a
província britânica do Malabar,
que foram unidos em 1956
para formar o estado de Kerala.
Embora uma das atracções mais
famosas de Kerala é a praia de
Kovalam, uma das melhores
praias da Índia, eu pessoalmente
acho que as paisagens do interior,
a sua história e a sua cultura são
muito mais interessantes.
O estado de Kerala é conhecido
como o “jardim da Índia” devido
à sua fertilidade e aos seus
recursos naturais. As verdejantes
paisagens têm lindos arrozais e
coqueiros sem fim, atravessados
por belos rios. Na língua local,
malaiala, o coqueiro é conhecido
como kalpavriksha – a árvore da
vida. Os habitantes locais usam
o coco em inúmeras maneiras.
É um ingrediente importante na
deliciosa gastronomia regional e
o leite de coco é servido como
um sinal de hospitalidade pelos
Ashok Dilwali

habitantes locais. O óleo de


coco é usado quotidianamente
em Kerala. É usado como um

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 32 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 33
produto cosmético para a pele Kerala também é a terra das de todos os cantos do mundo muçulmanos e há uma pequena testemunham ao seu passado
e para os cabelos. Também especiarias. 95% da pimenta desde há séculos. É também comunidade de judeus também. com influências dos portugueses,
se utiliza o óleo nas lâmpadas indiana cresce aqui e o estado uma das razões pelas quais essa holandeses e ingleses. Ao longo
Ao norte de Trivandrum, a capital
e nos templos para os vários produz 75% da produção anual região foi um cruzamento para as da ribeira pode se ver longas filas
do estado, encontra-se a cidade
rituais religiosos. As fibras da da Índia de cardamomo. Para diferentes culturas e religiões que de enormes redes de pescas ao
de Cochim, que, de um ponto
casca são usadas para fabricar além disso, produz outras deixaram a sua marca aqui. estilo chinês cujo desenho data
de vista histórico, é entre as
tapetes, que hoje em dia é uma especiarias como a canela, gengibre, do século XIII quando foram
Hoje, ainda há uma espantosa cidades mais interessantes de
indústria importante em Kerala, noz-moscada e cravos, para citar introduzidas em Cochim pelos
variedade de religiões em Kerala. toda a Índia e é a cidade que
e a madeira serve para fabricar apenas alguns exemplos. comerciantes chineses oriundos
Para além dos hindus, que são mais representa a rica história de
utensílios, brinquedos e muitos da corte de Kublai Cão.
Devido aos seus recursos a maioria, cerca de 20% dos Kerala. Os numerosos edifícios
outros produtos. naturais, Kerala atraiu mercadores habitantes são cristãos, 18% são construídos num estilo colonial Em Cochim é possível encontrar
Ashok Dilwali

Ashok Dilwali

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 34 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 35
uma das mais antigas igrejas fazê-lo com bastante brutalidade passado ainda mais antigo e tem Vasco da Gama chegou na Índia a mais pequena de todas as
cristãs na Índia, a Igreja de São mas morreu no mesmo ano e as suas raízes na comunidade dos havia cerca de 200.000 cristãos comunidades religiosas de Kerala,
Francisco, construída pelos foi enterrado na Igreja de São cristãos de São Tomé. Segundo em Kerala. mas a sua história na costa do
freires franciscanos portugueses Francisco. Os seus restos mortais a lenda, São Tomé o Apóstolo Cochim é também o sítio com Malabar é tão antiga como a dos
em 1503. O famoso explorador foram transferidos para Lisboa chegou na Índia em 52 d.C., a mais antiga sinagoga em toda cristãos. Tradicionalmente os
português Vasco da Gama mais tarde. Quando os ingleses trabalhou aqui como missionário a comunidade anglófona. Foi judeus de Kerala foram divididos
realizou três expedições à costa e juntou um grupo de devotos. construída em 1568 e se situa no em dois grupos: os judeus
ocuparam a Índia a igreja tornou-
do Malabar. Como vice-rei em Durante o século IV, o número antigo bairro judeu, Jews Town, brancos e os judeus negros. Os
se anglicana em 1795.
1524 recebeu um regimento de de cristãos aumentou devido às que também era um centro judeus brancos vieram da Judeia,
reorganizar o poder colonial A história da cristandade em persecuções e às subsequentes para o comércio de especiarias. onde eram perseguidos pelos
português na Índia. Começou a Kerala, todavia, remonta a um migrações da Pérsia. Quando Hoje em dia os judeus são romanos depois da destruição de
Ashok Dilwali

N.P. Jayan
ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 36 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 37
Jerusalém. Diz-se que os judeus
negros originaram no Iémen
e na Babilónia muito antes da
era cristã. Segundo os judeus
brancos, os judeus negros (cuja
pele escura é parecida com a
dos habitantes locais de Kerala)
são os descendentes dos servos
indígenas que foram liberados
quando se converteram ao
judaísmo.

Um evento singular e histórico


aconteceu em 1957 quando
Kerala foi o primeiro lugar em

Prakash Israni

Prakash Israni
todo o mundo de eleger de livre
vontade um governo comunista.
Embora o partido comunista já
não esteja em poder, há uma
longa tradição em Kerala de bailarino de kathakali é ter um
reformas sociais. Por exemplo, controlo total sobre as expressões
Kerala foi o primeiro estado do seu corpo e do seu rosto,
indiano a obter os melhores sobre os movimentos dos seus
resultados das campanhas músculos e dos seus ossos. Um
para combater o analfabetismo bailarino precisa de pelo menos
(alias, hoje em dia, 100% da seis anos de treino e a sua
população de Kerala sabe ler e educação inclui elementos de

Hemant Kataria
escrever). ioga e conhecimentos médicos
de ayurveda. Kathakali não é
A alma de Kerala, todavia, é apenas uma dança mas também
a dança tradicional chamada é uma religião e uma filosofia,
kathakali – uma antiga forma cujo objectivo é atingir a paz
de dança e drama que se inspira e a harmonia na vida. Como
pelas grandes epopeias do na maioria dos antigos mitos e
Mahabharata e do Ramayana epopeias, o tema principal dessa
juntamente com as danças forma de dança e drama é a luta
populares e os rituais religiosos. entre o bem e o mal em que o
Um espectáculo tradicional de bem inevitavelmente ganha. Para
kathakali demora quase uma os turistas o kathakali é uma
noite inteira devido à natureza Precisam-se de cerca de duas Em kathakali os “mudras” experiência fascinante.
improvisada da dança. Hoje em horas para maquilhar os seus ◆
(gestos da mão) e os movimentos A autora é uma professora finlandesa que
dia há espectáculos especiais rostos e, uma vez acabada, dos olhos são os elementos visitou a Índia. Este artigo foi publicado na
para os turistas com uma duração o rosto transforma-se numa Índia Perspectivas de Dezembro de 1992.
narrativos mais importantes.
de apenas uma hora. Antes do máscara diabólica. Como regra
Diz-se que a cara de um bailarino
espectáculo, o público pode geral, a cara é pintada de um
Hemant Kataria

observar o processo fascinante verde brilhante e os olhos com de kathakali deve reflectir as
da maquilhagem dos bailarinos, a sua pesada maquilhagem são emoções interiores dos seres
que quase sempre são homens. coloridos de vermelho. humanos. O objectivo do

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 38 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 39
Sikkim
UM PARAÍSO BUDISTA
P.K. DE

C om a imponente paisagem
da majestosa montanha
Kanchenjunga como pano de
fundo, Sikkim é um paraíso para
todos os apaixonados da natureza.
A geografia e as montanhas
deste pequeno estado situado
nos Himalaias, que é coberto de
densas florestas e tem altos picos
com neve, são um refúgio para
quase 500 espécies de aves, mais
que 600 espécies de borboletas,
cerca de 1000 variedades de
flores exóticas como as orquídeas
e os rododendros, e inúmeras
espécies de fauna, incluindo os
elusivos leopardos da neve, os
cervos-almiscarados e a panda
vermelha. Este estado do nordeste
Prakash Israni

Prakash Israni
ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 40 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 41
da Índia, que abrange quase 850
km2 de altas montanhas, alberga
o famoso Parque Nacional de
Kanchenjunga – um universo de
diversas e impares flora e fauna.
O turbulento rio Teesta e o seu
tributário o rio Rangeet atravessam
altos desfiladeiros, cortando um
caminho sinuoso por esta terra
espectacular.
Começa-se a explorar esta terra
maravilhosa a partir de Gangtok,
a capital, que se situa cerca
de 120 quilómetros de Nova
Jalpaiguri – uma das principais
estações ferroviárias no norte
de Bengala. O aeroporto de
Bagdogra situa-se lá perto e têm
Amit Dasgupta

Amit Dasgupta

Prakash Israni
ligações aéreas a várias cidades
importantes. A estrada que
vai de Siliguri a Gangtok (114
Amit Dasgupta

Prakash Israni

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 42 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 43
Prakash Israni

Prakash Israni
carmesim, de um dourado límpido
a um branco prateado.
Quatro quilómetros longe de
Gangtok situa-se o conhecido
Instituto de Investigação da
Tibetologia – um edifício
imponente que alberga uma vasta
colecção de textos religiosos
sobre o budismo. Em 1957, a Sua
Santidade o Dalai Lama colocou
a primeira pedra deste prédio,
que foi inaugurado por Jawaharlal
Nehru em 1958. No seu interior,
o instituto conserva muitas obras
valiosas de arte e numerosos e

Prakash Israni
raros thankas (pinturas sobre
tecidos). O Instituto é um centro
de investigação para estudiosos
do budismo de todo o mundo.
Situado logo em baixo, há um
jardim com vários terraços onde
se pode ver quase 200 variedades
de orquídeas; estão em flor
desde Abril até Novembro.
Amit Dasgupta

Prakash Israni

Prakash Israni

Na vizinhança, é possível ver


coloridos chortens (santuários)
do Do-Ta-Bu, um centro budista
de peregrinação. No Parque dos
Veados, entre o ambiente pacífico
de flores e veados a brincar, há

Prakash Israni
Prakash Israni
quilómetros longe) é um percurso
muito panorâmico e sobe as
colinas e as florestas gradualmente
seguindo o curso do rio Teesta.
A partir de Gangtok é possível
ver o grande espectáculo de
observar a magnífica montanha
Kanchenjunga ao nascer do sol.
É uma experiência inesquecível
ver os picos transformarem-se
numa sequência de cores, do
azul branqueado a um vermelho

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 44 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 45
Prakash Israni

Prakash Israni
uma imagem do Buda que é muito todos feitos no estilo tradicional com centenas de lâmpadas
parecida à imagem em Sarnath. de Sikkim. de óleo. A imagem dourada
A três quilómetros de distância representa o Buda sentado e foi
A estrada que sai de Gangtok
Prakash Israni

desde o coração da cidade pode- instalada no altar juntamente


passa por florestas de pinheiros,
se visitar o esplêndido Mosteiro com várias outras figuras de
quebradas por rododendros
de Enchey, que tem mais que bronze adornadas com sedas com
em flor, aldeias pitorescas e os
200 anos de história. Dentro do bordados. É uma peregrinação
campos agrícolas arranjados em
mosteiro há imagens dos deuses sagrada para os budistas tibetanos
terraços. A aldeia de Rumtek
e das deusas e uma variedade que vêm visitar o mosteiro desde
situa-se uma hora (23 quilómetros)
de ícones religiosos. O lugar sítios muito remotos. O mosteiro
longe de Gangtok de carro. Esta
tem uma das melhores vistas da de Rumtek é famoso pelos seus
linda aldeia tibetana é a sede da
cordilheira de Kanchenjunga. chaams – as danças e os rituais
Sua Santidade Gyalwah Karmapa,
Uma visita ao Instituto do dos monges e a ópera estilizada
o chefe da seita Kargya dos
artesanato é quase obrigatória montada pelo povo local nos
budistas mahayana. O novo
para todos os turistas. Este centro meses de Junho e Dezembro
mosteiro de Rumtek foi construído
de artesanato especializa-se na quando muita gente de fora,
seguindo a arquitectura tradicional
produção de lindos tapetes, xailes, incluindo turistas estrangeiros,
do mosteiro principal de Chhofuk
visitam o lugar.
cobertores, lindíssimas mesas no Tibete. O gompa tem um ◆
Prakash Israni

esculpidas e coloridas de madeira dharmachakra, chorten e os O autor é um conhecido fotógrafo/ escritor.


Este artigo foi publicado na Índia Perspectivas
(que se chamam ‘choksies’), veados dourados; dentro, a grande de Setembro de 1990.
adornos de prata e coral etc., sala de assembleia é iluminada

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 46 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 47
O romance da
de grandiosas fortalezas que É evidente das estruturas
albergavam dentro das suas dentro da fortaleza de Gwalior
altas muralhas palácios, cortes, que mesmo na idade da sua

fortaleza de Gwalior templos, santuários, mesquitas,


poços, tanques, jardins, fontes
e até masmorras subterrâneas
construção os artesãos indianos
eram mestres da escultura
decorativa. O edifício é repleto
onde os presos morriam e com desenhos delicados
USHA JOHN
grandes fossas onde as rainhas e e azulejos adornados com
as princesas queimavam-se para representações de plantas,

C om uma rica história e uma rara beleza arquitectónica, a cidade


de Gwalior situa-se 200 milhas de Deli e é repleta de objectos
interessantes. Muitos dos seus edifícios antigos e medievais
ecoam a grandeza da Índia das lendas – a Índia dos palácios
magníficos, dos pavilhões deslumbrantes e dos reis e rainhas.
morrer com a sua honra intacta
em vez de serem capturadas
pelo inimigo.
flores, animais e pássaros.
Também há evidência que a
Índia era relativamente livre de
um fanatismo religioso numa
Poucas fortalezas testemunharam época quando a intolerância
Os reis indianos viviam em luxuosos palácios, alguns dos quais a tantos eventos históricos ou religiosa e a discriminação
eram construídos para agradar às suas rainhas preferidas ou aos estão associadas com tantas prevaleciam em muitos países.
seus parentes ou cortesãos. Apesar dos seus caprichos, esses lendas e histórias românticas A fortaleza tem um pequeno
soberanos eram pragmáticos e acreditavam-se apaixonadamente como a majestosa fortaleza de santuário dedicado ao Deus
numa monarquia militar. Pessoalmente supervisionaram a construção Gwalior. Ganesh que foi construído
Amit Dasgupta

Prakash Israni

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 48 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 49
setentrional enquanto o telhado
foi desenhado à maneira dos
templos da Índia meridional
no estilo dos templos de
Mahabalipuram e Mysore.
Os palácios da fortaleza de
Gwalior eram um óptimo
exemplo da arquitectura hindu
e serviram como um modelo
para o imperador mogor Babur
quando ele começou a construir
os seus próprios palácios. Babur
visitou o templo de Man Mandir
em 1529, cerca de vinte anos
depois que foi completado, e
ficou tão impressionado pelo
edifício que escreveu nas suas
memórias: “Os palácios (de
Prakash Israni

Prakash Israni
Man Singh e do seu filho) são
singularmente bonitos... O
ângulo do sudeste da fortaleza
tem um quadrângulo muito
em 1660 por Motamid Khan, construção da fortaleza remonta aconselhou-o a construir uma britânicos, que são espalhados nobre cheio de finas esculturas
um governador muçulmano, à antiguidade e por isso é fortaleza em cima da colina por toda a fortaleza na medida e algumas belas janelas. O
e a fortaleza também contém impossível traçar a sua história e de embelecer o tanque. De em que a praça passou das mãos cumprimento total das galerias
muitas estruturas islâmicas e com muita precisão. seguida, Sen cumpriu o desejo dos rajputs aos mogores aos nos dois palácios é de cerca
hindus que não foram mutiladas de Gwalipa. A fortaleza recebeu ingleses e finalmente à família de 1200 pés.” O templo de
ou destruídas pelos invasores Segundo as lendas, há cerca de um nome que comemorou essa Scindia, que tiveram posse da Man Mandir, que talvez foi
muçulmanos ou hindus. mil e quinhentos anos, o asceta dádiva e ficou conhecida como fortaleza até há pouco. construído pelo rei Man Singh
Gwalipa era o único habitante Gwalior, Gopadri, Gopachala e em 1509, sobreviveu os gastos
Localizada cem metros em da colina onde se construiu a Gwalawara. Dos muitos templos dentro de tempo maravilhosamente.
cima da velha cidade, a fortaleza de Gwalior. O chefe da praça de guerra de Fergusson descreveu-o como:
enorme fortaleza de Gwalior rajput, o príncipe Suraj Sen, Suraj Sen começou a construção Gwalior, o Teli-Mandir é o “O exemplo mais extraordinário
foi construída numa colina um leproso, perdeu-se durante da fortaleza de Gwalior e há mais proeminente de todos e interessante de um antigo
estratégica e isolada de arenito. uma caça e acabou perto da muita evidência que ao longo os edifícios na fortaleza. Este palácio hindu.”
Com quase duas milhas de colina onde o Gwalipa morava. do tempo vários monarcas templo remonta ao século IX, ◆
A autora é uma conhecida escritora que
cumprimento, novecentos O asceta saciou a sede de Sen completaram o trabalho que é dedicado a Vixnu, tem uma escreve sobre a arte e a cultura. Esta é uma
Prakash Israni

e trinta metros de largura e ao dar-lhe água que vinha de ele começou e acrescentaram estrutura arquitectónica que é versão condensada do seu artigo que foi
publicado na Índia Perspectivas de Fevereiro
alta cem metros, a imponente um tanque na vizinhança. A palácios, balcões, câmaras dravídica (do sul da Índia) e de 1989.
fortaleza de Gwalior é uma lenda reza que Suraj Sen foi subterrâneas, templos tem esculturas eróticas que são
das praças de guerra mais instantaneamente curado da sua ricamente decorados com decididamente do estilo da Índia
impressionantes de toda a Índia doença quando bebeu a água. esculturas, mesquitas, jardins, setentrional. Talvez o aspecto
antiga. Devido à sua localização Cheio de alegria e gratidão, fontes, poços e tanques. A mais único deste templo seja a
estratégica no coração da Índia, Sen implorou que Gwalipa o arquitectura complexa desta sua estrutura arquitectónica – a
a fortaleza de Gwalior foi dissesse o que ele podia fazer fortaleza abrange elementos parte em baixo do prédio foi
associada com várias dinastias. A para agradar ao asceta. Gwalipa hindus, jainistas, muçulmanos e construída no estilo da Índia

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 50 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 51
Começou a sua carreira como um
técnico aprendiz e logo teve um
emprego como um assistente de
laboratório no famoso (mas agora
defunto) estúdio de Bombay
Talkies em Bombaim, trabalhando
com o fundador da empresa,
Himansu Rai, em Janeiro de 1934.
Ashok Kumar nasceu no 13 de
Outubro de 1911, em Bhagalpur
(no estado de Bihar) na casa do
seu avô materno, onde a sua
mãe, Gauri Rani Devi, tinha ido
para dar à luz ao seu primeiro
filho. O pai de Ashok, Kunjalal
Ganguly, era um advogado que
praticava em Khandwa. Kunjalal
deu ao seu filho mais velho o
nome “Kumud”, começando
com a letra K, como o seu
próprio nome. Com o tempo,
usando o mesmo princípio, deu
os nomes de Kalyan e Kishore
ao seu segundo e terceiro filho.
Kumud e Kalyan eventualmente
assumiram os novos nomes de
Ashok e Anoop, enquanto apenas
Kishore reteve o seu nome
original.

Ashok Kumar
O HERÓI DO CINEMA INDIANO
Ashok passou a sua infância em
Bhagalpur. Foi introduzido ao
cinema quando, acompanhado
pela sua mãe, viu um espectáculo
de “bioscopo” (que foi o nome
B.M. MALHOTRA local dado ao cinema nessa
época) dentro de uma tenda em

A shok Kumar, o grande herói da indústria cinematográfica indiana,


faleceu em 10 de Dezembro de 2001 em Bombaim. Foi o fim de
uma época. Trouxe aos ecrãs indianas um rara graça e elegância
que são difíceis de encontrar hoje em dia.
Khandwa em 1922.
Em 1936, quando os cenários
do primeiro filme do Bombay
Talkies, Jeevan Naiya, foram
Chamado dadamoni (uma forma carinhosa de dizer ‘irmão mais prontos e a rodagem estava
velho’) por quase toda a gente na indústria cinematográfica indiana, prestes a começar o herói do
Ashok Kumar, que morreu com mais que noventa anos, dominou as filme, Najmul Hasan, desapareceu
telas durante seis décadas e meia a partir dos meados da década dos
Com Devika Rani em Achhut Kanya, 1936
30. Durante esse longo reino desempenhou uma grande variedade de (em cima à esquerda) e com Suraiya em
papéis e até produziu e realizou alguns filmes. Khiladi, 1950.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 52 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 53
fortuna favoreceu Ashok ainda Thief (1967) a um legado de um
mais e o seu próximo filme, antepassado seu que roubava
Kangan (1939) com uma nova os ricos para ajudar os pobres
actriz, Leela Chitnis, era um êxito como Robin dos bosques. Ashok
estrondoso. foi também conhecido pelo seu
grande sorriso tanto nos filmes
Quando Himansu Rai morreu de como na vida real e provou o seu
repente em 1940, Devika Rani talento para a comédia em êxitos
assumiu as rédeas da gestão como Chalti Ka Naam Gaadi
de Bombay Talkies e produziu (1957), Victoria, No. 203 (1972),
Bandhan (1940) e Jhoola (1941) Chhoti Si Baat (1975), Khatta
com o mesmo par de actores Meetha (1977) e Khubsoorat
e celebrou três grandes êxitos. (1980). Ele dizia que herdou o
Ashok transformou-se num ídolo seu sentido de humor do seu
e a imprensa também louvou as pai que muitas vezes levava o
suas habilidades nesses filmes público presente nos tribunais
e em Naya Sansar (1941), onde enquanto ele defendia os seus
desempenhou o papel de um Em Izzat (1937) processos às gargalhadas.
corajoso repórter da imprensa.
O próximo filme de Bombay brilhou nesse papel negativo e Depois de Kismet, o estúdio
Talkies, Kismet (1943), com ironicamente até tornou-se num de Bombay Talkies desfez-se e
Ashok Kumar e Mumtaz Shanti modelo para os rapazes indianos, Ashok, Sasadhar, Gyan Mukherjee
e realizado por Gyan Mukherjee especialmente pelo seu jeito de e alguns outros lançaram
com a música de Anil Biswas era fumar cigarros. Ele atribuiu a sua Filmistan e produziram vários
um êxito sem precedentes e ficou capacidade para desempenhar filmes, começando com Chal
num teatro de cinema em Calcutá os papéis do anti-herói neste e Chal Re Naujawan (1943), com
continuamente durante quase em outros filmes como Sangram Ashok e Naseem. Quando Devika
quatro anos. Ashok também (1950), Inteqam (1969) e Jewel Rani se casou com o conhecido
Seguindo os pontos do relógio do topo de repente. Depois de avaliar um pássaro livre, voo em todo
à esquerda: Com Meena Kumari em Uma cena de Chalti Ka Naam Gaadi.
Bahu Begam; com Dilip Kumar em Deedar; Ashok Kumar, Rai persuadiu-o o lado), cantada por Devika e
com Madhubala em Ek Saal (1957) e com a preencher o lugar do herói, Ashok, tornou-se muito popular.
Nalini Jaywant em Sangram.
contracenando com a mulher
O filme assegurou o futuro de
de Rai, Devika Rani, que era
Ashok. Jawaharlal Nehru, Indira
uma grande estrela. Rai também
Gandhi e Sarojini Naidu, para
mimou, encorajou e treinou
quem Himansu Rai arranjou uma
Ashok. Quando o filme se
sessão especial do filme, também
estreou foi um grande êxito e
o encorajaram.
para além dos louvores para
Devika Rani o papel de Ashok O seu terceiro filme, Janma
também foi apreciado. Foi Bhoomi, outra vez com Devika
seguido pelo filme Achhut Kanya Rani, também foi um grande
onde Ashok também contracenou êxito. Os seus outros filmes
com Devika Rani. O filme foi um com ela durante os próximos
enorme êxito e uma das suas dois anos eram Savitri, Izzat,
canções, “Main ban ki chidiya Nirmala e Vachan. Depois de
ban ke ban ban doloon re” (Sou se casar com Shobha em 1938, a

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 54 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 55
(1943) e Humayun (1945), de
Mehboob Khan.
Quando era jovem, Ashok
era um bom pugilista. Os
seus passatempos incluíam
a astrologia, a numerologia,
pintar e xadrez. Também era
um apaixonado pelos carros
e era muito orgulhoso do seu
Rolls Royce. Gostava de ler e
sabia várias línguas, incluindo
o sânscrito, urdu e persa. Para
além disso era um homeopata
qualificado e tratou vários
doentes com êxito. Embora
asmático, ele controlava a
doença com os seus remédios de
homeopatia.
Ganhou o Padma Shri em 1962
e recebeu o Prémio de Dada
Com Leela Chitnis em Bandhan (em cima)
e com Meena Kumari em Parineeta (1953) Saheb Phalke em 1989. Também
(à direita). recebeu o prémio de Filmfare
para melhor actor em Aashirwad
pintor russo, Svetoslav Roerich, em 1969 e o prémio de Filmfare-
e retirou-se dos filmes em Raj Kapoor para toda a sua
1945, Ashok e alguns dos seus carreira em 1995.
colegas compraram a maioria A vida dessa lenda
das acções de Bombay Talkies e cinematográfica abrange várias
assumiram a sua gestão. Ashok e maravilhosas proezas. Embora
cumpriu a sua ambição ao já não esteja connosco, vai
realizar Eight Days (1946) para continuar a viver nos corações
Filmistan, mas deu o crédito dos seus milhões de fãs. Porque
de realização a Dattaram Pie, o um actor como Ashok Kumar é
editor. Também foi o herói no imortal.
filme Shikari (1946) de Filmistan, ♦
O autor é um conhecido escritor que se
onde S.D. Burman estreou como especializa no cinema. Este texto é uma
o director de música. A seguir, versão condensada do artigo que foi
publicado na Índia Perspectivas de Janeiro
para Bombay Talkies, Ashok de 2002.
produziu Ziddi (1948), onde Os apaixonados dos filmes ainda Em Bandini com Nutan (em cima) e Parineeta (1953), Ek Hi Raasta
com Nargis, Dilip Kumar e Yakub em
apresentou Dev Anand como são fascinados pela canção que Deedar (1950). (1956), Kanoon (1960), Aarti
o herói e lançou o seu irmão, é uma favorita eterna, “Aayega (1962), Bandini (1963), Gumrah
Kishore, como cantor. Foi seguido aanewala”, cantada por Lata popular entre os seus fãs. Depois, (1963), Mere Mehboob (1963),
pelo grande êxito Mahal (1949) Mangeshkar. trabalhou sem parar num grande Aashirwad (1968), Satyakam
com Madhubala no papel da Ashok trabalhou outra vez em número de filmes, os mais (1969), Pakeezah (1971) e
heroína e uma excelente banda Betab (1952), Bewafa (1952) e memoráveis entre eles sendo Mr India (1987). Antes, também
sonora por Khemchand Prakash. muitos outros filmes e foi sempre Mashal (1950), Afsana (1951), foi o herói nos filmes Najma

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 56 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 57
A DANÇA
Natyashastra, um tratado sobre o representar os significados a representação e a rasa – eram
drama. através das suas mãos, o humor derivados dos quatro vedas. Por
(bhava) através dos seus olhos isso, chama-se Natyaveda. O

E A LÍNGUA DO CORPO
Como os indianos, os antigos e manter o ritmo com os pés. Rig Veda forneceu a recitação, o
gregos tinham uma forma Outra vez, “onde vão as mãos, Sama Veda o método de canto, o
compósita de drama com a os olhos devem seguir; onde vão Yajur Veda forneceu a abhinaya
música e a dança. Enquanto os olhos há a mente; onde vai a (representação, incluindo
M.S.N. MENON eles aproveitavam de um coro mente há sentimentos; onde há os gestos) e o Atharva Veda
para narrar as histórias, a Índia sentimentos, há um ambiente.” forneceu a rasa (estética).

A Índia preocupa-se com o tempo, o ocidente com o espaço. A


música e a dança são as artes de tempo na Índia. No ocidente
são as artes de espaço.
Na Índia, a dança é sublime. Acredita-se que na sua forma mais alta
utilizava as canções. O vidushaka
(uma espécie de “mestre de
cerimónias”) explicava os
pormenores.
Diz-se que os gestos são a alma
da dança indiana.
Drama (natya) foi criado por
Brahma (um elemento da
Os gestos são entre as formas
mais antigas de comunicação.
O homem tem um forte instinto
de imitar. Muitas dessas línguas
está em sintonia com o ritmo cósmico. O artista goza de alegria. Rumi, A dança é um movimento trindade indiana) para educar gestuais são comuns em toda a
o grande poeta místico dos sufis, dizia que a dança é “o caminho mais coordenado de todo o corpo e e entreter toda a gente. Era humanidade. Todavia, os gestos
perto a Deus.”
da mente. Abhinaya Darpana uma imitação dos modos do da dança podem significar
Xiva é o patrão tanto da dança como da música. Ensinou a música explica que o bailarino deve mundo. Os quatro elementos muitas coisas. Por isso, a canção
ao Narada, o mensageiro celestial, e a dança ao Bharata, o autor do suster a canção na garganta, da natya - a recitação, a canto, tornou-se importante. A vachika

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 58 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 59
abhinaya (falado) suplementa
a angika abhinaya (língua do
corpo). Também não podemos
esquecer que os gestos conferem
uma graça e uma beleza à dança.
Como é que as palavras
encontram uma postura
(mudra) equivalente? Diz-se
que as palavras são inerentes
aos membros. Isso exprime o
princípio subjacente à língua
baseada nos movimentos naturais
e expressivos, afirma Ananda
Coomaraswami, o grande perito
sobre a arte indiana.
Para citar apenas algumas dessas
expressões “naturais”: girar os
olhos exprime ira; olhar durante
algum tempo significa o amor;
levantar as sobrancelhas, a
dúvida; expandir as narinas
exprime a ira; faces em baixo,
tristeza; lábios em baixo, inveja,
etc. O corpo pode exprimir-se em
tantas maneiras diferentes.
O bailarino procura alcançar a
postura perfeita e a transmitir
um sentido do eterno. Por isso,
a técnica da dança é integrada
com a escultura. Beryl De Zoete,
uma estudante europeia da dança
indiana afirma que a dança
europeia é “muito elementar”
quando comparada com “a
cultura expressiva do corpo” da
dança indiana.
Há três formas de danças:
tandava (macho, vigorosa), lasya
(feminina, suave), e pindibandha
(uma combinação das duas
formas anteriores). Tandava (a
dança cósmica) veio de Xiva e
lasya da sua cônjuge Parvati. Xiva
acrescentou a dança à natya para
lhe conferir “esplendor e beleza”,

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 60 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 61
tão importantes ao povo. Então
há a dança pura sem abhinaya,
e também há dança com a
recitação.

A dança pura evoluiu a partir


de um alfabeto de 108 posturas
perfeitas, que são a base para
as técnicas dos movimentos
conhecidos como os karanas.
Cada karana consiste do
movimento de vários membros –
em outras palavras do movimento
de quase todo o corpo. Do
mesmo modo, um sistema
complexo de sinais linguísticos
(gestos das mãos) evoluiu a
partir de um alfabeto de posturas
básicas das mãos (hastas) na
mesma maneira em que a língua
escrita e falada foi estabelecida
(ver a caixa para um sumário da
maneira em que os membros do
corpo exprimem-se). As mãos
tornaram-se no veículo principal
de expressão. Traduzem as
palavras em sinais. Adjectivos,
nomes, verbos, advérbios,
conjunções, preposições,
nomes abstractos – todos esses
elementos são exprimidos através
dos gestos e as expressões faciais.
Cada escola de dança (e há seis
escolas principais bharatnatyam,
kathakali, manipuri, kuchipudi,
odissi e kathak) já usou os
gestos básicos. Cada gesto
pode significar muitas coisas
diferentes – só para citar um
exemplo, o gesto conhecido
como pathaka (bandeira) pode
ter até 85 significados. Por isso,
era necessário ter uma canção a
explicar o significado.
Hemant Kataria

O ballet ocidental depende dos


gestos abrangentes e um mínimo
de expressão nos rostos dos

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 62 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 63
bailarinos. Aliás, o rosto de um
bailarino tem pouca expressão.
Ao contrário, o bailarino indiano A LÍNGUA DO CORPO
exprime mil emoções efémeras
através da cara. O ballet é um
Há três formas de dança: tandava (vigoroso), lasya (suave) e
mero “espectáculo”, ainda que
pindibandha (uma combinação das duas formas anteriores).
um espectáculo muito bonito.
Aristóteles dizia do drama que o Há 108 posturas de dança descritas no Natyashastra, que são
seu propósito era limpar a alma chamadas karanas.
das suas paixões. Esse fim não é
servido pela dança ou pelo ballet Há quatro elementos de Natya: Angika (os membros), Vachika
ocidentais. A dança na Índia (a fala), Aharya (os trajes) e Satvika (a estética).
evoluiu a partir das danças rituais Há três formas de Angika: Sarira (o corpo), Mukhaja (o rosto) e
dos vedas. O ritual também Casta (o movimento dos membros).
continha as sementes do drama.
Há seis angas (membros): a cabeça, as mãos, o peito, os flancos,
Nenhuma outra forma da os pés, as ancas; seis upangas (semi-membros) – os olhos, as
dança ponderou tanto sobre a sobrancelhas, o nariz, os lábios, as faces, o queixo. Para além
língua do corpo como a dança disso há o pescoço, os ombros, os braços, a barriga, as coxas, as
indiana. Cada gesto foi pensado canelas, os pulsos e os joelhos que participam na dança.
em grande pormenor. Desde
muito cedo, a “língua da mão” Há duas formas de hasta mudras (as posturas da mão):
(akshara-mushtika) tornou-se Asamyuta (com uma só mão) mudras (que são 28 em termos
muito importante. Alguns dos de números), e Samyuta (com as duas mãos) mudras (há 24
gestos tornaram-se universais. gestos assim).
Por exemplo, o gesto para a Há 30 movimentos hasta para a dança pura.
protecção (abhaya mudra). Do
mesmo modo, as mãos colocadas Os movimentos do corpo são divididos em quatro grupos:
juntas (anjali), um gesto com karanas, angaharas, rechakas e pindibandhas.
o qual cada indiano saúda um
Há quatro formas de bhangas (flexões): bhanga, samabhanga,
outro indiano, evoca a divindade
atibhanga e tribhanga. A primeira é serena, a segunda é como
dos seres humanos. Por acaso,
o Buda, a terceira como o Nataraja e a quarta como Parvati.
põem-se as mãos juntas em
cima da cabeça para saudar Há quatro tipos dos movimentos dos pés: Mandala (circular,
os deuses, estão colocadas em 10 posições), Utplavana (saltando, cinco variedades), Bhramari
frente do rosto para saudar o seu (girando, sete variedades) e Padachari (os movimentos dos pés,
guru (mestre) e estão colocadas sete variedades) e dez maneiras de caminhar.
em frente do peito para saudar
Há quatro cores do rosto, reflectindo os tipos de personalidades.
um brâmane ou uma pessoa
respeitada. Os olhos: Bharata menciona 36 formas de olhares.
Com isso, concluo com o gesto Há sete movimentos da fronte, sete dos globos oculares, seis
de “pranam” (saudação) – quase do nariz, seis das faces, seis dos lábios, nove do pescoço, treze
um gesto universal. da cabeça, cinco posições do peito, cinco dos flancos, cinco

O autor é um conhecido jornalista movimentos das ancas, cinco das coxas, cinco das canelas, cinco
e escritor. Este texto é uma versão dos pés, quatro das mãos, etc.
condensada do artigo que foi publicado na
Índia Perspectivas de Janeiro de 1997.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 64 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 65
OPROCURADO
artesanato indiano
EM TODO O MUNDO
GARIMA SHARMA

L indos desenhos, cores atraentes, um trabalho impar e a sua


elegância subtil consagraram o lugar do artesanato indiano
no cenário internacional. Os produtos são cada vez mais
populares e as exportações do artesanato indiano aumentaram até
atingir 83.430 milhões de rupias em 2002-2003. Este sector tem
um grande potencial para ganhar bastantes receitas em moeda
estrangeira. Como uma indústria rural e de pequena escala,
assegura empregos para milhões de pessoas das camadas mais
desfavorecidas da sociedade. Investimentos baixos, uma grande
adição de valor e o trabalho manual fazem com que o sector é muito

Bimla Verma

Bimla Verma
importante para a economia indiana. Os governos do centro e das
províncias esforçaram-se a fomentar uma alta taxa de crescimento

e desenvolver a indústria do
artesanato.
O artesanato reflecte as
diferentes regiões e culturas da
Índia. Com a grande diversidade
do país e as suas ricas tradições,
a Índia têm um tesouro de
artesanato. Essas obras de arte
são realizadas numa variedade
de meios como o metal, a
madeira, a pedra, o papel,
a olaria, a seda, o algodão,
brocados, fibras naturais das
plantas etc. Os artesãos rurais
e das tribos herdaram várias
técnicas e processos dos seus
antepassados para criar a sua
arte.
Os metais sempre foram parte
da vida e cultura indianas desde
as brumas do tempo. As vigas
de ferro do templo do sol em
Konark em Orissa e a coluna
de ferro no Qutab Minar em

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 66 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 67
feitas em cima de bengalas, variedade de expressões. O cadeiras e balouços de madeira.
quebra-nozes, talheres, peças estado de Caxemira especializa- Karnataka e Maharashtra são
decorativas, etc. Os artesãos se nessa arte e é conhecido famosos pelas suas técnicas
de Rajastão fazem trabalhos pelas suas peças decorativas e de charão. Berços tradicionais,
deslumbrantes com caixas de utilitárias. caixas e maços de cartas de
especiarias, caixinhas, figuras jogar feitas em madeira são
A arte de trabalhar a madeira
de aves e animais e caixas pintados com figuras mitológicas
também desempenhou um
para as jóias que têm desenhos e religiosas. Os leques feitos de
importante papel ao enriquecer
complicados. As suas peças fatias de madeira de sândalo
a gama do artesanato indiano. A
são conhecidas tanto pela sua também são peças lindas e
madeira sempre foi usada para
utilidade como pelo seu valor utilitárias, para além de espalhar
utensílios. Em Himachal Pradesh,
ornamental. um perfume agradável por toda
até se encontram jarros de água
a sala.
As obras realizadas em papel- feitos de madeira. A madeira ◆
machê são criadas com espessas da nogueira, encontrada em A autora é uma escritora independente. Este
artigo foi publicado na Índia Perspectivas de
camadas de polpa de papel Caxemira, é usada para produzir Outubro de 2003.
misturada com goma que é bandejas, prateleiras, decorações
depois formada em diferentes para as paredes, fruteiras etc. O
Deli provam as capacidades dos peças e desenhos sobre moldes estado de Guzerate também tem
indianos na área de forjar os de madeira. A imaginação reina uma longa tradição de esculpir a
metais. O cobre e o bronze são enquanto os artesãos dão vida madeira, sendo particularmente
os dois metais mais populares aos moldes, realçando uma famoso pelas suas mesas,
que foram formados em
instrumentos. O uso de bronze
na Índia remonta a há cinco
milhões de anos.
Há imenso escopo para
a arte metálica com uma
grande variedade de técnicas
decorativas como esculturas,
aplicações e peças embutidas
etc. O trabalho que é feito
em Moradabad, Jaipur e Deli
representa essa variedade.
Moradabad, no estado
indiano de Uttar Pradesh, é
especialmente conhecido para o
seu trabalho com vidro colorido
em cima de metal e as suas
complexas gravuras. A técnica
que usa fios de metal embutidos
encontra-se principalmente
nos estados de Uttar Pradesh e
Kerala e têm painéis e imagens
representando cenas atraentes.
As gravuras sobre metal de
Caxemira são usualmente

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 68 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 69
em Kullu, Mysore, Deli e Calcutá;

Os festivais na arte indiana os festivais muçulmanos de


Id-ul-Zuha e Muharram em Deli,
Lucknow e Hyderabad; o festival
UTPAL K. BANERJEE dos parsis Jamshed Nau Roz em
Bombaim; os festivais cristãos

O s festivais e as feiras realçam o tecido da cultura indiana. de Natal e a Semana Santa em


Fornecem uma rica e maravilhosa mistura de cores e Goa e em quase toda a Índia;
elementos, conferindo uma variedade e uma vivacidade o festival de Kaza nas regiões
à vida. Não são meramente ocasiões religiosas e sociais onde os budistas de Ladakh, Lahaul e
homens, as mulheres e as crianças se reúnem, mas também reflectem Spiti, e em Sikkim. Juntamente
os sentimentos inerentes dos povos com as suas raízes históricas e com uma vasta gama de outros
sociais. festivais, formam um tecido
maravilhoso, quase sempre
Há uma procissão interminável de festas para todos os dias do ano
associado com as artes visuais e
na Índia – espirituais, sazonais ou seculares. É possível ver uma
representativas.
combinação de celebrações que formam a alma da Índia: Makar
Sankranti e Deepavali em toda a Índia; Raksha Bandhan e Bhai Duj Há provas epigráficas que os
no Norte; Shivaratri em Varanasi e Chidambaram; Holi em Mathura; festivais foram celebrados na
Janmashtami em Vrindaban e Imphal; Dusshera, Ramlila e Durga Puja Índia desde os tempos védicos
quando, para além dos jejuns e
Krishna e os seus companheiros a celebrar o festival de Holi
das orações, houve espectáculos
dramáticos, congregações de
música instrumental e vocal,
danças e dramas, corridas de
quadrigas e barcos e outros
eventos desportivos. As grandes
epopeias, o Ramayana e
o Mahabharata traçam as
raízes de específicos festivais
a alguns eventos importantes.
Os Jatakas (histórias que
narram as vidas anteriores do
Buda) referem a samajas (uma
espécie de festival), com danças,
canto, música instrumental e
espectáculos dramáticos, que
continuava durante dias.
A literatura antiga indiana
abunda com referências aos
festivais. De um lado, as
pessoas precisavam de uma
pausa da monotonia das tarefas
quotidianas e os festivais eram
O festival das cores, Holi (em cima, à
direita); Janmashtami (no meio) e as
comemorações do Natal.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 70 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 71
as ocasiões onde se vestiam festival da primavera) era um Nas artes visuais, a celebração de
com as suas melhores roupas dos festivais mais célebres Holi é visível no singular painel
e jóias, decoravam as suas na Raghuvamsa de Kalidas, esculpido do templo de Bisnaga
casas e cantavam e dançavam, no Ratnavali de Harsha e na em Hampi com as donzelas
juntamente com os jejuns e os Kavyamimansa de Rajasekhara, a dançar. A escola de Kangra
banquetes. A um outro nível, através dos espectáculos de tem algumas lindas pinturas
foi um esforço de estabelecer dança e de música. Dohada, miniaturas representando
laços com a mãe natureza, um festival importante onde Krishna e os seus companheiros
com o ser divino e com as suas as árvores são adoradas, era a festejar Holi com as
próprias almas. Juntamente com descrito na Karpuramanjari de encantadoras gopis (donzelas).
o impulso de estabelecer laços Rajasekhara, quando uma árvore As pinturas históricas de Mewar
veio o impulso de comunicar de kuruvaka floresceu depois de mostram o Maharana a festejar
através das artes visuais e ser abraçada por uma donzela Holi com os seus cortesãos e
representativas. impetuosa. Do mesmo modo, na nobres. É interessante notar
Na literatura indiana, a grande obra clássica Meghaduta que alguns quadros do Decão
celebração das colheitas de arroz de Kalidasa, uma árvore bakula representam um príncipe
durante a época das chuvas era rebenta com flores quando as muçulmano a festejar Holi com
representada na Rajtarangini jovens moças a regam com vinho os seus príncipes e criadas.
de Kalhan. Vasantotsava (o espalhado pelas suas bocas! Uma outra escultura conhecida

Vasantotsava – O festival da primavera (página de frente) e a dança dandiya (em baixo).

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 72 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 73
é a representação do Amrita da restauração da paz, repetido nadaswaram, canções e danças. caça com grandes espectáculos espectáculos tradicionais das
Manthana (a agitação dos anualmente) e o mito de Rama Do mesmo modo, as crenças de música e de dança. marionetas das sombras da Índia
oceanos à procura do néctar matando o Ravana depois de religiosas de todos os tipos são meridional são ligados com os
divino), celebrado no festival ter rezado a Durga (um outro ocasiões para celebrações em Há numerosas formas de teatro festivais dos templos.
do templo de Sabarimalai em conceito mítico do triunfo do todas as partes do país. Até as folclórico que não são associadas
Deste modo, os festivais na
Kerala. Pode-se ver a arte visual bem). Esses conceitos míticos colheitas são comemoradas com com festivais específicos mas
Índia sempre reflectiam a
mais endémica nas decorações foram celebrados com inúmeras danças alegres em cada canto do que se realizam geralmente
harmonia da humanidade com
das paredes e dos pavimentos canções de adoração com país. em ocasiões festivas. Entre
a natureza e com os deuses e
feitas principalmente pelas os seus rituais de Durga em outras formas, há o Ankia Nat
as deusas cujas manifestações
mulheres em ocasiões festivas. Bengala, Bihar e Orissa. Os Muitos dos festivais que se e Oja Pali em Assam, Suman
cumprem um propósito e
rituais também são vistos como celebram nas aldeias são Lila em Manipur, Bhavai em
representam um ideal. Esses
Nas artes representativas, o o equivalente de uma filha ocasiões locais, em honra de Guzerate, Burrakatha em
laços são a fundação dos
festival mais conhecido realiza-se casada a voltar à casa dos seus gramdevatas (as divindades das Andhra Pradesh, Jatra e Chandi
festivais indianos e influenciaram
no contexto de Dusshera que é pais. Em Tamil Nadu, Kerala, aldeias) que são propiciadas para Jatra em Bengala, Tamasha e
tanto a literatura como as artes
praticado em todo o país. Entre Andhra e Karnataka, Saraswati a sua protecção ou são em honra Chitrakathi em Maharashtra, visuais e representativas, que
as bases mitológicas de Dusshera Puja acontece nas casas, que de grahadevatas (as divindades Kariyala em Himachal Pradesh, têm um poder extraordinário de
encontra-se o mito de Chandi são decoradas com bonecos. dos lares) que são propiciadas Khyal em Rajastão, Prahlada comunicação.
matando o demónio Narakasura O colorido Mysore Dusshera para as apaziguar. Muitas tribos Nataka em Orissa, Swang em ◆
na Índia também celebram Madhya Pradesh, Trayattar O autor especializa-se na arte e na cultura
com energia e armas recebidos e o Mahishasura Mardini indianas. Este artigo foi publicado na
de todos os deuses (um conceito de Bengala são ocasiões de os nascimentos, noivados, em Tamil Nadu e Yakshagana Índia Perspectivas de Novembro de 2001.
mítico da destruição do mal e cantos melodiosos, o som dos casamentos e expedições de em Karnataka. Todos os

As comemorações de Id. O festival de Durga Puja.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 74 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 75
A cultura gastronómica
OS SABORES DA ÍNDIA
SANDEEP SILAS

N a Índia temos a sorte de


ter uma gastronomia muito
variada, que representa as
diferentes culturas das diversas
regiões do país. Aliás, cada
e são deliciosos. Os desertos
de Rajastão são reflectidos no
seu dal bhati. Pode-se saborear
a música de Bengala no seu
biryani (arroz com especiarias)
cozinhado com carne ou frango
em Hyderabad. Ao pensar no
nordeste do país, pensa-se logo
machh bhaat (caril de peixe no seu famoso caril de rebentos
grupo cultural tem os seus pratos com arroz). As ricas tradições de de bambu. Em Bihar, pode-se
distintos. Awadh transmitem-se nos seus beber sattoo para não esquecer
ricos kakori kebabs. Quem pode das bebidas! O Guzerate de
Enquanto o gushtaba (caril
resistir a tentação de pao bhaaji Gandhi também tem os seus
de bolinhas de carne) de
(pão com batatas) em Bombaim pratos únicos como dhokla e
Caxemira destaca-se pelo seu
ou o caril de peixe de Goa? Ou shreekhand.
sabor singular, o sarson ka saag
(espinafres de mostarda) e makke o bolo goês chamado bebinca O clima gélido de Caxemira
ki roti (pão de milho) de Punjab que é impar em todo o mundo. exige que a sua gastronomia
combater o frio. Por isso, estação dos festivais (Dussehra) Masala Dosa (à esquerda) e a sua
são famosos em todo o mundo A não esquecer do sabor do contenha os ingredientes para preparação (em cima).
utilizam-se muitas especiarias e e a gente de Tamil Nadu
uma abundância de açafrão. Do prepara um fantástico pongal. especiarias de uma bolsinha de
Um banquete cheio de sabores e especiarias.
mesmo modo, o clima quente Os bolos são essenciais para especiarias colocada na panela
de Rajastão e Guzerate requer os festivais cristãos de Natal enquanto cozinha. Aqui, as
uma comida mais leve e assim e Páscoa, enquanto as doces especiarias não são misturadas, o
encontramos que os molhos de sivaiyans comemoram o festival sabor permeia todo o prato.
caril nessas regiões são menos muçulmano de Id.
pesados. A presença natural A comida de Punjab utiliza o
de peixe nas áreas costeiras, Na gastronomia de Caxemira, tandoor (o forno tradicional
bambu no nordeste ou uma usam-se os frutos secos que indiano) muito. Esse enorme
cultivação de arroz ou trigo abundam localmente para forno de barro é usado para
nas regiões que produzem preparar as doces. O banquete preparar murgh tandoori (frango
esses cereais influenciam a tradicional chama-se wazhwan com especiarias no forno),
gastronomia local. Para além e é uma combinação de vários paneer tikka, murgh tikka etc. O
disso, a comida muitas vezes pratos aromáticos, comida divina pão típico de Punjab, chamado
combina-se com os festivais sem dúvida. Gushtaba é um tandoori roti, com uma boa dose
para criar doces deslumbrantes prato de bolinhas de carne num de manteiga branca caseira é
que são especialidades indianas. caril branco. Rista é um prato de óptimo para acompanhar essa
Como o gujiya comemora bolinhas de carne num molho comida. A comida nas aldeias
Holi, kheer-puri é servido de caril vermelho. Tabak maas é bastante simples, dal makhni
durante Diwali, ukdiche modak são costelas no forno que têm (lentilhas), sarson ka saag,
é típico durante o festival de um sabor único. Yakhni é um rajmah (feijão vermelho) e uma
Ganesh e shreekhand é servido prato de borrego com o sabor variedade de pães recheados são
durante Dusshera. Do mesmo de anis, cominhos e cardamomo. pratos quotidianos. As refeições
modo o povo de Bengala Pulao consiste em arroz e geralmente são acompanhadas
consome sandesh durante a borrego, cozidos com o sabor das por lassi, uma bebida de iogurte

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 76 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 77
que geralmente substitui os A comida de Rajastão reflecte aos goeses uma cornucópia
sumos, chá ou café. indubitavelmente o ambiente do de camarão, peixe, lagosta,
seu deserto. Então ingredientes caranguejo e outros mariscos
A gastronomia de Bengala é como o alho e as cebolas, que e por isso desempenham um
dominada pelo peixe. Marinado têm a fama de combater o calor, papel proeminente na comida
ou cozinhado em iogurte, o peixe necessariamente acompanham local. Usa-se o leite de coco
é o ingrediente mais célebre todas as refeições. Em termos liberalmente na comida e também
de uma refeição em Bengala. A de doçaria, churma ka laddoo nos bolos. Uma fruta indígena,
não esquecer das doces, uma é a doce mais típica do estado kokum, é transformada numa
grande contribuição bengali para e consiste em migalhas de pão típica bebida, que é vermelha e
o paladar indiano. Os sandesh, fritas com açúcar e formadas tem muitas propriedades como
rassogullas, gulabjamuns, depois em bolinhas. um digestivo. Os portugueses
chamcham, chena murki,
anarkali e mishti doi (doces A gastronomia de Goa foi muito deixaram a tradição de usar o
preparadas à base de leite na sua influenciada pelas tradições vinagre nos pratos de carne, que
maioria) são óptimos exemplos. portuguesas. Aqui se desenvolveu dá um agradável toque à comida.
A comida mughlai era um legado o vindaloo, o picante sorpotel A área produz nozes de coco
dos imperadores mogores à e numerosos pratos à base de e cajus, dos quais se prepara a
Preparando imrities Murgh tandoori (frango no forno de barro). Como um lenço – o pão rumali roti.
gastronomia indiana. Depois de mariscos. O mar generoso deu bebida alcoólica local – o feni.
uma rica shorba (sopa), o murgh A bebinca goesa é o melhor a comida da Índia meridional limas, o gengibre, o alho, as
A cultura da tava.
jehangiri, murgh nooorjehani, bolo do mundo e os goeses sempre inclui sambhar, rasam e cenouras, a couve-flor, as bagas,
murgh do piaza, mutton rogan são mestres na preparação da iogurte. Uma cozinha tradicional os pimentos e até algumas carnes
josh, tandoori raan, mutton stew, doçaria, com os seus bolos, servirá a comida numa folha como o frango e o camarão são
nahiri e biryani vão saciar os rose-a-coque e ovos da pascoa de bananeira. Usam-se muitas conservados com especiarias.
seus sentidos juntamente com conservas e preparações de coco, O óleo e as especiarias que são
o seu apetite. O pão é muito A comida de Hyderabad é que realçam o sabor da comida acrescentados à conserva realçam
importante no estilo mughlai conhecida por ser picante! ainda mais. Os principais pratos o sabor e preservam a comida
de gastronomia. O shirmaal, É a mais picante de todas as nessa região são dosa, idli e durante muito tempo. Qualquer
roomali roti, naan e tandoori gastronomias indianas. Mesmo vadas. prato sem sabor pode ser
roti são todos diferentes na sua uma simples folha conservada melhorado com uma colher de
apresentação e no seu sabor. de ghongura vai deixar qualquer O povo de Tamil Nadu gosta conserva. Essa arte desenvolveu-
um completamente vermelho. de usar courgettes, beringelas, se nas mãos das avós e até hoje
A gastronomia de Guzerate A comida usa uma combinação couves e couve-flor. O tamarindo
consiste essencialmente de pratos as conservas de cada lar têm um
de especiarias conhecida como (imli) é utilizado muitas vezes. sabor diferente. É o sabor da
vegetarianos que são servidos “pólvora de canhão” como As áreas de Chettinad, Tanjore
juntos numa típica bandeja mão que prepara a conserva! A
um acompanhamento para o e Arcot desenvolveram as suas gastronomia nacional reflecte a
chamada o thali. Os pratos são arroz, comido com a manteiga próprias variantes da gastronomia
muito leves. As especiarias são diversidade da Índia e o orgulho
indiana. O prato mais conhecido local. Chettinad é um estilo das suas ricas e antigas tradições.
usadas em moderação e muitas da comida de Hyderabad é o gastronómico distinto que é ◆
vezes acrescenta-se açúcar aos biryani, uma preparação de arroz conhecido pelas suas especiarias, O autor é um conhecido escritor que escreve
pratos. A cozinha de Guzerate sobre as suas viagens. Este texto é uma
com especiarias e carne, frango os perfumes e o óleo. Transforma versão condensada do seu artigo que foi
deslumbrou o mundo com ou legumes que é famoso em os legumes e as bagas em pratos publicado na Índia Perspectivas de Março
os seus pratos típicos como de 2005.
todo o mundo. deliciosos de caril.
shreekhand, uma sobremesa doce
à base de iogurte, e dhokla, um A comida do sul da Índia é muito A arte de preparar as conservas
suave bolo de farinha de grão-de- tradicional com vários pratos é uma característica singular da
bico que é servido com pimentos típicos. Principalmente uma comida indiana. Muitos legumes
verdes. gastronomia baseada no arroz, e frutas, como a manga, as

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 78 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 79
A televisão por satélite
UM MEIO DE DESENVOLVIMENTO RURAL
RADHAKRISHNA RAO

A televisão por satélite não é nenhuma novidade nas áreas rurais da


Índia. Em 1975, utilizando o seu satélite ATS-6, a Índia lançou um
projecto inovador com uma duração de um ano chamado a Satellite
Instructional Television Experiment (SITE). Este projecto envolveu a
transmissão directa de programas educacionais para televisões em 2.400
aldeias espalhadas por seis estados indianos. Nessa época, foi louvado como
a maior e a mais ambiciosa experiência de comunicações em todo o mundo. O primeiro satélite da Índia exclusivamente para a educação.

O satélite ATS-6, considerado um “professor nos céus”, era suficientemente


potente para transmitir os programas directamente aos receptores de que forneciam uma formação uma tecnologia “centralizada”.
televisão aumentados por uma antena de 3 metros e um convertidor. O prática à população que vivia nas Durante a procura para opções
projecto SITE ajudou a demonstrar o potencial das transmissões de televisão áreas rurais. Os programas que tecnológicas que podiam
eram transmitidos sob o projecto complementar esse sistema,
INSAT-3B: a ajudar a promover o desenvolvimento rural. SITE abrangiam áreas como a concebeu-se a ideia de uma
agricultura, a criação de gado, “retransmissão limitada”. Esse
a produção de leite, a criação conceito resultou no Project
de aves, a saúde e a higiene, o Kheda de Comunicações (KCP).
planeamento familiar, a educação, Nesse projecto, que foi lançado
a integração nacional, assuntos em 1975, um transmissor de
de desenvolvimento e programas baixa capacidade foi estabelecido
de entretenimento. Um estudo na aldeia de Pij no estado de
do impacto do projecto SITE Guzerate. Esse transmissor era
realizado pela Organização ligado a um estúdio e a uma
Indiana de Investigação Espacial instalação de satélite na terra
(ISRO), que concebeu e dentro do recinto do Centro das
implementou o projecto, revelou Aplicações Espaciais (SAC) em
que a programação educacional Ahmedabad, uma unidade de
misturada com o entretenimento ISRO. O transmissor ia transmitir
podia ter um impacto social tanto os programas locais
significante no contexto das originando do estúdio como os
comunidades. programas centrais do satélite
que eram recebidos na estação
Aliás, um dos maiores objectivos
terrestre. Por isso, o projecto era
do programa espacial indiano
descrito como um laboratório
desde o começo foi de explorar
de campo no processo de
o potencial da tecnologia de
desenvolver um sistema para
satélite para aumentar o ritmo do
as comunicações educacionais.
desenvolvimento socioeconómico
O projecto KCP era gerido pela
no país.
Unidade para o Desenvolvimento
SITE era um sistema de e para as Comunicações
transmissão directa que envolvia Educacionais (DECU), também

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 80 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 81
parte de ISRO. O propósito da promover as ligações informáticas
DECU é explorar o potencial da
tecnologia espacial para aumentar
e um sistema para trocar dados
para fomentar o desenvolvimento
Verde para
os esforços de educação e de
desenvolvimento no país.
das áreas rurais. Essencialmente,
o projecto de Gramsat pretende um ambiente melhor
O objectivo específico do fortalecer as comunicações
projecto KCP era promover e a rede dos serviços sociais J.V.S. MURTHY
o desenvolvimento rural e nas regiões rurais da Índia. O
projecto Gramsat recebeu um
implementar mudanças sociais,
uma tarefa que conseguiu
implementar com grande êxito.
Em reconhecimento, o projecto
KCP ganhou o prémio da
estímulo do canal educacional
Vidya Vahini, que foi lançado
pelo então primeiro-ministro
Atal Bihari Vajpayee. Utilizando
O mundo está numa fase de intenso desenvolvimento
tecnológico. No processo, o ambiente foi severamente
atingido. As florestas são cortadas, os recursos naturais são
explorados demais, as indústrias pesadas intensificaram-se e valiosos
recursos foram desperdiçados. Todavia, hoje em dia já há uma cada
UNESCO para as comunicações as capacidades do sistema
vez maior preocupação com o ambiente.
rurais em 1985. INSAT-3B, o estado de Orissa,
na costa oriental do país, agora Na Índia, a primeira Revolução Verde durante os anos 70
A perícia e as experiências está a aproveitar da rede Vidya melhoraram a situação dos alimentos com variedades agrícolas
adquiridas no processo de Vahini para fornecer educação, de alta produção. A segunda Revolução Verde, da década dos 90,
implementar os projectos de SITE O lançamento de PSLV-C9 com 10 satélites. informação e formação nas áreas resultou em mais melhoramentos através da gestão, serviços para
e KCP forneceram contribuições rurais em três distritos desse
valiosas para o desenvolvimento foram estabelecidos nas sedes das
estado. A rede vai ser estendida
do sistema nacional de satélites comarcas. O segmento espacial
logo em fases para abranger
da Índia - INSAT. As capacidades do projecto consistia no satélite
todo o estado de Orissa. O chefe
do sistema INSAT, que transmite doméstico de INSAT-3B, lançado
do governo regional do estado
22 canais de televisão da rede em Março de 2000, e actua em
de Orissa, Naveen Patnaik,
estatal Doordarshan foram duas frentes. Para o público
assegurou que o seu estado vai
utilizadas para transmitir transmite os programas de
se esforçar para fazer a melhor
projectos directos consistindo desenvolvimento todas as tardes.
possível utilização das redes e
em transmissões que têm uma Ao mesmo tempo, também
da conectividade informática
relevância social. oferece programas de formação
para implementar as mudanças
para os funcionários trabalhando
Ao cumprir os seus objectivos revolucionárias através da
ao nível das aldeias.
sociais, a ISRO também lançou governação electrónica.
o Projecto para Desenvolver as Encorajado pelo êxito do JDCP
Num outro contexto, o estado
Comunicações de Jhabua (JDCP) e pelo seu impacto positivo
meridional de Andhra Pradesh vai
em 1996 no distrito de Jhabua ao nível do desenvolvimento
usar os transmissores ku-band do
no estado de Madhya Pradesh, rural, o projecto foi expandido
sistema INSAT para promover a
uma área dominada pelas tribos. recentemente para incluir 250
educação à distância, a medicina,
O propósito do projecto JDCP aldeias nos distritos de Dhar e
a formação agrícola e as ligações
é ganhar experiências no uso Badwan no estado de Madhya
da internet nas áreas rurais.
da rede interactiva baseada Pradesh. ◆
O autor é um escritor independente. Este
nos satélites para promover O êxito do projecto JDCP artigo foi publicado na Índia Perspectivas
o desenvolvimento rural nas resultou na evolução do de Abril de 2002.
situações da vida quotidiana. programa inovador conhecido
Como parte do projecto, 150 como Gramsat, um projecto-
televisões de recepção directa piloto que abrangia um
foram instaladas em 150 aldeias programa com múltiplos serviços
e 12 terminais para as respostas para transmitir os programas,

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 82 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 83
os agricultores e projectos as medidas de conservação são de florestas. O conceito abrange fomentar a participação popular científicas e económicas que essa meta com a combinação de
associados. orientadas para cultivar plantas seis necessidades básicas das já estão a ganhar ímpeto. podem ser implementadas pelos várias técnicas que incluem uma
verdes. Visto que também zonas rurais, nomeadamente o camponeses. abordagem de plantar árvores,
O governou recentemente realçam a beleza estética, combustível, a fruta, a comida, Em algumas áreas, uma grande construindo muralhas baixas
esforçou-se para cobrir o país enfatizam-se as árvores que têm as gorduras, os fertilizadores parte dos terrenos está cultivada. Para ser um país verde de pedras, a cultivar a terra em
com plantas verdes naquilo que muitas folhas verdes, incluindo e as fibras. Todos os anos, Por isso, não há terra suficiente precisamos de humidade e contornos, escavar trincheiras
chamou “A Grande Revolução as florestas, a horticultura, a milhões de hectares são para cumprir a meta ecológica uma fonte da humidade é a pequenas e plantar árvores ao
Verde”. As plantas não apenas agricultura e as áreas silvestres. plantados sob os programas de ter 30% de florestas. A chuva. Da água das chuvas, longo das orlas dos campos
produzem alimentos mas sociais de plantação, com fundos solução é ter projectos mistos uma parte evapora, uma outra agrícolas. Todas essas medidas
também melhoram o ambiente. As florestas tropicais são obtidos do Banco Mundial, de florestas e terras agrárias com parte penetra na terra enquanto são práticas essenciais para
As plantas absorvem gases tesouros de fauna e flora. PNUD, FAO, etc. Programas intensivas plantações ao longo a restante água acaba nos assegurar um país verde.

deletérios como o dióxido de A plantação de árvores, a para aumentar os níveis de das orlas dos campos agrícolas. rios. Cerca de 40% da água O autor é um perito na gestão da água. Este
carbono, produzem oxigénio, protecção de espécies valiosas conhecimento, avaliações rurais Os lagos das quintas devem das chuvas passa por terras artigo foi publicado na Índia Perspectivas de
Junho de 1996.
conservam os solos, recarregam como a teca e o sal (Shorea robusta) com a participação do povo ser pequenas e espalhadas por desnudadas que não apenas
a água das chuvas, produzem e a manutenção de florestas local, formação e a transferência toda a zona para espalhar e influencia a humidade do
uma variedade de biomassas, fechadas são as medidas de tecnologia, sistemas para prolongar a humidade. Acima solo mas também causa as
promovem a prosperidade e principais. Uma outra inovação implementar a tecnológica nas de tudo, é importante promover inundações. É essencial reter
melhoram o ambiente. Todas maravilhosa é a plantação social áreas rurais e programas para metodologias simples mas esses fluxos. É possível atingir

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 84 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 85
O metropolitano de Deli
N.K. SAREEN

P ara além de ser a capital da


Índia, Deli tem a distinção
de ter o maior número de
veículos particulares de transporte
que qualquer outra cidade do
ficar a par com as necessidades
dessa enorme cidade. Por isso,
depois de realizar um estudo
detalhado para avaliar e enfrentar
os desafios das necessidades da
país. Aliás, há mais veículos cidade em termos de transportes
em Deli que nas outras três públicos, era evidente que era
grandes cidades metropolitanas essencial implementar um sistema
– Bombaim, Madrasta e Calcutá – de alta velocidade, à base de
juntamente. Apesar disso, embora comboios, com uma grande
houvesse um sistema de capacidade e baixos níveis de
comboios urbanos, o sistema poluição. Para transformar essa
local de transporte em Deli visão numa realidade, criou-se
era principalmente um sistema a Delhi Metro Rail Corporation
rodoviário e não conseguia (DMRC) em 1995.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 86 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 87
Com as suas grandes e limpas
estações com ar condicionado,
vários pontos de entrada e saída
equipados com escadas rolantes e
elevadores, espaçosas áreas para
a venda dos bilhetes, informação
contínua e os seus comboios
modernos, bem iluminados e
ar condicionados, é um prazer
utilizar o sistema. O metro de
Deli não apenas encantou toda a
gente mas também inculcou um
forte sentido de orgulho e alegria
entre os habitantes da cidade.
O Metro, como o sistema é
conhecido popularmente, reduziu
bastante os tempos de viagens
para todos os passageiros. Foram
implementadas boas medidas
de segurança para proteger e
salvaguardar as estações, os
equipamentos e as propriedades
do metro contra os incêndios e
os terramotos. Para além disso, a
O Plano Mestre para a cidade aos habitantes da cidade. A DMRC também encetou medidas
de Deli prevê que uma Linha 1 do metropolitano para melhorar e preservar a
rede metropolitana de oito de Deli foi inaugurada pelo beleza da cidade ao plantar
linhas vai ser completada primeiro-ministro no 24 de árvores ecológicas e a criar ruas
e implementada em quatro Outubro de 2002. Todas as mais largas e melhores em volta
fases, ligando quase todas as estações subterrâneas têm boa das suas estações e as suas linhas.
partes da cidade – incluindo ventilação, ar condicionado e
O papel da DMRC é descrito no
os aeroportos domésticos e escadas rolantes e elevadores
seu próprio panfleto, que afirma:
internacionais – com as novas para servir todos os passageiros.
“Na viagem para a excelência,
cidades suburbanas como Noida Com a inauguração da Linha 3
não há nenhum fim, apenas
e Gurgaon nos estados vizinhos da Fase-I em Junho deste ano,
novos começos. Cada proeza é o
de Uttar Pradesh e Haryana. O mais que 600.000 pessoas usam
ponto de começo para o próximo
trabalho da Fase-I começou no 1 o metropolitano todos os dias.
passo gigante.” Se a viagem até
de Outubro de 1998, abrangendo Usar as linhas é uma experiência
agora for uma indicação, o futuro
três linhas de 65 quilómetros. maravilhosa, não apenas para
será brilhante para as próximas
Dessas linhas, 47,5 quilómetros os habitantes de Deli mas
gerações.
são elevadas, cerca de 13 também para os estrangeiros. O ♦
quilómetros são subterrâneas e Príncipe Carlos do Reino Unido O autor é um conhecido jornalista e
fotógrafo. Este artigo foi publicado na
4,5 quilómetros são corredores experimentou uma viagem nos Índia Perspectivas de Dezembro de 2006.
na superfície. A construção da comboios e louvou o sistema.
linha foi realizada numa maneira Até o primeiro ministro do Japão
completamente profissional, gostou do seu passeio na linha e
sem causar grandes incómodos elogiou o projecto.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 88 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 89
A missão de Chandrayaan (à esquerda) e
a nave espacial (em cima).

satélites indígenas da Índia.


Os instrumentos sofisticados
de observação que foram
desenvolvidos pela Índia também
vão servir nesta missão.

O objectivo principal do projecto


A missão será realizar observações
científicas e investigações na lua.
indiana não tripulada à lua Mais importantemente, a missão
vai estudar as origens desse
DINKAR SHUKLA único satélite natural da terra
para ver se a lua tem quaisquer
traços de água, como algumas

A Índia decidiu enviar uma missão não tripulada à lua. A


Organização Indiana de Investigação Espacial (ISRO) já obteve
a aprovação do governo para começar com as necessárias
preparativas nesse sentido. Segundo ao Dr. R. Kasturirangan, director
de ISRO, os estudos preliminares para enviar uma missão científica à
investigações recentes indicaram.
Um outro objectivo científico
será estudar as partículas e o
ambiente de radiação perto da
lua já estavam a decorrer desde há dois anos e agora podem aumentar lua. Também é urgente entender
a velocidade do seu progresso. O director de ISRO espera que um a distribuição dos elementos
lançamento lunar possa realizar-se por volta do ano de 2007. Todavia, raros através da espectroscopia
se tudo correr bem, até pode ser uma realidade dentro de cinco da radiação gama e é necessário
anos. Com essa proeza, a Índia vai ser entre os líderes da tecnologia preparar mapas pormenorizados
espacial. com fotografias de alta resolução.
Os aspectos detalhados da
A aprovação do governo para o projecto lunar da ISRO foi anunciada de Investigação Fundamental têm A proposta missão não tripulada
composição da superfície de
há pouco por Dr. A P J Abdul Kalam, antigo conselheiro principal dos todas as competências necessárias vai utilizar as existentes
subgrupos de rochas precisam de
assuntos científicos do governo indiano. Tanto o Dr. Kalam como o para conceber, desenhar e capacidades espaciais que
ser estudados ao mesmo tempo,
Dr. Kasturirangan afirmam que a Índia tem a tecnologia e a capacidade desenvolver o veículo espacial foram desenvolvidas através dos
juntamente com uma análise da
para enviar um veículo espacial à lua. Um relatório sobre o projecto para a missão lunar. A Índia lançamentos dos veículos PSLV
poeira dos cometas em cima da
lunar que foi preparado pelo Laboratório Nacional de Investigação também tem uma comprovada (Polar Satellite Launch Vehicle
superfície da lua. Há uma longa
Física (NPL) em Ahmedabad realça que vai ser um esforço capacidade para lançar veículos – Veículo de Lançamento dos lista de coisas a fazer.
completamente indígena. Não vai haver nenhuma necessidade para no espaço e vai poder enviar este Satélites Polares) e GSLV (Veículo
a assistência estrangeira tecnológica ou científica ou qualquer outra veículo numa viagem de cinco dias de Lançamento dos Satélites de O plano para o projecto está a
assistência estrangeira porque os cientistas da ISRO e do Instituto Tata e 384.470 quilómetros até à lua. Órbita Geossíncrona) e outros ser preparado por uma equipa de

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 90 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 91
cientistas e prevê-se que vai ser trás? Já somos um país com
pronto em breve. Depois disso, capacidades espaciais, que tem
o projecto lunar vai começar
a assumir forma. O relatório
feito muito progresso na área
da tecnologia espacial como
A Índia
do NPL sugere três opções. apenas poucos países ocidentais. completa a
A primeira opção prevê uma Não podemos descurar da sua viagem à lua
missão onde o veículo vai girar possibilidade de explorar os
em volta da lua e vai voltar à recursos abundantes de minerais A Índia lançou com êxito a sua missão Chandrayaan-1,
terra sem tocar na superfície e metais na lua, alguns dos quais o primeiro veículo não tripulado indiano a explorar a lua,
lunar. A segunda opção propõe são muito raros e preciosos.
no 22 de Outubro de 2008. Essa missão lunar que custou
um veículo que vai aterrar na
As empresas particulares de Rs. 386 milhões é um passo no seu programa de explorar o
lua. A terceira opção – até agora
alguns países avançados já espaço e implementar missões entre planetas. Na medida em
a mais popular – é enviar um
mostraram o seu interesse que o veículo voou na direcção da lua, o país entrou num
veículo espacial que vai fazer
em estabelecer comunidades clube espacial elite que inclui os EUA, a Rússia, a China e o
uma órbita de baixa altitude
permanentes e auto-suficientes Japão. Depois de uma viagem de duas semanas, o veículo
aos pólos. A última opção é,
na lua. Os indivíduos que estão a
até agora, a preferida porque entrou numa órbita lunar no 8 de Novembro de 2008.
trabalhar com o programa lunar
é considerada a opção mais Durante a sua viagem de 400.000 quilómetros à lua, o veículo
dizem que a Índia não está a
prática e económica. Esse veículo passou por várias fases a girar em volta da terra numa órbita
planear a missão apenas para
polar pode ser desenhado e Um satélite GSLV completamente integrado antes do seu lançamento. geossíncrona de onde entrou na órbita polar da lua.
demonstrar as suas habilidades,
desenvolvido no centro de
Segundo um circular da ISRO, veículo lunar. A questão é se capacidades e perícia no espaço.
satélites da ISRO em Bangalore, Eventualmente vai ser colocado numa órbita circular 100
uma análise preliminar mostra a Índia pode dar-se do luxo Está a ser implementada para que
sem um enorme orçamento. quilómetros em cima da superfície lunar durante a duração
que tanto os satélites PSLV e de negligenciar esse assunto. a Índia possa ter benefícios no
O projecto pode ser realizado da sua missão de dois anos. Uma vez colocado na órbita
GSLV que foram desenvolvidos O Dr. George Joseph, que foi longo prazo. O Dr. Kasturirangan
com um investimento de Rs. pretendida, um dos seus instrumentos vai aterrar na
pela Índia são capazes de enviar nomeado director do núcleo para afirma que o programa espacial
3.500 milhões, que é um aumento superfície lunar numa experiência para adquirir dados para
um veículo espacial à lua. Aquilo a missão lunar pela ISRO, insiste da Índia pretende satisfazer as
de apenas 5% no orçamento futuras missões lunares que vão aterrar na superfície da lua.
que é necessário é melhorar a que a missão à lua vai, sem necessidades práticas da nação.
global para o programa espacial
sua capacidade de combustível dúvida, aumentar as capacidades O Dr. Joseph acrescenta que
da Índia. Comparado com os O veículo Chandrayaan-1 pesava cerca de 526 quilos e foi
e modificações adequadas aos científicas e os conhecimentos o nosso programa lunar vai
vastos fundos que são necessários lançado num dos foguetes PSLV da Índia. O foguete levou
andares de cima do foguete para da Índia. Enfatiza que não se estimular o desenvolvimento
para os programas espaciais, 11 peças de carga: cinco da Índia e seis dos EUA, da Europa
incorporar uma fase de injecção deve ter uma visão demasiado nacional no futuro. O impacto
é um montante relativamente e da Bulgária. Enquanto a Agência Espacial Europeia (ESA)
trans-lunar. limitada nessa área e afirma de tal programa na psicologia
pequeno. forneceu três instrumentos científicos, o satélite lunar também
que os programas e as missões nacional não devia ser
Esse veículo polar vai poder A declaração do governo sobre subestimado. tem um instrumento de radar dos EUA desenhado para
a missão lunar já desencadeou científicos beneficiam toda a ◆
circular a lua a uma altitude localizar água ou gelo. A Índia pretende partilhar os seus
um debate sobre a necessidade sociedade no longo prazo. Numa O autor é um conhecido jornalista
de quase 100 quilómetros independente. Este artigo foi publicado na dados lunares com a NASA e com outras agências espaciais.
de um país em vias de entrevista recente, ponderou Índia Perspectivas de Janeiro de 2002.
em cima da superfície lunar.
desenvolvimento como a Índia que se falássemos de vantagens O propósito da missão Chandrayaan é realizar uma
Uma vez na órbita, vai facilitar
a encetar um programa tão instantâneas então o Dr. Homi J.
várias experiências espaciais, exploração científica da lua. Enquanto vai enviar à terra
ambicioso. Os críticos dizem que Bhabha, o pai do nosso programa
vai recolher dados e vai tirar imagens de três dimensões de alta resolução da superfície
um projecto assim vai desviar atómico, não teria começado esse
imagens com as suas máquinas lunar, a missão também vai procurar traços de água ou gelo.
recursos das prioridades vitais do mesmo programa há mais que
fotográficas de alta tecnologia Também vai tentar identificar a composição química de
sector. um meio século.
e transmitir as fotografias à algumas pedras lunares.
estação terrestre. Também Todavia, o director da ISRO, Hoje em dia, quando a China,
vai ser uma fonte principal Dr. Kasturirangan acredita que o Japão e alguns outros países – Tirthankar Ghosh
de experimentação com a a questão não é se a Índia têm estão a planear as suas missões
espectrometria de raios X. os recursos financeiros para o lunares, devia a Índia ficar para

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 92 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 93
lembra como ele se jogou no akbuva Patwardhan aconselhou-o
rápido rio Ghatprabha sem saber a voltar a casa e tornar-se um
nadar. “Quase me afoguei, mas estudante de Sawai Gandharva, o
consegui chegar à margem”. discípulo mais brilhante de Karim
Khan. Sawai Gandharva era o
Determinado a encontrar um
mestre de nomes conhecidos
bom guru (mestre), Bhimsen
como Gangubhai Hangal, Hirabai
deixou a sua casa para trás e
Barodekar e Pheroze Dastur e
viajou sem bilhetes. Nas poucas
morava em Kundgol, uma aldeia
ocasiões quando foi apanhado
situada não muito longe da vila
até passou alguns dias na cadeia.
onde Joshi nasceu. O mestre não
Eventualmente ele foi a Gwalior,
aceitou Bhimsen tão facilmente.
onde procurou o grande mestre
de sarod (um instrumento A formação era árdua. O riaz
indiano de cordas) Hafiz Ali, o (prática) absorvia os dias e
pai de Amjad Ali Khan. estendia-se até às pequenas horas
da noite. Gandharva insistia
A seguir, foi a Kharagpur, Calcutá
nos exercícios de respiração, a
e Deli, e depois a Jalandhar,
cultura da voz e os exercícios
um grande centro da música
vocais. Também ensinou o seu
hindustani. Finalmente, Vinay-
jovem estudante a reconhecer

Bhimsen Joshi
UM VOCALISTA POR EXCELÊNCIA
RASHME SEHGAL

N ascido em Gadag, no distrito de Dharwar no estado de


Karnataka, no 14 de Fevereiro de 1922, Joshi é o filho de um
conhecido professor, Gururaj Joshi, cujo dicionário canarim-
inglês é utilizado como uma obra de referência ainda hoje. O seu avô,
Bhimacharya, era um conhecido músico, mas a inspiração musical de
Bhimsen deriva-se da influência da sua mãe, que lhe cantava bhajans
(hinos) quando ele era criança. O seu pai quis que Bhimsen seguisse
uma carreira de professor também mas nunca aconteceu. Bhimsen era
obcecado com a música desde que ele consegue lembrar. “Foi sempre
a música, e mais música”, diz.
Desde a idade dos três anos, Bhimsen era atraído ao shehnai (um
instrumento musical de vento), tocadores, bandas nupciais e os
cantores dos bhajans. Às vezes ele fugia e passava dias a viajar com
eles para ser entregue mais tarde aos seus pais desesperados. Os
seus pais eram obrigados a coser o seu nome e morada nas suas
camisas para que, caso ele fugisse, alguém podia trazer o moço a
casa. “Sempre tive uma natureza corajosa,” diz Bhimsen Joshi e depois

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 94 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 95
a importância do alaap e a sua com os seus quatro colegas e
significância ao elaborar um os seus instrumentos diferentes,
raag. O alaap é a força vital de viajava a vários concertos. G.N.
um raag e claramente demonstra Joshi escreveu uma descrição
as capacidades e o potencial muito evocativa dessas viagens
do artista. O mestre também no seu ensaio intitulado Down
insistiu que o bandish devia Memory Lane.
ser estruturado graciosamente,
Uma outra história de que os
pontuado com os melhores taans.
músicos se lembram reflecte a
O jovem Bhimsen acompanhou
sua prodigiosa energia quando
o seu mestre nas suas viagens de
gravou três discos de longa
concertos e essas experiências
duração numa única sessão
ajudaram-no a expandir as suas
maratona. Joshi chegou nos
sensibilidades musicais.
estúdios de HMV em Bombaim
Em 1944, G.N. Joshi de HMV para gravar um único disco.
viu-o no papel principal na peça Vários músicos vieram ao estúdio
Bhagyashri. Quando ele ouviu para o ouvir, incluindo Kumar
Bhimsen cantar, reconheceu logo Gandharva e Sudhir Phadke.
o seu talento e persuadiu-o a Joshi devia ter cantado Raag
gravar dois bhajans em hindi e Gaud Sarang, mas não conseguiu
em canarim. Logo depois, gravou encontrar a necessária inspiração
o lindo poema Uttar Druva Dum até meia-noite. Sentindo o
composto pelo grande poeta D.R. seu dilema, os outros músicos
Bendre. Ambas essas gravações saíram da sala. Gradualmente
eram grandes êxitos. Todavia, começou a aquecer a sua voz.
foi o ano de 1946 que marcou Quando ele ouviu a gravação (discípulo) fixo, Madhav Gudi, música indiana procura alcançar foram doadas à caridade. Os
uma virada na sua carreira. das suas versões iniciais do raag que está a estudar comigo uma fusão com Deus enquanto a elementos da alta sociedade em
Um modesto programa musical tornou-se num homem obcecado desde há vinte anos e é um música ocidental procura entreter Bombaim ficaram maravilhados
realizou-se numa pequena vila e continuou a cantar até que músico muito sério.” Acredita os seus públicos.” ao ver Hussain pintar ao vivo. Mas
no estado de Karnataka para ele gravou Brindavani Sarang, que enquanto a nova geração o pintor era visivelmente nervoso.
Aos 68 anos (hoje, em 2008,
felicitar Sawai Gandharva no seu Puriya, Durga, Kalashri e Lalit tem um grande conhecimento Mais tarde disse aos jornalistas
ele tem 86 anos), Bhimsen é
aniversário. Gandharva adoeceu Bhatiyar. As gravações acabaram sobre a música clássica, não tem e aos críticos que ficou nervoso
mais calmo. Todavia, apesar da
e pediram ao jovem Joshi, com às 7 da manhã! a resistência e a energia para porque ele tinha que pintar em
sua idade, responde a qualquer
vinte e quatro anos nessa altura, seguir uma formação árdua. “A frente de um “verdadeiro mestre”.
Para além de passar algumas desafio com o entusiasmo e a
a substituí-lo. Joshi cantou Raag vida urbana destruiu a solidão Um grande elogio!
horas no seu riaz, ele gosta de adrenalina de um jovem. Há
Malhar durante apenas uma meia de tapasya (devoção). Hoje em
levar os seus netos para passear alguns meses em Bombaim, Joshi Este grande mestre musical foi
hora mas foi um espectáculo dia, os jovens querem obter tudo
no seu Mercedes de vinte anos participou numa experiência galardoado com o Bharat Ratna,
tão lúcido que o público ficou instantaneamente.”
ou no seu Pontiac. “O meu pouco comum. Reflectindo um o prémio civil mais alto da Índia,
maravilhado. Assim nasceu uma
único passatempo é conduzir É para a mesma razão que ele é espírito de camaradagem que no 4 de Novembro de 2008.
nova estrela no universo da ◆
os meus carros.” Também passa contra as tentativas de misturar é raro entre artistas, o célebre A autora é uma conhecida escritora
música clássica indiana.
algum tempo a ensinar os seus a música indiana com a música pintor M. F. Hussain criou uma e jornalista. Este texto é uma versão
Na medida em que ele se tornou discípulos. “Acredito no sistema internacional. A música ocidental pintura abstracta enquanto Joshi condensada do artigo que foi publicado na
Índia Perspectivas de Novembro de 1990.
cada vez mais popular, começou dos discípulos e dos mestres, mas e a música clássica indiana não encantou o público com a sua
Fotografias gentilmente cedidas pelo
a receber convites de todo o não posso dar aulas regularmente podem ser misturadas porque o rendição majestosa de Raag Sangeet Natak Akademi (Academia de
lado. Comprou um carro Pontiac porque passo tanto tempo a escopo e os objectivos das duas Bhairavi. As receitas desse Música e Drama) em Nova Deli.
de 1948, no qual ele, juntamente viajar. Tenho apenas um shishya formas são muito diferentes. “A invulgar jugalbandi (dueto)

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 96 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 97
Há sempre espaço
para o
humor
R.K. LAXMAN

A s condições da maioria um sentido de humor é, sem


da nossa população, as dúvida, um cidadão melhor, um
manchetes nos jornais vizinho melhor e um indivíduo
que lemos todas as manhãs e os mais ligado com a sua família
boatos e as fofocas que chegam que as pessoas que não têm essa
aos nossos ouvidos são todos qualidade.
bastante preocupantes.
É possível que um indivíduo não
Em tal ambiente, até podia seja capaz de rir à sua situação
parecer que não há espaço para por si mesmo. É o trabalho do
o humor ou para sorrisos. caricaturista a ajudá-lo a ver que
Paradoxalmente, vejo mais de facto ele está numa situação
pessoas sorridentes no nosso país cómica e ele devia sorrir porque
que em qualquer outro lugar no há pouco que ele possa fazer a
mundo. não ser pagar elevados impostos!
O nosso instinto para sorrir é Uma das minhas caricaturas
uma capacidade inata. Acho que depois da apresentação do
é um mecanismo da natureza orçamento do estado suscitou
para nos proteger e insular das uma óptima resposta do público.
realidades da nossa existência. Mostrou o contribuinte a entregar
Ironicamente, dependo dos temas todo o seu ordenado ao inspector
que representam os aspectos dos impostos e implorando-lhe
tristes, horrendos, lamentáveis para ter uma mesada para a
e vergonhosos da nossa sua vida quotidiana. Ao mesmo
existência para criar as caricaturas tempo, quando o povo era
quotidianas para entreter os meus preocupado com o facto que as
leitores. Essas caricaturas ajudam escolas não tinham a capacidade
as pessoas a examinar o péssimo de lidar com tantos alunos, a
estado das coisas e rir. E esses minha caricatura gozou das
sorrisos ajudam-nos a ver a vida autoridades. Representou um
não com tristeza ou com desgosto professor, com os seus livros,
mas com um bom sentido de quadros e todos os equipamentos
humor. escolásticos sentado fora de
Em outras palavras, é o nosso uma sala de aula. Estava a
sentido de humor que nos dizer a alguns pais, “Sim, sou
humaniza. Uma pessoa com o professor, mas não tenho um

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 98 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 99
lugar para me sentar lá dentro. exageradas, pernas magrinhas
Não há espaço!” e barrigas enormes. As pessoas
riam-se simplesmente a olhar
Um humorista entretém a
para essas figuras cómicas.
comunidade numa maneira
satírica, aproveitando de assuntos As revistas de humor e os
desde pequenos eventos sociais romances pelos escritores
até maiores preocupações cómicos da Inglaterra tornaram-se
nacionais como as mudanças na literatura preferida das classes
políticas, os conflitos ideológicos, educadas. Começaram a acreditar
as políticas económicas etc. É que o humor britânico era o
claro que uma caricatura não melhor. Visto que a fraternidade
muda a vida do povo, mas britânica não tinha acesso a
certamente ajuda-o a enfrentar a esses grupos bem-humorados,
situação com um sorriso. acreditava que o indiano médio
não tinha nenhum sentido de
Inevitavelmente, as caricaturas humor.
satíricas, pela sua própria
natureza, representam uma arte Claro, as nossas caricaturas
de desaprovação e de queixas. nos jornais vernaculares dessa
Florescem em condições de época eram vergonhosamente
adversidade e um caricaturista básicas e não tinham nenhum
trata dos seus sujeitos com uma conteúdo satírico. Eram mais
irreverência saudável e ridiculiza- como os cartazes de propaganda
os com bom gosto. que vagamente advogavam uma
consciência social, focavam em
Esta arte foi importada para a assuntos como uma proibição dos
a aparecer na Índia apenas há
nossa cultura. Embora o humor casamentos infantis ou atacavam
menos que cem anos.
satírico tradicionalmente existia as causas que não existiam.
aqui desde as brumas do tempo Punch, a famosa revista britânica
O movimento pela
na forma do folclore, dos versos de humor, desempenhou um
independência liderado por
ou do drama, os nossos antigos papel muito importante ao
Gandhi deu um grande ímpeto
artistas não empregaram os seus popularizar o humor gráfico e
às nossas sensibilidades satíricas.
talentos na área do humor para a influenciar os nossos artistas.
John Bull e Bharatmata (Mãe
entreter a comunidade e fazer as Pela primeira vez, através desta
Índia) já não eram tímidos
pessoas sorrir. revista, foram expostos a uma
símbolos dos governadores e
arte que deliberadamente torcia a
Mesmo no ocidente, a arte dos governados. As caricaturas
realidade com o único propósito
da caricatura desenvolveu-se ousadamente começaram a
de entreter os seus leitores.
bastante tarde. A Inglaterra era ridicularizar o vice-rei e o seu
o berço da sátira gráfica, que se Os indianos educados com um conselho de ministros que se
tornou popular apenas no século bom conhecimento de inglês opuseram aos nossos líderes
XVII e se espalhou pela Europa aderiram-se logo ao característico políticos que não tinham
mais tarde. Veio à Índia com as humor de Punch. A revista armas mas tinham uma grande
autoridades coloniais britânicas também oferecia entretenimento força de vontade. Quando os
juntamente com a sua língua, as para as pessoas que não sabiam ingleses finalmente deixaram o
suas técnicas de impressão e os ler, através dos seus desenhos país, o nosso universo político
seus hábitos e excentricidades. engraçados de pessoas com estava cheio de figuras que
Mas as caricaturas começaram grandes narizes, orelhas forneciam bom material para

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 100 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 101
as caricaturas. À cabeça da lista caricaturas onde uma esposa está Curiosamente, o país não fez
havia Mahatma Gandhi, com a dizer ao seu marido e ao seu muito progresso ao desenvolver
as suas excentricidades no seu amigo: “Não têm mais nenhum as caricaturas sociais como se
vestuário, a sua cabeça redonda tema de conversação para pode ver em publicações como
sem cabelos, as grandes orelhas além de corrupção, corrupção, New Yorker ou Punch. Ainda
e o seu sorriso sem dentes. Era corrupção? Têm mesmo de falar não há nenhum sinal de termos
uma dádiva para os caricaturistas. de política todo o tempo?” um equivalente de Dennis the
De uma maneira completamente Menace, Blondie, Beatle Bailey
Muitas coisas de que se falam em
diferente o Jinnah o era também. ou Rato Mickey a aparecer na
nome da política são, na verdade,
Magrinho, com o seu monóculo, cena indiana …
boatos, fofocas e especulações. ◆
sempre vestido imaculadamente São materiais perfeitos para as O autor é um célebre caricaturista. Este texto
no seu fato de quatro peças, com piadas e para os comentários de é uma versão condensada do artigo que foi
publicado na Índia Perspectivas de Fevereiro
um cigarro na sua mão elegante. humor nas colunas dos jornais de 1991.
Depois havia o Jawaharlal ou nas caricaturas, facilitando o
Nehru. Inicialmente achei muito trabalho dos humoristas.
difícil fazer uma caricatura dele
mas logo consegui ao eliminar
o seu chapéu e a expor a sua
cabeça careca. Parecia que
outros políticos como Maulana
Kalam Azad, Govind Vallabh
Pant, Acharya Kripalini, Sarojini
Naidu, etc. todos nasceram para
dar materiais aos caricaturistas.
Logo depois da independência as
caricaturas e os textos cómicos
tornaram-se elementos regulares
nos nossos jornais e em outras
publicações.
Há inúmeras áreas para
fazer comentários sobre as
singularidades da nossa vida
social. Ainda assim, parece
que a nossa fonte principal de
entretenimento geralmente são os
políticos e a política.
O nosso tema preferido foca
principalmente na política.
Esse passatempo nacional
até mudou a conotação da
palavra “política”. No contexto
de hoje, produz imagens nas
nossas mentes de decepção,
corrupção, intrigas sujas e muitas
outras características negativas.
Lembro-me de uma das minhas

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 102 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 103
OUT OF MY MIND!
(“COMPLETAMENTE LOUCO!”)

Out of My Mind, imagem gentilmente cedida pelo jornal The Statesman, Nova Deli.
Out of My Mind Again, Vikas Publishing House Pvt. Ltd. (editora), Nova Deli.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 104 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 105
Kapil Dev é o maior
BHARAT BHUSHAN

Q uando o jogador cingalês


Hashan Tillekeratne
deixou o Sanjay Manjrekar
apanhar uma bola atirada
“O facto que metade dos
wickets de Kapil eram ganhos
nos campos difíceis do
subcontinente indiano reflecte
“Normalmente, o primeiro
jogador pode descansar-se
durante as primeiras bolas
usando a nova bola. Mas a
por Kapil Dev durante o jogo a sua capacidade, habilidade e precisão de Kapil Dev nem
de críquete em Ahmedabad energia…estou a saborear este deixava esse luxo”, disse uma
no 8 de Fevereiro deste ano, momento para ele”. vez, a louvar as habilidades do
sem querer, ajudou a criar jogador indiano.
Sem dúvida, em termos de
história nesse desporto! Sim
energia, esforços, vontade Mais tarde nesse dia histórico,
– o Kapil Dev assim ganhou
e habilidade o Kapil Dev já Kapil Dev reconheceu que ser o
o seu 432º wicket (vareta) dos
provou que é entre os melhores número um é o sonho de todos
jogos de cinco dias, quebrando
jogadores de críquete de todo o os jogadores quando começam
o recorde mundial do neo-
tempo. as suas carreiras. “Toda a gente
zelandês Sir Richard Hadlee
quer ser o melhor do mundo. É
de 431 wickets. Quando toda a Até Bobby Simpson, o antigo
a nossa motivação principal”.
gente estava a falar da energia capitão da Austrália, foi ♦
e da habilidade de Kapil, o obrigado a conceder que não O autor é um antigo editor da Índia
Perspectivas. Este artigo foi publicado no
melhor tributo à sua proeza podia pensar de ninguém número de Maio de 1994.
veio do próprio Sir Richard para além de Kapil Dev
Fotografias gentilmente cedidas por
Hadlee, cujo recorde ele que atormentava tanto os Srenik Sett.
ultrapassou: jogadores das outras equipas.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 106 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 107
que uma maior ênfase pelo que o mercado dos portáteis emergentes. A terceirização
A indústria indiana governo para expandir a rede
de banda larga a baixos custos
vai crescer 100% na medida em
que os preços dos portáteis já
continua a ser um dínamo
principal para o crescimento. As
de informática vai resultar num maior consumo
de computadores em breve no
abaixaram significativamente.
Os portáteis mais básicos já
exportações de informática e de
terceirização da Índia cresceram
RAJIV RASTOGI mercado doméstico. são disponíveis com preços desde 12,9 bilhões de dólares
de 30.000 rupias (cerca de 650 americanos no ano de 2003-04
A tendência de abaixar os
dólares americanos).

E ncorajado pela economia da indústria ao PIB nacional profissionais empregados na preços dos computadores a 17,7 bilhões de dólares
cada vez mais dinâmica já aumentou desde 1,2% em indústria de informática e de continuou durante todo o Houve um crescimento estável americanos em 2004-05. Prevê-
e as previsões positivas 1999-2000 a uma estimativa de terceirização. Estima-se que ano devido aos avanços nas receitas do sector da se que vão atingir 23,4 bilhões
para o crescimento das empresas, 4.8% durante 2005-06. a indústria ajudou a criar três tecnológicos e outras iniciativas informática e da terceirização de dólares americanos durante
também houve um crescimento milhões de empregos adicionais, da indústria, incluindo o durante 2005 devido a uma 2005-06. Uma forte procura
Reconhecendo as vantagens da
sustentado de gastos com a directa e indirectamente. lançamento de um computador maior procura nos mercados durante recentes anos colocou
capacidade de entregar serviços
informática em todo o mundo. em múltiplos países, as empresas Prevê-se que a produção total popular que custa menos que chaves dos EUA e da a Índia entre os mercados
A terceirização continua a ser um indianas estão a melhorar as de produtos electrónicos vai 10.000 rupias (cerca de 200 Europa ocidental e um forte de informática na região da
motor essencial de crescimento suas redes globais de serviços aumentar até 180.000 milhões dólares americanos). Prevê-se crescimento nos mercados Ásia e do Pacífico que estão a
onde os seus serviços globais através de uma combinação de de rupias durante 2005-06,
são uma parte integral das iniciativas, parcerias e alianças registando um crescimento de
estratégias adoptadas pelos com interlocutores locais. Os mais que 7% da produção do
clientes e pelos fornecedores gigantes globais de software ano anterior. Assim, com boas
de serviços. As empresas de como Microsoft, Oracle, SAP, condições macroeconómicas
informática e outros serviços etc., já estabeleceram os seus e um bom sentimento no
terceirizados já demonstraram centros de desenvolvimento na mercado, as vendas dos
a sua superioridade, vantagens Índia. computadores já alcançaram 4,7
de custos e valor no universo milhões de unidades durante
da informática. As empresas O recorde da Índia na área
2005-06. Esse alto crescimento
indianas estão a expandir os da segurança da informação
nas vendas dos computadores é
seus serviços, a permitir os é melhor que muitos outros
atribuído a um maior consumo
seus clientes a aprofundar as países. Isso é devido à forte
pelas indústrias como as
suas ligações fora dos seus ênfase no reforço do ambiente
telecomunicações, os bancos
países. A mudança desde os de segurança para os dados
e os serviços financeiros,
processos mais básicos para na Índia. Mais medidas estão a
a fabricação, a educação,
os processos com um maior ser implementadas, incluindo
vendas comerciais e serviços
valor acrescentado está a melhoramentos no quadro legal
de informática e terceirização,
ter um impacto positivo no através de mudanças à Acta de
juntamente com as iniciativas
crescimento global da indústria. Informática de 2000, juntamente
das autoridades centrais e
A forte procura ao longo de com uma maior interacção entre
estatais para implementar
anos recentes já assegurou que a indústria de informática e as
medidas de governação
a Índia é entre os mercados agências fiscais para criar mais
electrónica. Um significante
de informática que está a conhecimento sobre os assuntos
consumo nas pequenas e
crescer mais rapidamente na da segurança das informações
médias empresas e mais
e para facilitar o apoio mútuo
região da Ásia e do Pacífico. A aquisições de computadores nas
quando necessário.
indústria de informática na Índia cidades e vilas mais pequenas
cresceu 28% durante os últimos Houve um crescimento era uma outra característica
cinco anos. A contribuição fenomenal no número de do ano passado. Prevê-se

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 108 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 109
revelar as mais altas taxas de é um país predominantemente Madrasta têm, respectivamente, as letras nas várias línguas
crescimento. rural, com quase dois terços os servidores centrais K, I e F. A indianas. Ferramentas e letras
da sua população a viver sua instalação no país vai ajudar nas línguas tamul, hindi e
O sector da informática e
nas aldeias. Por isso, o a reduzir o tráfico nas linhas telugu já foram lançadas e
dos serviços terceirizados
Departamento da Informática, internacionais e melhorar a outras em punjabi e urdu estão
já demonstrou a sua
como parte do NEGP, pretende resiliência da internet ao reduzir quase prontas. Prevê-se que
superioridade, as vantagens
estabelecer 100.000 Centros a nossa dependência nos todas as línguas indianas vão
de custos e o valor dos seus
de Serviços Comuns (CSC) nas servidores estrangeiros. ser abrangidas no próximo
serviços. Várias entidades
áreas rurais. ano. A Acta da Informática
globais agora estão a obter os Os benefícios da informática
foi promulgada em 2000,
seus serviços de engenharia O Departamento da Informática vão chegar ao povo na Índia
principalmente para aumentar o
e I&D das empresas indianas (DIT) e o Departamento apenas quando a informação
comércio electrónico no país.
ou através dos seus próprios Nacional da Internet (NIXI) digitalizada for disponível ◆
estabelecimentos na Índia. já instalaram três servidores em todas as línguas indianas. O autor é um funcionário público com
o Departamento da Informática do
Estima-se que as receitas centrais para a internet em Por isso, o Departamento Governo da Índia. Este texto é uma versão
para a nação das exportações Deli, Bombaim e Madrasta, da Informática implementou condensada do artigo que foi publicado na
Índia Perspectivas de Dezembro de 2006.
nesses segmentos (serviços que formam uma parte vital uma grande iniciativa para
de engenharia e de I&D, o da infra-estrutura global de disponibilizar livremente às
desenvolvimentos de produtos internet. Deli, Bombaim e pessoas as ferramentas e
e software e produtos
informáticos) cresceram dez reconhecida como um elemento a governação electrónica
vezes - desde 300 milhões de chave para o desenvolvimento – especialmente nas áreas
dólares americanos em 2001 a e o crescimento globais. que influenciam as vidas dos
mais que 3,1 bilhões de dólares Com mais que 175 milhões cidadãos. O Plano Nacional
americanos em 2004-05. Prevê- de assinantes aos serviços para a Governação Electrónica
se que vão atingir 3,9 bilhões de telefónicos, a Índia já surgiu (NEGP) foi criado e vai ser
dólares americanos até o fim do como um dos maiores mercados implementado ao nível do
ano fiscal de 2006-2007. do mundo e o segundo maior governo local, provincial e
da Ásia. Há mais que 800.000 central. Vai assegurar que todos
Hoje em dia, a maioria das ligações de banda larga em os serviços do governo vão
empresas na Índia já alinharam mais que 100 cidades em todo o estar disponíveis aos cidadãos
os seus processos internos país. A Índia também se revelou na sua localidade durante toda
com os padrões internacionais como o segundo maior mercado a vida, através de uma Loja do
como ISO, CMM, Six Sigma, para os telemóveis. Depois Cidadão. Vai também assegurar
etc. Isso ajudou a estabelecer do crescimento explosivo do a eficácia, a transparência e a
a credibilidade da Índia como mercado dos telemóveis, muitas confiança a um custo acessível.
um parceiro de confiança. empresas estão a planear O governo já aprovou um
Até Dezembro de 2005, mais estabelecer bases de produção plano para estabelecer Redes
que 400 empresas indianas já para os telemóveis dentro do Provinciais (conhecidas como
tinham adquirido certificações país para satisfazer tanto a SWANs) com um investimento
de qualidade, com 82 empresas procura local como a procura total de Rs. 33.340 milhões ao
certificadas até ao nível 5 do SEI internacional. longo dos próximos cinco anos.
CMM – mais que qualquer outro
Conforme o seu compromisso Vai fomentar a conectividade de
país do mundo.
de melhorar a qualidade dados até o nível dos distritos
A indústria das da governação básica, as em todos os estados e territórios
telecomunicações é agora autoridades estão a enfatizar federais no país. A Índia ainda

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 110 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 111
OS GUARDAS DO
PRESIDENTE
Um grande
espectáculo...
P.K. DE

N as ocasiões cerimoniais,
o presidente da Índia é
acompanhado por um
grupo seleccionado de tropas
elites – 145 deslumbrantes e
inteligentes homens montados
em cavalos – cada um dos quais
foi cuidadosamente seleccionado
de famílias que têm uma longa
e gloriosa tradição de serviço
militar. Juntamente, constituem
a unidade mais alta do exército
indiano e são conhecidos como
os guardas do presidente.
Criado quase há 230 anos em
Setembro de 1773 pelo então
governador-geral britânico
Warren Hastings, ao longo
da sua carreira esse corpo
de guardas tem mantido um
recorde invejável de serviço em
combates tanto na Índia como
no estrangeiro. Hoje em dia, é
conhecido mundialmente pelo
seu grande espectáculo de cor e
pompa durante todas as ocasiões
de estado.
Com a passagem do tempo
a composição do corpo de
guardas tem mudado para lidar
com as necessidades diferentes.
Hoje em dia, a oportunidade
de servir no corpo de guardas
do presidente é essencialmente
um cargo hereditário e todos

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 112 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 113
os seus elementos têm de ter do exército indiano que tem o bambu típica da cavalaria, com
mais que seis pés de altura. Esse privilégio de carregar a corneta uma estandarte de branco e
corpo de guardas é uma unidade presidencial de prata. Nas vermelho.
elite que é especialmente ocasiões cerimoniais, o corpo A partir de 1947, a principal
treinada para servir tanto com dos guardas do presidente função desse corpo de guardas
as armas como nas ocasiões apresenta um lindíssimo tem sido apenas cerimonial
cerimoniais como tropas espectáculo com os seus – como as tropas pessoais do
montadas. Para as ocasiões trajes de carmesim, bordados presidente da Índia. Todavia,
cerimoniais, os seus cavalos com ouro, os seus turbantes os seus oficiais e soldados
são de raças indianas, todos cerimoniais, botas à maneira de também são combatentes que
de cor castanho sem manchas Napoleão e os seus adornos. são prontos a prosseguir para o
de branco, cada um dos quais Durante o verão, o casaco de serviço activo em qualquer lugar
mede mais que quinze mãos de carmesim é substituído por e em qualquer hora.

altura. O corpo de guardas do trajes brancos. Cada elemento O autor escreve artigos regularmente para a
presidente têm dois privilégios usa orgulhosamente as asas Índia Perspectivas. Este artigo foi publicado
na edição de Junho de 2003.
únicos, nomeadamente os suas douradas de um pára-quedista
cavalos tem as suas crinas – uma treinado. Quando montados
distinção concedida apenas à nos seus cavalos, os elementos
cavalaria da casa real no exército do corpo de guardas usam
britânico – e é a única unidade uma lança tradicional de

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 114 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 115
“Tigre! Tigre!”
BHAGAT SINGH

Era o pico do inverno.


Um vento frio estava a passar
suavemente pelo vasto campo
aberto, cheio de arbustos e altas
ervas que abundam na zona de
Dhikala (a área central do Parque
Nacional de Corbett). Eu estava
a beber o meu chá matinal,
sentado confortavelmente numa
cadeira fora da minha tenda no
sol, preparando-me para um
árduo dia pela frente porque eu
tinha que explorar a floresta ao
lado. Vinoo, com cinco anos,
cheio de excitação, veio a correr
e, agarrando as minhas calças
aos joelhos, olhou para o meu
rosto e gritou, “Pai! Pai! Tigre,
Tigre!”. Antes que eu me pudesse
levantar e entrar na tenda
para buscar a minha máquina
fotográfica, o moço correu de
volta. Corri logo pelos arbustos,
agarrei no garoto e levou-o sem
cerimónia para a rua, ignorando
os seus gritos de “Pai! Há um
tigre aí!”
No caminho de volta à tenda,
perguntei-me se a criança
tinha visto um veado ou um
antílope. Perguntei a Vinoo se
ele tinha visto o rosto do animal.
Estendendo os seus braços ao
máximo que conseguia, ele
disse, “Sim, pai! Era grande
assim.” “E como era a sua
cauda?”, perguntei-lhe. “Muito
comprido, pai”, respondeu. Essa
descrição do animal confirmou
sem uma sombra de dúvida que
era certamente um tigre que o

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 116 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 117
A revista INFA
Vinoo tinha visto. Então porque Evidentemente o tigre que o animal, caminhámos para três de correr do sítio e voltar à direcção e elevou a sua cauda de
é que não fez nada à criança? Vinoo tinha visto não estava à quartos de um quilómetro e pensão. Fiquei lá completamente repente, claramente mostrando a
Lembrei-me logo da observação caça porque, como regra geral, os chegámos a um ponto onde paralisado. Não havia nada sua intensa irritação e indignação
de Jim Corbett, “Os tigres são os tigres não caçam de dia. o prado plano se juntou com que eu podia fazer para salvar com a minha presença. Sem
cavalheiros da floresta”. uma colina coberta de floresta. a minha filha dessa situação. querer, eu tinha aumentado
Mas a próxima vez era diferente.
Comecei a focar a lente da minha Karuna estava completamente a complexidade da situação
Jim Corbett citou vários exemplos Eu estava a fazer campismo em
máquina fotográfica na outra paralisada com medo e o animal do animal. O tigre mal tinha
nas suas histórias que corroboram Dhikala com o meu filho mais
margem do rio, esperando o estava apenas a dois metros dela. tempo para avaliar a situação e
a crença que os tigres não matam jovem, Vinay, e a minha filha
momento quando o gigante se A minha filha estava sentada no decidir as suas próximas acções.
os seres humanos desde que Karuna. Uma tarde, juntamente
mostrasse plenamente. chão com os seus braços ao redor Surpreendido, caminhou três
eles possam caçar as suas presas com o meu filho e a minha filha,
eu estava sentado na muralha Faltavam apenas alguns metros dos seus joelhos. Ela parecia ou quatro passos e começou
naturais para se susterem.
da antiga pensão para os oficiais antes que o elefante ia chegar meia morta com medo, quase a rugir com ira. Paralisado até
Os peritos têm opiniões bastante debruçada sobre o rio Ram ao rio. Mantive a minha máquina como se tivesse sido atingido por aos meus ossos, a única coisa
diferentes sobre as causas dos Ganga lá em baixo. Depois de focada nele, esperando o um relâmpago. Estava a olhar que pensei nesse momento era
ataques dos tigres. Qualquer seja muito tempo à espera, vimos um momento certo para tirar a na cara do animal quase como que o animal ia castigar-me
a causa de um ataque, o facto é grande movimento dentro das fotografia. Na medida em que se estivesse a implorar pela sua severamente para ter entrado na
que um tigre ataca apenas para altas ervas. Logo percebemos os momentos passaram, houve vida. O tigre, um adulto macho, cena tão abruptamente. Comecei
satisfazer a sua fome. Não mata que era um grande elefante a um silêncio intenso e tudo ficou lá de pé calmamente, a rezar aos deuses desde o
para além daquilo que precisa mexer-se. Pensei que era um parecia estar congelado. Esse quase como se estivesse a avisar cerne do meu coração para nos
de comer, salvo nas situações elefante conhecido por atacar as silêncio e essa calma pesada a garota que ela tinha ficado salvar desse perigo iminente.
onde está provocado. Sendo um habitações. Saindo da muralha eram quebrados pelos gritos da perto demais. Enquanto cheguei Percebendo que os dois seres
animal carnívoro, não consegue com muita pressa fomos para minha filha. “Tigre! Tigre!” Em à cena e fiquei lá sem poder humanos não representavam uma
assimilar nenhuma outra forma o sítio onde ele provavelmente pânico e cheio de horror a sentir fazer nada, a cinco metros de ameaça séria, o gentil animal
de comida para além da carne, ia atravessar o rio usando um o medo da jovem, caminhei distância, o tigre deu um baixo entrou silenciosamente nas águas
independentemente se é carne conhecido trilho de elefantes. silenciosamente até à curva da ronco, olhou nos meus olhos do Ram Ganga para beber e se
humana ou carne animal. Sempre observando o enorme estrada, indicando ao meu filho com as suas orelhas na minha refrescar.

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 118 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 119
A caminhar pela vida à
Recuperando do meu transe
caminhei rapidamente até a
minha filha. Abraçando-a tentei
confortar a criança. Tremendo
com medo, ela agarrou-se a mim
e começou a chorar. As únicas
minha maneira
palavras que ela conseguia dizer
RUSKIN BOND
eram “Pai! Pai!”.

T
No próximo dia fui inspeccionar oda a minha vida, sempre 1934 e fui baptizado na pequena
o lugar e investigar as causas do gostei de caminhar. Ate igreja anglicana que ainda existe
enorme erro que eu tinha feito hoje, nunca tive nem nessa vila serrana. O meu pai
no dia anterior. Encontrei um conduzi um carro, autocarro, tinha sido educado na Escola Real
trilho de animais a atravessar tractor, aéreo, barco, scooter, Militar de Lawrence em Sanawar,
a floresta à direita, indo até camião ou um rolo compressor. alguns quilómetros longe, mas
o rio à esquerda. É um facto Se eu tivesse que escolher, eu depois foi trabalhar na indústria
bem conhecido que os tigres conduziria um rolo compressor de chá, depois começou a dar
habitualmente bebem água duas devido ao seu lento mas sólido explicações e, quando eu nasci,
vezes por dia. Para além disso, progresso e à sua finalidade sem estava desempregado.
os tigres, como a maioria dos pressa.
animais, têm territórios bem Mas as minhas memórias mais
definidos e marcados. Esse trilho Na minha adolescência, durante um antigas não são de Kasauli
era uma indicação óbvia da breve período, usei uma bicicleta, porque deixamos a vila quando
presença de um tigre na floresta até que fui passear numa carruagem eu tinha dois ou três meses. São
ao lado. O animal estava a seguir de bois e parti o meu braço. de Jamnagar, um pequeno estado
a sua rotina quotidiana de ir ao O acidente apenas serviu para na costa de Kathiawar, onde o
rio quando a coitada da garota reforçar o facto que eu era pouco meu pai aceitou um emprego
passou no meio do seu caminho. apto para modos de transporte como professor de inglês
Era apenas natural para o tigre com rodas ou qualquer modo de para vários jovens príncipes e
avaliar a situação e interrogar a transporte que deixa os meus pés princesas.
intrusa para se satisfazer que ela em cima da terra. Embora sou Entre os alunos do meu pai num
não representava nenhum perigo. sonhador e distraído, nunca tive desses pequenos estados reais
Obviamente não tinha nenhuma um acidente com uma carruagem havia três lindas princesas. Uma
intenção de fazer mal à criança. de bois caminhando a pé. delas tinha a minha idade, mas as
Era um caso de defesa e não de outras duas eram mais velhas e
Talvez haja alguma coisa na
agressão. No meu entusiasmo eu adorava-as. Acho que eu tinha
ciência do zodíaco. Visto que
para fotografar o elefante, sem quatro ou cinco anos quando
sou um Touro, como o animal
querer, eu tinha violado as leis da tinha um grande fraquinho
em questão, sempre estive perto
floresta. para essas duas meninas “mais
◆ aos prados e vivi a minha vida
velhas” – com oito e dez anos,
O autor é um perito da vida selvagem. Este ao meu próprio lento ritmo,
texto é uma versão condensada do seu artigo respectivamente. Inicialmente
que foi publicado na Índia Perspectivas de entrando em actividade furiosa
eu não tinha a certeza que eram
Novembro de 1999. apenas quando absolutamente
meninas, porque sempre usavam
necessário. Simpatizo muito
casacos e calças e tinham cabelos
com os touros e não entendo os
bastante curtos. Mas o meu pai
toureiros.
assegurou-me que eram meninas
Nasci no hospital militar de e ele nunca me disse uma
Kasauli (perto de Shimla) em mentira na sua vida!

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 120 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 121
O meu pai era um óptimo pai. frio de Dehra durante o inverno
Ensinou-me a ler e a escrever logo nos refrescou.
muito antes que eu comecei
Era um lugar popular com a
a frequentar a escola, embora
comunidade mais velha dos
seja verdade dizer que aprendi
anglo-indianos e, depois de se
a ler de cima para baixo. Isso
aposentar do seu emprego no
aconteceu porque me sentava
serviço ferroviário, o meu avô
num banco em frente das três
materno tinha construído um
princesas, observando-as a
lindo e compacto bangaló numa
escrever e a ler e por isso a vista
rua principal. A casa ainda existe
que eu tinha dos seus livros era
hoje, apenas o seu proprietário
ao contrário, de pernas para o ar!
mudou. Dehra era uma pequena
Ainda leio livros assim de vez em
vila pacata com muitos jardins.
quando, especialmente quando
Hoje em dia, cinquenta anos
um livro é muito chato!
depois de ter visto a vila pela
A minha mãe tinha pelo menos primeira vez, é completamente
doze anos menos que o meu pai irreconhecível.
e gostava muito de ir às festas e
Lembro-me de acordar no
aos bailes. Era contente deixar-
comboio uma manhã cedo e a
me no cuidado dos criados. Eu
olhar pela janela a uma densa
não tinha nenhuma objecção a
floresta cheia de árvores de todos
esse hábito. Os criados mimavam-
os tipos. Aqui e aí houve uma
me, juntamente com o meu pai,
abertura na floresta ou um riacho
que me trazia livros, brinquedos,
de águas cristalinas que eram
bandas desenhadas, chocolates e,
muito diferentes que as águas
claro, selos quando voltava das
castanhas dos rios e riachos
suas visitas a Bombaim.
que passámos no dia anterior.
Há muitos outros passeios que Enquanto passámos por cima
vou descrever mais tarde, mas de um grande rio vimos uma
não foi até que fomos a Dehra manada de elefantes a tomar um
Dun e à casa da minha avó que banho. Deixando as florestas das
encontrei os meus pés como um colinas Siwalik para trás entrámos
peão. no vale de Doon, onde os
campos de arroz e a mostarda em
Em 1939, quando a Segunda
flor estendiam até ao horizonte,
Guerra Mundial começou, o meu
com as colinas como um pano de
pai inscreveu-se na Força Aérea
fundo.
Britânica (RAF) e a minha mãe
e eu fomos viver com a minha Fora da estação apanhámos
avó materna em Dehra Dun, um tonga, ou carruagem puxada
enquanto o meu pai estava numa por cavalos, e passámos pelas
tenda militar nos arredores de ruas quietas até chegar à casa
Deli. A viagem de comboio desde da minha avó. O meu avô tinha
Jamnagar a Dehra Dun demorava falecido há alguns anos e a avó
dois ou três dias. Ao fim da vivia sozinha, salvo algumas
viagem estávamos murchos e visitas ocasionais das suas filhas
cobertos de sujidade mas o clima casadas e as suas famílias e do

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 122 ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 123
não me lembro hoje. A Menina
Kellner era a única pessoa com
quem eu podia jogar às cartas:
A olhar para trás
ele permitia-me a fazer batota!
A avó tinha um jardineiro a
tempo inteiro, um velhote cheio
de rugas que se chamava Dhuki.
Nunca o vi rir ou sorrir. Não sei
qual era a profunda tragédia
atrás desses olhos escuros (nunca Parece que foi ontem. Mas leitores em todo o mundo e
falava de si, nem quando lhe já passaram vinte anos. dar-lhes vislumbres da Índia.
fiz perguntas) mas tolerava-me Uma tarde quando eu estava
O próximo grande desafio
e falava-me das flores e as suas a trabalhar no Centro da
era identificar os assuntos
características. Informação da Imprensa
que as pessoas nesses países
em Madrasta, recebi uma
Havia filas e filas de Lathyrus queriam saber sobre a Índia.
mensagem de duas linhas
odoratus; campos cheios de phlox Era a rica e a diversa cultura
e antirrhinum com o seu doce a dizer que eu tinha sido
do país ou a sua democracia
perfume; gerânios nos degraus transferido para Nova Deli
secular e pluralista? Ou
da varanda, flores de alcea ao para assumir um novo cargo,
era a sua busca pelo poder
longo da parede do jardim. o de editor principal da
económico? Ou era a sua
Atrás da casa havia um pomar Revista das Notícias Indianas
singular diversidade em
com árvores frutíferas, algo e Estrangeiras (IFR). Lembro- Tratei essa mensagem como
termos de religiões, línguas e
descuidado depois da morte do me que eu estava bastante o evangelho. Inicialmente
modos de vida?
meu avô. Foi aí que eu gostava irritado porque a minha fiz algumas mudanças às
de passear às tardes, porque o segunda filha tinha nascido próximas edições do IFR e Foi assim que começou a
pomar era escuro e cheio de há pouco e não tínhamos a depois decidi mudar a revista viagem da Índia Perspectivas,
possibilidades. Fiz uma amizade mínima vontade de mudar de completamente e transformá- uma publicação que já
com uma jaqueira, cujo tronco casa. la numa publicação completou 20 anos. A reacção
continha um grande buraco onde mensal. Quis assegurar que inicial era encorajadora.
Enquanto fiz as preparativas
eu guardava berlindes, moedas, apelasse aos leitores e, mais Houve leitores em muitos
para aceitar o novo cargo,
catapultas e outros tesouros, importante, que servisse países e muitos pedidos
fui visitar o lendário editor
como um corvo guarda os como uma verdadeira para receber os exemplares
objectos brilhantes que encontra do jornal Hindu, Dr. G.
montra a apresentar o melhor directamente através dos
nas suas peregrinações. Kasturi, para me despedir
da Índia ao mundo. Foi correios. Nos passados vinte
dele. Disse-lhe que eu estava
Nunca tinha muito jeito para assim que nasceu a revista anos a Índia Perspectivas
muito nervoso porque eu não
subir às árvores, sempre caia dos Índia Perspectivas. desenvolveu-se rapidamente e
seu filho solteiro e nómada, dos seus pais e podia pagar uma tinha nenhuma experiência
ramos. Mas gostava muito de transformou-se numa óptima
Ken, que aparecia de vez em senhora que a ajudava e quatro com as publicações. Ele me A tarefa não era fácil. Eram
subir paredes (e ainda gosto de revista indiana. Sinto-me
quando, especialmente quando carregadores de palanquim, deu algumas dicas: focar tempos diferentes. Não havia
o fazer). Passou pouco tempo como um pai orgulhoso.
tinha esgotado o seu dinheiro. A que a carregavam quando ela nos assuntos do dia, servir a internet. Havia publicações
até que eu subi a parede atrás Os meus parabéns e as
avó também tinha uma inquilina, queria mexer-se da cadeira o maior possível interesse e mas os meios electrónicos de
do pomar, aterrei num território felicidades a toda a equipa!
Menina Kellner, que ocupava ou levavam-na a passear num assegurar que os seus leitores comunicação ainda estavam
novo e desconhecido no outro
uma parte do bangaló. palanquim ou até num riquexó esperam entusiasticamente na sua infância. Uma revista – TG Nallamuthu
lado e corri para explorar as
– ela tinha ambos. As suas para o próximo número da como a Índia Perspectivas
A Menina Kellner tinha ficado ruelas e os mercados de Dehra.
mãos eram deformadas e mal ◆ revista. ainda podia alcançar os
aleijado num acidente com uma O autor é um famoso escritor. Este texto é
carruagem em Calcutá quando conseguia agarrar numa caneta, uma versão condensada do artigo que foi
mas conseguia jogar às cartas publicado na Índia Perspectivas de Maio de
era jovem e ficou presa numa 1993.
cadeira de rodas toda a sua vida com muita destreza e ensinou-me
adulta. Herdou algum dinheiro muitos jogos de cartas, que já

ÍNDIA PERSPECTIVAS NOVEMBRO - DEZEMBRO DE 2008 124