Vous êtes sur la page 1sur 11

RESULTADOS E DISCUSSÃO

REATOR CSTR
Os dados obtidos no experimento utilizando-se um único CSTR a uma vazão
de 0,5 L/min constam na Tabela 1.
Tabela 1. Reator mistura (1 CSTR)

Fonte: Os autores.

A curva de concentração versus tempo é construída a partir dos dados:

Alguns erros embutidos estão na utilização do espectrofotômetro disponível. Curva de concentração versus tempo para reator CSTR. Fonte: Os autores. não tão adequada quanto uma de quartzo. Como o reator possuía entrada . Outros fatores que tiveram possíveis contribuições são os erros na leitura de tempo e os erros durante a coleta.Figura 3. É provável que a maior influência para a ocorrência erro seja a variação de vazão considerável que ocorreu durante a prática. não havia como verificar a vazão com frequência. O tempo de residência e área do gráfico experimentais também foram calculados usando os dados e a comparação com os resultados teóricos fornece o erro (vide Memorial de Cálculo): Tabela 2. que contribui para a dispersão da luz. Por poucas pessoas estarem disponíveis na realização do experimento de reposição. e era de vidro.5L/min. Fonte: Os autores. O bloqueio da luz externa durante a leitura do espectrofotômetro é inapropriado e pode ter influenciando os resultados. pois o enchimento do frasco não acontecia instantaneamente. Parâmetros para reator CSTR com Q = 0. A cubeta de uso possui geometria cilíndrica.

a ocorrência de caminhos preferenciais é possível. já que o líquido que entra pode sair diretamente.4 1. A variabilidade σ 2 calculada foi de 4694.8 2 ϴ Fonte: Os autores. Figura 4: Curva de Eθ versus θ para reator CSTR. 0 0 0 Eϴ 0 0 0 0 0 0.6 1. sem passar pela parte inferior do reator.8 1 1.2 1. O gráfico abaixo mostra o Eθ versus θ para um único reator CSTR. TRÊS REATORES CSTR EM SÉRIE Para três reatores CSTR rearranjados em série.4 0.2 0. na Tabela 3 estão os dados obtidos durante o experimento: .e saída na parte superior.6 0.33.

3 reatores CSTR em série com Q = 0.5 L/min Fonte: Os autores. Da mesma forma que no tópico anterior.Tabela 3. Fonte: Os autores. Os dados da tabela plotados representam a curva de concentração versus tempo: Figura 5. Curva de concentração versus tempo para três reatores CSTR em série. pode-se obter os seguintes parâmetros (Memorial de Cálculo): .

Figura 6.5 L/min.73. Curva de Eθ versus θ para CSTR em série 0 0 0 0 0 Eϴ 0 0 0 0 0 0 0. Apesar de estar no roteiro. a segunda análise com uma vazão maior não foi possível devido a instabilidades do sistema hidráulico no laboratório. REATOR PFR O experimento com reator PFR utilizou uma vazão de 0. Para o reator tubular e as propriedades do fluido.5 1 1. os seguintes dados foram fornecidos: Tabela 5: Parâmetros do reator e do fluido.5 ϴ Fonte: Os autores. Parâmetros para reator CSTR com Q = 0.5L/min.5 2 2. O gráfico abaixo mostra o Eθ versus θ para três reatores CSTR em série.Tabela 4. . A variabilidade σ2 calculada foi de 6596. Fonte: Os autores.

. Fonte: Os autores.Fonte: Os autores. Os dados de concentração versus tempo foram coletados e plotados: Tabela 6: coleta de dados PFR.

3 0.25 Concentração (mg/L) 0. a porosidade do leito deve ser considerada. 0.35 0.39.15 0. A variabilidade σ2 calculada foi de 2228.45 0. CSTR e CSTR em série) resultaram em erros grandes.05 0 0 50 100 150 200 250 300 Tempo Fonte: Os autores.4 0. Uma parte do gráfico está no eixo negativo de concentração. imprecisões do espectofotômetro. o coeficiente de dispersão axial teórico é calculado da seguinte forma: . Tabela 7:parâmetros PFR. etc. dificuldades nas coleta de tempo e concentração. a área teórica e o tempo de residência teórico foram calculados da mesma forma para o PFR. A área experimental. no cálculo do tempo de residência experimental. Para o experimento com o reator tubular.1 0. porém deve ser interpretado como um erro do programa ao traça linha de tendência.2 0. Percebe-se que nas três situações do experimento (PFR.Figura 7: Curva de concentração versus tempo para PFR. Por exemplo: considerável variação de vazão. Porém. Fonte: Os autores. A explicação para tal fato é que todos os experimentos tiveram as mesmas interferências citadas no CSTR único.

4 g ∗1000 mg L 0. dado pela equação: t¿ ≈ ∑ t i C i ∆ ti = 35290. . Utilizando os somatórios obtém-se o tempo de residência (t*) experimental. a área calculada foi de 276.13 =127.0005 V ∗C g A= pulso pulso = =84 mg∗s / L Q L ∗min min 0.525 mg*s/L.ℜ= 0.5 L/min será utilizado. A área sob a curva é calculada pela equação: A=∑ Ci ∆ t i Com os dados da tabela do CSTR único (ANEXOS).55 L =66 s L ∗min min 0.62 s ∑ C i ∆ ti 276.48 Dp Q ε ρ =63.95 Aμ ) MEMORIAL DE CÁLCULO Para exemplificar as equações e cálculos utilizados.5 60 s Observação: para o PFR. o CSTR único com vazão de 0. porém as equações são válidas para todos os casos.011 (R e ¿ ρ¿ ℜμ Dea= ¿ 0. o V na fórmula do tempo de residência deve ser multiplicado pela porosidade do leito (ε).20+0.525 Já o cálculo teórico desses mesmos parâmetros pode ser feito por: L∗1.5 60 s t¿ = V = Q 0.

. ANEXOS Tabela 8: tabela de cálculo CSTR.Com esses valores é possível calcular o erro relativo em cada um dos parâmetros: ( Erro= A exp− Ateórico 276.62−66 Erro= ∗100= ∗100=93.33 ∑ C i ∆ ti Sendo o valor de ∑ t 2i C i ∆ ti encontrado nas tabelas anexadas.525−84 ∗100= ∗100=229 Ateórico 84 ) ( ) t ¿exp −t ¿ teórico 127.36 ¿ t teórico 66 ( ) ( ) A variância é calculada da seguinte forma: 2 σ= ∑ t 2i C i ∆ ti −t ¿2=4694.

Tabela 9: tabela de cálculo de 3 CSTR em série.Fonte: Os autores. Tabela 10: tabela de cálculo PFR. Fonte: Os autores. .

Fonte: Os autores. .