Vous êtes sur la page 1sur 3

UNIÃO METROPOLITANA DE EDUCAÇÃO E CULTURA UNIME FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE FAS

CURSO: FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DISCIPLINA: FARMÁCIA HOSPITALAR

DISCENTES: ÍTALO SAMPAIO; JEANE CHAVES; LAIANA RIOS; LUANA MEDAUAR; RAFAEL MELO; ROBSON DE JESUS ORIENTADORA: CAROLINE TANNUS

Questionário

Nutrição Parenteral

01-Quais os casos em que a Nutrição Parenteral é indicada?

02-Quais as funções do farmacêutico perante a formulação da Nutrição Parenteral?

03-Quais as características que diferenciam a Nutrição Parenteral Total da Nutrição Parenteral Periférica?

04-À que situações as complicações da Nutrição Parenteral podem estar relacionadas?

05-O acréscimo de novas substâncias à Nutrição Parenteral deve ser evitado, porém, existem casos onde essa adição é necessária, qual procedimento deve ser adotado para evitar interações?

06-Quais os pontos que devem ser avaliados na prescrição médica antes de se iniciar o preparo de uma Nutrição Parenteral?

07-Defina nutrição parenteral:

Respostas

Nutrição Parenteral

01-A Nutrição Parenteral é indicada nos casos onde a nutrição oral normal não é possível, quando a absorção dos nutrientes é incompleta, quando a alimentação oral é indesejável e principalmente, quando as condições mencionadas estão associadas, ou quando o paciente está desnutrido ou corre o risco de evoluir para a desnutrição.

02-O farmacêutico é responsável por avaliar a prescrição, pela manipulação, controle de qualidade e o transporte das bolsas até o paciente. Exceto a primeira função, as demais podem ser realizadas por funcionários treinados, porém, permanecem sob a responsabilidade do farmacêutico.

03-A Nutrição Parenteral Total (NPT) deve ser aplicada em veia central de grosso calibre por possuir alta osmolaridade(superior à 900 mOsm/L). É considerada uma mistura completa de alta densidade composta por lipídios, minerais, glicose e vitaminas, é indicada para pacientes em Nutrição Parenteral por mais de 10 dias. A Nutrição Parenteral Periférica (NPP) possui baixa osmolaridade (inferior à 900 mOsm/L), quantidade reduzida de calorias. É normalmente empregada na fase inicial da nutrição parenteral, até que se estabeleça um acesso central, em pacientes de curto tempo de terapia ou durante desmame da NPT.

04-Relacionadas ao cateter (obstrução, posicionamento, contaminação infecção, trombose), relacionadas ao metabolismo (sistema ósseo, hepatobiliar, hipo e hiperglicemia), relacionadas à manipulação da mistura(incompatibilidade química, estabilidade da emulsão, contaminação microbiana). A Nutrição Parenteral pode induzir atrofia intestinal e translocação microbiana, com sérias complicações.

05-Deve-se estudar a compatibilidade da Nutrição Parenteral com essa substância e a estabilidade da mistura após a adição. Observando não apenas os princípios ativos, mais também os adjuvantes farmacotécnicos de suas soluções. Recomenda-se evitar adições de produtos à NP, salvo aqueles que já foram previamente estudados e tem compatibilidade assegurada.

06-Devemos

analisar

à

prescrição

quanto

à

suficiência

qualitativa,

quantitativa

e

compatibilidade

entre

os

elementos

da

formulação,

observando os seguintes itens:

A Todos os itens prescritos são requeridos pelo paciente;

B Se a dosagem dos produtos solicitados é recomendada ao quadro

clínico;

C Se existe compatibilidade físico-química entre os elementos da formulação e entre os elementos da formulação e os medicamentos que

o

paciente está utilizando;

D

Se a formulação é estável;

E Se a via de administração solicitada suporta a osmolaridade da solução e velocidade se infusão.

07-Solução ou emulsão composta basicamente de carboidratos, aminoácidos, lipídios, vitaminas e minerais, estéril e apirogênica destinada a administração intravenosa em pacientes desnutridos ou não, visando a síntese ou manutenção dos tecidos.