Vous êtes sur la page 1sur 3
Colégio Planeta   Lista

Colégio Planeta

 

Lista

Prof.: André Lopes

Lista de História

Data: 21 / 09 / 2012

04

Aluno(a):

 

Pré-Vestibular

Turma:

Turno: Mat. / Vesp. e Not.

 

TEMA: MUNDO ANTIGO – Oriente e Grécia.

 

3 – (UFG 2003) Os povos antigos – os egípcios, os mesopotâmios, os gregos e os romanos – adotaram a escravidão em suas diversas formas, como relação de trabalho dominante, que muitas vezes coexistiu com outras modalidades de exploração de trabalho. Com base no exposto, julgue os itens abaixo:

Questões dos vestibulares da UFG – 2001 a 2012.

1

– (UFG 2001) Leia o texto abaixo:

Apoiado num oráculo favorável dado por Ashur, meu senhor, eu lutei contra eles e infrigi uma derrota. No calor da batalha, eu pessoalmente capturei vivos os aurigas egípcios com seus príncipes e também os aurigas da Etiópia. Ataquei Ekron e matei os oficiais e patrícios que haviam cometido o crime e pendurei seus corpos em estacas circundando a cidade”.(Do Prisma de Senaqueribe).

1) (

) Na Atenas antiga, Sólon (594–591 a.C.) realizou um conjunto de reformas políticas em favor do interesse dos eupátridas. Entre essas reformas destacaram-se a lei de igualdade civil entre metecos e escravos e o perdão das dívidas dos hilotas. ) No Egito antigo, recorria-se ao trabalho compulsório dos camponeses para a construção das grandes obras

arquitetônicas e hidráulicas, as quais eram executadas na época das cheias do rio Nilo, período em que se interrompiam temporariamente as atividades agrícolas. ) Em 445 a.C. foi elaborada a Lei das Doze Tábuas, primeira compilação escrita das leis romanas, que proibiu a escravidão por dívidas. A partir do III século a.C., durante a expansão romana, mesmo com o aumento significativo do número de escravos prisioneiros de guerras, a prática de escravizar crianças abandonadas ainda persistia. ) No Império Romano havia a prática social de libertar escravos como recompensa pelo serviço fiel no leito de morte, desde que registrada em testamento. O primeiro imperador romano, Otávio Augusto (27 a.C.–14 d.C.), limitou tal prática de libertação a no máximo cem escravos em cada testamento.

2) (

 

Jaime Pinsky. 100 Textos de História Antiga. São Paulo: Global, 1980. p.125.

Sobre as guerras que envolveram as civilizações do mundo antigo, pode-se afirmar que:

3) (

1) (

) Por volta de 1750 a.C., o Egito foi dominado pelos hicsos, povo asiático de origem semita que conseguiu impor-se por causa de novas técnicas guerreiras, como o carro de guerra e as armas de bronze.

2) ( ) Sumérios, babilônicos e assírios sucederam-se como povos hegemônicos na Mesopotâmia; posteriormente, a região caiu sob domínio persa e macedônio.

4) (

3) (

) Os hebreus consolidaram-se como povo comerciante e navegador: fundaram colônias em todo o Mediterrâneo e sua política expansionista foi denominada talassocracia. ) As guerras Médicas, Púnicas e do Peloponeso são indícios das tensões e dos conflitos que dividiam as civilizações da Antiguidade.

4) (

4

– (UFG 2004 – 2ª Fase) No Egito antigo, as preocupações

2

– (UFG 2002) Leia o texto abaixo:

 

com a morte permeavam todo o quotidiano da sociedade.

Caracterize duas práticas culturais reveladoras da crença na vida após a morte.

5

– (UFG 2005) Leia o texto a seguir:

“A migração é uma forma de escapar às questões complicadas que dizem respeito à propriedade das terras, ao perdão de dívidas e às partilhas; porém, quando uma cidade antiga tem que legislar sobre esses assuntos, deve fazê-lo a longo prazo e de maneira cautelosa, para não provocar conflitos.”

(Adaptado de Platão, As leis. In: ACKER, Tereza Van. Grécia. A vida cotidiana na Cidade-Estado. São Paulo: Atual, 1994. p.63.)

“Tolerância, fraternidade e igualdade: foi com esses ideais em mente que, em 1892, o barão Pierre de Coubertin apresentou à comunidade esportiva internacional a idéia de ressuscitar os Jogos Olímpicos. Na Grécia antiga, os jogos da cidade sagrada de Olímpia (entre os sécs. VIII e IV a. C.) enfatizavam que competir sem vencer equivalia a desonra suprema. As corridas, as lutas, os saltos e os lançamentos de disco e de dardo serviam como a coroação da superioridade do indivíduo, oferecida em homenagem ao deus Zeus.”

VENTUROLI, Thereza. Tudo pelos louros. "Veja", São Paulo, n. 33, 18 ago. 2004, p. 96. [Adaptado]

O estudo dos movimentos populacionais revela bem mais que o mero deslocamento de povos em um território. Há uma lógica política que procura responder aos conflitos inerentes à vida social. Acerca dos embates políticos e dos movimentos migratórios na Grécia Antiga (VI a IV aC), julgue os itens:

1) (

) Em Atenas, os conflitos políticos deixaram de ser uma mera questão privada. A formação da polis definiu um conjunto de regras e de leis escritas que deveriam ser aceitas e obedecidas pelo conjunto dos cidadãos. ) Em Atenas, as migrações representaram uma estratégia de resolução das tensões sociais, possibilitando a distribuição de terras e a resolução dos conflitos políticos por meio de concessões feitas ao povo. ) O expansionismo de Atenas teve como resultado a formação de um império centralizado, rompendo com a fragmentação política que marcava a organização das cidades-estado. ) A propriedade da terra era considerada o fundamento do regime democrático e a distribuição de terras nas colônias rompeu com o regime escravista, que, gradualmente, foi substituído pelo trabalho de pequenos proprietários.

Segundo o texto, a diferença de motivação entre os Jogos Olímpicos da Grécia Antiga e os atuais está:

2) (

A) na homenagem ao deus Zeus nos jogos gregos antigos e na divulgação da fraternidade nos jogos olímpicos atuais.

B) no anseio de vitória constante dos gregos antigos e nos ideais igualitários e fraternais de Coubertin para os jogos modernos.

3) (

C) no caráter sagrado dos jogos olímpicos antigos e na característica competitiva dos jogos olímpicos contemporâneos.

4) (

D) no desejo de participação nas diversas modalidades nos jogos antigos e no espírito de tolerância nas olimpíadas modernas.

E) no espírito competitivo dos gregos e no desejo de Coubertin de ressuscitar os jogos olímpicos da Grécia antiga.

6 – (UFG 2007) Leia o texto abaixo, que se refere à história do significado do trabalho.

“Do ponto de vista da história, uma das revoluções do cristianismo no Ocidente, reforçada pela tradição monástica hostil ao ócio, é ter feito do trabalho um valor.”

IOGNA-PRAT, Dominique. Ordem (ns). In: Dicionário temático do ocidente medieval. Bauru/SP: EDUSC: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. p. 313. [Adaptado].

A respeito da história da concepção de trabalho, pode-se afirmar que, na:

A) Grécia Antiga, as atividades manuais eram consideradas socialmente superiores.

B) Roma Antiga, o estatuto da escravidão limitava o trabalho do escravo às atividades no campo.

C) Roma republicana, o trabalho foi pensado como preço a ser pago pelo castigo decorrente do pecado original.

D) Idade Média, concebeu-se o trabalho como meio pelo qual o fiel poderia elevar-se de sua condição mundana.

E) Baixa Idade Média, o estatuto do trabalho nas cidades era semelhante ao da servidão nos campos.

7 – (UFG 2007 2ª fase)

“A

Grécia

conquistada

conquistou

seu

selvagem

vencedor e levou as artes aos rústicos latinos.”

VEYNE, Paul. L’ Empire Gréco-Romain. Paris: Seuil, 2005. p. 11. Considerando o verso do poeta latino Horácio (65 a.C–8 a.C),

A) explique a relação paradoxal entre conquistador e conquistado;

B) caracterize dois campos em que a cultura grega se expressa no Império Romano.

8 – (UFG 2008) Observe a gravura abaixo:

Império Romano. 8 – (UFG 2008) Observe a gravura abaixo: Osíris. Disponível em: <www.akenatonjh.com.br>.

Osíris. Disponível em: <www.akenatonjh.com.br>. Acesso em: 21 set. 2007.

A pintura egípcia pode ser caracterizada como uma arte que:

A) definiu os valores passageiros e transitórios como forma de representação privilegiada.

B) concebeu as imagens como modelo de conduta, utilizando-as em rituais profanos.

C) adornou os palácios como forma de representação pública do poder político.

D) valorizou a originalidade na criação artística como possibilidade de experimentação de novos estilos.

E) elegeu os valores eternos, presentes nos monumentos funerários, como objeto de representação.

9 – (UFG 2009/1) Leia a citação a seguir.

“Com efeito, um simples relato pode ser correto sem ter nenhuma utilidade; acresce-lhe em compensação a exposição da causa, e a prática da história torna-se fecunda. Buscando as analogias atuais, encontramos meios e indicações para prever o

futuro: o passado nos protege, [

empresas sempre mais confiantes.”

permitindo-nos realizar nossas

]

POLÍBIO. História. Apud PINSKY, J. Modos de produção na Antiguidade. São Paulo: Global, 1984. (Adaptado).

O texto demarca um tipo de relação temporal construída pela

História. Considerando a reflexão de Políbio, a ideia que expressa a relação entre passado e presente é a seguinte:

A) o passado possui um valor de lição para o presente. B) o presente rompe
A)
o passado possui um valor de lição para o presente.
B)
o presente rompe com o passado.
C)
o passado e o presente são realidades isoladas.
D)
o presente coloca o passado sob suspeita.
E)
o passado pode ser modificado pelo presente.
10
– (UFG 2009/2) Analise a figura a seguir.

A linha do tempo representada na figura acima explicita uma

concepção de história>

A) eurocêntrica, que associa a história da humanidade à perspectiva ocidental e europeia. B) religiosa,
A)
eurocêntrica, que associa a história da humanidade à
perspectiva ocidental e europeia.
B)
religiosa, que tem como fundamento o cristianismo e seus
principais marcos temporais.
C)
natural, que se vincula aos ciclos da natureza e às
condições geográficas.
D)
crítica, que questiona a divisão da história da humanidade
entre pré-história e história.
E)
fragmentária, que divide a história da humanidade em
compartimentos aleatórios e descontínuos.
11
– (UFG 2009/2) Analise a figura a seguir.
O
conceito “Crescente Fértil” foi criado pelo arqueólogo James

H. Breasted para designar a região onde surgiram as primeiras civilizações da humanidade. Com base nessa informação e na leitura da figura, identifica-se como elemento comum a tais civilizações a:

A) prática do nomadismo associado às condições de caça, pesca e coleta na área demarcada.

B) organização das atividades sociais e dos trabalhos coletivos em torno dos portos marítimos.

C) constante tentativa de unificação política e territorial da região, tomando como limite os leitos dos rios.

D) atividade econômica fundada no trabalho coletivo para o aproveitamento dos cursos d'água.

E) escolha de regiões tropicais para fixação, em função do equilíbrio no regime de chuvas.

12

– (UFG 2010/2) As pinturas rupestres são evidências materiais

do desenvolvimento intelectual dos seres humanos. Embora tradicionalmente estudadas pela Arqueologia, elas ajudaram a redefinir a concepção de que a História se inicia com a escrita, pois:

A)

funcionam como códices velados de uma comunidade à espera de decifração.

B)

expressam uma concepção de tempo marcada pela cronologia.

C)

indicam o predomínio da técnica sobre as forças da natureza.

D)

atestam as relações entre registros gráficos e mitos de origem.

E)

registram a supremacia do indivíduo sobre os membros de seu grupo.

13

– (UFG 2001 2ª fase)

 

os fatos na antiguidade foram muito próximos de

como os descrevi, não dando muito crédito, de um lado, às versões que os poetas cantaram, adornando e amplificando seus temas, e de outro considerando que os logógrafos [primeiros

escritores gregos] compuseram as suas obras mais com a

intenção de agradar os ouvidos que de dizer a verdade (

)

deve-

se olhar os fatos como estabelecidos com precisão suficiente, à base de informações mais nítidas.”

 

Tucídides I, 21. História da Guerra do Peloponeso. Brasília: Ed. da UnB, 1999. p. 25.

O desenvolvimento do pensamento filosófico e o nascimento da História (a investigação que localiza as “informações mais nítidas”), como atividade que distingue mito e verdade, foram concomitantes ao nascimento da polis e conheceram um período de florescência no denominado “Século de Péricles”. Discorra sobre os aspectos culturais e políticos desse período da história da Grécia Antiga.

14

– (UFG 2009/2 2ª fase) Analise a imagem a seguir:

14 – (UFG 2009/2 2ª fase) Analise a imagem a seguir: HAYEZ, Francesco. “Destruição do Templo

HAYEZ, Francesco. “Destruição do Templo de Jerusalém”. Disponível em:

<www.paroquia-smbelem,pt/imagens/destruicao_templo_jerusalem.jpg>. Acesso em:

4 mai. 2009.

 

Produzido em 1867, o quadro remete a um acontecimento importante para a religião judaica. Com base na análise histórica dessa religião,

A) cite duas de suas características, no contexto da Antiguidade Oriental.

B) relacione o acontecimento apresentado no quadro ao caráter sagrado de Jerusalém para os judeus.

15 – (UFG 2010/2 2ª fase) Leia o texto.

“A guerra não é nem pode ser anomia, ausência de regras. Ao contrário ela se desenrola no quadro de normas aceitas por todos os gregos, precisamente porque essas regras se originam do conjunto de práticas, de valores, de crenças comuns. Ainda aqui, o quadro só é verdadeiro até certo ponto. De início porque a guerra jamais ficou confinada unicamente nas fronteiras do mundo grego. Desde então, dividida em dois campos antagônicos, a Grécia engajou- se numa luta cujo risco, escala e forma não eram mais os mesmos. Foi todo um sistema de regras antigas que se rompeu.”

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e sociedade na Grécia Antiga. Rio de Janeiro: José Olympio, 1992. p.38-39. (Adaptado).

Neste fragmento, o historiador Jean-Pierre Vernant avalia a transformação no ordenamento das cidades-Estados, advinda com as guerras contra os persas. Diante do exposto, explique:

A) a ordem política das cidades-Estados, anterior à guerra contra os persas;

B) a mudança ocorrida na ordenação das cidades-Estados em virtude da guerra contra os persas.

1 – CCEC

2 – CCEE

3 – ECCC

4 – no plantão

5 – B

6 – D

7 – no plantão

8 – E

9 – A

10 – A

11 – D

12 – A

13 – no plantão

14 – no plantão

15 – no plantão

GABARITOS: