Vous êtes sur la page 1sur 9

1. FLUXO DE CAIXA OU DIAGRAMA DE CAPITAL NO TEMPO

Os problemas envolvendo operações financeiras tanto podem ser de relativa simplicidade, como podem apresentar elevado grau de complexidade. Para que se resolva adequadamente um problema é preciso bem entendê-lo. Um dos recursos que se pode utilizar é o chamado “fluxo de caixa” ou “diagrama de capital no tempo. Construir um fluxo de caixa pode representar “meio caminho andado” na resolução de um problema. Se num problema simples pode ser dispensável, num problema mais complexo sua construção pode ser imprescindível e contribuir para a elucidação do mesmo. Assim, a visualização de um problema envolvendo receitas e despesas que ocorrem em instantes diferentes do tempo é bastante facilitada por uma representação gráfica, como está demonstrado no exemplo a seguir:

1. FLUXO DE CAIXA OU DIAGRAMA DE CAPITAL NO TEMPO Os problemas envolvendo operações financeiras tanto

As convenções empregadas são as seguintes:

a representação do fluxo de caixa de um projeto consiste de uma reta horizontal, onde

são marcados numa escala de tempo (com a progressão dando-se da esquerda para a direita); as setas para cima representam as entradas de caixa (um valor positivo ou receita

recebimento de dinheiro); as setas para baixo representam as saídas de caixa (um valor negativo ou despesa

saída ou aplicação de dinheiro); a unidade de tempo (mês, semestre, bimestre, trimestre, ano) deve coincidir com o período de capitalização de juros considerado;

para que

a

convenção

fique

completa,

o

tamanho

da

seta

deve representar

proporcionalmente o valor do capital que está entrando ou saindo.

O diagrama a seguir representa um investimento hoje de R$ 3.000,00 que rende R$2.000,00 no final do terceiro período, mais R$ 2.000,00 no final do quinto período. Quantias de dinheiro na data de hoje são representadas por PV e quantias isoladas no futuro são chamadas de FV. Tem-se então, no projeto considerado, um PV de R$ 3.000,00 e duas quantias FV de R$ 2.000,00, uma no período n = 3, outra no período n = 5.

2.000 2.000 0 1 2 3 4 5
2.000
2.000
0
1
2
3
4
5
3.000
3.000

1

OBSERVAÇÃO 1:O fluxo de caixa de uma operação financeira pode ser construído sob a ótica do credor ou sob a ótica do devedor. Evidentemente, a escolha do enfoque não alterará os resultados obtidos; apenas deve-se atentar para a coerência em relação ao fluxo adotado quando da identificação das entradas e saídas de caixa (o que é entrada para o credor é saída para o devedor, e vice-versa). Embora este detalhe não se constitua num ponto fundamental, costuma ser importante para alguns problemas.

OBSERVAÇÃO 1:O fluxo de caixa de uma operação financeira pode ser construído sob a ótica do

OBSERVAÇÃO 2: O objeto de estudo na disciplina é o fluxo de caixa de um investimento ou empréstimo, contudo a mesma ideia é comumente utilizada por empresas para controlar suas disponibilidades monetárias por meio das entradas e saídas de dinheiro.

2

Exemplo: Um terreno é vendido a prazo em seis prestações mensais de R$ 12.000,00 cada uma,

vencendo a primeira 3 meses após a compra. Se a taxa de juros adotada é de 3% ao mês, qual o

preço a vista do terreno? Para este exemplo devedor e para o credor.

ELABORAR O FLUXO DE CAIXA

para o

Exemplo: Um terreno é vendido a prazo em seis prestações mensais de R$ 12.000,00 cada uma,

3

2 JUROS SIMPLES E JUROS COMPOSTOS

2.1 REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO

A operação de adição de juros ao capital recebe o nome de capitalização. Existem dois

regimes de capitalização, o regime de capitalização simples e o regime de capitalização composta.

2.1.1 JUROS SIMPLES O regime de capitalização simples, ou regime de juros simples, consiste em somar os juros ao capital no final do prazo contratado. Daí o nome de capitalização simples. Nada impede que os juros sejam calculados, ou até colocados à disposição do investidor, parceladamente no decorrer deste prazo. Neste caso, embora os juros sejam calculados periodicamente, em várias vezes, seu cálculo é feito sempre sobre o capital inicial, e o montante será a soma do capital inicial com as várias parcelas de juros, que equivale a uma única capitalização. Neste caso os juros, a cada período financeiro, são iguais. Como já citado, quando são cobrados juros simples, apenas o principal rende juros, isto é,

os juros são diretamente proporcionais ao capital emprestado. Assim, os juros (J) valem:

J=PV.i.n (fórmula 1),

onde:

PV = principal ou capital inicial i = taxa de juros n = número de períodos de juros.

De acordo com a fórmula (1), os juros obtidos em 2 anos são o dobro dos juros de 1 ano, visto que aumentam linearmente.

Seja então PV o capital inicial, i a taxa unitária de juros e n o número de períodos de aplicação do capital. Se o capital ficar aplicado por n períodos iguais, os juros a cada um destes períodos também serão iguais:

J1 = J2 = J3 = J4 = Jn = PV.i

e assim,

os juros totais para os n períodos serão: J=PV.i.n (como apresentado na fórmula 1)

Deduzindo as fórmulas:

2 JUROS SIMPLES E JUROS COMPOSTOS 2.1 REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO A operação de adição de juros

4

O montante FV, obtido por um empréstimo, que deverá ser devolvido ao cabo de n períodos será:

FV=P+J = PV + PV.i.n = PV (1+i.n)

Deduzindo a fórmula anterior:

Se FV=PV + J

e

J=PV.i.n

, então:

FV=PV + PV.i.n

= PV (1+i.n)

Exemplo: Vamos supor um capital de R$ 1.000,00 aplicado por 5 meses à uma taxa de juros de 10% ao mês. O quadro a seguir mostra a evolução da aplicação:

Período do

Juros

Juros simples total ao final

Montante

prazo

no mês

do prazo contratado

contratado

J=PV.i

J=PV.i.n

FV

0

-

-

(PV de 1.000)

1

100

  • 1.000 x 0,10 x 1 = 100

1.100

2

100

  • 1.000 x 0,10 x 2 = 200

1.200

3

100

  • 1.000 x 0,10 x 3 = 300

1.300

4

100

  • 1.000 x 0,10 x 4 = 400

1.400

5

100

  • 1.000 x 0,10 x 5 = 500

1.500

Resumindo, temos um regime de capitalização simples ou juros simples quando a taxa incide somente sobre o capital inicial; não incide, pois, sobre os juros acumulados. Como neste período de capitalização a taxa de juros varia linearmente em função do tempo, se quisermos converter a taxa diária em mensal, basta multiplicarmos a taxa diária por 30; se desejarmos a taxa anual, tendo a mensal, basta multiplicarmos esta por 12, e assim por diante. No caso do exemplo anterior, de juros simples, 5% ao mês correspondem a 60% ao ano, ou seja, taxas proporcionais (5% a.m é proporcionam a 60% a.a) são iguais.

2.1.2 JUROS COMPOSTOS

No regime de capitalização composta, ou de juros compostos, encontramos a figura do período de capitalização, que é o intervalo de tempo durante o qual o juros são calculados, antes de se incorporarem ao capital para, a partir daí render juros no período seguinte. Esse processo de adição dos juros ao capital se repete período a período, durante o prazo total da operação.

Portanto, em operações de juros compostos, após cada período de capitalização, os juros são incorporados ao principal e passam também a render juros. Os juros compostos são chamados de exponenciais. Assim, se um capital PV for aplicado a uma taxa i, dado certo período, os montantes

constituídos

no

fim

de

respectivamente:

cada um

dos

n períodos em que o capital ficar aplicado serão

5

FV 1 = PV (1+i) FV 2 = FV 1 (1+i) = PV (1+i) 2 FV 3 = FV 2 (1+i) = PV (1+i) 3 . . . FV n = FV n = FV n-1 (1+i) = PV (1+i) n

O montante no fim de n períodos, chamado apenas de FV, será:

FV= PV (1+i) n

O capital PV também pode ser determinado a partir do montante FV. Tem-se:

FV = PV (1+i) FV = FV (1+i) = PV (1+i) FV = FV (1+i) =

E os juros podem ser calculados pela diferença: J= FV- PV

Ou: J= PV (1+i) n - PV Ou ainda: J= PV ((1+i) n 1)

A expressão (1+i) n é comumente chamada de fator PV para FV, o que significa que é o fator que, multiplicado por PV, determina FV.

Vamos a um exemplo: Supor um capital de R$ 100,00 emprestado por 3 meses a uma taxa de juros de 5% ao mês.

O quadro a seguir mostra a evolução da dívida:

Mês

Juros do mês

Montante devido F

0

 

(PV de 100)

1

100

x 0,05 = 5

105

2

105

x 0,05 = 5,25

110,25

3

1 10,25 x 0,05 = 5,5125

115,7625

Pelo exemplo anterior é possível perceber que, depois de cada mês (período de capitalização do exemplo), os juros são somados à dívida anterior, e passam a render juros no mês seguinte. Tudo se passa como se a cada mês fosse renovado o empréstimo, mas no valor do principal mais os juros relativos ao mês anterior. Em operações com apenas um período de capitalização é indiferente a utilização do regime de juros simples ou de juros compostos. As diferenças ocorrem a partir do segundo período de capitalização, observando-se que o montante a juros simples tem o comportamento

6

de uma progressão aritmética em relação ao tempo, ao passo que o regime de juros compostos confere ao montante características de uma progressão geométrica. Vejamos um exemplo segundo os dois regimes de capitalização (simples e compostos):

Vamos supor um capital de R$ 1.000,00 aplicado por 5 meses, a uma taxa de juros de 10% ao mês. Calcular o montante FV.

   

JUROS

 

JUROS

SIMPLES

COMPOSTOS

Juros

Montante

Juros

Montante

Período

no mês

no mês

FV

FV

0

-

(PV de 1.000)

-

(PV de 1.000)

1

100

  • 1.000 + 0,1x1.000 = 1.100

100

  • 1.000 + 0,1x1.000 = 1.100

2

100

  • 1.100 + 0,1x1.000 = 1.200

110

  • 1.100 + 0,1x1.100 = 1.210

3

100

  • 1.200 + 0,1x1.000 = 1.300

121

  • 1.210 + 0,1x1.210 = 1.331

4

100

  • 1.300 + 0,1x1.000 = 1.400

133,10

1.331 + 0,1x1.331 = 1.464,10

5

100

  • 1.400 + 0,1x1.000 = 1.500

146,41

1.464,10 + 0,1x1.464,10 = 1.610,51

Observa-se que os juros simples, quando utilizados, ainda o são como herança do tempo em que não se dispunha de máquinas de calcular com funções de cálculos exponenciais. Atualmente os juros compostos são os mais utilizados, razão pela qual a disciplina será voltada para esta modalidade de juros.

Exercício: Vamos elaborar um quadro comparativo de um empréstimo de R$ 100,00 a juros de 5% ao mês, durante um ano, segundo os dois regimes. Verificar o juros no mês, o montante e o juros no período.

Período

 

JUROS

 

JUROS

 

SIMPLES

 

COMPOSTOS

 
 

Juros

 

Montante

JurosACUMULADOS

Juros

Montante

 

Juros no período “n”

no mês

   

no período “n”

no mês

 
J = FV – PV
J = FV – PV
 
 

FV = PV (1 + i.n)

J = FV – PV
J = FV – PV
 

FV = PV(1+i) n

 

ou

   

ou

 

J= PV ((1+i) n 1)

 
 

J = PV.i.n

   

0

-

 

(PV de 100)

 

-

-

-

 

(PV de 100)

 

1

5

100

(1 + 0,05 x 1) = 105

 

105 - 100 = 5

5

100(1+0,05) 1 = 105

 

105 - 100 = 5

   

100 x 0,05 x 1 = 5

 

100((1 + 0,05) 1 1) = 5

2

5

100

(1 + 0,05 x 2) = 110

 

110

- 100 = 10

5,25

100(1+0,05) 2 = 110,25

 

110,25 - 100 = 10,25

   

100

x 0,05 x 2 = 10

 

100((1 + 0,05) 2 1) = 10,25

3

5

100

(1 + 0,05 x 3) = 115

 

115

- 100 = 15

5,51

100(1+0,05) 3 = 115,76

 

115,76 - 100 = 15,76

   

100

x 0,05 x 3 = 15

 

100((1 + 0,05) 3 1) = 15,76

4

5

100

(1 + 0,05 x 4) = 120

 

120

- 100 = 20

5,79

100(1+0,05) 4 = 121,55

 

121,55 - 100 = 21,55

   

100

x 0,05 x 4 = 20

 

100((1 + 0,05) 4 1) = 21,55

5

5

100

(1 + 0,05 x 5) = 125

 

125

- 100 = 25

6,08

100(1+0,05) 5 = 127,63

 

127,63 - 100 = 27,63

   

100

x 0,05 x 5 = 25

 

100((1 + 0,05) 5 1) = 27,63

6

5

100

(1 + 0,05 x 6) = 130

 

130

- 100 = 30

6,38

100(1+0,05) 6 = 134,01

 

134,01 - 100 = 34,01

   

100

x 0,05 x 6 = 30

 

100((1 + 0,05) 6 1) = 34,01

7

5

100

(1 + 0,05 x 7) = 135

 

135

- 100 = 35

6,70

100(1+0,05) 7 = 140,71

 

140,71- 100 = 40,71

   

100

x 0,05 x 7 = 35

 

100((1 + 0,05) 7 1) = 40,71

8

5

100

(1 + 0,05 x 8) = 140

 

140

- 100 = 40

7,03

100(1+0,05) 8 = 147,74

 

147,74 - 100 = 47,74

   

100

x 0,05 x 8 = 40

 

100((1 + 0,05) 8 1) = 47,74

9

5

100

(1 + 0,05 x 9) = 145

 

145

- 100 = 45

7,39

100(1+0,05) 9 = 155,13

 

155,13 - 100 = 55,13

   

100

x 0,05 x 9 = 45

 

100((1 + 0,05) 9 1) = 55,13

10

5

100

(1 + 0,05 x 10) = 150

 

150

- 100 = 50

7,76

100(1+0,05) 10 = 162,89

 

162,89 - 100 = 62,89

   

100

x 0,05 x 10 = 50

 

100((1 + 0,05) 10 1) = 62,89

11

5

100

(1 + 0,05 x 11) = 155

 

155 - 100 =

55

8,14

100(1+0,05) 11 = 171,03

 

171,03 - 100 = 71,03

   

100

x 0,05 x 11 = 55

 

100((1 + 0,05) 11 1) = 71,03

12

5

100

(1 + 0,05 x 12) = 160

 

160

- 100 = 60

8,55

100(1+0,05) 12 = 179,58

 

179,58 - 100 = 79,58

   

100

x 0,05 x 12 = 60

 

100((1 + 0,05) 12 1) = 79,58

7

Abaixo, o mesmo exercício anterior, apenas para mostrar que, no regime de capitalização

simples, os juros incidem sempre sobre o capital inicial

(R$ 100,00)
(R$ 100,00)

. Já no regime de

capitalização composta é possível perceber que, depois de cada mês (período de capitalização),

os juros são somados à dívida anterior (capital inicial + juros do período) e passam a render

juros no mês seguinte

.

 
   

JUROS

 

JUROS

 

SIMPLES

 

COMPOSTOS

 

Juros

 

Montante

 

Juros

 

Montante

 

Período

no mês

 

no mês

 
 

FV

 

FV

0

-

 

100

(capital inicial= PV)

 

-

 

100 (capital inicial= PV)

 

1

5

 

100

+ (0,05 x

 
  • 100 ) = 105

5

 

100 + (0,05 x

100

) = 105

2

5

 

105

+ (0,05 x

 
  • 100 5,25

) = 110

   

105 + (0,05 x

105

) = 110,25

3

5

 

110

+ (0,05 x

 
  • 100 5,51

) = 115

 

110,25 + (0,05 x

110,25

) = 115,76

4

5

 

115

+ (0,05 x

 
  • 100 5,79

) = 120

 

115,76 + (0,05 x

115,76

) = 121,55

5

5

 

120

+ (0,05 x

 

) = 125

  • 100 6,08

 

121,55 + (0,05 x

121,55

) = 127,63

6

5

 

125

+ (0,05 x

 
  • 100 6,38

) = 130

 

127,63 + (0,05 x

127,63

) = 134,01

7

5

 

130

+ (0,05 x

 

) = 135

  • 100 6,70

 

134,01 + (0,05 x

134,01

) = 140,71

8

5

 

135

+ (0,05 x

 
  • 100 7,03

) = 140

 

140,71 + (0,05 x

140,71

) = 147,74

9

5

 

140

+ (0,05 x

 

) = 145

  • 100 7,39

 

147,74 + (0,05 x

147,74

) = 155,13

10

5

 

145

+ (0,05 x

 

) = 150

  • 100 7,76

 

155,13 + (0,05 x

155,13

) = 162,89

11

5

 

150

+ (0,05 x

 

) = 155

  • 100 8,14

 

162,89 + (0,05 x

162,89

) = 171,03

12

5

 

155

+ (0,05 x

 
  • 100 8,55

) = 160

 

171,03 + (0,05 x

171,03

) = 179,58

A seguir estão relacionadas algumas das fórmulas utilizadas no cálculo de juros simples e de juros compostos:

8

9
9

9