Vous êtes sur la page 1sur 1

Da janela do 5 andar,

observo a chuva que no cessa l fora


Pingo.aps.pingo
numa estranha melodia reconfortante,
de ritmo que grita familiaridade.
So gotas de perfeita melancolia,
distribudas uniformemente sobre meu mundo.

Chove tristeza l fora...

E indissovivel no fim
O que transborda no cu,
tambm transborda em mim,
O que alaga as cidades,
inunda e afoga esperanas vs.
Chove tanto l fora,
chove tanto aqui dentro...

Os sbios j afirmavam:
a chuva o pranto dos deuses
infelizes com a sua criao!
Quando chove em mim talvez seja o mesmo
Eu, infeliz com o que criei pra mim...

O que me consola
e conforta ao mesmo tempo
saber que o sol h de raiar no fim
Mas a pergunta :
Ser que isso tambm dentro de mim?