Vous êtes sur la page 1sur 3

2017­5­19

A Justiça, o Direito e a Lei: De quem é a flauta ?

0 Próximo blog» mais
0
Próximo blog»
mais
Criar um blog Login
Criar um blog Login
Michael Sandel (4) Justiça (12) Judiciário (20) Filosofia (10) Estado (6) Utilitarismo (1) Verdade (3) Rawls
Michael Sandel (4)
Justiça (12)
Judiciário (20)
Filosofia (10)
Estado (6)
Utilitarismo (1) Verdade (3)
Rawls (3) Realismo Jurídico (1)
Políticas
Michael
Keith Rosenn (2) Metas (1)
Direitos Fundamentais (5)
Democracia (13)
Dignidade da Pessoa Humana (3)
Política (12)
Katchanga (4)
A Justiça, o Direito e a Lei
Blog jurídico, com viés da Filosofia, mas com tentativa de usar uma linguagem clara, para abordar temas ligados ao
Direito, ao Judiciário e à Sociedade.
Aristóteles (2) Atienza (2) Bobbio (1) Cláusulas Pétreas (1) CLS (1) CNJ (1)
Direito Norte­Americano (2) Direito Penal (1) Direito Tributário (1)
Foucault (1) Habermas (1) Hannah Arendt (1) Hipótese Cínica (2) Hobbes (1) Igualdade (1) Ihering (1)
Otfried Höffe (1) Planejamento Estratégico (1) Plea Bargain (2)
Processo Civil (5) Processo Penal (10)
Voltando ao tema das Teorias da Justiça [para uma introdução, vide um dos primeiros posts meus clicando aqui . Aliás, sobre o interesse n...
Um dos temas fundamentais para o Direito, a Ética, a Filosofia, dentre outros, é a Justiça. Discutida há séculos em milhares de obras, ...
O artigo abaixo copiado foi uma apreciação crítica que elaborei como trabalho de conclusão do curso de Direito Penal e Processual Penal ofer...
Um colega me fez esta pergunta: quanto custa um olho ? Ele estava com um processo no qual precisava decidir acerca do valor da indenização...
Uma forma interessante de se expor argumentos e clarear as noções éticas e econômicas sobre a questão da Justiça é apresentar problemas prá...
Conceito de Direito (8)
Quanto custa um olho ?
Apreciação crítica: Processo Penal Norte­Americano
Uma introdução ao conceito de Justiça.
A Teoria da Justiça de John Rawls: um breve resumo crítico.
Responsabilidade Civil (1) Rousseau (1) Síndrome da Tarrafa (1)
Públicas (1) Pós­positivismo (3) Positivismo Jurídico (2) Previdência (1) Prisões (3) Privatizações (1)
Neoliberalismo (2)
Walzer (1) Mídia (1)
Kant (1)
Juiz das Garantias (3) Juizados Especiais (1) Jusnaturalismo (1)
Direito Constitucional (10) Direito em linguagem não jurídica (6)
Crimes de Colarinho Branco (5)
De quem é a flauta ?
Argumentação Jurídica (6)
Dworkin (4)
Sociedade (15) STF (7) Teoria Geral do Direito (4)
Falácia (2) Federalismo (1)
Economia (2)
Direito Civil (1)
Dano Moral (2)
Contratualismo (2)
Comte­Sponville (2)
Administração Judiciária (1) Alexis de Tocqueville (1) Alexy (3) Alf Ross (1) Amartya Sen (3)
Novo CPC (5) Novo CPP (4)
Neoconstitucionalismo (5)

Segundo ele, há várias respostas, conforme for o predomínio da teoria. Assim, uma teoria utilitarista reconheceria o direito de “A”, já que ela é a única que poderia tocar a flauta e gerar prazer à coletividade, ou, de forma alternativa, à criança “C”, se o utilitarista entender que o ganho social decorrente do direito de propriedade seria superior do que a sua desconsideração.

Por fim, uma posição libertária (Nozick) indicaria o direito de “C” pelo fato de que as pessoas tem direito ao fruto do que elas produziram.

Uma forma interessante de se expor argumentos e clarear as noções éticas e econômicas sobre a questão da Justiça é apresentar problemas práticos e tentar respondê­los. A obra de Michael Sandel (Justiça – abordada pelo colega George em seu blog: justica­o­que­e­fazer­a­coisa­certa/) é repleto destes exemplos, vários tirados de jornais (como o caso do aumento de preços pelos comerciantes após o furacão Katrina).

Para ele, escolher uma das crianças seria escolher um critério e isso refletiria alguma forma de arbitrariedade.

Um igualitarista (Dworkin) reconheceria o direito de “B”, pois o seu estado de privação material seria atenuado e geraria um ganho em escala superior aos demais.

Um caso hipotético bem interessante é apresentado por Amartya: o problema de a quem dar a flauta quando três crianças a disputam com base em argumentos diferentes.

Este problema é apresentado por ele para sustentar a sua tese de que são insuperáveis as divergências sobre a forma de distribuição dos bens/recursos e, portanto, não se deve buscar uma teoria perfeita, transcendental, mas apenas teorias comparativas que permitam reduzir desigualdades concretas.

Neste cenário, existe uma única flauta e três crianças a querem, sendo incontroverso que:

[1] a criança “A” é a única que sabe tocar a flauta; [2] a criança “B” é a mais pobre dentre elas e não tem outro meio de diversão; e [3] a criança “C” foi quem fez a flauta com seu único e exclusivo esforço.

De quem é a flauta ?

quarta­feira, 23 de novembro de 2011

Para quem dar a flauta ?

(2007). Bacharel em Ciências da Computação (UFSC, 1993) e bacharel em Direito (UNIVALI, 2000). Autor de quatro livros: [1] Hipótese de Incidência Previdenciária; [2] Juizados Especiais Federais; [3] Novo Código Civil: Princípios, inovações na Parte Geral e Direito Intertemporal e [4] Previdência e Justiça: o Direito Previdenciário no Brasil sob o enfoque da Teoria da Justiça de Aristóteles. Lecionou as disciplinas de Interpretação Jurisprudencial, na graduação, e Processo Civil, na Pós­graduação. Finalista do 2o Prêmio de Qualidade EMAGIS, do Tribunal Regional Federal da Quarta Região, com o trabalho "Medindo o tempo no processo penal".

Juiz Federal. Mestre em ciência jurídica pela Universidade do Vale do Itajaí

Arquivo do blog

(2007). Bacharel em Ciências da Computação (UFSC, 1993) e bacharel em Direito (UNIVALI, 2000). Autor deO dilema da "honestidade irracional" ou "razão des... Críticas à instituição do "Juiz de Garantias". É possível mentir falando a verdade ? Afinal, o STF é um tribunal político ou jurídico ?... Juiz Federal. Mestre em ciência jurídica pela Universidade do Vale do Itajaí Visualizar meu perfil completo 2011 (17) Novembro (6) De quem é a flauta ? Vilian Bollmann Arquivo do blog Quem sou eu 2015 (1) 2014 (1) 2013 (6) 2012 (19) " id="pdf-obj-0-66" src="pdf-obj-0-66.jpg">

Quem sou eu

(2007). Bacharel em Ciências da Computação (UFSC, 1993) e bacharel em Direito (UNIVALI, 2000). Autor deO dilema da "honestidade irracional" ou "razão des... Críticas à instituição do "Juiz de Garantias". É possível mentir falando a verdade ? Afinal, o STF é um tribunal político ou jurídico ?... Juiz Federal. Mestre em ciência jurídica pela Universidade do Vale do Itajaí Visualizar meu perfil completo 2011 (17) Novembro (6) De quem é a flauta ? Vilian Bollmann Arquivo do blog Quem sou eu 2015 (1) 2014 (1) 2013 (6) 2012 (19) " id="pdf-obj-0-83" src="pdf-obj-0-83.jpg">

2017­5­19

A Justiça, o Direito e a Lei: De quem é a flauta ?

Postado por Vilian Bollmann às 08:52

Recomende isto no Google Marcadores: <a href=Alexy , Amartya Sen , Democracia , Dworkin , Filosofia , Habermas , Justiça , Michael Sandel , Rawls , Utilitarismo Postado por Vilian Bollmann às 08:5 2 " id="pdf-obj-1-36" src="pdf-obj-1-36.jpg">
Recomende isto no Google Marcadores: <a href=Alexy , Amartya Sen , Democracia , Dworkin , Filosofia , Habermas , Justiça , Michael Sandel , Rawls , Utilitarismo Postado por Vilian Bollmann às 08:5 2 " id="pdf-obj-1-38" src="pdf-obj-1-38.jpg">

No caso da distribuição da flauta, por exemplo, poderíamos entender que está implícito que, se houver solução, ela terá que, em certa medida, depender de uma escolha livre dos agentes e, por conseqüência, da comunidade em que vivem sobre quais são os critérios fundamentais. [vide aqui a resposta à hipótese cínica que defende apenas o uso da força sem nenhum princípio legitimiador da ação]

Se estas regras procedimentais serão ou não observadas ou se as pessoas irão ou não participar passa do campo da discussão da Teoria da Justiça para o campo da ação política e prática de motivação e luta pelo que se entende correto.

É possível cogitar­se, portanto, que a solução ao “metaproblema” se dê pelo estabelecimento das regras de discurso, notadamente as derivadas da teoria habermasiana, tal como a teoria da argumentação proposta por Alexy , atentando às especificidades das sociedades concretas, sobremodo no caso brasileiro.

Tirando de lado outras objeções ou argumentos quanto a esta tese principal de Amartya [uma exploração sobre a argumentação dele e algumas respostas ou objeções de outros filósofos está num artigo que é um catpítulo de um livro em coautoria, no prelo] e desconsiderando que o exemplo é uma abstração ideal que não ocorre no mundo real (ao menos da forma narrada) ­ que poderia ter outros elementos (e se houvesse uma quarta criança mais forte que simplesmente arrebatasse a flauta pela força ?) ­, o fato é que, neste cenário, existe um problema da colisão de princípios básicos inerentes a cada uma das várias Teorias da Justiça.

Para isso, é necessário distinguir [a] o nível das propostas substantivas que geram os princípios e critérios de distribuição de uma Teoria da Justiça do [b] nível de uma teoria do procedimento de formulação e aplicação daqueles princípios.

Esta incapacidade de ordenar os diversos critérios que cada teoria transcendental propõe implica reconhecer a necessidade de uma metateoria de ordenação para cada tipo de problema específico.

Digite seu comentário...

 
Digite seu comentário...

Comentar como:

Unknown (Goo

Comentar como: Unknown (Goo Sair
 
Sair
Sair
 
Publicar
Publicar
Visualizar
Visualizar
 
Publicar Visualizar Notifique­me

Notifique­me

Parece razoável que a prevalência de um critério em determinado momento (pois na prática, parece­me difícil que um critério puro resolva todos os problemas) decorra de um juízo de valor emanado pelos membros da comunidade – ou, se apáticos forem, deleguem para seus representantes.

Não é à toa que vários filósofos perdem tanto tempo para apresentar a origem (contrato social, posição originária de Rawls, princípio discurso de Habermas, etc.) dos critérios e depois apresentam os respectivos critérios.

Em outras palavras, uma coisa é a discussão sobre os critérios (dar ao mais forte, ao mais necessitado, ao mais útil), outra é a discussão sobre a origem destes critérios e a forma de resolver os conflitos entre eles; ou seja, Substância e Procedimento.

Postar um comentário

Nenhum comentário:

Recomende isto no Google Marcadores: <a href=Alexy , Amartya Sen , Democracia , Dworkin , Filosofia , Habermas , Justiça , Michael Sandel , Rawls , Utilitarismo Postado por Vilian Bollmann às 08:5 2 No caso da distribuição da flauta, por exemplo, poderíamos entender que está implícito que, se houver solução, ela terá que, em certa medida, depender de uma escolha livre dos agentes e, por conseqüência, da comunidade em que vivem sobre quais são os critérios fundamentais. [vide aqui a resposta à hipótese cínica que defende apenas o uso da força sem nenhum princípio legitimiador da ação] Se estas regras procedimentais serão ou não observadas ou se as pessoas irão ou não participar passa do campo da discussão da Teoria da Justiça para o campo da ação política e prática de motivação e luta pelo que se entende correto. É possível cogitar­se, portanto, que a solução ao “metaproblema” se dê pelo estabelecimento das regras de discurso, notadamente as derivadas da teoria habermasiana, tal como a teoria da argumentação proposta por Alexy , atentando às especificidades das sociedades concretas, sobremodo no caso brasileiro. Tirando de lado outras objeções ou argumentos quanto a esta tese principal de Amartya [uma exploração sobre a argumentação dele e algumas respostas ou objeções de outros filósofos está num artigo que é um catpítulo de um livro em coautoria, no prelo] e desconsiderando que o exemplo é uma abstração ideal que não ocorre no mundo real (ao menos da forma narrada) ­ que poderia ter outros elementos (e se houvesse uma quarta criança mais forte que simplesmente arrebatasse a flauta pela força ?) ­, o fato é que, neste cenário, existe um problema da colisão de princípios básicos inerentes a cada uma das várias Teorias da Justiça. Para isso, é necessário distinguir [a] o nível das propostas substantivas que geram os princípios e critérios de distribuição de uma Teoria da Justiça do [b] nível de uma teoria do procedimento de formulação e aplicação daqueles princípios. Esta incapacidade de ordenar os diversos critérios que cada teoria transcendental propõe implica reconhecer a necessidade de uma metateoria de ordenação para cada tipo de problema específico. Digite seu comentário... Comentar como: Unknown (Goo Sair Publicar Visualizar Notifique­me Parece razoável que a prevalência de um critério em determinado momento (pois na prática, parece­me difícil que um critério puro resolva todos os problemas) decorra de um juízo de valor emanado pelos membros da comunidade – ou, se apáticos forem, deleguem para seus representantes. Não é à toa que vários filósofos perdem tanto tempo para apresentar a origem (contrato social, posição originária de Rawls, princípio discurso de Habermas, etc.) dos critérios e depois apresentam os respectivos critérios. Em outras palavras, uma coisa é a discussão sobre os critérios (dar ao mais forte, ao mais necessitado, ao mais útil), outra é a discussão sobre a origem destes critérios e a forma de resolver os conflitos entre eles; ou seja, Substância e Procedimento. Postar um comentário Nenhum comentário: Assinar: Postar comentários (Atom) Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial " id="pdf-obj-1-107" src="pdf-obj-1-107.jpg">
Recomende isto no Google Marcadores: <a href=Alexy , Amartya Sen , Democracia , Dworkin , Filosofia , Habermas , Justiça , Michael Sandel , Rawls , Utilitarismo Postado por Vilian Bollmann às 08:5 2 No caso da distribuição da flauta, por exemplo, poderíamos entender que está implícito que, se houver solução, ela terá que, em certa medida, depender de uma escolha livre dos agentes e, por conseqüência, da comunidade em que vivem sobre quais são os critérios fundamentais. [vide aqui a resposta à hipótese cínica que defende apenas o uso da força sem nenhum princípio legitimiador da ação] Se estas regras procedimentais serão ou não observadas ou se as pessoas irão ou não participar passa do campo da discussão da Teoria da Justiça para o campo da ação política e prática de motivação e luta pelo que se entende correto. É possível cogitar­se, portanto, que a solução ao “metaproblema” se dê pelo estabelecimento das regras de discurso, notadamente as derivadas da teoria habermasiana, tal como a teoria da argumentação proposta por Alexy , atentando às especificidades das sociedades concretas, sobremodo no caso brasileiro. Tirando de lado outras objeções ou argumentos quanto a esta tese principal de Amartya [uma exploração sobre a argumentação dele e algumas respostas ou objeções de outros filósofos está num artigo que é um catpítulo de um livro em coautoria, no prelo] e desconsiderando que o exemplo é uma abstração ideal que não ocorre no mundo real (ao menos da forma narrada) ­ que poderia ter outros elementos (e se houvesse uma quarta criança mais forte que simplesmente arrebatasse a flauta pela força ?) ­, o fato é que, neste cenário, existe um problema da colisão de princípios básicos inerentes a cada uma das várias Teorias da Justiça. Para isso, é necessário distinguir [a] o nível das propostas substantivas que geram os princípios e critérios de distribuição de uma Teoria da Justiça do [b] nível de uma teoria do procedimento de formulação e aplicação daqueles princípios. Esta incapacidade de ordenar os diversos critérios que cada teoria transcendental propõe implica reconhecer a necessidade de uma metateoria de ordenação para cada tipo de problema específico. Digite seu comentário... Comentar como: Unknown (Goo Sair Publicar Visualizar Notifique­me Parece razoável que a prevalência de um critério em determinado momento (pois na prática, parece­me difícil que um critério puro resolva todos os problemas) decorra de um juízo de valor emanado pelos membros da comunidade – ou, se apáticos forem, deleguem para seus representantes. Não é à toa que vários filósofos perdem tanto tempo para apresentar a origem (contrato social, posição originária de Rawls, princípio discurso de Habermas, etc.) dos critérios e depois apresentam os respectivos critérios. Em outras palavras, uma coisa é a discussão sobre os critérios (dar ao mais forte, ao mais necessitado, ao mais útil), outra é a discussão sobre a origem destes critérios e a forma de resolver os conflitos entre eles; ou seja, Substância e Procedimento. Postar um comentário Nenhum comentário: Assinar: Postar comentários (Atom) Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial Uma introdução ao conceito de Justiça. Palestra: Discriminação por Preconceito Implícito* É possível se prevenir contra riscos futuros da aposentadoria pública? Direitos Fundamentais ­ Blog Seguidores (27) Próxima A arte da Excelência 31 ­ D+33 ­ O ÚLTIMO DIA Semente de Justiça Minha lista de blogs Outubro (7) Setembro (4) Seguir Seguidores Há 5 meses Há um mês Há 5 anos " id="pdf-obj-1-150" src="pdf-obj-1-150.jpg">

2017­5­19

A Justiça, o Direito e a Lei: De quem é a flauta ?

Ocorreu um erro neste gadget

Siga o blog por email !

Email address...
Email address...
Submit
Submit

Tema Simples. Tecnologia do Blogger.