Vous êtes sur la page 1sur 75

1

CURSO DE APOLOGÉTICA

Nível 1

ADVENTISMO DO SÉTIMO DIA

Centro Apologético Cristão de Pesquisas
Centro Apologético Cristão de Pesquisas

- Apologética Cristã São José do Rio Preto SP. Curso de Apologética ON-LINE.

1) Cultura

2) Teologia;

3) Estudo de Religiões Comparadas

I. Título

II. Série

2

Dedicatória:

Dedicamos o Curso de Apologética a todos aqueles que amam

a verdade.
a verdade.

3

Copyright 2008 Edições CACP 1º Edição: 2008 Publicado no Brasil com a devida autorização e com todos os direitos reservados pelo Centro Apologético Cristão de Pesquisas. São José do Rio Preto SP. Site: www.cacp.org.br Telefone: (17) 3014-4875

Proibida a reprodução por quaisquer meios (mecânico, eletrônico, xerográficos, fotográficos, gravação, estocagem em bancos de dados, etc.) sem a autorização do CACP, a não ser em citações breves com indicação da fonte.

a não ser em citações breves com indicação da fonte. SUPERVISÃO EDITORIAL E TEOLÓGICA: Paulo Cristiano

SUPERVISÃO EDITORIAL E TEOLÓGICA:

Paulo Cristiano da Silva João Flávio Martinez

REVISÃO:

Dalton Gerth

CAPA

Euclides Cunha

4

ÍNDICE

Introdução

02

1.

HISTÓRICO

03

- Antecedentes históricos

03

- Breve histórico

04

- Chegada ao Brasil

04

07 07 08 19 22 25 28 30 32 43 53 26
07
07
08
19
22
25
28
30
32
43
53
26

2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

3. DOUTRINAS

- As Escrituras

- O ministério de Cristo no santuário celestial

- Jesus Cristo na teologia adventista

- A natureza humana

- O aniquilamento

- A lei de Deus

- O sábado

- O domingo

- Objeções Refutadas

- CONCLUSÃO

5

PONTO DE CONTATO

Quem são os adventistas do sétimo dia? O que fazem e o que pretendem? Os adventistas podem ser considerados cristãos genuínos? Quais são suas doutrinas e porque se diferem das doutrinas evangélicas? Qual a importância de Ellen Gould White para esta igreja? Ela pode ser considerada o Espírito de Profecia? E seus escritos, possuem de fato a mesma inspiração que a Bíblia? O sábado seria a única doutrina que separa os adventistas dos evangélicos? Neste módulo o aluno irá aprender as principais doutrinas desta seita e como respondê-la à luz da Bíblia. Entretanto, este módulo básico não tem a pretensão de responder todas as questões envolvendo os adventistas do sétimo dia, haja vista, o campo de estudo ser muito amplo, o que demandaria um estudo mais prolongado. Portanto, o objetivo deste módulo é proporcionar ao aluno noções gerais deste grupo religioso: suas crenças, suas práticas e o perigo que elas representam à fé cristã. Esperamos que após concluir este módulo, você possa adquirir conhecimento suficiente para poder empreender um diálogo seguro, com finalidades evangelísticas com os adeptos desta seita.

OBJETIVOS
OBJETIVOS

Após terminar este módulo o aluno deverá estar apto a:

Destacar as principais doutrinas adventistas e sua importância para a identidade dessa igreja. Reconhecer os principais argumentos usados pelos adventistas para defender suas doutrinas. Contestar as reivindicações de inspiração dos escritos de EGW. Citar os principais versículos bíblicos que combatem o aniquilacionismo adventista. Apontar os principais erros adventistas em relação ao domingo Responder aos argumentos adventistas quanto ao sábado.

6

INTRODUÇÃO

Como definir essa denominação? Poderíamos classificá-la como igreja evangélica? Alguns de seus hábitos podem até confundir aqueles que estão menos atentos. Os adventistas falam muito de Jesus, pregam muitas verdades a respeito do cristianismo, possuem bons hospitais, uma rede educacional excelente e um serviço social de boa qualidade. Possuem empresas e arrecadam milhões todos os anos com seus produtos e procuram viver uma vida piedosa, digna de qualquer cristão. Por outro lado, possuem muitas doutrinas heterodoxas. Consideram-se a ―Igreja Remanescente‖, isto é, a última igreja da profecia bíblica e acreditam que sua fundadora e profetisa, possui de modo particular, o ―espírito de profecia‖ sobre o qual fala Apocalipse 19:10. Estas e outras crenças como analisaremos mais adiante neste módulo os colocam à margem do verdadeiro cristianismo. Por causa deste perfil exclusivista não conseguem viver em harmonia com as demais igrejas, a não ser, que a comunhão vise também o proselitismo. Para isso trabalham ativamente para conseguir adeptos até mesmo dentro das demais denominações evangélicas. O proselitismo em relação aos evangélicos não parece ser algo que os embaraça, pelo contrário, faz parte da ―mensagem adventista‖. Por isso certo adventista afirmou: O nosso ministério é apregoar a reforma adventista aos evangélicos‖. Isso é corroborado de modo mais preocupante no livro Sonhos e Visões de Jeanine Sautron, (líder de uma facção dos Adventistas do Sétimo Dia) quando afirma:

uma facção dos Adventistas do Sétimo Dia) quando afirma: Assim como Cristo falou – ‗a salvação

Assim como Cristo falou – ‗a salvação vem dos Judeus‘ (Jo. 4:27), assim hoje podemos dizer com certeza que a salvação vem dos adventistas (p. 4).

1 HISTÓRICO

1.1 Antecedentes Histórico

Ficaria incompleta uma abordagem histórica sobre a origem dos Adventistas do Sétimo Dia se não levássemos em consideração a importância de um acontecimento religioso que abalou o século XIX nos Estados Unidos o movimento milenista. Esse movimento alcançou seu auge em torno da figura carismática do fazendeiro William Miller. Miller marcou duas datas para o retorno de Cristo (1843 e 1844). Após ter passado por várias expectativas frustrantes devido ao não cumprimento da profecia episódio que ficou conhecido como ―Grande Desapontamento‖ - o movimento se subdividiu em várias seitas menores.

7

Willian Miller nasceu em Massachussets, EUA, em 1782. Das 13 colônias americanas, Massachussets, foi a primeira e mais importante das 4 colônias do norte, chamadas de Nova Inglaterra. Essas colônias foram povoadas por pregadores religiosos e especialmente Massachussets, fora ocupada por colonos puritanos (calvinistas) que fugiam da perseguição religiosa na Inglaterra. Os puritanos que povoaram Massachussets instalaram uma verdadeira teocracia. Embora separasse Estado e religião, na prática, quebrar as leis religiosas, implicava em crime civil. Os puritanos encontraram na América o lugar ideal para disseminar suas idéias escatológicas. Num conjunto de dezoito comunidades messiânicas, fundadas a partir de 1694, dessas doze, nove eram propriamente americanas. Portanto, quando Miller, começou sua missão em 1831, como ―arauto do messias‖, o imaginário messiânico-milenarista coletivo já estava formado naquela região. A partir de 1793 a 1840, inicia-se uma expansão missionária causada por um fenômeno religioso alcunhado de Grande Avivamento. É nesse meio social conturbado que explode o clamor messiânico-milenarista. Surge então o profeta William Miller.

crenças fundamentais da Igreja [ ]
crenças fundamentais da Igreja [
]

1. 2- Breve Histórico

O site oficial da Igreja Adventista no Brasil resume sua história da seguinte maneira:

A Igreja Adventista do Sétimo Dia (o nome adventista é uma referência à sua crença no advento, segunda vinda de Jesus), surgiu entre as décadas de 1850 e 1860 concomitantemente nos Estados Unidos e na Europa. Um livro intitulado La Venida Del Mesias em Gloria y Majestad, foi impresso em 1812. Esta publicação agitou os meios religiosos e foi precursora da idéia de que Jesus voltaria uma segunda vez. No início do século passado, no seio das igrejas

evangélicas, o movimento alastrou-se, tendo como foco o advento, ou o retorno pessoal de Jesus. Daí surgiu a palavra Adventista, caracterizando uma das

Dentro deste movimento, uma atenção

especial foi dada ao estudo da Bíblia, tanto do Novo como do Velho Testamento.

Surgiu também a compreensão do dia do repouso bíblico de acordo com Êxodo 20, bem como o relato do Velho Testamento, confirmado por nosso Senhor Jesus Cristo no Novo Testamento. A observância do quarto mandamento da Lei de Deus como uma homenagem semanal ao Criador e ao Salvador que vai voltar a terra, caracterizou também a nova igreja que surgia na metade do século passado tomando forma legal em 1863, nos Estados Unidos.

8

1.3 Chegada ao Brasil

O adventismo entrou em terras brasileiras em 1884 através de publicações que

chegaram pelo porto de Itajaí com destino a cidade de Brusque, no interior de Santa Catarina. Em maio de 1893 desembarcou o primeiro missionário adventista, Alberto B. Stauffer que introduziu formalmente através da colportagem os primeiros contatos com a população. Em abril de 1895 foi realizado o primeiro batismo em Piracicaba, SP, sendo Guilherme Stein Jr. o

primeiro converso. Inicialmente os estados brasileiros com maior presença germânica foram atingidos pela literatura adventista. Conforme informações repassadas pelo pastor F Westphal,

a

Gaspar, em Santa Catarina, em 1895, seguida por congregações no Rio de Janeiro e em Santa Maria do Jetibá, no Espírito Santo, todas no mesmo ano. Com a fundação da gráfica adventista em 1905 em Taquari, RS (atual Casa Publicadora Brasileira localizada em Tatuí-SP), o trabalho se estabeleceu entre os brasileiros e se expandiu em todos os estados. A primeira Escola Adventista no Brasil surgiu em 1896 na

A primeira Escola Adventista no Brasil surgiu em 1896 na primeira Igreja Adventista do Sétimo Dia

primeira Igreja Adventista do Sétimo Dia em solo nacional foi estabelecida na região de

cidade de Curitiba. Em 2005 somam-se 393 escolas de ensino fundamental e 118 do ensino médio com o total de 111.453 alunos e seis instituições de Ensino Superior (IES) com mais de cinco mil alunos que tem no Centro Universitário Adventista de São Paulo, sua matriz educacional. O UNASP como é conhecida esta IES, surgiu em 1915, em Capão Redondo, SP

hoje conta com três campi: na cidade de São Paulo, em Engenheiro Coelho e Hortolândia. Em 1960, surge o primeiro Clube de Desbravadores (departamento juvenil da IASD) na cidade de Ribeirão Preto. No Brasil são 1.600.000 membros da IASD em 2008 sob a coordenação de seis

e

Uniões que administram as Associações e Missões. As instituições da IASD do Brasil e de sete países latino-americanos formam a Divisão Sul Americana, com sede em Brasília, DF.

O aluno pode estar perguntando, porque optamos por colher a história da IASD

do site oficial ao invés de ter colhido de livros impressos. Essa opção pelos textos virtuais foi

proposital. Com isso queremos explicar algo que passa muitas vezes despercebido. É que com

o acesso à internet os textos vinculados podem ser mais facilmente acessados pelas pessoas do

que se fosse em um livro. A tendência desta ―facilidade‖ proporcionada pela internet levou muitas dessas religiões a amenizar os fatos da história, tornando-os mais suaves, selecionando

aqueles que melhor representariam a imagem do grupo religioso ao público externo. Exemplo disso foi a IASD, pois analisando o texto percebemos que ele não apresenta em nenhum momento a ligação da IASD com o nome de Guilherme Miller. Por qual razão?

9

Encontramos no livro, ―Administração da Igreja‖ p. 26 - CPB, a seguinte

afirmação:

Somos Adventistas do Sétimo Dia. Envergonhamo-nos, acaso, de nosso nome? Respondemos: Não!Não!Não nos envergonhamos.

Por que os Adventistas do Sétimo Dia (ASD) se envergonhariam de seu nome adotado em assembléia realizada em Battle Creek, a 28 de setembro de 1860? Eles mesmos dão a resposta, declarando:

setembro de 1860? Eles mesmos dão a resposta, declarando: O movimento do advento na América foi

O movimento do advento na América foi originado por homens que estavam desejosos de receber a verdade, quando esta a eles chegasse. Aceitaram-na sinceramente e segundo a mesmavieram, esperando ser dentro em breve transladados. Depois do grande desapontamento, todos caíram em trevas (Fundadores da Mensagem, p. 9 - Everett Dick, CPB ).

Entre esses homens que deram origem ao movimento adventista estava William (Guilherme) Miller. Em 1816, estudando o livro de Daniel, ele interpretou que Daniel 8.14 tinha ligação com a segunda vinda de Jesus e a fixou para 1843. Depois mudou para 22 de outubro de 1844 e ainda dessa vez a segunda vinda de Jesus não se consumou. Os Adventistas costumam questionar: Como admitir que William Miller fosse adventista, se a Igreja Adventista do Sétimo Dia só foi organizada no dia 28 de setembro de 1860, portanto, alguns anos depois de Miller ter fixado a volta de Jesus para 22 de outubro de 1844? Não admitem, pois, qualquer ligação com William (Guilherme) Miller, declarando que isso é uma grande inverdade e que não passa de informações grosseiramente deturpadas sobre a origem denominacional adventista (―Carta da Escola Bíblica‖, de Nova Friburgo, RJ, de 12- 12-00). Chegam a ponto de afirmar que:

Os Adventistas nunca marcaram uma data para a Volta de Jesus. Foram os Mileritas (seguidores de Guilherme Miller, um pregador batista) que fizeram isto. Eles anunciaram que Jesus viria no ano de 1843; depois, deduziram que seria em 1844; como os Adventistas do Sétimo Dia iriam marcar uma data, se eles ainda não existiam? Surgimos como movimento organizado no ano de 1863 (declaração constante da carta em apreço).

Da mesma forma como as Testemunhas de Jeová anunciam a data de 1914 como centro de sua doutrina, quando Cristo supostamente voltou invisivelmente e passou a reinar no céu, a data de 22 de outubro de 1844, fixada por William Miller para a segunda vinda de Cristo, é parte importante do sistema doutrinário dos Adventistas. Afirmamos: estão umbilicalmente ligados a Miller que deu origem aos adventistas na outra América. No livro,

10

―Fundadores da Mensagem‖, no capítulo que aborda a biografia de William Miller, ele é tratado como Pai do Movimento Adventista. Logo, a razão pela qual os Adventistas do Sétimo Dia não se

envergonham do seu nome é porque para eles havia razão para isso. Embora a

palavra Advento signifique vinda, e todos os cristãos evangélicos de um modo

geral aceitem a doutrina da segunda vinda de Cristo, os Adventistas do Sétimo Dia foram
geral aceitem a doutrina da segunda vinda de Cristo, os Adventistas do Sétimo
Dia foram além do que está escrito (I Co 4.6) e por intermédio de Miller
marcaram data para esse acontecimento.
2
– Estrutura Organizacional
A organização da IASD é altamente burocrática. Sua hierarquia é bem definida
e se estrutura da seguinte maneira:
No nível mais alto da administração está a ―Associação Geral da Igreja Adventista do Sétimo
Dia‖. É composta por um presidente (atualmente é o pastor Jan Paulsen) e sete vice-
presidentes, subsistindo em 13 divisões. Estas divisões representam a organização por regiões
do continente, tais como: Divisão Sul-americana, Divisão Norte-americana, Divisão Euro-
africana etc
Divisão é o conjunto de várias Uniões.
União é uma organização de várias Associações de uma área geográfica.
Associação é uma organização de igrejas em um Estado.
A igreja Local se concentra no nível inferior desta pirâmide.
3
– Doutrinas

As doutrinas adventistas foram resumidas no que eles chamam de as ―28 Crenças Fundamentaisapresentadas na obra ―Nisto Cremos‖. Essas doutrinas foram se formando ao longo dos anos dentro desta igreja e por fim finalizadas dentro de 24 meses compreendendo as seguintes questões:

1) As Escrituras, 2) A Trindade, 3) Deus Pai, 4) Deus Filho, 5) Deus Espírito Santo, 6) A criação, 7) A natureza do homem, 8) O Grande Conflito, 9) Vida, morte e ressurreição de Cristo, 10) A experiência da salvação, 11) Crescimento em Cristo, 12) A Igreja, 13) O Remanescente e sua missão, 14) Unidade no Corpo de Cristo, 15) O Batismo, 16) A Ceia do Senhor, 17) Dons e Ministérios Espirituais, 18) Dom de Profecia, 19) A Lei de Deus, 20) O

11

Sábado, 21) Mordomia, 22) Conduta Cristã, 23) Matrimônio e família, 24) O Ministério de Cristo no Santuário Celestial, 25) A Segunda Vinda de Cristo, 26) Morte e Ressurreição, 27) O Milênio e o fim do Pecado, 28) A Nova Terra. Em um artigo da revista Adventist World de 01 março de 2009, cujo título era ―Contribuição de Ellen White para a doutrina adventista‖, Kwabena Donkor dá a seguinte explicação:

As doutrinas adventistas do sétimo dia foram resumidas em 28 crenças fundamentais. Algumas dessas crenças são comuns a outras denominações cristãs: a doutrina de Deus, da criação, pecado, salvação. No entanto, temos algumas crenças que nos distinguem de todas as principais denominações do mundo. Essas crenças são o milênio pós-advento, o sábado do sétimo dia, o ministério de Cristo no santuário celestial, o julgamento pré- advento, as três mensagens angélicas de Apocalipse 14 e a imortalidade condicional da alma. (http://portuguese.adventistworld.org/index.php?option=com_content&view=article&id=

43)
43)

Mas, como veremos no decorrer deste módulo, isto é só meia verdade, pois há ainda outras doutrinas, tais como: o bode emissário prefigurando satanás, o dom de profecia na pessoa de Ellen White, a crença de que a IASD é a Igreja Remanescente que separa a igreja adventista das demais igrejas cristãs. Mesmo nas doutrinas onde parece haver consenso com os demais evangélicos, há divergências sérias como, por exemplo, na questão quanto à natureza de Cristo. Nas páginas seguintes o aluno tomará conhecimento da maioria destas doutrinas e como refutá-las à luz da Bíblia.

4. As Escrituras

As Escrituras Sagradas, o Antigo e Novo Testamento, são a Palavra de Deus escrita, dada por inspiração divina por intermédio de santos homens de Deus que falaram e escreveram ao serem movidos pelo Espírito Santo. Nesta Palavra, Deus transmitiu ao homem o conhecimento necessário para salvação. As Escrituras Santas são a infalível revelação de Sua vontade. Constituem o padrão de caráter, o prova de experiência, o autorizado revelador de doutrinas e o registro fidedigno dos atos de Deus em História. (Resumo da 1ª crença adventista As Escrituras Sagradas)

Como observamos, a IASD afirma levantar a mesma bandeira que os evangélicos com relação à doutrina da Sola Scriptura. Apregoam que todas as suas doutrinas partem exclusivamente da autoridade das Escrituras Sagradas e que a Bíblia é sua única regra de fé e

12

prática. Mas, como verificaremos, os adventistas na prática possuem outra autoridade religiosa além da Bíblia.

4.1 A fonte de autoridade religiosa da IASD

Existem três teorias sobre fonte de autoridade religiosa: a primeira afirma que o princípio de autoridade está na organização ou na Igreja (catolicismo); a segunda admite que a fonte de autoridade está no homem (racionalismo ou misticismo); a terceira é que Deus falou através de seu Filho Jesus Cristo, cujo registro infalível está na Bíblia (O Caos das Seitas, p. 288,

infalível está na Bíblia (O Caos das Seitas, p. 288, ª edição, 1970). Em qual situação

ª edição, 1970). Em qual situação se coloca o adventismo? O adventismo vale-se da Bíblia, mas atribuem aos escritos de Ellen Gould White o mesmo grau de inspiração dos escritores bíblicos. Acerca da Bíblia lemos, ―Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo‖ (2 Pe 1.21). No módulo I vimos que uma das características das seitas é basear sua autoridade religiosa em um líder humano cujos escritos são vistos como sendo de valor igual ou superior a Bíblia e cujos ensinos estão em oposição às doutrinas bíblicas do cristianismo histórico. O cerne dessa definição de seita é que o líder ―possui autoridade igual ou superior à Bíblia‖. O líder ou a líder é visto como ―profeta‖ ou ―profetiza‖. Desde que esse profeta ou profetiza é visto como canal de comunicação de Deus para com os homens, os seus ensinos são tidos de autoridade inquestionável são dogmas. Uma das coisas que devemos estar atento ao se tratar com adeptos de seitas é descobrir quem é o porta-voz deles. Enquanto os filhos de Deus têm a Bíblia como seu padrão exclusivo de fé e conduta, por meio da qual se decide todas as questões religiosas, o sectário olha para os escritos do seu profeta ou profetiza. A autoridade religiosa do adventismo do sétimo dia repousa sobre os escritos de Ellen Gould White, tida como a ―Mensageira do Senhor‖ ou ―O Espírito de Profecia‖. Ela é a base da autoridade religiosa dos adventistas, observe:

1

Nos tempos antigos, Deus falou aos homens pela boca de seus servos e apóstolos. Nestes dias Ele lhes fala por meio dos TESTEMUNHOS DO SEU ESPÍRITO. Não houve ainda um tempo em que mais seriamente falasse ao seu povo a respeito de sua vontade e da conduta que este deve ter (Testemunhos Seletos. vol. II. pág. 276, 2 ª edição, 1956). O destaque é nosso.

13

Os adventistas apresentam as seguintes características para o reconhecimento da sua

condição de profetisa:

1. Sempre falou de acordo com a Bíblia;

2. Suas profecias foram cumpridas;

3. Viveu o que pregou.

(Segue-me, p. 16)

No livro ―Subtilezas do Erro‖ , o escritor adventista A. B. Christianini declara:

O espírito de profecia é o que, segundo as Escrituras, a par com a guarda
O
espírito de profecia é o que, segundo as Escrituras, a par com a guarda dos
mandamentos de Deus, seria o característico da igreja remanescente. Compare-
se
Apoc. 12:17 e 19:10, última parte. Este dom consiste precisamente em dar ao
Povo de Deus mensagens diretas e específicas, traçando-lhe normas e diretrizes,
dando-lhe orientação e instruções especiais
Os testemunhos orais ou escritos
da Sra. White preenchem plenamente este requisito, no fundo e na forma. Tudo
quanto disse e escreve foi puro, elevado, cientificamente correto e
profeticamente exato ( 2.ª ed., 1981, p. 35).
4.2 Autoridade de Profetiza
Vejamos algumas declarações de Ellen White sobre seus escritos:
Minha missão abrange a obra de um profeta, mas não termina aí.(Apostila -
Orientação Profética no Movimento Adventista, p. 106).
Os livros do ‗Espírito de Profecia‘ e também os ‗Testemunhos‘, devem ser
introduzidos em tôda família observadora do sábado; e os irmãos devem
conhecer-lhes o valor e ser impelidos a lê-los. (Testemunhos Seletos, vol. II, p.
291) (Conf. http://www.ellenwhitebooks.com/?l=24&p=519 ).
Não são só os que abertamente rejeitam os Testemunhos ou que alimentam
dúvidas a seu respeito, que se encontram em terreno perigoso. Desconsiderar a
luz equivale a rejeitá-la (Idem, p. 290).

Disse o meu anjo assistente. ‗ Ai de quem mover um bloco ou mexer num alfinete dessas mensagens. A verdadeira compreensão dessas mensagens é de vital importância. O destino das almas depende da maneira em que forem elas recebidas.(Primeiros Escritos, p. 258) (Conferir citação on-line no site

Quanto mais o eu fôr exaltado, tanto mais diminuirá a fé nos Testemunhos do

Espírito de Deus

sempre menos a Deus nos Testemunhos dados pelo Seu Espírito (Ibidem 292).

Os que tem confiança posta em si mesmos, hão de reconhecer

14

Nos tempos antigos, Deus falou aos homens pela boca de Seus Profetas e apóstolos. Nestes dias Ele lhes fala por meio dos Testemunhos do Seu Espírito. Não houve ainda um tempo em que mais seriamente falasse ao Seu povo a respeito de Sua vontade e da conduta que êste deve ter (Testemunhos Seletos, vol. II, p. 276, 2 ª edição, 1956).

4.3 Autoridade Reconhecida

Observe agora como os adventistas consideram seus escritos:

―CREMOS QUE: sétimo dia.‖
―CREMOS QUE:
sétimo dia.‖

―Ellen White foi inspirada pelo Espírito Santo, e seus

escritos, o produto dessa inspiração, têm aplicação para os adventistas do

NEGAMOS QUE: A qualidade ou grau de inspiração dos escritos de Ellen White sejam diferentes dos encontrados nas Escrituras Sagradas.‖ (Revista Adventista, fev. 1984, p. 37)

O que está dito pela IASD é muito grave. A autoridade dos escritos de EGW, quanto

à inspiração, é igual a dos escritores da Bíblia. Podemos escolher entre ler os escritos, por

exemplo, de Paulo, através de suas epístolas numa das quais ele afirma: ―Se alguém cuida ser

profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor.‖(1

Co 14.37) ou ler os escritos de EGW, acerca dos quais está escrito:

Embora os profetas da antigüidade fôssem humanos, a mente divina e a vontade de um Deus infalível, estão suficientemente representadas na Bíblia. E o mesmo Deus fala por meio dos escritos do espírito de profecia. Êstes livros inspirados, tais como O Desejado de Tôdas as Nações, O Conflito dos Séculos e Patriarcas e Profetas, são certamente revelações divinas da verdade sobre as quais deveríamos depender completamente (Apostila - Orientação profética no movimento adventista, p. 45) (o grifo é nosso).

Por outro lado a própria EGW procura diminuir o impacto de suas declarações:

Pouca atenção tem sido dada à Bíblia, e o Senhor nos deu uma luz menor, para guiar os homens e mulheres a uma luz maior (Adventist Review and Sabbath Herald, 20 de Janeiro de 1903).

Mas contraditoriamente ela mesma ensina que não carecemos de uma luz menor que nos conduza a uma luz maior.

15

Diz ela:

Não carecemos da pálida luz da verdade para tornar compreensíveis as Escrituras. Semelhantemente poderíamos supor que o Sol do meio-dia necessitasse da bruxoleante candeia da Terra para aumentar-lhe o fulgor (Testemunhos seletos, vol. III, p. 236).

Criticando os que pretendem juntar à Bíblia outra fonte de autoridade religiosa,

afirma:

236).
236).

A verdade divina é encontrada em Sua palavra. Os que pensam deverem buscar noutra parte a verdade presente precisam converter-se. Têm hábitos errôneos para emendar, caminhos maus que abandonar (Testemunhos seletos, vol. II,

Quem precisa de uma luz menor, quando tem uma luz maior? Se como dizem os adventistas, EGW nada escreveu que não se encontra na Bíblia, então fiquemos com a Bíblia. Se, porém, escreveu algo fora da Bíblia, como realmente escreveu, então rejeitemos seus ensinos. Tenhamos presente Ap 22.18 que proíbe acréscimos à Bíblia.

Refutação Apologética:

―Sola Scriptura‖ foi à bandeira dos reformadores contra os acréscimos que o catolicismo fez à teologia cristã. Esse tem sido o lema de todos os cristãos verdadeiros. As afirmativas acima, sobre a pessoa da Sra. White, é deveras comprometedora para a IASD. Mesmo que a Sra. White não tivesse escrito nada contraditório ou antibíblico, seus escritos jamais poderiam ser colocados em pé de igualdade com a Bíblia. O apóstolo Pedro diz que as Escrituras foram inspiradas e vieram da parte de Deus. Os apóstolos deixaram as orientações básicas, que formam o fundamento apostólico, ou seja, a Bíblia Sagrada, para que a Igreja se

direcione somente por essa bússola.

do que já está posto, o qual é Jesus Cristo‖. (I Co. 3.10-11). ―

nós aprendais a não ir além do que está escrito

Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além

por amor de vós; para que em

‖ (I Co. 4:6).

4.4 O Espírito de Profecia na pessoa de Ellen White

Eles não sentem qualquer constrangimento em afirmar taxativamente:

16

Ao passo que, apesar de não desprezarmos o pensamento dos pioneiros, nós aceitamos como regra de fé a Revelação Velho Testamento; Novo Testamento e Espírito de Profecia ( A Sacudidura e os 144.000, p. 117).

Refutação Apologética:

Os teólogos adventistas pretendem encontrar na passagem de Apocalipse 19.10 apoio para a interpretação de que em EGW se cumpre a parte final do texto, porque o testemunho de Jesus é o espírito de profecia‖ e que sua igreja como portadora do ―espírito de profeciaé a única que guarda os mandamentos de Deus (Ap 12.17). Com base nos dois textos interpretam que a IASD seja a ‗igreja remanescente‘. Em I Coríntios 12.7-11 a Bíblia diz que o Espírito Santo é a fonte dos dons espirituais. Um daqueles dons é a profecia (I Cor. 12.10). Portanto, a frase "Espírito de Profecia" parece aplicar-se ao doador dos dons - o Espírito Santo e não ao recipiente humano que o recebe. O Espírito de Deus é chamado por muitos nomes na Bíblia. Seria até blasfêmia alguém querer atribuir esses nomes a um mero ser humano. Os profetas que falaram dele, inspirados pelo Espírito Santo é que tinham o espírito de profecia. Diz o texto de 1 Pe 1.10, ―Indagando que tempo ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava anteriormente testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir, e a glória que se lhes havia de seguir.‖ Os profetas anunciaram os sofrimentos pelos quais Jesus iria passar e a glória que lhe seguiria. Isso lemos, em Lc 24.44-46, ―Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, nos profetas, e nos salmos. E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse. E ao terceiro dia ressuscitasse dos mortos.‖ Mais claramente Dn 7.13,14 fala da glorificação de Cristo na sua segunda vinda.

fala da glorificação de Cristo na sua segunda vinda. Eu estava olhando nas minhas visões da

Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele. E foi dado o domínio e a hora, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino o único que não será destruído.

Aí está uma interpretação dada pela própria Bíblia sobre o sentido de Ap 19.10 e reiterada pelo Senhor Jesus em Jo 5.39, recomendando que examinássemos as Escrituras porque elas falavam dele. O peso da evidência Bíblica nos mostra sem sombra de dúvida que o ―Espírito de Profecia‖ é a Pessoa do Espírito Santo e o "testemunho de Jesus" é o testemunho pessoal do

17

crente e, sobretudo, o testemunho sobre Cristo Jesus. Os escritores do Novo Testamento

preenche plenamente este requisito no fundo e na forma, pois só o Novo testamento está repleto

sobre o verdadeiro ―testemunho de Jesus‖. Além Disso, João acrescenta que o testemunho de

Jesus é encontrado no coração de todo aquele que aceita e crê em Jesus como o Filho de Deus:

Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem a Deus não crê, mentiroso o

faz, porque não crê no testemunho que Deus de seu Filho dá (I Jo 5.10).

4.5 Testando a Profetisa

Afirmam os adventistas que é pela Bíblia que os escritos de EGW devem ser testados.
Afirmam os adventistas que é pela Bíblia que os escritos de EGW devem ser testados.
A Bíblia é a grande medida, ou regra, pela qual todos os outros escritos devem ser
provados (O testemunho de Jesus, p. 68).
Para que não paire dúvidas se EGW é mulher falível ou falsa profetisa, devemos
pesquisar a Bíblia que nos dá meios de saber se uma profecia é de Deus, dos homens ou dos
demônios. Encontramos então dois requisitos para por à prova alguém que se intitula profeta:
1) falar em nome de Deus;
2) que suas profecias venham cumprir-se.
Isto é visto em Dt 18.20-22: Porém o profeta que presumir soberbamente de falar alguma
palavra em meu nome, que eu não tenho mandado falar, ou o que falar em nome de outros
deuses, o tal profeta morrerá. E, se disseres no teu coração: como conheceremos a palavra que
o Senhor não falou? Quando o tal profeta falar em nome do Senhor, e tal palavra se não
cumprir, nem suceder assim, esta é palavra que o Senhor não falou; com soberba a falou o tal
profeta, não tenhas temor dele.
A
Bíblia cita dois exemplos:
O
primeiro é o de um profeta verdadeiro: é o caso de Samuel. Dele se diz em 1 Sm 3.19, E

crescia Samuel, e o Senhor era com ele; nenhuma de todas as suas palavras deixou cair em terra. Foi

Samuel aprovado por Deus como profeta verdadeiro.

O outro exemplo é de um falso profeta por nome Hananias. Ele é mencionado em Jr 28.1-3.15-

17:

E disse Jeremias, o profeta, a Hananias, o profeta: Ouve agora, Hananias: Não te enviou o Senhor, mas tu fizeste que este povo confiasse em mentiras. Pelo que assim diz o Senhor: Eis que te lançarei

18

de sobre a face da terra; este ano morrerás, porque falaste em rebeldia contra o Senhor. E morreu Hananias, o profeta, no mesmo ano no sétimo mês.

Hananias foi, comprovadamente, um falso profeta, pois sua profecia não se cumpriu. Ele veio a falecer por causa de sua falsa profecia.

4.6 Analisando suas visões e escritos

Verifique a seguir algumas declarações de EGW confrontadas com a Bíblia:

algumas declarações de EGW confrontadas com a Bíblia: 4.6.1 A Porta da Graça Fechada Diz ela:

4.6.1 A Porta da Graça Fechada

Diz ela:

Por algum tempo depois da decepção de 1844, mantive, juntamente com o corpo do advento, que a porta da graça estava para sempre fechada para o mundo. Este ponto de vista foi adotado antes de minha primeira visão. Foi a luz a mim concedida por Deus que corrigiu o nosso erro, e habilitou-nos a ver a verdadeira atitude (Mensagens escolhidas, vol I, p. 63).

Esta falsa profecia de EGW tem dado forte dor de cabeça aos adventistas. Esse ensino perdurou de 1844 a 1851. Eles acreditavam que a chance de salvação não estava mais em vigor. Assim sendo, todas as pessoas que pediam a Jesus perdão de seus pecados, não eram mais ouvidas (The Present Truth, p. 22). EGW procurou desculpar-se ao dizer que isso ocorreu antes da sua primeira visão. Os adventistas costumam referir-se a essa profecia como a Teoria da porta fechada.

4.6.2 A Segunda Vinda de Jesus

O que EGW escreve sobre a segunda vinda de Jesus é francamente confuso e Deus não é Deus de confusão (1 Co 14.33). A um tempo declara que ouviu a voz de Deus que lhe anunciou o dia e a hora da vinda de Jesus. Depois, afirma que se esqueceu do dia e da hora. Adverte contra os que se aventuram marcar datas para esse acontecimento profético. Qualquer leitor da Bíblia sabe que não é possível sabermos o dia e a hora da vinda de Jesus. ―Porém daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas unicamente meu Pai.‖(Mt 24.36) ―Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.‖(At 1.7) Vejamos o que EGW escreveu sobre a segunda vinda de Jesus:

19

Foi-me mostrado o grupo presente à assembléia. Disse o anjo: ‗Alguns, pasto para os vermes, alguns sujeitos às sete últimas pragas, alguns estarão vivos e permanecerão na Terra para serem trasladados por ocasião da vinda de Jesus (O testemunho de Jesus, p. 108).

Essa profecia foi feita numa reunião de manhã cedo, em Battle Greek, Michigan, em 1856. Se diminuirmos 1856 de 2010, teremos, como resultado, 154 anos. Porventura existe alguém vivo daquela reunião aguardando a volta de Cristo? Para justificar o erro profético dela, seus defensores saem pela tangente com a seguinte explicação:

defensores saem pela tangente com a seguinte explicação: É-nos dito pela mensageira do Senhor que se

É-nos dito pela mensageira do Senhor que se a igreja remanescente houvesse seguido o plano de Deus em fazer a obra que lhe indicara, o dia do Senhor teria vindo antes disto, e os fiéis teriam sido recolhidos ao reino (idem, p. 110).

4.6.3 Outra Profecia

Diz ela:

Logo ouvimos a voz de Deus, semelhante a muitas águas, a qual nos anunciou o dia e a hora da vinda de Jesus. Os santos vivos, em número de 144.000, reconheceram e entenderam a voz, ao passo que os ímpios julgaram fôsse um trovão ou terremoto. Ao declarar Deus a hora, verteu sobre nós o Espírito Santo, e nosso rosto brilhou com esplendor da glória de Deus, como aconteceu com Moisés, na descida do monte Sinal (Primeiros Escritos, p. 15).

Diz EGW que não só ela, mas ainda mais 144.000 reconheceram e entenderam a voz que indicava o dia e a hora da vinda de Jesus. Admitimos que todos concordaram que ela deveria indicar o dia e a hora da vinda de Jesus. O que disse, no entanto? Simplesmente ela descarta essa informação com a seguinte alegação:

Ouvi a hora proclamada, mas não tinha lembrança alguma daquela hora depois que saí da visão (Mensagens escolhidas, vol, I p. 76).

É preocupante alguém afirmar que Deus lhe deu uma visão com dados tão importantes indicando o dia e a hora da vinda de Jesus e em seguida tal pessoa simplesmente esquecer tais dados. Cento e quarenta e quatro mil presentes ouviram a mesma informação, por que não a ajudaram a relembrar esse pormenor sobre a vinda de Jesus? Estaria EGW realmente falando a

20

verdade quando afirmava que Deus lhe deu indicação sobre o dia e a hora da vinda de Jesus? É para duvidar! Entretanto, Jesus afirmou que do dia e hora da sua vinda ninguém saberá (Mt 24.36) Mas não param aí as afirmações dela. Afirma que devemos ter cuidado com qualquer pessoa que se aventure a indicar o dia e

a hora para a vinda de Jesus.

Precavenham-se todos os nossos irmãos e irmãs de qualquer que marque tempo para o Senhor cumprir Sua Palavra a respeito de Sua vinda, ou acêrca de qualquer outra promessa de especial importância, por ele feita. ‗Não vos pertence saber os tempos ou estações queo o pai estabeleceu pelo Seu próprio poder.‘ Falsos mestres podem parecer muito zelosos da obra de Deus, e podem despender meios para apresentar ao mundo e à igreja as suas teorias; mas como misturam o erro com a verdade, sua mensagem é de engano, e levara almas para veredas falsas. Deve-se-lhe fazer oposição, não porque são homens maus, mas porque são mestres de falsidades e procuram colocar sôbre a falsidade o sinête da verdade (Testemunhos seletos, vol. II, p. 359).

sinête da verdade (Testemunhos seletos, vol. II, p. 359). O julgamento que EGW faz de pessoas

O julgamento que EGW faz de pessoas que misturam o erro com a verdade, levando almas para veredas falsas é correto. É o seu caso específico. Não lhe fazemos oposição por ter sido má pessoa, mas porque é provada falsa profetiza à luz da Bíblia: tem desencaminhado milhões de pessoas com suas falsas profecias.

4.6.4 Guerra Civil Americana

Profetizou ela sobre a guerra:

Quando a Inglaterra declarar guerra, tôdas as nações terão seu próprio interesse em acudir, e haverá guerra geral e confusão geral.‖ (Testemony for the church, vol. I, apud Subtilezas do erro, p. 42).

É interessante observar as palavras ―Quando‖ e ―haverá‖, pois elas deixam claro que num futuro a Inglaterra declararia guerra e com ela outras nações se envolveriam. No entanto, a história americana sobre a guerra civil não registra o envolvimento da Inglaterra e muito menos

de outras nações. Taxativamente outra falsa profecia. Sobre a Guerra Civil americana não foi ela

a única que errou. Joseph Smith Jr. - Profeta da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias, caiu no mesmo erro. Disse ele:

Pois que os Estados do Sul se dividirão contra os Estados do Norte, e aquêles pedirão auxílio a outras nações, mesmo à Grã-Bretanha, como o é chamada, e pedirão auxílio de outras nações, a fim de se defenderem contra outras nações, e

21

então as guerras se esparramarão sobre todas as nações (Doutrina e Convênios, seção 87.3).

EGW e Joseph Smith são profetas do mesmo nível: suas profecias não se cumpriram. A fonte da profecia era de Deus, dos homens ou dos demônios? Fica com o aluno a resposta. (1 Tm 4.1; 1 Jo 4.1-3)

Tudo quanto ela escreveu foi ―profeticamente exato‖? Claro que não!

4.6.5 Contagem dos 2.300 dias a partir de 457 A C. Messias Uma data importantíssima
4.6.5 Contagem dos 2.300 dias a partir de 457 A C.
Messias
Uma data importantíssima para os adventistas é 22 de outubro de 1844: Segundo eles,
nesse dia Jesus passou para o segundo compartimento do santuário celestial para levar à cabo a
conclusão da sua obra de redenção iniciada na cruz. Para chegar a essa data – 22 de outubro de
1844 – contaram 2.300 dias proféticos de Dn 8.14 (2.300 anos segundo os adventistas), partindo
de 457 A C. Por que exatamente 457 A.C.? Informa ela que nessa data se deu início à
reconstrução dos muros de Jerusalém, ponto de partida para a contagem das 70 semanas de Dn
9.25 ―Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao
Diz ela:
O ponto de partida para o período de 2.300 dias, entrou em vigor no outono do
ano 457 antes de Cristo, e não no começo do ano, conforme anteriormente se
havia crido. Contando o outono de 457, os 2.300 anos terminam no outono de
1844 (O Conflito dos séculos, p. 398, 1980).
Qualquer pessoa um pouco cautelosa no estudo da Bíblia descobriria que o decreto de
Artaxerxes de 457 A C. não foi expedido para a reconstrução da cidade de Jerusalém (Dn 9. 25)
Foi o decreto de Artaxerxes editado para a ornamentação do templo de Jerusalém. Os adventistas
indicam a passagem de Ed 7.12 como apoio bíblico (Apocalipse Revelado, p. 120). Entretanto,
lendo-se as passagens de Ed 1.1,2; 4.1-5, 11-14; 6.1-5, 14,15; 7.11, 20,27 é de notar-se que as
referências tratam do decreto de ornamentação da casa de Deus. Nada se lê sobre a reconstrução
da cidade de Jerusalém. O decreto de reconstrução da cidade se deu em 445 A C. como lemos
em Ne 2.1-6:

Sucedeu pois, no mês de Nisã, no ano vigésimo do rei Artaxerxes, que estava posto vinho diante dele, e eu tomei o vinho, e o dei ao rei; porém nunca antes estivera triste diante dele. E o rei me disse: Por que está triste o teu rosto, pois não estás doente? Não é isto senão tristeza de coração. Então temi muito em grande maneira. E disse ao rei: Viva o rei para sempre! Como não estaria triste o meu rosto, estando a cidade, o lugar dos sepulcros de meus pais, assolada, e tendo sido consumidas as suas portas a fogo? E o rei me disse:

Que me pedes agora? Então orei ao Deus dos céus, e disse ao rei: Se é do agrado do rei, e

22

se o teu servo é aceito em tua presença, peço-te que me envies a Judá, à cidade dos sepulcros de meus pais, para que eu a edifique.

Os próprios adventistas reconhecem a improcedência da data de 457 A C. como a data do

início da reconstrução dos muros de Jerusalém. A reconstrução dos muros de Jerusalém se

deu sob a direção de Neemias e isso ocorreu em 445 A C. Dizem os adventistas:

Neemias Reconstrói Jerusalém Neemias tinha um emprego lucrativo fácil e seguro como copeiro do rei persa. Mas, um dia ouviu o chamado do dever. Visitou-o seu irmão de Jerusalém e lhe disse como os muros estavam derribados e as portas queimadas. Em resultado dessa visita, Neemias pediu que fosse encarregado da obra de reconstruir a cidade (Meditações matinais, p. 165, 1970).

reconstruir a cidade (Meditações matinais, p. 165, 1970). Considerando que Artaxerxes subiu ao trono no ano

Considerando que Artaxerxes subiu ao trono no ano 465 no vigésimo ano do seu

governo se deu a ordem para a reconstrução dos muros e da cidade de Jerusalém.

Diz o Dicionário da Bíblia, de John Davis na página 55

No sétimo ano de seu reinado, 458 A C. Artaxerxes permitiu que Esdras levasse para Jerusalém uma grande multidão de cativos, Ed 7.11,12,21; 8.1, e no ano 20, também de seu reinado 445 A C. concedeu a Neemias licença para fazer sua primeira viagem a capital judaica e reconstruir os muros da cidade

Embora os fatos são gritantes em apontar a forte influencia de EGW nas doutrinas adventistas, o escritor adventista Arnaldo B. Christianini assim se manifesta:

A bem da verdade deve-se dizer que desconhecemos o que seja ‗doutrinas da Sra. White‘, de vez que ela não apresentou nenhuma doutrina nova (Subtilezas do erro, p. 42)

5. O MINISTÉRIO DE CRISTO NO SANTUÁRIO CELESTIAL

Após o chamado ―Grande Desapontamento‖, o movimento adventista se esfacelou em

vários grupos, cada um com destinos distintos uns dos outros. Alguns destes voltaram para suas

antigas igrejas de onde haviam saído, outros abandonaram a fé e outros ainda formaram grupos

independentes para estudarem a Bíblia a procura de explicações para o fracasso profético.

Em um destes grupos se encontrava o senhor Hiram Edson. Edson alegou ter tido uma

visão (em um milharal) onde teria visto Cristo em um santuário no céu. Interpretando a visão,

Edson e os demais membros do grupo, afirmaram que Miller estava correto quanto à data,

porém, o santuário não seria a terra e sim, o céu. A ―volta de Jesus‖ teria sido nada mais que uma

23

passagem de um compartimento para outro. Em outras palavras, Jesus teria saído do santo lugar e entrado no santíssimo e está agora fazendo um juízo investigativo. No livro ―O Grande Conflito‖ se lê:

antes que se complete a obra de Cristo para a redenção do homem, há também uma expiação para tirar também o pecado do santuário. Este é o serviço iniciado quando terminaram os 2300 dias. Naquela ocasião, conforme fora predito, pelo profeta Daniel, nosso Sumo Sacerdote entrou no lugar santíssimo para efetuar a última parte de sua solene obra - purficar o santuário (―O Grande Conflito.‖ Ellen Gould White. CPB, 1971, p. 420).

Grande Conflito.‖ Elle n Gould White. CPB, 1971, p. 420). Destarte, os que seguiram a luz

Destarte, os que seguiram a luz da palavra profética, viram que em vez de vir Cristo à terra, ao terminarem em 1844 os 2300 dias, entrou ele então no lugar santíssimo do santuário celeste, a fim de levar a efeito a obra final da expiação, preparatória à sua vinda (Ibdem p. 421).

Refutação:

Os Adventistas do Sétimo Dia estão errados quanto ao tempo, ao lugar e ao trabalho de Cristo.

1. Tempo: A data indicada para começar a contagem dos 2300 anos de Daniel 8.13-14 deveria ser contada a partir da ordem para reedificar Jerusalém (Dn 9.25). Essa ordem é contada a partir de 445 a.C. (Ne 2.1-8) e não 457 a.C. (―Meditações Matinais‖, 1970, p. 165, CPB; ―Dicionário da Bíblia‖, John Davis, p. 65). Em 457 a.C. Esdras foi enviado a Jerusalém, conforme Ed 7.11, com a missão de providenciar a ornamentação do templo (7.15-17, 19-24). A ordem para reedificar Jerusalém repetimos ocorreu em 445 a.C. (20º ano do reinado de Artaxerxes) quando Neemias foi enviado à cidade para restaurá-la. 2. Lugar: Jesus entrou no santo dos santos do santuário celestial 40 dias depois da sua ressurreição (At 1.3, 9-11) e não em 22 de outubro de 1844. O livro de Hebreus foi escrito em 64 a.D. e o escritor declara que Cristo já entrara no santo dos santos quando o livro foi escrito (Hb 6.19-20 c.c. Lv 16.2; Nm 7.89; 1 Sm 4.4; 2 Rs 19.15; Êx 26.33); Hb 9.23-24; 10.19-20; 8.1; Ap 3.21; Ef 1.20-22; 3. Trabalho de Cristo: Cristo concluiu sua obra de redenção na cruz (Cl 2.14-17) e, ao subir ao céu, esta obra já estava terminada definitivamente Hb 1.3; 9.12-14,24;10.10-12.

A Palavra de Deus é claríssima quanto à obra que foi completada na cruz do Calvário por Jesus. A frase ―salvar perfeitamente‖ tem o significado pleno, ou seja, quando o Senhor

24

bradou que estava consumadolá na cruz, Ele estava dizendo que Deus já havia feito tudo, cabendo ao homem agora, aceitar ou recusar essa salvação.

5.1 Explicando as 2.300 Tardes e Manhãs de Daniel 8:14

Calculando que cada um dos 2.300 dias representava um ano, Miller tomou o regresso de Esdras do Cativeiro, no ano 457 antes de Cristo, como ponto de partida para o cálculo onde supostamente demonstraria que Cristo voltaria a terra, em pessoa, no ano de 1.843. Mas como no dia determinado não ocorreu nada, a data foi alterada para 1.844. Antes de explicarmos o que são as 2.300 Tardes e Manhãsé bom deixar claro o que elas não são. A primeira coisa que devemos ter em mente é que elas não são bases de cálculos para a volta de Cristo. A Bíblia é clara quanto a previsões sobre a volta de Cristo: Daquele dia e hora, porém, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai (Mt 24.36). Sempre é bom lembrar uma regra básica de hermenêutica (regras de interpretação bíblica), que afirma ser preciso, o quanto seja possível, tomar as palavras em seu sentido usual e comum. Ou seja: o texto deve ser sempre interpretado literalmente, caso não tenha sentido, então se deve analisar outras hipóteses. A Bíblia afirma categoricamente que eram dias e não anos. Isto é confirmado no versículo vinte e seis deste capítulo: E a visão da tarde e da manhã, que foi dita, é verdadeira. Tu, porém, cerra a visão, porque se refere a dias (dias normais) mui distantes (o parêntese é nosso). Deve-se considerar que para uma análise mais precisa deste livro profético é imprescindível o conhecimento da história secular que correu paralelamente à história sagrada. Observe a explicação do renomado escritor Abraão de Almeida (ex-adventista), sobre os acontecimentos da história secular paralelos ao livro de Daniel:

da história secular paralelos ao livro de Daniel: Entre esta e aquela data, a Judéia passou

Entre esta e aquela data, a Judéia passou por muitas vicissitudes, destacando-se a

opressão sob Antíoco Epifânio (ou Epífanes)

a.C. Sua crueldade e intolerância religiosa fizeram dele um tipo do futuro Anticristo. O

relato Bíblico que trata desse rei está em Daniel, capítulos 8 e 11. No capítulo 11, o mesmo Antíoco Epifânio é descrito como ‗homem vil‘ que não tinha quaisquer direitos à

dignidade real, por ser filho menor de Antíoco, o grande, mas obteve a coroa usando-se de lisonjas. É viva, no primeiro capítulo apócrifo dos Macabeus, a descrição que se faz dos males ocasionados na Judéia pelos judeus infiéis, do saque de Jerusalém e da introdução do culto pagão em toda a Palestina: ‗O seu santuário ficou desolado como um ermo, os seus dias de festa se mudaram em pranto, os seus sábados em opróbrio, as suas honras em nada. À proporção da sua glória se multiplicou a sua ignomínia: E a sua

E o rei (Antíoco Epifânio) dirigiu cartas suas, por

alta elevação foi mudada em luto

governou a Síria de 175 a.C. a 164

Ele

mãos de mensageiros , a Jerusalém, e a todas as cidades de Judá: Mandando-lhes que seguissem as leis das nações da terra. E proibisse que o Templo de Deus se fizessem holocaustos, sacrifícios, e oferta em expiação pelo pecado. E proibissem os lugares

santos, e o santo povo de Israel. Outrossim, mandou que se edificassem altares, e

25

templos, e que se levantassem ídolos, e sacrificassem carne de porco. E reses

vrs.41,41,46-50 de 1Macabeus). Os registros históricos confirmam as

sombrias características de Antíoco Epifânio. Ele foi considerado um louco sanguinário pelos historiadores gregos e um fomentador de intrigas entre o seu reino e o do Egito. Sua vida em relação ao judaísmo foi uma blasfêmia contra o próprio Deus( levantar-se-á contra o Príncipe dos príncipes Dn.8:25) e sua morte por desgosto, em razão do fracasso contra os romanos, mostra que ele foi ‗quebrado sem esforço de mãos humanas‘. Scofield e outros estudiosos do assunto entendem que a ponta pequena do capítulo 8 é Antíoco Epifânio (Dn.8:9), oitavo governador da casa dos Selêucidas, que reinou de 175 a 164 a.C. Intolerante em religião, intentou destruir a religião dos judeus pela força. Ordenou que os judeus demonstrassem publicamente seu repúdio à religião de seus pais, violando as leis e as práticas legadas a ela: que profanasse o Sábado, as festividades e o santuário, construindo altares e templos aos ídolos pagãos; que sacrificassem carne de porco nos altares do templo e não circuncidassem seus filhos. O judeu que desobedece à palavra do rei seria morto. A pressão de Antíoco sobre os Judeus, cada vez mais cruel, culminou no décimo quinto mês de quisleu (dezembro), do ano 168 a.C., quando uma gigantesca estátua de Zeus Olímpio foi colocada atrás do altar de sacrifício, e os pátios do Templo transformados em lugares de lúbricos bacanais (festas de orgias). Os que se recusaram a obedecer aos decretos reais fugiram ou morreram, Milhares foram sacrificados, e nessa conjuntura irrompeu a revolta dos Macabeus, repleta de atos heróicos. Os atos de bravura doa Macabeus acabaram por vencer, no final de 165 a.C., definitivamente, as bem equipadas e esplendidamente treinadas tropas Selêucidas. Antíoco, logo ao receber a notícia de que seus exércitos haviam sido irremediavelmente batidos, morreu de desgosto entre Elimaís e Babilônia. No vigésimo quinto dia de quisleu, de 165 a.C., Judas, o Macabeu, depois de purificar o templo (ou santuário), reconsagrou-o acendendo as lâmpadas do candelabro sagrado, oferecendo incenso no altar de ouro, levou oferendas ao altar dos sacrifícios e decretou que todos os anos o evento fosse comemorado, nascendo assim a ‗CHANUKAH‘, festa da Dedicação João 10:22 (As visões proféticas de Daniel, pp. 58-63, 1982)

imundas

‘(Cap.1,

Antíoco Epifanes, (1Macabeus 4:52-59) João 10:22. Os Judeus ainda celebram a festa da dedicação.
Antíoco Epifanes, (1Macabeus 4:52-59)
João 10:22. Os Judeus ainda celebram a festa da dedicação.

Quanto à festa da Dedicação observe o que afirma o dicionário Bíblico de J. Davis,

Nome de uma festa anual, instituída por Judas Macabeu no ano 165 a.C. para

comemorar a purificação e restauração do templo, três anos depois que havia sido profanado (aproximadamente 1150 dias, Dn.8:14) pela idolatria grega introduzida por

Jesus compareceu a esta solenidade, pelo

menos uma vez, quando pronunciou um discurso ao povo que concorria a Jerusalém,

Como podemos observar o texto de Daniel, sobre as 2.300 tardes e manhãs, que correspondem a 2.300 sacrifícios (Ed.3:3) ou 1.150 dias, se cumpriram literalmente na restauração do templo no ano de 165 a.C.

6. JESUS CRISTO NA TEOLOGIA ADVENTISTA

Os adventistas costumam afirmar que sua cristologia é igual a das demais confissões evangélicas. Mas quando vamos estudar de fato a teologia adventista percebemos que sua

26

cristologia não é ortodoxa no mínimo em dois pontos: na natureza e na personalidade de Jesus Cristo.

6.1 Jesus e o Arcanjo Miguel

Para os adventistas, Miguel é um dos nomes pelos quais Jesus é reconhecido na Bíblia. Acreditam, portanto, que não existe um ser angelical chamado Miguel, mas que o Arcanjo é o mesmo Jesus. Este ensino é o mesmo das Testemunhas de Jeová e reflete a influência ariana de alguns pioneiros no começo do movimento. Para sustentar esse ensino alegam os seguintes pontos:

Para sustentar esse ensino alegam os seguintes pontos: 1. O nome Miguel (Quem é como Deus?)

1. O nome Miguel (Quem é como Deus?) se refere a Cristo.

2. A semelhança da liderança dos exércitos angelicais de Miguel e Jesus (Conf. Ap 12.7 com Mt

24.30-31 e Ap 19.11-14)

3.

O fato de haver um só Arcanjo na Bíblia e este ser identificado apenas com Miguel.

Refutação Apologética:

A propósito do nome Miguel significar ―Quem é como Deus?‖, não é prova conclusiva que ele seja Jesus. Ora, Gabriel significa ―Força de Deus‖ ou ―Deus é forte‖, mas nem por isso poderemos retirar daí alguma semelhança com a divindade. Essa interpretação é oriunda dos rabinos que a tiraram de uma lenda. Diz a lenda que Lúcifer queria ser como Deus conforme a passagem de Isaías 14.13,14. Então Miguel se pôs na frente dele e disse "Quem é Como Deus?". Quanto à liderança dos exércitos de anjos entre Miguel e Jesus são apenas lideranças semelhantes já que Miguel lidera uma guerra contra Satanás e seus anjos, mas Jesus não guerreará com Satanás, mas destruirá o inimigo sem nenhuma batalha. Será que Miguel é o único Arcanjo na Bíblia? Tudo indica que não. Em Daniel 10.13 Miguel é chamado de ―um dos primeiros príncipes‖, dando a entender que há outros à sua semelhança. De fato a mentalidade judaica interpretava desta maneira a questão, já que no livro apócrifo de Enoc, Gabriel é considerado um dos sete Arcanjos. Tudo indica que nos exércitos celestiais há vários arcanjos e Miguel é um deles. Analisaremos outro erro crasso nas palavras da Sra. White:

Moisés passou pela morte, mas Cristo desceu e lhe deu vida antes que seu corpo visse a corrupção. Satanás procurou reter o corpo, pretendendo-o como seu; mas Miguel

ressuscitou Moisés e levou-o ao

acusando-o de injusto por permitir que sua presa lhe fosse tirada; Cristo, porém, não

Satanás

maldisse amargamente a Deus,

27

repreendeu a Seu adversário, embora fosse por sua tentação que o servo de Deus houvesse caído. Mansamente remeteu-o a Seu Pai, dizendo: ‗O Senhor te repreenda‘ (Primeiros Escritos, p. 164, 1995).

Refutação Apologética:

Dois erros doutrinários se encontram nessa declaração de EGW:

1) Miguel ressuscitou Moisés, quando de fato é Jesus quem ressuscitará os mortos por ocasião da sua vinda, o que ainda não se deu (1 Ts 4.16-17; 1 Co 15.51-54). Se Moisés não provasse a corrupção no seu corpo e já tivesse sido ressuscitado, seria ele as primícias dos mortos: quando, de fato, Jesus foi as primícias dos mortos, Mas agora Cristo ressuscitou dos mortos, e foi feito as primícias dos que dormem (1 Co 15.20). 2) A passagem citada por EGW, para afirmar que Jesus não repreendeu seu adversário, o diabo, é Judas 1.9, que diz: Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda. Este texto, como lemos, trata de Miguel, o arcanjo, e não de Jesus. É a Jesus que Miguel, o arcanjo, recorre para repreender a Satanás e não a Deus, o Pai. EGW confunde Miguel com Jesus como se ambos fossem a mesma pessoa. Jesus, em sua vida terrena, por várias vezes, repreendeu Satanás e ao passo que Judas afirma que Miguel não pode fazê-lo, invocando a autoridade de Jesus para isso. Em diversas passagens Jesus repreendeu Satanás (Conf. Mt 4.10- 11 - 16.23). Por fim, Jesus é Criador (Jo 1.3; Cl 1.15-16) e Miguel é criatura celestial, criada pelo próprio Jesus. Os anjos não podem ser adorados (Cl 2.18; Ap 22.8-9) ao passo que Jesus é adorado pelos próprios anjos (Hb 1.6; Ap 5.11-13). Miguel é um dos primeiros príncipes (Dn 10.13) indicando com isso que existem outros iguais a ele; entretanto, Jesus é o Unigênito do Pai, mostrando que não existe outro igual a Ele (Jo 1.14).

Pai, mostrando que não existe outro igual a Ele (Jo 1.14). 6.2 Jesus possuía uma natureza

6.2 Jesus possuía uma natureza pecaminosa Apesar de este ensino ser ainda motivo de debates entre os teólogos adventistas, ele não foi de todo abolido. Veja o que diz o livro adventista Estudos Bíblicos, (CPB. Edição 1979, pp. 140/41) sobre esse ensino da natureza pecaminosa de Jesus:

Em sua humanidade, Cristo participou de nossa natureza pecaminosa, caída. De sua parte humana, Cristo herdou exatamente o que herda todo o filho de Adão uma natureza pecaminosa.

28

Refutação Apologética:

Pode Jesus realmente salvar-nos com uma natureza humana pecaminosa? A Bíblia afirma que Jesus foi concebido sem pecado, como lemos em Mt 1.18-23. José tencionava abandonar Maria, secretamente, quando a viu grávida, mas foi informado, em sonhos, para não fazê-lo, pois o que nela estava gerado era do Espírito Santo. O mesmo se lê em Lc 1.30-35

quando o anjo Gabriel informou que ela conceberia virginalmente. O Jesus da Bíblia era santo, inocente, imaculado (Hb 7.26). Não se pode negar a real natureza humana de Jesus: sentia fome, sede, cansaço, sono, derramou sangue e suor. Era um homem completo no sentido físico e negar

e suor. Era um homem completo no sentido físico e negar natureza humana de Jesus é

natureza humana de Jesus é estar mancomunado com o anticristo (1 Jo 4.1-3; 2 Jo 7). Todavia, há uma grande diferença entre ter uma natureza humana e uma natureza humana caída. Esse não

a

é

o Jesus da Bíblia, mas outro Jesus (2 Co 11.4).

7. A NATUREZA HUMANA

Os adventistas acreditam que o homem é um ser holístico e inseparável. Acreditam também que o homem é uma alma ao invés de possuir uma. Invocam para sustentar tal alegação o seguinte texto bíblico: E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente (Gn 2.7). Afirmam que depois da morte somos reduzidos à inconsciência. Ao morrer o homem deixa realmente de existir. Para eles a metáfora do ―sono‖ em relação à morte prova a inconsciência humana no além. No livro ―Subtilezas do Erro‖, página 217 CPB, lemos:

O que o homem possui é o fôlego da vida ou vida (o que dá animação ao corpo), que lhe é retirado por Deus, quando expira. E o fôlego é reintegrado ao ar, por Deus. Mas não é entidade consciente ou o homem real como querem os imortalistas.

Refutação Apologética

É importante que o aluno saiba que a teologia do Velho Testamento quanto à natureza humana é progressiva, assim como a da natureza divina (Trindade). Ambas são apresentadas de maneira incompletas no Velho Testamento só vindo a ser plenamente reveladas no Novo Testamento.

29

Embora o homem seja um ser holístico, pois sua constituição se dá com o espírito, a alma e o corpo juntos e nunca separados, não obstante, o Novo Testamento revela-nos que neste ser único há duas partes diferentes. A maioria dos cristãos acredita que o homem é formado por duas partes. Para tentar explicar essa constituição dual a teologia desenvolveu duas teorias: a tricotomia que afirma que o homem é composto por três elementos: espírito, alma e corpo e a dicotomia que afirma que a composição humana é apenas entre espírito e corpo. Os defensores deste último ponto de vista acreditam que os termos alma e espírito se referem na verdade à mesma essência imaterial, mas ambos sustentam haver duas partes: uma material e outra imaterial.

sustentam haver duas partes: uma material e outra imaterial. 7.1 Analisando Gênesis 2.7 Os adventistas fazem

7.1 Analisando Gênesis 2.7 Os adventistas fazem uma pergunta retórica nos seguintes moldes: O homem se tornou uma alma ou possui uma dentro dele? Para depois responderem: é claro que o homem é uma alma como são os animais. Concordamos plenamente com eles neste ponto, haja vista, o texto em lide ser bastante claro: o homem veio a ser uma alma vivente. Porém, devemos levar em consideração que a palavra alma deve ser vista dentro de seu respectivo contexto. Entendemos que a nossa vida está na alma, sendo assim, naquele momento em que Adão recebeu o sopro divino, veio a ser uma alma, ou seja, veio a se tornar uma vida como os animais. A palavra alma não é uma palavra unívoca, dependendo do contexto ela pode assumir diversos significados, vejamos:

a) Alma como a pessoa em si mesma - Dt. 24.7,

b) Alma como sangue - Gn. 9.4; Lv. 17.14,

c) Alma como expressão psíquica - Sl 86.4,

d) Alma como vida - Gn. 2.7,

e) Alma como entidade espiritual separada do corpo Mt. 10.28.

Portanto, o texto de Genesis 2.7 não contraria em nada a doutrina da imortalidade da alma. Aliás, por este prisma joga mais luz na questão. Deus disse que o homem era pó e ao pó voltaria.

Raciocinemos: O que volta ao pó é a alma ou o corpo? Observe o aluno que a Bíblia em lugar algum menciona a alma voltando ao pó, somente o corpo. Eclesiastes 12.7 diz que o pó vai a terra e o espírito volta a Deus. É por isso que quem ressuscita é sempre o corpo e nunca a alma. Portanto, a alma em si mesma não morre, a não ser espiritualmente (Ef. 2.1).

30

Os adventistas estão errados pelo menos em três pontos básicos, vejamos:

1. O ―sono da alma‖ - A Bíblia realmente fala muito em dormir, (Lc 8.52; 8.49-56), mas o

dormir bíblico em relação às pessoas mortas é um recurso metafórico para dizer que a pessoa

está descansando (Ap 14.13).

Quando a Bíblia se refere à palavra dormir, o que os escritores têm em mente: O corpo ou a

alma/espírito? Vejamos um texto que irá jogar mais luz nesta questão:

Vejamos um texto que irá jogar mais luz nesta questão: "os sepulcros se abriram, e muitos

"os sepulcros se abriram, e muitos corpos de santos que tinham dormido foram ressuscitados" (Mt. 27.52).

Quem o texto diz que haviam dormido os santos ou seus corpos? O verso deixa claro

que eram os corpos deles que dormiam. Portanto, o espírito não morre nem dorme na morte do

homem. Dormir se refere ao corpo Mt 27.52 e não à alma. Compare Dt 34.5-6 com Mt 17.1-3.

Ademais, mesmo uma pessoa que está dormindo não está totalmente inconsciente,

pois seu cérebro está trabalhando intensamente, criando sonhos onde ela se projeta como

protagonista. A mente traz as lembranças do dia-a-dia (Eclesiastes 5.3) possibilitando sonhar e

criar realidades‖ em seu mundo interior. É certo que fica inconsciente sobre tudo o que acontece

do ―lado de fora‖, mas isto não significa inconsciência total. O mesmo se pode dizer do sono

enquanto metáfora da morte.

2.

essa morrerá com o intuito de provar a morte da alma. No entanto, omitem textos que se

A morte da alma - Os adventistas costumam citar Ezequiel 18.4 que diz: a alma que pecar,

analisados iriam contrariar seus argumentos.

Em Dt 31.16, Deus predisse que Moisés, em breve, estaria "dormindo" com seus pais.

Na interpretação adventista, sua alma estaria dormente no sepulcro. No entanto, esse mesmo

Moisés aparece com Elias, no Monte da Transfiguração, conversando com Jesus: Apareceu-lhes

Elias e Moisés, e estavam falando com Jesus (Mc 9.4).

Se Moisés "dormia", com seus pais, isto é, estava morto, como então apareceu falando com Jesus

milhares de anos depois?

Para responder esse dilema, os adventistas se valem da interpretação que EGW faz da passagem

de Judas 9. Nessa passagem ela afirma que Deus ressuscitou Moisés. No entanto é um argumento

especulativo. Não há provas bíblicas para esta interpretação.

31

A verdade é que o espírito se separa do corpo na hora da morte e continua a viver consciente de si mesmo e com todas as suas faculdades depois da morte, seja ímpio ou justo. Quando é cristão vai estar com Cristo no céu: 2 Co 5.6-8; Fp 1.21-23; Lc 23.43; At 7.59; 2 Co 12.2-4 c.c. At 14.19; Hb 12.23; Ap 6.9-11. Se é ímpio vai para o Hades estar em tormentos Lc 16.22-25; 2 Pe 2.17.

3. O espírito como fôlego de vida Para os adventistas, o espírito humano é apenas o fôlego que sustenta a vida e não uma entidade pessoal e consciente dentro deste corpo. Para provar que não procede afirmar que o espírito do homem é o seu fôlego de vida ou o ar que respiramos e que é reintegrado à atmosfera por ocasião da morte física, basta substituir a palavra espírito nas referências bíblicas a seguir, pela palavra fôlego ou sopro e ver o resultado: os textos ficam sem sentido Mc 2.8; 8.12; At 17.16; Jo 13.21; 2 Co 7.1; 1 Pe 3.4; Mt 26.41.

2.8; 8.12; At 17.16; Jo 13.21; 2 Co 7.1; 1 Pe 3.4; Mt 26.41. Não têm

Não têm eles parte em cousa alguma do que se faz debaixo do sol.

7.2 Análise de duas passagens bíblicas constantemente citadas pelos adventistas

1) Eclesiastes 9:5,6 - Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa

nenhuma

Refutação Apologética:

Observe que nesse verso Salomão não diz que a alma fica inconsciente. Ele apenas diz que os mortos "não sabem coisa nenhuma", mas onde eles não sabem coisa nenhuma? Em si mesmos? Eles ficam em um estado dormente? Claro que não. O texto afirma que os mortos não sabem de nada que se faz ―debaixo do sol‖. Quando a pessoa morre, ela não tem mais acesso a este mundo, por isso é improvável a comunicação com os mortos. Jesus mesmo disse na história do rico e Lázaro que os mortos não podem sair de seus lugares, vide Lucas 16.26. Portanto, o texto de Eclesiastes não ensina o chamado, sono da alma, como querem os adventistas. Sem ciência (das coisas desta vida) sim, sem consciência (em si mesmo) nunca!

2) Salmos 88:10-12 - Mostrarás tu maravilhas aos mortos? ou levantam-se os mortos para te louvar? Será anunciada a tua benignidade na sepultura, ou a tua fidelidade no Abadom (abismo)? Serão conhecidas nas trevas as tuas maravilhas, e a tua justiça na terra do esquecimento?

32

Refutação Apologética:

Este texto apenas diz que os mortos não podem louvar a Deus, pois os mortos, segundo Davi, não se levantarão mais. Encontram-se agora no ―mundo do esquecimento‖. A revelação parcial deste assunto, no Velho Testamento, nutria os judeus com idéias negativas quanto a vida após a morte.

Davi, neste trecho clama a Deus para que o livre de seus inimigos, pois está á beira da morte (v. 3-5). Ele então passa a argumentar com Deus se sua morte traria alguma honra ou benefício para a glória divina. É claro que não. Do que adianta um rei morto? Porventura tinha alguma valia Davi morto para Deus? Somente ele vivo é que poderia trazer glória e honra ao nome de Deus. Este parece ser o sentido mais óbvio do texto. Longe está de se tratar da não consciência após a morte.

Longe está de se tratar da não consciência após a morte. 8. O aniquilamento dos ímpios

8. O aniquilamento dos ímpios e de Satanás

Outra doutrina escatológica que não possui base bíblica é a da destruição dos ímpios. A teologia adventista postula que no final os pecadores serão exterminados para sempre. Esse será um processo com que fará que o universo fique literalmente purificado do pecado. É certo que um dia a controvérsia entre Cristo e Satanás acabará, mas os ímpios não serão exterminados e sim condenados a sofrer eternamente.

Refutação Apologética:

De fato algumas passagens das Escrituras, como por exemplo, II Ts. 1.9, dão a entender que o ímpio será ―destruído‖ por Deus, sofrendo ―a segunda morte‖ (Ap 20.14) ou indo para a ―perdição‖ (II Pe 3.7). Por outro lado há outras passagens que indicam que os ímpios sofrerão um consciente tormento (Lc 16.22-28). Surge então o questionamento: Os que não forem salvos serão aniquilados, ou terão um consciente sofrimento para sempre? A palavra ―destruição‖ não significa aniquilação, pois, caso contrário, não seria uma destruição ―eterna‖. A aniquilação se dá num instante, e pronto, terminou. Se alguém sofre uma destruição eterna, então tem de ter uma existência eterna também. Além disso, a ―morte‖ não significa aniquilação, mas separação. Adão e Eva morreram espiritualmente no momento em que pecaram, contudo eles ainda permaneceram existindo e

33

podiam ouvir a voz de Deus (Gn 2.17; cf. 3.10). De igual modo, antes de alguém ser salvo, ele está ―morto em seus delitos e pecados‖ (Ef 2.1), contudo ainda é a imagem de Deus (Gn 1.27; cf. 9.6; Tg 3.9), e é convidado a crer (At 16.31), a arrepender-se (At 17.30) e a ser salvo. Assim também, quando é dito que o ímpio vai para a ―perdição‖ (II Pe 3.7) ou quando Judas é chamado de ―filho da perdição‖ (Jo 17.12), isso não significa que eles sejam aniquilados.

A palavra ―perdição‖ (apõleia) significa apenas perecer ou ir à ruína. Jesus falou do inferno como sendo um cemitério de sucatas ou um campo de lixo, onde o fogo não cessará jamais, e onde o corpo da pessoa ressuscitada não será consumido.

e onde o corpo da pessoa ressuscitada não será consumido. Considere mais estes pontos como evidências

Considere mais estes pontos como evidências da condição dos ímpios na eternidade:

Primeiro, o rico que morreu e foi para o inferno tinha plena consciência de seu tormento (Lc 16.22-28), e não há indicação alguma no texto de que esse tormento um dia iria terminar. Segundo, Jesus falou repetidamente que, para as pessoas no inferno, ―haverá choro e ranger de dentes‖ (Mt 8.12; 22.13; 24.51; 25.30), o que indica que elas estarão lá conscientes. Terceiro, a Bíblia diz que o inferno tem a mesma duração que o céu, ou seja, é ―eterno‖ (Mt

25.41).

Quarto, o fato de o castigo ser eterno indica que as pessoas também são eternas. Não se pode sofrer o castigo, a menos que a pessoa exista, para ser punida (II Ts 1.9). Quinto, a besta e o falso profeta serão lançados vivos dentro do lago de fogo quando começar o milênio (Ap 19:20), e ainda estarão lá, conscientes e vivos, depois de mil anos (Ap 20.10). Sexto, as Escrituras afirmam que o diabo, a besta e o falso profeta ―serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos‖ (Ap 20.10). Mas não há como ser atormentado pelos séculos dos séculos sem estar consciente pelos séculos dos séculos. Sétimo - Jesus repetidamente referiu-se ao inferno como um lugar onde o fogo não se apaga (Mc 9.48), onde os próprios corpos dos ímpios nunca morrerão (cf. Lc 12.4-5). Mas não faria sentido algum haver chamas eternas, se os corpos não tivessem alma, que é necessária para a pessoa sofrer o tormento. Oitavo, a mesma palavra usada para o verbo ―perecer‖, a respeito do ímpio, no AT (abad) é empregada também a respeito da morte do justo (veja Is 57.1; Mq 7.2). A mesma palavra é usada para descrever coisas que simplesmente tenham sido perdidas, mas depois encontradas (Dt 22.3), o que prova que ―perdido‖ no texto em questão não significa deixar de existir. Assim, se ―perecer‖ significasse ―sofrer uma aniquilação total‖, então o salvo seria aniquilado também.

34

Nono, seria contra a própria natureza dos seres humanos a sua aniquilação, já que eles são feitos

à imagem e semelhança de Deus, o qual é eterno (Gn 1.27). Para Deus, aniquilar a sua imagem

no homem Ele teria de destruir parte dele mesmo.

9. A LEI DE DEUS

A teologia adventista sustenta que a lei mosaica ou como chamam, Lei de Deus, ainda

está em vigência hoje em dia para todos os cristãos. Mas como há mandamentos desta lei que

todos os cristãos. Mas como há mandamentos desta lei que foram claramente abolidos por Cristo, os

foram claramente abolidos por Cristo, os adventistas dividiram a lei de Deus em duas leis: ―Lei

Moral‖ e ―Lei Cerimonial‖. Ensinam que uma parte da lei foi abolida na cruz – a Lei

Cerimonial. Mas, a outra parte da lei, a Lei Moral, restrita aos dez mandamentos, essa está em

vigor.

Refutação Apologética:

O grande problema com que se deparam os ASD quando pretendem guardar a lei de

Deus, é que a lei não implica só em guardar os dez mandamentos. A lei é um todo e abrange os

cinco livros de Moisés ou o Pentateuco com 613 mandamentos, como lemos em Gl 3.10. O texto

em apreço não afirma que é maldito quem não guardar os dez mandamentos, mas que é maldito

quem não guardar tudo o que está escrito no livro da lei. Isso se tornou uma impossibilidade, É

evidente que, pela lei, ninguém é justificado diante de Deus

(Gl 3.11). Dada a impossibilidade

de se guardar todos os 613 mandamentos, a Bíblia declara que a lei nos serviu de aio para nos

conduzir a Cristo e que depois que a fé veio já não estamos mais debaixo do aio (lei) (Gl 3.23-

25).

OS ASD estabelecem as seguintes diferenças entre uma e outra lei: Afirmam que a Lei

Cerimonial foi abolida e que a Lei Moral permanece em vigor e obrigatória. A divisão que fazem

é a seguinte:

LEI MORAL Foi proferida por Deus Foi escrita pelo dedo Deus em tábuas de pedra Foi colocada dentro da arca Deverá permanecer firme para sempre Não foi destruída por Cristo Devia ser engrandecida por Cristo

LEI CERIMONIAL Foi ditada por Moisés Foi escrita por Moisés num livro Nenhuma coisa aperfeiçoou Foi posta ao lado da arca Foi cravada na cruz Foi ab-rogada por Cristo Foi tirada por Cristo

35

Refutação Apologética:

Essa divisão da lei em duas leis é artificial como o reconhecem os próprios ASD. Dizem eles:

Seria útil classificarmos as leis do Velho testamento em várias categorias: 1. Lei moral; 2. Lei Cerimonial; 3. Lei Civil, 4. Estatutos e Juízos; 5. Leis de saúde. Esta classificação é em parte artificial (Lições da Escola Sabatina, Lição n. 2, p. 18, de 8-1-1980).

Dizem mais os ASD,

dadas por meio de Moisés - cerimonial, moral e civil 1990, p. 11-CPB).
dadas por meio de Moisés
- cerimonial, moral e civil
1990, p. 11-CPB).

Note que ‗A Lei de Moisés‘(Atos 15.5 nas Escrituras, refere-se a todas as leis

A Lei de Moisés (Hb

10.28) incluía os dez mandamentos (Revista da Escola Sabatina, abril-junho

A expressão ―cravada na cruz‖ é tirada de Cl 2.14-17 e no v. 16 está explícito, e sem

contestação, que se incluía nessa lei cravada na cruz o sábado semanal. Com isso os próprios

adventistas reconhecem que o sábado semanal foi cravado na cruz.

Ora se a Lei de Moisés refere-se a todas as leis dadas por Moisés incluindo os 10

mandamentos como sustentar biblicamente essa divisão da mesma lei em Lei Moral e Lei

Cerimonial como se fossem duas leis distintas?

A expressão Lei de Deus e Lei de Moisés são expressões sinônimas e não se trata de

leis distintas como afirmam os Adventistas do Sétimo Dia. Em Is 33.2 se lê de um só

Legisladore assim tanto os dez mandamentos como os livros de Moisés foram dados por um só

Legislador Deus, por meio de Moisés. É de Deus, pois foi dado por Ele e é de Moisés, pois foi

dada por intermédio de Moisés.

9.1 O emprego da palavra Lei

1. Basta ler Ne 8.1,3, 8, 14,18 onde a mesma Lei é chamada de Lei de Deus e Lei de Moisés, indistintamente.

(Ne 8.1)

e

disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o livro da lei de Moisés.

(v. 3)

todo o povo estavam atentos ao livro da lei.

(v. 8) E leram no livro, na lei de Deus ordenara, pelo ministério de Moisés

(v.14) E acharam escrito na lei que o SENHOR

36

2. Em Gl 3.10 lemos: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão

escritas no livro da lei para fazê-las. Esse texto é uma citação de Dt 27.26. Lendo esse capítulo a

partir do v. 15 vamos encontrar preceitos morais dentro da lei chamada cerimonial.

Maldito o homem que fizer imagem de escultura, ou de fundição, abominação ao Senhor, obra da mão do artífice, e a puser em um lugar escondido. E todo o povo responderá, e dirá: Amem. (v. 15)

Seria este um preceito cerimonial só pelo fato de ter sido escrito por Moisés em um livro e posto

ao lado da arca e não dentro dela?

em um livro e posto ao lado da arca e não dentro dela? Esse mandamento está

Esse

mandamento está incluído nos dez mandamentos, pois é citado em Ex 20.12. Um preceito

3. Lendo Mc 7.10 que declara: Porque Moisés disse: Honra a teu pai e a tua mãe.

cerimonial considerando que foi Moisés que o disse, mas que faz parte da lei moral dos

adventistas, pois se trata do 5 º mandamento do decálogo;

4.

Lendo Jo 7.19 que declara: Não vos deu Moisés a lei? E nenhum de vós observa a lei. Por que

procurais matar-me? Onde a lei proíbe matar? Encontramos esse mandamento dentro dos dez

mandamentos o sexto mandamento em Ex 20.13. Como foi Moisés que disse, deveria tratar-se

de um preceito cerimonial. Entretanto, os adventistas reconhecem que isso está dentro da lei

moral.

Jesus ensinou em Mt 22.37-39 que os dois maiores mandamentos são: amar a Deus e amar ao

próximo.

E

todo o teu pensamento.‖(Mt 22.37) Esse mandamento é encontrado em Dt 6.5, como se lê:

5.

Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de

Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.

o segundo, semelhante a este, é: ―Amarás o teu próximo como a ti mesmo. (Mt 22.39) Este

E

mandamento se encontra em. Levíticos 19.18,:‖ Não te vingarás nem guardarás ira contra os

filhos do teu povo: mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor.

Ambos fazem parte do livro da Lei de Moisés colocado ao lado da Arca. Tomai este livro da lei,

e ponde-o ao lado da arca da aliança do SENHOR vosso Deus, para que ali esteja por

testemunha contra ti. (Dt 31.26). Esses dois mandamentos acham-se em Dt 6.5 e Lv 19.18.

(Dt 6:5) Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de

todas as tuas forças.

(Lv 19:18) Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu

próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR.

10 O SÁBADO

37

O sábado possui proeminência entre as doutrinas defendida pelos ASD. Ela os

distingue até pelo nome Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Eles não escondem o ufanismo em se auto-intitularem como os verdadeiros

―restauradores do sábado‖, aplicando a si mesmos uma série de profecias bíblicas para

fundamentar esta alegação.

10.1 A origem do sábado na Igreja Adventista

Muitos ficariam surpresos ao descobrirem que os pioneiros dessa igreja nem sempre

adventistas do sétimo dia – como o sábado Finalmente batista, e irredutível observador do domingo
adventistas do sétimo dia – como o sábado
Finalmente
batista, e irredutível observador do domingo (Subtilezas do Erro, pág. 40).
a convicção de que haviam ignorantemente transgredido este preceito
Conflito pág. 433).

guardaram o sábado. Isto porque 99% dos mileristas, que segundo alguns escritores, havia

chegado a cifra de 1 milhão, eram fiéis guardadores do domingo.

A respeito de Miller, A. B. Christianini afirma:

Miller jamais se tornou um adventista do sétimo dia. Rejeitou doutrinas básicas dos

morreu como membro da igreja

Como vimos, Miller, o líder deste movimento era observador do domingo, assim como

Tiago White e sua esposa Ellen G. White.

Muitos adventistas acreditam que a doutrina do sábado foi divinamente inculcada

através da chamada ―luz progressiva‖, ―verdade presente‖ e termos afins. É exatamente isso que

Ellen White tenta explicar:

O Espírito de Deus tocou o coração dos que estudavam a sua palavra. Impressionava-os

(O Grande

Mas a verdade é bem diferente. O caso é que o sábado foi introduzido no movimento

adventista por influencia de pessoas que já guardavam-no.

Falando adventista comenta:

daqueles

primeiros

tempos

de

formação

do

movimento, certo

escritor

Este grupinho de fiéis testemunhas, desapontadas, mas não desiludidas; foram aos poucos recebendo novas luzes. E assim, aceitaram o sábado como em vigor na dispensação cristã. Este mandamento da imutável lei de Deus foi introduzido no movimento pela senhora Raquel Preston, egressa da igreja Batista do Sétimo Dia, aceito e pregado veementemente por José Bates, e mais tarde ratificado através de visões celestiais, por Ellen G. White. Porém foi T.M Preble, o

38

primeiro a comunicar esta grande verdade por meio da imprensa aos mileritas do advento (‗Assim Diz o Senhor‘, Lourenço Gonzalez – ed. ADOS pág. 415).

Em agosto de 1844, Thomas Preble, antes ministro batista, por si mesmo ou por influência de Rachel Oakes ou Frederick Wheeler, também aceitou a observância do sábado do sétimo dia. A Sra. Raquel Preston, batista do sétimo dia chegou a visitar a igreja de New Hampshire em Washingtom, conseguindo persuadir seus membros á observância do sábado. Tempos depois em meados de 1845, o sr. Joseph Bates visitou aquele grupo e foi influenciado por eles e pela leitura do artigo de T.M. Preble sobre a questão do sábado (Le Roy Edwin Froom The Prophetic Faith of our Fathers, vol. IV, páginas 920 a 936 e 941).

Faith of our Fathers, vol. IV, páginas 920 a 936 e 941). Bates começou a guardar

Bates começou a guardar o sábado em março de 1845, sendo assim o primeiro dos preeminentes guias pioneiros do povo adventista do sétimo dia a aceitar o sábado ( Fundadores da Mensagem, p. 98).

Bates, posteriormente, publicou um folheto intitulado ―The Seventh-day Sabbath‖, que foi lido por Tiago e Ellen White. Assim ambos uniram-se em torno desta doutrina. Mais tarde a sra. White viria confirmar com suas visões a doutrina sabatista. Apesar de a idéia do sábado ter sido introduzida por outros sabatistas, quem maior labutou para sua propaganda no meio adventista foi o ex-marinheiro Joseph Bates.

É interessante acompanhar este pormenor, pois revela algo curioso

10.2 Doutrinas de concessão

Um fato importante a ser observado é o seguinte: Quando Bates veio fazer parte do movimento adventista ele não cria nas visões e profecias de Ellen White. Observe as queixas que Ellen White fazia a este respeito:

A primeira vez que me ouviu falar manifestou profundo interesse, Depois que eu acabara de falar, levantou-se e disse: ‗Eu duvido como Tomé. Não creio em

visões

(Vida

e Ensinos pág. 84).

Ele não cria então inteiramente que minhas visões provinham de Deus. (Ibdem, p. 87)

Por sua vez a senhorita Harmon não aceitava a doutrina do sábado, dizia ela:

39

O pastor Bates guardava o sábado, sétimo Dia da semana, e para esse dia nos chamava a atenção como sendo o verdadeiro sábado. Eu não compreendia sua importância e achava que ele errava em ocupar-se com o quarto mandamento mais do que com os outros nove (Ibdem)

É preciso ressaltar que ela veio atestar com suas "revelações" a doutrina do sábado,

somente depois que ele (Bates) aprovou suas visões como sendo de procedência divina. Logo

após esta concessão feita por Bates ela teve uma visão da arca, do propiciatório e do 4º

mandamento. Assim ela recebia a luz concernente ao sábado:

O Senhor, porém, me deu uma visão do santuário celestial Jesus cobertura da arca e
O Senhor, porém, me deu uma visão do santuário celestial
Jesus
cobertura da arca e contemplei as tábuas de pedra
Fiquei
de luz rodeando-o (Ibdem p.92).
pastor Bates eram quase os únicos que pregavam a verdade do sábado
Ensinos p. 249)

levantou a

aterrada quando vi o

quarto mandamento mesmo no centro dos dez preceitos, com uma suave auréola

Depois deste acordoela começou a pregar a doutrina sabatista.

Nos primeiros anos de seu trabalho, numa ocasião em que ela, seu esposo e o

(Vida e

10.3 Como Ellen White guardava o sábado

O

que muitos ignoram, inclusive adventistas, é que EGW não guardava o sábado como

o fazem atualmente a IASD. Vejamos:

Na assembléia realizada em 1855, três pessoas em especial se manifestaram contra a guarda do sábado de pôr a pôr do sol: José Bates, Tiago e Ellen White:

―As conclusões então apresentadas por Andrews convenceram a maioria dos presentes. Entretanto, o casal White, José Bates e outros mostraram-se recalcitrantes em aceitar a nova luz.‖ (A Mão de Deus ao Leme, pag. 57)

Por fim, para não perder a direção do movimento, Ellen White teve outra visão. E é

por isso que os adventistas batem nesta tecla do pôr do sol até hoje. Não por que seja normativo,

mas por que a sra. White teve uma visão!

O curioso de tudo isso é que em 1847 a Sra. White tem uma visão na qual lhe é revelada a

importância do sábado. Aí em 1855, quase 10 anos depois, os adventistas descobrem que estão

40

guardando o sábado de maneira errada, e então a Sra. White tem outra visão, na qual o tempo correto para se observar o sábado lhe é mostrado. Isso não é algo no mínimo curioso? Porque o anjo que lhe deu a primeira visão do sábado não lhe disse também o modo como guardá-lo? Por que somente depois de 10 anos, foi que o anjo voltou e completou o serviço?

Isso mostra que a autoridade profética que conferia o carimbo de validade nas doutrinas adventistas era realmente a palavra de Ellen White!

o abandonaram. Vi que eles haviam a 1995).
o
abandonaram. Vi que eles haviam
a
1995).

10.4 O sábado como obrigação legal

A partir de então, já confirmada como profetisa do movimento adventista, passa a escrever sobre a obrigatoriedade de guardar o sábado como meio de salvação nos seguintes termos:

Santificar o Sábado ao Senhor importa em salvação eterna (Testemunhos Seletos, vol. III, p. 22 2 ª edição, 1956).

Foi-me mostrada então uma multidão que ululava em agonia. Em suas vestes estava

escrito em grandes letras: Pesado foste na balança, e foste achado em falta. Perguntei (ao anjo) quem era aquela multidão. O Anjo disse: Estes são os que já guardaram o sábado e

enlameado o resto com os pés pisando o sábado

pés; e por isso foram pesados na balança e achados em falta (Primeiros Escritos, p. 37,

A Sra. White ainda disse que teve uma visão, onde havia uma arca no céu e nela estavam os dez mandamentos. Dos mandamentos se destacava o quarto, porque se apresentava dentro de um círculo de luz. Ela entendeu que este quarto mandamento precisava receber maior atenção do que os demais, por ser o mais negligenciado pelos cristãos (Ibidem, p. 32/33). Os Adventistas, com isso estão preocupados em guardar um dia determinado pela lei de Moisés.

Afirmam que o sábado é anterior à Lei, que foi guardado por Adão e Eva e que por isso mesmo não pertence à Lei mosaica. Algumas considerações aqui se tornam necessárias:

Refutação Apologética:

1ª) A moral sabática não se refere a um dia específico da semana. Diz que devemos trabalhar seis dias e descansar no sétimo, ou seja, um dia de descanso semanal. No calendário romano cristão o

41

dia de descanso é o Domingo, descansando nele estamos de acordo com a moral sabática Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho (Ex. 20:9). 2º) Se partirmos do princípio da criação, para construir o calendário, a história se complica. Deus criou o homem no sexto dia (Gn. 1.26, 27), o sétimo dia da criação foi, portanto, o primeiro dia da semana do homem. Não se justificaria o homem ser criado em um dia e já descansar no próximo. Assim, o sétimo dia de Deus é o primeiro do homem. De acordo com essa lógica da semana da criação, o dia de descanso do homem seria a sexta-feira e não o sábado. 3º) Perguntamos ainda: Em qual fuso horário deve-se guardar o sábado? Pois quando é sábado em um país é domingo em outro, como resolver essa problemática para que todos no planeta guardem o mesmo shabath de Deus? 4º) O sábado deveria ser guardado do pôr-do-sol ao pôr-do-sol (Lv. 23.32). Então, como fazem os sabatistas do extremo norte para obedecer a esse mandamento, visto que o sol pode demorar meses para se pôr? A obrigatoriedade de guardar o sábado é exposta da seguinte maneira:

de guardar o sábado é exposta da seguinte maneira: O Pr. Bates, o apóstolo da verdade

O Pr. Bates, o apóstolo da verdade sobre o sábado, tomou a liderança em advogar a obrigatoriedade da guarda desse dia (Primeiros Escritos, prefácio Histórico XXII).

Refutação Apologética:

Muito embora os ASD não aceitem ouvir falar em abolição do sábado, a profecia concernente à abolição do sábado semanal é indicada em Os 2.11 da seguinte maneira:

E farei cessar todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas e os seus sábados; e todas as suas festividades (o grifo é nosso). O cumprimento da profecia de Os 2.11 se deu quando Jesus bradou na cruz, Está consumado (Jo 19.30). Lê-se que, nesse momento, houve o rompimento do véu do santuário, Eis que o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo.(Mt 27.51) dando fim a todo o cerimonialismo da lei. Entre as coisas que foram abolidas a partir de então, a Bíblia torna claro que se incluía a guarda do sábado semanal. É o que lemos em Cl 2.14-17:

Havendo riscado a cédula que era contra

maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz. E, despojando

nós nas suas ordenanças, a qual de alguma

42

os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo. Portanto ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da luz nova, ou dos sábados, Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.

10.5 Explicação adventista de Colossenses 2.14-17

Se os ASD aceitassem que a palavra sábados do texto em tela se aplica corretamente
Se os ASD aceitassem que a palavra sábados do texto em tela se aplica corretamente
ao sábado semanal, então não haveria prova bíblica para sustentar a guarda do sábado no Novo
Testamento. E eles sabem disso. Por isso, quando em polêmicas, querendo sustentar a
obrigatoriedade da guarda do sábado, explicam que a palavra sábados de Cl 2.16 se aplica aos
por eles intitulados sábados cerimoniais ou anuais de Levítico 23. É a resposta óbvia que dão
quando alguém aponta Cl 2.14-17 como prova da abolição do sábado semanal. Dizem, ―Então
você não sabe que existem dois sábados nas Escrituras? O sábado semanal, que é de caráter
moral e o sábado cerimonial ou anual? Este – sim - foi abolido na cruz mas o sábado semanal
continua obrigatório‖. Vejamos se os ASD têm razão no seu raciocínio:
Resposta Apologética:
Daremos três razões para explicar que a defesa feita pelos adventistas com relação à
guarda do sábado é sem base bíblica:
1. A expressão de Cl 2.16 ―dias de festa’ se relaciona com os feriados anuais ou sábados
cerimoniais que eram denominados dias de festa, São estas as festas fixas do Senhor, que
proclamareis para santas convocações, para oferecer ao SENHOR
(Lv 23.37). Logo os
sábados cerimoniais ou anuais já estão incluídos nessa frase, restando à palavra sábados o
sentido diferente de sábados semanais, Além dos sábados do SENHOR
(Lv
23.38).

Eram sete as festas anuais judaicas mencionadas em Lv 23:

1.Festa dos Asmos - v. 6 2.Festa da Páscoa v. 5 3.Festa de Pentecostes v. 15, 16 4.Festa das Trombetas v. 24 5.Festa da Expiação v. 27, 28

43

6.Festa dos Tabernáculos (primeiro dia da festa) - v. 34 7.Festa dos Tabernáculos (último dia da festa) v. 36

2. A fórmula ‗dias de festa, luas novas e sábados‘ é a fórmula consagrada para indicar os dias sagrados anuais, mensais e semanais ou inversamente, semanais, mensais e anuais.

Exemplos bíblicos da fórmula:

Exemplo nº 1:

Em Números 28 encontramos os holocaustos para os dias de sábados (semanais), para as luas

Holocausto é do sábado em cada semana
Holocausto é do sábado em cada semana

novas (mensais) e dias de festa (anuais) nos seguintes versículos:

no dia de sábado dois

cordeiros de um ano, sem mancha

E

lua nova de cada mês, segundo os meses do ano (v. 14). Porém no mês primeiro, aos catorze dias do mês, é a páscoa do Senhor; E aos quinze dias do mesmo mês haverá festa; sete dias se comerão pães asmos (v. 16,17).

(v. 9,10)

as suas libações serão a metade dum him de vinho para um bezerro

este é o holocausto da

Exemplo nº 2:

Cr 23.31: E para cada oferecimento dos holocaustos do Senhor, nos sábados (cada semana), nas luas novas (cada mês) e nas solenidades (cada ano) por conta, segundo o seu costume, continuamente (o parêntese é nosso).

1

Exemplo nº 3:

2

consagrar, para queimar perante ele incenso aromático, e para o pão contínuo da proposição, e

Cr 2.4: Eis que estou para edificar uma casa ao nome do Senhor meu Deus, para lhe

para os holocaustos da manhã e da tarde (cada dia), nos sábados (cada semana) e nas luas

novas (cada mês) e nas festividades do Senhor nosso Deus nosso)

(cada ano). (o grifo e o parêntese é

Exemplo nº 4:

2 Cr 8.13: E isto segundo o dever de cada dia, oferecendo segundo o preceito de Moisés, nos

sábados (cada semana) e nas luas novas (cada mês), e nas solenidades (cada ano), três vezes no

ano

(o grifo e o parêntese é nosso)

Exemplo nº 5:

2 Cr 31.3: Também estabeleceu a parte da fazenda do rei para os holocaustos, para os

holocaustos da manhã e da tarde, e para os holocaustos dos sábados (cada semana), e das luas

44

novas (cada mês), e das solenidades (cada ano), como está escrito na lei do Senhor (o grifo e o parêntese é nosso)

Exemplo nº 6 Ez 45.17: E estarão a cargo do príncipe os holocaustos, e as ofertas de manjares, e as libações, nas festas (cada ano), e nas luas novas (cada mês), e nos sábados (cada semana), em todas as solenidades da casa de Israel. (o grifo e o parêntese é nosso)

da casa de Israel. (o grifo e o parêntese é nosso) 3. Dizem os ASD que:

3. Dizem os ASD que:

Os termos sábado, sábados e dia de Sábado ocorrem sessenta vezes no Novo testamento, e em cada caso exceto um, refere-se ao sétimo dia. Em Col. 2.16 e 17 faz-se referência aos sábados anuais relacionados com as três festas anuais observadas por Israel antes do primeiro advento de Cristo ( Estudos Bíblicos p. 378, 1984).

Perguntamos: Em qual caso fazem exceção? Justamente o de Cl 2.16. Então os termos ―sábado, sábados e dia de sábadoaparecem 60 vezes e sempre se referem ao sétimo dia com exceção de um - o de Cl 2.16. Se dermos à palavra ‗sábados‘ o sentido de sábado semanal teremos em apoio da nossa interpretação 59 casos, reconhecidos pelos próprios ASD como sábados semanais. Se os ASD derem o sentido de sábado anual ou cerimonial à palavra ‗sábados‖ de Cl 2.16 só terão em apoio de sua interpretação um único caso. Logo, a nossa interpretação é a correta. E por quê? Porque é regra de hermenêutica que a Bíblia com a própria Bíblia se interpreta. Se duas pessoas se candidatam a um cargo eletivo e um deles alcançar 59 votos e outro só um. Quem é o vencedor? Assim os dias sagrados anuais são conhecidos pela expressão ‗dias de festa’; dias sagrados mensais, indicados pela expressão ‗lua nova’; dias sagrados semanais pela expressão, sábados‘. Se conservarmos o verdadeiro sentido de ‗dias de festa‘ para os chamados sábados anuais, teremos dentro da palavra ‗sábados‘, mencionada em seguida, o sentido de sábado semanal. Logo, todo ciclo de dias sagrados do judaísmo: anuais, mensais e semanais, são indicados pela expressão ‗dias de festa, lua nova e sábados' e terminaram na cruz e não devem ser motivo de críticas como fazem os ASD e muito menos que seja necessária a guarda do sábado para salvação, como erroneamente ensina a Sra. White.

45

10.6 Opinião do teólogo adventista Samuelle Bacchiochi sobre Colossenses 2.16-17

Observe como uma das maiores autoridades adventistas sobre essa temática, explica o texto em apreço:

O sábado em Colossenses 2.16: O tempo sagrado prescrito por falsos mestres referem-se como sendo ‗um sábado festival‘ ou a lua nova ou um sábado. – ‗eortes e neomnia o sabbaton.‘ (2.16). O consenso unânime de comentaristas é que estas três expressões representam uma lógica e progressiva seqüência (anual, mensal e semanal). Este ponto de vista é válido pela ocorrência desses

Um outro significativo argumento contra os sábados cerimoniais ou

termos
termos

anuais é o fato de que estes já estão incluídos nas palavras ‗dias de festa ‘Esta indicação positivamente mostra que a palavra SABBATON como é usada em Cl 2.16 não pode se referir aos sábados festivais, anuais ou cerimoniais [ ] Determinar o sentido de uma palavra baseando-se exclusivamente em conceitos teológicos em prejuízo de evidências línguísticas e contextuais é estar contra as regras de hermenêuticas bíblicas. Ademais, a interpretação que o Comentário Adventista dá à palavra ‗sábados‘ de Cl 2.16 é difícil de ser sustentada, desde

que temos visto que o sábado pode legitimamente ser tido como ‗sombra‘ ou símbolos preparatórios de bênçãos da salvação presente e futura. (From Sabbath to Sunday, p. 358-360).

10.7 Os mandamentos de Jesus

Reiteradamente encontramos na Bíblia a recomendação de Jesus para guardarmos seus mandamentos. As seguintes passagens assim indicam:

Se me amardes guardareis os meus mandamentos (Jo 14.15). Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama ( Jo 14.21). Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que guardo os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor (Jo 15.10). E nisto sabemos que o conhecemos se guardarmos os seus mandamentos (1 Jo 2.3). Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus, quando amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos (1 Jo 5.3).

10.8 A natureza dos mandamentos de Jesus

A que Jesus se referia quando falava de seus mandamentos? Os ASD logo que encontram a palavra mandamentosno Novo Testamento associam a palavra ao decálogo. Não

46

é, porém, correto esse modo de pensar. Jesus foi bem específico quando falou de seus mandamentos. Vejamos a que Jesus se referia quando falava de mandamentos:

Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis ( Jo 13.34).

O

meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei (15.12).

O

seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns

NOVO TESTAMENTO Ex 20.2,3 1. At 14. 11, 14, 15 Ex 20.4-6 2. 1 Jo
NOVO TESTAMENTO
Ex 20.2,3
1. At 14. 11, 14, 15
Ex 20.4-6
2. 1 Jo 5.21
3. Tg 5.12

Ex 20.15

NÃO EXISTE

5. Ef 6.1-3

6. Rm 13.9

7. 1 Co 6.9,10

8.

9. Cl 3.9

Ef 4.28

10. Ef 5.3

aos outros, segundo seu mandamento ( 1 Jo 3.23).

E

E

que desde o princípio tivemos: que nos amemos uns aos outros (2 Jo 5). Notou o aluno que nada se fala de guardar o sábado?

dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também seu irmão (1 Jo 4.21).

agora, senhora, rogo-te, não como escrevendo-te um novo mandamento, mas aquele mesmo

10.9 O Novo Testamento não repete o quarto mandamento

Não há dúvida de que o Novo Testamento cita mandamentos do Velho Testamento. Cita mandamentos indistintamente de toda a Lei de Moisés, mas não repete o quarto mandamento em nenhum lugar. Observe o quadro a seguir e compare:

ELHO TESTAMENTO

1º mandamento - 2º mandamento -

3º mandamento - Ex 20.7 4º mandamento - Ex 20.8-11

5º mandamento - Ex 20.12 6º mandamento - Ex 20.13

7º mandamento - Ex 20.14

8º mandamento -

9º mandamento - Ex 20.16 10 mandamento - Ex 20.17

47

10.10 Será que os adventistas guardam o sábado como o Velho Testamento ordenava?

Os cristãos, segundo o testemunho claro do Novo Testamento, estão livres da observância do sábado (Cl 2.16,17). De fato, a tentativa de reconciliar-se com Deus por meio de obras, implica a nulidade da obra de Cristo e a obrigatoriedade de se guardar toda a lei (Gl 5.2,3). Assim, os que apontam a necessidade de guardar o sábado, devem julgar se o guardam conforme a lei no Antigo Testamento prescrevia: não sair de casa no sábado (Êx 16.29); não ferver ou assar alimentos (Êx 16.23); guardar o sábado dentro de casa (Êx 16.29); não acender fogo (Êx 35.3); não fazer viagens (Ne 10.31); não carregar peso (Jr 17.21); não fazer transações comerciais (Am 8.5). Os que afirmam ser a observância do sábado necessária, ignoram o claro ensino do Novo Testamento a respeito do sábado (Mt 12.1-13; At 15.1,10; Cl 2.16,17); colocam sua esperança em suas próprias obras, e não na obra redentora de Cristo (Rm 3.28; Gl 2.16; Gl 3.10,11); ensinam a outros o que eles mesmos não praticam (Mt 23.15; At 15.1,10; Rm 2.21); e tornam-se culpados da própria lei a que se submetem sem a cumprirem, atraindo sobre si mesmos a maldição da lei (Dt 27.1128.1-68; Js 24.19,20; Gl 5.1-5; Tg 1.23; 2.10-11).

– 28.1-68; Js 24.19,20; Gl 5.1-5; Tg 1.23; 2.10-11) . 11. O DOMINGO A IASD acredita

11. O DOMINGO

A IASD acredita que o papado seja o anticristo e o domingo a marca da besta. Algumas vezes atribui ao Imperador Constantino a autoria para guardá-lo e outras vezes dizem que foi o Papa quem criou sua instituição. Asseveram que em um futuro próximo uma lei dominical papal será promulgada pelos EUA, então todos aqueles que aderirem conscientemente a essa lei, observando o domingo, receberão a marca da besta.

Mediante esta interpretação denigrem o primeiro dia da semana como dia espúrio, proveniente do paganismo e que deve ser totalmente rejeitado pelos verdadeiros adoradores de Deus. Mas tal interpretação está correta? A IASD teria bases bíblicas e históricas para fundamentar essa acusação? Acreditamos que não.

11.1 O domingo da ressurreição foi o cumprimento de duas profecias

48

O domingo foi profetizado na Bíblia como um dia diferente feito pelo próprio Deus, conforme indica o Salmo 118.24 o Dia que o Senhor fez. Esse dia estava na contagem cronológica de Jesus como o último dos três, período este apontado apologeticamente como prova de sua ressurreição. O domingo é o terceiro dia da profecia.

Jesus ao ressuscitar no primeiro dia da semana mostrou que Nele se cumpria a profecia das primícias tipificada em Levítico 23.9-17. Ela era feita no ―dia seguinte ao sábado‖. Paulo entendeu perfeitamente isso ao dizer que Cristo ―foi feito as primícias‖ pela sua ressurreição (I Coríntios 15.20). Essa cerimônia era seguida por outra, a dos manjares em outro domingo, num espaço de cinqüenta dias chamada de pentecostes. A descida do Espírito Santo para inaugurar a Igreja cristã se deu em um domingo tipificando as festas do AT (Atos 2) em cumprimento à profecia de Joel (Jl 2.28; At 2.1- 4. 16, 17).

à profecia de Joel (Jl 2.28; At 2.1- 4. 16, 17). 2º) Cumpriu-se Salmos 118. 22-24

2º) Cumpriu-se Salmos 118. 22-24

Quem será o responsável pela instituição do Dia do Senhor? Quem fez o primeiro dia da semana? Assim diz o texto de Apocalipse 1.10, Eu fui arrebatado em espírito no Dia do

Senhor

cabeça da esquina. Foi o Senhor que fez isto, e é coisa maravilhosa aos nossos olhos. Este é o

A própria Bíblia responde a isto: A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se

dia que fez o Senhor; regozijem-nos e alegremo-nos nele (Sl.118.22-24, compare At.4.11;

Mc.16.9).

Todos nós sabemos que a pedra rejeitada é Jesus, isso é fato consumado! Quando começou seu ministério declarou-se filho de Deus, mas os judeus recusaram-no. No término do

seu ministério, diante da corte de Pilatos, declararam: "Seja crucificado" (Mt. 27.22). Cumpriu-

se assim a primeira parte da profecia; a pedra que os edificadores rejeitaram

A outra parte,

tornou-se cabeça de esquina cumpriu-se no dia da sua ressurreição, quando Jesus declarou: "é me dado todo o poder do céu e na terra" (Mt.28:18). Assim, cumpriu-se o resto do salmo

profético, quando Jesus ressuscitou no primeiro dia da semana tornando-se o "dia que fez o Senhor" (vrs.24). Acerca dessa dia "que fez o Senhor" disse o escritor profeticamente:

Regozijem-nos e alegremo-nos nele. Esta parte final da profecia se cumpriu exatamente no primeiro dia da semana: Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana (O Domingo), e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado,

chegou Jesus

De sorte que os discípulos se alegraram vendo o Senhor (Jo.20.19-20).

49

11.2 A expressão ‘dia do senhor’ de Apocalipse 1.10

O teólogo adventista Alberto R. Timm em seu livro ―O Sábado nas Escrituras‖,

declara:

Parece mais provável que João tenha escolhido a expressão Kyriake hemera para

designar o sábado

(p.76).

Cita como base textos como o de Isaias 58:13; Êxodo 16:23 e Mateus 12:8. Diz ainda:

Além disso, se João realmente tencionasse designar o domingo como sendo o ―dia do Senhor‖ com certeza ele também teria feito em seu evangelho, que foi escrito aproximadamente na mesma época do apocalipse (na década de 90 AD). Mas em todas as oito alusões ao domingo no Novo Testamento, ele é simplesmente chamado de

―primeiro dia da semana‖ sem qualquer distinção especial (Ibdem p.74). apologista Gleason Archer é concorde
―primeiro dia da semana‖
sem
qualquer distinção especial (Ibdem p.74).
apologista Gleason Archer é concorde e afirma que:

O

Refutação Apologética:

escritor Aníbal P. Reis explica que a locução grega no caso dativo Kyriake Hemera

é traduzida literalmente em nosso vernáculo por Senhorial Dia ou Dia do Senhor. Diz ele:

O nosso vocábulo DOMINGO procede do latim DOMINICUS (=Senhorial), (como Dominga vem de Dominica), que por sua vez é a tradução latina do grego KYRIAKE.‖ (A Guarda do Sábado, p. 154).

O

Dia do Senhorestá expresso no caso dativo: té kyriaké hémerà. Não existe base válida para que se questione se se trata de fato do Domingo. até hoje essa é a expressão regular para domingono grego moderno (Enciclopédia de Dificuldades Bíblicas,p. 127, 1997).

O

termo Kyriake, é uma palavra neotestamentaria que só aparece novamente em I Co.

11.20 em seu caso genitivo Kyriakon para designar a Ceia do Senhor.

O dicionário Internacional de Teológica comentando esta palavra assim se expressa:

Embora alguns tenham alegado que se refere ao último dia, ou até mesmo á páscoa, parece certo que a expressão é o nome que veio a ser dado ao primeiro dia da semana. Desde Inácio (Mag. 9:1) este é o seu significado nos escritos patrísticos (Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, p. 2164).

Outra obra teológica explica que o Dia do Senhor,

50

Era uma frase que se usava já no segundo século referindo-se ao domingo (O Novo Comentário da Bíblia, p. 1452).

Diante do exposto deve o aluno refletir no seguinte ponto: Por que o apóstolo iria

formar uma palavra nova para expressar coisas de uma instituição sagrada antiga? Urge

rememorar que o evangelho era uma instituição nova, por isso necessitou do uso de termos

novos.

O Novo Testamento nos dá alguns exemplos destes termos:

O Novo Testamento nos dá alguns exemplos destes termos: a) cristãos - como um nome novo

a) cristãos - como um nome novo para o povo de Deus;

b) apóstolos, evangelistas, e diáconos - como os novos líderes da Igreja;

c) batismo - como o rito iniciatório na Igreja,

d) Ceia do Senhor - como símbolo desta nova instituição e;

e) Dia do Senhor - como um novo dia da nova dispensação.

As novas normas originadas pelo evangelho não puderam ser expressas pela

terminologia da velha lei; conseqüentemente palavras novas precisaram ser cunhadas.

No Novo Testamento nós temos: o sangue do Senhor, o cálice do Senhor, os

discípulos do Senhor, a mesa do Senhor, a morte do Senhor, o corpo do Senhor, a ceia do

Senhor, e também o Dia do Senhor. Todas estas expressões recorrem a algo que pertence

exclusivamente a Cristo debaixo da Nova Aliança.

Eu fui arrebatado em espírito no dia do Senhor (Apocalipse 1.10). Este é o primeiro

lugar na Bíblia que nós temos a expressão o ―Dia do Senhor‖. João escreveu neste idioma

sessenta seis anos depois que o sábado judeu fora abolido; conseqüentemente ele deve ter

recorrido a algum dia comemorativo peculiar para a nova dispensação. Não existe um único

exemplo na Bíblia ou na história onde o termo ―o Dia do Senhor‖ é aplicado ao sábado judaico.

Os adventistas nunca chamam o sétimo dia de o ―Dia do Senhor‖ exceto quando eles

tentam explicar o Dia do Senhor em Apocalipse 1.10 como se fosse o sábado; mas em seus

ensinos, escritos, e conversações, eles se referem a este dia simplesmente como sábado. O termo

sabbath não é usado em Apocalipse e nenhum léxico abalizado traduz esta expressão como se

referisse ao sábado. O sábado judaico foi abolido na cruz (Cl 2.14 16; Gl 4.10; Rm 14.5) mais de

sessenta anos antes de João escrever; então, ele não poderia ter recorrido àquele dia.

Outro fato a ser mencionado é que depois de João, todos os demais escritores pós-

apostólicos sempre usaram este termo para designar o domingo e nunca o sábado. Deve-se levar

em consideração ainda o contexto do livro do Apocalipse que de forma precisa nos informa que

51

a mensagem do livro era destinada às sete Igrejas da Ásia (v. 11). E junto a estas cartas que se

encontra a expressão ―o Dia do Senhor‖. Ora, o título ―Senhor‖ é um título dado a Jesus especialmente depois da sua ressurreição que aconteceu no primeiro dia da semana. No Apocalipse ele é o Senhor Todo Poderoso do verso 8, e Senhor dos senhores 17.14. Portanto, este dia forçosamente tem de ser o dia no qual Jesus foi feito Senhor dos vivos e dos mortos, ou seja, o primeiro da semana. Este foi o dia que fez o senhor, Salmo 118.24. Mas o que dizer então dos versículos citados onde o sábado aparece como ―meu santo dia‖ Isaias 58.13, ―o santo sábado do senhor‖ Êxodo 16.23, pois o Filho do homem é senhor do sábado Mateus 12.8 ? Não é isto prova de que o dia do Senhor seja realmente o sábado? Não, pois estes três textos foram ditos ou escritos antes da cruz sob a lei, mas Apocalipse 1.10 depois da cruz e sob o evangelho, por conseguinte num novo contexto de uma nova aliança. Demais disso, se fosse este o caso certamente o apóstolo teria repetido a designação usual (sábado) como aparece nos versículos acima referidos. Mas é contestado pelos ASD que João e todos os outros evangelistas chamam o domingo simplesmente, ―o primeiro dia da semana‖, e não de ―o Dia do Senhor‖.

dia da semana‖, e não de ―o Dia do Senhor‖. Conseqüentemente se João, em Apocalipse 1.

Conseqüentemente se João, em Apocalipse 1.10, tivesse se referindo ao domingo ele teria dito ―o primeiro dia da semana‖, como fez no evangelho. A resposta não é tão embaraçosa quanto parece. Jesus predisse que ele seria morto e ressuscitaria no terceiro dia. Cada evangelista teve cuidado em demonstrar que a predição fora fielmente cumprida. Conseqüentemente eles foram coerentes em dar os nomes desses três dias como eram conhecidos pelos judeus; qual seja: dia da ―preparação‖, (sexta-feira) dia de ―Sábado‖ e ―primeiro dia da semana‖. Temos de levar em consideração também que o estilo gramatical tal como foi escrito o livro do apocalipse difere grandemente do de seu Evangelho e epístola. O estilo literário de Apocalipse é um tanto diferente em relação ao do seu evangelho. Outra questão em especial a considerar é quanto à autoria do livro. Em seu evangelho João não menciona seu nome, mas tão somente diz Este e o discípulo que testifica destas coisas e as escreveu João 21.24. Já nas epístolas ele se identifica não mais como ―o discípulo‖, mas anonimamente como ―o presbítero‖. No apocalipse pelo menos três vezes ele se identifica como ―João‖. Foi por detalhes como este que Dionísio colocou em dúvida a autoria do Apocalipse (Cf. Historia Eclesiástica livro 7, cap. XXV). Apesar destas supostas diferenças nós acreditamos que

o verdadeiro autor do Apocalipse foi o apóstolo amado João. Além disso, o modo como João

usou a expressão ―o Dia do Senhor‖ para designar o primeiro dia da semana quiçá pode muito bem se encaixar nestas diferenças literárias do livro.

52

Isto posto, fica patente que a expressão ―Dia do Senhor‖, longe de ser uma expressão que aponta para o sétimo dia, ela identifica o domingo cristão o primeiro dia da semana. Um dia de adoração, comemoração e regozijo para o povo de Deus.

11.3 Traduções espúrias?

O significado da expressão ‗dia do Senhor‘ de Apocalipse 1.10 é encontrada em algumas traduções da Bíblia como domingo:

(Edições Paulinas)
(Edições Paulinas)

Eu fui arrebatado em espírito num dia de Domingo Figueiredo) Num Domingo, caindo em êxtase, ouvi atrás de mim uma voz

(Tradução de Antônio Pereira de

Um dia de Domingo, fui arrebatado em espírito. (tradução de Mattos Soares)

No dia do Senhor: No Domingo. (anotação no rodapé da TLH)

Referindo-se a Apocalipse 1.10 os adventistas afirmam que é impróprio traduzir ― dia do Senhor‖ por domingo e que, só conseguimos tal tradução porque usamos traduções católicas espúrias. Dizem que estamos buscando amparo na Igreja Católica Apostólica Romana para provar nosso ponto de vista.

Refutação Apologética:

Ora, ao assim afirmarem estão não só se contradizendo, como usando de hipocrisia, haja vista eles usarem igualmente tais traduções ―espúrias‖ para sustentar seus pontos de vistas. Para quem já leu o livro Subtilezas do Erro - de Arnaldo Christianini - estranha tais afirmações. Esse livro é considerado um dos melhores livros de apologia adventista já escrito. Observe, porém, como esse escritor se apóia nas mesmas traduções católicas consideradas espúrias pelos adventistas. Abaixo citações do livro Subtilezas do Erro.

Página 53 - Era figura do verdadeiro santuário (ou como diz a tradução de Rohden)

Página 74 - E de mês em mês, e de sábado em sábado toda a carne (toda a humanidade) virá prostrar-se diante de Mim e Me adorará, diz o Senhor. Isa 66.23 (trad. De P. Matos Soares).

53

Página 109 - Leiamos ainda, com cuidado, Lev. 23.24, 27, 32 e 39. Neste particular, as traduções de Matos Soares e Figueiredo são mais claras, e seguem melhor o original. Valhamo- nos da versão Matos Soares

Página 110 - Exceptio sabbatis Domino

Página 122 - O padre Matos Soares traduz melhor: ‗A lei, pois, foi o nosso pedagogo Página 252 O Novo Testamento do P. Basílio Pereira assim verte: ‗ Nestes dois mandamentos SE ENCERRA TODA A LEI E OS PROFETAS.‘ Para que sofismar

‖ diz a versão de Jerônimo

Para que sofismar ‖ diz a versão de Jerônimo 11.4 O primeiro dia da semana e

11.4 O primeiro dia da semana e a ressurreição

Qual seria o dia no calendário cristão atual de comemoração pela vitória da ressurreição de Cristo? Seria a sexta feira, o sábado ou o domingo? É bom lembrar que nos dois primeiros dias o Senhor jazia morto em uma tumba fria. Naqueles dias os discípulos não tinham esperança. Com muito sofrimento, eles lamentavam atrás de portas fechadas. Eles pensavam que era Ele quem iria redimir Israel (Lc. 24.21). Somente o dia da ressurreição mudaria essa triste situação. Jesus escolheu o primeiro dia da semana para realizar sua maior obra, a ressurreição (Mc 16.9). Foi pela ressurreição que ele levou a cabo nossa regeneração espiritual (I Pe 1.3) Considerando que Jesus surgiu dos mortos no primeiro dia da semana, esta regeneração foi completada naquele dia. Jesus foi reconhecido e proclamado o Filho de Deus pela ressurreição no primeiro dia da semana. Em Salmos temos a seguinte profecia: ―Tu és meu

Filho, hoje te gerei.‖ (Sl 2.7). Em Atos 13.32,33, Pedro fala que isto foi cumprido na ressurreição de Jesus em um domingo. Cristo foi coroado como Rei em seu trono naquele dia (Zc 6.13; At 2.29-36); e a nova lei de Cristo entrou em vigor com o Evangelho em Jerusalém naquele dia (Is 2.3; Lc 24.47,49; At 2). Diante de todos estes fatores proféticos importantes, Jesus determinou abençoar seus discípulos sempre no primeiro dia da semana:

Este dia ocorreu na manhã do primeiro dia da semana, o nosso domingo e a nossa redenção foi completa nele. Leiamos:

Ora, havendo Jesus ressurgido cedo no primeiro dia da semana (Mc 16:9).

a) No domingo, Ele os encontrou em diferentes lugares e em repetidas vezes (Mc 16.1-11; Mt

28.8-10; Lc 24.34; Mc 16.12-13; Jo 20.19-23).

b) No domingo Jesus os abençoou (Jo 20.19).

54

d) No domingo comissionou-os para pregarem o evangelho a todo o mundo (Jo 20.21 e Mc 16.9-

15).

e) O domingo tornou-se o dia de alegria e regozijo para os discípulos (Jo 20:20).

f) Os discípulos passaram a se reunir no domingo (At 20.6-7).

g) As coletas eram feitas no domingo (I Co 16.1-2).

11.5 Provas históricas sobre a observância dominical

Justino, o Mártir: 100-167d.C. Eis aqui como Justino, o Mártir, descreveu o culto primitivo dos cristãos:

-

Senhor (On indolatry 14).
Senhor
(On indolatry 14).

No dia chamado do sol (Domingo) há uma reunião de todos que moram nas cidades e vilas, lê-se um trecho das memórias dos Apóstolos e dos escritos dos profetas, tanto quanto o tempo permita. Termina a leitura, o presidente, num discurso, admoesta e exorta à obediência dessas nobres palavras. Depois disso, todos nos levantamos e fazemos uma oração comum. Finda a oração, como descrevemos antes, pão e vinho (suco de uva) e ação de graças por eles de acordo com a sua capacidade, e a congregação responde, Amém. Depois os elementos consagrados são distribuídos a cada um e todos participam deles, e são levados pelos diáconos às casas dos ausentes. Os ricos e os de boa vontade contribuem conforme seu livre arbítrio; esta coleta é entregue ao presidente (pastor) que, com ela, atende a órfãos, viúvas, prisioneiros, estrangeiros e todos quantos estão em necessidade (Manual Bíblico, Halley grifo nosso ).

- Inácio, 100 d.C., disse:

Aqueles que estavam presos às velhas coisas vieram a uma novidade de confiança, não mais guardando o Sábado, porém vivendo de acordo com o dia do Senhor.

- Tertuliano: 160-220. No início do século III, Tertuliano chegou a afirmar que:

Nós (os cristãos) nada temos com o Sábado, nem com outras festas judaicas, e menos ainda com as celebrações dos pagãos. Temos nossas próprias solenidades: O Dia do

Em ―De Oratione‖, Tertuliano insiste na cessação do trabalho no domingo como dia de culto para o povo de Deus.

- O ensino dos Apóstolos, obra siríaca: Encontramos um testemunho muito interessante na obra citada, que data da segunda metade do século III, segundo a qual os apóstolos de Cristo foram os primeiros a designar o primeiro dia da semana como dia do culto cristão:

Os apóstolos determinaram, ainda: no primeiro dia da semana deve haver culto, com leitura das Escrituras Sagradas, e a oblação. Isso porque mo primeiro dia da semana o Senhor nosso ressuscitou dentre os mortos, no primeiro dia da semana o Senhor subiu

55

aos céus, e no primeiro dia da semana vai aparecer, finalmente com os anjos celestes (Ante-necene fathers, 8668).

- Eusébio de Cesaréia: 264-340 d.C., bispo de Cesaréia, historiador da Igreja, viveu e foi preso durante a perseguição de Diocleciano contra os cristãos, a qual foi o último e desesperado esforço de Roma por varrer da terra o cristianismo. Vejamos o que Eusébio declarava sobre o costume dos cristãos de sua época:

Eles, portanto, não consideravam a circuncisão, nem observavam o Sábado, como também nós; nem nos abstemos de certos alimentos, nem consideramos outras imposições que Moisés subseqüentemente entregou para serem observadas em tipos e

símbolos, porque tais coisas não dizem respeito aos cristãos ‖; os dias do Senhor como
símbolos, porque tais coisas não dizem respeito aos cristãos
‖;
os dias do Senhor como nós, para comemorar a sua ressurreição (6, Pág. 27, 106).

―Também celebravam

11.6 O domingo foi instituído pela Igreja Católica?

No livro O Grande Conflito, EGW dedica algumas páginas citando escritores protestantes e católicos a fim de provar que foi a Igreja Católica quem impôs a guarda do domingo.

Os católicos romanos reconhecem que a mudança do sábado foi feita pela sua igreja, e declaram que os protestantes, observando o domingo, estão reconhecendo o poder desta (O Grande Conflito, p. 446, 1985).

Uma antiga revista adventista asseverava o seguinte:

O domingo é o primeiro dia da semana e sua observância pertence à Igreja Católica (Sinais dos Tempos, Outubro, 1914)

Refutação Apologética:

Os adventistas ensinam que a Igreja Católica começou se não 300 anos d.C. Assim, se a Igreja Católica mudou o sábado para o domingo não poderia ter feito antes dessa data. Também omitem que esta mesma igreja reclama a sua fundação em 33 d.C. Ela reivindica que sua fundação começou na época dos apóstolos e que a mudança foi feita por eles. Se os adventistas aceitam sem restrição essa declaração dos católicos, para ser coerentes deveriam, do mesmo modo, aceitar ambas as coisas. As bases das reivindicações da igreja Católica romana de que ela mudou o sábado é tão falsa quanto a sua afirmação de que ela foi fundada pelos apóstolos. Aliás, é aos apóstolos que os católicos atribuem esta mudança, já que acreditam que sua igreja fora fundada por eles. Falando sobre o sábado, que na divisão católica do decálogo é o

56

terceiro mandamento, o catecismo Católico sob o subtítulo ―Instituição do Dia do Senhor‖ declara explicitamente:

Por este motivo resolveram os apóstolos consagrar ao culto divino o primeiro dia dos sete dias da semana (grifo nosso).

A Igreja de Deus, porém, achou conveniente transferir para o domingo a solene

celebração do sábado

(Catecismo Romano pág. 437-440) (grifo nosso).

isso, quiseram os apóstolos fosse ele chamado domingo

Por

Devido a tradição apostólica que tem a sua origem no dia mesmo da ressurreição de Cristo, a Igreja celebra cada oitavo dia o mistério Pascal.(Concílio Vaticano II:

Constituição ‗Sacrosanctum Concilium‘sobre a liturgia) O em toda a igreja como o dia de festa
Constituição ‗Sacrosanctum Concilium‘sobre a liturgia)
O
em toda a igreja como o dia de festa por excelência
Cân.1246 – 1983) (grifo nosso).
Vi
do
sétimo dia para o primeiro dia da semana
(Primeiros Escritos, p. 92, 1979).

domingo que por tradição apostólica se celebra o mistério pascal, deve ser guardado

(Código de Direito Canônico

O aluno deve ter percebido a falácia do argumento adventista perante tais declarações.

11.7 O papa mudou o sábado para o domingo?

que Deus não havia mudado o sábado, pois Ele nunca muda. Mas o papa o mudara,

Refutação Apologética:

Este argumento é gratuito, pois carece de provas concretas. Ocorre que os ASD nunca conseguiram dar o nome do papa que mudou o sábado para o domingo. Não há indícios históricos a favor dessa asseveração.

11.8 Sunday & Saturday

Os ASD constroem seu argumento contra o domingo da seguinte maneira:

Domingo = Sunday = dia do sol. Logo raciocinam que o primeiro dia da semana é um dia pagão. É argumentado ainda que Constantino foi o primeiro a promulgar um descanso dominical e que o mesmo era adorador do deus Sol. A idéia do argumento é causar a impressão de que o domingo é de origem pagã.

Refutação Apologética:

57

Eles omitem, no entanto, que tão pagã quanto a palavra Sunday é Saturday, que significa dia de Saturno, ou sábado em inglês. O dia de Saturday era dedicado ao deus Saturno e prestava-se culto com orgias e muita bebida. É bom frisar que todos os dias da semana levavam nomes pagãos e não apenas o domingo. Cada dia da semana foi nomeado em honra a algum deus e, em certo sentido, foi dedicado à adoração daquele deus, A semana planetária egípcia indicava os dias através das designações dos astros: Saturno, Júpiter, Marte, Sol, Vênus, Mercúrio e Lua. Na semana romana Saturnus, ainda com a imitação da semana egípcia, seria o sábado; Sol seria o domingo; Luna, a segunda-feira; Mars, a terça-feira; Mercurius, a quarta-feira; Juppiter, a quinta-feira; Vênus, a sexta-feira. Dá-se, então, a influência judaica, cuja semana começava pelo dia sagrado sabbâtt, oriundo do babilônio sabattum, composto de sag, que significava "coração", e bat, "chegar ao fim"; a idéia era do "repouso do coração". Na semana romana, o Saturnus dies passou a sabbatum pela influência judaica. O calendário hebraico apresentava os dias, o Sabbatum, que era o mais importante, o dia sagrado, o sábado, o prima sabbati, secunda sabbati, tertia sabbati, quarta sabbati, quinta sabbati, sexta sabbati.

sabbati, quarta sabbati, quinta sabbati, sexta sabbati. Com a chegada do Cristianismo, o primeiro dia foi

Com a chegada do Cristianismo, o primeiro dia foi dedicado ao Senhor, o dia do descanso, dies Domenicus. O sabbatum judaico, ironizado pelos romanos, que zombavam da circuncisão e do jejum, e já tendo perdido o valor religioso, passou ao último dia da semana. Assim ficou a semana no calendário romano: dies Domenicus / dies Lunae / dies Martis / dies Mercurii/ dies Jovis / dies Veneris / e o Sabbatum, o último dia.

Como vimos, é verdade que em alguns idiomas o domingo é chamado de ―dia do sol‖, mas é também verdade que em outros ele é chamado de ―dia da ressurreição‖, assim temos em língua grega bizantina ―anastasimós‖, na língua russa ―vosskresenije‖ na basca ―igandea‖. São todos nomes que significam a mesma coisa: ―ressurreição‖. Já em outras, o primeiro dia da semana – o domingo, é chamado de ―dia do Senhor‖ como em grego ―te kyriake hemera‖, em irlandês ―Dia domhnaigh‖ ou ―na Domhnach‖, em latim ―dies dominica‖, em italiano virou ―domenica‖, em francês ―dimanche‖, e em português ―domingo‖.

12. OBJEÇÕES REFUTADAS

58

Abaixo selecionamos alguns textos (em ordem cronológica) que são constantemente

usados pelos adventistas para defenderem a guarda do sábado. Cada um deles será analisado com

uma resposta apologética em seguida.

Gênesis 2:1-3: ―Assim os céus e a terra e todo o seu exército foram acabados. E havendo Deus

acabado no dia Sétimo a sua obra, que tinha feito, descansou no sétimo dia de toda a sua obra,

que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a

sua obra, que Deus criara e fizera‖.

descansou de toda a sua obra, que Deus criara e fizera‖. Argumento : ―Deus con cluiu

Argumento: ―Deus concluiu a obra da criação em seis dias e descansou no sétimo. Abençoou o

o dia e o santificou. Assim como, desde Adão guardava-se o Sábado, devemos também observá-

7

lo‖.

Refutação Apologética:

1) - O sábado da criação não é o sábado atual. Se crermos nos milagres bíblicos, devemos ter em

mente que a semana da criação foi alterada em um dia, retardando assim, possivelmente a

semana original. Foram dois os seguintes milagres: 1) Josué parou o sol por ―quase um dia

inteiro‖ (Jo.10.12-13), 2) O restante, para completar um dia inteiro é encontrado em Is.38.1-8,

quando a sombra do relógio de Acaz atrasou por dez graus. Assim, o sábado de hoje não é o

sábado da criação, passando o sábado da criação a ser o domingo de hoje. Aqui vemos o poder

de Deus para mudar dias e estabelecer os tempos (Dn.2.21).

2) Se Adão foi criado na sexta-feira (Gn.1.27-31) e descansou no sábado, então ele violou o

princípio sabático principal estabelecido em Êx.20.8-11. Se, por outro lado, Adão primeiro

trabalhou seis dias, antes de descansar um, então esse dia sétimo caiu na sexta-feira e não no

sábado.

3) Se devemos guardar o mesmo tempo que Deus guardou, faz-se a pergunta: Em que lugar

descansou? Se forem 14horas no Brasil no Japão será 2horas; em S. Francisco California

(USA) serão 9hs; serão 17hs em Londres Inglaterra e 19hs. em Moscou Rússia. Quem guarda

o sábado no mesmo tempo que Deus guardou ou descansou?

Gênesis 26:5: ―Abraão obedeceu à minha voz e guardou o meu mandado, os meus preceitos, os

meus estatutos e as minhas leis‖.

Argumento: ―esse preceitos, estatutos e leis se referem aos 10 mandamentos‖.

Refutação Apologética:

59

O texto não diz que esses preceitos, estatutos e leis fossem os 10 mandamentos, pela seguintes razão: A Lei foi dada 430 anos depois de Abraão (Gl.3.7). Logo, Abraão não poderia guardar o que desconhecia no seu tempo ( Dt.5.1-3: ―Ouve o Israel, as leis e os preceitos que

hoje proclamo

mandamentos, ainda desconhecido do povo como estatuto de uma aliança.

Os preceitos, alguns deles, dados a Abraão foram:

.

Na continuação dessa proclamação, entre outros estatutos, Moisés cita os 10

a) Que saísse da sua Terra (Gn 12.1),

Moisés cita os 10 a) Que saísse da sua Terra (Gn 12.1), b) Que andasse em

b) Que andasse em sua presença e fosse perfeito (Gn.17.1),

c) Que guardasse o concerto da circuncisão (Gn17.9-11),

d) Que ouvisse sua esposa Sara para deitar fora sua serva Agar (Gn 21.22),

e) Que sacrificasse seu filho Isaque (Gn 22.2),

f) Que permanecesse na terra que Deus lhe dissesse (Gn 26.2-3).

Esses foram os preceitos, mandamentos e leis que Deus deu à Abraão.

Êxodo 16:29: ―Vede, isto que o Senhor vos deu o Sábado, por isso ele no sexto dia vos dá pão para dois dias; cada um fique no seu lugar, que ninguém saía do seu lugar no sétimo dia‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―O sábado foi dado antes do Sinai, logo o sábado foi guardado desde a criação e deve ser observado‖.

Refutação Apologética:

Aqui é a primeira vez que aparece a ordem de se guardar o sábado. Tal mandamento era uma observância nova para os Israelitas. A saída dos israelitas do Egito marcou uma nova época na vida deles. Deus lhes deu um novo ano e um novo princípio de meses (Êx.12.2). O vrs.30 é digno de nota, pois diz: ―Assim repousou o povo no sétimo dia‖(o texto dá a entender que o povo nunca o tinha feito antes). Por essa razão, Israel a partir daquele momento passou a descansar no sétimo dia, e não desde a época de Adão como querem os ASD. Outras passagens

confirmam essa idéia: ―E sobre o monte de Sinai desceste

ministério de Moisés, teu servo‖ (Ne.9.13-14). ―E os tirei da terra do Egito, e os levei ao deserto. E dei-lhes os meus estatutos, e lhes mostrei os meus juízos, os quais, cumprindo-os o

homem viverá por eles. E também lhes dei os meus sábados, para que servissem de sinal entre

mim e eles

Onde Deus lhes deu o sábado? No deserto. Para quem Deus deu o sábado? Aos Israelitas

E o teu sábado lhes mandaste pelo

(Ez.20.10-12). Quando Deus lhes deu o sábado? Quando os tirou da terra do Egito.

60

(Dt.5.15), como um memorial. Fomos tirados da terra do Egito? Se não fomos, o texto não nos diz respeito.

Êxodo 20:1-17: ―Então falou Deus estas palavras, dizendo

Argumento: Afirmam os ASD: ―Os 10 mandamentos saíram da boca de Deus e, por terem sido escritos em tábuas de pedra pelo dedo de Deus, isto significa que eram superiores aos demais‖.

Refutação Apologética:

eram superiores aos demais‖. ‖ Refutação Apologética: Os 10 mandamentos não foram escritos em pedras por

Os 10 mandamentos não foram escritos em pedras por serem superiores aos outros, mas

para servirem de testemunho visível do concerto que Deus fez com Israel. Por isso, as duas tábuas de pedras são chamadas de:

a) ―Tábuas do testemunho‖(Êx.31.18).

b) A arca na qual foram postas as pedras é chamada de ―arca do testemunho‖ (Êx.40.5).

c) O Tabernáculo onde a arca foi posta é chamado de ―tabernáculo do testemunho‖

(Êx.38.21).

Indagado sobre os maiores mandamentos (Mt 22.37-40) Jesus apontou dois fora do

decálogo:

1)

2)

Amar a Deus sobre todas as coisas (Dt,6.5) e,

Amar o próximo como a nós mesmos (Lv 19.18).

Jesus se reportando sobre esses dois mandamentos, que estão fora do decálogo, disse o seguinte: “destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas” (Mt. 22.40). Sem contar o fato de o apóstolo Paulo ter chamado as tábuas da lei de ministério da morte (II Co 3.7).

Êxodo 31.16-17: ―Guardarão, pois, o sábado os filhos de Israel, celebrando o sábado nas suas gerações por concerto perpétuo. Entre mim e os filhos de Israel será um sinal para sempre‖. Argumento: O sábado é um concerto perpétuo, logo deve ser observado ainda hoje; e, é um sinal entre Deus e o seu povo nos dias atuais‖.

Refutação Apologética:

a) O adjetivo qualificado ―perpétuo‖ tem o sentido de perpetuidade quanto à duração do judaísmo. É nesse sentido que foram declarados perpétuos; As festas anuais: a páscoa (Lv

61

23.41); o dia da Expiação (Lv 16.29,31,34), a duração do sacerdócio aarônico (Nm 25.13), o ministério dos Levitas (Nm 28.13), o toque das trombetas pelos sacerdotes (Nm.10.8), a presença das lâmpadas de azeite (Lv 24.3). Os próprios ASD admitem que tais preceitos foram abolidos, embora declarados perpétuos. b) Um sinal (no caso o sábado) não pode ser geral. Se fosse geral não seria sinal. Para o Israel natural o sábado e a circuncisão eram sinais perpétuos, enquanto durasse o judaísmo. Para o povo de Deus de hoje foi dado outro sinal ou selo: O Espírito Santo (Ef 1.13). Como é o Espírito Santo que promove a santificação do cristão, este deve possuir o Espírito Santo o selo de Deus, pois sem santificação não se pode ver a Deus (Hb 12:14). É este o selo distintivo do povo de Deus atualmente e não o sábado (II Tm 2.19).

do povo de Deus atualmente e não o sábado (II Tm 2.19). I Crônicas 16:15: ―Lembrai

I Crônicas 16:15: ―Lembrai-vos perpetuamente do seu concerto, e da palavra que prescreveu para mil gerações‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―Esse pacto de mil gerações é o pacto da Lei e que foi dado aos patriarcas e deve ser observado‖.

Refutação Apologética:

O pacto aqui mencionado se refere às promessas que Deus fez a Abraão de lhe dar a terra de Canaã (veja o vrs.18 e compare com Gn.15.18; 26.3; 28.13). Não se refere ao pacto da lei feito no Sinai, pois os patriarcas não o conheciam (Gl 3.17). O próprio Moisés declarou que o pacto da Lei não foi feito com os pais (leia Dt 5.2-3).

Salmos 19:7: ―A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma, o testemunho do Senhor é fiel, e dá sabedoria ao simples‖. Argumento: Dizem os ASD: Os 10 mandamentos constitui a Lei perfeita e que não pode ser mudada‖.

Refutação Apologética:

Como já temos demonstrado, a palavra Lei, Lei do Senhor, Lei de Deus ou Lei de Moisés são expressões sinônimas. Aplica-se tanto aos dez mandamentos como a outros preceitos fora deles. Como prova apresentamos Dt 17.15-19, onde se declara que o rei devia ter uma cópia do Livro da Lei, lê-la diariamente, meditar nela (Sl 1.1-3) e não especialmente o decálogo, como pretendem os adventistas. A Lei compreendia 613 preceitos e não apenas 10.

62

Salmos 40:7: ―Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim , a tua lei está dentro do meu coração‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―Considerando que o texto se aplica, profeticamente a Jesus, e como Jesus guardou a lei, os dez mandamentos, nós também precisamos guardá-los‖.

Refutação Apologética:

Jesus, não há dúvida, guardou a lei, pois nasceu sob a sua jurisdição (Gl 4.4-6). Os ASD se esquecem de que Jesus, ao guardar a Lei, ele a guardou integralmente:

foi circuncidado (Lc 2.21 compare c/ Gn 17.12; Lv 12.3); (Lc 2.21 compare c/ Gn 17.12; Lv 12.3);

foi circuncidado (Lc 2.21 compare c/ Gn 17.12; Lv 12.3); foi levado ao templo de Jerusalém

foi levado ao templo de Jerusalém (Lc 2.22 compare c/ Lv 12.2-6, Ex 13.2, Ex 22.19- 34, Nm.8.17, Nm.18.15); (Lc 2.22 compare c/ Lv 12.2-6, Ex 13.2, Ex 22.19- 34, Nm.8.17, Nm.18.15);

ofereceu sacrifícios de um par de rolas (Lc 2.24; compare c/ Lv 12.3-8); (Lc 2.24; compare c/ Lv 12.3-8);

guardou a festa da páscoa (Lc 2.39). (Lc 2.39).

Salmos 89:34: ―não quebrarei o meu concerto, não alterarei o que saiu dos meus lábios‖. Argumento: ―Deus não mudará o que saiu dos seus lábios. Logo os 10 mandamentos permanecem em vigor, inclusive o Sábado‖.

Refutação Apologética:

Os ASD ignoram, porém, que o pacto a que se refere o texto não é o pacto da Lei, mas sim o concerto que Deus fez com Davi, de dar-lhe um filho que se assentasse sobre seu trono (vejam os vrs.3,4, 19-33,35). Os ASD conseguem enxergar os 10 mandamentos onde eles não existem!

Eclesiastes 12.13-14: ―De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque este é o dever de todo o homem. Porque Deus há de trazer a juízo toda obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom quer seja mau‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―Os mandamentos aqui mencionados são os 10 mandamentos e por eles seremos julgados‖.

Refutação Apologética: É incrível a capacidade de lerem no texto o que o texto não diz! Não seremos julgados pelos 10 mandamentos, pois formam parte do Antigo Concerto que foi por Cristo abolido na Cruz (Ef 2.15-17; Cl 2.14-17; II Co 3.5-14). Onde encontramos no decálogo mandamentos para visitar as viúvas, enfermos, órfãos (Tg 1.26,27) ? Onde encontramos no

63

decálogo mandamentos para sermos sóbrios, pacientes e amorosos? Onde se combate, no decálogo, pecados, tais como: ciúme, ansiedade, temor, bebedice, impaciência e tanto outros? Se o decálogo fosse perfeito, por que se incluir preceitos morais fora do mesmo na lei de Moisés (Ex 22.16-31; 23.1-5) ? A verdade é que o mundo será julgado, não pelo decálogo, mas pelas Palavras de Jesus por seu evangelho (Jo 12.48 ; Rm 2.16).

Isaías 56.6: ―E aos filhos dos estrangeiros, que se chegarem ao Senhor, para o servirem, e para amarem o nome do Senhor, sendo deste modo servos seus, todos os que guardarem o Sábado, não o profanando, e os que abraçarem o meu concerto‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―não devemos profanar o sábado, mandamento esse não restrito apenas aos judeus, mas também aos gentios‖.

restrito apenas aos judeus, mas também aos gentios‖. Refutação Apologética: Se o texto ensina que não

Refutação Apologética:

Se o texto ensina que não devemos profanar o sábado e que isso inclui os gentios, também prova a mesma passagem que os gentios devem oferecer holocaustos e sacrifícios (vrs.7) sobre o altar de Deus, no templo, sobre o monte Sião, em Jerusalém. Tudo isso está incluído com o sábado aqui citado. Naturalmente que o texto se aplica aos gentios prosélitos que abraçaram o judaísmo e foram circuncidados (Êx 12.48).

Isaías 66.23: ―E será que desde uma lua nova à outra, e desde um Sábado até ao outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o Senhor‖. Argumento: ―O Sábado vai ser observado na nova ordem, pois se lê de ―um sábado a outro‖.

Refutação Apologética:

Se o sábado estará em vigor na nova terra, também estará em vigor a lua nova. Se alguém dissesse que iria visitar sua noiva de sábado a sábado isto implicaria que esse noivo iria visitá-la diariamente - de sábado a sábado e não apenas no dia de sábado. Logo a interpretação correta é que, no futuro, não iremos adorar a Deus em épocas especiais de sábado ou de lua nova, mas que, permanentemente, sem interrupção, estaremos adorando a Deus. Prova disso é Apocalipse 21.1-4, 23-24, mostra que no novo céu e na nova terra não haverá necessidade de sol, pois as nações andarão à luz do Cordeiro. Entretanto, a guarda sabática é de pôr do sol a pôr do sol, mas na nova terra e no novo céu não haverá sol, nem noite.

64

Ezequiel 22.26: ―Os seus sacerdotes transgridem a minha lei, e profanam as minhas coisas santas; entre o santo e o profano não fazem diferença, nem discernem o impuro do puro; e de meus sábados escondem os seus olhos, e assim sou profanado no meio deles‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―Assim são todos os que não guardam o sábado‖.

Resposta Apologética:

A acusação que fazem, sem prova alguma, se limita à questão do sábado e nada mais. Entretanto, essa passagem é dirigida aos sacerdotes e todo o capítulo mostra que é dirigida aos israelitas, pelas expressões: ―cidade sanguinária‖ (vrs.2 – que é Jerusalém); ―Príncipes de Israel‖(vrs.6,18). Diante disso, fica claro que nada tem que ver com os gentios cristãos (Rm

6.14).

que nada tem que ver com os gentios cristãos (Rm 6.14). Daniel 7:25: ―E proferirá palavras

Daniel 7:25: ―E proferirá palavras contra o altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo; e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão por um tempo, e tempos, e metade de um tempo‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―O Papa mudou o dia de guarda do sábado para o domingo‖.

Refutação Apologética:

O texto não se refere ao sábado quando menciona ―lei‖. Só na mente dos ASD. Não sabem nem ao menos indicar o papa que supostamente fez essa mudança. Na verdade se o texto prova essa suposta mudança, ou seja, que a mudança se refere ao decálogo, ou melhor, dizendo, ao dia de sábado para o domingo, então, teríamos de concluir que a mudança foi feita pelo próprio Deus (Dn 2.20-21). Deve-se ter presente que a lei foi mudada por Cristo (Hb 7.12) e não pelo Papa. Muitas passagens apontam que Cristo cumpriu a Lei e que ela findou na Cruz (II Co 3.6-14; Gl 3.19-15; Rm 10.4; Cl 2.14-17). O texto de Dn 7.25 se refere e aponta para Antíoco Epifânio, que em sua época mudou as leis e, como afirma alguns historiadores, chegou a sacrificar um porco no altar e profanou o santuário (Dn 8.14). Esse foi o aspecto maligno da mudança da lei, pois tirou o povo da direção do Senhor. Diferente do que o nosso Senhor fez com a lei (Dn 2.20-21) mudando-a em um aspecto mais elevado e espiritual.

65

Oséias 2:11: ―E farei cessar todos o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas, e os seus sábados, e todas as suas festividades‖. Argumento: Dizem os ASD: ―os ‗seus sábados‘ se referem aos sábados anuais e logo, no texto, não há referências aos sábados semanais‖.

Resposta Apologética:

Existe contradição entre os próprios ASD, pois dizem:

Existe contradição entre os próprios ASD, pois dizem: Deus descansou no Sábado do sétimo dia, porém

Deus descansou no Sábado do sétimo dia, porém não fez o mesmo nos sábados anuais. Ao primeiro, Deus chama ‗os meus sábados‘ (Ez.20:20); aos últimos, chama-os de ‗seus sábados‘ (Os.2:11; Is.1:13), etc. (Subtilezas do Erro, p.126, ed.1981).

Todavia, se contradizem ao dizerem:

Em Oséias 2:11 está profeticamente o fim de todos os tipos de sábados por parte do povo judeu (livro Adventista: Consultoria Doutrinária, p.147, Ed.1979).

Como se vê na ―declaração‖ se ensina que Oséias 2.11 se refere aos sábados anuais; enquanto que, ―na contradição‖ se declara que Oséias se refere a todos os sábados, incluindo os semanais. Ainda dizem os ASD com relação à expressão de Oséias 2.11 ―seus sábados‖ se refere aos sábados cerimoniais ou anuais e que a expressão ―meus sábados‖ se refere aos sábados semanais. Tal argumento não prevalece. Se Sábado é prescrição moral da lei por ser chamado ―meus sábados‖, então os ASD têm que admitir situação de igual valor para os sábados dos 7 anos e 50 anos, o Jubileu (Lv. 25.10). O sábado anual era um sábado do Senhor (Lv 25.1-4,10-12). Para serem coerentes deveriam guardá-lo por haver sido chamado por Deus de ―meus sábados‖ (Compare Lv 26.2,43,35; Jo 20.17) - Aquele Pai, mencionado por Jesus como ―meu Pai‖ é diferente do Pai também chamado por Jesus de ―vosso Pai‖ ? Só por que mudou o pronome possessivo também mudou o Pai ? Vejam outro exemplo: Is 56.7 comparado com Mt 23.38, onde os sacrifícios são chamados ―meus sacrifícios‖ e ―vossos sacrifícios‖. Em Is 43.23,24 aparece o possessivo ―teus holocausto‖, ―teus sacrifícios‖.

66

Mateus 5.17,18: ―Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim ab-rogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido‖. Argumento: Afirma os ASD: ―Enquanto durar o céu e a terra não se omitirá um jota ou til da lei. Logo, os 10 mandamentos estão em vigor. Assim, o Sábado deve ser observado‖.

Resposta Apologética:

A correta interpretação da passagem é a seguinte:

a) Não há nenhuma insinuação que diz que cada jota ou til da lei vão
a) Não há nenhuma insinuação que diz que cada jota ou til da lei vão permanecer até que o
céu e a terra passem, mas que não passarão ―sem que tudo seja cumprido‖. É o que se lê
em Lc 16.16,17. Ora, tanto esta passagem como Mt 5.17-19 ensinam que em algum tempo
a lei passará, isto é, logo que for cumprida. E Jesus disse que veio cumpri-la e ele a
cumpriu integralmente (Ef 4.10). Se já cumpriu, a lei já passou. O que Jesus asseverou não
é o tempo que a lei havia de durar, mas a certeza do seu cumprimento (Lc 24.44; At 13.39;
Ef 2.14).
b) A lei a que se refere Jesus não se restringe só ao decálogo, mas a toda lei, como segue:
1) – Jesus fala de três mandamentos do decálogo; do 6 o no vrs.21; do 7 o no vrs.27; e do
3
o no vrs.33.
2) – Jesus fala de mandamentos fora do Decálogo: vrs.38 – ―Olho por olho‖, que se
encontra em Lv.24:20, que por sua vez fazia parte de normas jurídicas de antigas
civilizações conhecidas como ―Lei de Talião‖ incorporada na Torá. 2) vrs.43 fala do
amor ao próximo, que se encontra em Lv 19.18.
c) Quando Jesus fala da lei ele a aplica a todo Pentateuco ou a toda Lei (Mt 7.12; 11.13;

22.13; Lc 16.16,29,31).

d) Jesus falou que veio cumprir a Lei (Gl 4.4,5; Rm 10.4), inclusive o Decálogo. Assim,

tendo-a cumprido deixa de ser obrigatória a sua observância para o cristão.

Mateus 19.16-22: ―Se queres, porém entrar na vida, guarda os mandamentos‖(vrs.17). Argumento: Afirma os ASD: ―Jesus mandou guardar os mandamentos e os mandamentos são dez, logo se torna obrigatório a guarda do sábado, que é o 4 o mandamento‖.

67

Resposta Apologética: É notável que Jesus omita propositadamente o sábado. É digno de nota também que dentre os mandamentos citados na passagem paralela de Mc 10.19, Jesus

(Lv 19.13) que se acha fora do decálogo. Se uma parte do

decálogo abrange o decálogo, por que a citação de mandamento fora do decálogo, não abrangeria igualmente todo o livro da lei ? Daí, por coerência, deveríamos guardar toda a Lei (Gl 3.10).

citou ―amarás o teu próximo

Mateus 24.20 : ―E orai para que a vossa fuga não aconteça no inverno, nem no Sábado‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―O Sábado seria guardado depois da ressurreição, pois Jesus se refere à destruição de Jerusalém e que nessa ocasião não deveriam transgredir o Sábado‖.

que nessa ocasião não deveriam transgredir o Sábado‖. Resposta Apologética: Se os Judeus procurassem fugir da

Resposta Apologética:

Se os Judeus procurassem fugir da cidade de Jerusalém no dia de sábado, para escapar com suas vidas, estariam transgredindo o sábado? (O texto de Lc 6.9 diz que não). Certamente que os ASD não admitem tal raciocínio, mas ao citar esse texto para defender sua doutrina estão afirmando justamente isto. Jesus não estava falando da eventual santidade do dia. Deve-se observar que o assunto principal da mensagem profética de Cristo não tem nada que ver com a santidade do sábado e sim com os perigos e tribulações desse tempo futuro que se deu 40 anos após a destruição de Jerusalém. Jesus aponta quatro perigos: 1) as grávidas; 2) as que tinham crianças pequenas; 3) fuga no inverno; 4) fuga no sábado. Jesus se refere aos perigos da fuga da cidade. Ademais, se por afirmar que deveriam orar para que sua fuga não ocorresse no sábado isto implicaria na santidade desse dia, então, quando se refere a fuga no inverno, significaria santificar esse tempo de inverno? Concordam os ASD com esse raciocínio? A fuga no sábado, logo, implicaria em incompreensão pelos próprios judeus de dentro da cidade (Jo 5.16-18) e o inverno traria dificuldades de locomoção e abrigo.

Mateus 28.1: ―E, no fim do Sábado, quando já despontava o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria fora ver o sepulcro‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―O texto menciona o Sábado depois da Cruz, logo é para o cristão‖.

Refutação Apologética: É digno de nota que embora o sábado fosse mencionado depois da cruz, foi, no entanto, anterior à ressurreição de Jesus que deu motivo a ter-se o primeiro dia da

68

semana o domingo o Dia do Senhor (Ap 1.10). Lembrando que até aquele momento os discípulos guardavam não só o sábado, mas toda a lei!

Marcos 2.27,28: ―E disse-lhes: O Sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do Sábado. Assim o Filho do homem até do Sábado é Senhor‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―O Sábado foi feito por causa do homem e não só do Judeu. Isto significa que qualquer nacionalidade pode guardá-lo‖.

Refutação Apologética: Jesus não estava afirmando que o Sábado era o dia do Senhor, mas dizia que ele era Senhor do dia. Logo, como Senhor do dia, isto é, superior ao dia, podia determinar qual o tipo de pecado que estavam cometendo seus discípulos por colherem espigas (ou trabalhar para comer) no sábado. E, nessa ocasião, lançou o veredicto de ―inocentes‖ por trabalharem para seu sustento (compare com Mt12).

por trabalharem para seu sustento (compare c om Mt12). Lucas 4.16: ―E, chegando a Nazaré, onde

Lucas 4.16: ―E, chegando a Nazaré, onde fora criado entrou num Sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―Jesus ia habitualmente à sinagoga no sábado, logo devemos imitá-lo, guardando o Sábado‖.

Refutação Apologética:

É certo que Jesus guardou o sábado, pois se encontrava sob o regime da lei, pois nascera sob ela (Gl 4.4-6; Lc 2.21-24;41). Como tal, observou todos os preceitos da lei, cumprindo-os para nos libertar dos mesmos (Mt 5.17-18, Rm 10.4). Os adventistas para serem coerentes com seu argumento deveriam, como Jesus, guardar toda a lei.

Lucas 23.56: ―E, voltando elas, prepararam especiarias, e ungüentos; e no Sábado repousaram, conforme o mandamento‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―As mulheres santas guardaram o Sábado. Lucas, o escritor, escreveu seu livro alguns anos depois da ressurreição e assim apontou que o Sábado ainda estava sendo guardado‖.

Refutação Apologética:

Deve-se ter presente que o sábado em que as mulheres descansaram foi antes da ressurreição de Jesus. Se o fato de tiver Lucas relatado o evento alguns anos mais tarde, não

69

invalida o argumento, pois, estas mesmas mulheres judias estavam observando a Festa de Pentecostes (At 1.14; 2.1). Uma festa judaica, que nem mesmo os ASD observam. Um exemplo: Quando Pedro voltou da casa de Cornélio foi repreendido pelos seus colegas por ter entrado em casa de incircuncisos e ter comido com eles (At 11.3). Se os apóstolos ainda não percebiam que a circuncisão não tinha nenhum valor (Gl 5.2), como esperar que as mulheres viessem entender mais cedo que o sábado era parte integrante do Antigo Concerto anulado na Cruz? (Cl 2.14; II Co 3.6-14). A propósito, a revista da Escola Sabatina, do 1 o trimestre de 1980, p.19, afirma:

Escola Sabatina, do 1 o trimestre de 1980, p.19, afirma: O NT não dá nenhuma indicação

O NT não dá nenhuma indicação que se tenha pedido aos judeus que abandonassem imediatamente a prática da circuncisão ou que ignorassem as festividades judaicas.

Atos 20.7: ―E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles; e alargou a prática até à meia noite‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―A reunião no primeiro dia da semana tomou lugar sábado à tarde, porque os judeus sempre começavam a guarda do sábado na sexta-feira à tarde‖.

Refutação Apologética:

O que os adventistas se omitem em dizer é que o acontecimento se deu na Ásia Menor e o costume de contar o dia era bem diferente de meia noite à meia noite pois se tratando de território romano a forma de contar o dia era diferente dos judeus. Troas era uma possessão Romana possuindo o denominado ―Jus Italicum‖ (estava isenta de taxas como se fosse território italiano F. F. Bruce, The Book of The Acts, p.408). Assim, a reunião se realizou no domingo à noite e não no sábado, como pretende os ASD.

Romanos 3.31: ―Anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei‖. Argumento: Afirmam os ASD: ―A lei se refere aos 10 mandamentos. Logo, Paulo declara que ela permanece, que está em vigor‖.

Refutação Apologética:

Nada há no texto que sugira estar Paulo se referindo ao decálogo. Paulo, no capítulo 3 de Romanos está afirmando que o homem não pode ser justificado pela guarda da lei das

70

obras, mas que podemos ser justificados pela lei da fé (Rm 3.27). Logo, conclui que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei (Concluímos, pois que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei vrs.28). São tratadas, no capítulo 3, duas leis: a da fé e a das obras e que somos justificados pela lei da fé (prova ser isso verdade Romana 10.4).

Romanos 6.14,15: ―Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça‖. Argumento: Perguntam os ASD: Se não estamos debaixo da lei, logo ficamos livres para

etc?‖.
etc?‖.

pecar: matar, roubar, adulterar

Resposta Apologética:

É certo que Paulo afirma que os cristãos não estão debaixo da lei (Gl 3.23-25, Gl 4.21

e

Cristo, ou Lei do Espírito ou sob os mandamentos de Cristo (I Cor 9.21,22; Gl 6.2, Rm 8.2, At 1.2), assim sendo sevos de Cristo (Rm 6.17; II Co 3.6-11).

5.18). Não quer dizer isso que podemos viver como anarquistas, pois estamos sob a Lei de

Romanos 7.12: ―E assim a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom‖. Argumento: Afirmam os AD: ―A Lei é santa, justa e boa, por que então não guardá-la? Desde que o Sábado está incluído nos dez mandamentos, deve ser observado‖.

Resposta Apologética:

Deve-se ter presente que Paulo havia dito que não estamos debaixo da lei (Rm 6.14)

e

livre da lei do marido (Rm 7.1-3). Muito embora tivesse o marido sido bom esposo para essa mulher, ela não está mais sujeita à lei do marido, porque ele está morto. Da mesma forma, o cristão morreu para o mundo e vive para a lei de Cristo ( I Cor 9.21-22), isto é, para aquele que por ele morreu e ressuscitou dentre os mortos (vrs.4) e não mais na caducidade da letra,

que mata ( II Co 3.6-14).

ilustra que uma mulher está ligada pela lei ao marido, enquanto ele vive. Se morrer, está

I Coríntios 7.19: ―A circuncisão é nada e a incircuncisão nada é, mas sim a observância dos mandamentos de Deus‖. Argumento: ―Paulo declara que o importante é a guarda dos dez mandamentos‖.

Refutação Apologética:

71

Os adventistas sempre vêem o que não existe nos textos bíblicos. Que prova podem

oferecer de que Paulo esteja se referindo ao decálogo? Nenhuma! Paulo mesmo se encarrega

de desmenti-los, pois em I Co 14.37 ele declara que o que escrevia eram mandamentos de

Deus, dados pelo próprio Senhor Jesus (I Ts 4.2). Quando a Bíblia, no NT, fala de mandamentos, temos que ter em mente a nova dispensação, pois por ela vivemos. Nessa

dispensação temos: 1) A Lei de Cristo (I Co 9.21); 2) Os Mandamentos do Senhor (At 1.2); 3)

A Lei do Espírito de Vida (Rm 8.2); 4) O Ministério do Espírito (II Co 3.6-14); 5) Os

Mandamentos de Deus dado a Paulo (I Co 14.37, 7.25) Tudo isso pode ser entendido como Lei de Cristo, Lei de Deus, Lei do Espírito, mas nunca ser confundido com a Velha dispensação.

mas nunca ser confundido com a Velha dispensação. Efésios 2.14,15 : ―Porque ele é a nossa

Efésios 2.14,15: ―Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derribando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças ‖ Argumento: Afirmam os ASD: ―O texto se refere à Lei cerimonial, pois ordenanças se encontram nessa lei‖.

Refutação Apologética:

É preciso ter presente que o texto em apreço fala de ―A Lei dos Mandamentos‖, que consistia em ordenanças. Ordenanças são leis e estatutos ou como diz o texto ―Lei dos Mandamentos‖ especialmente no que concerne aos dias de festa, luas novas e sábados (semanal), com suas solenidades específicas de comemoração.

I João 2.3,4: ―E nisto sabemos que o conhecemos: se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade‖. Argumento: ―quem não guarda o sábado, que está entre os mandamentos, é mentiroso‖.

Refutação Apologética:

Nada diz que na guarda dos mandamentos, no texto em apreço, esteja incluído o decálogo. É apenas especulação dos adventistas. Ponderemos no seguinte: a) nos vrs.1,2 João fala de Jesus e usa o pronome possessivo ―seus‖ o que revela tratar-se dos mandamentos de Jesus (At 1.2) e não do Decálogo; b) Jesus deu mandamentos aos seus seguidores, mas nunca mandou guardar o Sábado (Jo 14.15,21; 15.10; I Jo 2.3; 5.3); c) O caráter dos mandamentos

72

de Jesus é revelado nas seguintes passagens (I Jo 3.23; 4.21; II Jo 5; Mt 28.18-20); d) Paulo declarou todo o conselho de Deus (At 20.20,27) e disse que o que escrevia eram mandamentos de Deus (I Co 14.37), mas nunca mandou ninguém guardar o sábado, pelo contrário, afirmou que o sábado fazia parte das coisas temporárias da lei, que constituíam de sombras das coisas futuras (Cl 2.14-17; Gl 4.21-31) . Afirmou também que, guardar o sábado ou dias religiosos era decair da graça (Gl 4.10,11; 5.4); e) Os mandamentos de Jesus não eram pesados (I Jo 5.3), ao passo que os mandamentos da lei do Antigo Concerto o eram (At 15.10); f) Além disso os dez mandamentos falham em prescrever os princípios morais de caráter e atitude humanos: 1) mansidão (Sf.2.3; Sl 37.9-11); 2) Bondade e misericórdia (Mq 6.8); 3) pureza de coração (Sl 24.3); 4) Coração contrito (Sl 51.17). Os adventistas estão errados em admitir que sempre que se fala de mandamentos no NT o entendimento que se deva ter é que se refiram aos 10 mandamentos.

que se deva ter é que se refiram aos 10 mandamentos. I João 3.4: ―Qualquer que

I João 3.4: ―Qualquer que comete pecado, também comete iniqüidade; porque o pecado é iniqüidade‖. Argumento: ―O pecado é a transgressão dos dez mandamentos e é isso que constitui o pecado‖. Refutação Apologética:

Onde o texto diz que pecar é transgredir os dez mandamentos? O decálogo não foi dado a Adão, senão 2.500 anos depois no Monte Sinai (Dt 5.2-6). Pode-se afirmar que o pecado havia existido antes de ter sido dado o decálogo? Sim! Adão pecou (Rm 5.12); os anjos pecaram (II Pe 2.4); os sodomitas pecaram (Gn 19.13), a negligência em fazer o bem já é pecado (Tg 4.7); mas isso não seria violação do decálogo, pois disse Paulo: ―Porque onde não há lei (ou seja houve um período sem Lei) não há transgressão (da Lei)‖(Rm 4.15).

Apocalipse 12.17: ―E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao resto da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus‖. Argumento: ―O dragão é Roma Papal que vai fazer guerra à semente da mulher(A Igreja Adventista). Esta é a Igreja remanescente porque guarda os mandamentos de Deus, no caso específico o sábado (o selo de Deus) e tem o Espírito da Profecia na pessoa de E. G. White‖.

Refutação Apologética:

Diz o texto que são os dez mandamentos da lei? Não. Encontramos através de todo o NT outras citações de mandamentos, mas que não se referem aos dez mandamentos. Na nova

73

dispensação os mandamentos de Deus são os Mandamentos de Cristo (At 1.2) que estão na Lei de Cristo (I Co 9.21), Lei do Espírito (Rm 8.2), no ministério do Espírito (II Co 3.6-14), Nos ensinamentos de Paulo e dos demais apóstolos (I Co 14.31; Ef 2.20).

CONCLUSÃO

Este módulo possibilitou verificar as várias doutrinas da Igreja Adventista do Sétimo Dia e como refutá-las à luz da Palavra de Deus.

do Sétimo Dia e como refutá-las à luz da Palavra de Deus. O adventismo pretende se

O adventismo pretende se projetar na história do cristianismo como movimento profético cuja causa se encontra em uma profecia bíblica a respeito do tempo do fim. Ele reivindica para si mais do que um nome entre as demais denominações, pretende ser a Igreja Remanescente.

Sua origem se baseia em um erro profético sobre o retorno de Cristo que culminou no chamado Grande Desapontamento. A interpretação posterior deste fracasso deu origem à doutrina do Santuário Celestial.

As doutrinas distintivas adventistas nasceram de crassas distorções bíblicas e de má exegese por parte dos pioneiros adventistas legitimadas pelas visões da sra. Ellen G. White que se tornou bem cedo profetisa do movimento.

A IASD está tentando atualmente limpar o estigma de seita aproximando-se cada vez mais das igrejas evangélicas. Todavia, apesar desta abertura eles continuam obedecendo aos ensinos e visões de sua fundadora e profetiza que apregoava que era preciso levar a mensagem adventista aos ministros de outras denominações.

Todo esse exclusivismo juntamente com seus vários erros doutrinários faz da IASD uma das seitas pseudocrístãs mais perigosas para as igrejas evangélicas.

Sendo assim, o aluno deve refletir no perigo doutrinário que essa pseudo-igreja representa para o verdadeiro cristianismo.

BIBLIOGRAFIA

ARCHER, Gleison. Enciclopédia de dificuldades bíblicas. São Paulo: Ed. Vida, 1997.

74

CESARÉIA, Eusébio de. História Eclesiástica. Rio de Janeiro RJ: Ed. CPAD, 1999.

CHRISTIANINI, Arnaldo.B. Subtilezas do erro. 1.ª Ed. Sto André-SP: Casa Publicadora,

1965.

Curso Bíblico. O ensino de Cristo. Rio de Janeiro: Ed. Graça, 1985. DICK, E. Fundadores da mensagem. Tatuí, SP: Ed. Casa Publicadora. Estudos Bíblicos. Tatuí SP: Casa Publicadora, 1979. GEISLER, Norman; RHODES. Respostas às seitas. Rio de Janeiro RJ: Ed. CPAD, 2001. LINDASAY, Gordon. Fatos sobre o sétimo dia. Rio de Janeiro: Ed. Graça, 1995. Revista Adventista, fevereiro de 1984; Ed. Casa Publicadora; Tatuí SP. SALTRON, Jeanini. Sonhos e visões Vol. 1. Série Apologética Vol. III, Editora ICP, 2000, São Paulo. SOARES, R.R. Os profetas das grandes religiões. Rio de Janeiro, Ed. da Graça, 1989. White E.G. Primeiros escritos. Tatuí SP: Ed. Casa Publicadora, 1995. White EG. O conflito dos séculos. Santo André SP: Ed. Casa Publicadora, 1935. White E.G. O grande conflito. Santo André SP: Ed. Casa Publicadora, 1981. White E.G. O grande conflito. (edição condensada). Tatuí SP: Ed. Casa Publicadora, 1992. White E.G. Mensagens escolhidas. Tatuí SP: Ed. Casa Publicadora, Vol I, 2001. White E.G. Mensagens escolhidas. Santo André- SP: Ed. Casa Publicadora, Vol.II, 1985. White E.G. O testemunho de Jesus. Tatuí SP: Casa Publicadora, 1992. White EG. Testemunhos seletos. Tatuí SP: Ed. Casa Publicadora, Vol. II, 1956. White E.G. Testemunhos seletos. Tatuí SP: Ed. Casa Publicadora, Vol. III, 1956. White E.G. O futuro decifrado. 32º Ed. Ed. Itaquaquecetuba SP: Ed. Verdade Presente. White E.G. O desejado de todas as nações. 37a Ed. Tatuí SP: Ed. Casa Publicadora.

nações. 37 a Ed. Tatuí – SP: Ed. Casa Publicadora. Versões Bíblicas A Bíblia em CD

Versões Bíblicas A Bíblia em CD ROM, 2000. Bíblia Pentecostal, CPAD, 1995. Bíblia Anotada, Ed. Mundo Cristão, 1995. Bíblia Vida Nova, 1990; Bíblia de Scofield, Publicações Espanhola, 1986;

75

75