Vous êtes sur la page 1sur 133
QUÍMICA GERAL Ligações Químicas

QUÍMICA GERAL

Ligações Químicas

Ligação química: a festa dos átomos!

Ligação química: a festa dos átomos!
Ligação química: a festa dos átomos!
Ligação química: a festa dos átomos!
Ligação covalente Ligação iônica H H 2 O (Gelo) 2 O NaCl Ligação metálica Sódio
Ligação covalente
Ligação iônica
H
H 2 O (Gelo)
2 O
NaCl
Ligação metálica
Sódio metálico
4

Natureza das ligações

Iônicas

Elevadas Afinidades Eletrônicas
Elevadas Afinidades
Eletrônicas
Natureza das ligações Iônicas Elevadas Afinidades Eletrônicas Baixas Energias de Ionização 5

Baixas Energias

de Ionização

Natureza das ligações

Covalentes

Moléculas

Natureza das ligações Covalentes Moléculas Átomos livres estáveis Sólidos com rede extensa de átomos Ligações

Átomos livres

estáveis

Sólidos com rede

extensa de átomos Ligações Metálicas
extensa de átomos
Ligações Metálicas

Elétrons de valência

Covalentes

Camada de valência

Elétrons de valência Covalentes Camada de valência 1 8 Ar: 1s 2 2s 2 2p 6

18 Ar: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6

1 8 Ar: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 Elétrons internos 1

Elétrons internos

1 H: 1s 1

7 N: 1s 2 2s 2 2p 3

17 Cl: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5

Ligação Iônica 88
Ligação Iônica 88

Ligação Iônica

Elétrons de valência

Determinando o número de elétrons de valência

Elétrons de valência Determinando o número de elétrons de valência 9

Elétrons de valência

Estruturas de Lewis

Elétrons de valência Estruturas de Lewis 10
Elétrons de valência Estruturas de Lewis 10

Elétrons de valência

Estruturas de Lewis - ÍONS

Elétrons de valência Estruturas de Lewis - ÍONS 11

Elétrons de valência

Estruturas de Lewis - ÍONS

Átomo

Config.

Íon

Gás nobre

Elétrons de valência Estruturas de Lewis - ÍONS Átomo Config. Íon Gás nobre 12

Teoria de Lewis (ligação química)

Regra do octeto

+
+
Teoria de Lewis (ligação química) Regra do octeto + 13

Teoria de Lewis (ligação química)

Prevendo fórmulas iônicas

Teoria de Lewis (ligação química) Prevendo fórmulas iônicas Li 2 O 14
Teoria de Lewis (ligação química) Prevendo fórmulas iônicas Li 2 O 14

Li 2 O

Teoria de Lewis (ligação química)

Prevendo fórmulas iônicas

Qual o composto que se forma entre o cálcio e cloro?

Ca

∙ Cl ∙ ∙
Cl ∙

Ca

Ca 2+

CaCl 2

Cl

∙ Cl ∙ ∙ Ca ∙ ∙ Ca 2 + CaCl 2 ∙ Cl ∙ ∙

Cl

∙ Cl ∙ ∙ Ca ∙ ∙ Ca 2 + CaCl 2 ∙ Cl ∙ ∙

15

Teoria de Lewis (ligação química)

Prevendo fórmulas iônicas

Qual o composto que se forma entre um metal que tem dois elétrons de valência e um não metal que tem cinco elétrons de valência?

de valência e um não metal que tem cinco elétrons de valência? M 3 X 2
de valência e um não metal que tem cinco elétrons de valência? M 3 X 2

M 3 X 2

16

Energia de rede

Energia de rede 17

Energia de rede

Ciclo de Born-Haber

18
18

Tendências da energia de rede

Tamanho do íon

A força de atração entre as cargas é inversamente proporcional à distância entre elas

Íons maiores indicam que o centro da carga positiva (núcleo do

cátion) está mais afastado das cargas ngativas (elétrons do

ânion) os íon estão mais fortemente atraídos

Maiores íons = atração mais fraca

Menor atração = menor energia de rede

Tendências da energia de rede

Tamanho do íon

Tendências da energia de rede Tamanho do íon 20

Tendências da energia de rede

Tamanho do íon

Tendências da energia de rede Tamanho do íon 21
Tendências da energia de rede Tamanho do íon 21

Tendências da energia de rede

Tamanho do íon

Sal (cloreto

Energia de rede (kJ.mol -1 )

do metal)

LiCl

-834

NaCl

-787

KCl

-707

CsCl

-657

Energia de rede (kJ.mol - 1 ) do metal) LiCl -834 NaCl -787 KCl -707 CsCl

22

Tendências da energia de rede

Carga do íon

A força de atração entre as cargas é diretamente proporcional

ao produto das cargas

Cargas maiores indicam que os íon estão mais fortemente atraídos

Maiores cargas = atração mais forte

Maior atração = maior energia de rede

mais forte  Maior atração = maior energia de rede E n e r g i

Energia de rede = 910 kJ/mol

E n e r g i a d e r e d e = − 9

Energia de rede= 3414 kJ/mol

Tendências da energia de rede

Carga do íon

fator carga >> fator tamanho

Propriedades dos compostos iônicos

Fusão de um sólido iônico

Íons podem se Íons estão em posição fixa mover
Íons podem se
Íons estão em
posição fixa
mover

Propriedades dos compostos iônicos

Quais composto apresenta o maior ponto de fusão?

• •

KBr KBr (734 ºC)

CaCl CaCl

2 2

(772 ºC)

MgF MgF

2 2

(1261 ºC)

Propriedades dos compostos iônicos

Quebradiços

Propriedades dos compostos iônicos Quebradiços + - + + - + + - + + -
+ - + + - + + - + + - + + + -
+
- +
+
- +
+
- +
+
- +
+
+
- -
- -
- +
+
- +
+
-
- +
+
+
-
-
- -
- +
-
+
-
+ +
-
-
+
-
+
-
+
-
+ +
-
-
+
-

Propriedades dos compostos iônicos

Condutividade em meio aquoso

Propriedades dos compostos iônicos Condutividade em meio aquoso 28

Propriedades dos compostos iônicos

Líquidos iônicos

Supersolvente!

Propriedades dos compostos iônicos Líquidos iônicos Supersolvente! Nitrato de n-butilpiridina 29

Nitrato de n-butilpiridina

Propriedades dos compostos iônicos

Íons dos metais de transição (em meio aquoso)

Propriedades dos compostos iônicos Íons dos metais de transição (em meio aquoso) 30

Propriedades dos compostos iônicos

Usos medicinais

FÓRMULA

NOME

USO MÉDICO

BaSO 4

Sulfato de bário

Contraste de imagens em radiografia

KMnO 4

Permanganato de potássio

Tratamento de infecções causadas por fungos

KI

Iodeto de potássio

Antiséptico

Li

2 CO 3

Carbonato de lítio

Tratamento de desordens bipolares

Mg(OH) 2

Hidróxido de magnésio

Antiácido e laxante

NaF

Fluoreto de sódio

Fortalecimento dos dentes

ZnO

Óxido de zinco

Proteção contra raios ultravioleta

Ligação Covalente 32
Ligação Covalente 32

Ligação Covalente

Ligações iônicas X ligações covalentes

COMPOSTOS IÔNICOS

COMPOSTOS COVALENTES

Sólidos com pontos de fusão elevados

Gases, líquidos ou sólidos com pontos de

fusão baixos

Geralmente solúveis em soluções polares, como na água

Geralmente insolúveis em soluções polares

A maioria é insolúvel em solventes apolares, como no hexano e CCl 4

A maioria é solúvel em solventes apolares, como no hexano e CCl 4

Quando fundidos são bons condutores de eletricidades

Quando líquidos ou fundidos não são bons condutores de eletricidade

Solução aquosa conduz eletricidade

Em solução aquosa são geralmente

condutores fracos de eletricidade

Geralmente formados por dois ou mais

Geralmente formados por dois ou mais

elementos com eletronegatividades bastante distintas

elementos com eletronegatividades similares

33

Ligações Covalentes

Natureza da ligação

Ligações Covalentes Natureza da ligação 34
Ligações Covalentes Natureza da ligação 34

Ligações Covalentes

Natureza da ligação

Ligações Covalentes Natureza da ligação 35
Ligações Covalentes Natureza da ligação 35

Ligações Covalentes

Natureza da ligação

Moléculas

Ligações Covalentes Natureza da ligação Moléculas Átomos livres estáveis Sólidos com rede extensa de átomos

Átomos livres estáveis

Sólidos com rede

extensa de átomos Ligações Metálicas
extensa de átomos
Ligações Metálicas

Ligações Covalentes

Natureza da ligação

Ligações Covalentes Natureza da ligação 37

Ligações Covalentes

Natureza da ligação

Ligações Covalentes Natureza da ligação 38
Ligações Covalentes Natureza da ligação 38
Ligações Covalentes Natureza da ligação 38

38

Ligações Covalentes

Natureza da ligação

Ligações Covalentes Natureza da ligação CCl 4 CHI 3 (Ponto de fusão: 120 o C) 39

CCl

4

Ligações Covalentes Natureza da ligação CCl 4 CHI 3 (Ponto de fusão: 120 o C) 39

CHI 3

(Ponto de fusão: 120 o C)

Ligações Covalentes

Fórmulas de Lewis - ESTRATÉGIA

I.

Prever a disposição

II.

Determinar o número total de elétrons na molécula

III.

Determinar o número total de elétrons necessários para completar o octeto

IV.

Determinar o número total de elétrons compartilhados

V.

Distribuir os elétrons

VI.

Determinar o número total de elétrons não-compartilhados

Ligações Covalentes

Estruturas de ressonância

Ligações Covalentes Estruturas de ressonância 41

Ligações Covalentes

Estruturas de ressonância

Ligações Covalentes Estruturas de ressonância 42

Ligações Covalentes

Estruturas de ressonância

Ligações Covalentes Estruturas de ressonância 43
Ligações Covalentes Estruturas de ressonância 43
Ligações Covalentes Estruturas de ressonância 43
Ligações Covalentes Estruturas de ressonância 43

Ligações Covalentes

Estruturas de ressonância

Ligações Covalentes Estruturas de ressonância 44
Ligações Covalentes Estruturas de ressonância 44
Ligações Covalentes Estruturas de ressonância 44

Ligações Covalentes

Estruturas de ressonância

Ligações Covalentes Estruturas de ressonância 45

Ligações Covalentes

Carga Formal

Ligações Covalentes Carga Formal V : número de elétrons na camada de valência L : número

V: número de elétrons na camada de valência L: número de elétrons não-compartilhados S: número de elétrons compartilhados

Para moléculas neutras: ∑CF = 0

Para moléculas neutras: ∑CF = 0

CF < 0 → associada ao átomo mais eletronegativo

Nneutras: ∑CF = 0 Para moléculas neutras: ∑CF = 0 CF < 0 → associada ao

neutras: ∑CF = 0 Para moléculas neutras: ∑CF = 0 CF < 0 → associada ao

Ligações Covalentes

Carga Formal

V: número de elétrons na camada de valência L: número de elétrons não-compartilhados S: número de elétrons compartilhados

Para moléculas neutras: ∑CF = 0

Para moléculas neutras: ∑CF = 0

CF < 0 → associada ao átomo mais eletronegativo

neutras: ∑CF = 0 Para moléculas neutras: ∑CF = 0 CF < 0 → associada ao

Ligações Covalentes

Carga Formal

V: número de elétrons na camada de valência L: número de elétrons não-compartilhados S: número de elétrons compartilhados

Para moléculas neutras: ∑CF = 0

Para moléculas neutras: ∑CF = 0

CF < 0 → associada ao átomo mais eletronegativo

0 0 -1 -1 0 0
0
0
-1
-1
0
0

Ligações Covalentes

Carga Formal

Ligações Covalentes Carga Formal 49

Regra do Octeto

LIMITAÇÕES

Número ímpar de elétrons

Compostos deficientes de elétrons

Expansão do octeto

Exceções à regra do Octeto

Número ímpar de elétrons | Radicais livres

Moléculas como NO e NO 2 têm um número ímpar de elétrons.

Exceções à regra do Octeto

Número ímpar de elétrons | Radicais livres

Moléculas como NO e NO 2 têm um número ímpar de elétrons.

N O
N
O
N O
N
O

Exceções à regra do Octeto

Deficiência de elétrons

Algumas espécies são estáveis com o octeto incompleto

Exemplo mais típico: BF 3

Exceções à regra do Octeto

Deficiência de elétrons

Exceções à regra do Octeto Deficiência de elétrons Composto iônico(?), sólido cristalino Ponto de fusão =

Composto iônico(?), sólido cristalino Ponto de fusão = 192 o C (!)

2AlCl 3 Al 2 Cl 6

iônico(?), sólido cristalino Ponto de fusão = 192 o C (!) 2AlCl 3 ↓ Al 2

Pontes de Cl

54

Exceções à regra do Octeto

Expansão do Octeto

Elementos onde n≥ 3, com orbitais d vazios, com energias próximas

Ex: PF 5

regra do Octeto Expansão do Octeto Elementos onde n≥ 3 , com orbitais d vazios, com

Exceções à regra do Octeto

Expansão do Octeto

Exceções à regra do Octeto Expansão do Octeto 56
Exceções à regra do Octeto Expansão do Octeto 56

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Energia de ligação

Ligações Covalentes | Propriedades gerais Energia de ligação 57
Ligações Covalentes | Propriedades gerais Energia de ligação 57

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Energia de ligação

Ligações Covalentes | Propriedades gerais Energia de ligação 58
Ligações Covalentes | Propriedades gerais Energia de ligação 58

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Energia de ligação

Ligações Covalentes | Propriedades gerais Energia de ligação 59

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Comprimento de ligação

Ligações Covalentes | Propriedades gerais Comprimento de ligação 60

60

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Comprimento de ligação

Molécula

Comprimento de ligação / ː

Energia de ligação / kJ.mol - 1

Comprimento de ligação M o l é c u l a Comprimento de ligação / ː

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Comprimento de ligação

Ligação

Molécula

Comprimento de ligação / ː

| Propriedades gerais Comprimento de ligação Ligação M o l é c u l a Comprimento

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Ordem de ligação

Ligação

Molécula

Comprimento de ligação

/ ː

Energia de ligação / kJ.mol - 1

gerais Ordem de ligação Ligação Molécula Comprimento de ligação / ː Energia de ligação / kJ.mol

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Ordem de ligação

Comprimento de ligação / ː

Ligações Covalentes | Propriedades gerais Ordem de ligação Comprimento de ligação / ː 64

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Polaridade das ligações

ou
ou

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Polaridade das ligações

Ligações Covalentes | Propriedades gerais Polaridade das ligações 66

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Polaridade das ligações

Ligações Covalentes | Propriedades gerais Polaridade das ligações 67
Ligações Covalentes | Propriedades gerais Polaridade das ligações 67

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Polaridade das ligações

Ligações Covalentes | Propriedades gerais Polaridade das ligações 68

Ligações Covalentes | Propriedades gerais

Polaridade das ligações

Caráter iônico (%)
Caráter iônico (%)

Diferença de eletronegatividade

Ligação Covalente

Forma espacial das moléculas

Ligação Covalente Forma espacial das moléculas 7070
Ligação Covalente Forma espacial das moléculas 7070
Ligação Covalente Forma espacial das moléculas 7070

7070

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

VSEPR

1. Elétrons na camada de valência repelem uns aos outros;

2. A geometria em torno do átomo central será aquela onde a repulsão seja minimizada;

3. Se uma molécula apresentar duas ou mais estruturas de

ressonância, o modelo VSEPR pode ser aplicado a qualquer

uma;

4. Em havendo mais de um átomo central, deve-se considerar as

ligações em torno de cada um desses átomos de forma

independente.

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

VSEPR

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência VSEPR Trifenilfosfina, (C 6 H 5 )

Trifenilfosfina, (C 6 H 5 ) 3 P

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

VSEPR

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência VSEPR 73

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Moléculas com pares de elétrons não-compartilhados

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência Moléculas com pares de elétrons não-compartilhados 74

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Geometrias eletrônicas e moleculares

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência Geometrias eletrônicas e moleculares 75

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Geometrias eletrônicas e moleculares

76
76

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Geometrias eletrônicas e moleculares

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência Geometrias eletrônicas e moleculares 77

77

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Geometrias eletrônicas e moleculares

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência Geometrias eletrônicas e moleculares 78

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Efeito dos elétrons NÃO-LIGANTES

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência Efeito dos elétrons NÃO-LIGANTES 79

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Efeito dos elétrons NÃO-LIGANTES

H

C H H
C
H
H

H

O
109.5

N H H H O 107
N
H
H
H
O
107
O H H O 104.5
O
H
H
O
104.5

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Efeito das LIGAÇÕES MÚLTIPLAS

Cl

C
C

O

o
111.4

Cl

o
124.3

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Polaridade

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência Polaridade 82

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Polaridade

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência Polaridade 83

Repulsão dos Pares de Elétrons da Camada de Valência

Polaridade SOLUBILIDADE ETC.

Ligação Covalente

Teoria da Ligação de Valência

Ligação Covalente Teoria da Ligação de Valência 8585
8585
8585

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Superposição dos orbitais

Teoria da Ligação de Valência (TLV) Superposição dos orbitais 86
Teoria da Ligação de Valência (TLV) Superposição dos orbitais 86

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Superposição dos orbitais

Teoria da Ligação de Valência (TLV) Superposição dos orbitais 87
Teoria da Ligação de Valência (TLV) Superposição dos orbitais 87
Teoria da Ligação de Valência (TLV) Superposição dos orbitais 87

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Orbitais Híbridos

sp 3

Teoria da Ligação de Valência (TLV) Orbitais Híbridos sp 3 88

88

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Orbitais Híbridos

sp 3

Teoria da Ligação de Valência (TLV) Orbitais Híbridos sp 3 89

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Orbitais Híbridos

sp 2

Teoria da Ligação de Valência (TLV) Orbitais Híbridos sp 2 90

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Orbitais Híbridos

sp 2

BF 3 BCl 3 SO 2
BF 3
BCl 3
SO 2

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Orbitais Híbridos

sp

Teoria da Ligação de Valência (TLV) Orbitais Híbridos sp 92
Teoria da Ligação de Valência (TLV) Orbitais Híbridos sp 92
Teoria da Ligação de Valência (TLV) Orbitais Híbridos sp 92
Teoria da Ligação de Valência (TLV) Orbitais Híbridos sp 92
Teoria da Ligação de Valência (TLV) Orbitais Híbridos sp 92

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Orbitais Híbridos

sp

Teoria da Ligação de Valência (TLV) Orbitais Híbridos sp 93

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Ligações múltiplas

Teoria da Ligação de Valência (TLV) Ligações múltiplas 94
Teoria da Ligação de Valência (TLV) Ligações múltiplas 94

94

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Ligações múltiplas

Teoria da Ligação de Valência (TLV) Ligações múltiplas 95

Teoria da Ligação de Valência (TLV)

Ligações múltiplas (C 2 H 2 )

sp

Teoria da Ligação de Valência (TLV) Ligações múltiplas (C 2 H 2 ) sp 96
Teoria da Ligação de Valência (TLV) Ligações múltiplas (C 2 H 2 ) sp 96
Teoria da Ligação de Valência (TLV) Ligações múltiplas (C 2 H 2 ) sp 96

Ligação Covalente

Teoria do Orbital Molecular

Ligação Covalente Teoria do Orbital Molecular 9797

9797

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Limitação da TLV

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Limitação da TLV ? ? Espécies com número ímpar de elétrons
?
?
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Limitação da TLV ? ? Espécies com número ímpar de elétrons
?
?
Espécies com número ímpar de elétrons
Espécies com número ímpar de elétrons

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Orbitais Moleculares (OMs)

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Orbitais Moleculares ( OMs ) 99

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Combinação de orbitais atômicos (OAs)

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Combinação de orbitais atômicos ( OAs ) 100

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Combinação de orbitais atômicos (OAs)

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Combinação de orbitais atômicos ( OAs ) 101

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Combinação de orbitais atômicos (OAs)

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Combinação de orbitais atômicos ( OAs ) 102
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Combinação de orbitais atômicos ( OAs ) 102

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

“Regras” para a formação de Orbitais Moleculares (OMs)

1. O número de Orbitais Moleculares (OM) que se formam é sempre igual ao número de Orbitais Atômicos (OA) que se combinam

2. O orbital molecular ligante (OML) tem energia mais baixa que os orbitais atômicos iniciais; o orbital molecular antiligante (OMAL)

tem energia mais alta

3. Cada OM pode acomadar no máximo 2 elétrons

4. Os elétrons na molécula ocupam sucessivamente os orbitais de energia crescente (princípio de Pauli e regra de Hund)

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Combinação de orbitais atômicos (OAs)

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Combinação de orbitais atômicos ( OAs ) 104

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Combinação de orbitais atômicos (OAs)

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Combinação de orbitais atômicos ( OAs ) 105

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Combinação de orbitais atômicos (OAs)

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Combinação de orbitais atômicos ( OAs ) 106

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Diagramas de Energia | Molécula de hidrogênio

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Molécula de hidrogênio 107

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Diagramas de Energia | Comparação H e He

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Comparação H e He 108

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Diagramas de Energia | Li 2

E

3 Li: 1s 2 2s 1

s * 4   2s 2s 
s
*
4
2s
2s

s 3  *  s 2  2s 2s  s 1 Li Li
s 3

*

s 2

2s
2s

s 1
Li
Li

Li 2

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Diagramas de Energia | orbitais s e p

E

np
np
* s 4 * p 3 * p 4 p 1 p 2 s 3
*
s 4
*
p 3 *
p 4
p 1 p 2
s 3

? A: ns 2 np 4

| orbitais s e p E np * s 4 * p 3 * p 4

np

* s 2 ns ns s 1 A A
*
s 2
ns
ns
s 1
A
A

A 2

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Diagramas de Energia | Molécula do oxigênio

E

  2p

2p
s * 4   * p 3 * p 4    
s
*
4
*
p 3 *
p 4



p 1 p 2

s
3

8 O:[He] 2s 2 2p 4

 

2p

 *  s 2  2s 2s  s 1 O O

*

s 2

2s
2s

s 1
O
O

O 2

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Diagramas de Energia | Moléculas poliatômicas 112

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Ligações metálicas

“Nuvem” de elétrons

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Ligações metálicas “Nuvem” de elétrons 113

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Ligações metálicas | Teoria das Bandas

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Ligações metálicas | Teoria das Bandas Condutividade elétrica 114
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Ligações metálicas | Teoria das Bandas Condutividade elétrica 114

Condutividade elétrica

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Ligações metálicas | Teoria das Bandas

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Ligações metálicas | Teoria das Bandas 115

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Ligações metálicas | Teoria das Bandas

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Ligações metálicas | Teoria das Bandas 116

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Ligações metálicas | Teoria das Bandas

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Ligações metálicas | Teoria das Bandas 117

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores 118

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores 119

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores

ELEMENTO

LACUNA ENTRE BANDAS (kJ.mol -1 )

TIPO DE MATERIAL

C (diamante)

520

Isolante

Si (estrutura de diamante)

107

Semicondutor

Ge (estrutura de diamante)

65

Semicondutor

Sn(estrutura de diamante)

8

Semicondutor

Sn

0

Condutor (metal)

Pb

0

Condutor (metal)

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores 121
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores 121

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores 122
Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores 122

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores 123

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores | Aplicações | Diodos

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores | Aplicações | Diodos 124

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores | Aplicações | Diodos

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores | Aplicações | Diodos 125

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores | Aplicações

LEDs

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores | Aplicações LEDs 126

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores | Aplicações

LEDs 127
LEDs
127

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores | Aplicações

LEDs

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores | Aplicações LEDs 128

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores | Aplicações LEDs

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores | Aplicações LEDs 129

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores | Aplicações

Células fotovoltáicas

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores | Aplicações Células fotovoltáicas 130

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores | Aplicações

Células fotovoltáicas

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores | Aplicações Células fotovoltáicas 131

Teoria do Orbital Molecular (TOM)

Semicondutores | Aplicações

Células fotovoltáicas

Teoria do Orbital Molecular (TOM) Semicondutores | Aplicações Células fotovoltáicas 132