Vous êtes sur la page 1sur 1
39º CONGRESSO DA SOCIEDADE DE ZOOLÓGICOS E AQUÁRIOS DO BRASIL 12 a 15 de Março
39º CONGRESSO DA SOCIEDADE DE ZOOLÓGICOS E AQUÁRIOS DO BRASIL
12 a 15 de Março de 2015
ZOOLÓGICOS E AQUÁRIOS DO BRASIL 12 a 15 de Março de 2015 IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA DE

IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA DE NUTRIÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NO ZOO SAFARI DE SÃO PAULO

DE NUTRIÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NO ZOO SAFARI DE SÃO PAULO Gabriel R. Werneck ¹, Lucas

Gabriel R. Werneck ¹, Lucas A. Carneiro ², Tatiane B. Moreno 3

¹ Zootecnista, mestrando em nutrição e produção de não-ruminantes e animais de companhia na Universidade Federal do Paraná. Curitiba-PR. E-mail: gabrielwerneck@zootecnista.com.br ¹ Aprimorando Profissional em Nutrição e Manejo Alimentar de animais silvestres na Fundação Parque Zoológico de São Paulo. ² Zootecnista, Zoológico Pomerode - Pomerode-SC. 3 Graduanda em Zootecnia na Universidade Federal do Paraná, Departamento de Zootecnia - Curitiba-PR.

INTRODUÇÃO

Embora o campo da nutrição de animais silvestres

tenha progredido consideravelmente na última década, a importância de fornecer e atender as necessidades fisiológicas, psicológicas e nutricionais, é um ponto fundamental para a criação e manutenção dos animais sob os cuidados humanos (1). No entanto, a nutrição em zoológicos não deve limitar-se apenas na lista de ingredientes da dieta formulada, pois isso não garante o consumo real (ingestão) e o aporte nutricional (2). Um programa de nutrição em zoológicos apoia programas de reprodução, conservação, medicina preventiva e reintrodução de espécies, pois através de uma nutrição adequada é possível prevenir enfermidades, mortalidades e proporcionar maior bem estar animal (1). Sendo assim, a relevância do manejo alimentar associado com os registros de consumo das

dietas e o retorno dessa informação para o nutricionista

avaliar a situação, é um grande passo para a implantação e o sucesso do programa de nutrição em zoológicos.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

De acordo com os resultados obtidos 37,5% está relacionado com a necessidade de reformulação da dieta, 18,75% referente ao manejo alimentar e 43,75% relacionado à necessidade de capacitação dos tratadores (Gráfico 1).

à necessidade de capacitação dos tratadores (Gráfico 1). CONCLUSÃO Com base nos resultados realizaram-se atividades

CONCLUSÃO

Com base nos resultados realizaram-se atividades de capacitação dos tratadores a campo, esclarecendo as dúvidas quanto a forma correta do manejo alimentar, respeitando a fisiologia e o comportamento dos animais. Conclui-se que após as atividades, foi possível solucionar e balancear as dietas, conscientizar os tratadores a fim de padronizar o manejo alimentar, otimizar os consumos, reduzir perdas e custos. Como estratégia de continuidade para facilitar o manejo, foi elaborado um protocolo de manejo alimentar, o qual foi fixado em cada setor com horários e quantidades de alimentos a serem oferecidos para cada espécie.

OBJETIVO

Implantar um programa de nutrição em zoológicos, através da avaliação do manejo nutricional em relação aos fatores que influenciam no consumo real (ingestão) das dietas oferecidas aos animais do Zoo Safari de São Paulo.

MATERIAL E MÉTODOS

Após as formulações de cada dieta e o preparo das mesmas, foi realizado por um período de 2 meses o acompanhamento do manejo alimentar executado pelos tratadores e a pesagem das sobras das dietas de 252 animais de 31 espécies no Zoo Safari.

Nesse acompanhamento, no mínimo de 15 dias por

espécie, foram levantados os fatores que poderiam influenciar no consumo real da dieta. Esses fatores foram condensados em três classes, de acordo com as sugestões técnicas para melhorias: reformulação da dieta (devido há transferências de animais, óbito, maior necessidade energética), mudança no manejo alimentar (forma de apresentação do alimento, quantidade e horário de alimentação) e capacitação dos tratadores (biologia, hábitos alimentares, comportamentos em vida livre, etc).

REFERÊNCIAS

1EDUARDO V. VALDES, 2001. Libro de dietas para aves en cautividad. Programas de nutrición para parques zoológicos. p.57-66. 2WERNECK, G.R, 2013. Nutrição de psitaciformes em zoológicos exigências e atendimento e relatório de vivência prática no bioparque Temaikèn Argentina. Monografia de conclusão do curso de Zootecnia - Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR. 3DOCUMENTO GENERAL. Servicio Agrícola y Ganadeiro SAG. Gobierno de Chile. Critérios Técnicos para la Mantención y Manejo de Fauna Silvestre en Cautiverio. Pág. 1 de 100.

Gobierno de Chile. Critérios Técnicos para la Mantención y Manejo de Fauna Silvestre en Cautiverio. Pág.
Gobierno de Chile. Critérios Técnicos para la Mantención y Manejo de Fauna Silvestre en Cautiverio. Pág.
Gobierno de Chile. Critérios Técnicos para la Mantención y Manejo de Fauna Silvestre en Cautiverio. Pág.
Gobierno de Chile. Critérios Técnicos para la Mantención y Manejo de Fauna Silvestre en Cautiverio. Pág.