Vous êtes sur la page 1sur 12

EMENTA: LIBERDADE DE INFORMAÇÃO.

DIREITO
DE CRÍTICA. PRERROGATIVA POLÍTICO-JURÍDICA
DE ÍNDOLE CONSTITUCIONAL. MATÉRIA
JORNALÍSTICA QUE EXPÕE FATOS E VEICULA
OPINIÃO EM TOM DE CRÍTICA. CIRCUNSTÂNCIA
QUE EXCLUI O INTUITO DE OFENDER. AS
EXCLUDENTES ANÍMICAS COMO FATOR DE
DESCARACTERIZAÇÃO DO “ANIMUS INJURIANDI
VEL DIFFAMANDI”. AUSÊNCIA DE ILICITUDE NO
COMPORTAMENTO DO PROFISSIONAL DE
IMPRENSA. INOCORRÊNCIA DE ABUSO DA
LIBERDADE DE MANIFESTAÇÃO DO PENSAMENTO.
CARACTERIZAÇÃO, NA ESPÉCIE, DO REGULAR
EXERCÍCIO DO DIREITO DE INFORMAÇÃO. O
DIREITO DE CRÍTICA, QUANDO MOTIVADO POR
RAZÕES DE INTERESSE COLETIVO, NÃO SE
REDUZ, EM SUA EXPRESSÃO CONCRETA, À
DIMENSÃO DO ABUSO DA LIBERDADE DE
IMPRENSA. A QUESTÃO DA LIBERDADE DE
INFORMAÇÃO (E DO DIREITO DE CRÍTICA NELA
FUNDADO) EM FACE DAS FIGURAS PÚBLICAS OU
NOTÓRIAS. JURISPRUDÊNCIA. DOUTRINA.
JORNALISTA QUE FOI CONDENADO AO PAGAMENTO
DE INDENIZAÇÃO CIVIL POR DANOS MORAIS.
INSUBSISTÊNCIA, NO CASO, DESSA CONDENAÇÃO
CIVIL. IMPROCEDÊNCIA DA “AÇÃO
INDENIZATÓRIA”. CONVERSÃO DO AGRAVO DE
INSTRUMENTO EM RECURSO EXTRAORDINÁRIO,
QUE, PARCIALMENTE CONHECIDO, É, NESSA
PARTE, PROVIDO.

DECISÃO: O recurso extraordinário - a que se refere o


presente agravo de instrumento - foi interposto contra acórdão, que,
confirmado, em sede de embargos de declaração (fls. 479/483), pelo
E. Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, está assim
ementado (fls. 457):

“APELAÇÃO CÍVEL – AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS


MORAIS – PRELIMINAR DE CERCEAMENTO DE DEFESA AFASTADA –
CONJUNTO PROBATÓRIO CONCLUSIVO – OPOSIÇÃO DA EXCEÇÃO DA
VERDADE – AUSÊNCIA DE OFERTA DO ROL DE TESTEMUNHAS QUANDO
DA APRESENTAÇÃO DA CONTESTAÇÃO – MATÉRIA PRECLUSA –
MÉRITO – PUBLICAÇÃO DE NOTÍCIA COM INFORMAÇÕES LESIVAS À
CONDUTA E À HONRA DO AUTOR – LESÃO À IMAGEM CARACTERIZADA –
DEVER DE REPARAR INCONTROVERSO – REQUISITOS DO ART. 186 DO
CÓDIGO CIVIL PREENCHIDOS – SENTENÇA MANTIDA – RECURSO
DESPROVIDO.
A Constituição Federal assegura que ‘é livre a
expressão da atividade intelectual, artística, científica e
de comunicação, independentemente de censura ou licença’
(art. 5º, IX); entretanto, toda matéria deve ser publicada
com compromisso e delimitação na responsabilidade, a qual
vai ser imputada diante de condutas que extrapolem limites,
prejudicando terceiros, consoante expressamente autorizado
pela Constituição Federal, em seu art. 5°, X: ‘são
invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a
imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo
dano material ou moral decorrente de sua violação’.
Todavia, ultrapassados os limites de informação ao
interesse público, a Lei de Imprensa, em seu art. 49,
obriga a reparação de danos morais àquele que, no exercício
da liberdade de manifestação de pensamento e informação,
com dolo ou culpa, viola direito ou causa prejuízo a
alguém.”

A parte ora agravante, ao deduzir o apelo extremo em


questão, sustenta que o Tribunal “a quo” teria transgredido os
preceitos inscritos no art. 5º, incisos IV, IX, e LV, e no art. 220,
§ 1º, todos da Constituição da República.

Cumpre ressaltar, inicialmente, que a suposta ofensa ao


princípio inscrito no art. 5º, LV, do texto constitucional, caso
existente, apresentar-se-ia por via reflexa, eis que a sua
constatação reclamaria - para que se configurasse - a formulação de
juízo prévio de legalidade, fundado na vulneração e infringência de
dispositivos de ordem meramente legal. Não se tratando de conflito
direto e frontal com o texto da Constituição, como exigido pela
jurisprudência da Corte (RTJ 120/912, Rel. Min. SYDNEY SANCHES –
RTJ 132/455, Rel. Min. CELSO DE MELLO), torna-se inviável, quanto a
tal alegação, a cognoscibilidade do recurso extraordinário em
referência.

De outro lado, no entanto, e no que concerne às demais


alegações de transgressão ao ordenamento constitucional, impõe-se,
quanto a elas, o conhecimento do apelo extremo em questão, eis que,
além de configurado o prequestionamento explícito dos temas
constitucionais nele versados, resulta evidente, na espécie, a
ocorrência de conflito direto com o texto da Constituição da
República, notadamente com os preceitos inscritos nos incisos IV e
IX do art. 5º e no art. 220, § 1º, da Carta Política.
Tais circunstâncias levam-me, desse modo, a conhecer, em
parte, do recurso extraordinário a que se refere o presente agravo
de instrumento.

Sendo esse o contexto, passo a examinar a controvérsia


constitucional ora suscitada na presente sede recursal. E, ao fazê-lo,
reproduzo o teor da matéria alegadamente ofensiva, tal como foi ela
registrada na publicação de fls. 183:

“O judiciário catarinense é uma ilha de agilidade. Em


menos de 12 horas, o Desembargador Francisco de Oliveira
Filho reintegrou seis vereadores de Barra Velha, após
votar contra no mesmo processo. Os ex-cassados tratavam
direto com o prefeito, ignorando a Constituição. A Câmara
vai recorrer. O povão apelidou o caso de ‘Anaconda de
Santa Catarina’.”

Delineado, de forma incontroversa, esse contexto fático,


assinalo que o exame dos elementos produzidos na causa em que
interposto o recurso extraordinário mencionado põe em evidência o
exercício concreto, pelo jornalista ora recorrente, da liberdade de
expressão e de crítica, considerado, para esse efeito, o próprio
teor da publicação supostamente veiculadora de lesão ao patrimônio
moral do recorrido.

Reconheço, por isso mesmo, que o conteúdo da matéria


jornalística que motivou a condenação do recorrente ao dever de
pagar indenização civil, por danos morais, ao ora recorrido, longe
de evidenciar prática ilícita contra a honra subjetiva do suposto
ofendido, traduz, na realidade, o exercício concreto, por esse
profissional da imprensa, da liberdade de expressão, cujo fundamento
reside no próprio texto da Constituição da República, que assegura,
ao jornalista, o direito de expender crítica, ainda que desfavorável
e mesmo que em tom contundente, contra quaisquer pessoas ou
autoridades.

Ninguém ignora que, no contexto de uma sociedade fundada em


bases democráticas, mostra-se intolerável a repressão estatal ao
pensamento, ainda mais quando a crítica – por mais dura que seja –
revele-se inspirada pelo interesse coletivo e decorra da prática
legítima, como sucede na espécie, de uma liberdade pública de
extração eminentemente constitucional (CF, art. 5º, IV, c/c o
art. 220).

Não se pode desconhecer que a liberdade de imprensa,


enquanto projeção da liberdade de manifestação de pensamento e de
comunicação, reveste-se de conteúdo abrangente, por compreender,
dentre outras prerrogativas relevantes que lhe são inerentes, (a) o
direito de informar, (b) o direito de buscar a informação, (c) o
direito de opinar e (d) o direito de criticar.

A crítica jornalística, desse modo, traduz direito


impregnado de qualificação constitucional, plenamente oponível aos
que exercem qualquer atividade de interesse da coletividade em
geral, pois o interesse social, que legitima o direito de criticar,
sobrepõe-se a eventuais suscetibilidades que possam revelar as
pessoas públicas.

É por tal razão que a crítica que os meios de comunicação


social dirigem às pessoas públicas, por mais acerba, dura e veemente
que possa ser, deixa de sofrer, quanto ao seu concreto exercício, as
limitações externas que ordinariamente resultam dos direitos da
personalidade.

Lapidar, sob tal aspecto, a decisão emanada do E. Tribunal


de Justiça do Estado de São Paulo, consubstanciada em acórdão assim
ementado:

“Os políticos estão sujeitos de forma especial às


críticas públicas, e é fundamental que se garanta não só
ao povo em geral larga margem de fiscalização e censura de
suas atividades, mas sobretudo à imprensa, ante a
relevante utilidade pública da mesma.”
(JTJ 169/86, Rel. Des. MARCO CESAR - grifei)

É importante acentuar, bem por isso, que não caracterizará


hipótese de responsabilidade civil a publicação de matéria
jornalística cujo conteúdo divulgar observações em caráter mordaz ou
irônico ou, então, veicular opiniões em tom de crítica severa, dura
ou, até, impiedosa, ainda mais se a pessoa a quem tais observações
forem dirigidas ostentar a condição de figura pública, investida, ou
não, de autoridade governamental, pois, em tal contexto, a liberdade
de crítica qualifica-se como verdadeira excludente anímica, apta a
afastar o intuito doloso de ofender.

Com efeito, a exposição de fatos e a veiculação de


conceitos, utilizadas como elementos materializadores da prática
concreta do direito de crítica, descaracterizam o “animus injuriandi
vel diffamandi”, legitimando, assim, em plenitude, o exercício dessa
particular expressão da liberdade de imprensa.

Expressivo dessa visão pertinente à plena legitimidade do


direito de crítica, fundado na liberdade constitucional de
comunicação, é o julgamento, que, proferido pelo E. Superior
Tribunal de Justiça – e em tudo aplicável ao caso ora em exame -,
está assim ementado:

“RECURSO ESPECIAL - RESPONSABILIDADE CIVIL – DANO MORAL –


(...) - DIREITO DE INFORMAÇÃO – ‘ANIMUS NARRANDI’ - EXCESSO
NÃO CONFIGURADO (...).
......................................................
3. No que pertine à honra, a responsabilidade pelo dano
cometido através da imprensa tem lugar tão-somente ante a
ocorrência deliberada de injúria, difamação e calúnia,
perfazendo-se imperioso demonstrar que o ofensor agiu com o
intuito específico de agredir moralmente a vítima. Se a
matéria jornalística se ateve a tecer críticas prudentes
(‘animus criticandi’) ou a narrar fatos de interesse
coletivo (‘animus narrandi’), está sob o pálio das
‘excludentes de ilicitude’ (...), não se falando em
responsabilização civil por ofensa à honra, mas em
exercício regular do direito de informação.”
(REsp 719.592/AL, Rel. Min. JORGE SCARTEZZINI – grifei)

Não é por outro motivo que a jurisprudência dos Tribunais –


com apoio em magistério expendido pela doutrina (JULIO FABBRINI
MIRABETE, “Manual de Direito Penal”, vol. 2/147 e 151, 7ª ed., 1993,
Atlas; DAMÁSIO E. DE JESUS, “Código Penal Anotado”, p. 400, 407
e 410/411, 4ª ed., 1994, Saraiva; EUCLIDES CUSTÓDIO DA SILVEIRA,
“Direito Penal - Crimes contra a pessoa”, p. 236/240, 2ª ed., 1973,
RT, v.g.) – tem ressaltado que a necessidade de narrar ou de
criticar (tal como sucedeu na espécie) atua como fator de
descaracterização da vontade consciente e dolosa de ofender a honra
de terceiros, a tornar legítima a crítica a estes feita, ainda que
por meio da imprensa (RTJ 145/381 – RTJ 168/853 – RT 511/422 –
RT 527/381 – RT 540/320 – RT 541/385 – RT 668/368 – RT 686/393), eis
que – insista-se – “em nenhum caso deve afirmar-se que o dolo
resulta da própria expressão objetivamente ofensiva” (HELENO
CLÁUDIO FRAGOSO, “Lições de Direito Penal - Parte especial”,
vol. II/183-184, 7ª ed., Forense – grifei), valendo referir, por
oportuno, decisão que proferi, a propósito do tema, neste Supremo
Tribunal Federal:

“LIBERDADE DE IMPRENSA (CF, ART. 5º, IV, c/c O


ART. 220). JORNALISTAS. DIREITO DE CRÍTICA. PRERROGATIVA
CONSTITUCIONAL CUJO SUPORTE LEGITIMADOR REPOUSA NO
PLURALISMO POLÍTICO (CF, ART. 1º, V), QUE REPRESENTA UM DOS
FUNDAMENTOS INERENTES AO REGIME DEMOCRÁTICO. O EXERCÍCIO DO
DIREITO DE CRÍTICA INSPIRADO POR RAZÕES DE INTERESSE
PÚBLICO: UMA PRÁTICA INESTIMÁVEL DE LIBERDADE A SER
PRESERVADA CONTRA ENSAIOS AUTORITÁRIOS DE REPRESSÃO PENAL.
A CRÍTICA JORNALÍSTICA E AS AUTORIDADES PÚBLICAS. A ARENA
POLÍTICA: UM ESPAÇO DE DISSENSO POR EXCELÊNCIA.”
(RTJ 200/277, Rel. Min. CELSO DE MELLO)

Entendo relevante destacar, no ponto, analisada a questão


sob a perspectiva do direito de crítica – cuja prática se mostra
apta a descaracterizar o “animus injuriandi vel diffamandi” (CLÁUDIO
LUIZ BUENO DE GODOY, “A Liberdade de Imprensa e os Direitos da
Personalidade”, p. 100/101, item n. 4.2.4, 2001, Atlas; VIDAL
SERRANO NUNES JÚNIOR, “A Proteção Constitucional da Informação e o
Direito à Crítica Jornalística”, p. 88/89, 1997, Editora FTD; RENÉ
ARIEL DOTTI, “Proteção da Vida Privada e Liberdade de Informação”,
p. 207/210, item n. 33, 1980, RT, v.g.) -, que essa prerrogativa dos
profissionais de imprensa revela-se particularmente expressiva,
quando a crítica, exercida pelos “mass media” e justificada pela
prevalência do interesse geral da coletividade, dirige-se a figuras
notórias ou a pessoas públicas, independentemente de sua condição
oficial.
Daí a existência de diversos julgamentos, que, proferidos
por Tribunais judiciários, referem-se à legitimidade da atuação
jornalística, considerada, para tanto, a necessidade do permanente
escrutínio social a que se acham sujeitos aqueles que, exercentes,
ou não, de cargos oficiais, qualificam-se como figuras públicas:
“Responsabilidade civil - Imprensa - Declarações que
não extrapolam os limites do direito de informar e da
liberdade de expressão, em virtude do contexto a que se
reportava e por relacionar-se à pessoa pública -
Inadmissibilidade de se cogitar do dever de indenizar - Não
provimento.”
(Apelação nº 502.243-4/3, Rel. Des. ÊNIO SANTARELLI
ZULIANI – TJSP - grifei)

“Indenização por dano moral. Matéria publicada, apesar


de deselegante, não afrontou a dignidade da pessoa humana,
tampouco colocou a autora em situação vexatória. Apelante
era vereadora, portanto, pessoa pública sujeita a críticas
mais contundentes. Termos deseducados utilizados pelo réu
são insuficientes para caracterizar o dano moral pleiteado.
Suscetibilidade exacerbada do pólo ativo não dá supedâneo à
verba reparatória pretendida. Apelo desprovido.”
(Apelação Cível nº 355.443-4/0-00, Rel. Des. NATAN
ZELINSCHI DE ARRUDA – TJSP - grifei)

“INDENIZAÇÃO. RESPONSABILIDADE CIVIL. DANO MORAL.


INOCORRÊNCIA. MATÉRIA QUE TRADUZ CRÍTICA JORNALÍSTICA.
AUTORA QUE, NO EXERCÍCIO DE CARGO PÚBLICO, NÃO PODE SE
FURTAR A CRÍTICAS QUE SE LHE DIRIGEM. CASO EM QUE FERIDA
MERA SUSCETIBILIDADE, QUE NÃO TRADUZ DANO. AUSÊNCIA DE
ILICITUDE DO COMPORTAMENTO DOS RÉUS. DIREITO DE CRÍTICA QUE
É INERENTE À LIBERDADE DE IMPRENSA. VERBA INDEVIDA. AÇÃO
JULGADA IMPROCEDENTE. SENTENÇA REFORMADA. RECURSO PROVIDO,
PREJUDICADO O APELO ADESIVO. (...).”
(Apelação Cível nº 614.912.4/9-00, Rel. Des. VITO
GUGLIELMI – TJSP - grifei)
“INDENIZAÇÃO. RESPONSABILIDADE CIVIL. DANO MORAL.
INOCORRÊNCIA. AUSÊNCIA DE ILICITUDE. PUBLICAÇÃO DE ARTIGO
EM REVISTA COM REFERÊNCIAS À PESSOA DO AUTOR. INFORMAÇÕES
COLETADAS EM OUTRAS FONTES JORNALÍSTICAS DEVIDAMENTE
INDICADAS. AUSÊNCIA DE CONOTAÇÃO OFENSIVA. TEOR CRÍTICO QUE
É PRÓPRIO DA ATIVIDADE DO ARTICULISTA. AUTOR, ADEMAIS, QUE
É PESSOA PÚBLICA E QUE ATUOU EM FATOS DE INTERESSE PÚBLICO.
SENTENÇA MANTIDA. RECURSO IMPROVIDO.”
(Apelação Cível nº 638.155.4/9-00, Rel. Des. VITO
GUGLIELMI – TJSP - grifei)
“(...) 03. Sendo o envolvido pessoa de vida pública,
uma autoridade, eleito para o cargo de Senador da República
após haver exercido o cargo de Prefeito do Município de
Ariquemes/RO, condição que o expõe à crítica da sociedade
quanto ao seu comportamento, e levando-se em conta que não
restou provado o ‘animus’ de ofender, tenho que o Jornal
não pode ser condenado ao pagamento de indenização por
danos morais.
04. Deu-se provimento ao recurso. Unânime.”
(Apelação Cível nº 2008.01.5.003792-6, Rel. Des. ROMEU
GONZAGA NEIVA – TJDF - grifei)

“A notoriedade do artista, granjeada particularmente em


telenovela de receptividade popular acentuada, opera por
forma a limitar sua intimidade pessoal, erigindo-a em
personalidade de projeção pública, ao menos num determinado
momento. Nessa linha de pensamento, inocorreu iliceidade ou
o propósito de locupletamento para, enriquecendo o texto,
incrementar a venda da revista. (...) cuida-se de um ônus
natural, que suportam quantos, em seu desempenho exposto ao
público, vêm a sofrer na área de sua privacidade, sem que
se aviste, no fato, um gravame à reserva pessoal da
reclamante.”
(JTJ/Lex 153/196-200, 197/198, Rel. Des. NEY ALMADA – TJSP -
grifei)
Vê-se, pois – tal como tive o ensejo de
assinalar (Pet 3.486/DF, Rel. Min. CELSO DE MELLO, “in”
Informativo/STF nº 398/2005) -, que a crítica jornalística,
quando inspirada pelo interesse público, não importando a
acrimônia e a contundência da opinião manifestada, ainda mais
quando dirigida a figuras públicas, com alto grau de
responsabilidade na condução dos interesses de certos grupos da
coletividade, não traduz nem se reduz, em sua expressão concreta,
à dimensão do abuso da liberdade de imprensa, não se revelando
suscetível, por isso mesmo, em situações de caráter ordinário, de
sofrer qualquer repressão estatal ou de se expor a qualquer
reação hostil do ordenamento positivo.

É certo que o direito de crítica não assume caráter


absoluto, eis que inexistem, em nosso sistema constitucional, como
reiteradamente proclamado por esta Suprema Corte (RTJ 173/805-810,
807-808, v.g.), direitos e garantias revestidos de natureza
absoluta.

Não é menos exato afirmar-se, no entanto, que o direito de


crítica encontra suporte legitimador no pluralismo político, que
representa um dos fundamentos em que se apóia, constitucionalmente,
o próprio Estado Democrático de Direito (CF, art. 1º, V).

É por tal razão, como assinala VIDAL SERRANO NUNES JÚNIOR


(“A Proteção Constitucional da Informação e o Direito à Crítica
Jornalística”, p. 87/88, 1997, Editora FTD), que o reconhecimento da
legitimidade do direito de crítica - que constitui “pressuposto do
sistema democrático” – qualifica-se, por efeito de sua natureza
mesma, como verdadeira “garantia institucional da opinião pública”:

“(...) o direito de crítica em nenhuma circunstância é


ilimitável, porém adquire um caráter preferencial, desde
que a crítica veiculada se refira a assunto de interesse
geral, ou que tenha relevância pública, e guarde
pertinência com o objeto da notícia, pois tais aspectos é
que fazem a importância da crítica na formação da opinião
pública.” (grifei)

Não foi por outro motivo – e aqui rememoro anterior decisão


por mim proferida nesta Suprema Corte (Pet 3.486/DF, Rel. Min. CELSO
DE MELLO) - que o Tribunal Constitucional espanhol, ao veicular as
Sentenças nº 6/1981 (Rel. Juiz FRANCISCO RUBIO LLORENTE), nº 12/1982
(Rel. Juiz LUIS DÍEZ-PICAZO), nº 104/1986 (Rel. Juiz FRANCISCO TOMÁS
Y VALIENTE) e nº 171/1990 (Rel. Juiz BRAVO-FERRER), pôs em destaque
a necessidade essencial de preservar-se a prática da liberdade de
informação, inclusive o direito de crítica que dela emana, como um
dos suportes axiológicos que informam e que conferem legitimação
material à própria concepção do regime democrático.

É relevante observar, ainda, que o Tribunal Europeu de


Direitos Humanos (TEDH), em mais de uma ocasião, também advertiu que
a limitação do direito à informação e do direito (dever) de
informar, mediante (inadmissível) redução de sua prática “ao relato
puro, objetivo e asséptico de fatos, não se mostra
constitucionalmente aceitável nem compatível com o pluralismo, a
tolerância (...), sem os quais não há sociedade democrática (...)”
(Caso Handyside, Sentença do TEDH, de 07/12/1976).

Essa mesma Corte Européia de Direitos Humanos, quando do


julgamento do Caso Lingens (Sentença de 08/07/1986), após assinalar
que “a divergência subjetiva de opiniões compõe a estrutura mesma do
aspecto institucional do direito à informação”, acentua que “a
imprensa tem a incumbência, por ser essa a sua missão, de publicar
informações e idéias sobre as questões que se discutem no terreno
político e em outros setores de interesse público (...)”, vindo a
concluir, em tal decisão, não ser aceitável a visão daqueles que
pretendem negar, à imprensa, o direito de interpretar as informações
e de expender as críticas pertinentes.

Não custa insistir, neste ponto, na asserção de que a


Constituição da República revelou hostilidade extrema a quaisquer
práticas estatais tendentes a restringir ou a reprimir o legítimo
exercício da liberdade de expressão e de comunicação de idéias e de
pensamento.

É preciso advertir, bem por isso, notadamente quando se


busca promover, como no caso, a repressão à crítica jornalística,
mediante condenação judicial ao pagamento de indenização civil, que
o Estado – inclusive o Judiciário - não dispõe de poder algum sobre
a palavra, sobre as idéias e sobre as convicções manifestadas pelos
profissionais dos meios de comunicação social.

Essa garantia básica da liberdade de expressão do


pensamento, como precedentemente assinalado, representa, em seu
próprio e essencial significado, um dos fundamentos em que repousa a
ordem democrática. Nenhuma autoridade, mesmo a autoridade
judiciária, pode prescrever o que será ortodoxo em política, ou em
outras questões que envolvam temas de natureza filosófica,
ideológica ou confessional, nem estabelecer padrões de conduta cuja
observância implique restrição aos meios de divulgação do
pensamento. Isso, porque “o direito de pensar, falar e escrever
livremente, sem censura, sem restrições ou sem interferência
governamental” representa, conforme adverte HUGO LAFAYETTE BLACK,
que integrou a Suprema Corte dos Estados Unidos da América, “o mais
precioso privilégio dos cidadãos (...)” (“Crença na Constituição”,
p. 63, 1970, Forense).

Vale rememorar, por relevante, tal como o fiz em anterior


decisão neste Supremo Tribunal Federal (Pet 3.486/DF, Rel. Min. CELSO
DE MELLO), fragmento expressivo da obra do ilustre magistrado federal
SÉRGIO FERNANDO MORO (“Jurisdição Constitucional como Democracia”,
p. 48, item n. 1.1.5.5, 2004, RT), no qual esse eminente Juiz põe em
destaque um “landmark ruling” da Suprema Corte norte-americana,
proferida no caso “New York Times v. Sullivan” (1964), a propósito
do tratamento que esse Alto Tribunal dispensa à garantia
constitucional da liberdade de expressão:

“A Corte entendeu que a liberdade de expressão em


assuntos públicos deveria de todo modo ser preservada.
Estabeleceu que a conduta do jornal estava protegida pela
liberdade de expressão, salvo se provado que a matéria
falsa tinha sido publicada maliciosamente ou com
desconsideração negligente em relação à verdade. Diz o
voto condutor do Juiz William Brennan:

‘(...) o debate de assuntos públicos deve ser sem


inibições, robusto, amplo, e pode incluir ataques
veementes, cáusticos e, algumas vezes, desagradáveis ao
governo e às autoridades governamentais.’” (grifei)
Essa mesma percepção em torno do tema tem sido manifestada
pela jurisprudência dos Tribunais, em pronunciamentos que se
orientam em sentido favorável à postulação do ora recorrente, que
agiu, na espécie, com o ânimo de informar e de expender crítica, em
comportamento amparado pela liberdade constitucional de comunicação,
em contexto que claramente descaracteriza qualquer imputação, a ele,
de responsabilidade civil pela matéria que escreveu:
“RECURSO ESPECIAL. MATÉRIA PUBLICADA EM REVISTA
SEMANAL. VIÉS CRÍTICO SOBRE TERAPIAS ALTERNATIVAS.
LIBERDADE DE IMPRENSA. INEXISTÊNCIA DE DANOS MORAIS.
1. A liberdade de imprensa, garantia inerente a
qualquer Estado que se pretenda democrático, autoriza a
publicação de matéria que apresente críticas a quaisquer
atividades.”
(REsp 828.107/SP, Rel. Min. HUMBERTO GOMES DE BARROS –
grifei)
“Críticas - inerentes à atividade jornalística.
Estado Democrático - cabe à imprensa o dever de
informar.
Art. 5º, IV e X, da Constituição. Idéias e opiniões
pessoais são livres. Garantia constitucional.
Vida pública - todos estão sujeitos a críticas
favoráveis ou desfavoráveis.
.......................................................
Exercício da crítica não produz lesão moral.”
(Apelação Cível nº 2006.001.21477/RJ, Rel. Des. WANY
COUTO – grifei)

“AÇÃO DE INDENIZAÇÃO - DANOS MORAIS - LIBERDADE DE


IMPRENSA - DIVULGAÇÃO DE FATOS ENVOLVENDO O AUTOR -
AUSÊNCIA DE DESVIRTUAMENTO.
1 - A liberdade de imprensa deve ser exercida com a
necessária responsabilidade, para que não resulte em
prejuízo à honra, à imagem e ao direito de intimidade da
pessoa abrangida na notícia.
2 - Não tendo as matérias publicadas ultrapassado os
limites legais e constitucionais do direito de informação,
afasta-se a ocorrência de dano moral, eis que ausente a
intenção de lesar ou prejudicar outrem.”
(Apelação Cível nº 2004.01.1.063638-4/DF, Rel. Des.
HAYDEVALDA SAMPAIO – grifei)

Impõe-se reconhecer que esse entendimento tem o beneplácito


do magistério jurisprudencial desta Suprema Corte, que, em hipótese
assemelhada à ora em exame, proferiu decisão consubstanciada em
acórdão assim ementado:

“Direito à informação (CF, art. 220). Dano moral. A


simples reprodução, pela imprensa, de acusação de mau uso
de verbas públicas, prática de nepotismo e tráfico de
influência, objeto de representação devidamente formulada
perante o TST por federação de sindicatos, não constitui
abuso de direito. Dano moral indevido. RE conhecido e
provido.”
(RE 208.685/RJ, Rel. Min. ELLEN GRACIE - grifei)

Concluo a minha decisão: as razões que venho de expor


levam-me a reconhecer que a pretensão deduzida pelo jornalista
recorrente revela-se acolhível, eis que compatível com o modelo
consagrado pela Constituição da República. É que a opinião
jornalística ora questionada - que motivou a condenação civil
imposta ao recorrente - veicula conteúdo que traduz expressão
concreta de uma liberdade fundamental que legitima o exercício do
direito constitucional de crítica e de informação.
Sendo assim, pelas razões expostas, conheço do presente
agravo de instrumento, para, desde logo, conhecer, em parte, do
recurso extraordinário, e, nessa parte, dar-lhe provimento (CPC,
art. 544, § 4º), em ordem a julgar improcedente a “ação
indenizatória” ajuizada pela parte ora recorrida, invertidos os ônus
da sucumbência.

Publique-se.

Brasília, 18 de junho de 2010.

Ministro CELSO DE MELLO


Relator