Vous êtes sur la page 1sur 18

Segundo Reinado Brasileiro

Disciplina: História
Professora Juliana Ramos
2º EM
Segundo Reinado
 Começa em 1840 e termina em 15 de novembro de
1889, quando é deposto pelos militares na Proclamação
da República.

 Últimos conflitos: Revoltas Liberais em 1842 e


Revolução Praieira em 1848.

 Pacificação - Durante os primeiros dez anos do


Segundo Reinado, o regime monárquico estabiliza-se,
motivos: Crescimento da cafeicultura e adoção do
parlamentarismo (elite passa a lutar entre si
politicamente).
Tentativas de industrialização
1822 a 1843 1844 a 1875 1875 a 1900

Ainda preso ao tratado Lei Alves Branco: taxas 1881 – Associação


de 1810, que estabelecia com variação de 20% à Industrial,
taxas de importação 60%, com o objetivo de protecionismo
baixas. aumentar a arrecadação de alfandegário, sem
Somente indústrias impostos, encareceu os
têxteis, alimentação e produtos importados,
taxação para máquinas
vestuário. estabelecendo um e matérias-primas. 200
protecionismo fábricas;
alfandegário. Era Mauá 1889 – 600;
(siderúrgia); 1900 - + de 1000.
1860 - reduz de 60% para
5% a taxa de importação.
Política interna – violência e fraude
nas eleições
 Capangas contratados pelos liberais
invadiam os locais de votação,
distribuindo cacetadas e ameaçando de
morte os adversários políticos.
 Houve muita fraude na apuração dos
votos, substituindo-se urnas
verdadeiras por outras com votos
falsos. Os liberais venceram na base da
fraude e do espancamento.
 As eleições ficaram conhecidas como
eleições do cacete. Quando os
conservadores assumem o poder, São
Paulo e Minas Gerais, em 1842, seus
políticos do Partido Liberal revoltaram-
se.
Em Pernambuco ocorre a Revolta
Praieira no ano de 1848, em sintonia
com as novas idéias socais européias.
O parlamentarismo no Brasil
 Em 1847, a criação do
cargo de presidente do
Conselho de Ministros
assinala o começo do
parlamentarismo no
Segundo Reinado. Esse
presidente seria o
primeiro-ministro, isto é,
chefe do ministério e
encarregado de organizar
o Gabinete do governo. Após a realização de uma eleição, D. Pedro II
nomeava para o cargo de primeiro-ministro um
líder político do partido vencedor. Este líder
montava o Gabinete ministerial que, em seguida,
era apresentado à Câmara dos Deputados em
busca de um voto de confiança (aprovação pela
maioria dos parlamentares).
Política Externa
 Questão Christie – contra a
Inglaterra, os dois países
chegaram a romper relações
diplomáticas (1863-1865).

 Luta contra os países platinos:


Primeiro foi a intervenção contra
Oribe e Rosas (1851-1852),
presidentes do Uruguai e
Argentina, respectivamente.
Depois, a Guerra contra Aguirre
(1864-1865), presidente do
Uruguai. Mas o conflito mais
grave foi a Guerra do Paraguai
O embaixador William Christie sobre um
barril de pólvora segurando uma bomba com
(1865-1870).
os dizeres: "direito das gentes".
Guerra do Paraguai: a mais longa
e sangrenta da América do Sul
 José Gaspar Rodrigues de Francia criou uma estrutura de
produção voltada para os interesses internos da população
paraguaia.
 Distribuiu terras aos camponeses, combateu a oligarquia
rural improdutiva, construiu inúmeras escolas para o povo.
Em 1840, o Paraguai não tinha analfabetos.
Francia morreu em 1840. Seus sucessores, Antônio Carlos
López (1840-1862) e seu filho, Francisco Solano López
(1862-1870), prosseguiram a obra de construir no Paraguai
um país forte e soberano. País livre da exploração do
capitalismo internacional.
Batalha de Riachuelo
Ataque da cavalaria paraguaia sobre a direita do
acampamento aliado. Por Candido Lopez (Museu
Nacional de Belas Artes (Buenos Aires - Argentina)
A violência do conflito
 75,7% dos paraguaios foram exterminados.
As conseqüências da guerra
• A economia brasileira ficou fortemente abalada em virtude dos
prejuízos da guerra.
• O Exército brasileiro passou a assumir posições contrarias à
sociedade escravista brasileira e a demonstrar simpatia pela causa
republicana.
Modernização Conservadora
No decorrer do século XIX, principalmente no período de 1850 a
1900, o Brasil viveu grandes transformações:

 O centro econômico do país deslocou-se das velhas áreas agrícolas do


nordeste para o centro-sul;
 O café tornou-se o principal produto agrícola do país.
 Nas fazendas de café de São Paulo o trabalho do escravo foi sendo
substituído pelo trabalho assalariado do imigrante europeu (italianos,
alemães etc.);
 O dinheiro obtido com a venda do café foi aplicado na industrialização
do Brasil. Surgiram inicialmente indústrias alimentares, de vestuário e
de madeira;
 As cidades se desenvolveram e surgiram importantes serviços urbanos
(iluminação das ruas, bondes, ferrovias, bancos, teatros, etc.).
 O clima e o tipo de solo do sudeste brasileiro favoreciam amplamente
o desenvolvimento da lavoura cafeeira. O país tinha disponibilidade de
novas terras e já contava com a mão-de-obra escrava, que foi
deslocada para a cafeicultura;
 De 1830 até o fim do século, o café foi o principal produto exportado
pelo Brasil;
 Os grandes lucros gerados pela exportação do café possibilitaram a
recuperação econômica do Brasil, que tinha suas finanças abaladas
desde o período da Independência, devido à queda das exportações
agrícolas.
A poderosa classe dos cafeicultores
A riqueza do café fez dos cafeicultores a classe social mais poderosa
da sociedade brasileira. A economia cafeeira do século XIX dividia-se
em dois setores básicos:
• setor tradicional: faziam parte deste grupo os cafeicultores das
fazendas de café mais antigas, localizadas na Baixada Fluminense e no
Vale do Paraíba.
• setor moderno: composto de cafeicultores das fazendas de café de
áreas mais recentes, localizadas no oeste de São Paulo.
A abolição da escravatura - Um exigência do
capitalismo industrial

 1850 - Lei Eusébio de Queirós (fim do tráfico negreiro);

 1871 – Lei Rio Branco = Ventre Livre;

 1885 - Lei Savaiva-Cotegipe = Sexagenário;

 1888 – Lei João Alfredo = Abolição da escravatura.


Imigração

 Colônias de imigrantes (1818 a 1860);


 Imigração financiada pelo fazendeiro - sistema de
parceria (1847 a 1860);
 Imigração subvencionada pelo governo ( 1870 a
1880).
Declínio do Império
 Modernização Conservadora;
Ascendente - exportação
 Classe dominante
Decadente - demais grupos
(açúcar e algodão)
 Fortalecimento da classe média;
 A ESTRUTURA político - administrativa não
comporta e nem atende os interesses dos
novos grupos sócioeconômicos.
Crises Políticas
•O Império demora ao lado da aristocracia escravista;
•Abolicionistas unem-se aos republicanos;
•Problemas com a Igreja e com o Exército, nas décadas de 1870 e
1880;

•Ápice com a abolição da escravatura em


1888.

Apesar de os dirigentes do império verem


a abolição como uma vitória da
monarquia, as oligarquias rompem com o
regime, deixando de lhe dar sustentação.
No dia 15 de novembro de 1889, um
grupo de militares proclama a república e
põe fim ao Segundo Reinado.