Vous êtes sur la page 1sur 3

PODER JUDICIRIO

TRIBUNAL DE JUSTIA DO ESTADO DE SO PAULO

Registro: 2012.0000231723

ACRDO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelao n 0139646-


70.2010.8.26.0100, da Comarca de So Paulo, em que apelante ESCOLA
DOMUS SAPIENTIAE LTDA e apelado MARCELO FIOREZZI
TABORDA VIEIRA.

ACORDAM, em sesso permanente e virtual da 28 Cmara da Seo


de Direito Privado do Tribunal de Justia de So Paulo, proferir a seguinte
deciso: "NEGARAM PROVIMENTO AO APELO. V.U.", de conformidade
com o voto do relator, que integra este acrdo.

O julgamento teve a participao dos Desembargadores MELLO


PINTO (Presidente sem voto), JLIO VIDAL E CESAR LACERDA.

So Paulo, 23 de maio de 2012.

Celso Pimentel
relator
Assinatura Eletrnica
PODER JUDICIRIO
TRIBUNAL DE JUSTIA DO ESTADO DE SO PAULO

Voto n 22.558
Apelao n 0139646-70.2010.8.26.0100
20 Vara Cvel do Foro Central da Capital
Apelante: Escola Domus Sapientiae Ltda
Apelado: Marcelo Fiorezzi Taborda Vieira
28 Cmara da Seo de Direito Privado

Confisso de dvida constitui tpica


hiptese de novao objetiva, que
extingue e substitui a dvida anterior. Por
isso, mantm-se a pronncia de prescrio
de monitria ajuizada por escola e o
arbitramento da honorria de
sucumbncia.

Escola apela da respeitvel sentena que,


reconhecendo a prescrio, extinguiu monitria para receber
mensalidades. Insiste em seu crdito e nega a ocorrncia do lapso
prescricional, que afirma ser decenal. Busca a inverso do resultado
ou a reduo da honorria de sucumbncia.

Vieram preparo e resposta.

o relatrio.

A monitria tem por objeto confisso de


dvida oriunda de contrato de prestao de servios educacionais
(fls. 29/30), representada por notas promissrias. (fls. 17/27).

Confisso de dvida constitui tpica


hiptese de novao objetiva, que extingue e substitui a dvida
anterior (Cdigo Civil de 2002, art. 360, I).

Logo, o termo inicial da prescrio recai


Apelao n 0139646-70.2010.8.26.0100 - Ctb10412e 2
PODER JUDICIRIO
TRIBUNAL DE JUSTIA DO ESTADO DE SO PAULO

no vencimento da obrigao inadimplida previsto na confisso.

No caso, o mais recente dos ttulos venceu


em fevereiro de 2003 (fl. 27). Pelo sistema do Cdigo Civil de
2002, d-se em um cinco anos a prescrio da pretenso da escola a
mensalidades escolares (art. 206, 5, I).

A prescrio se consumaria, portanto em


fevereiro de 2008.

Como a ao veio em maio de 2010,


quando j decorrido de h muito o lapso, operou-se mesmo a
prescrio.

Em tais circunstncias, a respeitvel


sentena no merece reparo e o arbitramento da honorria de
sucumbncia no mnimo mostra-se adequado e por si dispensa
outra considerao.

Pelas razes expostas, nega-se provimento


ao recurso.

Celso Pimentel
relator

Apelao n 0139646-70.2010.8.26.0100 - Ctb10412e 3