Vous êtes sur la page 1sur 2

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

VESTIBULAR – 2009

2 CONTEÚDO 02 CONTEÚDO DO TEXTO 1 PROFº: MAURO NASCIMENTO A Certeza de Vencer MA180208
2
CONTEÚDO
02
CONTEÚDO DO TEXTO 1
PROFº: MAURO NASCIMENTO
A Certeza de Vencer
MA180208
1 PROFº: MAURO NASCIMENTO A Certeza de Vencer MA180208 A lei de violência doméstica e familiar
1 PROFº: MAURO NASCIMENTO A Certeza de Vencer MA180208 A lei de violência doméstica e familiar

A lei de violência doméstica e familiar contra a mulher, sancionada pelo presidente Lula em agosto passado, recebeu o

nome de Lei Maria da Penha Maia, uma “mulher que renasce das cinzas para se transformar em um símbolo da luta contra a violência doméstica no nosso país”, segundo o presidente.

O projeto, elaborado por um grupo interministerial, a partir de um anteprojeto de organização não-governamentais, foi

enviado pelo Governo Federal ao congresso em novembro de 2004, transformando-se no projeto de Lei
enviado pelo Governo Federal ao congresso em novembro de 2004,
transformando-se no projeto de Lei de Conversão 37/2006, aprovado e
sancionado. A ministra Nilcéia Freitas, da Secretaria Especial de
Políticas para as Mulheres, acredita que as denúncias de violência
contra mulheres aumentará, pois agora elas tem uma rede de proteção
para atendê-las. A referida secretaria disponibilizou um número de
telefone 180 para denunciar a violência doméstica e orientar o
atendimento.
QUATRO AGRESSÕES POR MINUTO
A violência doméstica atinge quatro mulheres por minuto no
Brasil e muitas não denunciam por medo ou vergonha de se expor.
Pesquisa da Fundação Perseu Abramo levantou mais de dois milhões
de casos de violência doméstica e familiar por ano, sendo que, cerca de
uma em cada cinco brasileiras já sofreu violência por parte de algum
homem.
Dentre a violência mais comum destaca-se: agressão física
branda (tapas e empurrões) – 20% das mulheres. Violência psíquica de
xingamentos, com ofensa à conduta moral da mulher: 18%. Ameaça
através de coisas quebradas, roupas rasgadas, objetos atirados e outras formas de indiretas de agressões: 15%.
JUIZADO ESPECIAIS E PRISÃO EM FLAGANTE
A Lei Maria da Penha criou nos Estados um juizado especial de violência Doméstica e Familiar contra a Mulher para
agilizar processos e investigações. A violência doméstica era considerada crime de “menor potencial ofensivo” e julgado em
juizados especiais criminais junto com brigas de vizinhos e acidentes de trânsito.
A Lei Maria da Penha aumentou a proteção às vítimas, passou para três anos o tempo máximo de prisão e reduziu de seis
para três meses a pena mínima. A Lei alerta o Código Penal e permite que agressores seja, presos em flagrante ou tenham prisão
preventiva decretada e acaba com penas pecuniárias, em que o réu é condenado a pagar cestas básicas ou multas. Altera ainda a
Lei de Execução Penais permitindo que o juiz determine o comparecimento obrigatório do agressor a programas de recuperação e
reeducação.
A lei tem uma série de medidas para proteger a mulher agredida ou cuja vida corre perigo, tais como a saída do agressor
de casa, a proteção dos filhos, o direito de reaver bens e cancelar procurações em nome do agressor. Pode ainda ficar seis meses
afastada do trabalho sem perda do emprego se constatada a manutenção da sua integridade física ou psicológica.
O Brasil é o 18° país da América Latina que tem uma lei específica para os casos de violência doméstica e familiar contra
a mulher sob qualquer ação ou omissão que cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou
patrimonial.
QUEM É MARIA DA PENHA
Maria
da
Penha
Maia,
biofarmacêutica, lutou 20 anos para
Herredia, tentou assassiná-la duas
vezes. Na primeira deu m tiro que a
deixou paraplégica. Na segunda
ver seu agressor condenado, virando
símbolo contra
tentou eletrocutá-la. Na ocasião, ela
tinha 38 anos e três filhas, entre 6 e 2
a
violência
anos de idade.
Humanos da OEA, que acentuou pela
primeira vez, a denúncia de um
crime de violência doméstica.
Herredia foi preso em outubro de
2002 e cumpriu dois anos de prisão.
Após a violência sofrida,
doméstica. Em
A investigação começou em
83, o
então
marido,
professor
universitário
Marcos
Antônio
junho do mesmo ano, mas a denúncia
só foi apresentada ao Ministério
Público Estadual em setembro de 84.
Herredia foi condenado oito anos
depois a oito anos de prisão, mas
conseguiu protelar o cumprimento da
pena.
Maria da Penha Maia iniciou sua
atuação em movimentos sociais
contra violência e impunidade e hoje
é coordenadora de Estudos,
Pesquisas e Publicações da
Associação de Parentes e Amigos de
Vítimas de Violência (APAVV) no
Ceará.
O caso chegou a comissão
Interamericana dos Direitos

FAÇO IMPACTO - A CERTEZA DE VENCER!!!

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

VESTIBULAR – 2009

EXERCÍCIO

01.

a) serve para explicar um termo

b) serve para retornar um termo anterior

c) serve para definir um termo anterior

d) não retoma um termo anterior

02.

a)

b)

c) Indica um pensamento já existente

d) Indica o discurso indireto

03.

a) possui um prefixo com valor semântico de “dentro”

b) possui um prefixo com valor semântico de “entre”

c) possui um prefixo com valor semântico de “internização”

d) Não possui um prefixo

04.

atende-las” temos um desvio de:

a) acentuação

b) ortografia

c) fonema

d)

05.

agressores é:

a) vergonha

b) medo

c) injustiça

d) descaso

06.

parágrafo do texto expressa:

a) modo

b) causa

c) explicação

d) motivo

07. Segundo o texto um dos motivos que deixava lenta as punições contra os agressores de mulheres era:

a)

situações de violência.

b)

para esses casos.

c) por não representar no Brasil um crime grave.

d) Por ser analisado em lugares não específicos para a

violência.

08.

ser substituída sem alteração de sentido por:

a)

b) graves

c) gravíssimas

d) irrelevantes

09. NO texto “Quem é Maria da Penha”? nos revela que?

a) As agressões a mulheres obedece a uma classe social

específica.

b)

dos maridos.

c)

classes.

d) Maria da Penha foi uma exceção no seu meio social no que

se refere a agressão doméstica.

10. Ainda no texto ”Maria da Penha” no contexto que relata quem foi o agressor
10. Ainda no texto ”Maria da Penha” no contexto que relata
quem
foi
o
agressor
da
biofarmacêutica, o que mais é
espantoso:
Sobre o primeiro termo isolado entre virgulas:
a)
o fato de Marco Antônio ser professor universitário.
b)
o fato de o professor ter deixado sua esposa paraplégica.
c)
o fato de o professor tentar mata-la duas vezes.
d)
o
fato
de
ter
utilizado
formas
absurdas
para
tentar
assassinar a mulher.
As aspas usadas no primeiro parágrafo:
QUESTÕES DISCURSIVAS
Indica o discurso direto
Indica uma citação
01. Descreva o contexto que se encontra entre aspas no 1°
parágrafo do texto de forma denotativa.
O termo destacado no segundo parágrafo:
Em:
,
pois agora elas tem uma rede de proteção para
02. Qual a idéia específica presente no 3° parágrafo?
concordância
Segundo o texto o maior motivo para a impunidade dos
03. Qual foi a maior conquist5a da Lei Maria da penha?
O marcador textual destacado e presente no terceiro
04. Para que foi usada a última expressão destacada no
texto?
o fato de os juizados serem despreparados para resolverem
pelo fato de que no Brasil não existia uma lei específica
05. O que chama a atenção no título do texto?
A palavra ”pecuniárias”presente no sexto parágrafo pode
pequenos
06. Você acredita que a lei “Maria da Penha” veio melhorar a
situação.
Somente mulheres de nível social mais baixo sofre violência
07. Substitua
o
último
termo
destacado
por
outro
sem
Toda mulher está sujeita a violência independente de
alteração do sentido.